ILHA BRAVA - DITOSA TERRA

Pequenina,
Linda ilha encantadora!
Com as suas altas montanhas
Que parecem desafiar
As nuvens do firmamento,
Seus profundos vales
Que saudade inspiram,
Suas lindas praias de areias negras
Beijadas por um carinhoso mar,
Ergue-se no meio do Atlântico
A formosa ilha Brava.

Entre todas as terras de Cabo Verde
És a primeira e a última que com sorriso
E alegria saúda e com adeus de tristeza
Se despede destes bravos marinheiros
Que sulcam esses mares do sul,
Verdadeiro abismo do infinito.

Pequenina Brava!
Qual flor de pétalas orvalhadas
Pelas lágrimas de saudades
Destes teus queridos filhos que,
Quais andorinhas em bando,
O destino e a sorte souberam despertar
Pelos longínquos recantos da terra,
Encontra em cada coração
Que te ama, um cantinho.
Em cada olho que te chora,
Uma lágrima.
Em cada voz que te canta,
A melodia de uma morna.

Oh, terra dos meus encantos,
Paraíso dos sonhos poéticos!
Tu és um jardim de flores!
Tu és um altar para quem
Quiser te adorar.
Por isso te trago juntinho
Do meu coração.


Peneda da Saudade, Coimbra, anos 40.

Pedro de Burgo (Pepe di Teca)

V o l t a r