Nas asas do meu pensar

A Viriato Gonçalves

Lembranças do pontão de noites escuras
A escorrer pelo campo do Menino,
Testemunhas de tantas lentas passadas,
Gotejam lá do alto, no nosso caminho.

Um olhar a pousar em noites de brincadeiras
Num tacteio lúdico de mãos entrelaçadas
Vislumbrando um sentir de humano calor
Em noites que aliviaram a tantos a dor.

Ainda que de longe se avista o campo,
O patamar amigo carcomido pelo tempo,
Todo, réstias de um começo de tudo.

Com a seiva que pelas suas veias tortuosas
Se escorre no menino segundo do Campo
Se espera mais... a revelação das coisas.

Domingos Barbosa da Silva

Noruega, 7.5.05

V o l t a r