Jon d'Alcanja e Zizim Figueira


A CONJUGAÇÂO DE DUAS FORÇAS DA NATUREZA

Só quem não leu ainda as "stórias" do Zizim Figueira (José Figueira Júnior) fica intrigado com estas palavras introdutórias, ignorando que Jon d'Alcanja é aquele mestre pescador de Calhau (S. Vicente), a figura central da crónica com o mesmo nome já publicada no Liberal.

Cada uma destas figuras-forças da natureza tem a sua própria origem, marca de nascimento e percurso evolutivo, mas sem dúvida que são muito idênticas na simplicidade estrutural e na espontaneidade natural como acertam o seu ritmo vital com este pulsar cósmico que tudo comanda.

Só quem não leu ainda as "stórias" do Zizim Figueira (José Figueira Júnior) fica intrigado com estas palavras introdutórias, ignorando que Jon d'Alcanja é aquele mestre pescador de Calhau (S. Vicente), a figura central da crónica com o mesmo nome já publicada no Liberal.

A mim deu-me um enorme prazer ler essa crónica, tanto que a reli mais de uma vez, como se por essa via quisesse também sentir-me protagonista da mesma aventura vivida pelo Zizim e uns quantos companheiros (Djibla, Djô Borja, Jurgim, July Siminhas, Manecas Matos, Rui Machado…) na companhia daquele experimentado pescador, num sábado ventoso de há tempo que já quase se perde na bruma da memória.

Essa "stória" fala-nos na natureza humana de Jon d'Alcanja e na sua arte profissional aprendida empiricamente, mas tão refinada e consolidada que, à sua escala ambiental, ele era indiscutivelmente um especialista das ciências do mar, dando razão àqueles que dizem que o verdadeiro saber é aquele que nasce da experiência feita.

Logo que a "stória" nos mete pelo mar dentro, cortando as águas revoltas em direcção a Santa Luzia, desafiando o vento, as marés e as correntes, apercebemo-nos de que o Zizim é um "irmão gémeo" daquele sábio pescador analfabeto e pé-descalço, filhos autênticos que ambos são da mãe-natureza.

Amante inveterado das lides desportivas do mar, uma paixão tão assinalável como a de Jon d'Alcanja pelo seu ofício, o Zizim fala-nos daquela travessia do canal entre o Calhau e Santa Luzia em dia de mar agitado como se, à revelia do perigo real que os rodeava, bailasse em seu espírito um secreto prazer por aquela entrega aos braços momentaneamente revoltosos da mãe-natureza.

Ao desporto no meio marinho está sempre associado o perigo porque o mar tem manifestações repentinas e imprevisíveis que chegam a surpreender mesmo o mais previdente e calejado, mas no enfrentar do risco, com o seu sabor salgado à aventura, reside precisamente a emoção de um desporto praticado da forma mais pura e natural.

Mas para Ti Jon d'Alcanja esse risco não era de modo algum um desporto ou um momento lúdico, esse risco era uma condição inalienável do seu ofício, que não podia ser regulado consoante o gosto ou as conveniências do momento.

Vejamos as seguintes passagens elucidativas da "stória":

"Temp ca tava pa maz conversa, e foi logo preparod tud pa quel viaja.Tud gent linhá. Ti Jon dstrubuí gent dent d'bôt pa iquilibrá, ma sempr ta dzê nôs: nhas gent usis tita ba moiá e dret.

Mi um ca sabé nem cmanera manifestá o q'nô sinti naquel hora e meia ô duas ta travêssá quel canal d'infer: boca dá nôs tud gost d'café. Jurgim, nem piá bo tava t'uvil. Porq dpressa el comprendê situaçon.


Ti Jon, pêgod na sê leme d'bôt, GRAND CAPTON, Gustim ma Bastion na vela, Jon Monq ta sgotá ága d'bôt ca quel fólha d'lata d'pitrol, rapt e cum mon so. Butim à véla, além ta bai, ta bai, ta ratchá ága cum força.

Verdader art d'navêgá era aquel! Pa fazê calá bóca d'tud valenton e bajof dess mund, pos quel canal q'bsot tita oiá lá tem levod tchêu pêscador sês vida.
Moda Ti Jon bem contá'm dspôs. Ma ja'm ta splicá bsot tud iss, maz pa diante.

Nôs na camin nô cruzá c'uns seis ô set butim d'pesca já ta bem d'Dsérta. Quaz tud ês tava conchê Ti Jon.

Quel hora era hora d'bem e não d'bai, pa mod maré e current. Anton, tud ês, spantod, dá Ti Jon fala: ó Jon, qsê q'bo tem n'québéça? Bo n'tita oá ess mar ma ess méré?! Cmenéra?! Já bo perdê québéça? Ô bo inganá? Deus q'bo, Jon !!!

Ti Jon, fcá imbutchod t'uvi quês palavra d'sês coléga. Clar, qu'era pa sê bem. Ca podia dzê nada porq temp ca tava dá. So el splicá nôs cma quês lá, n'era pêscador d'Salamança, ma sim pêscodor d'Sinagoga-Sintanton carrêgod d'ptim d'cagarra bem gord ta bem d'Dsérta pa Sintanton."

Porém, a verdadeira sintonia entre as duas naturezas humanas desvenda-se e adquire a sua feição mais nítida já depois de desembarcados em terra firme. É tão grande a cumplicidade de entendimentos e de sentimentos entre ambos sobre esta maravilha que é o mar e os seus segredos, que o Zizim vai dar uma "mãozinha" a ti Jon na apanha de caranguejo para isco, enquanto os companheiros de desporto estão a descansar para recuperar energias para o verdadeiro objectivo daquela sua ida ao ilhéu: mergulho e pesca submarina.

As energias do Zizim não conheciam tréguas naquele cenário de desafio permanente e ingente, e a presença estimulante de Ti Jon era para ele um bem imperdível. Retomemos então de novo a narrativa da "stória":
"Temp q'tive foi d'tmá quel gol d'ága quent e prucurá log jêt d'scansá corp um bocod porq nôte tava ta ba ser grand e na dia siguint nô tinha q'ter quel fulguim pa mod quês mergulh.

Ti Jon ma sês cumpanher ês ba fatchá c'luz c'fotch d'pitrol pa panhá plard, quês carranguej brónc d'praia, bom pa isca d'pesca d'linha. Ês tava metês tud num lata ma ês tava trás sês pinça pa ês ca cmê cumpanher.

Assim, d'volta pa Calhau, ês tinha isca pa tchéu dia, quê praia lá dbóche quaz q'ja ca tinha e pesca era tud sustent d'vida d'sês casa.

Cma na tenda quês carranguej ca tava ta tchá gent durmi, já quês tava fcá so ta corré dent d'tenda e ta crê mordê gent na pê, anton um ba cumpanhá Ti Jon ma sês colega na praia ta isdás panhá plard .

Sê ptá'm bençon Ti Jon! - un dzê el. Cmá el tava conchê'm desd piqnim, Ti Jon fcá tud content e el dzê'm: ó Izizim, moda el tava tchmá'm, Deus bençuob e ubrigada pêss ajuda, ê sempr maz um broç.
Na camin, el ba ta contá nôs um data d'stória d'Dsérta e sês bitch ma pescador e sê vida d'pesca…spriénça d'vida.

Portant, Ti Jon ca sabia nem lê nem screvê, ma clar q'culpa n'era dsêu d'ter nascid na pobréza. Ma na sê programaçon cósmica, el era formod : na arte d'navegá prindid ma sê pai, Nho Antuzim Deus dal cêu, na cunhiciment d'marê, current e tud ês cosa qu'hoj gent ta tchmá ecologia e qu'ta fazê part important d'nôs vida.

Ê assim q'nô ta prendê e comprendê cma INTLIGENCIA É DVERA UNIVERSAL e nô ta tchgá pert d'sabedoria pa teoria seja ma também pa speriénça prática.

Conversa continuá nimod naquel praia, c'Ti Jon d'Alcanja ma sês cumpanher priucupod caquel temp, qu'era d'panhada d'cagarra na Dsérta e ind'ês c'tinha bod.

Um vrá e um dzel: quês otes pescador ca tita ba tchá bsot nada. El spiá'm c'sê sprêçon d'hom sêrie q'el era e el dzê'm: não Izizim, pêscador ê pobre, ma nô sabê parti nôs miséria.

Liçon continuá: bo tita oiá quês dôs Djeu lá? Tud óne ness temp quond Deus ta crê q'ta tem tchêu cagarra ê one d'fartura, ma nô c'tá panhás tud, porq Deus c'tá fcá contente. S'nô panhás tud qsê q'ta fcá pa nô panhá dspôs? "

Por fim, nas suas considerações conclusivas, o Zizim confessa que naquele tempo nem ele, com a sua formação escolar, tinha ainda uma noção verdadeira sobre ecossistema ou ecologia, mas o tio Jon e os seus companheiros da mesma jornada de vida já tinham interiorizado todo um conhecimento empírico sobre aquelas especialidades da ciência que ocupam hoje o centro das preocupações a nível planetário.

O desportista, o menino da cidade, confessa que recebeu do Ti Jon magníficas e inolvidáveis lições sobre os segredos da pesca à linha, a catalogação da vida marinha local, a cadeia alimentar desde o fitoplânton aos peixes de pedra e aos peixes de largo, o conhecimento das marés e das correntes, etc, etc. Enfim, um manancial de conhecimentos práticos que nem o mais bem elaborado compêndio seria capaz de substituir.

E exprimindo-se finalmente na sua crónica:
Mi c'bóca abêrt t'uvi chei d'admiraçon quel Hom sem instruçon escolar ta falá. Dimênson q'so dspôs d'tónt'óne d'spriénça d'nha propr vida um cunsigui oiá na sê profundidad.

Clar q'tive maz e maz stória pa camin, porq nô tive q'voltá pa tenda c'lata d'pitrol já chei d'caranguej e pa ba dscansá, porq nôte já tava olt e Lua lá na céu tava ta oiá nôs.

No dia siguint, tud gent argui ced. Sol quent, tud gent pa mar, boa caça submarina, na mei d'tud quel dlírie d'juventud.
Viaja d'regress foi calm porq Ti Jon calculá bem hora d'voltá pa casa.

Na regress, na nha pensament ca foi tónt quel caçada submarina cosa mas important naquês dia, ma sim quês liçon d'vida daquês pêscador d'DSÉRTA MODA JON D'ALCANJA E SÊS CUMPANHER. UM TA DZÊ HOJE PASSOD TÓNT ÓNE: MUT OBRIGADA PA BSOT TUD!!! "


Esta crónica de José Figueira é de facto uma bela homenagem, na pessoa de Jon d'Alcanja, a todos os pescadores das nossas ilhas, pela sua arte aprendida no convívio diário com os perigos do mar, e pela sua sabedoria aprimorada de geração em geração.

Desprovidos então de instrumentos de navegação e de comunicação, as suas coordenadas mentais eram o único recurso com que podiam acertar o rumo da sua faina. Naquele tempo, sem o privilégio de motores de propulsão e nem sempre podendo contar com a energia do vento, só à custa da força dos braços conseguiam rasgar os limites aconselhados pela prudência para atingir os centros vitais da sua refrega mais lucrativa.

A desgraça por vezes chegava a cavalgar uma onda mais bravia ou vinha diluída num sopro de vento mais violento, e quando isso acontecia não havia instituto de socorro náutico que os acudisse na hora derradeira. Era a hora de invocar a protecção da mãe divina, ou a protecção que Neptuno pode reservar a quem o desafia lealmente, de peito aberto e sem armas escondidas.

O peixe era, e é ainda, um dos bens que mais ao alcance estão da bolsa do nosso povo. Um dia é provável que o seu custo venha a aumentar em função da lógica dos circuitos comerciais. Mas quem ousará regatear o seu preço se ninguém o conhece de verdade senão esses heróicos pescadores artesanais?
Junto-me também à homenagem que o Zizim Figueira prestou, com a sua "stória", à memória de Jon d'Alcanja.
--------------------------

Já agora, aproveito para o seguinte esclarecimento respeitante ao meu texto acerca de "Ilhéu de Contenda". É que, no encerramento do texto, digo: "E é uma obra que honra a literatura portuguesa".

Houve quem me tivesse feito um reparo, que reputo justo e pertinente. De facto, o que eu queria rigorosamente dizer era:"E é uma obra que honra a literatura de língua portuguesa".

Por outro lado, referindo-me a Leão Lopes, disse que ele era um realizador português, o que não é verdade, segundo me informaram. Ele é crioulo como eu. Confundi-o com outro realizador português. Penitencio-me por estes erros, que, no entanto, não interferem com os juízos que eu formulei no meu artigo sobre o filme.

Estamos sempre sujeitos a cometer lapsos desta natureza, ou de qualquer outra, mas da minha parte existe a mais aberta disposição em aceitar a crítica construtiva e dar a mão à palmatória


Tomar, 9 de Novembro de 2005

Adriano Miranda Lima

Adriano Miranda Lima

V O L T A R