Cinema Éden-Park

Eu também estou emocionalmente ligada ao Éden -Park, onde na minha infância comecei a interessar-me pelo cinema. Recordo bem como a ciançada vibrava com os filmes exibidos. Mais: a minha Mãe, Helena de Assunção da Costa Ribeiro, cantou ali por diversas vezes em saraus, alguns organizados por meu Avô materno, António Eduardo da Costa, oficial da Armada e então Capitão do Porto de S. Vicente, que sempre se interessou pelo teatro e pelo belo canto, tendo organizado diversas récitas e saraus de beneficência por terras onde estava destacado, nomeadamente nos Açores e em S. Vicente.

E a minha Mãe sempre tomava parte nesses espectáculos, cantando operetas ou simples áreas de óperas. Haverá ainda muita gente que se lembra disso. O actor Fernando Gusmão, que veio a ser um actor de reconhecido mérito em Portugal, actuou ali com a minha Mãe.

Mais tarde, o meu Avô, já reformado, e grande amigo do Sr. César Marques da Silva, dono do Éden-Park, foi quem, de Lisboa, fornecia os filmes para a programação do cinema. E, muito criança ainda, recordo ter lá assistido à récita do fim de Curso no Liceu Gil Eanes, de meu irmão Eduardo, com os seus numerosos colegas e amigos. Já vêm que existe uma ligação da minha Familia ao Éden-Park!

Não se compreende que a Câmara Municipal de S. Vicente e o Governo de Cabo Verde não vejam a grande lacuna que existe no Mindelo, com a inexistencia de uma sala condigna onde possam ter lugar teatro, cinema, espectáculos musicais e grandes reuniões como seria o caso do Congresso que este ano não se realiza em S. Vicente, por falta de acomodações condignas!

Isto numa cidade, que sempre foi a capital cultural do País, berço de grandes escritores e músicos! Muita gente, eu incluida, não vai ao Congresso, por ele não se realizar em S. Vicente. E é de lamentar que a cidade perca um acontecimento que levaria a visitá-la centenas de caboverdeanos que vivem espalhados pelo mundo.

Pela carga histórica que o Éden-Park tem, seria ali de facto o lugar ideal para uma moderna construção que o substituisse, e que desse à cidade uma infraestrutura de cariz eminentemente cultural de que ela tanto necessita , mantendo o mesmo nome e localizada numa zona nobre do Mindelo, na Praça Nova.

Espero que este apelo, mais um a juntar a tantos outros de que tenho conhecimento, possa encontrar eco nas Autoridades de Cabo Verde e as sensibilize no sentido de as levar a satisfazer este anseio da população natural do Mindelo, que é o de não deixar morrer o Éden-Park!

Maria Helena da Costa Ribeiro Pinto e Neto