NHA CHICA CUTCHI MIDJE

Chica jurá, tchorode chei de margura, cma ela nunca ninguém pol um dede ô tocal!... Anton, ela tive de jurá na Bíblia, ma livre de S.Ciprione de Pá Manel, diante de tude quel consei de família.

Quel dia plumanhã log cidim, Quintalona mexê moda de custume, na ritme daquel batucada de pau na plon ta cutchi midje, controlode pa Nha Chica ma sês doze fidje, tude ês nascide na Soncente de porte feliz e dum sô pai, por nome de Nhô Jon, tude ês dôs natural das Fontainha-SanAnton.

Tude gente de terra que sabia tava ba levá sês quarta de midje, mas ô menes, moda julbera de cada um tava podê comprá, pa cutchi la na Nha Chica, quê ela na sê job era expediente pa rapte, amdjer de palavra que tava sigui orda d'entrada e saída de midje sem fazê pove favor, nem brincá que sê traboi qu'era tcheu!

Quem levasse sê midje primer pa cutchi tava tmal primer, o qu'era normal!
Anton, era quate estera, extindide rinquiode na tchon, ptode pone derriba, pa recebê farel de tude quês midje cutchide e vintiode pa ela ma sês fidje, ta quei de baloie de tentê sem pará...

Basta tude bitchim de casa tava ba ta proveitá de cmê farel: galinha, pomba, cabra, tchuque e, de vez inquande, sodode tava parcê tê uns ratim!... Ma cma Alice, fidja fema más bedja de Nha Chica, tinha mede de rote, era log um abole! Quê, ela tava pô ta gritá, garanhá derriba de bonque, cadera, mala ô do que parcê tê pará d'traboi! Assim, cma quês ote irmon ja sabia, ês ca tava tchá rote tchegá na farel, pa ca paraba sês ritme!...

Era assim naquel cutchir de midje que Nha Chica, moda tude criston, ijdode pa sês fidje ma alguns vezim amigue, tava argui tude dia ta bescá vida, de plumanhã tê de note, pal pudia criá quel rebera de mnine.

Midje, lá na Quintalona, tava otchode de tude espece, stindide ta secá na sol despôs de cutchide, pa ser puste na balaim de carice ta esperá sês done ba bescás! Anton Nho Jon, cumpanher de Nha Chica, qu'era daquês homona de ruspeite, trabaiador d'estiva na Baía de Porto Grande de Mindelo, sê prazer era estrinçone quês tipe de midje, pa nô fcaba ta sabê.

El tava cumeçá pa dzene cma midje bronque ô mi-bolacha, moda el tava tchmal, mode sê gron qu'era grande, lorgue e quaz quadrode, era Quanza ma otes paquete é que tava trazel d'Angola. Quel midje brumedje, ô mi-pantchera, tava bem de Merca naquês vapor Liberty Ship. Ma tinha também quel midje de terra, de gron piqnim e de tude côr que pove tava gostá más, pena é qu'el tava parcê só conde tava dá tchuva drete na terra!...

Nha Chica, sempre ta mexê, tava bem ta mandá Jon fastá, quê la n'tinha tempe pa falestria... Anton Jon tava pô ta ijdá também, ta panhá quel farel ta pô na soque de papel que Tamieica tava ranjal lá na padaria de Jonas. Quel farel, Nha Chica tava vendê um saquim chei pa dez toston, na gente que ta criá tchuque na quintal de casa ô na tchequer.

Ela era grandona, tipe d'amdjer de Cab Verd, escura que sês cabel mei fine fete trança, lence bronque marrode na cabeça dode loce moda de SanAnton. Sempre que sê julberona deboxe de vental, ondê qu'el tava gordá denher de sê traboi, ma quel canhatim que, log ta parcê manera, ela tava proveitá pa trá uns femaça... E lá na casa tude quês fidje del ma Nho Jon sabia femá canhote, mode ela que tava mandás sempre ba pol um brazinha na taboque de sê canhote, lá na cuzenhola de fagon de três pedra.

Nho Jon, home trabaiador amigue de sê amdjer ma sês fidje, sempre trazê tude o qu'el tava ganhá pa casa. De manera que lá na casa, pela graça de Deus, nunca tava faltá quel três por dia pa ês, fedjode ma vezim.

Sobde de note pa Dmingue, Nha Chica ma Punhuque, sê primer fidje motche, tava sentá na luz daquel cander de pitrol, que sê mãe tude note, antes de cendel e pol quel vidre pa lumenhá amdjor, tava dzê sempre quel "Deus nos dê bonoite!", pas podia contá denher daquel semana de traboi suode, cansode ma honrode.

Tude djunte, ês tava limpá quês plon ma pau, barrê roda de pê de casa, burrifá quel tchon de terra, lá fora ma dente de casa. Lava quês pone ma ropa de casa e mudá areia daquel pote de borre, lá na conte de casa, binde de Bubista, comprode lá na Loja de NhIzê de Sulina, que tava fazê aga prop frisquim...

Despos de jantar, fete pa Alice, Pa Jon, que já ta tinha sês dôs bons gruguim na butche, tmode lá perte na Bar de cmade Jejé, tava pô sê viola de dez corda na peite, cumpanhode na cavaquim pa sê fidje Punhuque, ma Fraguinha naquel lata de pitrol baziu, imborcode ta fazê de bataria... Note de luar na Quintalona, onde que vezim tava bem ta juntá pa bem oiá quês mnininha dançá biguine na desafiu e oiá quem tava dá más bem que cadera... Um verdader obra d'arte cum ca sabê se tê hoje inda el ta ixisti.

Anton, Pá Jon tava rancá c'aquel cantiguinha d'inguice, que tava fazê tude gente mexê e que tinha um stora pa contá naquel refron, cunchide de pove:
Nha Chica cutchi midje
El dá Nho Jon sô farel!
Dá qui cú dá que cadera
El otchá sô farel!
Dá qui cú dá que cadera
El otchá sô gazole!

E assim, esse refron era cantode na ritme de biguine, sem pará tude quel note, pa sparajá corpe daquel semana de traboi! Quê dia Dmingue era dia de sconce e Nha Chica tava custumá ba pa sê missa.

Pá Jon ca tinha brincadera que sê amdjer, que sempre fui amdjer fiel e drete, dês qu'ela nascê de barriga de sê mãe, lá na tchon das Fontainhas! Ma tinha um cosa que sempre intrigal na vida del ma Chica! Era quel virgindade de sê amdjer, que naquel tempe era um cosa mute série na terra.

E assim el tava contá, intrigode, cma conde ês casaba na SanAnton, siguide na tradiçon, que tude quel pove ta sigui corteje... Despôs de festa, el ma Chica ba pa sês casa pa lua de mel... Ma Chica, que nunca tinha cunchide home na tude sê vida, quê Jon é que fui sê primer e ultme home, na sês contacte, qu'era primer na vida dela, naquel note ca tive sangue!...

Pove na dia siguinte, tude somode já na porta desde plumanhã ta sperá oiá quel lançol suje de sangue, oiá fui Jon somá na porta que perna de calça rolode, o que queria dzê cma, afinal, Chica n'era mnina nova!... Um chatice de gaita, fui fete consei de familia e fui tchmode Pá Manel, um daquês home de ruspeite de sês aldeia.

Chica jurá, tchorode chei de margura, cma ela nunca ninguém pol um dede ô tocal!... Anton, ela tive de jurá na Bíblia, ma livre de S.Ciprione de Pá Manel, diante de tude quel consei de família. Jon, que na funde del meze sabia quem qu'era Chica, porque ês ê que criaba djunte desde piqnim na sês aldeia, ceitá Chica e da lá ês cambá Soncente, ondê quês vivé tude sês vida, sempre na ruspeite de tude e de todos.... E que ca storvás de ter doze fidje!...

Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V o l t a r