VULQUITE

Na tempe de crise de 1939 (Famintos - de Luis Romano de Madeira Melo natural de SanAnton) em que inflizmente fome incarregá de matá tcheu gente na terra, especialmente na nôs Ilha más agricola moda SanAnton, SaNinclau e más tontes otes. Cosa que marcá um época bem triste de história de nôs terra Cab Verd.

O que foi um situaçon q’inda prolongá pa tcheu tempe na nôs Ilha c’tude sês consequença que ca podia dexá de ser. Pa falá lissim dês tema, m’ta tinha tcheu cosa pa dzê, ma li m’tive que fazê sô ês piquen introduçon p’amdjor compreeson de storia de nascença dum boys moda “VULQUITE” que moda tcheu fui vitema e fidje dum geraçon de probreza pa ca dzide de miséria.

John de Nha Chiquinha era sê nome, ma más cunchide na tchon de Soncente pa Vulquite mode sê manera “speed” de furtá. El cumeçaba sês vintura na terra, moda voz de pove ta dzê, na cuntinuidade de crise d’one de trinta e nove que bai té cinquenta. Cada um nesse munde c’sê destine, em que tude cosa um dia podê cumeçá na vida sem gente sabê o porquê ô podê explicá.

Enton, bem contecê num dia em que pove de sê aldeia argui prope ardigode ta quexá fome na barriga sem quel cicle de catchupa, quê ca tinha dode tchuva diasá e, ote, traboi de estiva na borde de vapor de mei de Baía de Porte Grande tinha escassiode e tava prop puquin.

El, rapaz nove na força d’idade, triste, angustiode daquel situaçon pra lá sempre t’andá, sem rume nem direçon e sem podê ter um truquim na bolse, cumeçá devera ta fecá prop desanimode. Enton, pa cabá de completá sê dor e raiba, bem parcel morte de sê Nhanha, que tava cstumá de matal cratchim na cabeça tude vez q’el tava panhá zere erre na ditode na escola de Sr. Grigol.

Basta quel dia tava prope um dia d’azar, quê té quel catchupa que fui trode colde puste na fresque pa cmê n’ote dia, manchê inzede.

Assim, quel dia na casa nem cmida se tinha pa da menine, o que motivá inda más quel primer revolta de “VULQUITE” de cumeçá ta ba robá na gente rique pa dá pobre, atitude que tava prová cma, na funde el ca tinha espirte de ladron. Num tal situaçon de desespere daquel, cma el ca tava t’incontrá ote manera de frá vida pal podia pô sês mnine quel panela na lume de tude dia, el decidi vrá ta furtá.

Enton quel dia, pa primer vez, VULQUITE abri na tempe decidide a resolvé gente de sê casa ma de sê aldeia sês prublema mandibular de pé de barriga. Basta, lá na sê aldeia, sempre quel tive problema, pove tava gatchal de pliça que tava estode na época num verdader catumba de fogue pa tude banda de Soncente c’graça de panhá esse tal “VULQUIT”?! Ma ninguém, menine c’gente grande, na sê aldeia, nunca descosê pa dá pliça conta.

Sê primer façanha que fecaba na storia, foi aquel quel fazeba num corre de tropa, na camin de Galê, carregode de cmida (pon, tchurice, fejon, macarron, etc. etc. ) furnecimente q’era tude pa tropa português na quortel, lá na Morre Brónc.

Silenciose, malabarista e rapte nem um “spider” moda ês tchegá de contá, el garanhá el sebi na caxa daquel camionete sem chaufer temá fé. E, quonde camionete tava ta passá diante de Cambota numbre dôs de Cova d’Inglesa, el ba ta panhá tude o quel pude el ba ta betá na tchon e, ta marcá lugar pa depôs na volta el bem catás na descansode.

Enton, sem ninguém sabê cmanera, aquel grande atleta, rapte que nem gote na pessoa de VULQUITE, proveitá na mesme camin de saltá dum camionete pa ote que tava ta bem na camin de morada já perte de Cumpainha d’Óleo na Galé.

Cosa que dexá tude gente espantode c’boca aberte sem creditá! Ma el enton, depôs é que bem contá cmanera que cosa tinha passode e el dzê cma fui quonde quês dôs camionete cruzá na camin, um ta sebí, ote ta dexí, el dá quel bon solte de pexe dum pa ote, dá el caí dentre de caixa daquel ote camionete que tava ta sebí pa morada...

E depôs,na Cambota de dôs, el saltá justim lá ondê quel tinha betode quês cmida pa borda fora e pô ta catás c’ajuda de Lexandre Dode, que bem ta corrê ijdal panhá sês pon c’tchurice e log el ba ta longal sê parte. Assim, tude quês monzada de cmida fui levode pa sê casa na Farnande Pau, ondê que sei logue um cmida d’Onje pa ligria de tude quês bedje, gente grande e menine d’aldeia, que tude quel note bençoá Vulquite de ter ês matode sês fome.

Vulquite, (Homem da Sombra – Spider - Phantome of the Paradise) e más tude nome que pove podia dal, marcá um época na tchon de Soncente mode sê especialidade na dá golpe na casa de gente, o que poba nôs terra num alvaroce e pliça estrabancode sem dia de podê betal mon! Pa numinha jal era cunchide pa tude banda!

Basta tivesse um roube, gente log tava dzê cma era Vulquite. Sobretude qonde era na casa de gente ric!!!... Ma, quem el era?!... Ninguém ca sabia?!... Prope pove de sê aldeia tinha tcheu que ca sabia quem el era e quês poque que sabia nunca denuncial!

Tempe ba ta passá, vida sempre chei de deficuldade, quê el tinha um data de fidje ma sempre ta escativá, ta trabaiá na estiva (carregá, descarregá vapor na Baía), té que vapor bem ta escassiá drete. Vulquite, cma el ca queria estode pra lá ta puli calçada, el ba dá nome pa SanTomê, el ma sê cumpade Lilinha de Man Tudinha. Es fazês un controte pa roça, pas basse panhaba cacau ma banana e assim, c’aquel controte ês vivê pra lá uns one lorgue.

Ês dôs fui daquês que revoltaba na SanTomê e que nunca ceitá de levá de palmatória na mon, cosa que chefe de roça (mandrongue) tava fazê use c’aquês gente da lá.

Já na Angola tinha contecide mesma cosa c’aquel grupe de vassalode e valente de Ponta de Praia de Baía de Porte Grande na Mindelo de Soncente, primera remessa de pove de Cab Verd contratode pa Sul, moda Natche, Tchitche, Firmine de Paula, Lucas de Man Tudinha, Elias e más e más otes.

Quês enton é que mandrongue psú nhondenga ma ês, quê ês é que cumeçá pa dá exemple de ca ta levá abuse nem dexá busá na otes.

Um vez na SanTomê, chefe de roça queris ba dá Vulquite ma sê cumpade Lilinha na mon à força, enton fui um alvaroce de matá!... Quês dôs cumpade, costa c’costa na cumpanher, c’dôs manivela de camion na mon, ês pô tude quês chefe de roça ma sês gente de lorgue e ês quebrá tude máquena de escrevê que pra lá tinha na roça.

Fui mistide bem raforce pa levás pa cadeia principal e, smeme assim deboxe daquel grande rafiladesa que pô tude quel roça na estade de sítio! E pamode quel rafiladesa na época na SanTomê, tratamente pa verdione mudá log p’amdjor!

Controte de SanTomê cabá, Vulquite voltá pa sê terra, Soncente - Cab Verd, ondê quel nascê! Uns mês de calma na terra! Ma, poque a poque, nescidade torná obrigal a pô ote vez naquel finaçon que jal tinha cunchide antes de bai pa SanTomê. Lá sê pove de Farnande Pau já sabia cma el é que era Vulquite, ma ês cuntinuá sempre ta gordá quel segrede, quê el na sê manera d’oiá cosa ca mudá e cuntinuá sempre ta matás fome.

Vulquite, sempre ta feji sem pliça podê betal mon,bem vrá um home misteriose, sempre ta parcê ora li, desaparcê lá!...Gente tava dá conta del pa tude banda e té tinha gente que tava oial sem nunca oial e pliça sempre sem podê pegal, quê el cuntinuá ta ser esperte, rapte e ta trabaiá el sô.

Ma, cumpanher é que bem aremal vida, quê el metê ma um tal Pigife q’era más um tarode sexual que ladron, se é que gente podê tchemal ladron, quê pa mi, el era um home, más que tava panhá pal podia matasse sê pove fome, do que vivê c’ideia dum dia vrá ric.

El ma Pigife cumeçá fui ta vesitá casa de tude quês gente ric de Praça Nova daquel tempe e assim, tude quês gente, chei de mede, tava estode drumi de stanby, quê alvicera já tava ta corrê pa tude banda, mode quel Pigife q’era mute fanfaron, falador e gostaba d’exibi!

Pigife tava conchê quês casa de Praça Nova por dente moda palma de sê mon, quê el sê tara que tava dal prazer, era más pa basse goitá log que tivesse um casal casode de nove na lugar!

El ca tinha tonte nescidade, quê el era bon sapater e el tava mas era fazê coleçon de cosa q’el tava panhá naquês casa q’el tava vesitá, mode num espece de troféu, pa dexá sê marca de passaja na lugar.

Pigife tava sirvi Vulquite tcheu, quê el tinha um bom oie e mimória moda um máquena de trá ratrote, assim el tava dal conta de tude o q’aquês casa tinha por dente, o que tava dal tempe de estudá e escuí o quel tava ta ba panhá. Ma ês dôs bem desintendê, quê finalidade de Vulquite era ote cosa e nada tinha a ver que stora de senhor Pigife, quê el Vulquite ca tinha nium tara...

Moda gente de terra ta contá, Pigife é que fazês prendel um dia que jas tinha planeode de ba robá na Praça Nova na casa dum tal inginher e cma pliça ja tinha prindide Pigife de vespra, mode ês sabia quel tava mandá boca. Enton, ês dal um bom garrotche lá na Estaçon de Pliça, dá el vendê sê cumpanher c’denuncia de nome e tude, cosa que té quel data ninguém, sê aldeia fora mitida, tinha sabide quem era quel home tão grande e únic, por nome do VULQUITE!

Assim pliça, cumbinode ma Pigife, muntal quel armadilha. Pigife fui betode de cadeia, ma sempre deboxe de control pal podia cumpanhá Vulquite pa assim pliça pudesse betaba el mon. Um verdader desgraça pa Vulquite ma tude sê familia e sês gente de Farnande Pau, que jal tinha custume de matá fome.

Pliça ma quês gente daquel casa de Praça Nova inrocal, betal mon, ês lombal bem lombode quaz pa matá.

Dzide cma té vezim tava c’pena del de tonte uvil gritá de pancada. Depôs del bem lombode, ês leval pa Estaçon de Pliça. Fui log um abole na tchon de Soncente prison de VULQUITE que durante tcheu tempe fui considerode mesme pa sês inimigue um heroi...

Ma pena, é q’uns dia depôs, moda fui dezide, ês otchal pundrode lá na Estaçon de Pliça e quem que bá despundral pa interre dzê cma el tinha corpe tude pesode de pancada e quês tava otchá estronhe quê um pessoa que t’inforcá el mesme sê cabeça ta devê fecá é despundrode, não?!... Ma VULQUITE não! Quê el, ês otchal c’joei dobrobe puste na tchon!... O que é prope estronhe, hum?!

Assim cma morte nunca é culpode, cabá quel vintura de nôs famoze VULQUITE salteador de casa, fidje de pobreza pa ca dzide de miséria, ser humane amigue de sê pove de Farnande Pau quel passá quaz tude sê vida ta matás fome!... E, enton quel dia tude sê pove tchoral bem tchorode!... E, sê morte nunca fui esclaricide...

Zizim Figuera (José Figueira,Júnior)

V O L T A R


Comentário:

Caro Zé, O que aprecio imenso nas tuas estórias é este apsecto descontraido onde exortas sem complexos nem frustrações todos estes elementos pertencentes ao nosso dito bas-fond social muitas vezes menosprezados e deixados por conta embora tenho sempre feito parte integrante da história da nossa sociedade Mindelense-São Vicentina. Muito obrigado e parabens pela tua originalidade. Pois me lembro da estória do Vulquite e seu fim trágico como de tantos outros da nossa terra. A escrita está mesmo perfeita. Força para continuares. Aquele abraço Eddy

Edgar Silva           edsilva@live.com


Comentário:

O conteúdo, a escrita e o geito de contar esta estória estão perfeitos e são caracteristicas tipicas do nosso amigo compatriota e autor Zizim Figueira que adoptou este género narrativo. Como é óbvio e não podia deixar de ser, o autor adpotou seu próprio estilo que o caracteriza pelo que o parabenizo e só poderei encorajá-lo a continuar. Esta estória traduz de um certo modo aquela espécie de ressaca pós-traumática dos acontecimentos da crise de fome de 1939 em Cabo Verde, onde o aparecimento de Vulquite e tantos outros não era coisa de estranhar. Em Portugal houve o Zé do Telhado que adoptara o mesmo principio do Vulquite. Era ainda estudante do Liceu Gil Eanes quando se houvia falar das façanhas do "spider (aranha)" Vulquite. Aprecio e sou fan das suas crónicas e vai da minha parte um garnde abraço. Gilda

Gilda Barbosa Leite             gildableite@gmail.com


Comentário:

Amigo Z.Figueira, Li com grande satisfação mais esta estória sua cujo o essêncial do conteúdo desconhecia totalmente. Dado á minha idade e em posição de jovem amigo de Cabo Verde só conhecia até agora uma parte alegre da face escondida. Mas com essa estória tive a ocasião de compreender que a fome assolou o Arquipélago nos anos 1939 deixando sequelas profundas de morticinios em massa.Tive a ocasião de obter o livro Famintos de Luis Romano que vou ter a ocasião de ler paulatinamente. Certo que se todos vivessem bem e tivessem a ocasião de receber uma esmerada educação, não haveria Vulquites e tantos outros espalhados pelo mundo. Obrigado de ter trazido este bom recital. Um abraço Noel

Noel Pacheco               noel.pacheco@netcabo.pt


Comentário:

Zizim, Interessante como todas as tuas outras estórias mas sómente queria abrir parentesis para honrá-la particularmente pelo personagem que bem conheci e que segundo dizem foi morto. O descritivo está excelente como sempre num crioulo deveras forte apreciável pelo que te parabenizo. Vi com muita alegria e satisfação que lá vamos tendo seguidores de nivel na nossa escrita. Por exemplo o excelente caso do Humberto Lopes (Bituca) e seu artigo no Noticias do Norte (Grite de Soncente). Isso é uma tomada de consciencia geral o que é ótimo.Tmabem vi com satisfação que já estas inscrito nos direitos de autotres e isso evita a profanação das tuas obras como fizeram há dias com a obra "CONTRABONE" sem nenhum respeito pelo nosso grandissimo Sergio Frusoni. Mas sei que o filho Fernando pretende levar algo aos Tribunais por causa da atitude abusiva e profanação dos direitos de autor. Estou junto com ele e com todos vós. Força.Abraço Liz

Liz Cabel                liscabel17@gmail.com


Comentário:

Alou Irmão, maies uma boa ISTORIA, daqueles tempos, muita gente conheceu o Vulquito, que era com se fosse, um ivento, era tão ligeiro, que desaparecia como que não tivese corpo, para onde pegar, era como dizia, tmod bonh na azet. Zè daqui vaie aquelo abraço Januàrio

Januàrio M. Soares              jmsoares@casema.nl


Comentário:

Uma estória interessante e comovente. Mas como se sabe em todas as guerras ou crises há sempre victimas e o Vulquite aí de que me lembro bem roubava só para comer e dar que comer a outros infelizes como ele. No assalto do camião da tropa no caminho de Morro Branco ele só roubou pão que distribuiu para pobres. Pois o dinheiro que estava na pasta ele não tocou e foi encontrado intacto no camião. Donde uma prova evidente das suas boas intenções. Obrigado Zizim por este excelente recital na nossa lingua caboverdiana. Abraços Jack

Jack Lima                            jacklima@aol.com


Comentário:

Caro Zé, Continuas productivo e bom nas taus Storias de Soncente. Obrigado por mais esta que está excelente e vai já para minha colecção. Saúde sempre e muita força para continuares. Grande abraço Elisio

Elisio Silva                           elisio.silva@yahoo.com.br


Comentário:

Oh (irmao das comunidades ). O teu personagem desta semana,foi na verdade , (naquêl tempe ,um figura de destaque) Vulquite , era bem conhecido em sao Vicente , principalmente , no Mindêlo , so por este nome , metia mêdo aos mais jovens e respeito aos da sua idade . Lembro-me perfeitamente dêle e tendo em conta o seu nome,(tao agressivo)- chamava atençao,por onde êle passava , êle gosava da situaçao e por vezes de pequenos roubos , rebatando às criânças (sês pom- de- midje, pom-de-trança-(sês gouté ,de escola). Vulquite , foi uma grande figura de Sao Cente , que mereceu ser relembrado, nesta tua coluna , verdadeiro arquivo , daquêle tempo doutrora , no (nosso Mindêlo). Obrigado irmao das comunidades! Desejo-te saùde , boa disposiçao e determinaçao para o proximo domingo , dia 6 de Fevereiro, para aquele imprescendivel dever às URNAS LEGISLATIVA ; Um criol na Frânça , Morgadinho !..

Joaquim ALMEIDA                 soalmeida@free.fr

V O L T A R