QUEL QUADRE DE CALOTER

Na nha tempe de mnine, um tchegá conchê alguns dês home, já prop bidjim ma sempre ta gozá, smeme assim, dum grande regalia de seriedade e ruspeite na mei de nôs sociedade mindlense dum vez.

Ês era uns figura antigue que tchegá marcá sês prisença, não só pa sês manera d'agi, cma também pa sês manera de besti que já pa nôs, na nôs épca, tava saí fora de moda!

Já naquês tempe antigue, antes dum nascê, tava falode na ruspeite de tude quês home de bigode de cidade de Mindelo, que pês selaba um controte entre ês ca mistia tistemunha nem siná papel!...

Quê pa ês, na stora d'imprestá cumpanher denher ô otes cosa, só quel mon de palavra tava tchegá. Assim, ês tava cuspi na mon, espiá cumpanher na cara e dá quel monzada! Dá fecá!...

Inda assim, na base de sês antigue iducaçon, ês cunsigui ba ta passá mensaja de sês seriedade, cosa que alguns de sês fidje inda guardá, ma que bá ta desaparcê poque a poque na tempe! Dali, nescidade inflizmente de recorrê pa justiça.

Na nha tempe de mnine, um tchegá conchê alguns dês home, já prop bidjim ma sempre ta gozá, smeme assim, dum grande regalia de seriedade e ruspeite na mei de nôs sociedade mindlense dum vez.

Ês era uns figura antigue que tchegá marcá sês prisença, não só pa sês manera d'agi, cma também pa sês manera de besti que já pa nôs, na nôs épca, tava saí fora de moda!

Basta um ta lembrá daquel imaja de nha tiu-avô, home daquel tempe qu'inda vivê na nha épca e que marcame pa sê manera de besti, tê dia qu'el morrê!...

Assim, tude dia que Deus tem na cruz, el tava pô sê tchapezon de feltre cinzente, rudiode daquel fita prete na parte de fora, besti sê camisa bronque alvim bem ingomode, que colarim olte esticadim puste na goma, colete prete deboxe de sê casoque chei de julbirinha, ondê qu'el tava exibi chei de bejofaria quês fiu prateode ô dorode que tava terminá na ponta pa um arloguee prateode ô dorode na forma dum concha, marca "Omega", que sês prazer era abril, dal corda diante de gente e pol na hora de Greenwich M. Time.

Ma tempe ba ta passá, vida ma gente ba ta mudá, uns valor fui perdide, ôtes fui ganhode tude na lei... Desenvolvimente? Evoluçon? Dexá cada um tchemal moda el crê, ma quês valor dum vez fui valor de bem e bom pa nôs qu'inda otchá um gzinha dele! Quê despos ês fecá pirdide pa sempre!...

Ta lembrome quel tempe, quonde um pon de midje era dôs toston, em que tude quarta-fera da tarde era dia de cinema de mnine lá na Olte de Miramar, na Foto Melo, entrada cinque toston e que tava fazê ligria de nôs tude.

Quel écran bronque puste lá na funde de Studio, ondê que Djessa ma Papim tava custumá tra pove ratrote. Quel maqueninha de ptá filme d'oite milímetre, já tude preparode...

Despôs quês filme mude, em que Papim tava bá ta explicone cada passaja e que naquel tempe, sem nô sabê, já tava estode ta intchine cabicinha daquel cultura de cinema mude, só daquês bom moda Charlie Chaplin, Max Linder, Buster Keaton ma Harold Loyd (cómique mas cunchide pa filme de Charlote) e Bela Lugosi ma Boris Karloff (filme de mede cunchide pa filme d'homem da sombra, múmia ô aranha ataca)...

Era assim que, na nôs oie de mnine, nô fecá marcode pa tude tempe pa quês filme lá na Papim!... Daquês cosa na vida que só despôs de grande, quonde gente ta cumeçá ta prendê sês orija é que gente ta bem sabê dás quel valor ma importância que nô divia ter ês dode. Ma?!...

E dzê cma uns one despôs nô bem oiá tude ês filme na grande écran lá na Éden Park (d'irmon Marques) e Park Miramar (Tuta Melo). Cinema, nobre arte, cosa que hoje india já nem ca tem na Cabo Verde e que ta fazeba parte importante de nôs cultura!... Cmanera?!

Sem ser cinema, também lá na Foto Melo tava trode ratrote de tude espece pa bilhete d'identidade, pa pô na quadre pa recordaçon, quês ratrote antigue daquês home de bigode ês só, bestide daquel manera e que tude criston tava pô na parede de casa pa galantaria, ô anton quês ratrote de família que mãe na mei, rudiode de tude sês fidje, de más bedje té mas nove, uns pintiode que cabel ratchode na mei, moda um livre pa rapazim, e quês mnininha que cabel fete trança ô trucide.

E dzê cma tude ês foto era fete na papel "sépia color" que despôs Djessa, num verdader operaçon d'obra d'arte, tava bá pintás, quê naquel tempe inda ca tinha película a cores! Cosa que tava levá uns dia, quê tinha qu' esperode papel sépia secá pa despôs Djessa Melo, um verdader artista, pudesse cumeçá ta pintás que pincel e aguarela! Tão bem fitim, a ponte que té despôs d'obra fete ninguém tava dzê ô crê creditá cma era foto pintode pa mon d'artista! Um verdader maravilha!!!

Q'um ta lembrá, Papim era bom na sê quadrajem de foto, el tinha mute paciença que gente, sobretude que naquel tempe gente ca podia nem divia mexê na hora de trá ratrote...

E cabá prova tava sei logue lá mez na pelicula e el tava notá logue se bô ta tinha mixide ô não, quê pelicula tava sei já trimide... Também, tinha quês foto fete que flash de manganeze...

Pufff! Ma pove ca tava gostá mute quê ês tava sei ô qu'oi grilide ô qu'oi fetchode... Cosa nada fácil, mez quonde Papim tava explicá gente.

Foto era incomendode e fete pa lote de seis ô dez e despôs cada um tava ba bescá sê incmenda, despôs de ter pagode Papim ma Djessa sês traboi, o qu'era normal.

Papim ma Djessa, na sês boa fê, tava fazê tude gente cunfiança, assim ês tinha tcheu fraguez fixe e ês era bastante popular, cunchide na Soncente pa quês fidje de Djidjon de Melo ma Dona Natália.

Ma também, deboxe de tude quel amizade e cunfiança, tinha quem que tava fazê ratrote e, por razon que só ês é que sabia, ês tava esquecê de ba bescás... Basta, ta tinha foto que tava fecá lá um data d'one sem sês done ba bescás.

Anton Papim, pal oiá s'el tava recuperá sê denher, criá quel tal "QUADRE DE CALOTER" ondê quel tava pô tude gente que, despôs de três one, tava esquecê de ba bescá sês ratrote!...

E inda pa ruspeite pa quês caloter, qu'era tcheu, derriba de quadre era marcode "quadre de caloter" ma tude ratrote era puste que cabeça pra boxe.

Assim, quem queria oiá quês ratrote podia pegá quel quadre, que tava estode sempre na disposiçon derriba de balcon, tchode lá pa de vontade pa Papim!... Pa despôs recode podia ser levode té caloter, pa boca de Pove.

Moda Papim tava contá, um vez el tive vesita dum home de ruspeite, ma daquel tempe antigue, por nome de Nhô Ijzê Pardalim, qu'era professor na Sintanton.

Despôs de mute conversa, Nhô Ijzê, que tinha oiode quel quadre, vrá pa Papim el dzel:
- Deixa estar que ucis tem cada ideia nesta terra! Agora, até um "quadro dos caloteiros"?

Ma Papim notá cma despôs d'el ter oiode quês ratrote naquel quadre, sê cara perdê logue quel surrise e ba ta fecá mute indignode d'oiá, na mei daquês ratrote, um Senhora por nome de Dona Luzia na quadre de caloter...

Ma Nho Ijzê ca dzê más nada!... Anton, pa salvá situaçon, Nhô Ijzê vrá pa Papim, el dzel na sê bom português:

- A Dona Luzia neste retrato está mais bonita do que parece!!!

Quanto é que ela está devendo?

Papim dá prece, Nhô Ijzê pxá uns nota de bolse devagarim, el pagá Papim e tmá quel ratrote, pa salvá honra de Dona Luzia de "quadre de caloter"!

Dona Luzia, quel enigma, salvode honra pa quel cavaler andante descunhicide ma de nobre geste! O certe é que Papim nem ninguém nunca sube quem era Dona Luzia!?

Talvez um daquês amor platónique qu'às vez ta parcê na MUNDE?! Quem sabê?!

Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V O L T A R