PÊ DI BÔI LÁ N’ILHA DE MADERA

Nhete ma Nicete, irmon de Tchabete boxer que tava morá e trabaiá lá na padaria de canalim de Nh’Anton Djudjin, ca tava cabá guerra lá na “Ilha de Madera” na Soncente, pamode Lulinha, quel mulatinha di odju preto d’uva madure, sabe e doce sima mel.

Problema ê que Lulinha de Mari Suclasta, que na época era daquês escurinha más bnitinha de sês aldeia, tinha quês dôs amigue num catumba de fogue, quê ela tava passá sê vida ta dá tude’s dôs bola. Razon dela era tão forte, tê que tchegá um ponte, desuriantada p’amor qu’ela tinha p’ês dôs moce, jal ca sabia nem pa que banda qu’ela tava caí, s’era pa Nhète ô pa Nicête?!

Foi por isse que nôs amigue Cacoi (Deus dal cêu), antigue guarda-redes de Mindlense e mnine de Rebera Bote, Ilha de Madera, estimode de tude gente, que tava andá sempre cumpanhode de sês dôs grande amigue Liz Cabel ma Ninája (paz a sê Alma), um dia, ta parti quês dôs moce guerra pamode Lulinha, pegá na violão e rancá c’aquel refron, que tê data d’hoje ê bem cunchide na tude tchon de Tapadinha (Soncente) e na Munde inter, graças a voz de nôs Cize (Deus dal cêu) Embaixadora de múseca cabo-verdiana:

La na Ilha de Madera, ês ranjá um pê di bôi,

dôs moce ingalfinhode, por causa dum alcovitera

Tchá falá quem sabê, tchá falá quem crê,

Amdjor ê nô parti pa ca ranjá chatice…

Assim foi, durante tcheu tempe, vida trublode daquês três criston de Deus, tê cum dia Nicête bem recebê um carta de chamada p’Argentina, de parte de sê tiu Ciznone.

Basta Nicete, na mei de tude sê ligria, fecá c’coraçôn ta dessapal sô de pensá na Lulinha quel tava ta ba dexá pa trás, pamode urgença daquel carta de chamada pa Argentina c’passaja já pagode e tude. E, la el ca tinha más remisson senon bai. Enton, el pô joei na tchon, el jurá e prometê Lulinha cma assim quel tivesse firmode na terra d’Argentina, lá na estranger, primer cosa quel tava fazê era mandá bescal sem cmida de camin.

Na mei de mute tchore, guiza ma lamentaçon derriba de Cais d’Alfândega, lá sigui nôs Nicête de lence bronc na mon ta saná pove, imbarcode num Paquete de Mala-Real inglês, dritim p’Argentina.

Assim quel tchegá na La Plata (Buenos Aires), trabaiador moda el era, el cunsigui fazê sês economia, sempre c’aquel ideia fixe na Lulinha. Basta na principe, quonde el tchegá pra lá, nem lê, nem escrevê, sel sabia, ma tude mês el tava pedi sê tiu Ciznone quel favor dês dôs basse djunte pa correie mandá denher pa Lulinha, pal podia recebê sê mesada e nada ca faltal na terra.

Pal ca fecasse ta devê ninguém favor, el vra ta bai pa escola de note prendê alê ma escrevê, só pel pudia fecasse ta fazê sês cosa moda el queria e sobretude escrevê sês carta, ô mariode ô drete, c’sê mon, num galantaria de gaita, sinode sê nome e ta mandá Nhete mantenha.

Senhor Nhete, sacaninha e manhente moda el era, cma mama tava estode grosse la na casa de Lulinha c’mezada de Nicête, ba ta bai, tê quel cunsigui fazê Lulinha dôs fîdje motche nês mei tempe, quê jal tinha ela más que cunvincide cma Nicête ca tava ta ba mandá bescal nem flaça. Ma quem dzê bsote, ás vez amor ê mas forte, prop cegue e ta cunsigui vencê tcheu cosa. E, sberba caí Nhète na ragoce, quê Nicête, uns tempe depôs, mandá bescá Lulinha quel escurinha que foi sempre amor de sê vida.

Nhète, moda era d’esperá, reagi cum raiba de matá, a ponte quel ca cria dexá Lulinha imbarcá. Ma Lulinha, pô sê capa de despreze, sê tchapêu de não m’importa, ca queris uvi c’más ninguém, ela cambá Argentina ma c’tude cosa puste na clore e explicadim c’Nicête, pa ca tivesse surpresa. Ma, smeme assim más do que Lulinha podia pensá, Nicête la n’Argentina já sabia de tude, sobretude daquês gote manha de senhor Nhète, mandode contá na carta pa sês amigue d’infância Cacói, Ninája e Liz Cabel.

Ratchode na sê linga de tude dia, trançode c’sê Espanhol / Português, el escrevê senhor Nhète um santa carta de matá c’sê mon, mandode soc na papel e ta tchemal oportunista, fidje dum arve em pê, c’aquês dôs soc pronte na carta, pa quonde el abril. E, ta proveitá de dzel cma n’era isse que tava ta bai estorval de mandá bescá sê Lulinha de sodade que sempre dzel, cma ela tinha fé cma um dia ês dôs ê que tinha que dasse fim djunte.

Lulinha bai, Nhète fecá c’sês dôs fidje, ma cma amor de mãe ca tem igual na munde, log qu’ela tchegá n’Argentina, el pô Nicête na gete, tê quel fazel mandá bescá sês dôs fidje, qu’era dela ma de Nhète... Tude cool, tude nice.

Quonde quês mnine tchegá, Nicete recebês moda um bom pai, pôs tude na sês desposiçon, cmida, ropa, denher na lusbera pa fin de semana, quê jás tava tude uns tchebarron, cum plone já d’escola pa tude ês. Quê Nicete, ca queria pês fecaba analfabete moda tcheu dês lá pa Soncnte, moda sês pai e el Nicête foi também, inda más num terra lorgue moda Argentina, ondê que tude cosa era possível, basta gente quizesse e tivesse força de vontade.

Na principe, tude cosa tava ta ba dritim, quê ês tchegaba c’oie de fome de terra, assim ês tava cmê tude o que parceba na mesa e más algum. Ês tava intchi prote demás e Nicête, que já tinha passode pa mesma cosa, era obrigode a fazês moral, pas ca intchiba prote assim. Porquê lá era sês casa, sês quizesse más, pla graça de Deus ca tava faltá derriba de mesa pês cmê. Pa quonde ês basse pa casa de gente, pa ca fazesse família vergonha, pa gente ca pensaba cma el, Nicête, tava estode ta dás fome.

Uns mês depôs, quês dôs rapaz cumeça ta sberbá, ta escuí cmida na mesa, ta falá mintira, cma ês tava bai pa escola ma ês ca tava bai nem flaça. Ês tava sei mas era ta passiá lá pa quês rua de Buenos Aires, t’inganá sês cabeça e ta procurá inganá Lulinha ma Nicête.

Ês vrá teimose e rafilon, ta garanti Nicête cma ês tava estode ta bai pa Escola tude dia! Enton, um dia Nicête mostrá Lulinha carta de falta de sês presença qu’escola tinha ês marcode e mandode pa casa. Ês tude ta fazê boca dure, ta dzê cma era mintira, enton Lulinha ma Nicête metês na corre e levás tê escola pas basse justificá. Quonde ês tchegá lá na escola, Lulinha ma Nicête fecá c’cara moda un chocalhe, quê log que Director de Escola oiás, el dzês:

- Ahahahah, bsote ê quê pai dês dôs mucim de Cab Verd? Apôs, já tem tcheu tempe quês ca bem pa escola!!! “Quê passa”?!

Lulinha, chei de raiba, trá chenel de pê, ela lombás de chenel diante de tude gente. Enton Nicete ma quel Director, dzel cma não valia a pena ela estode ta perdê tempe e energia ma ês daquel manera, quê amdjor castigue pa dás era proibis de tude cosa quês tava gostá. Ma cma ês tava moda cabritim bem mamode, já conversa ca tinha, ês pô tê ta ruspingá na Nicete.

Lá cosa ba ta vrá prope fei, tê cum dia ês cová Nicête bem covode, cma el n’era sês pai. Ma flizmente que tude gente na La Plata sabia quem qu’era Nicête de Lulinha, home de bom coraçon, ma quem el tive inda más três fidje, home trabaiador, amigue de sê família, pa tude sacrifice quel fazeba pa ês, el ca tava merecê um tratamente daquel.

Tonte denher quel gastá, pa fazês bem de Cab Verd, tonte bom trote quel dás. Inda por cima, tude o quel queria era oiás formode, cum diploma drete na mon, pas pudesse defendê sês bolacha. Ma, cma jás tava mute grande e tava ta sinti home, jás ca queris ceitá autoridade de Nicete, quês vrá tê t’otcha poc.

Stora na casa era quaz tude dia e cosa ba ta vrá fei, tê cum dia bem Nicête na cabeça quês rixa passode del ma sês pai. Enton el dzês cma el, Nicête, tava custumá lombá Nhete bem lombode e explicadim na Soncente, lá na Ilha de Madera. Ês, que raiba, ês queris arremá na Nicete, ma Lulinha ca dexás. Enton Nicête, prop zarode, na mei de raiba e tude esse stora, vrá dzês cma dvera, dvera nôs pove sempre tive razon de dzê cma:

MNINE DE GENTE, LAVAL UM BANDA BO DEXAL OTE...

Depôs, raiba sebil na tchife, el ba ta dzês “porta da rua, sirvintia da casa”. El pegá, el pô tude’s dôs na rua. Lulinha desuriantá, pô ta pedil d’ismola que ês ca tinha pa dondê bai. Nicête vrá, ba ta dzel cma el ca tinha nada contra sês fidje, ma cma num capoera ca podia tem dôs gole, quê senon um gole ta matá quel ote. Cabá quês lá sim já tava ta sinti home, soluçon era ranjás cada um sês quarte, quê assim era amdjor.

Assim foi, ma ês fecá sempre c’mute sodade de casa de sês tiu Nicête, ondê quês tinha sês boa vida ma ês ca sube proveital. Agora era cmê lume cagá fer.

Tempes depôs, ês bem pedi tiu Nicête perdon. Ma agora, pa basse lá pa tiu Nicête, ês tinha que visá quonde ê quês tava ta bai passá, pa basse salvá sês mãe ma sês otes irmunzin. Depôs tude cosa bem cmodá, quê ês tude vrá home de sês nariz e ta trabaiá pa sês vida. Assim ês pude vrá t’oiá e pude comprendê tude quel sacrifice e esforce que tiu Nicete tinha fête pa ês. Ma já agora ês tava na mar, era só quês nadá.

Nicete ma Lulinha, continuá sês vida tranquile ma quês otes mnine de seus tude dritim e sem más problema lá pa quês terra d’Argentina e de vez inquante ês tava mandá cumpade Nhète um cosinha na carta, pel oiá cma nunca ês esquecê del e sês arreloce daquês pê di boi (guerra) d’seus brigode, bem brigode, tude quês one atrás, lá na “Ilha de Madera” pamode Lulinha, quel mulatinha, di ôdju preto di uva maduro...

Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

Vo l t a r


Comentário:

Zizim nha broda, Esse ê daquês sturinha sabim prop de nôs terra Soncente dum vez, agora c'mudança, m ca sabê s'inda ê assim. Ma hoje ê dia de bô aniversare e uli nôs li tude juntode pa desjobe um feliz aniversare e longa vida c'saude pa bô podê cuntinuá na nimone e done coraja de viv~e prei nesse diáspora. Um braça de nôs tude dali de Sidney-Australia Terencio

Terencio Lopes terenciolopes@yahoo.com.au


Comentário:

Zizim, Como sempre se tivesse uma nota para dar-te nessa estória seria mil!!! Pois ela é sem dúvida alguma uma das melhores do teu repertório e cá estou te perebenizando por isso. Sou muito apreciadora do teu estilo deveras original que por vezes faz-me lembrar Jorge Amado. Mas tu és Zizim Figueira! Ouvi dizer pelos maigos que hoje é teu aniversário. Os meus parabens e muitas felicidades. Um forte abraço Herminia

Herminia Ferreira           herminia.ferreira@gmail.com


Comentário:

Dear Djô, Moda de cstume jam diverti tcheu qu'esse sturinha sabim. M ta lembra bem de Nicete padere ma Nhete pescador e sês stora ma Lulinha. Happy birthday my brother with God blesses. Um braçona Lili

Larry de Pina          LPINA1@tampabay.rr.com


Comentário:

Zizim, Antes de tudo feliz aniversário e que este dia se repita por longos anos meu amigão. Quanto a estória como me disse o Djunguinha "el ta sabim nem um pápa c'lete petitose" por causa da sua essencia encontrar-se bem enraizada na vida do nosso povo São Vicentino. Adorei! Fraterno abraço Manuel

Manuel Almeida             malmeida90@hotmail.com


Comentário:

Ora viva nôs Zizim de Ti Djô Figuera. Força, saúde e parabens pa bô aniversare nesse dia de hoje. Nôs malta li de Reberqa Bote tude ta mandá mantenha. Sturinha ta um delicia e tmara bô subesse cma Nhete ma Nicete foi nhas vezim um data d'one e m fartá de sisti sês guerra mode Lulinha.Basta Cobe Chefe Nhô Matias. na época, já ca tava nem querê sabê dês ma sis storia. Ês era dôs parodia la naquel lorgue d'Ilha d'Madera. Braça Guey

Miguel M.Monteiro                mucimdereberabote@gmail.com


Comentário:

Caro amigo de infancia e companheiro, cá venho pra te felictar pela estoria que está uma maravilha e traduz bem o espirito da gente da nossa Ilha de S.Vicente e tambem aproveito para te desejar um feiz aniversario com muita saude sobretudo para que possas continuar a nos honrar das tuas magnificas estorias da nossa terra. Rijo abraço Tony

Tony Silva            tonysilva22@live.com


Comentário:

Na impossibilidade de felicidade plena - coisa também dispensável, por enfadonha -, fragmentos dela com regular luminosidade. E muitos parabéns! Nos tempos que correm, estar vivo é, só por si, um acto extraordinário de heroísmo. E queremos tê-lo por muitos e bons anos, dando-nos o prazer das suas histórias que, no meu caso, têm também sido centrais no processo de aprendizagem do crioulo. Um Abraço!

António Alte Pinho              privado.apinho@gmail.com


Comentário:

Zizim, Continuo dizendo maravilhas das tuas estórias, mas olha que essa ê entre outras uma que mais me tocou profundamente como mnine que viveu muitos anos na"terra sabi" de Soncente. Ja a li ao menos 3 vezes e já a fiz passar no print para distribuir aos meus habituais vizinhos fans das tuas crónicas. Vida longa e muita saude amigo. Grande abraço Gil

Gil Semedo            gilsemedo@yahoo.com.br


Comentário:

Sr.Zizim, A familia toda vos envia os seus parabens pelo seu aniversário com votos de muitas felicidades e saúde sempre. Eu mais a mãe como sempre adoramos esta Storia que nos transportou involuntáriamente ao mais profundo da Ilha onde nasci e espero voltar um dia que é S.Vicente. Consigo fico sabendo muita coisa através das suas crónicas e com a jauda da mãe ainda me esclareço muito mais. Feliz ano novo e um forte abraço nosso Suelly

Suelly Fonseca          suellyfonseca@gmali.com


Comentário:

Caro Zizim, Devia fazer-te uma prenda pelas tuas 73 primaveras, mas antecipaste-me fazendo me esta manhã uma prenda com essa tipica e extradordinaria "storia". Que saudades da nossa terra me fizeste eu que vi sempre nas ditas fraldas de Mindelo em São Vicente. A vida era mesmo assim coroada daquelas riolas e guerrinhas inocentes de "soc de lorgue que acabavam sempre nos butequins com troca de groguins e muito riso. Tempo de um espirito são do São Vicentino. Belos tempos que já não voltam mais. Feliz aniversario irmãozinho e um abração Sergio

Sergio Barros                sergiobarros@live.nl

Vo l t a r


Comentário:

Zizim nharmun Parabéns! Feliz dia de hoje ...e cá estamos para ler e aprender sobre a vivência passada em Cabo Verde. Mais sobre a caboverdeneidade, coisa muito importante para a nova geração. Aquele abraço e um Tchin-Tchin avec Dom Perignom! Mantenha desde cá do exílio

Henrique De Pina Cardoso            hpcardoso@mail.telepac.pt


Comentário:

Meu caro, Mais um ano de vida que todos sabemos enfrentaste corajosamente graças ao Altissimo e vais continuar positivando sempre para que para além da nossa boa amizade pssas continuar a nos deliciar de estórias ricas como esta que traduzem aquela boa maneira de viver de outrora na nossa terrinha Soncente. Força nha broda!!! Um abraço John

John Correia            johncorreia@aol.com


Comentário:

Zizim, Muitos parabens por este dia de hoje e que lea se prolonga por lonos anos. Tua amiga de sempre Yo

Yoalnad Dias               yoldias@aol.com


Comentário:

Caríssimo irmão Zizim, hoje, dia do teu aniversário, quero apenas endereçar-te votos de felicidades e que Deus te continue a ajudar no que não podes fazer por ti. Parabéns, meu irmão, continua a partilhar connosco vivências e "stórias" como mais ninguém sabe fazer. Abraço

Fernando Casimiro (Didinho)             didinhocasimiro@gmail.com


Comentário:

Oh " irmao das comunidades " antes de mais muitas felicidades pelo o dia hoje , FELIZ ANIVERSARIO , e que esse dia se repita ainda por muitos anos de vida . Vamos todos dançar - nesse pê de boi , là na ilha de Madêra - festejando contigo , esse dia tao especial por ti .Aquele abraço do "irmao das comunidades" D 'Um Criol na Frânça ; Morgadinho !...


Joaquim ALMEIDA                  soalmeida@free.fr


Comentário:

Estou a coleccionar os contos. Já vou em 109 contos, 333 páginas. Esta é repetição, portanto não fiz download. Zizim, qualquer dia mando-lhe o ficheiro para você mandar para a tipografia, para ser publicado o livro.


Comentário:

Esta "storia" foi relida com o meu agrado de sempre. Ela foi por mim comentada em publicações anteriores, mas sobra-me sempre oportunidade para te dizer, Zizim, que consegues penetrar na alma da nossa gente como poucos. Mas hoje os meus parabéns são especialmente reclamados pela passagem do teu aniversário natalício, que eu aqui renovo com imensa satisfação. Grande abraço, nha broda.

Adriano Miranda Lima

 


Comentário:

Zizim! Em vez de eu ter de te dar um presente pelo teu aniversário (o que seria normal), gratificas-me com essa bela história evocativa dos belos tempos do passado de Soncent de Cabo Verde. Isso mostra à saciedade teu altruísmo fundamentado no amor à Terra que viu nascer todas essas figuras de que recheias o teu conto e de cujos nomes me lembro com mais ou menos precisão. Aproveito para te enviar um forte abraço de parabéns pelo teu aniversário.

manuel delgado              manuel.delgado@sapo.pt


Comentário:

Zè, eu ja tinha enviado parabens, era precisamento as 00 horas, esta istorinha de hoge,não é uma storinha, mas uma muito grande, trouceste a Ribeira Boto, até ouve uma pessos que lembrou o meu felicido Paie, que foi bastante conhecido, e respeitado mesmo nas redondesas, muita gente da Ribeira Bote ainda fala que foi um homem respeitado e querido por muitos, Caro amigo que as Forças superiores te acompanha um Abração

Janu.ario Matias Soares           jmsoares@kpnmai.nl


Comentário:

Mais uma grande história a coroar este dia feliz do teu aniversário. Um grande parabéns e votos de muitoss mais milhares de outras histórias. Abraço José

Jose F Lopes              jflopes@ua.pt

Vo l t a r


Comentário:

Todas esas historias da nossa querida mãe terra (soncente) nos faz encher de saudades dos bons tempos que ali vivemos, e comvivemos com todas essos acontecimentos que naquele tempo divertia-mos muito, porque sempre ao ouvir que alguèm ia a brigar então todo o mundo corria para ver o combate que era um espetàculo para todos, principalmente das rapaziadas. Nasci e criei entre Rebera Bôte e Ilha d madera juntim la tràs de loja de nha Pulinha mãe de Djôn Pulinha. Saudades fraternais de mais un Caboverdeano longe de terra mas com soncent no coração. Dje Guebara Lake Worth, Florida,U.S.A.

Dje Guebara                       nhela80@yahoo.com


Comentário:

Nhas Broda, Amigues e Compatriotas, Uli'm li pa bem agradecê bsote tude pa bsote ter lembrode na mim num dia dês que ê tão importante pa mim, cma pa qualquer ser humane, quê dia que sê Mãe betal nês Munde. Pena ê que nhas broce ê mute piqnim pas tchegá dali tê lá pa'm podê braçá bsote tude... Ma coraçõn ê grande e el ta quebê bsote tude gente de boa vontade e amigues pa'm ca ter de torná dzê irmons. Moda de custume um SARAVAHHH PA BSOTE TUDE de bsote Zizim de Figuera SARAVAHHHHH... Zizim

Jose Figueira,junior              jfigueira@wanadoo.fr


Comentário:

A todos muito obrigado pela lembrança e pelo grande apoio moral que me deram ao longo deste ano 2011 e espero continuem me dando neste ano 2012 que aproveito para vos desejar tudo de BOM!!! Mais um SARAVAHHH... Zizim

Jose Figueira,junior             jfigueira@wanadoo.fr


Comentário:

Broda, Zizim Na nha juventude más depressa es tava inchená-me geografia de otes país, otes realidade social. Assim, como tchamá-me atenção que Cacai foi guarda-redes e origem daquel coladeira “lá na ilha de Madera”. Obrigada! Esse estória ta deveras sabe de lê e ta dá pa reté, contradança de vida e dimensão de ser humano. BRAÇA


Maguy Alfama            maguyalfama@gmail.com


Comentário:

Exe sturinha de nôs amigue Zizim, mesme sês ê reptide ês ê sempre sabim de torná lês. Quê moda Zizim dze'm ás vez sel ta reptis ê pa ca falhá c'malta dia dmingue na Liberal sobretude quonde doença ca ta dexal escrevê quês ote sturnha qu~e um data quel tem na gaveta. Anyway nha broda um many thanks moda mnine de Soncente ta dzê. Suade e força sempre um braç de bô broda John

John Lopes               jonlopes222@hotmail.com


Comentário:

oke storia sabe...um gosta txeu prope. nice d mundo:-)

Erika Forted         cv18kika@live.com


Comentário:

Caro amigo. Só li agora essa maravilhosa sturinha. Como sempre,delirei-me. Enton naquel parte de "cmê lume cagá ferre", bo matám Fig´s pamod diazá um ca tinha uvide ess expresson li. Sô bô dvera. Força nha amigo. Um bijim grande. Du

Deolinda Camões          ducamoes@hotmail.com


Comentário:

Caro Sr Zizim, Que venham mais estórias dessas da nossa terra Soncente que realmente só você sabe contar daquele geito que nos arrasta e adapta a todos fazendo-nos recuar no tempo e no espaço para vivermos Soncente durante todo o percurso da leitura enchendo-nos de SODADE. É bem natural que reproduza com fidelidade nesses contos, personagens bem nossos em que cada vez que você os anuncia nos veem todos á memória. Sou filho do seu compadre Chima (baptismo do meu irmão José) e me lembro bem de você desde a idade dos meus 11 anos ali na nossa rua Da Luz e Praça Estrela, a praça dos grandes encontros que o Sr.Onésimo assassinou. A praça dos bons tempos das reuniões socias de ordem popular de futebolistas, estivadores, pescadores, remadores ou melhor da classe trabalhadora toda inteira com quem você sempre soube lidar e respeitar, o que a mesma reciprocamente lhe soube sempre retribuir. Me lembro de uma pasasgem ali nos bancos da Praça Estrela, uma vez que o John guarda-rêdes das segundas do Derby perguntou ao Canhota engraixador se na verdade tu Zizim não tinhas escola como eles? Então, o Canhota reagiu logo dizendo-lhe; - Não moce!!! Zizim é setemanista e trabalha na meteorologia de Capitania dos Portos. Pois ele não quiz acreditar e então foi ficar la na porta da Capitania á espera de vos ver entra no trabalho e só assim ficou convencido e perdeu 2$50 escudos na aposta com Canhota que mandou-me logo ir comprar "um pon de trança c'quês c'mel lá na Dminga badia de rua de Matijim" e eu comi a minha parte...ahahahah, essa você não sabia hum?! Também vi pelos comentarios que fez anos ontem. Ai vão os meus parabens com votos de saúde e felicades. Grande abraço Ed

Edgar Neves                  edneves@live.nl

Vo l t a r


+++

Comentário:

Dear Zizim, Mantenha de Mané Crral dali de Sidney-Auatrália para ti e familia. Como sabes estou no começo do Mundo porque o Sol nasce mais cedo por ai e por isso tenho 12 horas de diferença com a nossa terra Soncente de Cabo Verde. Para mim e meus amigos as tuas estórias são um regalo que nos acalenta e sustenta moralmente nesta diáspora longinqua todos os domingos. Esta então é sem duvida no contexto uma das tuas melhores estórias onde o tipicamente da convivência cabo-verdiana se encontra devidamente bem representada. Deus te dé vida e saúde para continuares. Abraços Terencio

Terencio Lopes                     terencio.lopes@yahoo.com.au


Comentário:

Olá Zizim Figueira, Muito obrigado por mais esta sua linda estória domingueira onde não só nós que vivemos no estrangeiro como no país Cabo Verde encontramos todas as nossas referências que caracterizam a nossa identidade de convivências de "gente de Soncent". Um grande abraço Neusa

Neusa Rodrigues                  neusa.rodrigues@verizon.com


Comentário:

Zizim, A "sturinha" de hoje está uma maravilha e já fiz o "print" para que logo juntos na Associação seja lida como de costume. Estou certa que a nossa malta vai adorar pois esta estória tem mesmo aquele "gustim" daquela vida d'Ilha de Madera do meu tempo. Que a força seja contigo irmão. Forte abraço da tua amiga de sempre Yo

Yolanda Dias                         yoldias@aol.com


Comentário:

Sr.Zizim, A mãe e eu não temos palavras nem adjectivos para qualificarmos esta sua tão sublime estória que retrata o mais profundo da vida da nossa gente de S.Vicente. Adoramos e muito o agradecemos de nos fazer participar através deste nosso grande Jornal On-Line que é o Liberal e que também agradecemos. Bom domingo e um abração nosso. Suelly

Suelly Fonseca                      suellyfonseca17@gmail.com


Comentário:

Zizim de Ti Djô Figuera, Dvera dvera bô é prop de nossa. Oiá ondê que bô bá sgrovetá um storia sabim desse lá pa Ilha de Madera. Bô storia ta contode e bem contode moda mi dali de Rebera Bote conchel. Liz Cabel ma Cacói, Nhete tude ês já morrê. Ma inda tem Ninaja ma sê sapataria lá perte de Pana (Paulo Mauricio) bô migue na entrada de Rebera Bote e um tita bai leval el pa nô alé más log e pal oiá cma bô mnine de Soncent bô ca ta squecê de bô pove ma quem sempre bô vivê na paz e harmonia. Ubrigada nh'irmon. Tude nós mandobe mantenha. Guey

Miguel M.Monteiro                  mucimdereberabote@cvtelecom.cv


Comentário:

Boa Djô nh'irmon e amigue d'infancia, Um storia sabim só de gente sabim, daquel munde sabim de nossa dum vez e que já ca ta bem más. Saude sempre. Bô broda Lili

Larry de Pina                           LPINA1@tampabay.rr.com


Comentário:

Amigo Zizim, No teu estilo muito sui generis que se pode comparar ao de Jorge Amado, continuas me siderando com todas estas tuas estórias que já é tempo de pores num livro para que fiquem registadas ad aeternum nos anais da nossa história socio-cultural. Parabens pelo tema que é tipicamente mindelense-sãovicentino e que nos enche o coração daquele calor e emoções até certo ponto inexplicáveis. Rijo e fraterno abraço Gil

Gil Semedo                             gil.semedo@cvtelecom.cv


Comentário:

Nem tenho palavras para qualificar esta tão maravilhosamente bem escrita estória cujo o tema sublime ultrapassa tudo aquilo que conhecia das terras de São Vicente de Cabo Verde.Parabens ao autor Zizim Figueira. Noel

Noel Pacheco                           noel.pacheco@netcabo.pt


Comentário:

Sr.Zizim, Aqui em casa e na vizinhança todos adoramos a suas estórias de dia dmingue pela maneira bem nossa como as costuma apresentar. Então essa de hoje está mesmo a propósito, pois sou da familia do Tchabete antigo padeiro da padaria de canalim de Nh'Anton Djudjim e Nicete d'Ilha de Madera meu falecido tio na Argentina. Obrigado pelo tema e todas estas recordações de gente que ninguém senão sendo você fala com ternura e muita amizade. Bem hajas Sr Zizim. Um abraço

Olavo Vicente Fortes              olavo.vfortes@cvtelecom.cv


Comentário:

Pois é mesmo assim meu amigo e colega Geógrafo Zizim Figueira. Quer queiram, quer não, quem relata assim não é gago na medida em que te tornaste mestre na maleabilidade da nossa lingua cabo-verdiana através das tuas magnificas estórias aos domimgos e, onde todos de todas as Ilhas de Cabo Verde confundidas se encontram lendo-as sem problema algum de compreensão. Espero ver um dia ver após publicação do teu livro que é história da nossa gente e da nossa Ilha de S.Vicente, circular o dito livro nos bancos das escolas, como muitos já veem fazendo com as tuas estórias na diáspora. Hoje até já muitas crianças se encontram referenciadas através do crioulo das tuas estórias. Este texto está uma maravilha, pois já li e reli e vou tornar a ler logo com a nossa malta logo Um Saravahhh para ti de Gioás-Brasil do coelga geógrafo e amigo Victor

Victor Ferreira Chantre                  victor.fchantre@yahoo.com.br


Comentário:

Zizim, Fielmente cá me encontro para ler e apreciar a tua "esturinha" dominical. Um grande abraço por mais esta,Elias

Elias Melo Silva                               elias.silva69@gmail.com


Comentário:

Zizim, agora que se provou que o património material (arquitectónico) nada diz a quem governa a cidade (demolição da Casa Adriana), apostemos então no património imaterial, que contra este o camartelo não tem poder. O património imaterial tem recebido um grande contributo com as tuas "stórias". Mesmo que as actuais autoridades não façam o suficiente em defesa do património imaterial, olhando para o lado quando é preciso agir e decidir de forma consequente, aquele terá sempre guarida no coração e na mente das populações e aí permanecerá incólume e eterno.

Adriano Miranda Lima

Comentário:

Meu caro amigo e patrício, Tenho lido as suas storias que muito admiro. Não tenho feito comentários porquanto porque estive de férias e agora estou muito ocupada com um trabalho que neste momento me deixa pouco tempo. Mas hoje pela sensiblidade que essa storia me proporcionou, não pode resistir e cá vim dar o meu parecer sobre esta sublime e tipicamente folclorica storia da nossa gente de Soncente.Ela mereceu também uma atenção especial pela maneira como está bem elaborada e escrita. O tema é extraordinário e verdaeiramente nosso. "Um braça pertode" Lutchinha

Marai de Lourdes Cosmo                  lutchinha17@hotmail.com


Comentário:

Z.FIGUEIRA, DOU-TE VINTE VALORES PELA ESTORIA PORQUE MAIS NÃO TENHO PARA TE DAR O QUE É PENA. ABRAÇO Afonso

Afonso Estrela                                  afonso.estrela@aol.com


Comentário:

Mas um vez oli nôs encontro d'fim d'semana pa aprecia bôs storias tanto esperod...tanks r'mon pa esse fantastico récital...ta lembra qês temp e alguns personagens, q'gente ca ta esqcê!!!Bom dmingo, boa d'posiçon e saùde, aquel abraço fraternal!!!

Pereira                                               pereirabenvinda@yahoo.fr


Comentário:

Sr.Zizim Figueira, Ao menos consigo e graças a esses seus textos de que nos deleitamos todos os domingos,sobre a vida da nossa gente e nossa terra S.Vicente, estamos certos de poder preservar o nosso património virtual e imaterial que o "BULDOZER" nunca poderá destruir como fez com a Casa do Sr.Dr. Adriano e outros sitios que estão condenados pela nossa própria gente sem escrupulos em que a ganancia do dinheiro ultrapassa todos os apectos positivos da ética. Um abraço Lena

Helena Sousa             lena.sousa@yahoo.com.uk    

Vo l t a r