BARBOXE - SINAGOGA (ONES 40/60)

Naquel dia datardinha na hora de lezimparim, vaporim d'ága Vascônia somá na Sul, ta bem de Tarrafal de Monte Trigo - SanAnton, carregode d'ága doce, cunchide na pove de Soncente, pa ága de Vascona que sirvi durante tcheu tempe Ilha de Monte Cara e tude quês vapor de passaja na sê Baía de Porto Grande!...

Também tinha ága que tava bem de compe de Maderal, ma que tava saí de poque e era vindide na morada lá traz d'Igreja na site de mesme nome Maderal, ma que ca tava tchgá nem pa matá sêde de pove de morada qonte á mas tude Ilha de Soncente.

Capton Mulato, na pasta de dutchache de borde de sê vapor Vascônia, tava ta trazê um mensaja urgente de Sr.Djê Ferro pa Dator Furtado na Spital de Soncente, mode LEPRA que tava ta rebentá caquel pove pescador d'aldeia de G'stim Perera na Tarrafal de Monte Trigo ondê q'ês tava diazá bandonode e sem ricurse.

Basta, tude mnine que tava ta nascê, Sr.Djê dente de sês poque pussiblidade tava bá ta tentá isolás de sês pai leproze, e cunsigui assim salvá tcheu d'ês, de tal situaçon!... Quê Lepra é um doença infectiosa crónica motivode pa bacile de HANSEN e que ta manisfestá pa mantcha na pele tchmode leproma e se gente fazê cuidode el ca contagioze.

E, cosa na Tarrafal de Monte Trigo podia ser pior se ca fosse Sr.Eliseu Lima enfermer que tava viajá sempre q'el tava podê, pa Soncente, e tava trazê smeme assim pa desinrascá alguns cumprimide de"SULFONA"que sês colega infermer Manel Damchô e Mendonça tava ranjal na Spital qonde tinha, e tava bá ta sirvi quel pove na tratamente desse doença.

Primera vez cum uvi falá de LEPRA fui naquês tempe de merguiá qonde nô tchgaba cruzá ma pescador de Sinagoga (SanAnton), bons marinher ta bai pescá na deserta ( Santa-Luzia, Djêu Bronque ma Djêu Roze ) na sês bote a vela!...

Anton, Ti Jon d'Alcanja de Calhau que era das Pomba-Paul e que tude quês pescador tava conchê pa ruspeite na zona quê el é que inshnaba tcheu d'ês navegá naquel mar de canal!...Tive de xplicome tude quel situaçon de LEPRA que tava ixisti diazá na terra de sê Ilha SanAnaton!... Sempre el tava mostrome alguns daquês pescador curode, sem dêde ô ponta de nariz já cmide...

El, tchgá dzeme também cma pas midiba sum pessoa contaminode de LEPRA, ês tava panhá um cigorre cindide, ês tava incostal na sê pele!... S'aquel pessoa tava reaji na quemadura de cigorre era bom sinal!... Quê snon s'el ca reajiba ê que jal tava leproze bastante vançode.

Conhecedor daquel situaçon, el tava falome sempre daquês caminhada q'el tchgaba fazê qonde el era mnine, de Ponta de Sol pa Paul de passaja pa Barboxe ondê que tude quel pove leproze tava morá e vivê num liberdade total na bera de strada ta vendê sês quêje de cabra e mas ôtes cosa q'ês tava fazê que sês mon pa vendê e pudesse bá ta subrevivê!... Quê se aquês quêje tava contaminá pove anton nos tude ja tava leproze tonte de cmê quês quêje de Barboxe na Soncente.

Ti Jon contá cma, mas ô menes na ones cinquenta na tempe de Nhô Jon Serra fui mandode fazê um grande GAFARIA pa resolvê quel problema e fazês ftchá Barboxe e transferi assim, tude quel pove pa Sinagoga, lugar de juste nome puste pa pove, mode antes lá fui lugar de culte de Judeu!...

Assim que presença de Gafaria, ês cunsigui juntá tcheu daquês leproze e caquel triste isolamente, situaçon amdjorá tcheu pa tude gente e pa quel pove sofredor que passá ta ser siguide regularmente pa Dator ma infermer Dario que tava bem das Pomba.

Nôs saudose e grande Dr.Henrique Teixeira de Sousa, na sê livre Ilhéu de Contenda, ta falá precisamente desse problema de LEPRA na Fogo e na Cab Verd em special (quel drama de Belinha bandonode pa Eusébio)!...

Também, na volta qonde vapurim tava ta bai pa Tarrafal bescá ága ote vês. Que ajuda de Capton Julion, nô cunsigui mas um boleia pa bass merguiá, cosa que tava interessone sempre mode quês bons pexe moda cheréu e inforcode que pra lá tinha!...

Ma nesse dia fui mute spécial e marcá nos tude!... Quê na borde de vapurim d'ága Tarrafal, tava Sr.Dator Furtado que tava ta bai pa quel misson de LEPRA na G'stim Perera .

Pa camin, no tive sorte quê el ba ta xplicone czê q'era Lepra e manera q'el tava parcê, el dzene também cma LEPRA n'era contagiose ma pove tinha que tem mute cuidode: - primer el falá na problema de higiéne pa ivitá LEPRA de contaminá gente, era precise mute limpeza de corpe, ma tude cantim de casa!..

Tinha que matode tude spece de bitche moda rote, barata, pulga, mosca ma musquite e sobretude quel mas perigoze de tude e grande transmissor desse doença q'era percevêje que alguns tava tchmá prufezêje!...

Dzide cma um percevêje, ta secá e fcá num stade moda letargia durante tcheu one, ma basta el sinti calor de corpe, él ta torná bem que vida e ta pô ta limentá de sangue de gente... Anton, na sê pique q'el ta dá gente el ta bá ta passá microbe.

Antes na G'stim Perera ca tinha leproze, dzide q'el fui trazide pa um stafeta que tava bá fazê mandode na Ponta de Sol, quê el é que fui primer doente de zona !...

Dr.Furtado, dator indione que já tinha cstume dexe situaçon, de acorde ma autoridade e Sr.Djê Ferr, ês passâ tude quel pove pa um grande casa dess ôte banda de Rebera, ondê q'el tava consultás e anton, ês pô lume de gazolina na paia de tude quês coberta daquês funque de pedra... O que fugentá tcheu daquês percevêje que dzide era tcheu demás, e otes bitchim prigoze.

Que tude esse atitude e quel higiéne, mas tratamente serie que SULFONA lepra diminui tcheu na zona de G'stim Perera em que mute daquês pescador que nô concheba, refazê sês casa e passá ta tem um vida normal...

Pena fui quê dzide cma GAFARIA na Sinagoga fui fectchode logue despôs de nôs Independência!... Será que na nôs terra já ca tem LEPROZE ?!...

Zizim Figuera (José Figueira, junior)

V O L T A R

Comentário:

Isto é do melhor que já saiu da pena crioula do Zizim. Relato notável e ao mesmo tempo pouco vulgar dado que a lepra é um tema poucas vezes abordado entre nós, como se houvesse um atávico propósito do seu silenciamento, quem sabe se por terrores adormecidos mas sempre latentes desde os sombrios tempos medievais.

Esta crónica está muito bem organizada e em termos literários é notável vermos aqui o nosso crioulo senhor de singulares recursos estéticos como se pode ver nesta passagem: "Naquel dia datardinha na hora de lezimparim, vaporim d'ága Vascônia somá na Sul, ta bem de Tarrafal de Monte Trigo - SanAnton, carregode d'ága doce…"

O mar e os pescadores são aqui bem representativos como moldura telúrgica das nossas ilhas em cujo recôndito se escondia, vergonhosamente, a realidade da lepra, um mal que, na mente retrógrada de algumas autoridades da época, convinha manter nos mais afastados subúrbios, na mais abjecta exclusão humana.

Se digo isto é por ter ficado indignado com a leitura desta passagem: "E cosa na Tarrafal de Monte Trigo podia ser pior se ca fosse Sr.Eliseu Lima enfermer que tava viajá sempre q'el tava podê, pa Soncente, e tava trazê smeme assim pa desinrascá alguns cumprimide de"SULFONA"que sês colega infermer Manel Damchô e Mendonça tava ranjal na Spital qonde tinha, e tava bá ta sirvi quel pove na tratamente desse doença.

" Simplesmente inacreditável e revoltante que a cura de seres humanos ficasse dependente exclusivamente da boa vontade de conscienciosos enfermeiros, naqueles anos da década de quarenta. Felizmente que as coisas viriam mais tarde a conhecer um tratamento mais consentâneo com o respeito pela condição humana, sendo de toda a justiça sublinhar aqui o empenho e a dignidade profissional do doutor Furtado.

Para terminar, mais uma vez veio a propósito a pessoa de nha Jom d'Alcanja, desta vez a contribuir para o repertório memorialista do Zizim sobre os contornos da lepra naqueles pequenas comunidades de pescadores entregues à sua sorte.

Lembro-me de que há alguns anos escrevi um artigo no Liberal a comentar uma storia do Zizim a respeito deste nosso notável conterrâneo, nha Jom d'Arcanja: Dizia eu então: "O desportista, o menino da cidade, confessa que recebeu do Ti Jon magníficas e inolvidáveis lições sobre os segredos da pesca à linha, a catalogação da vida marinha local, a cadeia alimentar desde o fitoplânton aos peixes de pedra e aos peixes de largo, o conhecimento das marés e das correntes, etc, etc.

Enfim, um manancial de conhecimentos práticos que nem o mais bem elaborado compêndio seria capaz de substituir". Por isto se vê que nha Jom d'Arcanja é uma figura que merece um lugar de respeito na nossa memória. Um grande abraço, irmão, por esta excelente crónica.

Adriano Miranda Lima
amlima43@gmail.com

 

Comentário:
Parabens, Sr. Zizim! Queira me indicar, por favor, a gramática que estabelece as regras ortográficas do crioulo, seja na variedade que o Senhor usa ou noutra. Quero aprender a escrever o idioma do meu país - Cabo Verde. Havendo obra pertinente na internet, seria preferível indicar essa. Antecipados agradecimentos. Ilídio

Ilídio de CV : cv_ilidio@yahoo.com

 

Comentário:
Prezado Sr.Ilidio, Toda pergunta merece resposta entre homens pretendentes a um diálogo constructivo de cabeça fria "sans partis pris" para que possamos afirmar algo de concreto para o bem de todos. Mas infelizmente o HOMEM este animal que se diz RACIONAL na sua estúpida dimensão é o único SER que o CRIADOR fez e que é capaz cegamente de assassinar o seu semelhante sem quaisquer estados de ALMA ou sentimentos.

Ora, não é através de imposições de ordem dictatoriais ou decretos-lei nem Bairismos e/ou Regionalismos cegos e exacerbados, negligenciando todas as consequências que poderão ter tais atitudes, que vamos nos deixar manipular ou impor uma escrita completamente obsoleta e fora do contexto como o ALUPEK. Não sou Filólogo mas sim Geógrafo/Geofísico o que não impede de me interessar pela problemática da nossa LINGUA CABOVERDEANA.

E,com todo o respeito pelos meus compatriotas, cá vou dando o meu contributo ao TODO há mais de cinco anos da melhor maneira possível procurando consultar e discutindo com pessoas competentes e mais abalizadas na matéria melhorando cada vez mais a escrita para que possamos um dia ter regras e nelas nos podermos apoiar.

Aliás, do ponto de vista estrutural a nossa LINGUA mais o nosso ALFABETO já existem desde 1460 época da dsecoberta de CABO VERDE para quê alterá-lo. O POVO é que faz a LINGUA e o nosso é bilinguista desde esta época supra citada.

Por isso há que estribarmos naquilo que conhecemos e continuarmos a trabalhar sem procurar fugir do contexto da nossa escrita de origem NOVI-LATINA que é uma realidade que nos seguirá AD AETERNUM quer queiramos ou não.

Quero deixar aí bem claro que não tenho a pretensão de impor a minha escrita a quem quer que seja mas lá vou dando o meu contributo par que um dia se tivermos gentes capazes possamos debater e criar uma escrita em que todos seremos POR qualquer coisa de constructivamente POSITIVO.

Pois é Sr.Ilidio, vamos continuar a trabalhar porque o tema é vasto e merece consulta e sondagem com todo o respeito pelo POVO da ILHAS de SanTiago, São Vicente, Santo Antão, S.Nicolau, Sal, Boavista, Maio, Fogo e Brava ou seja todo o CABO VERDE sem excepção. No entanto, modestia á parte, espero ter respondido parcialmente á pergunta ficando á sua inteira disposição caso queira continuar o diálogo.

Cordialmente vosso Zizim

Jose Figueira,junior
jfigueira@wanadoo.fr
V O L T A R