DEZOITE DÔS OITE (1888) - SUMETER DE SONCENTE


Naquel mês d’Agoste calorente de 2006, despôs dum viaja trublode d’avião na TACV chei de peripécia e um atrase de quate dia pam tchegá na nha terra Soncente-Cab Verd. Primer cosa q’um fazê log q’um tchegá, fui siguí quel ritual de ba benzê nha corpe, naquel ága de mar sagrode de Laginha…

Enton, uns dia despôs, c’aquel sodade infrontode e vontade d’oiá nha pove ma nha terra, num atitude nada más natural, um sei t’andá pa tude tchon de Soncente, ta espiá amigues e admirá panorama de desenvolvimente de nôs Ilha na tude sê extenson, despôs dum data d’one longe, sem podê ba na el.

Pa camin de Monte Sussegue, já mudode que sê Avenida d’Holanda, um incontra Tola (Bertole), um de nhas grande amigue d’infância, cumpanher daquês juguinha dez trocada vinte cabada, qu’ás vez nem tava cabá, pa cuntinuá n’ote dia, traz de Praça Estrela ô la pa lode de Tchequer ma Cova d’Inglesa, siguide daquês bons bonhe de mar, trada liza d’estrada pa cambota (que hoje já ca ta existi mode estrada de camin de San Pedre), sobretude na dia de maré cheia...

Despôs daquel brake ma quel braçona de más de quinze one longe, sem oiá cumpanher, nô imborcá uns dôs pontche lá na nha Joana de Pascoal e da lá nô sei t’andá... ‘M perguntal ondê quel tava ta bai? El dzeme cma quel dia, el ca tinha nada que fazê, mode n’era sê vez de estiva na Enapor, assim sê destine era Monte Sussegue!

Enton, moda era nôs custume, na tempe de mnine traquine, el pontame camin c’aquel mon chei de dêde e bá ta dzem, cum risim de goze na conte boca, aquel “a direção manda” e log nô rancá ta bai... Ma, quonde nô tchegá perte de padaria de Matos, tava ta passá um interre que tcheu gente, nô trá nôs boné de cabeça pa respeite pa quel morte e despôs baxim n’uvide, ‘m perguntal era quem nhê, quês tava ta levá pa cidade de pé-junte?

Basta já nô ca nem sebí pa Monte Sussegue, pamode era um filha de Djena de Farnande Pau, pessoa amiga mute cunchide de nôs tude. Enton, nô resolvê cumpanhá quel interre, quê assim jame tava dá Djena pêseme e proveitá de vesitá nôs Sumeter “Dezoite Dôs Oite (1888)”, ondê que ta interrode tude nhas familia, desde nhas avô, nhas pai Ti Djô e Bia Figueira, ma nha tiu Pidrim (Pedro Silva) ma nha prima Maria Antonieta Silva Meneguin, e assim fui!

Djena fecone mute ubrigada de nôs prisença, mode nôs que ba levá corpe de sê filha té sumeter e despôs na tradiçon, nô ba fetchá quel interre lá na sê casa e, pla graça de Deus, quel grogue ma bafa de bolacha que cavala frite, fui cosa que ca faltá, pa pove traba quel poera de sumeter.

Pa camin, na cumpanhar daquel d’interre, mi ma Tola bai sempre num conversa bastante nimode, c’el ta lembrame um monzada de stora de nôs tempe de menine, cosa, que té jame tinha esquecide, daquês tempe d’interre que Nhô Padre tava cumpanhá morte té Sumeter, c’aquês “response” pagada, pedide pa gente amigue daquel morte , dode pa camin, puda caxon derriba de cadera, dês da lá de rua de Coque...

E, quês menine sempre de standby, pa quonde ês uviba quel sine d’Igreja p’Interre de morte murride, pudesse trá quel pé de carrera té Sacristia, ba ter de Senhor Sulveste, bestí quel túnica incarnode d’ijdá cumpanhá Interre, pas podia ganhá quel cruzode, prece dum pon de trança, más quês cinque toston ranjode na response, que tava sirivi pa completá quel sirvice de pon de trança que mel, lá na Dminga badia, Deus dal ceu!

Nô levá quaz um hora pa tchegá na Sumeter, quê lá, quel caxon tava ta bai na parte de trás dum corre (juvita) devagarim, que tude nôs a pé, pa trás, ta bai ta cumpanhá quel interre, té que nô tchegá, o que já n’era sem tempe, quê Sol tava prop quente ta quemá!… ‘M reclamá um csinha, ma Tola pome espirte log na lugar cum reflexon de:

- Oh boy, esse cosa é evoluçon!... Já n’é moda quel vez que tava levode caxon na ombre, c’aquel sentimente de família e amigues ta descançá cumpanher pa camin. Agora é pagada, levada na corre, e tchau!...

Log que nô tchegá na Sumeter, Dezoite Dôs Oite (1888), primer cosa q’um notá é q’aquel fachada principal de sê entrada ca tinha mudode e tinha fecode moda ‘m tinha el dexode, sempre c’aquel porta de fer fincode quel 1888 (data de sê fundaçon) ma quel cavirinha, la derriba ta indicá pove, cma la é qu’era Sumeter.

Últema moradia de Nha Marquinha, detode derriba daquel primer cova log n’entrada de Sumeter, sempre c’aquel broce derriba de cabeça!... Log beme n’ideia quel expresson popular de, quonde um pessoa tava morrê na terra, que tava dzide, cma era más um que ta tinha bode vesitá Nha Marquinha...

Cosa más absurde de storia de vida de gente de Soncente, é que té hoje, quel “Cova” ta cuntinuá ta pô pove mede e respeite, quê basta tem gente, que té inda num espece de peregrinaçon e sem fazê mute barulhe, ta proveitá na dia e hora d’interre, de ba pô sês mon derriba daquel tumba!.. Pa superstiçon, ô pa csé?! Ninguém té hoje sube ?!...

Nôs Sumeter, Dezoite Dôs Oite, ta la sempre merguiode naquel silencie natural, c’aquês cova tude bem linhode e sê Igrijinha la na mei ta comandá, tude branquim, limpim, num espece dum culte de respeite pa morte, cosa que sempre fazê parte de força de nôs “Cultura”, tonte na Cab-Verd cma na diáspora...

Despôs de ter cumpanhode quel filha de nôs amiga Djena té na sê últema morada, mi ma nh’amigue Tola nô proveitá de ba vesitá quês cova de familia. Enton, na mei de nôs conversa durante vesita, um perguntal té ondê que nôs Sumeter, que dantes era tão piqnim, tava ta bai? El dzeme, cma da lá, jal ca tava ta ba ser estindide más do q’aquel q’um tava t’oiá lá!... Cosa que despôs fui cunfirmode, pa quem que sabia.

Tola, mnine de Soncente, buzode, traquine, fazedor de biogue, pirracente pa chuchu, proveitá log daquel momente de vesita pa cumeçá t’intchame cabeça que Stora e más Stora de “Gongon” na nôs Sumeter 1888.

El dzeme cma lá pa riba, na tchã de Monte Sussegue, ondê quês fazeba uns casa nove, derriba de lugar ondê que dantes, era quês dôs antigue Sumeter Inglês ma Talione, quês gente que ba morá pra la, ca tava podê drumi de note, quê ês tava passá sês vida t’uvi barulhe ma t’oiá “Cosa Rum”!... Basta um largá t’arri, enton num ton serie e gravode, el dzeme, jurode:

- Ô moce de favor ca bô arri!... Quê esse cosa é prop devera!!!

Ma do quel esquecê, é que mi também mi é mnine de Soncente e q’um tava ta lembrá daquel Stora de seu que passaba diasá ma sê amigue, que jame tinha esquecide sê nome... Enton ‘m perguntal, el vrá pa mim, que sê boca motcha dum dente só, el dzeme t’arri:

- Uaaa moce, dvera bô ca ta esquecê, louvar a Deus, e já bô tita bem já na bôs goze, hum?!... Ma ca boda, quê mi também ‘m ca ta esquecide de bô, busode p’afronta que bô é, ma esse lissim já passobe prop pau!... Bom ma smeme assim, dexáme bá ta dzebe sê nome, pa bô ca bem fecá prei ta panhá macaquim, era “Cumpade Esquebra”, que té já ta na munde de verdade e, Deus dal Céu!

Nôs sentode ta descançá, despôs de ter andode quaz tude quel Sumeter, num sumbrinha daquês arve lá perte d’Igreja de Dezoite Dôs Oite, enton ´m ba ta proveitá de contal sê sturinha, pa lembrança daquel festa de Sr.San Jon, el morte de rise t’uvime, despôs de tonte one, c’admiraçon pa nha mimória que Deus dame! E, lá um rancal c’aquel Stora Stora, fartura de Céu Amen.

Ora, Senhor Tola ma sê cumpade Esquebra era dôs grande amigue natural de Cavoque Brumedje (Monte Sussegue), lugar ondê que tava morá sô de gente de Mindlense, equipa de futebol más antigue e popular de Cab Verd, cunchide pa sê fama e tude sê “história” na vida desportiva de nôs terra Soncente – Cab Verd.

Naquel tempe, Tola ma Esquebra ca tinha lugar na team, quê pa ijgaba na Mindlense bô tinha que ser prop bom! Assim, ês era dôs grande animador e ijgador daquês juguinha de fralda de Mindelo ondê q’aquês “team” era butzode pa pove, daquês nome de sô de miséria. Basta, naquês cartaz puste na parede pa indicá dia de jogue era marcode:

- Fraqueza x Dublidade ô Monque x Lejode ( X = contra ).

Taça pa quês desafiu era sempre un panelona de catchupa!!! Quem ganhaba tava cmê sentode na mesa, quem perdeba tava cmê sentode na tchon! Ma o certe é que na fim, na mei de ligria, tude criston tava otchá quel bocadim de cmida pal cmê, na base daquel pure amizade dum vez, scantchim, bnitim e sem merrinha…

É de lembrá cma dia de San Jon, quel one lassim, tinha tchegode, moda tude one, pa ligria de pove e em especial pa quês dôs cumpade.

Enton, amigue fixe moda ês era, capaz parti tude cosa quês tinha, entre ês quonde ês tinha... Djunte ês largaba pa Rebera de Julion log cidim pa basse sistí quel missa de Senhor San Jon revulteode, moda voz de pove sempre dzê, quê tude one tava contecê que festa de Senhor San Jon sempre tava calhá cuns ventania prop brobe, de salgá gente oie... Ma, o que nunca tava impedí pove, smeme assim, na mei daquel poera ma Sol quente, prop de matá, de cuntinuá naquel Colá, Colá San Jon... Ô Sabe, desufnode, chei de força, num espirte de não importa e de celerá dexá bai…

Sempre que Djê ma Capote, ta intchi cena, que sês navizim bnitim, bem infeitode, t’abri festa, ta rudiá igreja, cumpanhode pum trupida de tambor pa trás, que pite e Pove ta Colá, Colá Sanjon…Ô Sabe, ta bai ta espancá na cumpanher, naquel cadência e ritme, que sobretude só nôs sabê fazê, porquê ô nô cré, ô no ca cré, nôs tude é TAMBOR… E el ta na sangue!!!

Tola ma Esquebra tava prop sabim de munde! Ês entraba na tude quês barraca de lorgue de Rebera de Julion: - Nha Camila de Café Cantante, Hilas Miranda, Tilina. Bia de Bar, Rosara de Nhô Queitone etc… Ês cmê brinhola, fongue ma funguim, pastilim de malagueta, midje ingron, ês bibê bandoie, pontche, grogue e tude o que bem na rede, quê quel dia era dia de festa e mama tava prop grosse, mode quel trquim que cumpade Esquebra tinha ganhode de vespera!!!

Enton, tude ês dôs que sês rosare infeitode de papilim de cor ma midje ilhode, que mancarra trançode prop bnitim, passode na pescoce, tava prop sabim, e ca tava nem ta da fé de tempe ta bai ta passá, que de note ta cumeçá ta fetchá! Tude na sês folia, ês ba saltá “LUMENARA” lá na lorgue ondê que tava tude quel pove rinquiode ta esperá vez pa saltá… derriba de saltá... torná saltá!

Ma cumpade Tola, derapente, na mei de tude quel sabura, medente moda el era, cumeçá ta fecá preocupode, quê de note tava ta bem ta fetchá. Jal dá sê cumpade Esquebra fala pês basse imbora pa casa, ma Esquebra um csinha zarode, ba log ta dzel log:

- Ó cumpade, agora que li tita vrá prop sabe é que bocê já tita querê pa nô bai?!

Mi nem gaita, quê hoje um tita fecá prei e pum bai é só manhã,se Deus quizer!

Tola fecá muque ta pensá, jal ca dzê más nada, só el espiá p’arloje, el dá fé cma tava ta faltá um quarte pa MEIA NOTE!... Smeme assim, que pra lá, chei de pove, lugar nimode e sabe p’afronta, el ca pensá dôs vez! El intchi de coraja, el pô pé na mama de cadera, el rancá pa casa na Monte Sussegue na mei daquel escure de matá morte...

Cma el era despurtista, bom corredor, trançode c’aquel mede que jal tinha iliode na corpe, el rancá ta bem ta tchincá (corrê devagarim) té quonde el entrá na estrada, na mei daquel escure de breu… Más pa diante del tava ta bem ôte Criston, quê cmida tive, ma denher pês besse naquês camiunitim (Ir e Bai), inda más daquel hora lassim, ca tive...

Enton Tola, já resolvê dá Criston fala, quê sempre era um más cumpamnher, jal grital:

- Ó Criston, esperome!...

El sempre ta corrê celerode, té que jal panhá Criston na currida, jás bem nimode ta falá, sempre que coraja, t’oiá luz lá longe na morada ta bem t’avançá… MEIA NOTE impino dá, ês dôs ta passá justim na porta de Sumeter Dezoite Dôs Oite (1888). Basta Tola, cma corpe rupial el vrá pa Criston el dzel:

- Ó MOCE MI, QUONDE MI ERA MENINE UM TINHA UM MEDE DE PASSÁ LI !!!

Enton CRISTON, que na mei daquel escure, ba ta mostral sês dintim branquim ta brilhá, já ta vrá denton, vrá pa el, dzel:

- CARAMBA MOCE! MI TAMBÉM… MODA BÔ… MA QUONDE MI ERA VIVE… eheheheh!!!

Tola, c‘aquel medonha de gongon ma cosa rum quel tinha, dá um grite, benzê sê corpe três vez ta fazê Pel Senal Santa-Cruz e largá ta corrê ta gritá SENDIMORA:

- CREIO NUM SÔ DEUS VERDADER!

El, imbalode na tude naquel força de mede, na currida, dá tchegá na casa metê porta dente, que folgue tmode, sem dá fé daquel pé de carrera quel tinha trode, fui um cosa sô e, el ba log ta dzê sê mãe, pa preparal um bonhe de calipte pa esguorde, quê daquel hora, el tinha oiode cosa rum...

Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V O L T A R

ºººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Um bom dia de domingo para ti Zizim e todos os nossos amigos compatriotas do peito como costumas dizer. Também um muitíssimo obrigado ao nosso grande Liberal on-line pelas diligências feitas de publicação matutina.Pois isto nos tem sido vantajoso e benéfico para nós cá deste outro lado do Mundo que é a Austrália. Mergulhei logo o meu nariz na leitura de mais este, como sempre maravilhoso, texto do Zizim que me encheu de saudades daquele velho bom tempo nosso onde o sentimento humano ultrapassava toda a misérai na nossa pobreza numa solidariedade única. Mas independentemente disso e juntamente com meus amigos não pudemos deixar de rir ás bandeiras despregadas no fim com a perpécia do amigo Tola que também cunheci no Monte Sussegue como grande organizador do futebol de fralda.Bem hajas sempre meu Zizim e vai daí um forte abraço do "Tareco" como me costumavas chamar.Bom domingo.

Terencio Lopes                   terencio.lopes@yahoo.com.au

ºººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Caro Zizim, Bom dia! Claro que já não te lembras de mim porque parti ainda pequenina para a Europa. Isto não me impediu de me lembrar de ti e dos bons tempos das tuas actividades despotivas e outras de que te fui sempre uma fan fiél. Agora continuas na lançada e aí tens estado no Liberal todos os domingos a nos fazer "um corpim sabe" como estas magnificas estórias da nossa terra Soncente cheias de grandes recordações coroadas daquele misticismo tipico que é peculiar da cultura e da nossa bem amada gente.O texto está como todos os outros muito bem escrito numa linguagem excelente e abordável de todos.Que se "lixe" quem por ciumeira ou raivinha dissimulada disser o contrário. Parabens e que a força seja contigo nha broda Zizim. Um beijo da amiga de sempre Lulinha

Aurora Matias                       aurora.matias@live.be

ºººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Versão trabalhada e oportuna. Sem que nem tu nem o Saramago retirem o protagonismo recíproco no teu "memorial" de "todos os nomes" conduz-nos às "intermitências da morte" com essa instituição que é o 1888 que é a dimensão de todas as culturas e a forma como lidamos com os mistérios e rituais. Sem pirâmides ou imitações dos barões da droga do Rio, mas com o convite à reflexão socio-filosófica. O próprio Ateu Saramago se perdeu nesses labirintos quanto aos rituais da sua etenidade. 1888 a dimensão respeitosa, tranquila e também fornecedor das anedootas mindelenses. Oportunoo Mag

Margarida S.Mascarenhas
magui.salomao@netcabo.pt


ºººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Nesta estória que o Zizim hoje conta registo sobretudo essa metáfora da “limpeza” que o nosso grogue proporciona para certas ocasiões. Serve até para “limpar” “quel poera de sumeter” depois de vir de um funeral. E produto que limpa poeira desta natureza certamente que limpa toda a espécie de mágoa e tristeza. Mas o nosso grogue não foi feito propriamente para servir de antídoto, foi mais exaltar a alegria e a boa disposição, e disso temos tido muitas estórias. E julgo que o grogue e a escuridão dos tempos antigos é que predispunham a mente para essas visões de gongom e cosa rum, das quais temos hoje aqui um caso muito bem contado e que tem a grande virtude de nos transmitir boa disposição e de nos lembrar as inúmeras estórias que ouvíamos da boca dos mais velhos à boquinha da noite. É claro que a iluminação das ruas encarregou-se de espantar para longe os gongons que andavam noutros tempos por aí à coca dos mais receptivos, enquanto a popularização da televisão também ajudou a iluminar ar as zonas sombrias do imaginário. Boa tarde, nha broda, e continua a escrever estas lembranças que nos deliciam à brava.

Adriano Miranda Lima


ºººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Zizim, A estória está na sua globalidade cem por cento positiva. E podes crer que continuo admirando a tua memória e a persistência deste teu trabalho que no seu melhoramento vem dando bons frutos. Pois hoje já leio a tua escrita sem dificuldade alguma embora haja termos que de tempos a tempos aparacem e que não me lembrava do siginficado mas com a malta lá vamos relembrando tudo isso. Parabens e forte abraço Vicente

VICENTE                                vicente@cvetelecom.cv

ºººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Tenho lido e relido as tuas ricas crónicas sempre com aquele relevante interesse e entusiasmo digno de pessoa que não conhece a terra dos seus pais, avós e bisavós. Mas porém não pretendo culpar-me a mim nem a ninguém do facto de ter vindo muito jovem para França país onde frequentei escola francesa e portuguesa e que muito me vem servindo na luta pela minha sobrevivência. Muito tenho aprendido com suas estórias e já prometi a mim mesma de ir este ano em agosto a S.Vicente-Cabo Verde visitar familia e tentar conhecer o que até hoje não vi nem essenti embora com muita tristeza. Pois sempre me senti e me sinto cabo-verdiana, embora entrecortada de duas evidentes culturas, sobre todas sa coisas. O meu criol é bastante bom e quando lá for não me sentirei desenraizada graças a ti. Bem hajsa amigo Zizim. Votos de saúde e um bom domingo. Salutations Anniette

Anniette Dodon                            anniette.dodon@free.fr

ºººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Gostei muito! Muitíssimo mesmo! Gostei especialmente da descrição das tradições de morte, que conheço bem nos meios rurais do mais profundo de uma grande parte do Mundo.Não obstante há o aspecto hilarante do outro lado da fita desta tua estória que tanto me fez rir de verdade. Como sempre, a maestria na arte de relatar um viver que já não é de hoje mas que acho fundamental conhecer. E por isso muito te felicito pela tua obra que já tem um volume consequente e magistral. Um abraço com muita amizade Clea

Clea Antunes                                   cleantunes@yahoo.com.br

V O L T A R