DISGRAÇA... NA CAVOQUE DE WILSON

Quel semana de traboi tinha side um csinha regaçode e pa desconce de corpe, Ude, batarista de primera na tchon de Soncente, irmon de Mamana, já tava sentode, quel sexta-fera datarde, ta esperá sê cumpade de farra, Marcel de canalim de Nh'Anton Djudjin, grande tocador de banje (instrumente de múseca redonde que funde de pele e corda moda viola que podê levá de 4 a 10 corda) sei de traboi lá na Wilson, pás pudia basse insaiá e prepará quel tocatina d'aquel fenhenga de sobde de Mari Santíssema, que tava ta ba sei lá na Bibita, trás de Compe de Jogue.

Moda de custume, Bibita ma tude sês amiga, só mnininha nova ta rebentá de toque, já tava lá, betode mon na limpeza e preparação de tchon daquel sala pa quel boie de tcherê-cadera, moda pove sempre tchemás, quê tude gente tinha que dançá que pé descolce e perna de calça rolode, pa ca sujá e pa ca ferisse quel tchon de terra brumedje, que dantes tinha side barride, bem trabaiode, preparode, betode ága, calcode, pa poera ca levantá e pa completá, tchon era betode vela raspode, pa gente pudia deslizá amdjor na hora de dançá...

Prublema é que de vez inquante tinha que parode c'aquel boie, pa torná regá e prepará tchon de sala, sô p'aquel poera brumedje ca levantaba, quê senon pove tava fecá tude caiode de terra brumedje de bique de pé na cabeça, té capela d'oie e, p'assim quel crintchantchan de matá pudesse cuntinuá té manchê.

Pa camin, Ude ma Marcel bá ta panhá Tatá, Ti Goy Caraca, Duca de Nhô Pitra ma Lorence Pilinha, cunchide também pa "Foca", cada um na sê especialidade d'instrumente de múseca, pa pudia formaba quel orquesta de sobde.

Ude era um rapaz quaz complete n'arte de múseca, quê el tava dá na tude espece d' instrumente quês poba el na mon, que seja violão, viola, cavaquim, etc. Ma sê grande especialidade, quel era Top, era sobretude na bataria daquel tempe de dexá jazz de Ti Goy Caraca.

El tchegá tocaba ma tude quês moce daquel grande geraçon de Vôz de Cab Verd, moda Luiz Morais, Toi de Dudú, Morgadin, Jon Dalomba, Franck Cavaquim e otes más que tive grande impacte na vida de nôs Pove e sê consciensalização pa libertação e Indepedência de Cab Verd.

Bibita mnininha d'expediente, tava lá na sê quintal cum panela d'arroz c'atum já pronte ta esperás, quel sexta-fera de note, más uns garrafa de vin pa cumpanhal e, pa completá, um cafizim de midje preparode que tude sê amizade, ma um gruguim pa dás coraja.

Ês insaiá té tarde na note e despôs quaz tude ês drumi lá, na respeite, moda era de custume naquel tempe. Sobde plumanhã, quonde ês cordá, sei log quel café que catchupa guisode, que tchurice de sangue binde da lá de Tchitcha de rua de Muralha ô Escadinha, sempre limpim, bnitim e prop scantchim moda de custume.

Basta, quel fistinha fui log espaiode pa telifone de moreia, quê Vicência más cunchide pa Grile, verdader amazona, tradera de mama de tude rapazim nove daquel tempe, bodzê quel festa tcherel de longe e anton ela proveitá log de sei ta fazê sê propaganda.

Grile, amazona e tradera de mama sim! Porquê na fase d'adolescença, mudança de rapaz pa home, log que gente tava cumeçá ta mudá de voz, pove pa meteba que gente, tava dzen na goze, cma quel mudança esquisite, quaz era mode Grile que ta tinha nôs trode de mama ! Expresson que tava cubri tude rapazim más era de vergonha, quê Grile buzada moda el era tava proveitá log pa dzê cma era dvera, nem que fosse mintira, sô pa inrascone.

Vicência (Grile), sê boca ca tava lá, ela bem ta tchegá junte ma sê amiga Nana, ês sirvi bem sirvide. E, Bibita na sê bom coração de sempre, fecá tude contente, quê assim, c'aquel prisença de Grille ma Nana, jal sabia cma ta tinha más dôs broce p'ijdal e dal quel bom help na preparação daquel sala de boie e mesa pa de note. Inda más, era um note mute especial, quê era festa d'aniversare de 18 (dezoite) one de Mamana, irmã d'Ude, sê grande amiga de sempre.

Despôs daquel pausa, ês betá log mon na traboi, que tude cosa ta corrês prop dritim moda ês queria. Ês pô mesa, lá na funde de sala pa ca incomodaba gente na hora de dançá, c'aquel bnite bole d'aniversare de Mamana lá na mei, coque ma bafa a vontade (pastilim de malagueta, tchoresque, sandwish etc.) pa tude goste e apetite, cmida pa chuchu, não sem esquecê quel panelona de canja de galinha que malagueta, que já tava pronte lá na quintal, pa sei de madrugada na hora daquel pove trá espece.

Quês fistinha de Bibita, moda de custume, tinha tcheu fama, quê ela sabia organizás. Assim, de note quel pove bem ta tchegá lá pa volta d'oite hora. Tude num espirte de família, entrada p'amdjer era de graça, ma pa home era pagada dôs e quinhente (2$50 - dôs escude e cinquenta), naquel tempe q'um pon de midje era dôs toston (20 centimos d'escude) e tude era fete naquel espirte más d'ijdá festa, quê na funde el era de tude nôs, du que n'ideia de pagá um verdader cota de boie!

Tude cosa ranjadin na perfeição, q'orquesta ta repicá, múseca derriba de múseca, c'aquel pove tude suode ma sempre ta dançá, dá volta na salão… De rapente, tchegá Toi de Tintina, tchutche de Mamana irmã d'Ude, que naquel tempe era talvez mnininha más bnita de tude quês fralda de Mindelo...

Anton Toi, moda um sport de rotcha, cabá d'entrá na sala el bazá log quel rabada d'oie pa tude conte, ta espiá sê tchutcha Mamana e da lá el rancá pa ba tral de broce dum motche que tava ta já lá na sala influide ta baial... Quel boys, que ca sabia de nada, inda rafilá un csinha ma Toi, qu'era um barra di aço canhota (forte de sê esquerde) ma não busode, dzê boys sorry e bá ta explical situação nas calmas, dá tude cosa entrá na lugar, que Lorence Pilinha ta puxá surdina que força na trompete, pa bafá quel confusão.

Assim festa pude cuntinuá sem prublema, té manchê, que tude gente contente menes Ude, que ca tava diasá ta gostá mute daquel casamente de sê irmãzinha Mamana, ma quel bajofe de Toi de Tintina. Ude, pa bom irmon quel era, sempre tinha procurode té lá, protegê sê irmã de chatice de munde e d'home, durante tude sê menoridade.

Ma naquel dia, cma ela já tinha tchegode na sês 18 (dezoite) de maioridade, já el, Ude, ca pudia defendel más! Assim, el tinha quel raiba, sem podê expressá, trancode na corpe contra Toi, ma sê mal era sem ricurse e tmara el subesse czê que Toi de Tintina já tinha na cabeça…

Já de madrugada, quonde ês abri quel bole d'aniversare de 18 one de Mamana, Toi proveitá e ba ta dzel n'uvide cma el tinha um prisintim pa ela.

Ma Mamana, que tava bastante cansode de ter dançode tude quel note, ma sê cretcheu Toi, e ma tcheu amigue que tinha ela trode pa boie naquel dia special, o qu'era normal, quê moda ela tava ta dzê tude gente: "n'é tude dia que ta fazide 18 one"!

Chei de dor na pé, ela ba lá num bonque grandon que tava na conte de sala, ela detá! Stora duns minute, pa panhasse um djonga, ma barulhe de pove era demás, sempre ta entrá, ta sei, ca fui possível...

Anton, Toi dal fala, cordal na sê sono, ês dôs rancá ta bai de sala de boie sem rume nem direção, ma despôs ês rumá pa Cova d'Inglesa, ta ba dá uns bijin e proveitá daquel linde despertar de dia, c'aquel mar paradim d'azete, cum brisinha de vez inquante liger, carregode d'iode ta invadis nariz e sô Monte de Cara pa tistmunha, lá na funde de nôs Baía de Porto Grande.

Assim fui, despôs duns bijim e daquel ambiente calorente, cosa ba ta quentá, Toi levá Mamana pa quel Cavoque que tava fecá na funde daquel muntim diante de Cumpainha Wilson, de tempe d'inglês, ba dal quel prisintim, que ca fui nem más nem menes, du que ba fazel quel disgraça na Cavoque d'Wilson!... Desvirtual, o anton moda criol ta dzel crú, bá tral quel três vintém!!!

Fui log um abole na tchon de Soncente, quê Ude tive uns dia armode ta crê só matá Toi de Tintina, pa salvá honra de sê irmã. Ma despôs, cosa tive que calmá, quê Mamana tava gostá tcheu de sê Toi.

Um riola de gaita, que durá uns dia, c'aquês stora de familia prop de nôs criol. Ma Toi fui rapaz, quê el tmá sês responsablidade e da lá el levá Mamana log ma el pás basse morá na sês casa!

Anton, nôs amigue e poeta, compusitor espontâneo Tatá, que fazeba quel letra e múseca daquel grande desfile de Carnaval, em que Rosa Crucundinha fui Rainha dum dia, de Grupe Dó-di-dó Dó-di-quá Parafú di Polegá, pegá na violão, inda cum espece de gaita daquel fistinha d'aniversare, na mei daquel confusão lá na casa de Bibita, trás de Compe De Jogue, el rancá que letra desse morna bnite, que té hoje fecá cunchide na Storia de Cab Verd e pa iternidade, por nome de Cavoque De Wilson:

Um ta detode ta descansá
Toi cordame na nha sone
El ba fazeme quel disgraça
Lá na Cavoque d' Wilson…

Ude, desconsolode e triste de ter pirdide sê irmãzinha de sodade, dá um pontapé na tchon, espiá pa céu, corré mon ba cabeça de desespere e sem nada podê fazê, el entrá pa casa el sô, que dente marrode na boca e son ma letra daquel morna de sê amigue Tatá gravode n'uvide ma na coração pa tude tempe, ta pensá naquel 18 (dezoite one) de "maioridade" de sê irmã Mamana.


Zizim Figuera ( José Figueira, jùnior)

V o l t a r