DJÔ IA

Na Fonte-Francês, quel note, Paulina Manqua tava cum pressa infrontode, ta soprá um bustinha de burre que sê subrinha tinha el trazide cindidide ta corrê, da lá de fagon de sê vezim e cumpade Delfim, quê note já tava olte, p'ês pudia cendeda quel lume de lenha na sês fagon de três pedra e poba quel catchupa ta cuzenhá, nimode cum barriga d'atum que Djô Ia tinha ês trazide de Plurim de Pexe pa jantar.

Lá na casa de Paulina, mode pobreza, tava siguide quel "Cicle de Catchupa" sima tude gente de Rebera daquel tempe!... Bibida colde cuns ingruzim de note, pa ca drumisse em jijum. E, n'ote dia plumanhâ pa onziora, anton tava cmide quel catchupa guisode cum cavala frite ô ote igridiente que tava dás pa ptá tê de note.

Cuzenhola tava fcá um bocadim fastode de casa, el era fete de pedra e borre ma coipe de carrapate, coberte de paia de grama seque trazide de compe!... Era obra de Cuque, Delfim ma Djô Ia, fete de construçon forte e p'amizade de sês amiga que sempre socorrês...

Tude dia de note despôs de traboi, conde Dona tava stode ta fazê jantar, ês tava custumá ba sentá lá fora ta proveitá daquel frisquim ma quel luar, ta contá cosa que ta tinha ês passode naquel dia, ijgá uril ô carta ô anton contá alguns sturinha de sês vida passode.

Assim, pa sparajá, Paulina tava ba ta fmá sê canhote, Cuque ma Djô sês cigorre e cumpade Delfim sê bom tchope de taboque rolode (monfechode) puste na conte de boca, qu'el tava custumá comprá pa polme lá na rua de Matijim... Ta trá cada fmaça, ta intchi lugar de fume ma tcher, sem ninguém reclamá.

Lá ca tinha prublema, quê jás era custumode que cosa de cumpanher, e pa ês tude era normal na sês ritme de vida. Tude ês, cunchide de pove, fui também daquês personaja importante popular de nôs Mindelo que no ca podê squecê e que sempre ixisti, ta fazê parte de nôs decor, cosa que tude gente sabia ma ca tava ligá.

Cada um na sê tonte e que sê utilidade na nôs sociadade cum vida vivide e tcheu storia de sês vida pa contá...

Delfim era ferrer na zona de rebera e sê specialdade era fazê frisdera pa fritá pexe, ma torradera de torrá cafê ma fazê midje iliode, sem contá quês monsada de caniquinha ma candirim de pitrol fete de latinha de lete condensode que tava bem de borde, trazide pa Djô pa sirvintia e que tava fazê ligria de tude quel pove!

El, pa mode sê calma, quê nada ca tava incmodal e home de consei, era sempre tchmode pa cabá c'aquês confuson, ma pé-di-boi que tava parcê de vez inquande na zona, moda um juiz de paz.

Também, só el ê que tava guentá Cuque ma Djo Ia, conde ês tava bem pa casa tmode sês pitrol... Ês n'era mau, ma ês era chote p'afronta e guentás n'era brincadera de mnine d'escola... Ma Delfim, que tava cunchê cada um sê fraqueza, tava stode lá já ta sperás pa pôs ruspeite, p'ês ca baba cansá Paulina cabeça.

Cuque era bom carpinter, specialista na fazê caxunzim de tude quês anjim que tava morrê pra lá. Também el tinha um hurtinha lá pa Passaron ondê qu'el tava criá galinha, caturniz, cabra ma tchuque....

Assim, de vez inquande, conde cabra tava pari el tava trazê Paulina lete pa fazê riquês, cosa que sô ela ma sê subrinha é que tava gostá, e inda bem mode el era poque, e cabá quês ote cumpade, home de sês gruguinha, falás na lete ma riquês era abernúncio!... Basta log corpe tava rupiás.

Paulina Manqua era um spece "de Godfather" da lá de rebera, ela ê que tava cuidá daquel poce ma bomba d'aga, trás de Compe de Jogue, assim cma de quaz tude fidje de parida, grande que piqnim de zona!... Pove era sempre t'entrá ta sei, ta ba spiá que cmê na cuzenhola, e ela ca tava chatiá nem dzê nada quê sê devisa era:

- Conde Deus dá, dá pra todos!... Assim, mez na mei de tude sês miséria, pla graça de Deus tude quem tivess um cusinha sempre tava ba longal el pa ca faltaba nunca e ela tava partil ma tude gente.

Basta prop la na sê casa grande, de tchon de borre, que sê subrinha tava barrê dôs vez por dia pa despôs burrifal d'aga, tava custumá drumi gente de munde naquês dôs cultchon de flurzinha e assim ca tinha tempe de ninguem fca esfrensode o drumi na rua...

Quê conde pove ca tinha ondê drumi, ês tava camba Fonte-Francês, dritim lá pa casa de Paulina, quê ês sabia cma um gzinha daquel colde de catchupa pa matass jijum ma drumida ca tava faltá... Assim, Pove era pa Ela, moda Ela era pa Pove! Nôs Paulina Manqua!

Nôs Djô Ia, grande catraer de Porto Grande de Mindelo, figura carismática Mindlense pa sê desmazel, que ca tava morrê mode el era um bom trabaiador. Conde el tava stode sem tmá coque, era um paz d'alma. Basta ondê qu'el tivessu, el tava fca sentode na sê cantim dsegadim, sem fazê barulhe....

Inflizmente, el ca tive mute sorte que natureza, quê conde el era piqnim, el scapaba de morrê, moda el tava dzê "de smallpox"(variula), assim el tinha cara ma corpe tude fradim...

E pa azar, despôs el tive siflis, que cmeba el nariz e estragal sê cara, moda s'el ca tinha nariz ma sê corpe d'home, o que tava pol um prublema grande pa xixi e el era ubrigode de fazel na calça... O que tava fazel às vez tcherê urina.

Assim, na sê parcença, ninguém tava dá nada pa el, ma el era bem ceitode na sê sociadade e na sê mei de traboi. Ninguém nunca pol nome, cosa que gente de Soncente sempre gostá!...

El n'era mute forte, ma era um home de garra e mute intligente, capaz de reagi sem gente stode ta sperá e tchá tude gente que boca aberte (por isse nunca fiá na parcença de gente) e já bsote tita bem oiá porquê.

Também nôs Djô Ia, conde el tava pô lume na banca (tma sê grogue). el tava intchi Cidade de Mindelo que sê voz carrosque na garganta, sempre ta cantá quel cantiguinha qu'el tava gostá:

Papagaio louro de bico doirado entra nesta casa para ver o namorado...

Ó preta. ó prêta... Ó Dona Iria. Aqui na casa do senhor...

E durante tude quel note el era capaz d'andá tude quês rua antes d'infiá pa casa de Paulina, sempre ta canta esse cantiguinha. Djô Ia ca sabia lê mute, ma el sabia siná sê nome e ninguém tava ganhal na calcul mental, el era prop bom na conta de cabeça...

Conde tinha paquete ma vapor de passager, el tava bai pa borde sempre na bote de Nhô Jack Cunqlicoque. Anton, um vez Serpa Pinto passaba na Soncente, ta ba pa Brasil carregode de passager...

E nôs Djô, que tava dente de bote, tracode na vapor, quente cuns dôs gruguinha na butche, sempre ta falá el sô, moda de custume que sê voz roque que ninguém tava intendê... Anton, um portuguesa que tava intrigode, ta sigui nôs Djô Ia na sê conversa da lá derriba, vrá ela grital:

- Ó senhor, ó senhor!

Djô fazê um break... Quel senhora cuntinuá:

- Diga-me lá... Mas que língua falam vocês nesta terra?...

Nôs Djô ca dsarmá, el vrá pa ela, el dzel que sê voz roque da la de funde de sê guela:

- Ó minha senhora, aqui falamos até japonês!

Quel tia dá um gritim d'esponte, jal ca dzê Djô más nada, ma quel malta de borde bem log c'aquel alvícera pa terra, que fazê log volta d'Ilha.

Num daquês mute dia que Deus tem na cruz, Djô Ia, despôs dum dia de traboi bem trabaiode, comprá uns cosa pa levaba Paulina lá na sês republica, quê mama tava prop grosse pa Djô, ma lá na casa ês divia stode que falta quê já tinha uns dia qu'el ca tinha sbide...

Anton el levá mei soque de midje, mei soque de fejon e metade dum atum c'ajuda de Cuque ma Vicença de Gustim, pa casa lá na Fonte-Francês. Paulina ma tude sês amigue fcá prop contente d'oiá Djô!... Quel atum fui lanhode, salgode, spundrode na parede de rua que cara pa sol pal pudia revê, pal guentá sem stragá e ser gordode pa ote dia.

Quê quel dia era papa que fringinote, dum tchuquim cuns amigue tinha matode lá pa riba, perte de Pedra Rolada. Mute cuidode, quê quel papa tava ta parcê friu purriba c'aquel olhe de fringinote coiode... Log que Djô metê um cdjerada, Delfim dal fala... Cuidode moce!

Anton, Djô Ia ma tude quel pove pude pô ta cmê quel cmida que cuidode, ta panhá cdjerada na borda... La na sês república bem dirigide pa Paulina Manqua.

Despôs daquel jantar, moda de custume, despôs de lavá prote e tude cuzinha já bem armadim, tude ês ba trá sês femaça lá na cuzenhola... Ambiente prop sabim, que tude gente forte daquel papa que fringinote...

Quê nôs Djô Ía, ta nimá lugar, ta contá sês vintura de vida, daquel guerra del ma Tchope boxeur que fcá na stora e que fazeba el sê nome...

Moda Djô contá e pove firmá, Tchope cris dal pancada, quê Tchope era más forte... Ma Djô, magrim ma sperte que nem macoque, ca dá Tchope nem tempe de ptal el, quê el Djô, rapte de munde, lajá na tchon, el pxá Tchope sês dôs boca de calça dá ptal na tchon, pa sponte de tude gente! Dá tude quês gente pô ta tocal palma.... Boa, Djô!!!

Lugar tava tude nimode naquel note, conde de rapente, por causa dum gatinha que tava lá pa cuzenhola ta manhentá... El ruvrá candirim de pitrol dente de fagon de três pedra qu'inda tava cindide pa gordasse quel lume... Anton, sebi um lumnara grande, pegá na paia de tete de cuzenhola, dá pegá lume!...

Um abole naquel mei, Mintinha, subrinha de Paulina, trá log quel panela que reste de cmida de lume, Djô ma Cuque sebi driba de cuzenhola pa fazeba quês coipe cedê e caíba dente de cuzenhola pa tenta bafá quel lume. Delfim já tava ta ptá uns pazada de terra lá dente também... Pove pô ta bem ta tchegá pa isdá!...

E tude tava corrê dritim, conde quês coipe cedê! Cuque inda tive tempe de saltá da lá derriba pa tchon... Ma nôs Djô, qu'em vez de ter quebrode coipe e fcá que pé derriba de parede de cuzenhola, fazê tude o contrário, el cortá coipe por fora e fcá que pé derriba de coipe...

Pummmm, dá nôs Djô fundá que coipe e tude pa dente de lume de cuzenhola... El dá um grite e tive quem que uvil grita ta quei: JÁME CAGÀ NHA MERDA!... Ma flizmente que fui más de mede do que perigue e ês cunsigui tral da lá dente, sem fri nem quemá, cum sorte de lacacai...

Ma na dia siguinte, log cidim, parcê um data de gente pa traboi lá na Paulina Manqua e CUZENHOLA fui fete tude de nove, cuberte de folha de lata em vez de paia. Ma ês gordá quel fagon de três pedra, que tava fazê quel catchupa cuzenhode brandim, na lume de lenha!

E da tardinha, Paulina fazê um cmida d'Onje pa festejaba sês nove cuzenhola e despôs que tude gente cmê, bem cmide, ela ma sês amigue Delfim, Cuque e Djô Ia pude cuntinuá sês vida normal naquês note de lua, ta trá sês femaça, cada um na sê goste, lá na terrer perte de porta de sês nove Cuzenhola, sirvintia de POVE!

Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

v o l t a r