QUEL MON NA BAR DE CAPITCHA (LOMBE, ONES 40/50)

Pidrim Trau tava andá mitide só na casa de canjirista, ora lá pa Nho Juqin Squinha na SanAnton, ora na Nho Manê Badjuda ô la pa sê cumpade Fidjim de Fonte-Francês na Soncente. Na força dês frequentaçon, tive um tempe que boca de pove dzê cma el vrá t'oiá TCHITCHORRE (cosa rum)...

Ma, smeme assim, el ca tava imendá quê lá na Casa de Benvinda, na Tchã de Sumeter, cosa era pior, era ptá carta, ijgá buze, pancada na mesa de três pé e mil e um cosa desse natureza.

Dzide cma el tava vivê mute angustiode, sempre que ideia na spirte ta persiguil ma ta pensá na dia que sê hora devia tchegá. Assim, el tava estode mitide só nês cosa suje...

Basta um vez el tchegaba té de pedi cumpade Fidjim pa detal carta, só pal podia fecaba ta sabê camnera e quondê quel tava morrê...

Pidrim vrá um verdader obsedode desse manera de vivê quel mez criá na sê cabeça, quel vrá ta vivê um VIDA D'INFER!

Na sê casa, lá na Monte Sussegue, era um barafunda que nunca más tava cabá!

Era mesa ma cadera ta dançá, catchorre ta uivá na quintal, de vez inquante de note ês tava sinti posse de gente ta passiá ma ta falá lá na sobrode, ês tava sebi pa ba spiá e, quonde ês tava tchegá lá derriba, ês tava cendê luz de cander e ca ta tinha ninguém.

De dia, lugar era más sussegode! Ma de note, log quês tava pagá luz, ninguém tava podê drumi, barulhe era tonte que bodsê té corrente de fer ês tava passá na porta de rua... E vezim tava dá conta daquês "Corrente de Massongue" de note ta rastá, além ta bai, ta bai, ta passá...

Anton, Nha Fotunata, amdjer de Pidrim, tude catolca, infrontada daquel situaçon e pa sês paz de spirte, mandá tchemá Nhô Padre, gatchode de Pidrim, que tava vivê sempre descunfiode e ca tava gostá mute d'oiá daquês lá ta rudial porta de sê casa.

Inflizmente, Nhô Padre ca pude fazê nada, quê lugar já tava mute carregode, e sô el dzês cma dvera, dvera, el notá cma quel Casa tava bem vesitode pa Amigos do ALÉM, pa desusper de Nha Fotunata!

Nhô Padre ba log ta dzel cma el só ca tava ta bá podê fazê nada paresolvé quelgrande prublema lassim...

Basta Pidrim bem piorá, quê el vrá ta trá na gente na rua e bem pô tude gente que mede del!

Um dia, sê família, infrontode, mandá tchemá uns data daquês moce de força de zona. Ês ptá Pidrim mon, ês leval à força pa Centre Na Rua de Coque, lá na Sr. João Miranda.

Primer dia, smeme assim magrim moda el tava, ês ca pude fazel entrá na Centre, quê moda pove ta contá sê força dobrá, el tava pô pé na parede, ptá mon na porta ta guentá, nem dez pessoa se tava ta podê quel!...

Anton, na mei daquel barulhada, bem parcê Sr. João Miranda, que sê calma de custume, e lá na rua el mandá quês moce pa largal. Assim quês fazel, contecê um cosa absurde, quê dá Pidrim log mansá, mansim!

Sr. Joâo Miranda continuá ta fazê uns prece na porta d'entrada de Centre e nôs Pidrim Trau, que dantes, que tude sê magrura ma cum força de dez lion, ninguém ca tinha podide fazel entrá, cabá pa entrá mansim que nem um cordirim, pa esponte de tude quem sistiba quel cena!

E graça a uns Sessão Espírita, que na época era proibide pa lei ma pove sempre sulidário nunca denuncial, Pidrim bem cumeçá ta fecá bastante amdjor, a ponte que té na sê casa cosa amdjorá tcheu, quê Sr. João Miranda tive lá ta fazê uns limpeza psíquica!

Pa Pidrim Trau, cosa cumeçá ta entrá na orda, basta el cumeçá ta sinti sê corpe. Ma cma el ca tinha mute força pa trabaiá na estiva na mei de Baía, el bem ranjá um lugar de "barman" na BAR DE CAPITCHA lá na Lombe, naquel tempe que tinha sempre tcheu estranger na terra...

E lá, lugar tava estode prop nimode e cma Capitcha tava que falta de gente pa traboi, el pol lá ma el.

El bem vrá home de confiança de Capitcha, quê el tava estode ta fazê sê traboi dritim, rapaz série e honeste que nunca tava tmá coque na hora de traboi.

Tude tava ta corrê normal e el tinha traboi p'afronta... Gente sempre ta tchemal, el vrá importante lá na sê nove mei...

Ma intintaçon tava sempre ta tchemal e anton el cumeçá ta fecá só c'aquel ideia fixe naquel mesa de "Batota" que tinha lá derriba naquel sobrode de Capitcha!

Pidrim, tude dia tinha graça de sebi pa basse tentá sê sorte na jogue. Ma Capitcha, que sabia do quel tinha passode que sês tchitchorre, tava passá vida ta tentá tral quel ideia de cabeça.

Um dia, demone infadá, nôs Pidrim Trau vrá pa Capitcha e dzel:

- Oiá, mi durante nha hora de traboi, cum ta pensá bô ta satisfeite, tude OK! Ma mi, nha vida n'é nium corre pa estode ta crê guiame el, OK?!

Capitcha fecá serene e só dzel cma, despôs de traboi, el podia fazê de sê vida du quel queria! Assim, intintaçon fui mas forte quel mez e apoderá del.

Basta, log quel tava cabá traboi, la deboxe na Bar, el tava sebí p'aquel sobrode de Capitcha pa ijgá batota...

Lá deriba ta tinha uns data de gente ta ijgá tude espece de batota, sima poker, cartão de loto, dupatrão, sete e mei, cuze bisca, etc...

Pidrim imbalá, que já nem ca tava ta bai pa casa, era trabaiá, cmê, drumi e fazê tude lá na casa de jogue. Té que cosa cumeçá ta vral ote vez mariode e el cumeçá ta oiá sês "tchitchorre".

Capitcha bá falá ma Putche, pa fecasse ta leval pa casa de note, quê ês tava morá perte de cumpanher. Ma Putche, medente que nunca tive igual na tchon de Soncente e que tava conchê bem stora de Pidrim Trau, dzê log cma não!

Capitcha sempre ta procurá ijdá Pidrim, lá el cunsigui bem ranjá um moce valente por nome de Espanhol (nome puste mode el que daba cinque espanhol pancada el só, lá na Lombe), que tava trabaiá na Centrale de poste de Telegrafia, na camin de Monte Sussegue, que dá por bem fecá ta leval ma el.

Assim fui durante uns tempe, quê Pidrim tava uvi que Espanhol. E Espanhol bem contá Capitcha cma el nunca tive mede na tude sê vida d'home, ma cma pa camin, por uns dôs vez ta cumpanhá Pidrim, cabel intchal na cabeça quê ,de vez inquante, na sês lode tava parcês sempre um HOMONA BESTIDE DE PRETE CUM TCHAPEZON ta cumpanhás. Assim, Espanhol já ca queria sabê más de sê cumpanhia.

Pidrim cuntinuá sê traboi lá ma Capitcha e tude dia despôs d'expediente na Bar, log el tava sebi pa sobrode pa jogue de batota, cosa que era mas forte quel e que vral prop viciode...

Cuitada de Nha Fortunata, sê amdjer, que torná vrá ta vivê quel desusper daquel home de seu... Ma cosa bem vrá fei, quê dzide cma quel HOMONA vrá ta parcê junte ma Pidrim lá na Casa de Jogue de Bar de Capitcha.

Quel HOMONA, sempre bestide de prete c'aquel tchapezon na cabeça, tava sentá na mesa e pedi carta sem dzê nium palavra.

Basta quel malta buzode de casa de jogue pol nome de Ti Capote, quê buzode moda gente de Soncente ca tem na munde! Ês traba el té um cantiguinha:

- Olá quel Home ta bem... Olá quel Home... Olá quel Home di Tchapeu di Panamá!

Pove na Casa de jogue ora tava quei Pidrim derriba ta dzel cma el que sês tchitchorre é que tinha trazide quel Home lá, que nem sê nome ninguèm sabia! E tmara ês sebess?!

Um dia, na mei de jogue, Pole, um daquês vluntar de Casa, volta de meio dia im pine (horas minguadas ), resolvê espantá quel Home!!!... El vrá, el dzel:

- Dexáme oiá bô mon de carta, quê hoje desde plumanhã bô ta li sô ta ganhá e inda bô ca perdê um só vez. Cmanera, boy? Quaz bo ta li ta fazê batota?! Pará, bô dexá gente oiá bo mon de carta!

Quel HOMONA, chateode, largá sê mon de carta derriba de mesa vrode cara pra boxe, el ba'mbora... Tude gente corrê pa ba espiasse quel mon de carta e quel HOMONA tinha fete um "flash", que queria dzê cma más um vez el tinha ganhode!

Pidrim Trau ma sês cumpanher continuá ta ijgá sês batota, come se nada fosse ô tivesse acontecide, quê quel dia era dia de folga de Pidrim.

Anton jogue continuá, carta bai, carta bem, trançode c'aquel coque ma quês bafa de tchorresque que Capitcha sabia fazê prop sabe!

LÁ PA MEIA NOTE (HORAS MINGUADAS), DERRIBA DAQUEL MESA DE JOGUE CHEI DE DENHER D'APOSTA, DESCÍ QUEL MON CHEI DE CABEL, EL ROÇÁ TUDE QUEL DENHER, CUM VOZ TA DZÊS CMA EL TINHA BEM BESCODE DU QUÊS TAVA TA DEVEL...

Fui um abole de matá naquel rua de Bar de Capitcha lá na Lombe"!

Era gente ta esquá pa janela ta gritá SENDIMORA MA PAFIMBAI, otes ta esquá pa quel porta estrete, té quês tchegá de feri cumpanher.

Abole fui tão grande que aquel Casa de Jogue naquel sobrode de Capitcha foi fetchode pa limpeza... ABSURDE, NÂO?!.

Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V O L T A R

Comentário:

"Absurdo" ou não, Zizim, este conto é delicioso, do melhor que já escreveste, e encaixa à perfeição no imaginário do nosso povo. O sobrenatural é um tema dilecto da nossa narrativa oral, que, criancinhas ainda, começa a povoar as nossas mentes ainda virgens com estórias as mais fantásticas de gongons, canelinhas e cosa rum (entre comas estas últimas palavras).

Lembro-me do temor que, nessa altura, me invadia quando tinha de ir ao sobrado da minha casa à noite. Natural é que a difusão do uso da electricidade nas habitações e nas vias públicas tenha por si só contribuído para afugentar esses fantasmas e limpar as mentes.

À luz viva, esses gongons não se atrevem a mostrar a figura assustadora que o povo pintava de todas as cores e feitio. É possível que exorcistas e espiritistas tenham perdido a credibilidade de outrora, à medida que a escolarização e a informação se encarregam, só por si, da limpeza psíquica (entre comas esta expressão).

Isto não significa que o senhor João Miranda e outros como ele não fossem pessoas dotadas de reais capacidades psíquicas influenciadoras de mentes fracas. Como sabemos, o nosso cérebro não foi ainda desvendado em todas as suas potencialidades, daí que haja pessoas com aptidões que a ciência ainda não explica por residirem na fronteira entre a realidade cognoscível e aquilo que designamos como sobrenatural.

O Pidrim não era mais que uma mente adoecida, por qualquer razão de ordem genética ou por influência negativa do meio. Basta ver que, depois de recuperar uma aparente normalidade, não resistiu à atracção fatal para o jogo de azar. Não resistiu porque lhe faltava força de vontade interior, o que é porta aberta a outras anomalias comportamentais que se confundem com falhas psíquicas.

A narrativa está excelente. Foi um verdadeiro prazer ler este conto. Escusado é dizer que, nele, as personagens e os factos não são necessariamente reais. Pelo menos, alguns.

Como há muito verifiquei que o sinal gráfico de aspas não funciona no espaço dos comentários, originando o aparecimento de uma série de caracteres e sinais esquisitos, optei por anotar quais as palavras que desejava entre aspas.

Além disso, o espaço dos comentários (depois de publicados)tem o inconveniente de não permitir a separação do texto em parágrafos. Será possível corrigir estas limitações?

Adriano Lima

V O L T A R

 

Comentário:

Qual absurdo, qual carapuça! Não é mindelense quem não acredita em espíritos e demónios! Pelo menos quando lá estamos. Já tive um irmão assombrado pelo gato de Nha Djina a quem ele fazia maldades durante o dia e vinha á noite, passando pelo quintal do Sr.Henrique Baptista, nosso vizinho, reclamar o que lhe era devido.

Eu estou convencida de ter sido "polgeister" quando tinha oito anos. Já ouvi a máquinade de costura da finada mãe de Nha Djidja quando me hospedei por uns dias na sua pensão antes de zarpar definitivamente para Lisboa. Infelizmente, desde então deixaram de me visitar.Parece que não emigram...Brrrrrr já me arrepiei toda, apesar deste calor.

OPTIMA ESTÒRIA!!!

Abraços MAG

Margarida S.Mascarenhas