NICETE - SANANTON SÊ TERRA DE SONHE E AMOR (ONES 1945/1960 ) – PARTE I

Nicete natural de Sfrumeguinha, um daquês cavoque isolode na mei daquês montanha de SanAnton, ondê que naquel tempe gente na tude sês pureza d’alma que Deus dás tava nascê, criá, morrê sem nunca oiá mar, terra ondê que também, pa más estronhe quel podê parcene e moda Nicete tchegá de contá, gente n’tava conchê qsê qu’era um “SPEI”, quê na época, lá pa sês banda, té gora, el n’tinha tchegode!

Lugar era sempre virdim, ága ta corrê na lavada ma na rebera, que tava bá ta juntá té formá quel grande lagoa lá pa funde de cratera de sês Sfrumeguinha e que tava sirvi tude quel pove pa bonhe na espanader, panhá camaron na cafutche, regá planta de sês horta ondê quês tava trá sês pon de caldera, etc.

Enton, Nicete, lavrador, rapaz nove na flor e força d’idade, pai já de quate fidje, qu’el ma sê cumpanhera Jueninha tinha começode ta fabricá desde idade de dezoite one, bem recebê vesita de sê tiu Shelim Pepel, binde de Soncente, também natural de SanAnton ma já veterane de mei de Baía de Porto Grande, ondê qu’el tinha fete fortuna, na qualidade de negociante.

Shelim, sê maior preocupaçon foi sempre trá sê subrim Nicete de funde daquel cavoque pirdide, pal pudesse saíba na lorgue bá oiasse munde, fazê fortuna e libertá daquel situaçon, moda el sê tiu Shelim tinha fete…

Ma cma Nicete, home de responsablidade, já tinha familia, sê tiu Shelim oiá cma cosa devera tava ta bá ser cumplicode e el ca tava ta bá otchá jete ô manera de tral da lá. Enton, despôs de ter falode ma Jueninha, el fazê um primer tentativa, jal consigui trazê sê subrim ma el que tude sê mizade té Ponta de Sol. Nicete, que nunca tinha saíde de sê cavoque de Sfrumeguinha, bem tude sabe contente pa camin t’oiá tcheu cosa que nunca el tinha oiode, tude chei d’admiraçon pa sê tiu, que bem já ta intchal cabeça, ta dzel pel oiasse bem quê inda el era nove … E p’el fecaba ta sabê cma quês terra piaboxe é qu’era piaboxe!

Tiu Shelim, pa nimá e dá sê subrim más coraja, ba ta dzel cma s’el consiguiba tchegá té Soncente, el tava ranjal um bom job na borde dum vapor. Quê Nicête, rapaz nove, tinha também direite de senhá moda tude gente. Assim, tude quês conversa d’el ma sê tiu já tava cumeçode ta fazel mute macaquim na cabeça e trapaiode, marabidjode de tude quês stora de possiblidade que sê tiu fazel oiá, el, chei de esperança e sende bom pai, cumeçá ta pensá cmanera quel tava ta bá podê convencê Jueninha, sê cumpanhera, ma mnines e tude quel pove de sês aldeia!

Nicete, de volta pa Sfrumeguinha, trazê ma el um bnite “SPEI” que sê tiu Shelim comprá e dal pa recordaçon, “SPEI” quel gordá cum grande cuidode na funde de sê mala log quel tchegá na casa, sem mostrá ninguém el. Enton, tude dia plumanhã cidim, antes de basse pa lavada trabaiá sês plar de nhame, mandioca ma betatal na compe, Nicete tava trá quel “SPEI” que sê tiu Shelim Pepel tinha el dode, que gete de funde de sê mala, de manera pa ninguém qu’oiaba, e sô pal podia fecaba t’admirá el sô quel imaja, quê el também na tude sê vida, té quel idade lá, nunca tinha oiode um “SPEI”! Enton, chei d’admiraçon, el tava dzê pa quel imaja:

- Dexa estar, q’esse tiu de meu é um bocode d’home, levarê Deus!

E vida, na tude sês capriche, fazê quel ma sê tiu tava parcê tcheu e, moda ta dzide na terra, “cara dum cú d’ote”. Quel “SPEI” crial um confuson na sê cabeça pamode quel imaja… Assim, tude dia antes de bai pa compe bescá quel pon nosse que era sustente de casa, pa mizade de sê tiu Shelim el tinha que tmá quel bençon n’imaja daquel “SPEI”.

Ma Jueninha, que tava estode detode trás de Nicete ta fingi drumi, já tava ta fecá imbalode e intrigode também c’aquel confuson. Basta ela lá detode, cabicinha já tava ta fecal trapaiode, chei de curiosidade, mode quel segrede que Nicete tava ta gordá só pel só! E, pamode quem que ninguém más n’tinha direite ô podia sêbê!!!

Jueninha, pa mode quel stora, vrá té ta falá el só, ta dzê cma desde que Nicete tinha esquode de funde de Sfrumeguinha e bode ma sê tiu Shelim té Ponta de Sol, el tinha mudode bastante… Cosa ba ta bai, té cum dia ela dzê cma ela também tinha direite d’oiá qsê qu’era quel segrede de tude dia que sê maride tava estode ta trá de funde daquel mala assim tão gatchadim pa ninguém qu’oiasse e ta torná pol lá?!... Humm! Enton quel fejon tinha tucim!... Stora sebí Jueninha na cabeça de tal manera, que na duveda ela perguntá:

- Ma, Senhor Deus, Nicete n’a de estode t’ingueneme?!

Jueninha, curiosa, dexá Nicete cambá compe, ba ta corrê pa porta espiá se jal tava longe, pa despôs enton abri mala na descansode, betá mon na “SPEI”, cosa que também ela nunca tinha oiode de tude sê vida... Surpresa!!! Quê log quel oiá quel cara naquel “SPEI”, el dá um griiite naquel madrugada de lua cheia, que escapá de cordá quaz tude pove daquel cavoque de Sfrumeguinha!

Sê Mêmê já bem ta crrê, Jueninha n’pude contê, ela bá log ta dzel p’ôasse cma Nicete, pa depressa quel tinha cambode ma sê tiu té Ponta de Sol, j’al tinha ranjode ote muer feia, de cara moda um “MACACA DIABA”! Ma o que Jueninha n´sebia é qu’ela tava mas era t’oiá sê prop imaja naquel “SPEI” maldite!.. Foi log um abole de matá, quê sê Mêmê, já bidjinha, que tinha binde ta crrê, quonde ela tchegá ba ta fastá sê filha ta dzel pa dexal ôá… Agora que foi pior, quê quonde ela betá oie naquel SPEI, também ela dá sé griiite e bá ta dzê:

- Oh, pove! Oh, nhes gente, ucis bem ôá esse muer que Nicete já ranjá, um véia desse! Macaca diaba?! N’non, Jueninha! Um DEMONA! Inda por cima, além dela ser véia, ela tem cara moda um CANHON!!!

Assim, tude quel pove de casa, intrigode pa stora daquel SPEI, já bem fecá ta goitá Nicete dexí daquês cabece ondê quel tinha bode log cede fazê sê traboie de tude dia. Da tardinha, lusque fusque, antes de Sol cambá e dexá de lumenhá quel cratera de Sfrumeguinha, Nicete ma sê burrim carregode de pon de caldera (mindioca, batato doce, nhame e dôs tole de cana d’açucra) pô pé na mama de cadera na camin de casa, quê de note já tava ta querê fetchá lá deboxe, naquel cavoque de Deus ondô q’era sês casa.

E ês tinha que basse liger, quê Jueninha, que já tinha quel midje ralode na pedra de rala pa fazê papa, devia estode ta esperá Nicete tchegá c’aquês otes ingridiente p’al podia posse jantar na lume. Pa camin, quonde burrim tava brandá posse, Nicete pa depressa tava pical que sê pau ma espora na screzelha, sem maltratal, p’el podia despatchasse e, ora que pau ca tava fazê efeite, el tava esfregal um malaguitinha na braquim de polpa… Dá burrim tava celerá posse!

Pa depressa, da lá daquês cabece, el cumeçá t’oiá casa!... E cosa parcel bem estronhe?! Quê Nicete, que tava oiá bem de longe, cumeçá ta dá fê daquel trupida de gente na muvimente lá deboxe na sê casa e, na sê cabeça, el pensá log cma talvez podia ser algum cosa que tinha contecide ma algum daquês mnine. Enton, el ma sê bechim celerá posse inda más!

Nicete, nocente, entrá que descarregá e marrá burrim foi um cosa só... Da lá j’al bem pa terrer, dondê que tude sê familia ma vezim diasá tava ta esperal. Jueninha, ciumenta, desconsolada, n’queria uvi que ninguém, quê ela tinha tonte raiba ma desafor ma ela na sê corpe, que dal foi pa fecasse muque sem dá um piu!... Sê cumpanher, que n’tava ta comprendê nada daquel stora, vrá el dzê cma el tava otchá cma, despôs dum dia de traboie, um home tava querê tchegá na sê casa e otchá só um czinha de desconse e paz de espirte!...

Log mãe de Jueninha, que tava imbutchode, é que tmá dagada, e ela rancá ta falá pa sistência:

- Oh, Nicete, sempre um tive bô na conta dum repez sere! Oá, bem dzê nôs ei de fovor, quem quel macaca diaba que já bô irranjá, dês que bô bê ma bô tiu Shelim Pepel lá pa Ponta de Sol?!

Nicete, zarode, cunsigui controlá sê raiba pa respeite pa sê Mantia, ma el ba ta dzel pa ela oiasse bem, quê gente n’tava inferná alma de gente assim, inda más qu’ela sabia cma Jueninha fui sempre sê primer muer quel conchê e Mã de tude sês fi, na tude respeite! Enton, mãe de Jueninha, pa galantaria, sei quel “SPEI” chei de raiba e dzel:

- Ca mistide no bá más longe, Nicete, quê uli prova, Nicete… Uli prova!!!

Nicete fecá muque, sem fala durante uns segunde, despôs el reagí que raiba e dzês cma quel cosa era ratrote de sê tiu Shelim e quem mandás ba mexel na sê mala?

Enton, lá sei um confuson de matá na mei daquês amdjer que tava lá pa tistemunha e pa apoiaba Jueninha! Quê tava bem um, tava espiá na SPEI, tava mandá boca, tava bem ote, tava dzê ote cosa… Na fim era um Stora sem pé nem cabeça, só pa mode tude quês gente de cavoque de Sfrumeguinha que nunca tinha oiode um SPEI de tude sês vida!

Um daquês mnine, espantode de tude quel arreloce de guerra, cosa que nunca tinha cuntecide na sês casa, ba ta corrê tchemá sê Pa Menel, home vei ma de respeite da lá de funde de sês aldeia, que bem ta tchegá e pô tude cosa na lugar! Assim que Pa Menel tchegá, quel gritaiada cabá log, quê tude gente bem tmá bençon!... Enton el perguntás:

- Nhas gente, qsê que tita passá ei, que Zaquiel bá tchmeme, quê dzide ucis ta prei num stora sem fim pa mode um muer num ratrote?!... De fovor, ucis dexóme oá quem esse pessoa?!

Log Nicete vançá c’aquel SPEI na mon, el dzê Pa Menel cma era um ratrote pa recordaçon que sê Tiu Shelim Pepel tive el dode, iliode num pepel desde Ponta de Sol, num lugar ondê quês tinha estode djunte quonde el tinha binde de Soncente salvás ei na sês casa de Sfrumeguinha.

Nicete, de moral forte e consciença tranquile, firmá diante de Pa Menel cma sê Tiu tinha el dode quel ratrote só pal podia fecasse ta lembrá na el, té dia quel bem bescasse el pal leval pa Soncente pal bá bescasse um vida amdjor!

Pa Menel, home de expriença de vida, vrá pa tude ês lá na terrer, que tude sê calma e na seriedade dzês:

- Oh, nhes gente! Oá cma devera, devera, ucis é d’abole e tude ucis é prop brobe!... Ucis n’tita oá cma esse cosa n’é nem más nem menes q’um SPEI?! Dá log tude gente fazê: Ohhhhh!!!... Enton, Pa Menel, que já tinha estode uns dôs vez na Soncente, trá de sê lusbera um SPEI daquês de Drogaria de Djandjan que sê subrim Jon Sabola tinha el dode. E foi só assim que, despôs del ter explicode e provode tude quês gente lá, quel pude calmá tude quel familia que queria só matá cuitode daquel nocente de Nicete!

Prublema é que esse SPEI bem mudá completamente vida daquês gente, que sês familia sempre vivê tonte one na PAZ e HARMONIA!... Quê Nicete, chateode mode tude quês gente de casa ma amigues que tinha sconfiode del, resolvê cambá Soncente p’uns tempe, não só pa mudasse d’ambiente cma também pa bá bescasse um VIDA AMDJOR…

(Fim de primera parte. Stora ta cuntinuá e terminá na ote semana…)


Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V O L T A R


Comentário:

Quanto a mim querido Zé Figueira, esta é uma das tuas melhores estórias onde no teu estilo inconfudível pões em evdência todo aquele aspecto rural da minha terra Santo Antão. A estória está muito bem relatada numa escrita suave e de poder de compreensão ao alcance de todos. Mantenhas e um beijo Lena

Helena Sousa                    lenasousa@yahoo.com.uk


Comentário:

Esta estória do teu Narciso já foi comentada sob vários aspectos e não consigo dizer mais do que obrigada e um bom domingo e uma abraço Mag

Margarida Salomão Mascarenhas
magui.salomao@netcabo.pt

Comentário:

Caro Zizim, A tua estória sensiblizou-me muito porque me lembro dos meus primos me terem relatado aproximadamente uma estória idêntica. Mas aqui o que mais conta quanto a mim é teres abrangido e reunido todos nós das nossas comunidades insulares nas tuas estórias com os mesmos direitos e reagalias. Bravo e parabens porque todos temos sabido apreciar o teu grande trabalho. Que venha o Livro já. Abraços Humberto

Humberto Cruz             humberto.cruz@yahoo.com.br


Comentário:

Hi Big Brother Zizim,Ulim li ta mandobe quel bom dia de Sidney-Austrália moda tude dmingue e pa agredecebe de continuá ta partilhá esse bom traboi ma nós tude criol spaiode pa munde. Storia ta uma maravilha chei daquel ligria e sentimente baseode naquel espirte d'inocência de gente.Forte abraço Terencio

Terencio Lopes                 terencio.lopes@yahoo.com.au


Comentário:

Zizim, Esta estória do Nicete está excelente e muito bem escrita. Cá ficamos aguardando a segunda parte próximo domingo se Deus quizer. Que tenhas boa saúde e força sempre. Um beijinho da amiga de infância Yo

Yolanda Dias                 yoldias@aol.com


Comentário:

Zizim, Um gande abraço de parabéns e força, pois contamos com muitas histórias ainda, saídas da tua pena. Elias

Elias Silva                     elias.silva69@gmail.com


Comentário:

Amigo e Sr.Zizim, Você já nos habituou com as suas crónicas de tal maneira que sagradamente a minha mãe e eu cá ficamos a espreita da publicação no Liberal aos domingos logo de manhãzinha. Adoramos esta estória que nos fez tanto rir. Agora pergunto como pôde um "espelho - SPEI" alterar completamente o ciclo de vida daquela tão pacata familia do fundo das Forminguinhas em Santo Antão?! Devera lá diz o ditado "quem não sabe é como quem não vê". Pois não?! Mais uma vez a minha mãe, eu e vizinhos vos agradecemos. Um abração Suelly

Suelly Fonseca               suellyfonseca17@gmail.com


Comentário:

Zizim de Ti Djô Figuera nha broda, Hoje já bô intchine q'esse sturinha prop sabim. Mi, nha tia, ca tava conchê cinema dia que nô leval ela queris sô bai pa casa e nô tive que ba leval! Por isse é q'um ca ta stranhá esse sturinha li de Sintanton e nô tita bem fcá li ta sperá pa quel ote parte té dia dmingue. Mantenha de nôs tude dali de Reberabote ma Montessusegue. Inda onte nô tava ta falá na bô la ma quel malta la mercode ondê que pove pô nome de DIVORCE. Saúde sempre. Guey

Miguel M.Monteiro             mucimdereberabote@cvtelecom.cv


Comentário:

Dear Djô, Há muito que não disse nada, mas esta sturinha já me fez "sabe" nessa manhã de domingo de Maria Santíssim, que não pude deixar de te parabenizar e saudar-te com um fraterno abraço. Piduca

Pedro Soares de Brito          piducasbrito@hotmail.com


Comentário:

Boa Zizim, Como sempre gostei e notei que estás sempre activo e no TOP. Que haja vida e saúde. Abraço Lili

Larry de Pina                      LPINA1@tampabay.rr.com


Comentário:

Parabens por todas as estórais que tens contado até agora e em especial por essa que tocou-me no mais recôndito dos meus afectos de santantonense. Cá fico se Deus quizer aguardando a continuação. Até próximo domingo e um grande abraço do amigo Caluca

Carlos Spencer                  caluspencer@yahoo.com.uk


Comentário:

Zizim, Gostei desta estória em todos os aspectos tanto da escrita com a boa elaboração bem escalonada dos factos num estilo mui sui generis. Parabens amigo. Um abraço Silvia

Silvia Lopes                  silvia.lopes@yahoo.com.br


Comentário:

Oi Caro Colega Engenheiro Geógrafo Z.Figueira, Cá vim para parabenizá-lo por esta magnífica estória cuja a continuidade ficamos aguardando com muita emoção domingo próximo cá no Brasil. Todo o pessoal cá de casa mais o Álvaro, João Baptista e amigos que vieram cá passar o dia gostaram e vos saudam num abraço comum. Adão

Adão Lima Benrós               adao.limabenros@yahoo.com.br


Comentário:

Genial esta estória do SPEI e todas as peripécias á volta mais o tio Shelim Pepel que bem conheci na área de Praia de Bote bem como muitos outros. Estou ansiosa para saber da segunda parte. Muito obrigado por partilhar conosco todo este manancial. Abraço Aurora

Aurora Matias                   aurora.matias@live.be


Comentário:

Esta estória foi por mim comentada se não duas, pelo menos uma vez, tendo agora dificuldade em encontrar palavras diferentes para exprimir o meu agrado e satisfação por esta narrativa que irmana de forma exemplar as duas ilhas vizinhas na mesma senda do destino. Realce-se, mais uma vez, o domínio plástico que o Zizim já consegue do idioma do Barlavento, mostrando-nos aqui a expressão particular das gentes de S. Antão, cuja característica dominante é o abrir de algumas vogais e a elisão de algumas consoantes. Agora a nossa expectativa é o lançamento do livro e, não menos importante, a gravação sonora das estórias. Um e outra repartirão a paridade de um grande contributo para a dignificação do crioulo de Barlavento.

Adriano Miranda Lima

Comentário:

Zim querido, era so pam mandau quel braça. parabeniza. Beijinhos.

Ines Gonçalves              ing@hotmail.com