NICETE - SANANTON SÊ TERRA DE SONHE E AMOR (ONES 1945/1960 ) – PARTE II

PaMenel, home de respeite, na sê fala bronde sem alterá voz, lá consigui convencê quel trupida de gente lá na terrer de casa e, cma já era de nutinha, el resolvê fecá pa drumi. Assim, despôs de cmê sê cmonbotcha (prote de resistença de frinjnote que papa de midje, bnena verde, nhame, mendioca) mute bem preparode moda de custume pa dona de casa, Jueninha.

Despôs daquel bom jantar que tude ês dá Deus santas graça pal ca faltá nunca derriba de mesa, PaMenel ba detá pal podia descançá corpe, quê naquel ote dia, moda jal tinha promitide Nicete, ês tinha que basse la derriba na ladera mondá e coroá quês midje que já tava de tole olte, chei de flor e diasá ta pedi traboie.

Jueninha, tude contente, vincida ma não convincida, lá fazê paz ma Nicete, sê pai de fidje e tude cosa de vida lá naquel funde de Sfrumeguinha torná parcê pô na camin…

Na dia siguinte de madrugada, antes de Sol raiá, Nicete, despôs de prepará sê berrim, rancá junte ma Zaquiel, sê fi ma vêi, e PaMenel ba trabaiá quês mîdje la derriba naquel merada. Pa camin, PaMenel, intrigode c‘aquel presença de Zaquiel ta companhás, perguntá Nicete pamode quem quel tava ta levá quel mnine ma ês. Enton Nicete explical cma Zac já tava que dozi’one e, moda sê falecide pai tinha el insenode, assim el tava ta fazê que sê fî, pal basse ta prendê escola de vida.

PaMenel, preocupode, perguntá Nicete s‘el n‘tava ta ba mandá Zac prendê êlê lá na escola de Nha Fluripa na sêlada de Sfrumeguinha? Nicete dzel cma era tude sê prazer, ma o que tava pol prublema era quel destança da la de funde de sês cavoque té na somada, qu’era demás pa quel mnine basse pa escola… Pa cabá que conversa, el ba log ta dzê PaMenel cma el tava ta mestê insená Zac traboie de compe moda sê pai tinha el insenode, pal podia prendê segurá quel pon de casa, e que pa quel traboie lá el n’mestia sebê êlê!

E lá ês sigui sês camin, inda na escure, sempre ligere pas podia tchegaba na compe antes de sol manchê, quê assim rendimente de traboie tava ser m‘amdjor. Dia ba ta passá, culheta foi boa quê tchuva tinha dode drete quel one lassim… Basta ês cunsigui intchi dôs tambaque de midje ma fejon, suficiente pa segurá sustente de tude quel casa ma alguns de sês família, tonte pa banda de Nicete cma de Jueninha, pa tude quel one.

Nhô Franc, home vêi amigue de casa que tava oiá na Nicete quel bom fidje quel n’tive, tava tude hora dzê Nicete cma quel rincon de terra, qu’era pegode ma quel de seu, já quel n‘tinha fî, quonde el quesesse el tava vendel el. Ma naquel tempe n‘era vontade que tava ta faltá Nicete pa vrá sê horta más grande, ma sim denher, quê Nicete era pobre e, moda quaz tude lavrador na Compe de SanAnton, sempre vivê foi d’esforce de sê traboie de terra…

Assim, de nutinha, tude vez que tava bem conversa lá na terrer de casa d’aumentá sês parcela de tchon c’aquel proposta de Nhô Franc, cosa tava fecá ta trabaiá Nicete na corpe e ca tava dexal durmi em paz!... Inda más c‘aquel ote conversa de ba espiá vida lá pa Soncente, quel tinha tide uns mês antes ma sê Tiu Shelim Pepel e que fecá sempre ta fazel macaquim na cabeça, um cosa que nunca el tinha sintide antes, moda um espece d’ambiçon, bodzê ta tchemal e t‘impurral pel bai!

Na força d’estode só ta cismá, pensá e creditá na destine, um demingue, dia de desconse de lavrador, lá na casa tchegá um “Estafeta“ (moce de recode ambulante de grande destância mute usode na SanAnton naquel tempe que comunicaçon Na Ilha era dificil) cum carta de Tiu Shelim Pepel pa Nicete, binde de Soncente cum truquim valente lá dente, ta mandá dzel cma jal tava tude pronte pa recebel na sê casa!

Basta PaMenel é que lê carta, quê lá na casa ninguém n’sebia lê nem escrevê. Nicete fecá prop sabe, contente c‘aquel lembrança de sê Tiu, quel pensaba té já tinha esquecide dele. Agora, problema era el otchasse coraja pa consigui convencê e prepará sê amdjer ma fidje, gente de casa, vezim ma tude familia, pal podia dasse quel grande solte…

Assim, el tive uns dia muque ta cismá sem dzê nada e, na conversa ma PaMenel, que foi sempre home de bom consei, sê cumpanher e amigue de casa e amigue fiel, el consigui tmá quel grande decison de cambá Soncente ba espiá vida. Cosa que PaMenel conselhal log pal fazê, já quel tinha tonte ambiçon, ma que bastante moderaçon e cuidode, quê pra la, cosa de vida era tude prop diferente.

Enton, despôs de ter falode e recomendode Jueninha na sê Mantia, Zaquiel sê fi ma vei, que já tava comprendê dritim quel traboie de sê pai é que fecá que conta de familia ijdode pa sê padrim PaMenel…

Assim quel sonhe de Nicete cumeçá ta pô na camin de querê realizá! Quel note, véspera de partida, el detode ma Jueninha, mãe de sês fi que sempre el estmá, el vrá el dzel:

- ´M tita ba trabaiá que força e coraja pa nô podê comprá quel rinquon de tchon pegode ma quel de nossa, que cumpade Franc tem estode sempre ta prometé vendens! Basta cumpade, home de palavra, sempre firmá cma el n’te vendê ninguém el senon sende nôs!

Na dia siguinte, quel noticia de partida de Nicete já tinha corride Cavoque de Sfrumeguinha tude inter… Enton foi mute tchore ma guisa na hora di bai de Nicete! Era ver um tristeza mute grande trançode daquel morabeza, ta bem da lá daquel funde de rebera té na selada de Sfrumeguinha, que tude quel pove que sês lincîm bronque na mon ta cená Nicete… Sentimente era tão forte e estronhe, basta era burre ta zurrá, catchorre ta ladrá, té cêu vrá dum manera prop escure que ninguém sube nem pude explicá, e é cosa que só ta contecé as vez quonde terra ta perdé um fidje queride!…

Nicete imbarcá na Boca de Pistola, porte bem cunchide de Ponta de Sol pa sê mar regaçode, ondê que gente, pa imbarcá ô desimbarcá, tinha que esperá marinher d’experiença trá (contá) jaziga daquel onda de sete e proveital más rapte possível!...

Assim lá bai nôs Nicete, imbarcode na naviu Mar Novo pa Soncente, ondê que tude sês tiu já tava vivê diasá. Tude ês ba esperal na cais pa dal quel apoie ma coraja naquel nova vida! Foi mostrode el Soncente, terra quel gostá tcheu, e pa tude lugar ondê quel tava ba ta passá el tava ba ta pô um monzada de pergunta

Despôs Tiu Shelim Pepel leval pa casa d’otes família de seus quel ca tava conchê, moda sês Tiu Farrope ma Viriote e tude quês monzada de subrim, el sempre marabidjode! Lá, quel hora alguns lágrima bel na oie, quê lembral sê casa, Jueninha ma sês fidje quel tinha dexode pa trás, lá na Sfrumeguinha e pa tcheu tempe, sem dia de voltá…

Nova vida, vida nova, quês tiu pol log reme na mon pal pudesse ba ta custumá, quê vida de mar era bem dferente daquel vida de compe. Dvera quel mudança foi dure, ma Nicete, que bem decidide, tava ta prendê rapte e bem, ijdode pa tude sês tiu e alguns amigue que jal tinha ranjode na Soncente. Tiu Shelim tive d‘ensinal nadá, cosa que ca foi problema pa mode jal tava cstumode de nadá na tanque d’ága doce la na SanAnton, pal podia traba sê carta de marinher na Captania e pudesse assim remá legal na Baía de Porto Grande e basse pa borde de vapor ganhá sê vida.

Assim foi, quê el n’era malondre (priguiçose) e tava ta prendê prop rapte e ta entrá naquel ritme de vida, sempre chei de sê boa vontade. Pena é que, na principe, denhirim qu‘el tava ta ganhá era poque e ca tava ta tchegal pa mandasse pa casa de Jueninha ma sês mnine, quel tinha dexode pa trás e que ca tava ta sail de pensamente.

Uns mês despôs, naquel cicle de vida de Baía de Porto Grande, bem parcê um vapor embanderode de Panamá ta pedi embarcadista. Captania trá sorte e caí quaz tude naquel família (um tiu e três subrim)! Assim embarcá: Shelim Pepel, Nicete, Lima, Jack Fejon Pedra e Franc Spaguette.

Tiu Shelim, marinher confirmode chei d’experiença, é que tma conta dês na borde. Assim ês tava uvi qu’el e tava ba ta sigui tude o qu’el tava dzês pa fazê. Mudança de situaçon pa Nicete, foi más um vez mute grande e rapte, quê de sê funde de Sfrumeguinha, binde pa Soncente e log uns mês despôs ter d’imbarcá sê primer viaja directe pum terra longe, era demás!... Apôs, da la de Soncente ês cambá Canal de Panamá, quês travessá e despôs sigui pa Valparaiso na Chile, ba carregá mineral de cobre.

Pa sorte, mar tava bunzim, viaja foi prop sabim e traboie na borde era cosa que ca tava faltá. Nicete ma sês cumpanher ba pa viaja ta prendê tcheu cosa de vida de marinher graças a Tiu Shelim e, Capton de Vapor tava prop contente de sês prestaçon de traboie e comportamente na borde! Ês tchegá num madrugada de mês de Dezembre, tempe de calor na parte Sul de nôs Planeta, naquel Baía tude luminode de Valparaiso!... E se Nicete tinha otchode Soncente bnite, lá anton era prop um paraíse!

Enton, cma durante viaja ês tinha dode sês best na traboie na borde e era véspra de Natal, Capton mandá dás um truquim reforçode e despôs de ter ês agradecide, el dzês:

-