NICETE - SANANTON SÊ TERRA DE SONHE E AMOR (ONES 1945/1960 ) – PARTE II

PaMenel, home de respeite, na sê fala bronde sem alterá voz, lá consigui convencê quel trupida de gente lá na terrer de casa e, cma já era de nutinha, el resolvê fecá pa drumi. Assim, despôs de cmê sê cmonbotcha (prote de resistença de frinjnote que papa de midje, bnena verde, nhame, mendioca) mute bem preparode moda de custume pa dona de casa, Jueninha.

Despôs daquel bom jantar que tude ês dá Deus santas graça pal ca faltá nunca derriba de mesa, PaMenel ba detá pal podia descançá corpe, quê naquel ote dia, moda jal tinha promitide Nicete, ês tinha que basse la derriba na ladera mondá e coroá quês midje que já tava de tole olte, chei de flor e diasá ta pedi traboie.

Jueninha, tude contente, vincida ma não convincida, lá fazê paz ma Nicete, sê pai de fidje e tude cosa de vida lá naquel funde de Sfrumeguinha torná parcê pô na camin…

Na dia siguinte de madrugada, antes de Sol raiá, Nicete, despôs de prepará sê berrim, rancá junte ma Zaquiel, sê fi ma vêi, e PaMenel ba trabaiá quês mîdje la derriba naquel merada. Pa camin, PaMenel, intrigode c‘aquel presença de Zaquiel ta companhás, perguntá Nicete pamode quem quel tava ta levá quel mnine ma ês. Enton Nicete explical cma Zac já tava que dozi’one e, moda sê falecide pai tinha el insenode, assim el tava ta fazê que sê fî, pal basse ta prendê escola de vida.

PaMenel, preocupode, perguntá Nicete s‘el n‘tava ta ba mandá Zac prendê êlê lá na escola de Nha Fluripa na sêlada de Sfrumeguinha? Nicete dzel cma era tude sê prazer, ma o que tava pol prublema era quel destança da la de funde de sês cavoque té na somada, qu’era demás pa quel mnine basse pa escola… Pa cabá que conversa, el ba log ta dzê PaMenel cma el tava ta mestê insená Zac traboie de compe moda sê pai tinha el insenode, pal podia prendê segurá quel pon de casa, e que pa quel traboie lá el n’mestia sebê êlê!

E lá ês sigui sês camin, inda na escure, sempre ligere pas podia tchegaba na compe antes de sol manchê, quê assim rendimente de traboie tava ser m‘amdjor. Dia ba ta passá, culheta foi boa quê tchuva tinha dode drete quel one lassim… Basta ês cunsigui intchi dôs tambaque de midje ma fejon, suficiente pa segurá sustente de tude quel casa ma alguns de sês família, tonte pa banda de Nicete cma de Jueninha, pa tude quel one.

Nhô Franc, home vêi amigue de casa que tava oiá na Nicete quel bom fidje quel n’tive, tava tude hora dzê Nicete cma quel rincon de terra, qu’era pegode ma quel de seu, já quel n‘tinha fî, quonde el quesesse el tava vendel el. Ma naquel tempe n‘era vontade que tava ta faltá Nicete pa vrá sê horta más grande, ma sim denher, quê Nicete era pobre e, moda quaz tude lavrador na Compe de SanAnton, sempre vivê foi d’esforce de sê traboie de terra…

Assim, de nutinha, tude vez que tava bem conversa lá na terrer de casa d’aumentá sês parcela de tchon c’aquel proposta de Nhô Franc, cosa tava fecá ta trabaiá Nicete na corpe e ca tava dexal durmi em paz!... Inda más c‘aquel ote conversa de ba espiá vida lá pa Soncente, quel tinha tide uns mês antes ma sê Tiu Shelim Pepel e que fecá sempre ta fazel macaquim na cabeça, um cosa que nunca el tinha sintide antes, moda um espece d’ambiçon, bodzê ta tchemal e t‘impurral pel bai!

Na força d’estode só ta cismá, pensá e creditá na destine, um demingue, dia de desconse de lavrador, lá na casa tchegá um “Estafeta“ (moce de recode ambulante de grande destância mute usode na SanAnton naquel tempe que comunicaçon Na Ilha era dificil) cum carta de Tiu Shelim Pepel pa Nicete, binde de Soncente cum truquim valente lá dente, ta mandá dzel cma jal tava tude pronte pa recebel na sê casa!

Basta PaMenel é que lê carta, quê lá na casa ninguém n’sebia lê nem escrevê. Nicete fecá prop sabe, contente c‘aquel lembrança de sê Tiu, quel pensaba té já tinha esquecide dele. Agora, problema era el otchasse coraja pa consigui convencê e prepará sê amdjer ma fidje, gente de casa, vezim ma tude familia, pal podia dasse quel grande solte…

Assim, el tive uns dia muque ta cismá sem dzê nada e, na conversa ma PaMenel, que foi sempre home de bom consei, sê cumpanher e amigue de casa e amigue fiel, el consigui tmá quel grande decison de cambá Soncente ba espiá vida. Cosa que PaMenel conselhal log pal fazê, já quel tinha tonte ambiçon, ma que bastante moderaçon e cuidode, quê pra la, cosa de vida era tude prop diferente.

Enton, despôs de ter falode e recomendode Jueninha na sê Mantia, Zaquiel sê fi ma vei, que já tava comprendê dritim quel traboie de sê pai é que fecá que conta de familia ijdode pa sê padrim PaMenel…

Assim quel sonhe de Nicete cumeçá ta pô na camin de querê realizá! Quel note, véspera de partida, el detode ma Jueninha, mãe de sês fi que sempre el estmá, el vrá el dzel:

- ´M tita ba trabaiá que força e coraja pa nô podê comprá quel rinquon de tchon pegode ma quel de nossa, que cumpade Franc tem estode sempre ta prometé vendens! Basta cumpade, home de palavra, sempre firmá cma el n’te vendê ninguém el senon sende nôs!

Na dia siguinte, quel noticia de partida de Nicete já tinha corride Cavoque de Sfrumeguinha tude inter… Enton foi mute tchore ma guisa na hora di bai de Nicete! Era ver um tristeza mute grande trançode daquel morabeza, ta bem da lá daquel funde de rebera té na selada de Sfrumeguinha, que tude quel pove que sês lincîm bronque na mon ta cená Nicete… Sentimente era tão forte e estronhe, basta era burre ta zurrá, catchorre ta ladrá, té cêu vrá dum manera prop escure que ninguém sube nem pude explicá, e é cosa que só ta contecé as vez quonde terra ta perdé um fidje queride!…

Nicete imbarcá na Boca de Pistola, porte bem cunchide de Ponta de Sol pa sê mar regaçode, ondê que gente, pa imbarcá ô desimbarcá, tinha que esperá marinher d’experiença trá (contá) jaziga daquel onda de sete e proveital más rapte possível!...

Assim lá bai nôs Nicete, imbarcode na naviu Mar Novo pa Soncente, ondê que tude sês tiu já tava vivê diasá. Tude ês ba esperal na cais pa dal quel apoie ma coraja naquel nova vida! Foi mostrode el Soncente, terra quel gostá tcheu, e pa tude lugar ondê quel tava ba ta passá el tava ba ta pô um monzada de pergunta

Despôs Tiu Shelim Pepel leval pa casa d’otes família de seus quel ca tava conchê, moda sês Tiu Farrope ma Viriote e tude quês monzada de subrim, el sempre marabidjode! Lá, quel hora alguns lágrima bel na oie, quê lembral sê casa, Jueninha ma sês fidje quel tinha dexode pa trás, lá na Sfrumeguinha e pa tcheu tempe, sem dia de voltá…

Nova vida, vida nova, quês tiu pol log reme na mon pal pudesse ba ta custumá, quê vida de mar era bem dferente daquel vida de compe. Dvera quel mudança foi dure, ma Nicete, que bem decidide, tava ta prendê rapte e bem, ijdode pa tude sês tiu e alguns amigue que jal tinha ranjode na Soncente. Tiu Shelim tive d‘ensinal nadá, cosa que ca foi problema pa mode jal tava cstumode de nadá na tanque d’ága doce la na SanAnton, pal podia traba sê carta de marinher na Captania e pudesse assim remá legal na Baía de Porto Grande e basse pa borde de vapor ganhá sê vida.

Assim foi, quê el n’era malondre (priguiçose) e tava ta prendê prop rapte e ta entrá naquel ritme de vida, sempre chei de sê boa vontade. Pena é que, na principe, denhirim qu‘el tava ta ganhá era poque e ca tava ta tchegal pa mandasse pa casa de Jueninha ma sês mnine, quel tinha dexode pa trás e que ca tava ta sail de pensamente.

Uns mês despôs, naquel cicle de vida de Baía de Porto Grande, bem parcê um vapor embanderode de Panamá ta pedi embarcadista. Captania trá sorte e caí quaz tude naquel família (um tiu e três subrim)! Assim embarcá: Shelim Pepel, Nicete, Lima, Jack Fejon Pedra e Franc Spaguette.

Tiu Shelim, marinher confirmode chei d’experiença, é que tma conta dês na borde. Assim ês tava uvi qu’el e tava ba ta sigui tude o qu’el tava dzês pa fazê. Mudança de situaçon pa Nicete, foi más um vez mute grande e rapte, quê de sê funde de Sfrumeguinha, binde pa Soncente e log uns mês despôs ter d’imbarcá sê primer viaja directe pum terra longe, era demás!... Apôs, da la de Soncente ês cambá Canal de Panamá, quês travessá e despôs sigui pa Valparaiso na Chile, ba carregá mineral de cobre.

Pa sorte, mar tava bunzim, viaja foi prop sabim e traboie na borde era cosa que ca tava faltá. Nicete ma sês cumpanher ba pa viaja ta prendê tcheu cosa de vida de marinher graças a Tiu Shelim e, Capton de Vapor tava prop contente de sês prestaçon de traboie e comportamente na borde! Ês tchegá num madrugada de mês de Dezembre, tempe de calor na parte Sul de nôs Planeta, naquel Baía tude luminode de Valparaiso!... E se Nicete tinha otchode Soncente bnite, lá anton era prop um paraíse!

Enton, cma durante viaja ês tinha dode sês best na traboie na borde e era véspra de Natal, Capton mandá dás um truquim reforçode e despôs de ter ês agradecide, el dzês:

- Bsote podê fecá dôs dia na terra, ma dia 26 de Dezembre pa quate hora da tarde um querê tude gente li na borde, ok?!

Assim foi! Ês ba tude djunte pa terra, que Shelim Pepel ma Franc Spaguette ta comandá grupe e levás pa quês broque (dancing house) quês tava conchê chei de mnina bnita! Moda tude marinher, inda más despôs dum viaja cumpride daquel, num dia especial daquel, era normal um home basse pa terra esparajá vida!

Nicete, que nunca tinha saíde de sê terra, choque fui grande quê, quonde el oiá tonte amdjer bnita, el perdê cabeça, inda más cuns mês sem oiá fema... Um mnininha cumeçá ta dal bola e el, c’aquel troque na bolse, foi cosa facil, el ca midi dôs vez, el betá mnininha mon e el ba ta dzê sês cumpanher log cma quel lassim era de seu! Sê Tiu Selim fetchal oie e dal que cabeça cma sim!

Festa prope sabim, champagne pa betá tchuque que mnininha ta finji querê pagá, ma Nicete tava vançá log e ca tava dexal pagá!... Basta Nicete, cum mistura de coque forte na butche, já tava té ta falá espanhol… Sê tiu Shelim Pepel, macoque bedje, que oial t’imbalá, log dal fala por uns dos vez, ma cosa continuá sem problema.

Enton, despôs dum note bem passode, dia 26 de Dezembre tchegá na tempe e hora de tude gente bá pa borde. Lá mez Franc Spaguette cumeçá ta juntá tude pessoal… Ma quonde ês dá Nicete fala, el n’queria sabê de voltá más pa borde, pegode na sê chilena bnita moda um estampa! El vrá prop rafilon e ta dzê assim que pé fincode na tchon! Na principe, quês moce tava ta tmá quel stora t’arri e na brincadera. Enton, Nicete reagi log a serie e na sê linga bem funde de SanAnton que Deus dal, el ba ta dzês:

- Pô borde?!... Ah, quêlé! Ucis n´ris de fovor, ucis dzé Capton que mi já’me fecá prei na Valparise e mi n’ti ta ba más nem po borde, nem pê terra, nem pa nium legar!.... Quês moce ma sê tiu Shelim Pepel tude já infrontá e pa trá duveda ês torná perguntal:

- Ma, Nicete, que febre é esse que já panhobe que bô n’querê ba po borde? Já bô perdê cabeça, Nicete? E bôs fi ma Jueninha! Cmanera?

Resposta de Nicete convincide, foi firme e sêque:

- Ucis n´tita oá um padoce mnina bnita desse, de cabel lorgode pa costa aboxe! Ah, quem pode c’aquês cabel rum lá de nôs terra?!... Ah, quêlé!!! Mi, já mi n’pode c’aquês cabel rum!... Um padoce de mnina bnita desse, inda más el dzê cma el ta estmeme!... N’non…n’non…n’non! Mi já’me dzê ucis, mi n’tita bá nada más po borde, quê já’me ba ta fecá prei!... Ucis podê bê e ucis dzê Capton moda já’me dzê ucis!

Sê tiu Shelim, que já tinha cunchide uns situaçon quaz igual ma otes, dantes, vrá dzel:

- Ó, Nicete, esse desafor de bossa ta demás e é log um afronta, pa bô e pa nôs tude, ma pa borde é cum tem que levobe!

Cosa vrá prope fei e dure, a ponte que sê tiu ma quês moce cumpanher de mar, contra sês vontade tive que tchemá pliça e nôs Nicete bai pa borde foi poste algema, quê senon d’ote manera ês ca tava ta ba podê leval!

Nicete, pa mode esse stora, tive um semana muode e muque, zangode ma tude sês cumpanher na borde sempre qu’ideia naquel mnina bnita de cabel largode pa costa aboxe! Na fim daquel semana, já na olte mar e de volta pa Cab Verd, quê vapor tava ta bem pa Europa ma tinha que dexás de passaja na terra ondê quel tinha ês tmode, moda tava escrite na controte, lá Nicete bem cumeçá ta caí na sê realidade!

Enton, el intchi de coraja e el ba pedi sê tiu Shelim ma tude sês cumpanher de viaja perdon um por um. E, quonde el tchegá na Lima, el dzel:

- Ó, Lima, deixa estar cma bsote é que tinha rozon! Quê mi n’sabê qsê que penheme na terra de gente!

Quês moce, pa consolal, vrá dzel cma n’era pel infrontá, quê el n’era primer c’aquel cosa tava ta contecê!... Ma só que, enquonte el tava ta ba tem quel troque na bolse, tude tava ta ba ser ok na terra de gente, ma log quel cabá ês tava ta ba fazel tchoresque e cmel que cabel e tude!… Enton djunte, ês tude largá t’arri, menes Nicete que o contrare, corpe rupial só de pensá naquel ideia!

Problema é que pa Nicete ca tive tempé d’adaptaçon e tude cosa sei ta bai mute rapte. Ma smeme assim, pa el foi um grande experiença de vida que fecá e sirvil de liçon pa fazel vrá t’oiá cosa de Munde d’ote manera!... Ma, também cma el era más home de terra que de mar, durante quel viaja de volta pa terra, el bem ta pô um bocode d’orda n’ideia e cumeçá pa perdé tude iluson de fazê vida de mar e ter de ba tude tempe bescá fortuna la pa quês terra piaboxe!

Assim, log que Nicete betá pé na tchon de Soncente, el ba tmá sê bom troque n’agença de Millers & Corys, quê quel viaja rendês um troque valente. Log el cambá SanAnton, na direçon de sê Sfrumeguinha natal, via Ponta de Sol, ba ter de Jueninha ma sês fi e tude sê pove que jal sabia tava lá ta esperal, el q’uns encmenda e tcheu cosa pa contás!

Assim cma foi sê despedida chei de tristeza, na dia quel tchegá foi festa rije fincode na terrer de casa, que Jueninha ma tude quel pove fliz que regresse de sês fidje de terra, Nicete! Ligria era tonte que PaMenel mandá té matá um buim genoque e assim tude gente daquel cavoque de Sfrumeguinha pode partecipá na festa de regresse de Nicete, que durá dôs dia lorgue.

C’aquel troque de viaja, quel note mez Nicete fetchá negoce e comprá Nhô Franc quel rinquon de terra quel tinha el promitide e que jal n’tava ta podê trabaiá… Despôs de ter contode sê pove tude sês ventura daquel viaja sabe que margoze, sem falá mentira, el vrá pa sê fi Zaquiel, que já tinha criode más uns tole durante quel tempe quel tive fora de casa e que tinha sabide tmá conta bem de familia, el braçal diante de tude gente e dzel:

- S’um dia bô quiser ba espiá bô vida nês terra piaboxe, bô ta bai e mi n’ta estorvobe pa bo podê ganhá bô prop experiença de vida… Ma mi, só um ta dzebe que mi um tive sorte d’otchá nha Tiu Shelim Pepel ma otes bons cumpanher que ijdame tcheu! Ma nada d’iluson quês terra piaboxe! Manhã cidim, no t’argui no ta ba betá mon na enxada, no ta rancá que nôs traboi moda de custume, quê li é quê nôs terra ma nôs gente! E LI É QUÊ NÔS VIDA!!!

Fin

Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V O L T A R


Comentário:

Zizim, Já estava ansioso á espera desta parte final que acabou de chegar no Liberal aqui em Sidney-Austrália e adorei o desfecho final que li sofregamente gota por gota rindo-me ás bandeiras despregadas. A estória está como sempre uma maravilha sobretudo no que consiste o mistico da linguagem empregada por ti "meio santanton mei soncente" que como santanonense que sou acho te defenderes muito bem. Cheguei a conhecer os familiares do Nicete (Tiu Shelin Pepel, Jon Çabola, Viriote ma Farrope) mas do Nicete só ouvi falar. Meu amigo estas "sturinhas sabim" nos enchem o corpo daquela maresia de recordações de Praia de Bote e "sodade de nós terra Soncente". Obrigado por todo este grande apoio que nos vens dando todos os domingos cá na diáspora Haja vida e saude sempre. Um fraterno abraço do Terencio

Terencio Lopes               terencio.lopes@yahoo.com.au


Comentário:

Dear Zizim, Moce esse parte final ta um maravilha e creditam cma inda nô ta tude li t'arri. Inda bem que Nicete mudá d'ideia sende mesme assim a força, qu^el ca sabia do que tava ta ba esperal. Bô escrita ta prop bunzim e bem clore. Nôs amigue de Sant Anton ta mandobe parabens pa bo escrita na sês criol. Tude gente gostá e ta desejobe vida ma saude. Um beijo Yo

Yolanda Dias                 yoldias@aol.com


Comentário:

Adorável Sr Zizim, Esta parte II da estória da vida do Nicete, está mesmo ótima e muito nos fez rir, independentemente da situação do Nicete que podia se passar com um qualquer de nós se tivessemos nascido na Sfrumeguinha ou noutra parte do mundo sem contactos. A mãe gostou muita da sua maneira de escrever nos dois crioulos. Pois somos de Santo Antão (João Afonso) Parabens e obgridago. Um baraço da mãe e eu Suelly


Suelly Fonseca                  suellyfonseca17@gmail.com


V O L T A R


Comentário:

Zizim, Como já te disse continuas sempre me siderando a mim e a muita gente com o teu potencial sociológico de observação de coisas da tua vida, bem vividas que o nosso amigo comum Pedro Moreira e mais outros amigos acabaram de me confirmar tudo por conhecer muito bem este teu lado "mnine de soncente" e homem de contacto na área onde nasceste e cresceste sem escrupulos ou complexos de espécie alguma. Bem hajas amigo! Foret abraço Gil

Gil Semedo                        gil.semedo@cvtelecom.cv


Comentário:

Carissimo Zizim, Estória muito bonita e bem caracteristica do nosso povo. Não sabia que falavas um bom santantonius bem funde. Mais uma vez meus parabens que Deus te ilumine sempre para continuares nos graciando coa as tuas estórias que vão fazendo história. Um grande beijo Iolanda

Iolanda Antunes                     iolandantunes@yahoo.com.br


Comentário:

Brother Zizim, Continuas sendo aquele baluarte na aparesentação de estórias da nossa terra, actualmente lidas todos os domingos por nós como numa espécie de um ritual colectivo, onde todos nós encontramos as nossas referências perdidas no espaço e no tempo desde a nossa partida... MA UM DIA TAMBEM BÔ TA VOLTA! Grande abraço Chico

Francisco Sales                    chico.sales@cvtelecom.cv


Comentário:

Djô, Me lembro do Shelin Pepel e todos da sua familia. Pois quando eu era garoto eles iam guardar os remos lá na Nh'Antonha de Ceril. Me lembro também do Nicete contando esta sua estória da viagem para o Chile. Genial a tua memória. Hoje passei um domingo divertidissimo pois como já tinha lido a primeira parte vim ler a segunda e adorei. Bom domingo e até á próxima. Lili

Larry de Pina                              LPINA1@tampabay.rr.com


Comentário:

Meu caro Zizim, Gostei tando da primeira como da segunda parte desta estória fantasticamente fantástica. Abraço Jorge

Jorge Daniel M.Lima                    jorge.dmlima@live.nl


Comentário:

Zizim, Como sempre te dou aquele merecido 20 (vinte) valores pelas duas estórias e teu geito original de contá-las. Força e um grande abraço Vicente

VICENTE                       vicente@cvtelecom.cv


Comentário:

Zizim, Te felicito pelo teu estilo jorgeamadesco na maneira de contar estas tuas/nossas estórias que atingem, após uma certa reflexão, o mais profundo dos nossos afectos. És sem dúvida um excelente retratista pelo que te felicito. Continua. Ruth

Ruth Carvalho                     ruth.carvalho@live.com


Comentário:

Zizim, Esse sturinha ta sabim nem um papa qu'lete. Quel braça pertode nôs malta. Guey

Miguel M.Monteiro                mucimdereberabote@cvtelecom.cv


Comentário:

Parabéns pela pontualidade e pela estória. Um abraço Mag

MMMascarenhas                   magui.salomao@netcabo.pt

V O L T A R