INFLUENÇA DE MÃE NA EDUCAÇON E VIDA DE NÔS RUA DUM VEZ

Na tchon de Soncente dum vez, moda era custume, mnines tava criá na sês rua que tude liberdade sempre djunte ma sês culiguinha, cada um cum storia prop de vida de sê rua pal contá e que tava companhal té vrá home grande, pa despôs um dia el podesse passá quel mensája na tradiçon de grande pa piqnim e de geraçon pa geraçon.

Assim nôs de rua de SanBandera, pamode quel boa infância que nô tive passode deboxe d’asa de nôs santa mãe, cada um na sê tonte, sem stora nem complexe de nium espece que seja, de pobre ô rique, prête ô brónc, marel ô otes côr que Deus betá nesse Munde, quê lá nôs tude era djizesame ( mesma cosa ) e tava vivê na paz e harmonia!... E, moda tude mnine, nôs também nô tem stora de vida pa contá de cosa que fecone pa sempre bem gravode na funde de nôs coraçon e pa recordaçon, quê recordá é vivê!...

Nascide, registode, butzode e criode chei de MORABEZA na nôs rua, deboxe de cuidode de tude quês mãe sem igual nem rival na munde inter, disposte a partilhá tude cosa de vida ma vezim sempre que ocasion tava parcê e, ma sês fidje e fidje dos’otes, sem espiá cada um na cara!... Era, um puntinha de rebuçode tinha que tchegá pa tude gente, pa ninguém ca fecasse desfrençode!

Mãe daquês que brazá que sofrê pamode rigor daquês pai “matchista”, Mãe trabaidera, mãe de rigor ma seriedade, mãe fiel, ma mãe também de coraçon grande tamonhe de munde que tava cuidá de nôs tude na respeite ta “betone quel bençon”!

Ês, era daquês cosa más sagrode de tude um vida, que nunca criston algum ta podê esquecê!... E hoje em dia, té ta perguntode que tude exe mudança que tem tide nesse planeta se té inda mãe dês ta continuá ta existi na nôs terra?!... Mãe de pobreza, ma mãe de grande riqueza de espirte na solidariedade prop de tude mãe de Cab Verd que nô convivê e conchê naquel tempe!... Mãe sempre Mãe!!!

Pa nôs menine de terra daquel época, pamode quel educaçon que nô tive e c’aquel espirte limitode d’insular que nô tinha, tude gente nesse munde pa nôs era bom e ca tinha gente mau!...

Ma, inda bem que tive quel mei de Baía de Porte Grande que dá tcheu fidje de terra chance de sei pa lorgue pal bá oiá otes terra ma otes gente, p’abril horizonte pal podia realizá na estranger e tmá fê de realidade desse Planeta Terra!... Quê pa nôs, na tude nôs inocência e dente de realidade de nôs terra Soncente, creditá quem querê, gente brónc era tude aquel que tivesse dnher e nada tinha haver que stora de côr de pele!...

Inflizmente, esse shocking realidade de diferença de côr ma raça, gente tava bem tmá fê del sô quonde nô tava cumeçá ta frequentá uns tipe de gente, ô bem ta tchegá pa exe terra piaboxe d’Europa, Merca, África etc etc… Cosa que tê tava pone problema de consciença, a ponte de nô tchegá perguntá nôs mez:

- Porquê que nô há de pertencê esse espece “animal” que Deus betá na munde e que ta dzê ser Intligente, Racional e que ta situode na TOP de cadeia alimentar por nome “’D ‘HOME” ?!...

Besote desculpame de feji um csinha desse storia, quê esse explicaçon tinha de ser(queston de feeling), quê cosa ca amdjorá em nada dês daquel tempe té data de hoje, quê quonde um ta pensá manera que cosa era um vêz e moda quel tá agora, um home ca podia fecá calode sem manifestá sê profunde tristeza!…

------------- Ma, sapatinha mar aboxe e cônte vai atraz!... Ma piqnim ta ba panhá, ma grande ta bá cercá!...

Tude esse Storia de vida de nôs rua tem que ter quel sabôr, quê el é dedicode especialmente pa tude aquês MÃE de nossa que criá nôs tude, mez s’uns tinha más q’otes, ma sempre c’aquel preocupaçon d’ensinone respeitá, partilhá tude que morabeza nôs que nôs e otes culiguinha, sem nunca fazêne senti ô notá nôs diferença c’aquel AMIZADE, PAZ, AMOR E HARMONIA na sês pureza d’alma que pa nôs sempre passá purriba de tude cosa triste desse MUNDE!!!...

Hoje em dia é prop um tristeza passá naquês rua tude baziu, rua q’um vez era sempre chei de pove de plumanhã té de note!...

Quonde um ta ba vesitá nha terra, durante tude quês dia um ta ba fecá lá um bocode na cumpainha de nha madrinha Laura ma sê rmã tia Lili, pam podê vivê ta recordá e uvi tude quês son ma barulhe dum vêz de mnine ta gritá, ta corrê, quês Mãe ta tchmá cada um naquel hora de entrá pa casa!... Madrinha Laura ma tia Lili é quês dôs unique sobrevivente daquel rua que dantes era chei de vida, côr e dum grande riqueza espiritual de movimente...

Mi lá sentode naquel mutchinha (bónc) que tia Lili pome lá na rua pam sentá, de vez inquante tava beme na mimória uns passája moda rajada, daquês grite de momente, de tude quês mnine que nô brincá e criá djunte lá na nôs rua de SanBandera ta corrê orque, ijgá tude espece de jogue sem merrinha, moda :

- quês gema, Totoi-Munzinha ma Djunga de Nha Da Luz d’Eduarde, Côrre de Nha Laura, Antone, Tlia ma Gaby de Zabel, Lili de Nha Ginha que nô butzaba que nome de Rudolfe, Lorençe Pilinha, Curuca de Nininha, Titina ma Bertole d’Nha Mari Guimar, Maria, Ilidio (Ungá) ma Manel de Nh’Antonha de Ceril, Pole ma Pirra de Nh’Antuninha, Stanislau de Briza cunchide más pa Lau (Bizen Taizen ô Staniz Briza),Nuna ma Ninina, Euriza de Nha Rosa, Amâncio de Nha Rosa Mendes, Valim Viroboi, Henrique de Nha Lorença e mute mas otes que ca ti ta beme grinhassim na mimória, ma que fecá pa sempre gravode na nôs coraçon!...

Também tinha tude quês rebera de Mantia, Mãe e Madrinha de bençon moda Nha Laura de Gaspar ma sê rmã tia Lili, Nha Rosa Mendes, Ti Da Luz d’Eduarde, Tia Nizinha Bandera, Nha Carlota Araújo, Ti Djodja de Guste Maderense, Nha Mari Guimar, Nha Ginha de Nhô Pedro Badiu, Nha Zidora ma Bia, Nh’Antonha de Ceril, Nha Djodja de SaNinclau, Nha Da Luz de Pidrim Cruz e mas e mas, não sem esquecê Nha Mãe Bia Figuera que também fazê parte de tude exe “Santa Mãe” que tude dia que Deus tem na cruz, lá na nôs rua tava rogone sô Boas-Pragas e Ônje de Nôs Guarda ma Sonte de Nôs Nome !... Cosa sagrode que nô tava ceitá c’aquel grande respeite, quê quonde no nascê nô otchal!...

Foi prop assim que nô foi criode, sempre protijide paquês oie vive na melon de Mãe que nium de nôs tava consigui escapá!... Basta qualquer mufneza, recode tava tchegá na casa primer que bô!.. Ma, ca tava estorvone continuá ta fazê nôs picardia e de vivê um vida fliz.

Assim, tude dia log cidim, menine tava juntá pa bá pa escola e datarde ora que escola tava cabá, nô ta tinha quel pressa de sei ta corrê pa casa pa ba fazê nôs cosa de escola c’ás vêz tê era fete pa camin!... Prendê rapte nôs liçon, sô pa na fim quonde tchegaba quel hora, pa nô pudesse uvi quel Mãe perguntá se cosa de escola já tava fete? C’aquel resposta de Sim Senhora que tava sei de funde de guela log cum força de matá!!!... Enton pa Mãe podia dzê fidje :

- já quê assim, cma já bô fazê tude bôs cosa de escola, agora bô podê ba brincá um csinha na rua!…

Enton, nôs rua pa brincá tava branji dês de Padaria de Matos, Praça Estrela, Rua de Matador Bêdje ma Nove, Plurim de Pexe, Praia de Bote, Rua de Praia, Rua de SanJon ma Rua de Sant’Antone também cunchide pa rua de Canecadinha despôs Rua de Matijim, Rua de Travessa de Praia, Rua de SanBandera, Rua Da Luz, Rua de Moeda, rua de Talione limite Rua de Côque..

Naquel bocadim de tempe que tava ba de cinque hora datarde tê sete hora e meia da nôte, hora que tude menine tinha que entrá pa casa, bá lavá pê ma mon, jantá, xixi, detá mode escola na dia siguinte!... Era um verdader maratona, quê no tinha d’inventá tude espece de brincadera que podia bene na cabeça pa cobri quel espace de tempe!...

Pa mucim, cma Sol inda ta estode quente era quês juguinha de futebol de bola de meia, dez trocada vinte cabada c’ás vêz nem tava cabá e tava fecá de faxon pa ote dia naquel pelada traz de Corete de Museca de Praça Estrela, lode de Corte de Tenis de Mindelo, ô enton quês juguinha rapte naquel praçinha de cemente de Nha Fina de Niclete, goitada pliça!...

Nhor’Deus!... Ô tonte topada espancode na jogue, naquês tchon de Mindelo mei areia mei calçada c’aquês unhona ma sola de pê escuode!... Era log um afronta de matá na mei daquês juguinha, suode, cansode sem lei nem rei, ondê que tude nôs vontade era d’ijgá, podê partcipá e sobretude podesse chutá quel bola….

Pa cada topada dode na tchon de jogue p’um de nôs desuriantode de dor ta esfregál, tava bem log um cumpanher chei de boa vontade ta corrê socorrene pa ijdone pará quel sangue ás vez infiode ta escuá!... Pa consolone, el tava dzêne:

- Dexam oiá moce, dexam oiá…dexam xixibe na el pal podê curti!.. Despôs el tava betone quel tirrinha fine panhode lá mez na tchon, dá el tava curá!!!... E dvera dvera, quel tirrinha tava fazê milagre!...

Ô enton, também tinha mar pa soluçon e ás vez era dá de sola pa mar, bá lavá quel pê de topada o que talvez foi sem nô sabê um amdjor soluçon pa nôs tude!... Quê pa sorte cosa que tive ê que nunca nium de nôs morrê de teta (tétano), na mei de tude quês risque inocente que nô tchegá corrê. Queston de sorte?... Talvez?! Deus ê que tava gordá cada fidje de parida!!!...

As vêz também quonde bola de meia tava faltone tava usode bexiga de porc na nôs juguinha té el frá!... Ma, tinha otes divertimente moda jogue de Pica-Pau c’aquel roda fete que giz na tchon mas o menes cum metre de diâmetre e quel taca grande de pau dum metre que tava pegode na mon, e quel puntinha de pau duns dez centimetre bem labrode naquês dôs ponta…

Tava rancode quel jogue dente daquel roda de giz, cum tacada forte bem certode naquel puntinha de pau betode pu’ar, despôs gente tava cuntinuá ta ijgál sempre naquel ritme de dá tacada naquel puntinha de pau, pa bá ta leval mas longe que jogador pudesse e n’era pel falhaba sê tacada!... E quonde um jogador tava guentá tcheu tempe ta ijgal sem perdê, nôs menine pa galantaria nô tava tchmal era dá “BEBEBA” !

Ma também ora que tava falhode quel tacada naquel puntinha de pau tava pirdide e lá log ote cumpanher é que tava tmá mon de jogue e cumeçá ta ijgá que tude gente pa trás ta siguil tê el perdê sê mon de jogue, pa ote podia ijgá. Era um verdader obra d’arte pa manobrá quel pauzim naquel juguinha que tude nôs tava gostá d’ijgá e que pudia durá tcheu tempe se bô era hablidose!...

Despos tava ijgode Rudiada-Pau, quê moda basebol mercone, trada tacada que mon cru nuns bolinha de meia fete pa nôs mez!... Jogue que era bastante nimode e tava tem tcheu assitência sobretude pa bá oiás “sucará um ijgador na boca de tac”,fazel perdê jogada! Uns era sucarode na boca de tac pultada quel bola log lá mez na rancar de tacada ô enton, pultada quel bola de longe e rufenal que força pal espancaba naquel ijgador inda na corrida... Se bola dass na el, el tava perdê!....

De nutinha era currida rudiada rua pa desafiu entre nôs ma menines d’otes rua! N’exe currida o que era bnite d’oiá e sinti era quonde nô tava somá ta bem na nôs rua, um ta bem derriba ote ta bem deboxe que tude nôs culiguinha ta gritone nôs nome pa no pudia dá quel best e esforçá pa tchegasse primer na meta pa gloria de nôs rua...

Nôs era tude piqnim, ma naquel hora nô tava sinti grande, sobretude quonde no tava ganhá contra mnines d’otes rua.

Também tava brincode otes brincadera moda“stickout ô hands up” imitada quês fîlme de cowboy d’Eden-Park que nô tava uvi contá pa quês moce mas bedje de nôs rua. Tava brincode sporte ma bandide, mangatchada ondê que tava trode sorte cantada quel :

- um dó li tá é de mendá o senhor calorêto... um dó li tá!… ô duna duna.. trina... Se conta caíba na bô?!... Bô é que tinha de bá corrê pa panhasse tude gente!..

Tava fazide também currida de barata dente daquês caxa de papelon, ganhada pon de trança que mel dá lá de rua de Matijim, na Dminga badia que sês dede suje de sirê quel tava usá pa frá gente quel bróc na pon trança pal podia betá quel caniquinha de cinque toston de mel prop sabim que tava fazê ligria de tude menine e tude nôs tava gostá !

E cabá, Dminga o que tava fazê tude mnine gostá del é que na tempe de exame, ela tava bá ta betá gente quel cinque decilitre de mel de cana d’açucra binde de SanAnton, naquel bróc quel ta tinha fete nôs na nôs pon de trança e el tava bá ta correne mon na cabeça, cada um sê vez ta rogone boas pragas pa exame podia corrêne tude drete!... Enton, cma ela também era Mãe, ela tava pô ta rezone quel refron já cunchide de nôs tude, chei de Morabeza:

- Minino!... Deus ta bençuau, ta dau um bom ciência na ideia, pa bu podê passa bu exami lebi e Anjo di Bu Guarda Santo di Bu Nomi ta companhau sempre!..

Cma jal sabia que dentre de nôs mez nô tava fecá tude contente, assim nô tava torná voltá sempre pa bem comprá na el!...

Nôs sempre na depressa ta bescá que fazê pa brincadera que note sempre ta vançá!... Enton na escure era hora que pirraça tava começá, nô tava sei que nôs grupim ta tocá na sineta de casa de gente... ô ás vez no tava fingi brigá nôs que nôs cum pau borrode na cáca de actchorre já pronte pa quês curiose que tava juntá pa bem parti ô sisti guerra!... Lá, nô tava estendês quel pau e pedis pas pegone na el!... E, quonde pessoa tava estode bem pegode, nô tava puxás quel pau de mon que força, dá ês tava fecá que mon tude suje de cáca de ctchorre e nôs, nô tava trá log que pê na vente!...

Ma as vêz loreta tava sentone pele, quê quonde era gente que tava conchene ês tava bá log fazê quixume na casa, mode nôs, que tá ta tinha curride!...

Assim cma recode a ta tinha tchegode primer, nôs quonde nô tava tchegá na casa, Mãe tava lombardone corpe daquel lote de três perna que tude ês ta tinha espundrode na parede num pregue de casa, sempre pronte pa trabaiá. Quês lote lassim era especialidade de sapataria de Nhô Raimundim de Rua da Luz!...

Pa quês mnininha, brincadera na tempe de calor sobretude naquês note de luar bnite prop de nôs Mindelo era roda roda cinque cantin, ondê quês tava rancá sempre c’aquel data de cantiguinha moda:

- sapatinho delicá…licá…licá…ôdju pa cêu…olal…olal!… Ô enton ês tava pô ta ijgá ringue, brincá putim, dá d’azête sentode naquês bónc cumpride pa betá cumpanher fora, fazê mûntim de catchorre, coitode de quem tava fecá por boxe etc…Cosa que nôs mucim nô tava cumpanhá e partecipá também!

Ma daquês brincadera que tude menine tava gostá más e q’ás vez, té gente grande tava brincal ma nôs era Trividinha é quel em que bô tinha fazê atençon e ser rapte na resposta... Enton, um de nôs tava rancá c’aquel refron que era assim :

- Trividinha ê quel que entrá na casa de nhô padre robar um pê de mejêricão, padre fri um?... Pa depressa, bô tinha que respondê assim se bô é que era nº 1 e rapte de munde: - Nosse tal!... Ês tava perguntobe... Pusquê?... Bô tava dzê... Tupa!... Padre fri dôs e nº 2 tinha que pegá e respondê mesma cosa e bá ta passá pa nº3 etc... Se bô perdê, bô tava bá pa robe de fila e torná cumeçá etc etc...

Despos de tude exe activdade e já na luzc-fusc ta cambá pa note scure, nôs tude já cansôde ta oiá hora de bá pa casa ta bem ta tchegá, ma sempre c’aquel graça de fecá na rua mas um csinha ma nôs cumpanher!

Sobretude era quel hora mas sabe que nôs tude já um bocode cansode tava juntá, pa bá uvisse quês moce ma mnina mas bêdje de nôs rua, contador ma contadera de Stora.. Stora... Fortuna de Céu Amen... sabim, moda Pole ma Pira de Nh’Antuninha ô Uriza de Nha Djodja de SaNinclau que tinha quel dom de juntá nôs tude, mez quês mas regaçode, na volta dês num silence pa basse btá nôs sô quês Sturinha sabim de encantá mnine, num mistura de mede ma curiosidade trançode c’aquel munde de sonhe, prop de nôs idade !…

Enton ês tava sentá nas calmas naquês praçinha de cemente de nôs rua que nôs tude rudiode na sês pê, ta uvis ta bá ta btá quês Stora de Ti Lobe ma Ti Ganga... Ove Cum Cmê Cum Ca Bibê, Chibim, Jon Que Non Tem Mede ma Jon Pulpinha, Capotona, Canilinha, Mîdim ma Medon, Quel Home Di Tchapeu di Panamá e mas e mas Sturinha que nunca tava cabá!… E nôs tude tava gostá mez se jás tivesse el contode dez vez!!!...

Pa ca pelaba oie, moda tradiçon tava mandá, Stora era contode sô de nutinha ora que Sol cambá!... E tude ês tava começá pa quel tradicional Stora Stora Fortuna de Céu Amen que ma piqnim ta bá panhá e ma grande ta bá cercá!...

E nôs, nô tava entrá pa casa que cabicinha chei de sônhe prop de menine, ás vez sem uvi fim de Stora!... Quê hora de fim de brincadera tava tchegá e ês tava done quel bom grite pa entrá pa casa!.... O que era log um chatisse, sem quel Stora cabá, o que tava fazê nôs tude mal!...

Quê hora d’entrá pa casa era sagrode pa tude menine de nôs rua e sem rabica. Assim, na dia siguinte tinha de fecode ta sperá de note fetchá, pa cumpanher podia cabá de conto-ne reste daquel Stora que nô ca ta tinha uvide sê fim de vespera e que tava interesso-ne tcheu!...

Ma lá já ca tinha ramisson, log que nôs Mãe tava pô ta gritone buquinha da note, já nô sabia cma era sete hora e mêia, hora sagrôde d’entrá pa casa e nôs tude juntim, ma cada um pa sê ponta ta sigui quel movimente num obediença que tinha ALMA BEM GRANDE!...

Honra pa tude quês Mãe de terra que sube betá cuidode na nôs, ijdone criá e que sube transmiti-ne, ás vez mute dês sem sabê lê, um sem numbre importante de valor moral que nôs, sempre na nôs humildade sube respeitá e procurá bá ta passá mensája!...

Mez quonde ês tava done quel fala e que nô tava fecá xatiode ta tchiá que graça de fecá mas um csinha na rua, ma sempre na respeite de menine pa gente grande, nô tava entrá dritim pa casa sem gaguejá, nem espiá pa trás, quê nô sabia cma era pa nôs bem e que naquel ote dia... era dia de ESCOLA!…

Zizim Figuera ( José Figueira,jùnior )

V O L T A R


Comentário:

Obrigado Z.Figueira por esse magnífico recuo no tempo cheio de lembranças para onde me deixei volotariosamente transpotar com grande alegria e emoção. Excelente homenagem não ás nossas mães como á todas as mães de Cabo Verde. Força para continuares e áté domingo próximo. Abraços Piduca

Pedro Silva Santos      piduca.ssantos@verizon.net


Comentário:

Oi Zizim, Hoje essa estória já me fez chorar de saudades daquele tempo que soubeste tão bem representar aí. Isso realmente representa aquela infância que tivemos apesar da nossa pobreza. Na minha rua nunca ninguém passou fome graças aquele "BALAIM" de solidariedade das mães para as mães.Adorei e mais não vou dizer porque estou ainda pensando.Obrigado e um abração meu e da nossa pequena malta. Terencio

Terencio Lopes      terencio.lopes@yahoo.com.au


Comentário:

Sr.Zizim,Como disse a minha mãezinha, só quem não viveu a vida dessa maneira é que pode ficar indiferente.Depois das suas explicações compreendi ainda melhor aquela maneira de viver que não conheci mas pareceu-me mesmo bem! Muito tenho aprandido consigo e suas ricas crónicas Um beijinho nosso Suelly

Suelly Fonseca      suellyfonseca17@gmail.com


Comentário:

Acordei, li e convenci-me desta merecida homenagem ás nossas mães porque como se diz na terra "mãe é um carre sen osse" e é bem verdade.Tocaste-me num ponto sinceramente nevrálgico porque chorei de pensar.Bom domingo Joanita

Joanita Rodrigues       joanita.rodrigues@hotmail.it


Comentário:

Hi My Brother Zizim, Ulim li só pam dzebe cma jam passal na "print" pa leitura de más log lá n'Associãção.Um gostá tcheu desse homenaja merecida pa nôs mãe. Ubrigada e Deus que bô. Bijin Yo

Yolanda Dias      yoldias@aol.com


Comentário:

Amigo Zizim, Valeu a pena esta crónica sobre as mães de Cabo Verde. GOSTEI Abs Felipa

Filipa Cosmos filipa.cosmos@hotmail.com


Comentário:

Há muito que não apareci mas todos os domingos leio fiélmente todas as tuas crónicas sempre com aquele mesmo entusiasmo cá no Liberal Online, meu caro Zizim.Como esta tocou-me especialmente por ter sido criado numa aldeia de gente pobre mas solidária em que as mães tinham apeasr de tudo um papel importante na nossa sociedade, assim acho que dado ás circunstâncias a ´história se repete algures.Os meus parabens.Um abraço Noel


Noel Pacheco       noel.pacheco@netcabo.pt


Comentário:

Olá Zé, Parabens pa esse storia tão bnite! Um braçona e votos dum bom dmingue Ajveracruz

Antonio J.Veracruz       Ajveracruz@sapo.pt


Comentário:

Dear Zizim, You made my day, cum sturinha tão sabim desse.Basta li na casa tude gente fecá só ta falá chei de sodade de nôs mãe daquel bom tempe que já ca ta bem más. Deus dobe vida ma saúde sempre. Um braça bem pertode de mi ma Lorenço. Stella


Stella Lopes       stella.lopes@verizon.com


Comentário:

Caro (irmao das comunidades)Mais uma bela e rica estoria da nossa terra,que tu nos traz ,neste fim de semana. Na verdade a influência de uma mai ,na educaçao de um filho( cabo-verdiano) ,naquele tempo ,era primordial . Na nossa terra ,nos tempos idos,os filhos se sentiam mais proximo de uma mai ,em relaçao ao pai ;era na verdade uma relaçao bem previlegiada ,o que nòs chamàmos -até agora -uma EDUCACAO CASEIRA e aì daquele que nao respeitasse uma pessoa mais velha!... Ainda hoje em discussioes entre duas pessoas,raras vezes nao se empregam esta frase ,-BO CATEM EDUCACAO CASEIRA - ,o que quer dizer ,que se trata de uma educaçao importante ,na vida de uma criânça . Que o arquivo da tua memoria,esteja sempre (fresquinha)para continuar a nos fornecer ,todos os fins de semana ,belas estorias ,como esta . Teu irmao das comunidades;(Um criol na Frânça!..Morgadinho !..

Joaquim ALMEIDA       soalmeida@free.fr


Comentário:

Sim senhor! Amigo Zizim, Adorei imenso esta sublima crónica das mães bem merecida.Um beijão Lutchinha

Maria de Lourdes Pimenta     lutcinhapimenta15@hotmail.com


Comentário:

Broda, boa tarde de domingo. Tendo já comentado esta estória nas primeiras publicações, reafirmo o que venho dizendo sobre o contínuo aperfeiçoamento da tua escrita em crioulo e o valor destas memórias que vêm sendo divulgadas para nosso deleite. Anseio pelo livro, mas também pelo CD que terá um sabor especial por transmitir as estórias em linguagem falada. Deus te pague! Aquele abraço amigo.

Adriano Miranda Lima      amlima43@gmail.com


Comentário:

Gostei muito desta crónica que me fez recuar no tempo com muita saudade onde havia respeito , amor e carinho para com a nossa mãe . Hoje em dia tudo mudou salvo rara excepção . Muito obrigada por ter trazido esse tema . Como sempre desejo- lhe muita saúde e força para continuar . Até domingo , um abraço , Gaby

Gabriela Amado Silva          gabybamado@hotmail.com


Comentário:

Não me canso de ler as tuas estórias com a mesma admiração de sempre pela maneira como relatas com tanta vida e realidade as coisas passadas da nossa terra S.Vicente.~Boa continuação nesta excelente obra que nos agrada muito nesta Diáspora.Um abraço Manuela

Manuela Fortes          manuelafortes33@aol.com


Comentário:

Gostei imenso da estória e também da escrita que está cada vez mais aperfeiçoada. Parabens ao autor e muita saude e força para continuar. Grande abraço Anildo

Anildo Sousa       anildo.sousa@hotmail.com


Comentário:

Parabens Zè,com este contes, demostra que qeu a tua memoria, continua em boas condições; lembranças de nomes muita gente não se lembra, assim desta maneira, esses nomes vão ficar para sempre, que contina com a recuperação, para não cairmos n esquecimente. Daqui vaie aquel abraço amigo de infancia. Januàrio

Januàrio M.Soares        jmsoares@casema.nl


Comentário:

Parabéns "Zizim" por mais esta bela estória da nossa querida terrinha. A forma como tens vindo a aperfeiçoar a escrita da nossa língua aponta um caminho que devemos seguir e o resto compete aos linguístas. É preciso combater o "Alupec" inventado por uns pseudo-intelectuais da nossa praça e aí estás tu, todos os domingos, a dar a tua valiosa contribuição. Um abraço

Pedro V      pedro@hotmail.com

V O L T A R