PA NININA CA TIVE PENICILINA...

Ninina, escurinha de goste e odju preto d’uva maduro, fidja de Nha Nina e irmã de Nuna ( familia de letra N ) moda nô tava tchmás, era daquês mnininha de nôs rua de Sà de Bandera, c’sês grande argola pindide n’oreia tava cabá de vral más bnitinha, incanto’n e pô nôs tude dode n’ela.

Deboxe de sê pobreza, sempre limpinha na sê bestidim fluride de ramaja, tava bem tude dia da tarde daquel escola de prendê fazê renda na casa de Dona Maria Amélia Miranda, lá na rua de Matijim ô de Sant’Antone. Escola qu’era de graça pa quem queris e ondê que tcheu mnininha, depôs de sês quarta classe, moda nha mãe e otes, incontrá sês flecidade de cuntinuá ta ser útil na sociedade.

Nôs, na época rapazim de nôs nove pa dez one, era tude paixonode pa Ninina, qu’era já menina de sês dezasseis pa dessasete one. Nada arisca, de bom coraçon, sem vaidade, ela tava custumá pará e falá ma tude nôs e, quonde ela tava corrê um de nôs mon na cabeça ô na cara, era log motive pa galantaria ma bajofaria na mei de malta.

Diferente dum ote bnitinha de nôs rua, por nome de Bilinha, que tinha um medonha de sê mãe, que tava estode sempre na janela ta goital e ca tava dexal nem falá ma nium rapaz , nem ma nôs.

Assim, log qu’ela tava somá ta bem d’escola e entrá na nôs rua, ela tava trá uns pé de carrera sô pal podia entraba na casa sem dexá nium de nôs tchegá perte dela.

Nuna (Honório), sê irmon más bedje, tinha ranjode um trabaim de verificador n’Alfândega que n’era mute bem pogue. Ma, c’aquês renda bnite que Ninina prendê fazê, pô na goma e tava dá cumpade Franguinha pa vendê na borde, nha Nina ma sês fidje tava ta bai ta escativá vida moda tude criston de nôs rua, cada um na sê tonte!

Enton, bem contecê que Juvine de Nh’Antonha Rique Sena, vezim de Ninina, também grande amigue de Clube Sportiv Mindelense e fundador de grupe “Júnior”, que tava fazê bons desfile pa Carnaval dum vez na Soncente, bem panhá Ninina e pol na sês grupe.

Basta Ninina vrá log dama prefirida de tude quês baim na Castilho, Amarante e otes sala de boie de nôs terra, c’um monzada de moce pa trás dela, ma ela sempre fiel a sê grande amor, Felicione de Nha Nené de Talione, que também era menine de nôs rua e de quem tude nôs tinha ciúmes.

Num daquês note calorente de Mindelo, lá bai nôs Ninina pa más um boie de grupe “Júnior”, cumpanhode pa sê tchutche Felicione, que n’era de grupe ma Nha Nina tinha cunfiança pa intregal sê fidja fema e dexal leval e ba bescal na boie. Por uns dôs vez, dzide cma el tchegá de brigá dode de soc pa descorajá uns paixonode de sê tchutcha Ninina.

Esse famose boie na Grémio Sportiv Castilho tinha mesa sirvide sem merrinha de salgadim, croquete ma pastel, sandwich fete de pon de forma ma quês ponzinha recomendode na padaria de Nho Anter na rua de João Machado e canalim de Telégrafe, c’bibida de tude espece, não sem esquecê quel pontche ma quel cocktail de fruta fete pa Nh’Armandin Duval de quiosque de Praça Nova e pa completá quel mesa, um tchuquim assode cum maçã verd de San Anton puste na boca.

Note tava quente, pove tava sabe de munde, tude na descontra, ta bibê e ta cmê pa descontá sês denher. Dama ca tava pagá nada, quê pa ês entrada era de graça. Ninina, fidje de pobreza de nôs rua, pa ela quês boie era importante, quê não sô ela tava cmê bem cmide tcheu cosa qu’ela ca tava otchá perte de mon na casa, cma também ela tava trazê sê mãe ma sê irmunzim Nuna sempre um cusinha pa casa, que tava ba ta sirvis uns dia pas basse ta cmê.

Na mei daquel sabura de boie, ta bibê cosa fresc, sô ta entrá ta sei de sala pa bem tmá fresc na rua, Ninina bem sinti um mal, dal um cosa, el quei na tchon e pove bem log socorrel. Felicione também tava lá na rua, ês cambá Spital qu’ela. Marê Roque ê qu’era infermera de sirvice, log el dzê pove cma ela tinha mede que fosse um “tísica galopante”, ma pa esperaba decison de dator.

Dator Mirandinha bem ta tchegá, ma já Marê Roque tinha dode Ninina um sualfatiozol, que na épca era daquês ramede, p’uvi dzê, más importante de nôs terra. E, que más uns calmante de dator, Ninina bem cunsigui cordá pa ligria de tude gente.

Nôs, nô bem tive nuvidade daquel situaçon de Ninina sô na dia siguinte log cidin e tcheu de nôs ca ba pa escola sem bai spial. Cuitadinha, no otchal já cum cara tude diferente, daquel carinha bnitinha d’seu que nô tava custumode oial.

Tude ta tossê, tossê, torná tossê sem pará. Nha Da Luz d’Eduarde, vezinha e santa amdjer, amigue de nôs tude, ba log fazel um xarope de agrion (ramede de terra) que cunsigui calmá Ninina bastante c’aquel tosse.

Naquel tempe, ramede bom era bem poque, felizmente que tcheu doença era curode c’ramede de terra ma seleçon natural. Pa um consulta na Spital, tinha que bode cede pa pô na bicha e pudesse panhá numbre. Cosa que tcheu vez era bem dificil tchegá na el. Consulta particular era sô pa gente que tinha dnher.

Dator Daniel, qu’era um bom dator na época, home de coraçon grande, tava custumá dá consulta pa indigente tude quarta ma sexta-fera, de graça, c’entrada pa sê porton na rua de Papa Fria. E tava custumá recebê vinte escude na gente que tinha com quem, o que tava representá um fortuna, quê um litre de midje era quate toston e um pon de midje era dôs toston.

Situaçon de Ninina tava cada vez ta piorá, enton fui fete um coleta lá na nôs rua pa quês mãe, cosa que tude gente partecipá. Tê nôs nô sacrificá nôs cinque toston de semana p’amor de Ninina. Assim, ela fui levode pa dator pa consulta pagode, cosa que Dator Daniel ca queris nem recebê mode situaçon de pobreza de nha Nina, quel sube pa sê impregada.

Despôs de rai-X, um diagnoste bem triste caí de boca de Dator Daniel, que dzê log cma Ninina tava “TUBERCULOSA”. Cosa que fui um abole, trançode dum grande tristeza pa tude gente de nôs rua. Ninina fui log isolode naquel casa de Friza, na nôs rua ondê quês tava morá, pa orda de dator, moda era custume, pa tude criatura daquel triste doença na época.

Sê mãe, Nha Nina, ma Nuna, sê irmon, mudá de casa lá mesme e fecá sempre ta prestal assistênça, ma sempre c’mute cuidode ta sigui orda de dator Daniel. Era lavá prote na ága firvide e tude cosa que ela tava usá ô pô mon era sempre notode, pa ninguém ca tocaba mon na el, e puste à parte pa ser quemode más tarde lá pa tchada de Rebera de Vinha.

Nôs enton, nô fui tude proibide de tchegá perte dela, cosa que marco’n tcheu tê data d’ahoje. Ma Ninina, menininha querida de nôs zona, na mei de sê tormente sem esperança de nada, passá ta tem um boa assistênça de pove de nôs rua, que deboxe de tude sês pobreza tava ta dá sês best, siguide sempre dum grande esperança d’oial otchá amdjor, quê alvicera dum tal ramede já tinha tchegode na Soncente na jornal inglês Times (ones 49/50) ma que té inda na terra pove ca sabia sê nome.

Tude dia que Deus tem na cruz, nunca tava faltá Ninina quel três refeiçon por dia, quê tava bá longode ela fruta, café, almoce, jantar, xarope d’agrion e quel sangue de boi quente c’tude doente de doença fraca tava ba bibê lá na Matador pa dás força e, que Nuna tude dia tava ba bescal e trazel ta suquedí pal ca cuagulaba e Ninina podia bibel inda quente fresc.

No intante, bem contecê que fidje de cônsul inglês Alerton, que também era chefe de Cumpainha Millers & Corys, tinha panhode quel doença, depôs dum currente d’ar c’um tosse moda quel de Ninina.

El fui internode na Spital inglês e cma cosa ca tava t’amdjorá, log fui telefonode pa Londres pa dasse expediente urgente pa esse tal ramede. Dôs dia depôs, tude gente tava espantode, quê foi fastode e linhode pa más longe, na Baía de Porte Grande, tude quês lantcha baziu de carregá carvon que tava stode fundiode perte de Praia de Bote ma cais de Nacional, pa fazeba lugar pa esse tal HIDROAVIÃO inglês ( foto li junte ), que alvicera já tava ta corrê pa tude tchon de Soncente del que tava ta bem aterrá na mar, pa bem trazê PENICILINA pa primer vez na nôs terra.

 

Na época, efeite de tal ramede, moda tava falode na boca de pove, sem sabê, tava já ta fazê milagre na munde inter. Esperança, n’uvi dzê, nascê moda na tude criston donte, de cara de nôs Ninina, ma...

Hidroavião fazê sê “kisslanding”na mar de Baía de Porte Grande, que sê dose de PENICILINA pa fidje de consul inglês, pa dez hora de plumanhã e ba fecá lá perte de Praia de Bote, ondê que pove juntá pa curiusidade. Penicilina desimbarcode, levode pa Spital d’inglês, c’hidroavião sebide no ar, foi one time.

Penicilina só bem parcê na Soncente na ones 50, quonde Dator cumeçá ta fazê quês operaçon de cesariana ma pendecite na Spital.

Dr. Daniel, qu’era dator de inglês, bai fazê sê traboie, injectá Clife, fidje de cônsul, quel penicilina e el, bem limentode, ba ta otchá bom poc a poc daquel infecção pulmonar quel tinha panhode, na space duns semana.

Uns tempe despôs, moda impregada bem contá, Dr. Daniel fecaba uns dia bem triste sô ta pensá na injustiça de Munde e na sê doente Ninina quel podia ter salvode c’aquel PENICILINA também, ma que dose fui sô pa fidje de consul.

Enton um dia, sentode na mesa na hora d’almoce, dal um crise de raiba ta pensá naquel situaçon, el vrá pa Guida sê impregada el dzel:

- Ó, que rima bem triste, menina!

Guida, vrá dzel colê?!

El respondêl:

- Ê QUE PA NININA, CA TIVE PENICILINA!!!


Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V O L T A R



Comentário:

Oi Nha Broda Zizim, Essa estória é bastante interessante e comovente. Pois me lembro da familia de Nha Nina Sotero Coelho e dos filhos Nuna e Ninina. Realmente ela muito sofreu com a tuberculose que na época não era muito bem tratada no nosso país Cabo Verde. Quantos não foram victimas. Me lembro de todo o carinho e morabeza da gente da nossa rua de Sá da Bandeira e outras ruas limitrofes que vinham dar o seu contributo para apaziguar a familia e em especial a Ninina.Me lembro do tal hidrovião pois também fui á Praia de Bote vê-lo. Eramos todos garotos mas são coisas que marcam por toda a vida. Pena o Liberal não ter posto a foto do avião que é muito importante ali. Bem hajas! Obrigado por mais esta linda crónica. Saude sempre. Abraços Terencio

Terencio Lopes                     terenciolopes@yahoo.com.au


Comentário:

Many thanks Liberal online! Por terem colocado esta foto que é bastante elucidativa. Um abraço daquei de Sidney-Auatralia a todos. Bom domingo Terencio

Terencio Lopes                 terenciolopes@yahoo.com.au


Comentário:

Caro amigo e Sr Zizim, Continuo dizendo que a sua memória tem algo de fantastico. Pois os meus pais confirmam me praticamente todas as suas estórias. Gostei imenso dessa que é bastante comovente e nos toca aos mais profundo dos nossos afectos. A mãe conhecia muito bem Nha Nina e os filhose toda a estória.Pean não ter havido penicilina suficiente para Ninina. Que a Força seja consigo e bom domingo. Um abraço Gilda

Gilda Barbosa Leite                 gildableite@gmail.com


Comentário:

Grande estória muito bem relatada e com o hidrvião em foto apoiando. Genial. Claro que me lembro de tudo isso. Bravo Zizim! Um abração Lela

Manuel Martins              mmartins40@hotmail.com


Comentário:

Passamos a leitura e toda gente soube apreciar. Fiz mais 30 edições hoje no print porque tem havido mais gente a vir cá na associação nos fazer companhia e adoram as tuas estórias. Bom domingo e um abraço Yo

Yolanda Dias                yoldias@aol.com


Comentário:

Amigo Zé, Continuas batendo record de memória. Acredita que com essa estória fizeste-me reviver coisas que já me tinha esquecido completamente e portanto morava aí na rua Da Luz perto do Vicente de Nha Néné. Calro que me lembro do meu amigo Nuna e sua familia. Foi uma triste saga aquela da Ninina. Continua nos relembrando porque recordar é viver. Um abração Toi

Antonio Teodorico Estevão             anteodoestevao@yahoo.com


Comentário:

Uma estoria muito bem elaborada num crioulo São Vicentino bem castiço. Não cheguei a conhecer os personagens mas partilho do sentimento de todos e do Dr Daniel que tambem não conheci. Mas o que inetresa é o conteúdo que está mesmo bonzinho. Parabens! Um abraço Lelis

Itelvina Lelis                      itellelis@live.com


Comentário:

'M gostá tcheu desse storia e el ta escrite num bom criol de Soncente.Braça Aurora

Aurora da Cruz                     auroradacruz@yahoo.com.br


Comentário:

Oi broda Zizim, mas um storia sabim e c'mute interesse pa mi. Mi qu'sei de nôs terrra cedo, tude ês sturinhas ta permetime lembra tude nha infancia, quês boî que quês grupe tava preparâ sempre qu'tocadores quês mninhas que devez en quando un tava dâ un rabada doi pâ aprecia ques bnitinhas de nôs terra.Inflizmente Ninina num boi daquês ca tive sorte tem fim, quê pa el ca tive PENICILINA. Um grande abraço do sempre fixe Manou

Manu Cardoso                         manu.cardoso@gmail.com


Comentário:

Zizim, Há muito que não apareci mas estou sempre atenta ás tuas estorias que são ricas e lindas.Gostei imenso dessa.Vai daí um grande abraço Silvia

Silvia Lopes                           silvialopes@netcabo.pt


Comentário:

Zizim Figuera, mais uma vez PARABÉNS! Admiro essa tua capacidade em ter retido tanto da vivência mindelense. E nós somos uns priveligiados por partilhares connosco. Ao mesmo tempo perpetuas esses momentos da história social da nossa ilha.OBRIGADA!!!

MaguyAlfama Fragoso                      maguyalfama@gmail.com


Comentário:

Amigo Zè istotia muito bonita e que todos que lembra quado este hidro-avião chegou no Mindelo, foi admiravel, nunca tinha visto um avião tão grande, era toda gente a correr para ver uma coisa muito bonita, a ver aquel passarão a entrar na baia de Montecara.

Januário                  jmsoares@kpnmail.nl


Comentário:

As suas crónicas são excelentes e a cada semana uma diferente mas, todas falando das vivências da nossa terra . Continua com uma memória fantástica . Muitos parabéns , saúde e boa disposição para continuar . Um abraço e até domingo , Gaby

Gabriela Amado Silva              gabybamado@hotmail.com


Comentário:

Zizim, Acabaste de fazer um relato fiél da estória da nossa Ninina de Nha Nina da nossa rua de Sá da Bandeira rimando com "penicilina" que só abrangiu o filho do Alerton infelizmente.Ver aquele hidrovião a aterrar quase perto da Praia de Bote é das coisas que dos meus olhos de criança nunca apaguei a imagem como tantos outros de nós em admiração certamente.Com muita tristeza pela Ninina! Mas recordar é viver dentro da realidade dos factos.Aquele abraço Gaspar

Gaspar Matos                gasparmatos@netcabo.pt


Comentário:

Uma estoria comovente mas muito bem escrita num crioulo bem nosso com todos os predicados e sujeitos.Estamos todos impacientes á espera da saida do livro agorag em fins de setembro como me constou.Continuas sendo o nosso baluarte tanto na forma escrita como recital de memória.Pois fizeste-me relembrar toda esta passagem da minha vida que já se encontava no mais recondito da minha memória.Bem hajas! Grande abraço Gilson

Gilson Morais               gilson.morais@hotmail.com

V O V O L T A R


Comentário:

Zizim, este espaço em que nos é permitido conversar hoje uns com os outros está a tornar-se cada vez mais apelativo e indispensável, de tal maneira que uma grande responsabilidade já pesa sobre ti, rapaz. E sobre o Valdemar e outros mais.

Espero é que a vossa memória continue a ser o mesmo poço inesgotável, assim como cada vez mais afinada a vossa arte de tocar a corda sensível das nossas recordações. Citando a rima do doutor Daniel, dizes que "PA NININA CA TIVE PENICILINA", mas bem se poderia dizer que a "NININA RIMOU TRAGICAMENTE COM A SUA POBRE SINA", que foi, ao fim e ao cabo, a sina de tantas e tantas outras criaturas que pereceram por falta de penicilina nas nossas pobres e esquecidas ilhas, depois desse antibiótico já estar a ser produzido e utilizado no mundo mais desenvolvido. Se tinhas, como dizes, 9 ou 10 anos de idade na altura, este caso aconteceu por volta de 1948 (não é assim?), quando o antibiótico já vinha, efectivamente, tratando imensa gente desde 1940, segundo penso.

Porém, talvez não tanto em Portugal, porque caso contrário não se justificaria vir um hidroavião de Inglaterra com o antibiótico para curar quem quer que fosse. Lembro-me, sim, de ter ouvido falar da amaragem desse hidroavião na nossa baía para entregar um medicamento, mas não sabia ao certo em que circunstâncias isso aconteceu ou a que pessoas se destinava o produto farmacêutico.

Na altura, eu tinha apenas 4 anos e do acontecimento só vim a saber já menino mais espigado. No entanto, bem sabemos que não era seguro que a penicilina curasse a tuberculose da Ninina, a menos que esta doença tivesse sido precedida de alguma aguda pneumonia, porque na minha juventude conheci pessoas que morreram de tuberculose e a penicilina já estava acessível ao comum dos pacientes hospitalizados, mesmo nas nossas pobres ilhas.

Apanhei uma grave pneumonia aos 6 anos e idade, em 1950, e fui tratado no hospital com penicilina, após internamento. Tivesse sido 2 anos antes, não estaria hoje aqui a comentar a tua crónica, pois o mais certo teria sido sofrer a implacável sina da Ninina. Mas a tuberculose era caso mais bicudo, "conchid antigamente na nôs terra pa doença fraca".

Lembro-me de, nos começos da década de 1950, não terem resistido à tuberculose 2 jovens da minha rua, um andava nos seus 14 anos e frequentava o 4º ano do liceu, o outro já tinha passado os vinte e era funcionário no Tribunal. Anos decorridos, nos começos da década de 1960, dois vizinhos meus na mesma rua, antigos colegas da escola primária, foram também vítimas da "doença fraca" e mandados para o Caramulo para serem tratados.

Um sobreviveu e é ainda vivo, e o outro não resistiu à doença. Muita bola de trapo joguei com os dois. Antes de serem introduzidos novos processos terapêuticos, as pessoas, coitadas, não tinham outro recurso senão as mezinhas da sua fé e do seu empirismo para atacar esta terrível doença.

Mas, por mais supersticiosa devoção que tivesse nha da Luz de Eduardo pelo seu xarope de agrião, por mais esperança que se depositasse nas capacidades restauradoras dos minerais e das proteínas do sangue de boi, a tuberculose, de facto, era nos tempos de outrora doença comprometida com outras químicas, uma ameaça que apavorava.

Porém, o que mais nos comove nesta memória é o grande espírito de solidariedade que mobilizou os amigos e vizinhos da Ninina, cada um a dar tudo o que tinha e o que não tinha para não deixar murchar e desvanecer a flor que ornava aquela rua de todos.

Quero crer que esse espírito já não tem a mesma substância qualificada nos tempos actuais nessa mesma rua de Sá da Bandeira, nem a mesma força impulsionadora, o que nos faz pensar que se avançamos em progresso material recuamos todavia em riqueza de alma. É assim em todo o lado, convenhamos.

Estou convencido de que casos actuais semelhantes ao da Ninina não virão a ser mais tarde recordados com tanta dor mal sarada e com tanta veemência, pela pena de outros José Figueira do futuro.

Parece que os registos da nossa memória são hoje fustigados por inconfessáveis turbilhões que a par e passo desalojam princípios e varrem afectos e convicções, deixando-nos órfãos de nós mesmos e sem armaduras morais para o futuro.

Nestes nossos dias, chegámos à lamentável constatação que os nossos destinos são resolvidos por meras equações matemáticas, com saldos contabilísticos onde não cabe a força aglutinadora que nos devia unir para os grandes desafios planetários.

Hoje, o progresso humano confunde-se com os valores da bolsa e dilui as nossas certezas sobre um futuro mais justo para a espécie humana, daí estarmos neste momento tolhidos de perplexidade perante a derrocada do sistema financeiro do mundo, que até há pouco tempo exibia por aí uma despudorada vaidade. Não é por acaso que certas coisas acontecem, há em tudo uma relação causa-efeito disfarçada no meio de outras causas visíveis.

É por isso que podemos considerar que a pequena dimensão das nossas antigas comunidades, com o curto horizonte circular em que decorria a vida social, oferecia ao menos um privilégio: o permitir ao homem olhar para dentro de si e aí encontrar pontos de sustentação do seu próprio equilíbrio. Havia pouco que comer, o vestuário era menos variado e mais comedido, os passatempos eram dimensionados à capacidade inventiva da rua ou do bairro, mas éramos felizes e dedicados uns aos outros.

É por isso que uma profunda amargura ficou presa ao coração dos adultos e adolescentes da rua de Sá da Bandeira quando a vida da Ninina, mocinha anteriormente saudável e risonha de promessas, lhes escapou irremediavelmente por entre os amorosos dedos como a areia da praia. Pouco nos consola agora verberar o mundo incorrigivelmente injusto.

Pois se virmos bem, a cada hora que passa, casos como o da Ninina continuam nos nossos dias a acontecer com uma frequência angustiante e a uma escala catastrófica em regiões do planeta onde falta o pão e o medicamento mais elementar.

Conforme a latitude em que nascemos, o nosso destino já está sentenciado, triste realidade que o homem não consegue mudar.

Ao dois passos de mim, como sabes, Zizim, vive o Totoi Mãozinha, teu companheiro de infância na rua de Sá da Bandeira, e antigo jogador do União de Tomar primo divisionário do futebol português, cidadão que é hoje justa e honrosamente tratado como o Eusébio de Tomar.

Como tu, ele deve ter contribuído com um tostão para salvar a Ninina. Quando o vir, não deixarei de lhe falar destas vossas lembranças do passado.

Para terminar, digo que gostei de ver nesta tua crónica a menção à minha tia-avó por afinidade, Maria Amélia Miranda, casada com o meu tio-avô João Baptista Miranda.

Obrigado por tudo.

 

Adriano Miranda Lima

 

V O L T A R

Comentário:

Aqui vê-se o poder da literatura, quando reconstrói quadros do passado de modo a fazer-nos sentir as emoções vividas então, melhor do que qualquer ensaio histórico que, por norma, traçam quadros frios dos acontecimentos retirando-lhes a carga emotiva. Mas cada um no seu campo.

Eu tomei conhecimento deste caso através de Manuel Ferreira que punha em contraste o facto de estarem a morrer de fome milhares de pessoas e um avião ter realizado uma dispendiosa viagem para salvar a vida de uma só. Não que esta não merecessee ser salva, pois condenável foi não se tentar também salvar as outras vidas.

Enfim, cada escritor recria a seu modo este caso. Mas, lembre-se aqui que a penicilina foi uma "arma de guerra". Descoberta pelo inglês/escocês Fleming o seu fabrico foi mantido em segredo e o seu uso apenas para os feridos aliados.

Os alemães só tiveram acesso a este medicamento depois de serem derrotados pois cada doente que falecia no hospital era menos um soldado que os ingleses teriam de enfrentar depois.

Lógica macabra mas que foi necessária no esforço para derrotar a Alemanha Nazi e logo os ingleses não estavam na disposição de torná-la acessível a população de um país estrangeiro.

Um tubo de penicilina caído em mãos estranhas e lá se ía o segredo. Mas, felizmente, como diz o Zizim, "Streptomicina só bem parcê na Soncente na ones 50", em Vicente e em todo o Cabo Verde pois, no meu caso pessoal, veio a tempo e para a afastada ilha do Maio, onde para me salvar da "gripe asiática" o enfermeiro deu-me doses deste antibiótico que me terão salvo mas afectaram rudemente a minha audição.

A mim e as outras crianças que passaram pelo mesmo em 1958.

                                                                                                    Joman.                                           jolivei@macau.ctm.net

V O L T A R