CARPIDERA NA TRADIÇON DE NÔS TERRA

Nês cosa de morte, guarda-cabeça ma levantar d’altar de sete dia na Soncente, sempre tava parcê uns rusga manhose que sabia cma lá naquês casa de morte podia ter quel bom grogue, lorgue e sem merrinha. Enton, ês tava passá vida ta goitá ondê que tinha casa de morte, pas podia bá nimá tchore e passá pa Carpidera, moda quel Lela de Pedre Sêron, que mute gente ca sabia s’el era motche ô fema, Aimonca ma Didi Finca Pau, tude ês que mania de ser bons “tchoradera” de casa de morte


Num plumanhã log cidim de más um dia que Deus tava ta ba beto’n na Cruz, sentode naquel bonque de Pracinha d’Igreja deboxe daquel pê de bela-sombra (arve), ta trá uns últeme femaça infrontode num toque de cigorre falcão que mede del cabá, tava nós André ingraxador, más cunchide pa André de Pracinha, inda sem ba temá quel café custume pa matá jijum, lá na “Jackasse”de Nininha de Pole Tata na rua de Matijim, cumpanhode daquel catchupa c’cavala cada pratim um cruzode.

Tude sês boys também já tava lá ta conferi sês caxa moda de custume, pas podia rancaba dia ta ganhá vida e garanti mãe quel panela na lume de tude dia, lá na mei daquel rebolice de pove ta bai ta bem, ta passá pra lá na depressa d’ingraxá sapote, ma sempre d’uvide espetode no ar pas podia captá quel últeme alvícera de terra.

Ambiente prá lá, na mei daquel mancher de dia, tava prop movimentode, quê de vespra tinha tide más um note de boie de Carnaval na Cinema Éden Park e nôs Andrê já tava lá ta contá sês ventura! Quê basta tude one pa quel festa de tradiçon, sê grande prazer era besti d’amdjer!... E nem tude amdjer?!

Desfarçode de preta liza desaforada, marrode quel lence na cabeça, estile criada d’inglês dode quel laçim derriba de cabeça, de mini-saia, perna bnite dode d’azete ma xixi, só pas podia fecasse ta brilhá, vrode um boa gaja pa quem ca sabia!...

Assim, el tava consigui pô tude quês moce desufnode na boie de Carnaval ta corrê trás del! Basta tinha té que tava tchmal NHUM!!!... E, gatchode trás de sê mascrinha, el tava matá munde, quê ês era tcheu ta conquistal, ta mandá Saturnine pa dal drops, chocolate, chewing ma coca-cola e tude do quel queria lá na Bar de Cinema Éden Park, pa despôs feji e dexá más dum pa trás chei de raiba sô pal podia tem que contá na dia siguinte lá na Pracinha d’Igreja pa pô tude quel pove t’arri!

Na mei de tude quel munde de pirraça e risarada d’André ma sês stora prop de nôs terra Soncente dum vez, quê deboxe de sês popbreza de vida, stora ma partida era cosa que ca tava cabá pa contá pove pa divertil e fazel esquecê sês miséria, André tava imbalode ta contá stora del ma um boys que naquel note de boie de máscra tinha el tacode e puste el na catumba de fogue, prop dôde na el (ela) que sê cinte lorgue incarnode, bem pertode na cintura, ta dá que cadera na ritme de biguine! Assim, tude vez c’aquel boys tava ta tral pa boie tava bá ta dzel uns cosa baxim n’uvide moda:

- Hoje já bô infrontá, quê um ti ta bá pobe el é lá na N°13!

André, tude nocente, perguntal:

- É o quê, quê Nº 13, moce? Bô ta doide ?!

Boys dzel:

- Ome, lá na tupim! Já bô sabê?!.

Tude quel pove morte de rise, quê André dzê cma daquel lá nunca el tinha oiode, dá el largá quel boys na mei de sala, el escupli e sei ta corrê. E stora ca pude continuá, quê bem ta tchegá Guste Cavirinha, também um daquês mobilia carismátic de nôs terra que tava vivê sempre na descontra,‘’Grande Aventureiro”e home de sês mintirinha, natural de São Vicente moda el tava dzê na sê bom português.

“Grande Aventureiro”,nôs Guste Cavirinha, porquê?! É que sês ventura cumeçá foi quonde el só, que sê garganta, consigui ba pa Timor contratode de Chef de Carpinter, basta el ca sabia nem dá um pregue na madera… Despôs, dá lá ês mandal pa Angola, lugar ondê que sês ventura tinha cuntinuode ma, cma el cansás cabeça demás pra lá, ês mandal de volta pa sê terra Soncente de Cab Verd! Assim, el tinha tchegode de nove na terra e mute gente já ca tava nem ta lembrá del, sempre bajofe que mania de Chef, bestide sê amdjor fatim quel tinha trazide, té cabá, ma el na corpe.

André, que conchel bem, vrá dzel log lá na mei daquel pove :

- Puxa, Guste, hoje bô ta prop nice!

Guste, tude janota e sempre ta falá sê português, dzê pa André:

- Despacha-te lá, rapaaazzz, porque estou com pressa e hoje não estou muito para conversas!

Godzide, mode el que tava ta ba rapte pa Wilson, ba dá um recode!

André prepará sê caxa d’ingraxador e mandal pa pô pê na marca e, na sê manobra, el notá cma Guste tava cuns meia mute bnitim, dum marca que nunca el tinha oiode na tchon de Soncente! Enton, moda de custume, pa ca sujal sês meia, André metel quês plaina de papel carton dentre de sapote pa protegel meia, pa mode graxa ca tocal na sês meiinha quel tava que mute luxe, tric e trac ma xlicha…

Enton, el cumeçá sê traboie t’ingraxá Guste sapote tude dritim! Ma na fim, quonde el cabá cma el puxá quês plaina de sapote que mute força, bem quês carton c’aquês dôs garganta de meia e tude, quê quês cosa que tava ta passá pa meia, quel tinha poste pa inganá pove, n’era nem más nem menes que manga dum froque de sê tiu Damata quel tinha cortode e poste pa da estile que sê fatim!... Hehehe!... Quel pove, que ca tava estode ta esperá pa más log largá t’arri.

Ma nôs Guste Cavirinha, sempre latose, ca inrascá c’aquel risarada de pove, quê na vida jal tinha conchide pior na mei de tude sê munde de vintura!... El trá sês sapote lá mez na mei de tude quês gente, el torná compô sês garganta de meia bnitim dentre de sês sapatim bem ingraxode, el rancá pa Wilson ba dá quel recode…

Nha Jona Carpidera (tchoradera de casa de morte), tinha mandode Guste bá tchemá sê amigue Putche, pal besse pa casa urgente quê sê fidje tinha morride!... Basta, lá na casa na Tchã de Sumeter, já juntode moda tradiçon de terra tava mandá, já tava tude quês cmade, tude ês amdjor Carpidera de tchon de Soncente, pa bá ijdasse Nha Jona naquel tchore sintide, ritmode e cantode daquel manera só de seus, capaz de fazê ága esgritchi pa cara aboxe dum qualquer pessoa, “moda bananera na tempe das tchubas”, pa más dure quel fosse!...

Quê dvera, ser Carpidera pa conduzi tchore na casa de morte era um verdader obra d’arte, sô d’artista! E tinha quês Carpidêra de terra que marcá, prop de fama moda Nha Jona Carpidera, que nunca m´sube sê nome, Nha Mana mãe de Jon Ninclau, Nha Antonha mãe d’Orlando de Derby ma Mitchilinha, Nha Maninha de Tiofe, Nha Narcisa de Praia Branca, tude ês na maior parte de SanNinclau terra, moda storia ta contá que sempre tive amdjor Carpidera ma Partera de Cab Verd!...

Na casa de morte tava rancode sempre c’aquel tchore na ton de “Ahaaa Mansin”, na tchoradera de casa de morte sempre que tava morrê um mnine ô anjim, c’aquel lincim brónc aberte derriba de perna ta rolá, desrolá, torná rolá devagarim, sempre naquel ritme ta pará, torná começá...

Um semana antes, pai de Lulú de Gena tinha morride lá na Rebera Bote, ma cma Lulú já ca tinha mãe e el era piqnim (10 one) um daquês amdjer Carpidera parcê log pra lá de bom coraçon e, sem recebê nada, tmal conta de casa.

Carpidera, que sê bom coraçon, pô tude cosa na orda, dirigi sê tchore té pai de Lulú interrode, tude dritim. Ma despôs, ela inda fecá uns dia lorgue lá ta dirigi casa e Lulú, cma el era piqnim, cuntinuá a ca ta dzel nada.

Assim Nhanha, continuá ta fazê tude o q’ela queria lá na casa! Ma despôs, flizmente q’irmon Manel bem de Merca bem besca Lulú. Só más tarde, quonde Lulú bem vrá home grande, é quel bem comprendê e vrá ta contá tude gente quel interesse que Nhanha tive mostrode pa el, de fecá lá na casa, na morte de sê pai!…. É que sê pai tinha um lujinha e Nhanha, qu’era fraguês e tava conchê lujinha bem, sabia ondê que Pá Toi tava custumá gordá tude quês bons gruguinha, qu’ela herdá e bibê té quonde cabá e ca dexá nem um garrafunzim pa tistmunha, nem pa sê irmon Manel levá pa Merca.

Pa morte de Nhô Vitorino Bettencourt, pai de Chico, Pidrim, Pole, Bête ma Sr.Eloy, lá na sês casa ca tive problema moda na casa de Lulú, quê Nha Jona, mãe de Putche, amdjer de seriedade, ma tude sê grupe famose é que dirigi quel tchoradera e lá ca tive nada que dzê, tude corrê dritim. E pove já sabia que, log q’um pessoa que morreba na terra, ela ma sês cumpanher Carpidera de fama é quês tava mandá tchemá pa guentá quel tchore e dirigi casa naquês hora de tristeza.

Nês cosa de morte, guarda-cabeça ma levantar d’altar de sete dia na Soncente, sempre tava parcê uns rusga manhose que sabia cma lá naquês casa de morte podia ter quel bom grogue, lorgue e sem merrinha. Enton, ês tava passá vida ta goitá ondê que tinha casa de morte, pas podia bá nimá tchore e passá pa Carpidera, moda quel Lela de Pedre Sêron, que mute gente ca sabia s’el era motche ô fema, Aimonca ma Didi Finca Pau, tude ês que mania de ser bons “tchoradera” de casa de morte.

Contecê que na casa de morte de Nhô Henrique de Palha Carga, home de respeite, ondê quês tinha trazide corpe dum amigue de seu que tinha morride lá pa Calheta, Aimonca ma Lela de Pedre Seron, quonde ês oiá tonte grogue lá naquel casa, oie vrás azul dá ês resolvê sentá banca, sem dia de bá embora da lá. Enton tude ês, já moque, pô ta berrá em vez de tchorá! Era berre e más berre, que n’era tchore, n’era nada, que Nha Jona, mãe de Putche, ma sê grupe prop de Carpidera que tinha cabode tchegá, ca pude resisti d’uvi quês dôs home tonte de berrá, ês vrá mau de munde, cum raiba de matá, naquel criol funde de SanNinclau, gritode pa tude gente uvi:

- Nh’mãe?! Djoa cara dês dôs parbiça, djaz bem mas é stragone esse tchore de nossa!!!...

Done de casa, que comprendê situaçon, reagi log! El mandá dá Lela ma Aimonca más um bom grogue, despôs el fazês pô pé na mama de cadera e cambá morada, só pas ca basse quebrá quel ritme de tchore daquês Carpidera de verdade, que tinha começode ta guentá quel tchore tão bem guentode, na respeite e desconce daquel alma de Deus que tinha morride.

Ma nesse dia lissim, moda um dzê na principe de stora, era vez de ba ijdá Nha Jona Carpidera, mãe de Putche, que tinha pirdide sê nitim naquel note despôs de dia d’Entrude… Já tude quês cumpanher de sê grupe de Carpidera tava lá pronte, rancode ta guentá quel tchore, sô ta esperá Guste Cavirinha ma Putche.

Ma Guste tardá pa dá recôde, quê quonde el tchegá na Coré, qu’era camin más perte pal tchegaba na Wilson, el incontrá “bá ta bem” dum daquês guirrinha famose de rivalidade que tava custumá parcê, binde de borde de lantcha de mei de Baía dritim pa praia de Coré, tude frisquim! O que pa nada desse munde el tava negá e el ca tava ta bá dexá quel guerra passá sô sim!

Inda más qu’era Djosa Partera contra Batchinha d’Nh’Anton Batcha, mode um stora quês tive na borde. Moda de custume, lá na praia de Coré já tava quel data de gente, quê alvicera já tinha corride na praia, fete quel roda c’aquês dôs home na mei, ta esperá Djosa Partera, que ninguém tava pensá podê sotal mode quel peitaça e força dum home que tava valê pa quate! Tude quel pove tava intrigode, ta pensá que manera que nôs Batchinha, magrim moda um fiu de linha, tava ta ba podê sotá um home moda Djosa Partera, que de certeza tava ta ba rolal moda um folhinha de papel de cigorre e metel na julbera!...

Enton, cada vez más gente ta bem ta tchegá num tenson cada vez más grande! Ma quel manhose de nôs Batchinha resolvé quel stora ‘’one time’’, na dôs minute, pa esponte de tude quel pove! El trá sê camisa, el rufená lá pa tchon, el pô Djosa posiçon de boxe el fecá ta rudial... Enton, el esperá quonde Djosa rufenal quel bom nhame (soc) c’aquês mon pesode, el esquivá, passá por boxe de broce de Djosa, abril guarda, bá ta esquá, bal na boca d’estome, dal um bom palmadinha que mon aberte e bá ta dzel assim:

- Desse vez, escapa! Ma, pa ote vez, C U I D O D E !!!

Enton Djosa, tude espantode, nem reagi nem queris creditá! Quel pove ca tive ote soluçon que fecá prá lá pa tchon tude morte de rise, ta pensá naquel pirraça de Batchinha! Basta té Putche, que inda tchegá a tempe de Wilson, cumpanhode de sê amigue Guste, inda participá daquel reste de Guerra na Coré ma também daquel risarada... Putche inda tude nocente de morte de sê fidje!...

Enton, despos de tude quel risarada, Guste devagarim ba ta calmá e tmá consciença daquel situaçon. El mandá Putche pará e uvi do quel tinha pa dzel, qu’era pa ês basse pa casa depressa quê el tinha tide um desgraça na familia! Má Guste inda faze um break e ca queris dzel más nada nem quem era! Pé na mama de cadera, ês rancá ta bai cum depressa de matá.

Quonde ês tchegá na porta de casa, lá na Tchã de Sumeter, Putche, que já tava ta bem que sê duvda na cabeça, comprendê log e tmá consciença de situaçon. Enton el entrá e quonde el oiá quel caxunzim na mei de casa, el dá um grite e lá el rancá tchorá gritode e prop desintuode:

- AH, NHA FIDJE! AH, NHA FIDJE! AH, NHA FIDJE!!!

Enton sê Mã Jona, Carpidera famosa, sinti magoada naquel manera de tchorá de Putche, ela má tude sês colega Carpidera argui, ês braçá Putche, que tava tude desconsolode sempre ta gritá, e num sô vôz, naquel bom ritme tuode, Carpidera pô cosa na lugar tude ta tchorá e ta dzê :

- Ó, Putche… Ó, Putche… Ó Putche… Calááá... calááá, quê bô ca sabê tchorááá!!!

E assim nôs Putche pude incontrá sê calma, pa felicidade de tude quês amdjor Carpidera de terra e amiga de Nha Jona, que pude cuntinuá sês tchore naquel ritme tuode de lincim bronc ora na mon, ora derriba de perna sempre ta rolá, desrolá, torná rolá, naquel cadença de tchore bastante particular prop de seus, capaz de fazê gente de tripa coraçon e entrá na ritme ma na pele de sofrimente de gente de casa! O que era um verdader obra d’arte d’expresson popular sô dês amdjer artista de valor na arte de tchorá morte por nome de CARPIDERA de tchon de nôs terra Cab Verd!

Zizim Figuera (José Figueira,jùnior)

V O L T A R


Comentário:

Espectacular,mas precisa de traducao para ALUPEC .Es e meia duzia de pessoas,mas ta assistis direito de sabe o que sta escrito li.

Pedro Cardoso                cardoso@hotmail.com


Comentário:

Bon On d 211. SPA (saud pas amor) i mas artig pa no kunsumi na oras di diskansu. Abras amig! Olisantu

antonio santiago oliveira            oliversan3@hotmail.com


Comentário:

Dear Zizim, Acabei de ler com muito grado esta tua crónica em homenagem ás nossas "Carpideiras" que também fizeram e de que maneira, parte do decoro do nosso rico folclore. Como sempre acho extraordinário as tuas "Storias de Soncente" pois elas são sempre ricas de factos que fizeram parte da minha/nossa infancia.Bravo pela tua excelente memória. Feliz Ano Novo e rijo abraço Jorge

Jorge Cleofas Martins               jcleofasmartins@gmail.com


Comentário:

HAPPY NEW YEAR soul brother Zizim, As tuas fantásticas estórias teem valido a tua importância cá no nosso meio nos USA que nem calculas. Hoje os nossos filhos são orgulhosos de terem reciclado a sua lingua cabo-verdiana através dos teus/nossos contos. Parabens e muito obrigado. Um abração Timoteo

Timoteo Pires               timoeto.pires@aol.com


Comentário:

Bravo, primo, Já bô fazê'm recordá quel nôs tempo... Olha,trabalhava em nossa casa, como engomadeira uma mulher que, quando ouvia "guisa" lá para os lados de MONTE, Dizia á minha mãe: Bocê espera um bocadim porque um ti ta bai pôs na ton ja'm ta bem!... Ela corria até Monte e lá dava o real "tom" da choradeira,regrassando depois à tarefa de engomar,com aquele ferro de engomar, que era aquecido com carvão queimado, em brasa, no interior.Também fizeste-me lembrar o velho PUCHE, COM A SUA MOTA BARULHENTA E QUE DEITAVA FUMO QUANDO ARRANCAVA.A MARCA, PARECE ME QUE ERA "cibernetye", UM BOM ANO TE DESEJO DE TODO o coração, e com muita amizade. Gui

Aguinaldo Wahnon             guiwahnon@gmail.com


Comentário:

Nh'Irmunzim, Felia Ano Novo com muita saude e vida para poderes continuar a honrar e dar-nos aquele alento de fim de semana que nos torna a Diáspora menos pesada. La vou matando saudades com tuas estorias. Esta está mesmo boa gostei. Carpidera de nôs terra era devera uns tchoradera d"arte.Longa via para todos nós. Um garde abraço nosso daqui de Sidney-Autralia. Bô broda de sempre Terencio

Terencio Lopes                     terencio.lopes@yahoo.com.au


Comentário:

Caro amigo Cardoso, Cada terra com seu uso cada roca com seu fuso! No entanto vou pedir ao Zizim para fazer um dicionário para essa meia duzia de teimosos do ALUPEK. Mas como sei que cusat muito dinheiro não sei se ele vai aceitar. Pois ele não tem apoio do Governo como teve o Manel Bega que esbajou rios de dinheiro que nada serviu para convencer o povo de Cabo Verde que é um povo lúcido e inteligente. Feliz Ano Novo para todos nós e que haja moralidade. O Zizim está excelente como está. Grande abraço Sergio

Sergio Barros                     sergio.barros@hotmail.com


Comentário:

Irmão Zizim Feliz Ano Novo, qi Deus Tchigano ôtano ^mã dia de hoji qú paz qú gosto qú alegria... Esta estória é simplesmente excelente... Forças e continua. Mantenha desde cá do exílio

Henrique De Pina Cardoso               hpcardoso@mail.telepac.pt


Comentário:

Irmão Zizim, Que o Ano de 2011 nos traga a todos uma boa alternativa para nós os deixados por conta Povo do Norte de Cabo Verde. As tuas estória continuam como sempre no Top dos Top's e agradando o teu público sem merrinha que te dedica toda amizade e apoio. Obrigado pelos teus ricos contos e felicidades abraços Zeca

José Augusto Ferreira                      jaugustoferreira@hotmail.it


Comentário:

Zizim, Feliz One Nove e já bô sabê nô ta djunte. Ubrigada pa más esse sturinha prop nice de nôs terra Soncente. ô tonte lembrança moce. Log nô ta passal na leitura pa mnines.Ubrigada e braçon tamonhe de Munde. Yo

Yolanda Dias                  yoldias@aol.com


Comentário:

SÓ QUEM NÃO CONHECEU S.VIENTE PODERÁ DEIXAR DE TESTEMUNHAR OU APRECIAR AS STORIAS DO AMIGO ZIZIM FIGUEIRA NO SEU ESTILO JORGE AMADESCO ONDE O RICO FOLCLORE DE CABO VERDE SE MISTURA COM A SUA PROPRIA CULTURA.EXEMPLO CARPIDEIRAS SÃO FOLCLORICAS E FAZEM PARTE DA NOSSA CULTURA E DO MAIS PROFUNDO DOS NOSSOS AFECTOS.BRAVO ZIZIM PELA TUA ESCRITA E POR BTODO ESTE TRABALHÃO. FELIZ ANO NOVO E RIJO ABRAÇO Guey PENSO QUE ATÉ AQUELES QUE NÃO COMPREENDEM OU DIZEM QUE NÃO GOSTAM, CÁ VEEM ESPREITAR PARA SATISFAZER A SUA CURIOSIDADE

Miguel M.Monteiro           mucimdereberabote@gmail.com


Comentário:

Sr.Zizim, As suas estorias são sempre bem-vindas nos fins de semana cá no nosso bairro, a mãe e eu passamo-las no "print" e as distribuimos para alguams pessoas que não teem internet. E agora com ja sabem todos os domingos veem perguntar se não há estória?! E o interessante que são gentes de todas as nossas Ilhas de Cabo Verde cuja a escrita é lida e compreendida sem problema algum.Feliz ano novo e um grande abraço. Suelly

Suelly Fonseca                   suellyfonseca17@gmail.com


Comentário:

Caro (irmao das comunidades) . Antes de mais ,Boas Festas ,"Boas anos",-como se costumava dizer ,naqueles tempos ,nâ nôs terra-.O colunista , Sergio Barros , tem razao , A TRADICAO ,NAO TEM TRADUCAO !... O valôr tradicional , nao se deve mexer ,porque senao deixar de ser tradicional . Como dizes e bem,CARPIDERA NA TRADICON DE NOS TERRA , é uma das facetas tradicional,que hoje tu nos apresenta , nesta pàgina electronica, fazendo-nos relembrar , a vida tradicional da nossa terra, a sua pobreza , mas humilde e que mereceu ser relembrado , neste principio do ano 2011 , mostrando a essa jovem geraçao , os costumos,a forma de viver , em nosso pais , daqueles tempos. Mais uma vez parabéns, (Irmao das comunidades), com votos de um ano novo prospero, com paz saùde e alegria , no teu lar e para todos os cabo-verdianos, dentro e fora de Cabo Verde. (Um criol na Frânça);Morgadinho !..

Joaquim ALMEIDA                    soalmeida@free.fr


Comentário:

Gostei muito . Continuação de um BOM ANO. Muitos parabéns e saúde para continuar . Um abraço ,Gaby

Gabriela Amado Silva             gabybamado@hotmail.com


Comentário:

Pa Pedro Cardoso / cardoso@hotmail.com i Sergio Barros / sergio.barros@hotmail.com: Nes epoka festivu ki nu debe promove toleransia, nhos sa ta ben instiga, sarkastikamenti, intoleransia. ----§---- Nhos sta ekivokadu: ----§---- a) Utilizadoris di alfabetu kabuverdianu (ex-ALUPEC) dja ka e poku i es sa ta aumenta tudu dia trokadu virtudis di es alfabetu. Pa konstata isu, basta navega na internet. ----§---- b) Na preanbulu di un livru di António Monteiro (intituladu “Primeiro Antologia Pessoal”, 2008), es jornalista spesializadu na akonpanhamentu di akontesimentus kultural a nivel di Redason di jornal Expresso das Ilhas i atual sub-diretor di es jornal, ta afirma ma ultimamenti livrus na nos lingua ten saidu esensialmenti skrebedu ku alfabetu kabuverdianu. ----§---- d) Es anu dja publikadu 11 livru integralmenti o parsialmenti na nos lingua i tudu es sta skrebedu ku alfabetu kabuverdianu. ----§---- e) Ka txiga nha konhesimentu ma sai, es anu, nenhun livru na nos lingua skrebedu ku alfabetu purtuges. ----§---- f) Premiu Pedro Cardoso 2009 tevi mas di 12 konkorenti (nes Premiu, livrus di es konkorentis, sugundu regulamentu, ten ki sta skrebedu na nos lingua ku alfabetu kabuverdianu). -----§---- g) Premiu Pedro Cardoso 2010 tevi, salvu eru, 8 konkorenti. ----§---- Atualmenti, siensia normalmenti ta ganha kaprixu!

Marsianu nha Ida padri Nikulau Ferera        marciano_moreira@yahoo.com


Comentário:

Caro Irmão, em primeiro um feliz Ano novo, e que tenhamos boa saude, gostei muito, e desejo que este ano continuas com esta cronicas, trazendo cada ves maies historias da nossa terra, e que nòs não sntiremos influenciado pelo ALUPEK, seja de quem for. Daqui vaie aquel abraço amigo. Januàrio.

Januàrio M.Soares             jmsoares@casema.nl


Comentário:

Uma estória bem nossa numa excelente narrativa espectacular onde o nosso eminente cronista Zizim Figueira, que não acaba de me siderar com sua memória de elefante, não só põe em evidência factos que todos nós mnines d'Soncente conheciamos mas que sempre passaram despercebidos, embora hoje reconheça grandemente a sua importância. Otimo amigo Z.Figeuira! Continua! Feliz Ano Novo e um forte abraço da nossa comunidade daqui do States-USA. Piduca Pois a sua originalidade é que não só põe em evidência

Pedro C.Fortes                pedrocfortes@aol.com


Comentário:

Sr Marsianu, Va para o Planeta Marte colonizar os Marsianus com a sua pequena familia alupekadora e deixe-nos em PAZ a nós os terrestres CABOVERDIANOS de boa vontade. Pois para 2011 não precisamos de mais lições porque estamos na Terra para aprender com quem sabe MAIS e não com quem sabe MUITO. Aliás você sabe que nunca foi convidado para esta festa nossa CABOVERDIANAMENTE CLARIDOSA. Se é inteligente espero que tenha compreendido. Sergio

Sergio Barros                sergio.barros@hotmail.com


Comentário:

Caro Sr.José Zizim Figueira,Continue relatando estas suas excelentes crónicas Pois muito tenho aprendido consigo sobre a nossa Ilha de São Vicente.Saúde e Feliz Novo Ano 2011.Grande abraço Annie

Annie Gomes                anniegomes99@gmail.com


Comentário:

Caros Compatriotas, Companheiros do Liberal Online e Amigos do Peito, Queria aproveitar essa ocasião para agradecer todo o vosso grande apoio que me deram ao longo do ano 2010 que já terminou, não só pelos vossos comentários aí deixados no nosso grande Jornal Liberal Online,como também pelos inúmeros e-mails de reconhecimento que sempre me teem enviado.Esperemos que haja uma boa e positiva alternativa para o nosso Cabo-Verde e o nosso Povo neste Novo Ano de 2011.A todos um robusto e fraterno abraço com melhores votos para 2011 e um SARAVAHHH with Peace & Love do amigo Zizim

José Figueira,junior           jfigueira@wanadoo.fr


Comentário:

Zizim, Apreciei imenso este conto onde consegui encontrar referências de gentes dos meus afectos de que nem já me lembrava.Pois no Montessussego quando morreu o meu pai me lembro bem de Nha Mana mãe de Jon Ninclau e Nha Antonha mãe d'Orlando de Derby é que foram as Carpideiras a dirigirem o choro.Aquele choro triste que toda gente chorava mesmo aqueles que nem sabiam quem tinha morrido.Defaxto eram artistas quadros integrantes do nosso folclore.Bem hajas!Feliz ano novo e um forte abraço do amigo Chico

Francisco B.èvora             chicobevora@hotmail.com


Comentário:

Sr Zizim,mim era mais m´nin que Bocê, ma um ta recordá de tudo es "Storias Mindlenses de Soncente, que Bocê, graças a Deus, tem vindo a lembrá gente, e um ta divirti tcheu e relembrá tcheu palavras daquele "Alupec" de antigamente....ma que tem um diferença...el ca era imposto. Bocê continua ta relembranu es storias sabim, pq nes diversos Alupecs de nos Ilhas, No ta intendé dritim. Feliz Ano Novo pa Bocê e Muita Saúde. M´nin de Soncente.

M´nin de Soncente              mnindesoncente@hotmail.com


Comentário:

Pa Sergio Barros / sergio.barros@hotmail.com: es e un jornal, istu e, orgon PUBLIKU di Komunikason SOSIAL. Outrusin, sima Doutor Corsino Tolentino fla nun entrevista a jornal inpresu Expresso das Ilhas, alfabetu kabuverdianu (ex-ALUPEC) dja bira un PATRIMONIU di Kabuverdianus. Asin sendu, ti ki nhos ataka alfabetu kabuverdianu nun orgon publiku, N ten dever i direitu di defende-l. I N sta determinadu pa kunpri nha dever patriotiku i pa ezerse nha direitu sidadon.

Marsianu nha Ida padri Nikulau Ferera marciano_moreira@yahoo.com

V O L T A R