CARREGADERA DE CAIS - AH, QUÊS AMDJER VALENTE

De tempe de Caniquinha, quonde té gote de Mané Jon tava ingordá na gemada e que Soncente um vez era sabe, moda ta dzide naquel refron de nôs eterne e estimode mnine de Soncente, Sérgio Frusoni, um resolve trazê bsote pa recordaçon, quê recordá é vivê, stora dês Amdjer Valente de nôs terra por nome de Carregadera de Cais.

Amdjer Valente sim, quê pa ês quel vida lassim de carregá de plumanhã té de note pa garanti quel panela na lume de tude dia n'era fácil e, na sês munde, ês tinha de ser strong, ter bom saúde pas podia tem força e guentá que coraja quês salabongue daquel vida de tude dia.

Era um época em que ca tinha camiunitim juvita, nem camiuneton, nem telifone ma televison pa destraí pove e tude carga, sobretude cmida que tava tchegá dente de soque, binde d'otes ilha ô de estranger pa Porto Grande de Soncente, era descarregode de borde de naviu ô vapor na lantcha lá fora, na mei de Baía, e despôs trazide pa terra, pa Cais d'Alfândega.

Anton, de cais pa quês Casa Comercial tude carga era sempre carregode na cabeça d'amdjer ô na zorra (instrumente de carga fête de madera qu'era puxode ta rastá, pa força de broce d'home, especialidade de Cantai ma China de Nhô Muxim Pinto).

E cabá, zorra tava levá poque carga e era usode más pa desinrascá loja quonde cmida tava estode ta esperá despache d'Alfandega e sês stock de midje, fejon, etc, tava quaz ta cabá na loja.

Quem tava segurá tude quel traboie era quês amdjer Carregadera de Cais que na época era prop um necessidade naquel munde de mon d'obra, explorode sim, ma smeme assim valorizode e respeitode na sês labuta, na conciença de tude um pove!...

Quê, na Soncente, gente sabia reconhecê quel grande traboi c'aquês amdjer valente dum vez tava prestá quel sociedade.

Um t'otchá cma falá dês nesse storia é prestás um homenaja bem merecide pa importância quês tive na desenvolvimente de nôs ilha e tude o quês fazê pa nôs terra ma nôs gente, não sem esquecê cma tcheu dês carga na cais levás sês vida!

Era um verdader espectacle tude quel movimente de carga ma gente na negoce naquês rua de Mindelo, sobretude perte de Cais d'Alfândega, dia e note ta bai ta bem, c'aquês amdjer puste sês corpe e alma naquel traboi "no stop" de carregá carga suode, cansode de soque na cabeça, tcheu dês que mnine piqnim marrode na costa além ta bai, ta trabaiá esforçode ma sempre nimode ta dá sês expediente pa garanti quel pon de cada dia!... Ma moda tude pove de munde, ês também tinha direite de vive!

Assim. despôs dum semana de traboi forçode, de tonte carregá soque ma carga de tude espece na cabeça, era normal c'aquel pove trabaiador, moda tude gente, tivesse direite de reposá na fim de semana, diverti e sparajá sês corpe!

Anton jás sabia que tude Sobde ma Dmingue de Mari Santíssema era quês boie de tcheré cadera ranjode pa Curuca ma Concha, em que orquesta era um pilha de disque tocode naquel gramophone bidjim (His Master Voice), dada corda, pa mode verdader orquesta semifusa de viola e bique naquel tempe tava saís mute core e na terra ca tinha mute.

Smeme assim, tude quel pove trabaiador tava cambá Bamba trás de Compe de Jogue ô Murrim de Cavole ba sparajá, ondê que tava dançode té plumanhã e pove tava saí dá lá dente tude brumedje de bique de pé té cabeça, quê tchon de sala de boie era de terra, quês tava custumá moiá antes de boie cumeçá!

Anton Concha, pa completá quês fim de semana, despôs de boie tava fazê quês piqnique daquês bons escabeche d'oi lorgue ô plombeta e arroz que faba, na Rebera de Julion ô na Funde de Moque, pagada quel dôs e quinhente (2$50).

Tude fim de semana, sês festa era top, bem organizode, quê ês ca tinha más pa dondê bai e era na mei daquês fistinha ma divertimente que tcheu dês tava incontrá ma cumpanher, juntá pa vivê e tem fidje!

Ma segunda-fera, ô corpe queria ô corpe ca queria, ês tinha qu'argui cidim bá betá mon na pau, pas podia ganhasse sês vida e garanti fidje quel panela na lume de tude dia...

Naquel ritme, cma tempe tava saís de poque e dvera ca tava dás pa más, mode destância de casa ondê quês tava morá.

Assim tude quês mãe de parida era obrigode de vivê naquel "Cicle de Catchupa", prop de pobreza de Soncente dum vez: seis hora da tarde, catchupa na lume c'aquel padoce de cavala ô quel barriga d'atum; trada quel colde pa jantar de note, gordada quês ingron, pa anton na dia siguinte plumanhã, volta d'onz'iora, tude gente podia cmê quel catchupa guisode cum puntinha de tucim bedje quonde el tava parcê ô cum cavalinha frite, que pa ês era café-almoce té esperá de note torná fetchá pas podia torná cmê!

Quel movimente na época de pove na traboie era bastante, quê vapor na Baía de Porto Grande de Mindelo era cosa ca tava faltá! Ês tava bem de tcheu parte de Munde descarregá midje, fejon, açúcra escura ma branca, farinha de trigue qu'era de primera necessidade e más e más cosa…

Deboxe d'orda ma rigor de Capataz Quirino de Club de Futebol Derby, tude carga tava tchegá imbalode na soque e cma ca tinha camionete pa transportal, que na época era más usode na pedrera pa carregá pedra, anton ca tinha ote ricurse senon sende cabeça d'amdjer!

Anton, dôs a dôs, uns trás d'otes, nivelode pa tamonhe que sês soque na cabeça comparode, grande que grande, piqnim que piqnim pas podia equilibrá marcha. Era más duns trinta amdjer, linhode ta bem sempre uns trás d'otes, marrode quel pone bronc na cadera pa ca abrisse corpe.

Fila tava rancá ta bem de Cais d'Alfândega, passá na porta d'antigue Compainha de Carvon Nacional, vrá pa esquerda perte de Casa Miller & Corys e log pa dreita na rua Sant'Antone, ondê que tava morrê pexe! Quê lá é quês tava proveitá pa ranjá vida pas pudia tem más um csinha pa junta naquel salário de miséria dum dia de traboi.

Na cabeça de fila, sô quês amdjer más piqnim de quaz um metre e setenta (1m70) e, pa traz, era sô quês amdjerona dum metre e noventa (1m90), tude ês de pescoce mitide na corpe mode quel pese de carga na cabeça, ta bem num ritme de posse celerode e cadência prop de seus, naquel bnite balanceá de cadera.

Era ês: Caiela Piqnim ma Armanda Franciu, Mari Curvim ma Nuna, Grogue que Ciré ma Puntinha, quel que tinha linga roste… Na mei dês, tinha um rapaz (cosa que n'era custume) por nome de Cmade Onça, bastante popular, que tava fazê par ma Constança de Momoque.

Na fim de fila, era sô quês regaçada moda Antonha de Bil, más cunchide pa Antonha Charute, Mana, quel que tava vendê cana de tchepá lá rua de Suburbana, Caiela Grande, Mari Binisse, Rosa de Conhe, Antonha de Bala e más otes dês amdjer valente que ca ti ta beme grinhassim na mimória…

Deus tava defendê cada um de caí n'armadilha de bescás guerra quê, Senhor Deus, el tava ta ba conchê suá!… Basta ês tava ba t'avisá log:

- Ei, cuidode, quê mi, mi não! Mi um pari só motche, dode dor derriba de soque lá na Spital. E nha partera foi Mari Roque!!!

Expresson que queria dzê tude e tava impô log! Quê amdjer que falaba assim daquel manera é quel tinha dode sê dor dvera el só, que joei derriba de soque na tchon, diante de Mari Roque, enfermera desaforada sem rival, ma boa enfermera que quaz na tchon de Cab Verde nunca tive igual…

E primer cosa quel tava dzê quês coitada, na mei daquel afronta, quonde ês tava estode ta tem mnine era:

- Já bô bem?! Agora uli-be li ta gritá! Porra! Ma quonde bô tava sabe, bô ca tava ta lembrá, na bô é que sabe?!!!

Ês tava recebê quel salário de miséria e ês tinha de fazê um data de volta de bai e bem, que soque na cabeça, de Cais d'Alfândega pa quês Casa Comercial, pas pudia garanti quel bolacha naquel dure dia de labuta!

Quel munde de Carregadera de Cais era na dvera um munde bem à parte, ma ês sempre naquel força de movimente de luta pa sobrevivência pas pudia ganhasse sês vida e continua ta criá sês fidje. Quês mnine marrode que pone, na costa de mãe, tava sigui de perte tude quel Escola de Vida de terra e de sês mãe…

Solidariedade era grande na sês munde! Fila na movimente, ês tava passá cumpanher soque de cabeça pa cabeça na mei de camin, pa descansaba cmade ô também pal pudia ba dasse sê fidje mama na rua e na hora devide, lá ondê quel parceba, quê cmade parida de nove, que mama grosse ta esgritchi lete, tempe ca tava dal pal basse té casa e torná bem!

Ês tava formá um só bloque, da lá de Cais D'Alfândega té armazém de Serradas, Nhoso, Muchim Sequeira, Manim Duarte, Feijóo, etc, etc, zona ondê qu' um criá e que, moda tude gente, um sigui quel movimente…

Pa otes banda moda Carvalhim, Alfrede Miranda e otes armazem de Mindelo, carregadera tava mantê quel mesme espirite de solidariedade…

Tude gente sabia respeitá quel pove carregador na sê actividade mode quel vida nada fácil, mal pagode e sacrificode quês tava levá…

Assim, naquel confuson de movimente de carga ta bai carga ta bem, ta tinha sempre cada cosa d'espantá e cosa d'arri naquel escola de vida!

Basta tude Carregadera de Cais tava tem sempre ma el sê lamna ô agulha de cosê soque, que linha já pronte, pal pudia dá quel golpe ô furá cum pic quel soque de midje, fejon, açucra ô quel que parceba, ma sobretude na soque qu'era de cmida…

Sês manera d'agi na esperteza era bem organizode. Era tude gente ta colaborá, assim quês de cabeça de fila, quonde guarda tava na mei ta fiscalizá, ês tava proveitá pa dá quel golpe ô pic na soque, fastá quel gola de sê bestide na pescoce e pô ta Pará, por dente na peite, uns cinque litre de midje ô do que besse e nada ca tava passá pra boxe de cintura, quê ês ta tinha quel pone lá bem marrode na cadera, pa ca dexaba nada passá!

De vez inquande, ta tinha problema ma pliça ô guarda fiscal… Anton, um vez Antone Grigola pliça, bem cunchide daquel pove, panhaba Caiela Grande na fila de carga ta dá um furo na soque, log el dal fala, chei de raiba e gritode pa tude gente uvi, el bá ta dzel:

- Oh, Caiela! Já-me panhobe ta frá soque de gente e, quonde nô tchegá, bô descarregá quê um ti ta levobe pa Squadra!

Caiela, rafilona, vluntarona lá fora moda el era, ca dexá bobra esfriá e repicá log também gritode na mei de pove:

- Oh, Antone Grigola, dexá de bôs parvindade, quê mi quonde bô fra-me um ca tchegá bá quexá de bô na Tribunal!… N'é dvera? Mi bô larga-me da mon, Antone!

Basta tude quel pove largá t'arri e Antone Grigola, chei de vergonha porque era dvera, já ca fazê justiça, largá tude da mon e el ba embora!

Derriba de passei ta tinha quês Carregadera que já tava estode de volta, anton ês tava tchemá cumpanher pa dás quel help:

- Oh, Cmade, bocê bem descansá-me pescoce um csinha!

Cmade tava sei de fila, log quel ote tava entrá e tmá cabeça de carga daquel soque… Anton Cmade tava entrá log na Botequim de Nh'Antone Soares, bom home, Deus dal céu, ondê que tude ês tava tmá quel bom grogue pa trá poera…

Pa despôs, da lá de Nh'Antone Soares, ês passaba pa quel quintalon de Dona Vivi Martins, também santa senhora, ondê que tude ês tava custumá ba juntá pa parti, na descanse entre ês, quês litre de midje ma fejon ô otes cosa quês ta tinha recuperode naquês soque daquel movimente de carga de dia…

E partilha era fete cada um sê csinha, pa cabeça de cumpanher e pa cabeça de mnine que ta tinha na casa de cumpanher.

Prova e moral daquel grande solidariedade é que, quonde tinha pa um, ta tinha pa tude! Basta té fiscal tava tmá sê parte também…

E, quonde ca tinha, ês tava parti entre ês do quês tivesse ô pudesse.

E sês cuidode e preocupaçon maior que tude ês tinha era sobretude procurá sabê pa mnine ca fecaba sem cmê!

Carregadera de Cais foi um pove explorode, trabaiador que na mei de tude sês miséria sube sempre gordá sês dignidade de gente série e de consideraçon.

Basta quonde movimente de carga na Cais tava escassiá, tude comerciante de nôs rua tava dás fiode e na confiança, quê ês sabia cma, log que cosa tava po na camin, sês primer preocupaçon era ba log pagá quem quês tava ta devê, pas podia fecaba que cara levantode!

Quem que na nôs rua, naquele tempe, ca vivê perte e sinti quel tcher de suor quente ma dum traboie honrode, na mei daquel salabonge de Carregadera de Cais de nôs terra?!

Tcheu dês, pa tude quel miséria de munde, ta tinha sempre grande preocupaçon de mandá fidje pa escola, sô pas ca viveba um vida igual e ter um vida amdjor que aquel de seus.

Tcheu dês, sês fidje ba longe na escola!… Otes, log quês fazê quarta classe, cma ês ca pude continuá escola, ês tava mandás pa Oficina Naval, Grande Escola dirigide pa nôs saudose e também grande Senhor Cunco (Teodoro Gomes), ondê sei bons motorista / mecanique cum boa formaçon fete pa esse caboverdione de valor, recunhicide té hoje na munde inter!

Pa tude quem que conchê bem quel época e também pa mova geraçon que ca conchê, esse é um mensaja pas fecá ta sabê!

HONRA pa tude ês amdjer mãe de parida Carregadera de Cais, pa sês grande traboi quês prestá sês terra Soncente dum vez.

Um Pove Valorose e Honeste, que sube dá quel importância a tude quês principe moral de vida na sê grande simplicidade e que tcheu dês ca no esquecê nunca cma…

CARGA NA CAIS É QUE LEVÁS SÊS VIDA!!!

Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V O L T A R

Comentário:

Caro Mano, Gostei! Antes de mais nada quero dizer que sempre me impressionaram essas "sub-substantivas" carregadeiras de cais cuja potência ontológica e pujança física constitui um mistério para mim.

Mas tu não as observas como um colectivo. Nomeias, dás nomes e espero que reste alguma, que a carga não tenha dado "cobe de sê vida" que saiba desta homenagem.

Agora posso provocar-te dizendo que nesta "crónica de boas malandras" encontro mais o Zizim Figuera escritor do que o mindelense habitual, talvez por isso se procure, em vão o picaresco ou a anedota e se descubra uma orientação, objectivo, finalidade ou preocupação através das tuas declarações de intenção de "homenagear" e passar" mensagem".

Um abração MAG

Margarida S.Mascarenhas
magui.salomao@netcabo.pt

 


Comentário:

Uma justa e bela homenagem a essas valentes mulheres carregadeiras de cais que com muito sacrifício e trabalho árduo conseguiram sustentar os filhos .

Na Praia o trabalho era feito por homens como o Cutchó e outros .

Antigamente não havia táxis e os passageiros quando desembarcavam vindo de outras ilhas , principalmente do Fogo era o Cutchó quem carregava as malas e as pessoas acompanhavam - no a pé até ao destino .

Muitos parabéns e força para poder continuar todos os domingos com as suas crónicas de encantar .

Um abraço

Gabriela Amado Silva
gabybamado@hotmail.com

V O L T A R


Comentário:

Poder-se-ia pensar que as carregadeiras de cais em S. Vicente compunham um dos quadros sanvicentinos mais pitorescos se isso não fosse uma duríssima provação para a condição humana.

Lembro-me de vir da escola e cruzar-me no caminho com essas pobres coitadas, vergadas sob o peso de um saco de milho, a escorrer suor, sob o sol inclemente do meio-dia.

A necessidade de sobrevivência o obrigava, mas mesmo para isso era necessário possuir a robustez física mínima, condição que nem sempre era possível em corpos subalimentados.

É louvável a intenção do autor ao evocar-nos essas humildes e corajosas mulheres e é também clara a emoção com que o faz.

Estou convencido de que todos os que lêem esta crónica partilham essa emoção.

Continua, irmão!

Adriano Miranda Lima

V O L T A R


Comentário:

Não podia ficar indiferente, embora sendo português, perante o excelente trabalho que desde há muito vem fazendo Zizim Figuera no melhoramento da escrita da sua Lingua Caboverdeana pelo que o parabenizo.

As estórias no seu conteúdo são sublimes e relevam todas na sua interdependência de um contexto puramente sócio-cultural que merece ser observado com a maior das atenções pelo Ministério da Cultura de Cabo Verde.

Quanto á escrita nota-se que tem havido na intenção do escritor a preocupação de recorrer, o que é normal, ao sentido etimológico e semântcio das frases e dos termos afim de fixar e estabelecer regras alusivas á escrita o que é muito importante e o peço que continue nesta via.

Leio e compreendo bem o Crioulo de de todas as Ilhas nas suas variantes, embora falá-lo para mim é o mais difícil porque ainda há variantes que desconheço e gostaria que todos os Insulares se pusessem a escrever na sua própria variante o que serviria de termo de comparação.

Vejo cá no Liberal Onlinne que também parabenizo que todos os comentários são de conotação positiva e concordo muito em especial com o do Sr.Undertaker.

Pois da discussão nasce a LUZ e uma Língua não se impõe nem se institucionaliza de forma alguma, uma vez que ela é o Povo, quanto mais por decretos lei.

Neste caso de figura porque não institucionalizar a "CATCHUPA"?Hum?!

Um grande abraço Noel

Noel Pacheco
noel.pacheco@netcabo.pt

Comentário:

Sim senhor Zizim. Tiveste uma excelente educação social, descontraída e sem complexos de contactos humanos que recebeste do teu pai José Figueira vulgo Ti Djô Figuera homem de valor que salvou muita gente da miséria e soube preservar o nosso grande Clube Sportivo Mindelense a equipa mais popular e de grande dimensão Histórica na vida do nosso país Cabo Verde.

Por isso não me estranha esta merecida homenagem que prestas aí ás carregadeiras de cais que fizerma parte da nossa vida.Bemn hajas!

Abraços Daniel

Daniel M.Lima
daniel.mlima01@hotmail.com
V O L T A R