Sala De Boie De Mindelo D'um Vêz

Despos d'um semana de traboie suode cansode seja que fosse n'admistraçon, na stiva, na pesca ô n'otes lugar de movimente de vida de nôs terra. Era normal que tude fim de semana na cidade de Mindelo quel pove, moda tude pove de munde sintiba quel nescidade de sei ta espiá um lugar ondê ba saparajá sês corpe... E naquel tempe, sala de boie é que tava na moda!...

Assim tude sobede, logo que denote tava tchegá, quel malta jovem chei de esperança trançode ma gente grande que já sabia daquel movimente daquês sala de boie na Mindelo, tava saí ta espiá dondê incostá pas pudia passá quel note de fim de semana.

Um entrada era cinquenta ma trinta escude naquês sala famose de boie de coque e báfa á vontade o qu'era tcheu denher, basta um pon de midje naquel tempe era dôs toston… Ô anton, era pagada vinte, quinze, dez tê cinque escude naquês ote sala, ondê que boie ás vez era tiofe (Tea Off) sem coque nem bafa, má ta tinha sempre um barzim pa vendê…

Vovó Bia morava na Rua de Praia, defronte da Praia de Bôte, num belo espaçoso casarão alugado e não muito antigo, de rés do chão e primeiro andar.
Nêto de "Bía" Mascarenhas : João de Brito, Câmara Mascarenhas

Também ta tinha quês boie d'amizade, fete na terrace, na quintal ô na sala de casa de gente cunchide, moda lá na Vôvô Bia Mascarenhas ou Nhô Muchim Mercone, ondê que cada um tava levá sê multa!...

"Bía" Mascarenhas

Ma na mei de tude exe sala tinha também quês sala de fama popular, ondê que museqa tava roncá tê de madrugada, moda la na Djacô, Ijzê de Canda, Jon Tolentino ô la na Tirizinha traz de Compe de Jogue que pove despôs pol nome de Miradouro, ma sem confundi que Miradouro la na olte de Furtim que também despôs vraba sala de boie...

Nô ca pudia falá de sala de boie de Mindelo, sem dexá de mentá quel grande sala de Cinema Éden-Park que também tava sirvi mas naquês quadra de super boie popular de Carnaval. Quês boie de VERBENA qu'era fete la ondê que hoje é Hotel Porto Grande, ô la naquês Corte de Tenis de Castilho ô de Clube Mindelo pagada cinque escude, organizode pa quel lixode antigue admistrador de Soncente, Capitão Mota Carmo (vulgue Matá Cabra)...

Pa tcheu daquês boie popular, também cosa ca tava contecê ês sô, quê pa tude banda na tchon de Soncente tinha quês organizador de festinha de fim de semana bem cunchide na terra, moda Girolde ingraxador, ma Antonha de Paula pa quel sala popular d'Ijzê de Canda!...

La na Djacô, naquel rua perte de Praça Dr.Regala ta dexi pa lorgue de Compe de Jogue, mas era pa boie de grupe moda Vindos do Oriente, Junior, Juvenil, Flor Azul, Dôdidô que mez despôs de sês desfile de dia de Carnaval na one, tava continuá ta lugá quel sala moda num espece de controte ma Djacô, cada um sê vez.

Boie na sala de Jon Tolentino lá derriba na Monte, também era popular, ma lá ca tinha rusga pa mode ser boie de mute rigor, organizode na época pa Alfredo Rosário, antigue secretare d'admistrador, boie de pliça de respeite na porta moda Nhô Lela Madera que ca tava mejá na nhame!... Assim, quel pove de nossa sempre chei de humor, proveitá log pa tral um coladera, cantiguinha que tive tcheu tempe na moda, na tchon Soncente:

- Dançá na Jon Tlintine é sô quem tem dnher na lusbera
Quem ca tem lusbera, ta ba pa rua de qualquer manera!…

Quê dvera naquel tempe ta tinha tcheu rusga, malta que naquês boie de sobede tava queré sô dançá de graça na tude boie que parceba!... Ma, la na Jon Tolentino, não! Quê lá cosa era prop diferente!...

Prazer era grande d'uvi, quês musque de nôs terra ta actuá naquês sala de boie ta tocá té de madrugada, pa na fim, moda era custume, terminá sês finaçon sempre cuns serenata, na hora de bá levá dama na casa, e o que tava intchi quês rua de Mindelo dum calor poético chei de MORABEZA!...

Colé verdiano ô verdiana que ca tava gostá d'uvi e sinti quel orquesta de Muza (pai de Luis Morais) ô Alfredo (Ti Fefa) na sês clarinete, Nhô Jack Estrilinha (mas tarde Morgadim) na sês trompete, cumpanhode pa Muchim de Monte ô Muchim Querena na sês rabeca de ouro e mas quês otes figurante, moda Lela de Nha Mari de Jona, Marcel de canalim de Nh'Antone Djudjim na cavaquim, Bêcona ô Franck de Fina na pander, não sem esquecê, nôs grande Ude ma Ti Gôi Caraca na bataria e sês delire naquês bons momente de TCHÁ JAZZ !...

Mute de besote que ca sabê, quê besote ca vivel, podê perguntá na hora de lê esse sturinha, porquê TCHA JAZZ?!... Ma, era assim que bataria natural, sem ser eléctrico ma de son bem forte, tava manifestá sempre na festa hora que musequa tava stode na TOP e tava mandá tude quês otes instrumente pará, pa pove pudia uviba sô quel JAZZ na sala, na sê ritme infernal de STACATO ô seja na nôs linga criol de PANHÁ LI PTÁ POR LÁ o que tava pô tude quel pove, ta suquedi!...

Nesse stora, tcheu dexe figurante pertencê a um primer geraçon de gente que marcá na Mindelo, dês de tempe de Nhô Cobe, Nhô Pedro ma Nhô Anton de Santa que saíba daquel primer Escola de Banda Municipal dirigide pa Sr.Coutinho e que parába de tocá na ones 40/50...

Despos é que bem parcê quel malta de nova geraçon que também marcá e que té hoje fecá na Storia de nôs terra, moda Luiz Morais, Morgadim (Voz de Cab Verd) Duca de Nho Pitra, Palim, Ildofonso, Tino de Nhô Tans, Alfredo de Captania, Vicente de Cabrita e mas e mas!... Geraçon mute special que marcá quel tempe de luta, moda num spece d'araja fresque, na mei daquel grite pa Indepêndencia!... Tude exe moce li, fui também de Escola de Musequa e de Banda Municipal, de tempe de Sr. Reis Professor!...

Quês boie na Mindelo, moda de custume tava cumeçá pa nove hora da note!... Anton era um espetacle, oiá quel movimente daquês moce ma quês mnininha tude bem ranjode, de cabel bem pintiode ta brilhá daquel vaselina fixador de drogaria de Djandjan, betode quel cinque toston de purfume de caniquinha quel tava custumá vendê trançode na vaselina, e que tava fazê ligria tude quel pove...

Note tava sigui sê ritme c'aquel ruma de gente na porta de sala boie, uns ta entrá otes ta goitá manera de cunsigui um entrada de graça, quê n'era tude que tava tem quel truqim na bolse, pa entrá, e fiscal na porta era sempre home de rigor que ninguém tava bescá storia... Antes de rancar de boie, cada um tava fixá sê par pa cumpanher daquel note e, pa djunte ês pudesse passaba quel bom momente divirtide té na fim!...

Assim, musequa tava rancá cum data de gente ta dá volta na salão, uns calçode otes descolce, na mei daquel ritme infernal de tude espece que tava cumeçá pa coladera, passonde pa samba ma tude otes musequa que tivesse na moda!...E, pa fetchaba boie, na calor daquês note, nunca tava faltá quel morninha sô pa quel tchutche pudesse pô sê tchutcha na peite e pal pudia consolal!...

Na sala, ta tinha quel Bar que tude espece de bibida pa ser vindide ma na regra, quê tava vindide bibida forte mute poque, sobretude na principe de boie, ô anton tava vindide el gatchode e que jitim, pa mode done de sala ca ser multode.

Imbiente era cem por cente horizontal na sala de boie, e la ca tinha nem prete nem bronque, atitude normal, prop de gente de Soncente que sempre sube superá esse prublema e procurá vivê em paz, ma tude pove de Munde!... Sobretude naquel tempe que na mentalidade de terra, gente bronque era quem tivesse denher, quê cor de pele, ca tinha na devra nium importância!!!...

Moda na tude sala de boie popular, de vez inquande ta tinha quês pate-pate de fadiga, rixa pa mode um tchutcha!... Ma, cosa ca ta tinha tempe d'inflamá quê cada sala tinha sês prop pliça de casa que tava mandá log fetchá porta, pa evitá boie de cabá e pliça de bem ta tchegá, pa ca prejudicada e proibiba sala de dá mas boie !...

Assim que porta fetchode, quem tava dente ca tava saí, quem tava fora ca tava entrá e tinha quês fortalhace de sala que tava fazê pliça e tava intervi log pa parti guerra!... E na mei daquel barafunda, pistão Muza ô Ti Fefa tava pxá surdina pa cobri quel barulhada de guerra, e pô cosa na lugar... Assim festa tava continuá normal moda se nada fosse!

Madrugada era fin de boie, moda de custume na son daquel super murninha "Hora di Bai", e tava sirvide quel canja de malagueta pa trá espece e pudesse sigui que força na cuntinuaçon ô dum serenata, cosa que tava contecê quaz sempre e, ô anton aquês que tivesse sorte, tava podê ba cumpanhá sês tchutcha tê casa!...

E assim era quês boie de viola e bique naquês sala importante de terra, ondê que tude quel pove de nossa tava bá sparajá vida naquês note quente de sobede de Mindelo e Fralda, naquel ritme de boa musequa, cortode de vez inquande paquês super intervençon, que também tava fazê parte de nôs decôr, daquel bataria siguide daquês grite de TCHÁ JAZZ TCHÁ JAZZ de nôs TI GOI CARACA ... FOREVER!!!


Zizim Figuera (José Figueira,jùnior)

V O L T A R


Comentário:

Leio esta crónica sobre os nossos bailes antigos e acho-a tão fiel e tão ajustada ao real que me chegam os sons de cavaquinho, viola e rabeca a escoar pelas esquinas das vielas e dos bairros, ao mesmo tempo que vejo o rodopio das mocinhas de saia plissada e moços de calça afiambrada diluídos na luz argêntea dos kitsons das salas.

No entanto, acho que o Zizim reinventa o real, e sabe reinventá-lo como poucos mindelenses, não que lhe acrescente artificiosos enxertos, mas simplesmente porque sabe do que escreve e porque escreve. E, ao fazê-lo, deixa que cada personagem ou situação se retrate fielmente mas injectando-lhe um valor anímico que não só aviva a sua identidade como expõe ao rubro essa característica bem mindelense: o humor.

Aliás, a identidade mindelense é indissociável do humor. O Zizim viveu bem por dentro a cena mindelense e conheceu bem os seus protagonistas, pelo que é da forma mais natural que o humor escorre nas suas stórias ou nelas se insinua. Todas as stórias leio-as sempre com um sorriso aberto e um genuíno sentimento de gozo pessoal.

Uma boa maneira de passar o domingo, ao mesmo tempo em que se refresca a memória. Registe-se ainda que evoluiu bastante a técnica literária destas stórias e a domesticação do crioulo nelas utilizado.

Algumas das stórias já publicadas poderão conter uma certa repetição da caracterização social do meio, nalguns casos um pouco cansativa porque déjà vue em stórias anteriores. Mas é coisa fácil de acertar quando se fizer a complilação.

Contiuemos, irmão.

Adriano Miranda Lima

V O L T A R


Comentário:

Z.,Hoje bateste todos os recordes de lembranças e souvenirs, especialmente para mim, embora todas as tuas estórias são sempre repletas delas.

Pois falas do meu Tio UDE grande batarista dos tempos de Ti Goi. Interessante é que todos estes grupos musicais fizeram vibrar ou melhor "SUQUEDI SONCENTE" certamente numa época não evoluída da electrónica, mas que fazia seu efeito.

Me lembro bem dos nossos bailes de malta de Liceu em casa da VôVô Bia Mascarenhas e outros sítios amigos em que a orquesta do Ti Fefa, Ti Goi, Ude, Bitú e Marcel de canalim enchia a sala e nos fazia todos "SUQUEDI BEM SUQUEDIDE". Bem hajas! Bom domingoe e Xi-Coraçon bem pertode YO

Yolanda Dias                     yoldias@gmail.com


Comentário:

Alô Fig's, Foi cum prazer grande qu'más um vez um lê esse storia daquês boie de viola e bique.Moda bô ta custumá dzê ê impossível pô tude gente nexe storia, má tcho-me lembrobe daquel sala de Nhô Toi Imblót (Mulato) la na Tchã de Licrim ondê que certeza bô tchegá rysgá uns boie.

Também um tive um vezim, cumpade de nha Mãe que gente tava tchmá Quiquis tocador de tambor na Banda Municipal.

Por último, mas um vez obrigada pa esse grande esforce de mantê vive tude ês cosa que fazê parte dum passode o que ta permiti nôs fidje de tmá conhecimente de mute cosa que jás ca pude vivê.Aquele abraço e bom fim de semana. DU

Deolinda Camões         ducamoes@hotmail.com

V O L T A R