CIÇARONE - GUIA DE ESTRANGER DESDE TEMPE DE CANIQUINHA

Despôs dum note bastante calorente, lá pa madrugadinha, mi detode na nha cama, quel brisa frisquim cumeçá t'entrá pa janela, bem ta passame pa corpe, ta trazeme quel tchirim de cuscus quente, trançode daquel bom cantar de gole ma pardal t'anunciá dia, ta bem de casa de nha vezim e amigue, Ti Jon Cheplicone, que diasá mi ne tinha el oiode.

Vibraçon tava prop forte, té que tava ta parceme moda um daquês sonhe marabidjose, que quonde gente ta senhás, gente ca ta crê nem pês cabá… Sentimente normal na tude criston que ta gostá de sê terra, inda más despôs dum data d'one de luta e sacrifice na estranger, sem podé po pé na el.

Momente dês li bô ca ta vivês n'Europa, ondê que gente ca ta podê fazê barulhe, quê senon, se t'incmodode vezim, ês ta tchemá log pliça, siguide dum multa d'inferre e otes chatisse. Sossim, mi lá detode, é cum cumeçá ta tmá conciença e sintí cma jame tava prop na nha Ilha Soncente, na nha terra Cabo Verde, desposte a vivel que grande intensidade, que tude quel sentimente prop dum Criol que sempre cumprí que sê Pove e ma sê Terra!

Um arguí, um cambá Laginha a pé pa bá trá quel tchluff n'ága de mar e tchá quel salitra tmome conta de corpe tude quel dia té de note, pa cabasse de confirmá quel matar de sodade. Pa camin e de passaja paquel orela de mar de tude nha infância, ondê que durante o dia no tava uvi grite de menine ta nadá naquês praia, ma quel barulhe de Pove ta betá bote na mar, pa basse fazê sês negoce na borde…

Cum poque de tristeza, um pô ta espiá c'atençon cmanera que cosa tava na nha terra e procurá comprendê du que Soncente tinha de nove pa dzeme, despôs de tonte one de nôs separaçon e, pa razon, que sô razon é que sabê explicá!

Anton, pa du cum oiá e notá, fui: Captania restorode, alguns casa nove, quel escritore de Figueira & Cumpainha pintode d'azul fresque pa fachada junte ma Vascona ta quei de padoce.

Nôs Praia de Bote, lugar ondê que quaz nôs tude criá, que sê munde chei de recordaçon pa quem vivel, completamente bandonode na sê triste destine, ta bá ta desaparcê devagarim, ma sempre c'aquel esquebrar d'onda, de mar iterno e sês bnite côr, contrastode de pôr de Sol, ô quês note de lua cheia ta cuntinuá sempre t'invadí nos Baía de Porto Grande na sé romantisme sô de seu, e que nunca podê morre.

Um siguí ta bai a pé, té quonde um tchegá lá na mei daquês cais de grande muvimente d'épca que nôs tude sabê! Hoje india tude escalabrode pa mode quel ideia infliz e mariode, godzide, de crê limpá um passode colonial de quinhentes one d'ixistência…Ma hoje, já fui fête um Marina que fecá drête, e lá onde qu'era Cais d'Alfandega também foi fête um "Cais" má que nada tem a ver que nôs Cais d'Alfandega dum vez!

Ideia infeliz e mariode sim, pa mode tude Pove que ta respeitá el mez devê respeitá sê passode, mez quonde el é mariode e ta dexá marca, na nôs tude que sofrê daquel comum "Orgasme Colonial" na nos carne ma na nos sangue… Ma que passá ta fazê também parte de Historia de nôs Vida, e pa nô lembrá cma el é moda sangue, e tude gente sabê cma sangue ca ta lavá!

Dzîde também na épca cma quel betar na tchon daquês cais era pa daba cidade de Mindelo um cara más bnite, na construçon dum Avenida Marginal, que té inda hoje tem tcheu que fazê, e que já começá ta ser apagode pa obras, pa tchegá té lá. Pa quem que concheba quês cais, que fui vida de nôs terra e q'oiás pra lá moda um esquelete, bandonode num tal situaçon, tem é só que resigná, que grande tristeza na coraçon, sem podê fazê nada, e dzê cma talvez té era amdjor tchaba el moda ês era…

Um piratinha nh'amigue, que tava ta cumpanhome pa tude banda, pergunta-me sum tava ta gostá daquel Cais onde qu'era Cais D'Alfandega… Um dzel cma ideia ca foi mau, sô que jal n'era quel Cais dum vez que era um "Monumente" na tude sê esplendor, que sês escada pa lode pa desimbarcaba passager, ma quês cander na olte de sês coluna, que de note cindide tava parecê moda uns "réverbère".

Mi ma nha cumpanher cuntinuá nos viaja na tempe… E de passaja na lugar, sempre na camin de Laginha, cma beme um data de recordaçon na mimória, um bá ta contal quês momente más fliz de nha infância, moda quês bonhe na mar gatchode n'interval de escola, quel betar de bote na mar ma izdá pescador puxá rede, trançode c'aquel barulhe de carregadera de Cais d'Alfândega ta rancá dia chei d'ardor, deboxe daquel sol quente e que menine na costa, além ta bai…ta bai…

Flizmente que Praça dos Aviadores que sê Posse (Gago Coutinho e Sacadura Cabral) inda ta lá, assim cma quel casa qu'era Alfândega, hoje india transformode em Clube Náutico e Centro Cultural de Mindelo.

Haaa… Cais d'Alfândega, quem q'oiobe naquês tempe, bô que fui palque de mil e um cena de teatre daquel dia a dia de nos Porto Grande e cidade de Mindelo dum vez, que sês muvimente de gente, dia e note ta desimbarcá / imbarcà de tude parte de munde, pa tude parte de munde.

Que bô Baía, tude luminode pa quês luz de paquete: Cruzeiro, Mala Real, Blue Star Line, Serpa Pinto, mas otes e otes vapor ta bai e ta bem de Brasil, Argentina, West India-Caraíbas, carregode ora de trabaidor ta dexi pa Sul, ora de turista ta sebi pa norte (Europa).

Normalmente, tude paquete tava dexá sempre tcheu denher na terra, pa mode ês tinha de passaba na Porto Grande de Mindelo, Soncente-Cab Verd, pa tmaba carvon e pudess siguí viaja. Anton, quonde tinha Vapor de Passager na Baía, pa nôs, menine, era dia de festa e nutícia tava corrê pa depressa pa tude nos rua.

Era cabá de sei de escola, infiá pa Cais d'Alfândega pa básse sistiba tude aquel espetacle, de bá admirá quês CAMPIUNZIM, menine de nos rua, que sês pai ca tava podê mandás pa escola, ta dá show pa estranger oiá… Assim, cma ês ca tava bá pa escola mode nessecidade, ês era ubrigode bá ranjá quel troque pa cmê, na borde ò na terra, pês trazeba sês mãe pa casa, p'ela pudesse pôs quel catchupa na lume.

Quês ma piquenim tava cumeçá já n'idade de seis one pa riba. Tude ês bem organizode, cada um que sê especialidade… Quês de Cais, uns era bom na trá liza (solte de paquete pa mar) pa dá show, otes era dá quel solte na mar e merguiá pa panhasse quel denher rufnode pa turista antes del tchegá na funde… Quês tava panhá, trazel na boca pa turista oiaba!

Nha amigue, inda rapazim, sentode na tchon junte ma mi ta espiá pa mar, lá pa lugar ondê que foi prop Cais, e que tava t'uvime chei d'admiraçon, bá ta dzeme cma el ca sabia nem nadá! Dvera té um spantá, quê era cosa que nha tempe ca tava contecê, que tude nôs sabia nadá… Ma el dzeme cma ca tava fazê nada e pam cuntinuasse Stora, quê el tava ta gostá…

Anton, alguns nome ma imaja daquês menine e moce de nôs tempe, que nôs tude tava invejá deboxe de nôs inocência, quê naquel tempe inda nô ca tava comprendê nada de cosa de vida… Stora pude cuntinuá quê béme n'uvide quel son ma quês grite, siguide daquês proeza na mar, daquês mucim de Ponta de Praia ta bescá vida… e sês:

- I say… Hei Jonhny, throw money in water!... Expreçon pa fazê estranger betás denher na mar pês pudia dásse quel solte de lá derriba, duns cinq o dez metre d'altura, daquês créne de sebí e reá carga de cais, pa ága e panhá quel denher, sem dexál tchegá na funde… Pa despos somá quel na boia, na boca, siguide de palma e más palma d'admiraçon de tude gente que tava lá derriba de Cais.

Na borde de paquete, fundeóde na mei de Baía de Porto Grande, era ote cosa quê lá anton é que tinha quês CAMPION DE SONCENTE, TRADOR DE LIZA PA MAR.

Tcheu dexe mucim fecá cunchide pa sês valor d'atleta, menine de Soncente moda: Terêncio de Rosa de Conhe, Manel de Chica, Vulquite, Matá Gote, Firmine de Paula, Nono, Godja, Fels de Rocky, Titis e más e más…Ês jás tava bá pa borde, neguciode, levode na bote de negoce, que sês calçon numbrode, que tava cobrá denher antes dês daba quel grande solte de borde de paquete pa mar…

Inquante bulsinha ca tivesse chei, ês ca tava quei! Anton, quês done de bote tava fecá ta neguciá quel liza gritode c'aquel JOGA NA BOLSA… Ma também, log que bulsinha tava cabá d'intchí, era dá quel currida na convês de vapor, siguide daquel super carpa, solte d'ONJE pa mar.

Dvera, bô tava dzê um Onje ta bem no ar e priucupaçon del era ca fazê espuma t'entrá n'ága… pa bêleza de sê solte! Anton, palma tava ratchá quel silence daquês sigunde, de suspense e concentraçon dantes daquel liza, que tude passager incantode que proeza de nos atleta de mei de Baía.

Na categoria de CAMPION DE SOLTE NA CAIS pa panhásse denher na mar, era um boys tchmode Cumpade, fidje de Ti Franguinha, que sê oie caloie, de sete one d'idade, que tava falá té noruega, junte ma sês culiguinha, ta gritá:

- Snoka du?! Hei NordMan, Tri penga na van, for stira, sô… pa noruega pudia betasse denher na mar… e ês tava panhal, bem quel na boca moda quês armon má grande ta tinha ês inchenode…
Muvimente era grande!

De vez inquante ta tinha quês pruibiçon d'entrada na Cais, ma tude gente tava bem fecá li derriba, n'entrada de porta principal. Nos menine, no tava cumpanhá quês otes menine que tava stode pra lá sem maldade, ta bescá vida, garranhode naquês ferre d'armaçon deboxe de Cais, té tchegá na ponta e despos sebí lá derriba.

Hora que Pliça de Captania tava oione e bem done fala, ô no tava vrá pa dondê que no tinha binde, ô anton era caída na mar… Tude ês cosa tava fazê parte de espetacle e vida tava cuntinuá sê camin normal!

Quem tinha direite d'entraba na Cais tude hora era só quês rapaz Guia de Estranger, que sês braçadera verde escrite c'aquês grande letra marel: CICERONE, que na linga de terra no tava tchemá Ciçarone.

Quaz tude ês tava falá tcheu linga, sem nunca ter bode mute pa scola. Ês é q'era chefe, quê ês é que tava cumpanhá estranger pa tude banda de cidade de Mindelo, pa indicâs e explicás tude o quês sabia o quês cria sabê de nos terra… Cma Ciçarone tinha mute responsablidade na sês traboie, anton tude ês era cartode na Pliça.

Ês é que tava levá estranger pa quês bar, de "spend a good time" (passá sabim) moda Café Royal na rua de Lisboa, que sês muzca de plumanhá té de note, Café Portugal, Bar Strela, London Bar de Nha Bia Gacha e tonte otes bar ma café que tava ixisti pa quaz tude ponta de Mindelo na épca, pa ca dzide snon pa tude tchon de Soncente.

Êpca é que cris assim, ês passager turista era às vez storia dum dia ô dôs na porte, tempe de vapor carregasse de carvon pa despos basse imbora e siguisse sê viaja. Ma meme assim ês também tava dexá um truquim grosse na terra. Também tinha ote tipe de estranger, que tava fecá mas dia na terra. Ês li, sim! Ês é que tava dexá quel troque prop grosse.

Ês Ciçarone tava bem esperás na Cais, o anton tava bá bescás na borde, quê as vez, despos duns dia de cunvivência, ês tava vrá amigue… Anton ês tava cambá quês lá pa Lombe, lugar pruibide, ondê que nôs menine no ca tinha orda de bai, quê pra lá era lugar de "menina de vida"… Lugar só daquês padoce de criola, bnita, que destine ma miséria obrigás entrá naquel vida, que tude respeite que sempre um tive e tem pa ês!

Na terra tive tcheu famosa, de nome que fecá cunchide na Storia de Soncente, e que tcheu stranger fecaba prop dode na ês… Moda Mari da Luz d'Bite, que tive um home que fecá tão dode na ela, quel ca cris nem imbarcá de Soncente pa siguisse viaja! Anton, el na tude sê incantamente, el fazel té um cantiga bnite na ''Do Maior'' que té data da hoje inda é lembrode na tchon de nos terra pa quel refron:

- D'Everybody Like Mari da Luz…Everybody Like Saturday Night…

Fui também amdjer de fama, naquel tempe: Tanha Badjaga, Chavon, Preta Liza, Femá Bô Tcháme, Nuna, Sabel Moreira, Isaura, Vitoria Semente de Manga e mutes ote. Tude ês era menina de vida oficial, quê ês tinha tude sês livre fete n'admistraçon de conselhe, cunfirmode pa dator d'inspeçon médica.

Quel "munde" era pruibide pa nôs menine, ma smeme assim no tava passá rapte, só pa basse goitá e assim no tava sistí um gzinha, t'oiá quês amdjer ta dançá biguine, ta dá que cadera, quaz tude nú, na son daquel viulão finode na dó maior, ta siguí quel ritme já bastante cunchide "d'Everybody Like Mari da Luz", que tava na moda.

Curiosidade era más forte que nôs e pa tude pruibiçon que no tivesse tide na casa, cma nos era rapaz e pa du que nô tava uví contá, no tinha sempre de pruveitá um timpim pa basse goitá e sustefazê nos curiosidade.

Assim era nôs terra, que tude sês luz, sês cor, sês note bem quente, na épca daquel Porto Grande de Mindelo, chei d'abole, arreloce, alvícera ma extravagança que tava fazê tcheu estranger partí que coraçon pertode e SODADE de nôs terra, pobre ma dum Pove chei daquel MORABEZA que ca t'otchode igual nesse munde e que té inda no sube gordá.

Terra de Ciçarone, terra de Sulibana ma poeta e poliglota moda: Motche, Miguel Tack, Godja, Cosca, Olave Spaguete, Vicente de Tchã di Licrim, Fogo, Niclete Bibiche, Djunga Tchaquá, Pote, Jorge Fialho, DjaBraba, Griga, Dibrite, Skety e tonte otes q'era desse prufisson, tude recunhicide na épca pa Governe.

Na mei de tude ês stora muvimentode de nôs Soncente, de gente ta bai, gente ta bem, sempre tive cosa que ca pudia dexá de espantá gente e que marcone nos tude, pa tude tempe. Moda contecê um vez e um ta lembrá, dum noruega que tinha tmode sê coque bem tmode (álcool a 90 grau), cosa sebíl na tchife, el alterá, anton dal fui pa bescá tude gente guerra. Basta el tava moda um dode, t'andá pa rua de Mindelo que tude gente ta fegí del, quê el era um homona… Anton, bem quaz tude Pliça que tinha na Estaçon bem prendel…

Pa tude homona fortalhace quel era, Pliça caíl derriba, despos dum bom tempe de luta e um bom soque que Emídio Barrete betal, ês cunsiguí leval pa Esquadra. Quel homona ca tava falá inglês, moda quaz sempre era custume, assim el ca tava ta comprendê ninguém e ninguém ca tava ta podê comprendel. Anton, naquel ote dia plumanhá fui processe sumário, dritim pa Tribunal, quê na mei daquel fulia de note el tinha lombode dos Pliça bem lombode.

Grande sistência de Pove na porta de Tribunal, pa basse sistí julgamente… Inda más era na tempe daquel Juiz Indione, que Pove tive butsode que nome de Tchá-Tchá-Tchá, quê el ca tava perdoá e sê justiça era expediente pa rapte.

Tribunal abrí porta, tude quel Pove entrá, despos tude gente arguí quonde Juiz entrá, fazide silence e julgamente pude cumeçá… Sô que tinha um prublema, é q'aquel noruega ca tava ta comprendê nada, nem jal ca tava ta lembrá du quel tinha fete.

Na mei de tude quel trublaçon, Juiz fui informode cma talvez só Motche (Ciçarone) é que era capaz de desilhá quel corda na paieta. Toca bá tchmode Motche… Dvera, log que Motche tchegá, el dá quel home fala na linga norueguês, ma smeme assim nada fete! Despos, Motche pará um gzinha ta pensá e perguntal de que parte de Noruega el era. Log quel noruega grilí oie e respondel cma el era da lá derriba na Norte!

Senhor Motche anton dsabrí ta dá um show da gaita na Tribunal, quê el pô ta falá e traduzí tude o qu'aquel home tava ta dzê, ma na sê prop linga de Norte de Noruega, pa esponte geral de tude gente…

Dá tude cosa bem pa clore, quê Motche bem explicá Sr. Juiz cma o quês tinha dode quel noruega pa bibé fui álcool pure a 90 grau, que fazel alterá tonte assim!

Despos de tude ês explicaçon, noruega pedí perdon e desculpa, quê na funde el era bom home. Anton Sr. Juiz pol pa pagá um multona pel pudia siguí viaja, quê sê vapor inda fecá três dia ta esperal, fundiode lá na mei de Baía de Porto Grande…

Prublema é quonde tchegá ora de sinatura de réu ma tistmunha, tchegá vez de Motche siná. Motche vrá pa Sr. Dr. Juiz, el dzel: EU NÃO SEI ASSINAR O MEU NOME, PORQUE NÃO SEI LER NEM ESCREVER!!!

Basta Sr. Dr. Juiz trá sês luneta, fecá ta spiá pa Motche, quê el ca cria nem carditá… Juiz fecá tão furiose, anton el mandá dal três dia de cadeia lá na Furtim pa mode el que ca sabia lê e que direite de bem inscrevesse na escola de note (Escola Camões) de Soncente, ondê que Motche tchegá fazê sê quarta classe… já home grande!

Apôs, assim era nôs Soncente, que tude sês contraste de vida, que sempre sube fazê sê CHARME e gordá sê MORABEZA!!!

Zizim Figuera  (José Figueira, jùnior)

V O L T A R