PARTERA DE TCHON DE CAB VERD

Ê na respeite, humildade e um amor tamonhe de munde cum ta começá pa pô de joei na tchon e prestá um homenaja bem grande a tude quês Amdjer de valor de nôs terra, que um dia também foi Mãe e que na continuaçon de sês existença ma experiença de vida, sem bá pa escola, pude ijdá tcheu de nôs Mãe pô nôs nesse munde.

Um otchá de juste cma já n'era sem tempe, desde cum tita escrevê pa lembrança de cosa de vida de nôs terra ma nôs gente, trazê pa praça Stora dês amdjer importante que naquel tempe tava passá despercibide na tude Cab Verd, pa mode quel traboie de respeite, fete na silence, era de ijdá bem pa Vida!...

PARTERA era sês nome, ês amdjer corajosa socorre de pove, que ca tava cansá de fazê camin longe a pê, num época que ca tinha Maternidade, nem táxi e mute otes cosa que nô ta otchá hoje india, sô pa basse ijdá quel Mãe tem sê mnine na casa ô lá ondê que Deus dexal pa nascê! Assim, e durante tcheu tempe, ês foi garantia de sobrevivênça na continuidade de tude nôs Pove de Cab Verd.

Sês traboie era frute de tude um experiença de vida vivide e de mensaja quês, pa garanti sês importância grande na sociedade, tava passá cumpanher na continuaçon de mãe pa fidje. E, se hoje um ta li ta falá dês na respeite, é sô pa lembrá pove cma um dia tcheu de nôs que bem p'esse munde passá pa sês mon!

Vida é cosa importante e é um presente que Supreme dá nôs, cada um já que sê stora pa deslindá desde barriga de Mãe, té dia quel morrê. Assim, é tmal que paciença, seriedade e respeite pa cumpanher, quê tude gente nesse Munde é importante.

Quê betasse um fidje na munde nunca foi cosa fácil, inda más naquele tempe que, p'uvi dzê, um amdjer tinha que ser corajosa, quê situaçon n'era igual pa tude gente quonde tava tchegá quel hora.

Pobreza tava cambá Spital, ondê que cosa n'era de brincadera e era dada dôr na tchon, derriba de sóc quonde ca ta tinha cama pa tude gente, inda por cima que Mari Roque, boa infermera partera ma sempre desaforada, derriba daquês coitada sofredora ta gritás pas despatchá quê, quonde ês tava sabe, ês ca tava ta lembrá na bô é que sabe!

Assim, quês que tava podê tem sês mnine na casa, cosa que tava contecê quaz sempre, log quês tava dá dôr tava bá tchmode ta corrê quel PARTERA recomendode que tava morá mas perte de lugar.

Pa sorte, ês tava morá quaz tude nuns lugar bem situode de Mindelo e Fralda, prop já pronte pa socorrê criston log que tivesse falta, moda tava uvide dzê pa boca de quem tivesse side Mãe.

Na terra tinha quês PARTERA de fama moda Nha Hortensa de Lombe, Nha Clara mãe de Zabel e Djunga de Spital que ijdaba nha mãe pô-me nesse munde, Nha Maninha mãe de Cacoi na Rebera Bote, Nha Chica de Scolte Dade ma Nh'Antonha de Cortel na Monte Sussegue, não sem esquecê de Nha Tereza Julia d'Olte de Nhô Lêle, ma Nha Narcisa partera famosa de Praia Branca na SaNinclau, que tava bem de vez inquante pa Soncente bem ijdaba quonde porte era difícil.

Tude ês li era na devera daquês amdjor PARTERA de nôs terra, que tava conchê sês traboie, prindide pa experiença, sem nunca ter bode pa escola e que tude pove tava respeitá na sês manera de fazel.

PARTERA dum vez, que na tchon de Soncente era tude considerode amdjêr de valor, ma de coraçon d'or e dum grande humildade, tava fazê sês traboie sem exigi de ser pagode e Deus tava defendê de quem falasse na pagá! Era log um ofensa!

Na nha memória de mnine, um ta lembrá quonde Urisa de Nha Rosa Mendes daba sê primer dor lá na nôs rua de SanBandera, quês mandá nôs log bá tchmá Nh'Hortensa lá na Lômbe, ta corré!

Nh'Hortensa ca esperá pa más, el marrá sê xaile na cintura moda era custume, pé na mama de cadera direçon nôs rua, cumpanhode pa nôs ma Tchubim, sobrim de Nha Rosa, que tava tude contente pensonde cma el também tava ta bâ entrá pa sisti porte…

Ma ês pô nôs tude na rua e bá ta dzê nôs, cma mnine tchequer fagon! Dá nôs tude fecá contente e pô ta colá Tchubim bem fête!

Log quonde Nh'Hortensa tchegá, el pedi um bacia d'ága firvide, álcool, pone, tesora e mas otes cosa qu'era mistide pa sirvintia daquel momente, durante quel hora de nascença de mnine.

Basta sê primer preocupaçon foi espiá posiçon de mnine na barriga, p'ela oiaba se tude tava linhode drete e bem colocode pa traboie de nascença pudesse cumeçá sem problema…

Despôs, ela lavá mon n'álcool pure e, que sê tesora ma pone na mon que gete, ela cumeçá ta ijdá quel mãe, na mei daquel dor, pô sê Onje de Criste na tchon desse nôs Planeta tchemode Terra!

Tude peripécia desse movimente nô vivel, quê nô fecá lá na quintal de casa ta goitá nuns braquim de porta sem Nha Rosa sabê, quê senon nôs tude tava levá de vara…

Quel mnine, por nome d'Ilídio, tchegá nesse Munde nú moda nôs tude, que dôs palmadinha na sola de pê dode pa Nh'Hortensa Partera! Log nô uvil dá sê primer salva que Deus dexá, cum gritim siguide daquel tchore, pa ligria de Partera que trazê más um mnine pa munde sem problema, Nha Rosa ma Urisa, que tava ta ser mãe pa primer vez na sê vida, fecá tude feliz t'admirá sê obra, que Nh'Hortensa pol derriba, pa quel primer contacte de fidje ma mãe.

Ligria foi geral pa tude gente de casa ma vezim… E Partera lá dente tava continuá sê traboie sempre ta secá reste de lágrima d'oi de parida, que té inda tava estode moiode daquel esforce dode na dor… Lágrima de mãe que despos tava vrá sorrise, quonde mãe já tava podê oiá sê fidje cabode de nascê, que sês oi chei daquel AMOR sô de MÂE que na Munde ca tem igual!

Nh'Hortensa, na continuaçon de sê expediente, pegá dá mnine quel primer bonhe na ága morna, despôs cural imbigue que pô de sulfamida…

Anton, moda de custume e despôs de tude ês cuidode, tava bem quês rebera de consei de Partera pa gente de casa, quê quel mãe parida de nove, tinha que fecaba na cama ta descançá uns dez dia e nada de stora de contacte ma home, pa ca estragasse e dasse quel mnine "lete rum"…

Quê se mnine mamasse lete rum era um problema e ês era obrigode a bá cural barriga que ramede de terra: chá de folha de goiavera ô bufarera binde dá lá d'horta de Nhô Zidor de Norte de Salamansa!…

Despôs de tude ês consei e c'aquel cuidôde que era normal, imbigue de mnine tava cabá pa caí, na fim de dia de sête dia. Anton era quel grande Guarda-Cabeça, moda tradiçon sempre mandá, que Mãe dode consei pa dasse mnine sô sê lete de peite pal pudesse criá gordim, forte e chei de saúde.

Partera, inda despôs d'imbigue de mnine curode, tava cuntinuá uns dia ta dal bonhe e pesal tude semana iliode na pone, spundrode naquês balança de mon.

Pa tude quês cosa cum vez ca tinha, ca estorvone de ter um sociedade d'home ma amjder forte graça a esforce dês Partera de nôs terra, que sempre presentá pa nôs moda un sigunde mãe pa mode quel atençon quês dedicone desde de primer dia, que tude quel amor que té dia de hoje tude fidje de parida devê lembrá, sabê respeitá, dá valor e ca podê nunca esquecê!...

Na mei de stora dês mnine ta nascê, moda voz de pove de terra ta contá, ta tinha uns stora d'amdjer que dzide, tava estode ta esperá mnine BUTIODE. Dzide cma ês tava passá sês vida, durante gravidez t'uvi mar ta esquebrá deboxe de sês cama, gole múseque ta cantá, etc…etc…malagueta!…

Problema é que mute dês ca tava esperá Partera tchegá pa ijdás, anton ês tava dá sês dor ês sô, mnine tava cabá de nascê de barriga de sês mãe, log ês tava pô ta garanhá na parede, go dzide ta crê bai! Pa ondê?

Ninguém, té hôje ca sube! Anton quês Mãe, que mede de perdê sês fidje, tava tocá grite e dzide cma quel Mnine já ca tava feji e el tava voltá pa cama ma jal ca tava fecá normal e tude gente que sabia tava dzê cma el era MNINE BUTIÔDE…

Ês nôs Partera foi sempre daquês amdjer que pove de terra sempre oiás que mute estima, respeite e admiraçon, sobretude pa quê ês ca tava querê recebê pove um toston quê, moda ês tava pensá na sês cabeça e na tude sês simplicidade, quel traboie era sês DOM que Deus dás pas cumpriba sês misson na Terra! E assim, denher ca tinha nada ver que tude quês cosa lá!...

Quonde mnine tava fazê sê primer one d'idade, tude gente tava bá levá Partera um prisintim na nome daquel mnine e lá na casa, durante tude tempe de nôs existença, nôs Mãe tava falone sempre de nôs Partera pa nô ca esqueceba cma ela era quel sigunda Mãe que ijdá nôs tude desimbarcá nesse VIDA…

Também, quonde tava morrê um Partera, era oiaba quês tonte e tonte mnine ma gente grande ta cumpanhá interre de flor na mon, pa basse betá na cova junte ma caxon, pa mimória daquel sigunda Mãe que nô tinha pirdide e que tava pedide Deus lá na Céu, pa dal um lugar de Paz e Amor, na mei de tude sês anjim!

Pa tude cosa que podê contecene nesse munde e pa dondê que nô bai, despôs de tonte one d'existença, pa tude aquês que nascê, consigui criá c'ajuda e poder di Deus e que num dia ô ote num passaja de vida sinti el sô nesse munde, n'é pa nunca infrontá, quê sempre ta bem na mimória tude ês lembrança de VIDA, pa done quel força pa no podê continuá ta EXISTI e lembrá cma cada um de nôs tem IMBIGUE ligode lá naquel terra ondê que nô nascê que um dia foi cortode que tude AMOR pa ês ONJE que Deus mandone di Céu e que pove butzá que nome de PARTERA e que tonte geraçon devê sês prisença nesse MUNDE que nô ta vivê!...

Pa Iternidade, PARTERA de tchon de Cab Verde e de Munde inter, bsote nome ta fecá gravode na nôs mimória e na funde de nôs coraçon que tude honra que munde devê bsote.


Zizim Figuera (José Figueira, júnior)


V O L T A R

Comentário:

Já nada me espanta nas revelações da tua extraordinária memória, Zizim, mas é fantástico ver aqui vertidos os nomes das antigas parteiras da nossa ilha.

E se realço este facto é porque eu já nem sequer me lembrava, vê lá tu, do nome daquela que me trouxe ao mundo, tanto tempo já passou (tenho 65 anos).

Só atendo-me aos nomes aqui citados me foi possível, numa rebuscada associação memtal, concluir que deve ter sido a Teresa Júlia. É que a minha mãe falava na sua parteira e o nome Júlia creio que era o mencionado.

Envergonho-me deste injusto esbatimento da minha memória, mas se a exactidão do nome me falha, a imagem física da pessoa conservo-a com razoável nitidez, porque a vi na altura do parto dos meus irmãos mais novos, além de ter passado por ela uma que outra vez na rua.

Era de estatura meã, magra, de tez moreno-crioula, de feições magras e correctas, e conhecia-a sempre vestida de preto, e, se não me engano, envergando xaile da mesma cor. Acho justíssima esta homenagem às nossas saudosas parteiras, pessoas que agiam apenas por amor ao próximo, como tu aqui lembras, sem nenhum lucro calculado que não fosse a emoção de trazer à luz da vida novos seres humanos.

Pessoas dessa estirpe pertencem à galeria das nossas mais gratas recordações. É bom que haja quem, como tu, as enalteça e as lembre às novas e futuras gerações.

E tu o fazes com mestria e genuino sentimento, rapaz, contribuindo para que, além do valor artístico-linguístico dos teus ensaios de escrita, a memória de uma época esteja a ser preservada.

Costumas anotar que os acontecimentos das tuas crónicas se reportam essencialmente às décadas 40 e 50, mas penso que há nos factos e figuras dos teus relatos marcas de uma tipicidade que são de todos os tempos da cena mindelense. Continuemos, irmão.

Adriano Miranda Lima

V O L T A R


Comentário:

Zizim, esta pertence ao grupo de estórias "homenagens" que todos nós solidários agradecemos. Por acaso não é das mais conseguidas, na minha opinião, pois falta-lhe algo a mais ou a menos.

Nasci com a ajuda de uma dessas curiosas mas tiveram de chamar o Dr.Fonscea. Os meus irmãos nasceram já numa fase em que havia as parteiras enfermeiras como a Dª,Andreza Pinto e Dª,Tanha Rosalina, Mari Roque e outras Sabemos que vingamos e passamos a segunda fronteira da Guarda-Cabeça mas que mortalidade infantil era enorme, bem como as infecções consequentes de um estágio de necessidade e ignorânicia.

No entanto reconheço que é tarefa de Hércules, manter semanal e pontualmente esta coluna que regozija tanto a tantos dos nossos compatriotas espalhados por este mundo. Há dias estiva a reler uns contos de Garcia Marquez em que diz ter estado dois anos sem escrever e ter começado a perder o pé.

O ser humano tem dias,tem seca e secura. E ELE também acaba por repetir. Tornaste-nos exigentes e mau pagador.

Fraterno abraço MAG

Margarida S.Mascarenhas
magui.salomao@netcabo.pt

V O L T A R


Comentário:

Meu Grande Amigo Zizim de Ti Djô Figuera Cá estou sempre atento junto da nossa malta de Rebera Bote para te parabenizar por esta linda narrativa em que pões em valor mais uma vez a nossa gente do povo e em especial aqui as nossas simples mas honradas parteiras.

A maioria de todos nós da época passamos pelas mãos habéis desse tipo de mulheres muito especial na nossa sociedade, numa época que como bem dizes nada havia e nenhuma delas era formada o que para tal caso delicado que é o de ajudar-nos a nascer tornava-se imperativo.

"Má na tempe de Caniquinha era prop assim". Nós também nos ajoelhamos humildemente prestamos homenagem e agradecemos ás nossas Partera.

Boa semana e forte abraço GUEY

Miguel M.Monteiro              mucimdereberabote@cvtelecom.cv


V O L T A R

Comentário:

Zizin. Tu estás "IMPOSSIVEL". Cada vez melhor. Vou ter que fazer muitas medalhas de ouro. Que Deus te abençoe. Se fosse politico faria uma placa em homenagem a Mari Roque. Devo a minha vida a ela. Nasci em 25/08/1939.

Nasci com quinze dias antes do tempo normal. Neste dia estourou a 2a. GUERRA MUNDIAL e se não fosse Mari Roque eu realmente morreria. Ainda bem que ela morava pertinho de nós, e o POVO gritando que a Herminia estava passando mal, lá, já, foi correndo para socorrer: EU NASCI. A homenagem a estas mulheres é bem mais que merecida, e muito feliz.

Abraços do Gui

Aguinaldo F. Nobre                  aguinaldonobre@hotmail.com


Comentário:

Ze, umas das boas lembraças para um bom comessar, e um Domingo alegre, trazendo aquelas recordações, as Parteiras que nos ajudaran a chegar neste mundo. Muitos talves, ja não se lembra, ou nunca souberam quem foi a parteira porque não lhe disseram, ou ja esqueçeu. Eu ja vou completar 80 anos, .mas sempre a minha mãi dizia-me, era visinha, que morava a uns 200 metros, eu com os filhos dela eramos como irmãoes, ficamos com aquela amizade atè esta, dos meus irmãoes tambem outra vizinha, morava a 4 portas da nossa casa, e foram os nomes delas ja aqui menssionada Nha Ortencia e nha Clara, avia muito maies parteiras uns maies conheçidas, mas foram pessoas de respeito inesquecivel. Hoge são as infermeiras, 4 a 5 anos, ja não sabem quem foi, e pena mas assim è avida moderna, temos que convortar-nos, elas eram mema coisa os Professores, que ficou na mente de muitos de nòs.

Januàrio Matias Soares              jmsoares@casema.nl

V O L T A R