NA CAMIN DE SAN TMÊ - ONES 1950/1960

Foi num daquês dia ventose de 1956 que Quanza, quel vapor português de cósc pintode d’azul clore, brêtche brónc e canude prete, nem um posse gorente, fundeode lá longe na lorgue de Baía de Porte Grande de Mindelo, bem pa Cab Verd, bescá quel primer ramessa de nôs compatriota contratode, pa basse trabaiá na roça de San Tmê.

P’ informaçon de quem ca sabê, Quanza era um paquete de carga e passager, que português transformá sê porão pa carregá home c’amdjer trançode, sem dô nem piedade, moda na tempe d’escravatura!

Moda se fosse ahoje, é de lembrá cum grande tristeza de tude quês gente puste na bicha lá na porta d’escritor de Sr. José Santos, na rua de Sant’Anton (rua de Matijim), perte de nôs casa, ta ba dá nome, ô amdjor ta bai siná quel controte que tava abris um porta de traboie pa Camin de San Tmê!

De vez inquande, na mei daquel bicha tava parcê um ô ote cara d’amigue más bedje, moda Pol ma Pirra de Nh’Antuninha, Cook de Brinquim, mnines de nôs rua de Sá d’Bandera, ondê que nôs tude criá djunte. Enton, deboxe de nôs inocença prope d’idade, nô tava perguntás, porquê quês ba dá nome?!

Ês tava pô cara na tchon de vergonha e tava do’n quel resposta séc, ma chei dum profunde tristeza maguode de dexá sê terra, de: - Carvon cabá, ca tem carvon, nôs terra já ca tem ricurse, quê du que jal dá, jal dá!

Ma,pa nôs, c’nôs quinze ma dezaseis one e c’nôs três refeiçon por dia garantide derriba mesa, era difícil, apesar de nôs grande tristeza, de comprendê na época dimenson daquel grave prublema que tinha tchegode na nôs pove, d’oiá quaz tude nôs amigue d’infância ta bai p’um destine incerte daquel lá qu’era Camin de San Tmê.

Inda más, custumode d’oiás tude dia ta betá quel bote na mar, lá na Praia de Bote, pa basse rocegá quel carvon de Shoot (reste de carvon que tava caí na mar) de carvoer e que fecá na funde de nôs Baía, inda um data d’one pa sustente de pove. C’aquel partida de seus, nôs rua tava ta ba fecá baziu e chei de tristeza, aliás moda prop el fecá.

Panorama de Camin de San Tmê, nhas gente, foi sem dúveda um contecimente bem triste que marcá em pese, c’ferre quente na sê carre, tude um geraçon de Cab-Verdione que tê inda tem que ti ta sofrê del.

Era, aquel quintalon d’antigue Miller & Corys, chei d’aquês barraca d’improvise, sem nium condiçon d’higiene, ta recebê gente binde de tude nôs Ilha, em especial de San Anton, San Niclau etc., sustentode p’administraçon d’Ilha de Soncente, na mei dum parafunda e confuson sem fim.

Quanza depôs tava rumá pa Ilha de Santiago-Praia, ondê quel tava bá cabá de completá sê carga, daquel nove forma d’escravatura de nôs pove martirizode.

Dia d’imbarc, plumanhã log cede, enton era tude quel pove verdione, juntode, formode um só bloc, ta ba rudiá Igreja de Nossa Senhora da Luz na Soncente Cab Verd, cumpanhode c’múseca.

Basta lá na nôs rua, sem excepçon, mnine c’gente grande, tude bá cumpanhá quel procisson de nôs pove ta rudiá Igreja, deboxe dum tristeza tão grande que tê tude loja de nôs rua fecthá porta pa solidariedade.

Daquês cosa que ta marco’n pa tude tempe e que sô más tarde, depôs de grande, quonde bô ta bem descubri orija de cosa, ê que bô ta bem tmá conccieça de realidade.

Daquês espetacle que sô quem vivel nunca ta podê esquecel, era um procisson dum pove sofredor, cumpanhode c’tude espece d’instrumente: - viola de dez corda, chocalhe, pander, cavaquin, violão, bantche etc., na ritme daquel triste cantiga, rancode, cantode deboxe dum tchore chei de raiba ma c’força, na grite dum sô voz chei de dor moda ta bem de más profunde de coraçon daquês Alma sofredor, de:

- Ôi tonte de corrê parriba… Ôi tonte corrê praboxe… prei sim rume sim direção… Quem que t’’oiá São Vicenti di longe, ca ta podê imaginá qui tormente que nô ta passá... Nossa Senhora da Luz ta cumpanho’n… Senhor São Vicente ta eslevio’n pa nô podê criá nôs fidje...(Morna de Lela Maninha).

Dalá d’Igreja, foi directament pa Cais d’Alfândega, pa quel triste imbarque, c’quaz tude Soncente t’oiá situaçon de sê pove, cum raiba de gaita, sem podê fazê nada. Aliás, nôs falecide e grande poeta Gabriel Mariano, na sê poema “Comissário Ad Hoc”, ta traduzi mute bem tude essse situaçon.

Tude ês situaçon ca tinha razon d’ixisti, se tude provdência tivesse side tmode na tempe e hora quonde cabá carvon. Basta ê sô fazê um comparaçon ma Ilhas Canárias, c’menes condiçon na época que nôs Cab Verd, pa tude verdione comprendê o porquê de nôs situaçon e de dondê qu’erre ti ta bem e uli um nota pa quem que ca sabê.

Já na fin d’ones 1940, Holanda tive proposte instalaçon dum rafinaria de pitrol, cum ligaçon ta bem de Curaçao-Antilhas (cumpainha por nome de Stander Oil), lá na Soncente, o que tava abri um grande porta de traboi pa tcheu gente, tava dá Porte Grande na Soncente de Cab Verd um bom impulse na situaçon de sê economia e evitá tude ês crise, que tê hoje nôs pove ti ta conchê.

Cosa que na época colonial foi proposte n’Assembleia Nacional na Lisboa Portugal, ma tropediode pa nôs prop representante deputode de Cab Verde a favor d’inglês e sês acorde bilateral de conveniença ma português. E moda voz de pove ta dzê: - Foi costa na tchon… denher na mon!!! E cma inglês nada más fazê pa nôs evoluçon tecnica e social, nô fecá lá ondê que nôs tude sabê que nô está.

E dzê cma Baía de Porte Grande de Mindelo na Soncente de Cab Verd, c’tude sês condiçon natural d’amdjor Porte de Costa d’África, recunhicide na Munde inter, já tive cerca de 100 (cem) vapor fundeode (fotografia fete pa nosse falecide amigue e Senhor Leonel Madeira) na sê Baía. O que tava rendê um troc grosse pa nôs Arquipelgue de Cab Verd, pamode sê posiçon estratégeca e geográfeca na Munde, na cruzamente de via de comunicaçon de linha internacional de navegaçon, troc que sempre tchegá e dá pa pagá funcionários de tude Ilhas de cab Verd na época.

Pamode tude ês ronha, nunca nos Porte Grande foi modernizode num época quonde era mistide inda c’tude quel tráfic importante de vapor ta passá na nôs Ilha de Monte Cara, era: - falta d’ága doce, falta dum cais costável, falta dum bom pipe-line e de tude o qu’um bom Porte de mar moda aquel de nossa divia ter tide na tempe e hora.

Ma, por falta de quem que bsote sabê, nô ca tive! Enton, tude muvimente poc a poc fegí, ô pa Dakar ô pa Canárias, e assim cumeçá morte e decadence de nôs bom Porte Grande de Soncente Cab Verd.

Num altura, fui também falode na franquia de Porte Grande de Mindelo, moda tê hoje ê Porte de Tenerife na Canárias, o que pudia também ter dode um grande pintche na desenvolvimente de nôs terra, ma pamode tude quês acorde, interesse, denher e falcatruas, nô fecá sempre na retaguarda e ta vivê d’esperança. Cosa que tê data d’hoje em dia, tê ti ta revelá pa pior.

Mesma cosa ti ta contecê c’DjaSal, Ilha de nhas afectos ondê qu’um vivê 15 (quinze one) e, sê bom Aeroporte Internacional de condiçon também sem igual na Munde que Talione fazba na 1939.

Naquel tempe também depôs português tmal ma ês ca fazê nada de nada na el pa amdjoral cosa que foi fete depôs pa África de Sul pa nescidade de fazê atterá sês Jumbo na Ilha. Basta potuguês, tê depôs cunsiguiba perdê F.I.R. de zona que bai pa Dakar. Ma, flizmente que bem indpendência e A.S.A. cunsigui torná recuperal ( F.I.R.) dá salvá situaçon.

Pa concluson, tude ês prublema que sempre nô tem tide durante tude nôs exitença, pamode situaçon sempre criode pus’otes, que dentre de realidade nunca tive nem tem razon d’existi se nôs responsável tivesse trabaiode drete pa nôs terra ma nôs pove, sem pensá sô na sês interesse pessoal e sês pê de barriga. Desse manera, pove verdione na munde nunca tava conchê o que quaz sempre el conchê, embora sê terra ca ta produzi quaz nada, moda: - miséria, fome, emigraçon, etc,... E, CAMIN DE SAN TMÊ!!!


Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V o l t a r


Comentário:

Zizim, antes de mais desejo-te melhoras e muita persistência em publicar as nossas vivências para que não fiquem no esquecimento. Esse "Camin de San Tmê" tocou-me duma forma um pouco caricata: - a minha mãe "Zepa de Nhô Muchim de Candinha" que morava na rua de Moeda resolveu inscrever-se para San Tmê afim de contrariar os pais e também para fugir porque estava grávida. Na chegada do navio arrependeu-se e fugiu. As autoridades foram atrás dela, mas só a encontraram nos primeiros dias do meu nascimento. Daì para frente é que as coisas complicaram para mim. É que eu recém nascida é que fui parar a prisâo, com alguns dias de nascimento. Eu presa assim a minha mãe não conseguiria fugir de novo. Ela podia sair do presidío, mas eu tinha que ficar lá retida. O meu pai e os meus avós só podiam ir ver-me no presídio, antiga VôVô perto do campo de Jogo. Um forte abraço. Bitina

Albertina Gomes Monteiro              bitina.monteiro@hotmail.com


Comentário:

Caro Z.Figueira, Como sempre agradou-me imenso essa tua última crónica pertinente e muito bem escrita Continuação de melhoras e um ABRAÇÂO Hermano

Hermano Almeida              hermano44@hotmail.com


Comentário:

Caro primo, tocaste numa das mais vergonhosas acções (ou omissões) do governo de Portugal. Está magistralmente bem escrito e, espero, que seja lido e reflectido por muita gente de memória curta e pela nova geração para que fiquem sabendo. Muita saúde, e muita força. Aquele fraterno abraço Gui


Aguinaldo Wahnon           guiwahnon@gmail.com


Comentário:

Caro mano,Texto triste, amargo, pior do que carvon de rocega onde demonstras a dura realidade que muitos dos nossos não conheceram e ainda bem. Aquele abraço Gaby

G.Mariano                  gmariano@gmail.com


Comentário:

Olà amigão, Como vai essa saude? Espero que estejas bem. Eu estou em Cabo Verde onde vim ver minha mãe, mas vou voltar amanhã para Itália. Como sempre as tuas estórias fazem bem a todos nós e cada vez é sempre com grande prazer que as lemos. Um grande abraço da amiga que te pensa sempre. Lutchinha

Maria da Luz Cosmo            marialuzcozmo@hotmail.it


Comentário:

Zizim Nha Broda, Hoje esse storia, que ta mute bem escrite, já toca'm na parte sensível dum corda de nha vida, quê quaz tude nha familia fui vitima desse Camin de San Tmê, ondê que cosa ca corrê nium dês drete. De volta pa Cabe Verde ês bem tê más pobre e más atrazode de espirte que quonde ês bai. Inda bem que tive quel porta aberte pa Europa especialmente pa Holanda que salvo'n situaçon de fcá más trazode. Mi também piqnim m'bai ma nha mãe rudiá Igreja naquel dia bem triste de nôs imbarque pa San Tmê deboxe daquel tchore de pove de: Oi tonte de corrê parriba... Daquês cosa que nunca mi ha de esquecê manera quês poba nôs moda bitche na funde porão de Quanza na mei de tude quel pessoal enjuode trançode c'vomite. ma flizmente cabverdiane é um pove forte. Ubrigada Zizim e hoje storia foi publicode log cidim na Liberal e assim já na hora d'almoce li na Sidney nô pude reuni pa lembrá graças a bô tude nôs convivência sabe c'margose. Força e melhoras. Um braçona de nôs cumunidade verdiana. Terencio

Terencio Lopes               terencio.lopes@yahoo.com.au


Comentário:

Zizim com grande tacto soubeste trazer á reflexão de forma bem escrita esta realidade que não podemos deixar para trás afim de elucidarmos a nossa juventude. Há quem diga que perdoar é esquecer. Mas como esquecer quando se é considerado como um ser inferior por não ter sido abusivamente alfabetizado e poder ir a escola estudar e avançar para poder conhecer a origem das coisas e reagir. Felizmente que conseguimos até uma certa medida vencer este pesadelo de São Tomé e Principe desviando nos sobre outros destinos mais certos para nós e nossos filhos. Lamento muito todos aqueles que ainda estão ali em São Tomé sendo maltrados pelos autóctones sem um estatuto adequado mesmo pelos filhos que aí nasceram. E depois nós nos dizemos africanos quando se é maltratado por eles. Que nos consideram eles? Onde está a fraternidade neste caso de figura. Toda a minha familia de Perda-Badejo ainda vive ali em São Tomé com grandes dificuldades. Senhores do governo sabem responder? Que fizeram até agora por essa nossa gente, após o fim do colonialisnmo que agora acabou embora deeixou essas sequelas. Obrigado Zizim Figueira por apresentares esta delicada situação a todos cá no Liberal. Deus te abençoe. Abs Cauca

Carlos P. Semedo               caucapsemedo@hotmail.com


Comentário:

Djô, M'ta lembrá moda se fosse ahoje quonde nôs tude ba rudiá Igreja de Nossa Senhora da Luz de nôs terra Soncente ma tude quel pove de nossa ta bai pa São Tomé. Bom dia dmingue e um braça Lili

Larry de Pina                 LPINA1@tampabay.rr.com


Comentário:

Olà , irmao das comunidades; mais uma das tuas estorias,-de fim de semana- , relacionado com a vida de outrora, na nossa terra. Na verdade, os anos 50/60, foram anos dificeis, que se viveu em Cabo Verde . E (Esse Contrato pâ San'tomé ) ficou gravado na memoria do cabo-verdiano, particularmente daquêles que viveram, esta triste aventura, indo trabalhar nas roças, na colheita de cana de açucar . Para além da morna de Lela de Maninha, -Oh tonte corrê, sem rume sem direçao -Nao devemos esquecer, (Esse camlnho pâ Sao Tomé ) de Abilio Duarte, excelente autôr e compositôr, cujo texto, traduz, toda verdadeira amargura que passaram, aqueles que aceitaram,...( o amargo contrato ). -Pâ San-Tomé - Aquele abraço, do irmao das comunidades, Um criol na Frânça; Morgadinho !..

Joaquim ALMEIDA              soalmeida@free.fr

V o l t a r


Comentário:

O Zè, aquela època, foi a maior separação, da vida de nos terra, uma tristeza, que levou povo Caboverdiano sem lemito, creio que ainda gente que ainda sofre pela separação, que nunca maies tiveram a oportunidade de encontrar com seus familhares, mas sempre com a esperansa de poder ver um dia estes queridos. Aquelo abraço amigo. Januàrio

Januario M.Soares            jmsoares@kpnmail.nl


Comentário:

Sob pena de repetir a história, sem duvida é um material de estudo para os que detêm o Poder de decisão neste País.

Lima                        antaolima@yahoo.com


Comentário:

Sr.Zizim, muito obrigado por mais este "testemunho". Gosto muito dos seus textos, que retratam o nosso Sãocent de antigamente. Relatos essenciais para que os da minha geração (anos 80) compreendam o presente da nossa ilha. Desejo-lhe força e saúde para que nos possa brindar com mais artigos todos os fins de semana. Abraço, Gilson Silva


www.caboverdiano.net            blogcaboverdiano@gmail.com

 


Comentário:

Era miúda e ainda me lembro de pessoas esperando em grandes filas para receber os 500$00 e uma manta para embarcarem para o serviço escravo em S. Tomé .

Muitas pessoas ainda continuam aí a viver numa pobreza extrema e sem meios de poderem regressar à terra que as viu nascer . Era no escritório do sr Veiga que iam receber os tais 500$00 e a manta.

Julgo que a juventude de hoje (maioria ) desconhece o sofrimento dos nossos irmãos em S.Tomé .

Vi muitos amigos e familiares partirem para o Sul como era conhecido na altura e alguns morreram por lá, apenas um familiar por afinidade teve a sorte de regressar porque na altura tinha a 4ª classe e trabalhava como capataz .

Muitos parabéns por ter trazido este tema, aliás o sr Valdemar o ano passado já tinha trazido o mesmo tema com o título "Destino D" Césa " e nunca é demais continuar a batalhar no mesmo. Parabéns !

Gabriela AmadoSilva              gabybamado@hotmail.com

V o l t a r