UM SEGUNDA-FERA DEBOXE DAQUEL ESPINHERA DE PRAÇA STRELA

Fudjinha parcê ta bem t'andá descolçe, na ponta de pé, log cidim, daquês banda de Tchã de Sumeter que sês dôr de crove que tava custumá maltratal e quemal na sola de pé! E, Deus defendé sel tocaba num daquês pidrinha malvôde daquel tchon, quê senon sê dia tava fecá log estragode de dôr.

Que mute cuidôde, ma sempre ligirim ta bem que gitim, só pressa quel tinha de tchegá quel dia de Segunda-Fera lassim, moda de custume, dia d'alvicera de cosa de vespera (dia Dmingue) passôde na tchon de Soncente, deboxe daquel Espinhera de Praça Strela perte de Club Mindlense, ondê que tude pove tava bá juntá e, que pa nada desse Munde el tava fecá sem marcá sê ponte.
Tchéu gente tava tchemal "Folha" em vez de Fudjinha talvez sô pamode el qu'era magrim ô pamode el que foi um grande admirador, daquel tal "folha seca" grande ponta pé de Didi (Selecção de Brasil), que parceba na Copa de Munde de Futebol na Suécia, one de 1958!...

"Folha", grande amigue e cunchîde na terra, irmon de Jack de Beta e Maica Barronque, deboxe de sê poque escola, tinha um mimória feliz pa fixaba e prendê d'uvide, tcheu cosa de Cultura Brasiler que tava cumeçá dês de Nordeste, cambá té Rio de Janer.

El tava conchê Jorge Amado escritor, ma Luiz Gonzaga museque de sês baião, quel tava passá vida ta cantá e compará c'alguns cantiga de nôs terra que tava na moda sima "Bô Cabel Já Da-me Na Cara" e más ôtes que ca ti ta beme na ideia grinhassim!... Um verdader enciclopédia de tude ês cosa que tava incantá nôs gente.

El tava conchê Mangueira que sê Escola di Samba e também Botafogo, Flamengo/Fluminense (Fla/Flu ), quês dôs equipa sagrode e más rival de Rio, moda Mindlense/Académica na Soncente que tude sês estoria, ma sês samba, sem nunca ter puste pé na Brazil

Pirraçente moda el, ca tinha dôs na tchon de Soncente, inda por cima que tude cosa d'arri té fazê pove, chichi na calça, quel tava contá na sê gête sô d'seu sempre serie, sem arri, o que tava faze-me lembrá, quel grande actor comique Mercone, que na sês filme, nunca tava arri, por nome de Pampelinas aliás Buster Keaton.

Quel plumanhã lá, Espinhera tava tude fluride de marel ta tcheré sabe, Sol já tava prop quente, ma cum tempe bronde quonde Fudjinha tchegá cumpanhode ma sê cumpade, Putche de Nha Sabina, más cunchide na praça pa ser um boys medente p'afronta, que té um folha de mote se caíba de note na tchon perte del, cabel tava intchal na cabeça e era capaz log de sei ta corrê…

Ma naquel momente, Fudjinha ma Putche já bem ta tchegá na conversa ta lembrá cumpanher daquel bom arroz c'atum, c'azeitona ma tomate fresque, quês tinha cmide de vespra, lá na Bar de Gêgê ma Alberte manquim, perte de Quintalona…

Quonde pa depressa parceba quel primer arreloce de dia Dmingue, pa Segunda… Um data de gente, ta bem pa traz de Djô de Jon du Chîque que na épca era guarda-rêdes de Mindlense, chei de raiba, cum bique grosse dum kile e mei, intchode dum soc que Curuca (Deus dás céu) tinha el dode naquel jogue de Mindlense/Amarante de dia Dmingue.

Rivalidade daquês dôs criatura, já tinha durode tchéu, quê tude ês tava passá vida ta chatiá cumpanher que stora de quem qu'era, mas bom keeper (guarda-redes).

Anton quel dia Dmingue lassim, num jogue de Campionate, Mindlense/ Amarante log na príncipe de jogue, Mindlense metêba Curuca, um senhora gole...

Djô du Chique, proveitá log e pô ta grital dum baliza na ôte, cma el era um azelha e ta fazel um data menhoce, ma palhaçada que broce… Curuca vassalá, ca pude guentá quel goze, proveitá um jogada, bem da lá de baliza deboxe ta corré té tchegá na Djô, na mei de confuson daquel jogada e proveitá pa bá ta dal um bom soc na boca e log bai ta sei fora de compe ta corré, ondé quel despôs foi castigode e suspense pa Federaçon de Futebol, um one sem ijgá bola.

Djô, quel Segunda, tchegá na Praça Strela,que sê bique intchode ta perguntá tude gente pa Curuca, ta explicá pove, cma tude foi tão rapte, quel ca tive nem tempe de riagi. E, sô o quel tava pedi tude gente era pa dzel ondé que Curuca tava pal ba descontá, sê soc.

Afonso Coronel, quel grande buzode de sempre e rote de Praça Strela que sabia de tude cosa, proveità log de situaçon, el vrá pa Djô t'arri, el dzel:

- Quont'é que bô ta da-me s'um dzebe ondé quel está ? Djô dzel, vinte escude! Anton, po-me el na mon de favor, primer, ok ?! Dzê Afonso!... Djô pol sê nota de vinte na mon, Afonso tude contente largá t'arri, el dzel cma el tinha ôiode Curuca quel hora mez, ta bai pa Caizim bá cagá…

Djô, largá ta corré pa Caizim log quel hora que tude quel pove traz del, el tchegá lá, tava Girolde pliça scocá-cáca qu'era guarda de Caizim, el perguntal chatiode dmunde :
- Ondê Curuca? Girolde que ca sabia de nada, vrá dzel log cma Curuca, tava lá na gabinete numbre 2 (dôs)! Djô bai, cunquil na porta, Curuca inocente e em paz lá ta dá de corpe, longe de pensá na Djô, vrá dzê:

- Ô pessoa, quem bô?... Djô, chei de raiba, forton que sê voz grosse, vrá dzel, cma el era Djô de Jon du Chique e pal abri porta, quê o quel queria era sô descontá sê soc quel tinha el dode a traiçon naquel jogue de dia Dmingue!

Basta, nôs Curuca que já sabia cma Djô que sé bique intchode tinha estode ta espial pa tude banda de tchon de Soncente, dês daquel dia Dmingue. Panhode de surpreza e sem sabê cmanera que Djô sube cma el tava lá, inda más na Caizim?!

Boca cumeçá ta vral margose, té dal log goste de sabon trançode de tcherrica que bel dum vez, na mei de tude quel trapaiaçon.

Da lá dente, el vrá pa Djô, el dzel log cma el ca tava t'abril porta nem flaça! Anton Djô, respondel cma el também ca tinha pressa de basse da lá, quê já agora qu'el tinha el incontrode el ca tava ta bá largal. Despos duns hora de conversa, nôs Curuca resolvé dzé Djô OK ! Ma a condiçon, qu'el dába el, um sôquim bem devagarim ?!...

Djô, ca esperá pa más e dzel log Ok!!!

Já bsote pensá naquel suspense de tude quel pove traz de Djô ta esperá quel hora daquel soc?! Bsote ca ta nem imaginá!...

Basta Girolde, que bem sube, du que tava ta passá, cma el era Plica Scocá-Cáca, guarda de Caizim pa recebesse denher d'use daquês ratrête, bá log ta escoá da lá, pa ca dasse tistmunha, cosa prop de custume de terra, na épca, quonde ta tinha quês rixa, ma guerra marcôde lá pa lode de Coré.

Anton foi um verdader cena de teatre, Curuca abride porta já preparode, marrode dente na boca pa recebé quel soc de gigante de Djô de Jon du Chique, inda que calça na mon ta cabá de besti que Djô ta dal quel grande soc guentôde…Nhas gente?!.. Fui um cosa sô !

E, nôs Curuca levode sé bom soc, debangá da lá derriba dá escuá na sé broque de CAIZIM, ondê quel tinha estode ta dá de corpe, dritim pa mar!...Foi um verdader espetacle d'oiá nôs Curuca ta nadá, ta sei na praia tude borrode e quel pove morte de rise que nôs Djô ta bai tude bajofe, pamode el que tinha descontode sé soc.

Sorte de Curuca é que maré tava cheia, assim el quei foi dente de mar, quê se maré tava seca era log um chatisse!... Assim, el ta sei de mar, Djô dexi, bá bescal ta dzel cma agora ês tinha fecode "all square"(impôte)!...

Ês dá quel monzada e, moda de custume, tude quel stora bá cabá, lá na butequim de madrinha de tude gente, Laura de Gaspar de Praça Strêla, deboxe de Mindlense c'uns grogue e bafa de escabeche d'ôie lorgue, especialidade daquel casa, conta tude pagode pa nôs Djô de Jon du Chique "big man" que na funde tinha sê bom coraçon…

E assim, vida pude cuntinuá na tude sê serenidade daquel Segunda-Fera que más um alvicera que bem juntá má tude quês ôte passode naquel fim de semana de tchon de Soncente, deboxe daquel Espinhera Fluride de Praça Strela, moda de custume que tude sê pove sabe contente…

Zizim Figuera ( José Figueira, júnior )

--------------------------------------------------------      V o l t a r

Comentário:

Ó broda, depois da nossa conversa telefónica de hoje, em que me deste o grato prazer de saber que estás bem e a fruir em pleno as delícias dos banhos matinais na Lajinha, vim ler a stória desta semana.

Já a conhecia. Mas desta vez vejo-a aprimorada tanto literária como linguisticamente, se é que se pode já falar de linguística tout court relativamente ao nosso crioulo. O maior elogio que posso fazer à tua stória é confessar-te que do princípio ao fim a li com um riso escancarado e incontido que até a minha mulher esteve o tempo todo a olhar embasbacada para mim, perguntando-se sobre o motivo da minha boa disposição.

Claro que no fim contei-lhe tudo. Ora, a tua stória tem no seu bojo a nossa mais pura crioulidade, e eis a razão para, fazendo coro com um dos comentaristas de hoje, perguntar: Por que não nos amam? Por que não reconhecem que a verdadeira originalidade da cultura crioula cabo-verdiana nasceu e radica ainda na ilha de S. Vicente?

Sim, porque tudo o resto não passa de descabido pretensiosismo de quem quer tapar o Sol com a peneira, impondo-nos um alfabeto artificializado que divide os cabo-verdianos por razões menores quando a verdadeira prioridade nacional é unir esforços para vencermos os grandes desafios do desenvolvimento e do progresso.

A cultura cabo-verdiana importa, sim, que receba bons e avisados impulsos, mas não com decisões administrativas sobre questões linguísticas que não reúnem o necessário consenso.

A tua stória teve um efeito benéfico balsâmico sobre o meu moral depois de ver o meu Benfica perder 3 pontos ontem no confronto com o Braga. E se falo no meu Benfica é porque me tornei benfiquista de gema depois de simpatizante do Mindelense da minha meninice aqui trazido hoje à colação.

Adriano Miranda Lima

 

V o l t a r