CMÎDA D'ÔNJE

Quel sobede plumanhã, log na cantar de gole, Ceril, bom pai e cumpanher de dona de sê nome Nh'Antonha de Ceril, de quem ela tive três fidje, um por nome de Chaline, ôte de Mari'Pé de Pata e Ilídio que mnine de nôs rua de Sanbandera budzá d'Ungá, tinha arguîde num farripa e cum pressa de gaita, t'ingli quês golpada de café quente, inda ta scuá fume pa tude banda, sem tempe de sperá quel catchupa guizode que Nh'Antonha, tava ta vrá na frisdera, pa cumpanhal…

Quê el ma sê cumpade Quirine, capataz-chef de stiva de mei de Baía de Porto Grande, tudes'dôs Derby té murrer, tava trazode na hora qu'era pês basse djunte té Placa, que na épca tava fecá, lá pa quês lode de Funtinha, pegode ma Barbaria de Mané Surde, ondé que tava vindide e lugode, tude cosa, desse Munde… Pás podia basse scuíba quel fote que Ceril divia bá lugá, pal levaba bestide pa quel grande casamente que tava ta ba tem, quel dia datarde de cumpade Muchim d'Indione, ma Candinha…

Ceril, tava sempre que cuidode ta somá na porta ta goitá, quonde derapente, el oiá sê cumpade Quirine, pontá lá longe ta subial!... Log ês pô pé na mâma de cadera, ês cambá Plâca. Quel dia prá lá, lugar tava prop nimode, quê tinha um Grande Campionate d'Uril, lá naquel passei de semente, deboxe daquel sombra de parede de Barbaria…

Pove, já tava tude rinquiode na volta daquês cinqe tubler d'uril, ta sisti quês jogue… Ma, ondê que tinha más gente era na volta daquel tubler d'Hinriquim d'SanAnton, ma Candim de Nha Ninha (fazedera de buniquinha de farrope)pa sisti quês dôs grande campião, daquel táteca tchmode degolada, siguide daquel tubler de Jack de Studante ma Djidjé de Furtunote, também dôs bom ijgadôr!… Sô que naquel dia lassim, Candim é que fui Campião.

Cumpade Ceril, ma cumpade Quirine, cumpanhode pa sês amigue Artur Boxe, despôs de ter imborcode uns dôs stomperode, spiá p'arloge… Dá um grite de porraaa… cumpade já bsote spiá na hora?!... Artur vrá, perguntás, ma cmanera, pa czê tud'esse pressa?!...

Cumpade Quirine, mei ta rastá que linga na boca dzel, cma cumpade Ceril tava cuvedode na casamente de Candinha ma Muchim!..

Lá, Artur dá que mon na cabeça, el dzê: - ô Carambol…, Mi também, e jame tava squecide… Jal panhá, jal rancá pa depressa pa casa a pé, também bá besti sê fote.

Placa, também cma era sobede, tinha tude spece de cosa pa lugá ma vendé, naquel dia : cama de fer que cultchon de flurzinha ma travisser, baciiinha de cama, mala, malinha, malona, almore, bonque. cêfre, banquinha de cabecera, cadera, cander de pitrol, ma petrômax, panela, panilinha, panelona ma frisdêra de tude tamonhe, fete pa Nho Delfim d'Rebera Bote… E, ca tava faltá gente nunca na Placa, pa comprá ô lugá cosa de tude espece…

Ma pa cumapde Ceril, daquel hora, cosa más importante que tava ta priucupal era quel fote!...

Precisamente, lá na Nhô Martilhone ma Antonha de Bala, naquel dia, na sês pedra de Placa, tava um renca fote prop bnite e de tude côr ma tamonhe, pa vende ô lugá, quês tinha cabode de trá d'almôre, inda ta tcheré naftalina, pa defendé de traça…

Anton, cumpade Ceril despôs de tonte scuí, cabá pa incontrá sê bom fote, c'ajuda de dôs criatura de Deus, rote de Placa, que tava ta cumpanhal!...

Cinquenta scude por dia, sô pa fote e, cente cinquenta tude complete : - sapatim de pulimente, camisa que gravata já dode nô, meia e sobretude, não sem squecé, quel crove bronque de fantazia, de pô na peite.

Cumpade Ceril, que já tinha tmode sê bonhe e fazîde barba, proveitá log d'infiá sê fote, lá naquel reservode de Nhô Martilhone… Basta, el sei da lá dente dvera prop janota, té que pove tocal palma.

Da lá, el tmá taxi, inda el tchegá na hora e pude sigui, casamente tude rascon na fila, ta tocá buzina derriba de buzina, moda tradiçon ta mandá. Log quês tchegá, fui bufete, na casa Chim ma Candinha, ôndé que pla graça de Deus, nada tava ta faltá derriba de mesa.

Casa de casamente era lá na rua de SanJon, cara a cara que Barbaria, de nôs saudose amigue Johny Barber, que també era cuvdode, ma tinha dzîde Chim, cma el tava bá té lá, ma sô despôs de traboie…

Djoy, moda tude nôs tava tchemal, era stimode de nôs tude, quê el é que traba, nôs quês primer cabel, quonde nôs era mnine, sentode derriba daquel taba travessode na cadera de trá cabel, pa nô pudia fecaba más olte e, pal pudesse assim, cortone cabel.

Anton, el pô tude sês fidje, ma quês aprendiz, vezim ma más alguns amigue, lá na porta, pa tocá Muchim ma Candinha (Noives) palma, ora quês tivesse ta entrá pa casa binde de casamente… E, assim fui!!!

Na mei daquel confuson, de busina ma palma, tchegá cumpade Artur Boxe, um czinha chatiode, quê el já ca otchaba táxi pa sigui corteje e assim, el tava mute trazode…Um chatisse, quê tude gente bem de corre, tive palma e el ca queria entrá assim e a pé na casamente, moda el soprá Djoy n'uvide.

Anton Djoy (Johny Barber), dal um boa ideia! Ês tchemá cumpade Ceril, ês explical situaçon de cumpade Artur, log Ceril tchemá sê taxi, el pol na disposiçon d'Artur…

Taxi, panhá Artur, lá na porta de Barbaria, sei ta bai, dal um voltinha lá mez na Praçinha d'Igreja, somá na rua de SanJon ta pitá el só té porta de casamente…Que tude pove somode na porta, ta spiá s'era ote casamente.

Basta Djoy, já tinha tude gente preparode… Quês abuse prop de Johny Barber, quê quel goze, ma quel ideia d'Artur Boxe, besse el sô naquel taxi, inda más ta tocá buzina, que pô tude gente ta pensá cma era ote casamente, fui de Sr.Djoy, e sô de seu.

Quonde Artur Boxe tchegá, fui palma derriba de palma, Artur, dexi de corre tude bajofe, na porta de casamente el sô, bem fadjode… Basta, el bá ta gradecé, Djoy ta dzel, cma s'el ca tava existi que sês ideia, el tava mandá fabrical…

E, assim que nôs Artur tude fliz e pove t'arri, casamente pude cuntinuá normal, naquel sabura de custume de coque ma bafa e uns pernada de boie, guentode pa rabeca, na son duns murninha, ma coladera…

Djô de Canecadinha, vezim, cuvdode também na casamente, bem ta tchegá bestide sê fote que diasá el ca tinha trode de guarda-fote, calçode um sapatim de polimente prete bem pertode, ta doel na pé, ma t'andá ta marimbá, derriba de sê sapote, bodzé ta bescá gete ô manera, de fingi vencê quel dor…

Anton, pa desfarçá, el vrá pa Johny Barber que tava tude suode, quê tava que mute calor, el perguntal, cmanera quel tava tão suode assim?!...

Djoy que tinha resposta pa tude, sempre na goze, cosa que gente tinha que tem mute cuidode ma sê spirte d'humor… Vrá cum descontra e dzel, cma era normal, quê el tava t'argui dum CABEL… Basta, ca fui mistide mute pa pove comprendé, quê log Djô, ma tude quel pove que tava lá na Barbaria, largá t'arri sem pará…

Anton Djoy, pa cabá d'activá cosa, vrá dzês cma el tava ta dzê verdade, ma el sabia bem de csê quês tava prá lá t'arri, ma pês traba ideia e tchaba de pensá cosa mariode…Quê el tinha era cabode de trá um pessoa cabel, e não du quês tava ta pensá…

Casamente cuntinuá ta corré tude sabim, prop cool que tcheu gente, dente e fora de casa, ta festejá e ta sisti quel boda, tude naquel morabeza de custume e vontade de partilhá quel flicidade…Que Nha Tudinha, ta bem de vez inquante pa janela, bem trazé pove ora um travessa chei de croquete ô pastel e, ta pedis pa rogá noive ma noiva boas pragas….

Cumpade Ceril, tava imbalode na sê farra de casamente, moda tude gente, quonde quaz tude quês mnine de sê rua de SanBandera, bem que recode de M'Antonha sê cumpanhera de sodade, bem bescal ta corrê pa lembral, cma n'era pal sqeceba, cma quel dia lassim era dia daquel grande promessa de tude ône…

Era dia daquel promessa que fui fete lá n'Igreja de Nossa Senhora da Luz, na prisença de Senhor São Vicente, desde daquel dia que Mari'Pé de Pata, sês unica fidja fema quês tinha, e que tinha scapode de morré, cum dor de barriga mau (pendecite), que tinha ela panhode, uns ône atrás…

Basta, fui um abole quel dia na nôs rua, quês tive de bá bescá quel cadera de paia lá na Nha Djodja d'Guste Maderense, ondé que Cuque de Brinquim, ma Bintim de Tudinha tive de travessá dôs pau na mei, pa fazé andor e, c'ajuda duns amigue, ês cunsigui levá Maria té Spital, ondê qu'ela scapá vida pum fiu, operode d'urgença, pa Dator Baptista de Sousa.

Anton dali e que razon, Nh'Antonha ma Ceril, tive de fazê um promessa de tude ône que Deus tem na Cruz e Maria em vida, de nunca faltá mnines c'aquel CMIDA D'ONJE…

Dôs quarta de midje, sem dá razol, batchîde que fejon faba, fejon pedra, fejon conco, fejon mongolon ta fervé, lá naquel panelon de tropa, na quintal de Tudinha de Pole Tata… Pa podia cusenhá, quel catchupada que tava ta bá ser Cmida d'Ônje.

Despôs, Nininha d'Adão mãe de Betty, trazé quês carre pa betal… E, quaz tude gente de nôs rua tinha trazide um cosa: - Uns hortaliça, ôtes bolacha, limonada manga ma banana etc…
Assim, c'ajuda de tude quel pove, Nh'Antonha ma Ceril, durante tcheu one sempre cunsigui cumpri quel promessa…

CMIDA D'ONJE já pronte era rebera de mnine ta bem de tude quês rua perte de nossa, ês tava bem de rua Da Luz, rua de Talione, rua de Moeda, rua de Coque, rua de SanJon ma Sant'Antone e de Craca, ma rua de Morguine e de Muralha também…

Lá tude gente era cuvdode, quê moda Nh'Antonha, boa criatura que Deus haja, tava dzê:

- ondé que ta cmé um, ta cmé cem, haja vida e saúde, quê só nô ta pedi Deus pal ca faltone nunca derriba de mesa… AMEN!!!

Cumpade Ceril que na imbalaja de festa, tinha squecide de sês Cmida D'Onje, rancá sem gaguêjá nem spiá pa traz, log pa rua de Matijim, lá ondé que Nininha de Pole Tata tinha imprestode cmade Antonha quel lugar, quê sô lá é que tava quebé quel trupida de mnine…

El pa diante dode sola, qu'Ungá sê fidje pa trás, log quês tchegá, el mandal bá bescá sê ganga na casa. Ungá bai ta corrê log quel bem, pai Ceril, bá la pa reservode trocá quel fote de casamente, quel tinha lugode na Placa, pa ca sujá, pa sê ganga de traboie, quel meté log e pô ta ordeá, tude quês mnine naquel Cmida D'Onje…

Nhas gente, na dvera era mnine p'afronta, tude ês que sês caneca, puste na bicha num barulhe de matá, ma bem ordeode, uns traz d'otes, cada um ta sperá sê vez e sem rabica…

Basta Ceril tava prop fliz, que tude quel grande ajuda que sê cumpade Quirine, ma quel monzada de cumpanher de traboie de stiva, moda cumpade Jeep, Zaza, Firmine de Paula, Nônô, Pàpa, Grol, Lêla, Nh'Antone d'Ana(Manel Senhora Ô Mé), e tcheu otes bem dal…

Ambiente de Cmida d'Ônje, tava prop sabim, basta cmida que fui fete na quês dôs panelon de tropa, tchegá pa tude mnine ma quês gente grande que parcé pra lá também…

Assim, cmade Antonha de Ceril, bnita na sê surrîze, marrode quel lence azul, dode quel loce derriba de cabeça, pegode sé cumpanher e pai de sês fidje na mon, tinha ar dum pessoa más fliz de Munde, naquel dia e hora lassim.

Cumpade Ceril, amigue de sê família, também já ca nem pensá más de vrá ote vez, pa casamente, quê sô de lembrá, cma naquel dia, el tinha scapode de perde sê filha Maria, que pa él tava valé tude ôr de Munde…

Anton, despôs de ter dode sê best naquel traboi d'ijdá sê prop familia, el gradecé Nininha ma tude quel pove, pa quel bom help quês dás, despôs, el braçá Antonha, Chaline, Maria, Ilidio, ês cambá casa, rua de SanBandera, ôndé que tude culiguinha, ma mnine amigue, tava ta sperá Maria também, pa dzel más um vez ubrigada!

Lá anton, Ceril d'olte de sê porta, dzê: - mnines, bsote sculpome de ter fazide bsote sperá tcheu, ma é cum tinha um casamente dum grande cumpade, cum ca podia faltá, ma um ta prometé bsote, cma ône que ti ta bem se Deus quizer que vida ma saúde e pa respeite de vida que Deus dá nha filha, um ta stode li na hora, nesse nôs SAGRODE CMIDA D'ONJE… Quê promessa é promessa!...

Zizim Figuera (José Figueira,junior)

V o l t a r