ROCEGA DE CARVON - NA SALVAÇON DE POVE D'ILHA DE MONTE-CARA ( ONES 50/60)

Dzide cma Pove é que ta fazé "história" ! Assim, Pove de Soncente d'imbigue ligode na sê Baía de Porto Grande, ondé que de tude tempe, el lutá pa sê subrevivença que sês mil e um stora pa contá, pude assim criá desse manera "história" de sê prop existença...

Na tempe de caniquinha, Ponta de Praia ma Praia de Bote, fui um verdader scola de vida, ondé que tava prindide nadá, remá, merguiá, brigá, sem contá c'aquel grande contacte ma stranger que sirvi tcheu pa nôs pa prendé ôtes linga. Basta, dôs cosa mas importante que tude mnine tava prendé, log na sês primer posse, pas pudia firmá na lugar era NADÁ e dzé quel FUCK YOU!!!

Stora de mnine de Ponta de Praia é tão famose e cunchide, q'um vez num daquês primer Jogos Olimpicos que fui na Helsinquia(Finlândia), Rito Alcantera criol black na terra de gente bronque, tive stora má um boys na saída de Compe de Jogue, já pronte pa bá brigá, quonde um ote boys, bel pa traz e dzel n'uvide:

- DAL UM CALÁCA DAQUÊS DE MNINE DE PONTA DE PRAIA!

Rito dzé cma, quel cosa dal um corája tão grande té quel cunsigui ganhá quel guerra... Despos, quonde el bem pa agradecé quel boys, el tive tempe de notá, só quel era criol, ma pena que jál tava ta bai lá longe e nunca más el oial.


Apôs, fui naquel tempe de carvon, quonde Mala Real, Blue-Star Line, paquetes de nome e ôtes vapor de carga tava passá pa nôs terra, carregode de passager ô carga, na sês linha de navigaçon, cosa que nimá durante um monzada d'one vida de Porto Grande, ma nôs Cidade de Mindelo, qu'aquês Mnine, na mei de tude quel muvimente, tive de proveitá pa prendê scola de vida, sempre cumpanhode e ensinode pa quês home más bedje chei d'experiença.

Um vez formode naquel scola de vida, ês tava passá ta ser na sês familia, más um home de traboi, pronte pa trazé quel truquim pa casa que tava ijdá garanti quel panela na lume de tude dia.

Smeme assim, c'aquel esperança que fui lançode na ones cinquenta de binda dum Rafinaria Holandês (Standard Oil) pa exploraçon de pitrol binde de Curaçau ( Ilha holandês d'Antilhas) que fui tropedeode na Assembleia Nacional de tempe de Portugal e que pudia ter evitode camin de S.Tomé.

Cosa bem vrá prop mariode pa nôs terra, c'aquel mudança de "vapor de carvon pa diesel" o que fazé mute gente mudá de rume na terra e spiá vida d'ote manera.

Uns embarcá pa estranger, ôtes pa SanTmé ô anton vrá pescador etc... Ma, na mei dexe profisson, já tava existi "Rocegador de Mei de Baía de Porto Grande" que cuntinuá sês vida normal de rocegador quês sempre fui, na sês rocega, ta prestá pove grande sirvice....

 

Pa ês, era quel betar de bote na mar tude dia log cidim, pa basse lá pa funde de Galé, panhá buze cabra, buzona, cavole marin, porque-spin e tude o que besse na rede, quês tava descontchá, limpá, puli vrá bnitim, pa despos vendé na borde pa sês subrevivença, moda sempre fui sês custume... Ma sês traboie de verdade era rocegá quel carvon...

Pa instrumente de traboie, ês tinha quel armaçon de fer moda um boca aberte, c'aquel rede fete de corda grosse trançode, bem trabaiode e tude largode pa trás moda fim de boca de rede de pescador.

Na parte deboxe daquel armaçon de fer tinha moda um lamena que tava bá ta rastá na funde de mar, puxode pa força de reme ma broçe de rocegador... E, cma naquel tempe Porto Grande, ca tinha draga pa limpasse Porto, pove anton tava tchemás rocegador ô home de limpeza de funde de Baía.

Exe raston de fer pa rocega, antes de pô rede, tava otchode ês linhode na tchon lá na rua de Côque perte de Ferraria de Toi Ferrer, junte de casa de Nha Gadjome. E, ês era uns verdader obra d'arte que tava saí de mon de nôs artista ferrer Maika Barronque, Rufine, Martilhone, Delfim, cabode de completá p'aquês artista fazedor de rede de corda trançode, la na Praia de Bote, moda Brune roçegador, Nai, Jon Pampim ma Dade pescador, antigue guarda-redes de sigunda de Mindlense.

 

Na tempe de crise de carvon, rocega bem vrá ricurse grande de pove de Soncente e el durá tcheu one, o que fui normal, quê durante tude quês one antes, carvoer passá ta descarregá pa guardá, na nôs Baía de Porto Grande tonelada e tonelada de carvon, binde de Cardif ma Newcastel (Inglaterra) pa vapor a carvon.

Assim, de vez inquante na descarga, quês chute ma lingada de carvon que tava scupli e bai pa mar, contra-mestre, ca ta tinha tempe de mandá pará maquena nem nada, quê pa inglês " time is money " assim tude quel carvon fecá pra lá ta juntá uns data d'one na funde daquel mar de Baía.

 

Moda ja-m tinha explicode antes, pove de Soncente desde principe butzá, quês carvon de Nhôcasse (Newcastel) ma Cardiff. E, antes na tempe de fartura, niguém tava pensá naquel mina de carvon de funde de Baía, quontamá pa panhal, quê tude gente tava más era custumode na usá, quel carvon fresque de Cumpainha, na sês fagon de lume de casa, fete de lata de pitrol baziu, cortode quel boca derriba, fazide um pôi de borre, guentode p'uns firrim travessode, pa pudia guentá quel panela, na hora de pol na lume e cum boca aberte pa lode, pa lume pudia ser ventiode... Esse tipe de fagon na épca, tava otchode el na quaz tude casa de Soncente, mode el que tava dá conta de recode...

Carvon fresque tava otchode el de venda pa tude banda de nôs terra, ma especialmente lá pa lode de Praia de Bote, bem sirvide p'aquês "Amazona" amdjer nadadera e de sês fuga, moda Biquessinha, Taivon, Djena de Tunguinha, tude ês, panhadera de carvon na lantcha que tava fecá fundeode perte de praia...

 

Basta era um bescar de vida não sem risque, quê na mar tinha tubarão que tchegaba té de panhá Pole de Nha Prisca, num daquês façanha de panhá carvon na lantcha.

Também tinha quês guarda de carvon de quintalona na Cumpanhia Nacional ma Millers, ma de lantcha que fecá na storia, moda Nhô Barone que tava pô quês gente pedra na Canal de Millers e Nhô Damonse guarda de lantcha fundiode, que quonde el tava panhá um que sóc intchide ô sem intchi na borda de lantcha, el tava gritás:

- Bô n'tem bote?... Anton mar é quê bô bote!!!

Tempe de crise bem ta pertá e, moda naquel dzer de pove de "cabá carvon, carvon ca tem", num terra daquel que nem arve se tinha pa fazé lenha, quê quel poque de "tarafe" que tinha lá pa Rebera de Vinha ma Cumpainha d'Oleo, fui tude quebrode pa fazé lenha e cendé lume na fagon de três pedra de pobreza.

 

Fui anton despôs, mute tempe despôs é que Brune, Cesar, Tchátchá, Aimonca, tude ês caquer, home de sês grogue, que sempre ganhá vida (catá-assá) sô na rocega, bem tmá fé dum conte de Baía de Porto Grande ondé quês tava custumá rocegá, cma tude vêz quês tava ta sebi sês raston de rocega el tava bem sempre chei de carvon, quês era ubrigode a betá na mar, pas pudia panhasse sês buze ma otes marisque limpim...

Anton, um dia na morada que pove tava pra lá mute ta reclamá falta de carvon, Brune tive ideia na mei de sê quebra, de ba oferecê Maika Barronque um padoce de carvon-cardiff de rocega lá na Ferraria de Jon Fliner, rua de Matijim pal experimentada na forja. Quel carvon pegá lume dritim, anton Maika reagi log e ba ta dzé Bruno: - pshiiiit!... Boca fiuza ok?!... ca bô dzê ninguém moce, quê esse cosa é ore que bô tem li e se bô tem mas bô ba bescá quê Jon Fliner ta feca ta comprobe el pa forja fullop!...

Brune fecá caladim, sô el dzê sês colega du quel tinha descubride... Assim, na dia siguinte log cidim, ês rancá pa lorgue ba rocegá justim lá ondé que Brune sabia, antes de Sol raiá e quonde era mei-dia, jás tava de volta ta rastá sês bôte carregadim de carvon-cardiff , c'aquel denhirim quente na mon la de Ferraria de Jon Fliner, quê Jon pagás cash!!!

Ma quel descoberta de Brune, ca durá mute, quê Aimonca que sês dôs coque na butche que ca sabia gordá segrede, fazé alvicera corré log na lugar. Anton, dá lá pa diante, tude quem pude rancá ta panhá quel carvon, depusitode um data d'one na funde de mar de nôs Baía de Porto Grande, pa vendel... Sei na el brobe, quê el era de graça.

Organizaçon, na esquema de panhá quel carvon na funde de mar, n'era cosa facil, quê tude tinha que obedecé moda na espece dum ritual bem sincronizode, moda num orquesta, c'aquês bôte bem especial aberte pa traz, ondé que tava lançode corda ma quel rocegador de fer, fete pa nôs buldonhe Jon Pampim... Tinha controlada maré, ma vente de viraçon dente de mei de Baìa, pamode currente na funde de mar que tava isdá tcheu, na hora de rocega.

Descuberta dessse carvon, motivá e dá lugar a abertura dum nove tipe de comerce que intchi na rua de Cidade de Mindelo e durá um data d'ône, pa sustente d'energia na terra e pa bolse ma barriga de tude quel que ca fosse malondre pa basse rocegá.

Era só viste, tude quel muvimente que rancá, desse descuberta de Brune ma Maica Barronque: fui fabricode más raston e bote de rocega, Nhô Liz Badiu, Nhô Henrique, Nhô Fiél, Nai más uns rapazim aprendiz, muntá um comerce de corda, la derriba na rua de Muralha na Monte, ma na Praia de Bote, ondé quês tava passá dia inter, ta fazé corda desfiode na fibra de carrapate pa vendé.

Esse situaçon de bescá ricurse na mei de Baía, sirvi mas um vez pa prová cma verdiane é um pove buldonhe que ca ta inrascá, pamode sê valor Inteligente Universal... Rocegador de Baía de Porto Grande de Soncente Cab Verd, fui um home valente, mestre dum profisson que n´era tude gente que sabia ô pudia fazel... Quê tude quel muvimente que tava parcene facile d'excuçon, tinha sês regra dure de respeitá.

Durante tcheu tempe, Rocegador de Baía d'Ilha de Monte-Cara, fazé sês bom traboie ta dá sês força produtiva na nôs Sociedade, nem sempre recunhicide moda divia ser... Ma é de lembrá, e ulim li ta screvel que fui graças a ês que quaz tude Pove de Soncente, inda pude cendé durante tcheu tempe sês fagon, pa pô quel panela de midje de tude dia na lume... Nunca Pove de Soncente na épca fecá ta devé tonte a tão poque valente moda Rocegador!


Zizim Figuera ( José Figueira,junior)

V O L T A R

----------------------------------------------------------------------

COMENTÁRIO

Quem, ao ler esta crónica do Zizim, não fica embriagado com a recordação olorosa que vem do seio da baía? Quem não sente de novo o odor, misto de hulha e marisco, que exalava da combustão do carvão de rocega?

Esta evocação, feita com toda a fidelidade, faz-nos de novo parceiros completos de todas as aventuras humanas daqueles tempos do nosso Mindelo.

Menino e moço, uma irresistível atracção levava-me amiúde àqueles lados da Miller's e da Corey's só para ver a faina dos homens do mar, dos botes, da rocega, do arrastamento de navios para as docas, enfim, de tudo aquilo que foi o coração pulsátil da nossa cidade. E foi a pensar nisso que escrevi isto há alguns anos este texto:

Repouso dos botes

Os botes são os restos postergados
Da faina tumultuosa de outros tempos.
Sobram, avulsos, ensimesmados,
Na vasta enseada materna
Onde encalharam os sonhos.


Uns, insepultos, não desesperam
De uma anunciada ressurreição.
Outros, mais desatinados contra o destino,
Aguardam o som do apito longínquo,
Já refeitos do eco enganoso do mar,
Para rumarem ao costado da fortuna.
- O lume que alimenta seu sonho/
Crepita entre os destroços queimados
Da resignação da última espera.


Ah, broda, adorei imenso esta crónica!

Adriano Miranda Lima

 

V O L T A R 

--------------------------------------------------------------------------------------------------------- 

Comentario:

Como somos (os mindelenses) felizes! Por termos uma meméria selectiva da qual não sofremos por nos querermos vermo-nos livres dela.Tudo em contraponto com a tese do belissimo "Jesusalém" de Mia Couto que me acompanhou ontem na quimioterapia.

Cita Hermann Hesse :"o mais violento e cego dos desejos humanos o desejo de esquecer". Porque nós quando olhamos paara o céu estrelado não vemos "buracos de balas como um guerrilhero ensinou a uma criança do Livro.

Mas apesar das tuas memórias falarem daquela baía de "tantas mil bocas peregrinas" queremos guardar as recordaçõs. Mas deixando os poetas e regressando à prosa sabermos também reconhecer que só sendo peregrinos não deixariamos de ser reféns dos colonialismos ingleses e portugueses ou outros ou ainda do tempo e das energias não renováveis como era o carvão e viria a ser o petróleo (a tal refinaria onde em Portugal ficou um elefante branco em Sines).

Utilizamos os pés para regressarmos senhores de nós mesmos para o bem e para o mal. Obrigada pelo tua discplina, pontualidade e espírito de partilha e pela fatia do bolo que era "just foryou" mas que multipliccastes pelos amigos Mag

Margarida S.Mascarenhas

V O L T A R