UM TEM NHA PLIÇA FAZEME JUSTIÇA…

Quitéria, naquel tarde de primer sobde de Carnaval tava cum ligria trançode dum sparate c'aquel bestidim brónc d'organdi fluride, comprode na Loja de Tchitcha, sainha lorgue fazé balão pa sê primer boie de Cavalinha Branca lá na Tubarão.

Quel dia ninguém ca tava ta podé quel, quê pa ela era um dia mute especial, pa mode era dia de sês dezoite one, dia de sê liberdade. E, pa primer vez de sê vida q'um grupe tava ta cuvedal boie de Carnaval, ela, de nium manera ca pudia falhá nem faltá.

Basta, pé de cabel é que tava na moda p'amdjer firmode e confirmode naquel tempe e, cma té quel dia lassim que Deus dal, el fui mnininha obidienta, cosa a partir daquel data, moda tive de contecé ma tude sês culiguinha, tinha que mudá na tude extenson e dimenson de sê vida.

Anton, el cambá Barbaria de Ti Place lá na rua de Sanjon, fazê sê pé de cabel, pal pudia despôs exibil e firmá assim sê maior idade d'amdjer, senhora de sê nariz que também jal era.

Só que té lá, diferença que tinha dela ma alguns de sês amiga é qu'ela inda era mnina nova, deboxe de saia de sê mãe, que nem namorode té hoje s'ela tinha cunchide.

Tude quês one de Scola de Custura na Dona Maria Amélia na rua de Sant'Antone sirvil tcheu, pal trabiá pa sê vida, ijdá casa e fazê sês icnumia qu'ela gordá tude quel tempe, pa quel dia bem especial de sê existença, qu'ela tinha passode tude quês one de vida ta sonhá.

Na casa, sê mãe moda tude mãe, ca tinha brincadera qu'ela, ma sê pai era home de rigor, criode na rigor, assim el tava exagerá na educaçon de fidje. Quel cosa é que ta tinha Quitéria ta vivê ingustiode, quê ela ca tinha direite nem de spiá rapazim na cara, quontamá de falá ma ês.

Portante, ela era um escurinha bnitinha traçode a canivete, ma que ca tava dá ninguém tempe de tchegá perte dela, quê ela tava andá tude ta corré… Era séi de traboie de custura lá d'alfaiate Nhô Lilim, na rua Senador Vera Cruz, cambá casa pa depressa ta corré, quê sê mãe Yuque que mede de Pá Lela, já tava estode na janela diazá ta goital somá lá longe pal pudia siguil, té tchegá na casa.

Mucim de sê rua, ca tava oial nem na janela de sê casa, nem na rua e quonde tava ba fazide mandode na sês casa, pai é que tava abri porta sempre.

De manera que pa ela, quel cosa fui um data d'one dum vida socornode, sende ela assim um mnininha que fui sempre mute drete, sem storia nem prublema…

Quite (nome d'mizade), também tinha direite de sonhá moda tude mnininha, inda más ta sinti idade ta bem t'entral na corpe, ela vrá log resolvida, tive té de fazê um promessa de tmá sê liberdade que sê mon, na dia de sês dezoite one.

Assim fui, quê bem contecé que sês culiguinha de traboie, mute dês já mnina calcode, que sabia de sê aniversárie, sem dzel nada, proveitá log pa metel na sês tcholda de grupe de Carnaval, ondé que sei log sê cunvite, pa cuincidença naquel dia bem especial.

De note bem ta fetchá e moda jal tinha dzide sê mãe, cma era dia de sês dezoite one, ela sende maior, jás tinha el cuvdode pa primer vez, um boie de Carnaval lá na Tubarão, inda más naquel dia de sê one, e que jal tava tude pronte pa bai!…

Mãe, inda dal uns consei, ma Pai, zarode mau dmunde ca cris nem sabé. Anton, sê tiu Djunguinha mas cumprindide é que bá cumpanhal té sala de boie e dexál bem recomendode na Candin sês vezim, pa tmasse conta dela e de volta, pa trazel pa casa ora que boie cabasse.

Cosa de Munde é moda el é e, ninguém ca ta cunsigui mudá du que ta pa ser, quê as vez bodzé jal ta stode tude escrite e bem escrite, naquel grande livre de VIDA.

Era naquel tempe, quonde Squadra de Pliça era na rua de Sanjon, ondé q'um vez fui Obras Publicas e hoje Centre de Viaçon pa trá carta de chaufer, em que chefe era Nhô José Mendes, segundode pa Nhô Mané Géjar siguide pa Nhô Mané Sumenhon, Antone Grigola, Lela de Monte corneter, Biurim ( mauzim, home de sê chicote), 14 ma 18 (dôs pliça que nunca ninguém sube sês nome ma tude gente tava conchés pa ser lixode) ês tude, home que tava fazé sês traboie de pliça dritim e era bem respeitode pa tude gente de nós Ilha…

Ma, pa trás dês Pliça de Velha Guarda, já tava ta bem ote Scola de Pliça ta formá, também mute respeitode pa sês comportamente, prindide ma quês más bedje de tempe de Nhô Mané Gejar que na sês momente de raiba tava custumá dzê: - SE VOSSOS PAIS NÂO VOS EDOCA? EU VOS EDOCA A MANDOCA!

Ês moce Pliça, também já tava fazé bom traboie na via pública, ronda a pé de note (sempre pronte quonde tava tchmode ês) ma na lugar de espetacle, sala de boie e más más cosa… Era ês:

Jardim, Emidio Barreto, Dantas, Rite, Lantcha, Grama, Raspa, Nhô Bernolde, Bubista, Bente, Félis, Adalberte etc…etc.

Anton bem contecé, que naquel note de boie popular, fui mandode Rite pliça ma Dantas (dôs cumpade) de service, pa quel entrada de porta de sala de boie la na Tubarão, perte de Djisal.

Quel sala era lugar de respeite, quê Lulu ca tava imprestá tude gente el, senon sende gente quel tava conché, pa ca ranjaba stora e evitá pliça de cabal que sês boie.

Assim quel one lassim, pa Carnaval, el tinha imprestode sê sala naquel grupim só de mnininha ma mucim na flor d'idade e que sei só quel one só, que sês Grupe de Cavalinha Branca, nome que fecá na stora de Soncente e que despôs fui mudode pa Boie de Cavalinha Branca lá na Tubarão, tude vez que la ta tem boie… Porquê? Ninguém ca sabé!...

Grupim bem ta tchegá pa sês festa de Grupe, naquel sobde de Carnaval, ês pô um mesa bem fórte, quê cada um tinha dode sê tonte. Mnininha tinha dode bole, ma pastel, carre assode, e rapazim tinha levode coca-cola ma limonada. Mesa fui tão forte, que dia dmingue datarde ês fazé Sambrás, pa bá cabasse de cmé tude du que tinha fecode.

Boie cumeçá que museca repicode um trás d'ote p'orquesta de Bitú, Ude, Marcel, Ti Goi, Ti Fefa ma Jack Strilinha c'aquel coladera que tava na moda de:

- Oh Tota fazem parte… Pa nha sainha fazé balão… Um ta dobe pa dreita um ta dobe pa esquerda pa nha calçinha podé parcé…

Era um prazer oiá Quite, na sê bestidim brónc d'organdi ta dançá. Ela é que era rainha de boie, quê tude quês moce tava ta trá um pernada ma ela e, assim ela ca tava que tempe de sebi cuscus…

Sr.Rite pliça, que ca tinha dode fé dela mode service quel tava ta fazé na porta de sala de boie, fecá ta pensá ondé quel tinha oiode quel mnininha?! Ma, el ca tinha hipotse de conchel quê quel lá era sê primer boie… Quite, lança Rite um rabada que sês oie, quaz que Rite vrá dode, quonde el tmá fé!

Anton, el bá ter de Dantas, el dzel cma jal tava quaz na fim de sê hora de traboie, pal facilital, pal pudia trá um perna de boie ma quel deuzinha… Dantas pliça más bedje, dzel pal tmasse cuidode quê inda el tinha quinze minute e quês pudia pesá tcheu na balança de sê vida future se ronda passaba, moda era custume.

Prublema é que Rite tinha ote piquena que tava lá naquel boie, quês tava conché diazá. Ma Rite, sê boca ca tava lá, el trá sê terçado el fincal na porta e lá el pundrá sê boné, Quitéria tava ta bem ta passá, el fecthá sê cumpanher oie, el riscá… Anton, el ma Quite sei ta bai num dançar remexide, colode bem colode na son de más um coladera… Despos, uns dôs murninha siguide, quê já era quaz madrugada.

Ambiente tava prop sabim e Rite já ca largal pa quel restim, quê Quite também tava ta dal bola… Ma, quel situaçon ca pudia durá e criá log um ambiente de ciúmes na corpe de Puldina, quel amiga de Rite, qu'el ca tava nem ta ligá…

Anton Puldina, stalode pa Candin que tanbém tava chei de ciúmes, bem da la de sê conte sanhada, vassalada, beta Quite mon na sê bestidim d'organdi, el ratchal el pa diante, deriba pra boche… Quite, mnininha nova na dia de sês dezoite one, pa bá contecel um cosa daquel?!...

Oh que vergonha!!!.. Basta ela que ca tava nem cunché Puldina, tonte espantode qu'ela fecá, ela ca nem pude riaji.

Na mei daquês grite, bem log Lulu, done de sala que ca tava gostá de storia, Damas pliça e Rite que bai log ta corré, recuperá quel terçado ma sê boné… Tude gente ta procurá sabé du que tinha passode qu'orquesta parode, quê Lulu mandá pará museca…

Só Puldina, na sê delire de ciúmes é que tava pra lá ta desbaratá ta pô quel cuitadinha de Quite, du que Juda ca pô Criste!... Lulu, log mandal pa calá quê ela ca tinha razon!

Anton Rite pliça, fazé du qu'el ca divia ter fete, el bem ta tchegá perte de Quitéria, que tinha el blide na cabeça quel note, diante de Puldina… Puldina num crise de raiba torná saltá pa bá agredi Quite. Rite meté na mei e ca dexá Puldina nem tchegá na Quite… Quite vrá dzé Puldina:

- Oh mnina quaz bô ta doida mi ma esse moce n'é nada!!!

Puldina sempre vassalada e cegue de ciúmes, quê ela na sê sentimente d'amdjer tinha cumprindide du que tinha passode entre a quês dôs criatura la naquel sala de boie quel note.

Anton, chei de duvda ela vrá um bocode desconsolada pa Quite, el dzel: - Ah bsot n'é nada?!...

Anton tmá cuidode quê Rite é NHA PLIÇA FAZEME JUSTIÇA… Quite, pa ca fecá por boche na sé urgui d'amdjer, vrá respondel:

- AH! BÔ TEM BÔ PLIÇA FAZEBE JUSTIÇA?!... AI AI JAME TEM TAMBÉM…Rite sem gaguejá, sei ta bai ma Quitéria sê cunquista daquel note…

Sr.Bitú (unha de piriquite) tocador, que tava lá ta sisti tude quel stora, betá mon na sê bantche, cumpanhode pa Marcel na cavaquim e más cumpanher, log quel hora ês vral um coladera(UM TEM NHA PLIÇA FAZEME JUSTIÇA… AI AI UM TEM TAMBÉM…) que durante tcheu tempe, nimá tude sala de boie de MINDELO.


Zizim Figuera ( José Figueira,junior)

V O L T A R

Comentário:

Caro Zizim, gostei muito daquela passagem… na som de más un coladera: "Ma Rite, sê boca ca tava lá, el trá sê terçado el fincal na porta e lá el pundrá sê boné, Quitéria tava ta bem ta passá, el fecthá sê cumpanher oie, el riscá…

Anton, el ma Quite sei ta bai num dançar remexide, colode bem colode na son de más um coladera… Despos, uns dôs murninha siguide, quê já era quaz madrugada." Bem me ri, de tal forma conseguiste fazer o leitor imaginar a situação.

Nuno Ferro Marques

 

Comentário:

Esta estória tem um fim não muito previsível, sem deixar de ser credível e até, suponho eu, completamente veridica. É que, contra a sua vontade ou não, a mnininha Quite foi acumulando seus créditos de virgem imaculada, pelo menos aos olhos exteriores, mas, na hora debutante, surpreendeu tudo e todos com uma desenvoltura que ninguém provavelmente esperava de uma mnininha que até aí esteve enclausurada na concha familiar.

Ora, ora, ela mostrou aos presentes no baile que não estava disposta a deixar por mãos alheias seus créditos de menina sabida e quiçá tão mofina como as outras.

O paizinho dela é que, ao saber de tudo, tanto mais que viria a compor-se a coladeira, pode ter visto cair por terra os seus falsos escrúpulos, convencendo-se talvez de que nem fechado a sete chaves há garantia de se manter inviolável um cinto de castidade.

Quanto ao polícia Rite, só se pode dizer que ele fez jus àquela esperteza típica de mnin de Soncente, não deixando que a farda em serviço abafasse os seus apetites momentâneos. Dos polícias mencionados só conheci pessoalmente o Jardim, que vivia perto do estádio da Fontinha, onde tinha também uma lojinha. Boa estória, nha Broda.

Adriano Miranda Lima

 

V O L T A R