QUARTA - FERA DE CINZA

Nha Joana Mari Nha Mãe somá ta bem na sê gête tude desingoçode, bestide de prete de bique de pé na cabeça, blusa azul clore de manga grande, lence dode quel loce derriba de cabeça moda criada d'inglês, chaile marrode na cadera, num pressa de matá de Tchã de Monte Sussegue na direçon de morada.

Só pal pudia tchegá inda cede na Casa Serradas, recuperá e bá dá quel expediente pa rapte na venda, moda de custume, de tude quês novidade que tinha ela tchegode frisquim de Lisboa, na tude sês fraguês, denhirim quente na mon, antes dês ser lançode na praça.

Sê segrede é qu'ela, na tude sê discriçon para além de ser amdjer d'Igreja, era um vendedera ambulante especial, protigida de DªEugénia Serradas que tava encomendal tude espece de cosa binde de Lisboa, moda: corte de fazenda, colcha de cama de tude cor, toalha de mesa ma guardanope, tolha de bonhe ma toalha de limpá roste e más otes cosa pal vendé.

Assim ela tava tem sempre ma ela, passode na broce, quel canastra de vime, também binde de Lisboa, chei de tude ês cosa que tava incantá e fazé marabidja de pove, log qu'era nuvidade na terra e assim ela tava proveitá de situaçon pa fazê sê negoce e ganhá sê vida honradamente.
Nês muvimente, tinha dôs cosa sô qu'ela ca tava gostá, era de dá pove fiode ô anton de gente tchemal de Nha Jona, quê ela chateada tava repicá log cum: Jona não!?... JOANA!!!

Bem cunchide na tchon de Soncente p'um amdjer mute religiosa de moral forte, diferente de sê irmã Zabel qu'era completamente o contrário dela, Nha Joana era tanbém amdjer de bom coraçon e c'aquel troque quel tava ganhá de sês venda, despôs de pô conta em dia ma Dª Eugénia, ela tava dá sempre uns "Cmida d'Onje" pa mnines de sê rua ma vezim que tude prazer dês munde, quê ela ca tinha fidje.

Ela tava ijdá tcheu na Igreja, quê ela tava ensiná mnines catecisme e tava consagrá tcheu de sê tempe ta ijdá arremá e limpá altar... Na semana santa anton é qu'ela tava dedicá inda más e tava sigui que rigor tude o que Santa Igreja ensinal e tava exigi.

Anton é de lembrá um one, naquel tempe que na casa ca tava fetchode nem porta de rua té pa drumi, quê gente mez na sês probreza, ca tava robá... Ela fui cuvedode um "QUARTA-FERA DE CINZA" pa Dminga Badia, sê grande amiga também religiosa e pessoa mute bem cunchide de nôs tude, pas basse passá quel dia djunte.

Pa Nha Joana, quel dia de CINZA lassim fecal gravode na mimória ma na coraçon pa tude tempe, quê tude sê vida ela sempre recordá daquel dia passode lá na casa de Dminga.

Era um dia despôs d'Entrude em qu'ela moda tude gente, tinha bode assisti quês desfile de Carnaval, ma sempre de longe sem partecipá, quê moda ela tava dzé, Carnaval era perdiçon, obra daquel "home pel senal santa-cruz" o que tava motivá tude quel desavença dela ma sê irmã Zabel qu'era mnina de Grupe.

Passode quel fulia, no dia siguinte era dia de CINZA. Anton, ela ma Dminga bá p'Igreja djunte, despôs ês cambá Monte Sussegue, ondé quês dôs bá cuntinuá obra d'Igreja, ta pô tude mnine que queria, sês CRUZ de CINZA na testa pa marcá quel dia.

Cosa que mnines tava gostá, quê trás daquel sinal de Cruz de Cinza, tava bem também quel bençon, siguide daquel cinque toston que tava representá pa ês um pon de midje ô anton, um cartuche de farinha de pau c'açucra.

Despôs de tude sês bondade pa ganhá quel escada na Céu e moda tava cumbinode pa quel almoce surpresa, ês cambá casa de Dminga Badia que baseode na sê tradiçon, tinha recibide fejon pedra verde, binde de Tarrafal de SanTiago.

Anton, ela já tinha el puste na ága de véspra, arguide cidim, trode el quel pel, pa despôs pol ta secá pa fazé "Trutchida"... E assim fui, quê cma era semana santa e ca ta cmide carre, Dminga na tradiçon, fazé quel rafogode de çabola, tomate, pimenton, oie ma zeite e coroá quel bom "Trutchida" duns ove esfalfode, um verdader sabura na paladar de Nha Joana Mari Nha Mãe que nunca tinha cmide, um cmida daquel lá.

Na fim, pa subremesa Dminga passal um cucus que mel e bá ta dzel: Joana si dja bu sta farto fica saquedo, quê li ca tenne duna d'areia pa nô ba rola!!!... E Nha Joana, perguntal mode quem quel tava ta dzel assim? Ela flá Joana, cma assim era tradiçon dum vez na Ilha de SanTiago!

Nha Joana Mari Nha Mãe, despôs de ter agradecide Dminga sê vezinha, grande amiga e cumpanher d'Igreja, sei ta bai pa sê casa devagarim, cum fartura que nunca el tinha panhode de tude sê vida e quonde ela tchegá na casa, ela otchá porta aberte e Saturnine sê fedjode lá ta esperal c'aquel canastra chei de cosa fresque pa vendé que Dª Eugénia tinha ela mandode, cum recode ta perguntá mode quem ela ca tinha parcide quel dia moda de custume?....

Anton, ela na descontra vrá pa Saturnine el dzel: oh nha fedjode, hoje quês fartura q'um está, ca tem resposta pa Dª Eugénia, quê hoje é "QUARTA-FERA DE CINZA" e manhã ta ser ote dia!

Anton, ela metê mon na bolse, passá sê fedjode quel cinque toston, cum bençon e despôs de pol t'andá, ela sentá na borda de cama que sê "rosare" e pô ta razá, da dá Deus santas graças e pedil pa nunca faltá ela ma Dminga e tude criston desse munde, quel pon nosse de cada dia derriba de mesa...


Zizim Figuera ( José Figueira, junior)

V O L T A R

Comentário:

Bom Dia Broda! Não há duvida que as tuas estórias não vivem só de memórias e inspiração, mas também de "transpiração".Um exercício de apuramento da escrita que está cada semana mais cristalina. Como te disse no domingo passado andei mascarada de "OK" o que poderá dizero contrário.

Mas as máscaras não só mascaram como também nos revela.Gosto destas cinzas do carnaval onde se depura a alegria da festa onde entreabres uma porta ao "outro".O hóspede de Job.Cabo Verde tem outras culturas sem ser Porto Grande.

E o convite da Dminga Badia partilhando a sua horta com a Mindelense Nha Joana Mari Nha Mãe talvez sirva de parábola para além do nosso umbigo.Bom domingo MAG

Margarida S.Mascarenhas

 

V O L T A R

Comentário:

Uma estória bastante consequente,entre outras que tenho lido, onde o autor muitas vez tem revelado tanto o aspecto misticistas como mistagógico da vida do povo caboverdiano, o que merece ser objeto dum profundo e verdadeiro estudo sociológico. Passei ali 18 dias em pleno Carnaval que foi uma maravilha e aproveitei de observar muita coisa.

O tempo foi pouco mas penso voltar porque vim cheio de"sodade". E digo que folclóricamente S.Vicente é de uma riqueza cultural e espiritual sem limites. É de também exortar a estória que está lindamente estruturada mais a escrita,em que ambas se encontram sinceramente perfeitas. Porque não utilizar esta última como padrão?

De que estão á espera esta gens intelectualis do país Cabo Verde para agirem com bom senso. Bem haja o autor Z.Figuera que parabenizo por todo este lindo trabalho. Força amigo e um forte abraço ao povo caboverdiano de S.Vicente que não tenho palavras para agradecer e para ti também que espero um dia encontrar. Noel

Noel Pacheco                  noepl.pacheco@netcabo.pt

V O L T A R

Comentário:

Ho! Broda Linda sturinha curtim sabim bem contod cma d custum, é sô pa conchê tcheu cosa de nôs Mindelo antigo, cosa que tà passà e poque gente tava sabé, moda mim atravez de bôz sturinha te parcem cma um um tita tscubri quel terrinha sabim; ez storia nem é sô formidàvel, ma sempre c'uma boa strutura,e quez perssonagem formidàvel um ca sabé ses era dseconhecido pa grande publico, ma pa mim éz é novividade; e não sô ess crioul c'um ca tchà de elogiob Que bô ta firmà e confirmà; bô te dà ess povo mindelense coragem pa nô fca ta sabé quel ca te bem dsaparcé com grande fecelidade tud au menos enquanto nôz mais antigo te consangui perdural: hô!

Nha amigo até quando nô te consegui ter ess livro na bibliotéca? Spatchà porque el é um tesouro que nô tem que conserva. De bô grande amigo que te dezejob saùde força coragem e longa vida pe dà nôz sempre ess prazer de dia dmingue.

Um abraço e muita saùde. François Lima (Chico)ta gente fca

François Lima              limfranc@wanadoo.fr

V O L T A R