NHA BOLENA E SÊ CARNAVAL D' INTINTAÇON

16 de Fevrer de 2010. Uli más um terça-fera d'Entrude ta bem ta tchegá, pa pô pove de Soncente naquel rebolice de custume, pal festejá que força e pal podê manté sempre na vanguarda sê Carnaval d'Intintaçon.

Dexá falá quem crê, quê de tude Carnaval de Munde, Brasil fora parte, e moda ta dzide cada terra que sê custume, ca tem nium que ta igualá c'aquel folia de Soncente.

Carnaval, palavra derivode de latim Carne Vale, é um palavra que ta exprimi "Liberdade" total dum corpe, na tude sê força dum terça-fera, pa na fim, tude cabá na quarta-fera.

 

Moda história ta dzé, manifestaçon de Carnaval é bedje nesse Munde que nô ta vivê e, más antigue que tem de tude Carnaval é quel de Veneza, que dzide parcé té antes de Jesus Criste. El n'era lá mute bem viste pa alguns camada social mode sê " liberdade" de criticá.

Dês situaçon sem igual nem rival bem motivá e manté quel possiblidade de Soncente podé continuá t'abri pove de Cab Verd, ma tude estranger de boa vontade, porta de sê cidade de Mindelo c'aquel morabeza de custume, moda palque dum teatre q'um vez sê cortina caíde, ta desvendá espectadore tude um passode histórico-cultural de vida de sê Pove.

 

Pa demonstrá tude esse passode na sê integridade tava levá tcheu tempe, quê el é bem grande e ta cumeça desde Teatre ma Cinema na Eden-Park, ta passá pa Movimente Claridoso de 1936, que dexone um boa herança que nô ca podê estragá e ta cuntinuá na Ponte e Virgula e tude otes manifestaçon cultural, folclórico-tradicional, moda nôs festa de Sonte:

Sant'Antone / SanJon / Sant'André, naquel tocar de tambor, sem esquecê San Miguel Alcanja ma sê ijgar de pion (um dôs três pique quemada San Miguel Alcanja...) refincode na Salina (hoje Praça Strela) ma na rua de Coque, ondé fecá na storia pa tude tempe quel "pionzona" de Nh'Antone de Sena.

 

Tude ês beleza q'uns, ô ês crê ô ês ca crê, ta fazé parte de nós Cultura, longe sima céu, funde sima mar, dure sima rotcha é ossul terra... sabi nôs gentis!!!...

É profunde sima "batuque" que ta na Sangue e Alma de Pove!... Sangue ca ta lavode e Alma ca ta destruide... Sima nôs Carnaval d'Intintaçon que natureza done e que ninguém ta podê tmone el!... Moda Nha Candinha vendedera de "pirinha das ilha betode espirte de nanaz de Djandjan" tava dzé: - Bom siria podê vivé em Paz ma tude Pove de nós rua! Ma...

Log quel hora na rua nô uvi ta bem ta tchegá quel barulhe de cuica, tamborim, pander, cavaquim ma violão cum monzada de gente ta bem ta cantá nôs tradicional: Oh mascrinha... oh mascrinha, mascrinha de cú pelode... élode... élode... élode ... élode... élode... élode...

 

Era nôs Capote ma Djê, t'abri Carnaval moda de custume, bestide de mandinga que sês espada ma zagaia, ta bem de Monte Sussegue cum dáta de gente pa trás, bem marcá ponte na Manim Strela na rua de Moeda, que sês grite de:

- ardáaa...ardáaa, pa despôs cambá, direçon Praça Nova, cum Chimy-Boi pa diante que sês dôs tchifona t'abri camin... Pove ta corré infrontode, ta gritá ma sempre ta sigui quel orquesta de museca tradicional, na mei dum confuson danode, cara ma cabeça tude brónc daquel femaça de dá cumpanher de farinha... Ma que tude gente sabe dmunde, sempre ta dançá sem importá cu'reste...

 

Mandinga abride desfile de Carnaval, despôs era tude quês ôte Bloque de Grupe que tava cumeçá na Dó Di Dó, Juvenil, Júnior, Flor Azul, cabá na Vind'Oriente, ta passá ta exibi na rua de Lisboa, rua de Télegrafe té Praça Nova. Pa despôs de Bloque ma Prémio, que n'era tcheu na épca, findá cum boie num daquês Sala bem cunchide de nôs terra (Eden-Park; Djacó; Izé de Canda; Jon Tolentine; Tubarão) e ôtes fenhenga má crintchantchan ranjode pa grupins de mizade.

Na mei daquel folia dês grupe cunchide de Carnaval que marcá, fecá na história e fazé gloria de Soncente, sempre tive uns máscra popular isolole que ca tava fazé parte de grupe, ma que tava fazé parte de sociedade e tava besti, cada um na sê goste, pas pudia exibi sês pessoa, moda num espece dum "narcisisme"... ês era tcheu e uns tava marcá ma ôtes tava passá sem gente tmá fé dês!

Nha BOLENA era um daquês, ela tava morá lá na Olte de Sularine perte de Ladrá Catchorre na sê casinha de pedra e cal, por dente sempre bem ranjadim, c'aquel misinha brónc na entrada, enfeitode dum monzada de ratrote de familia ma amigues, puste na quadre, que sê ratrote de quonde el era mnina nova puste lá na mei, guentode pa quel bnite garrafa de "Whisky Dimple", ondé qu'ela passá ta gordá grogue, pa sê sirivintia ma de sês amigue, quonde ês tava bem vesital.

Ela era um amdjerona cumprida, fidalga que viveba tcheu one na Dakar, na tempe de Colobane ma Clarice Nova Dakar, ondé que moda el tava custumá dzé: - "ês pintá um caneque"!...

Ma ironia de destine fazel voltá pa sê terra, ondé qu'ela vrá ta ganhá sê vida honestamente ta carregá ága na cabeça de plumanhã té de note, pagada, moda Pinhaus, Mari Salema, Armanda Franciu que também tive na Dakar, pa casa de gente que tinha falta.

É de lembrá quel riola qu'ela ranjaba la pa Olte de Sularine que meté té Pliça, mode um catchorre que corré na ela, lá perte de sê casa, dia clore, rua chei de gente, cosa que n'era custume e q'inerval, anton ela mandá um boca mau e dzé pa quel catchorre gritode pa tude gente uvi:

Oh bitche de Deus, mode quem bô tita corrê na mi ahoje?!... Bô ca tem custume!... Adéche, culcincinha de favor!... Amdjor é bô bá corré naquês desavergonhada que ta stode prei ta betá mnine!!!...

Uiuiui... Oh que chatisse na Olte de Sularine, pa mode Nha Bolena. Basta tude gente fecá caladim, ma cma cosa tchegá n'uvide de Chefe de Staçon de Pliça, anton fui mandode quel pliça por nome de dezoite (18) que ca tava brincá, pa báss tmá pove pergunta, ma cosa ca dá nada, quê ninguém falá e pliça ca otchá nada que pegá...

E Nha Bolena que ranjaba quel riola tive té de mudá da lá quê senon quel pove tava fazel tchoresque!...

Ma ela, sê boca ca tava lá, quê ela sempre firmá cma era dvera, té quonde cosa cabá pa esfriá e ela pude vrá pa sê casa sem prublema, o que ca estorval em nada na sê ritme de traboi sempre pontual de carregá ága.

Tude one, deboxe de sê pobreza, ma sacrifice, ela tava ranjá manera de juntá quel denhirim suode cansode que suor de sê testa, só pal pudia bá guentá quel folia daquel note de boie de CARNAVAL na ÉDEN-PARK...

Caia, nha tia direite que Deus dal céu, que tava morá quel vez lá Dublinha derriba d'Amarante e que na épca tava custumá fazé tcheu bestimenta de Carnaval pa pove dá show, é que fecá destinode quel one lassim, pa fazé Nha Bolena quel d'seu!...

Surpresa geral, quê Nha Bolena, mandá fazé sê ropa de Carnaval, tude deboxe dum segrede que nha tia de butche frode nem crive dum chuver, cunsigui gordá!...

Dez pa onze hora da note, ela sei da lá de casa de Caia, ela só, quê ela era um amdjer um bocode resolvida que ca tinha mede de nada, basta ela tava vivé el só e moda ela tava custumá dzé, el ca tava lá pa sustentá nium home era dá um volta tchau!!!.. E ela é que tava escuis!...

Largode sê capa derriba daquel bestimenta, ela largá pa EDEN-PARK, ondé qu'ela tchegá justim naquel hora que festa tava na top, que Djosa Marques na bataria e quel grupe de descansá tocador (Lulu ma Antonin Marques, Jack Felicia, Junzim Estrela e tude sês grupe) ta substitui Ti Fefa, Goy, Jack Estrilinha.

Justim naquel hora, Nha Bolena ta tchegá, ês ta rancá c'aquel espece de rumba de : Tess tess Izé Manal... Tess tess Esmoregal... Izé Manal... Izé Cabal... Izé Cabal... Izé Pon de Mi... Djosa na Bateria ta guentá quel ritme celerode, pove num delire de matá...

Nha BOLENA vassalode naquel mei, tude bnitona, na sê bestimenta de "OK" (mini saia, tude de setim marel ta brilhá, sapote ma meia prete, tchapeu olte (Top Hat) anton c'aquês dôs letra prete "OK ", colode pa diante ma na costa, cum pinta de fazé uim galose... Basta, pove abri ala, ês dexá Nha Bolena passá...

Ela na sê descontra, um bocode d'amdjer, ta exibi sês pernona, dançadera lá fora... ta bai ta bai ta remexé sê cadera, ta dexi ta dexi, quaz té na tchon, moda um dançadera de limbo (quel dança que ta dançode na Antilas, passada deboxe dum pau... )

Quaz tude quel note ela dançá el só tude espece de museca que parcé naquel sala de nôs EDEN-PARK de SODADE, pove ca pará de tocal palma, quê dvera ela sabia dança e n'era tude home que tava guental, quê ela tava cansá home, mode quonde ela tava cumeçá de dançá ela ca tava crê pará...

Fotografías de "Djibla"

Era um dançar de repequête infrontode e, quem tava guental naquel folia era só André de Praçinha d'Igreja ( engraxador) quê el também era valente home de sê pernada de boie.

Festa cuntinuá naquel sabura, Nha Bolena té é que ganhá preme quel one, num invelope que Eden-Park tava custumá dá, qu'ela abri, fazé um sorrise e torná fectchá depressa pa evitá curiose.

De madrugada, quonde boie cabá, ela sebi pa Olte de Sularine cumpanhode duns amigue, bá tmá quel canja de malagueta pa trá espece só pros cunvidades, lá na casa de sê vezinha Amélia.

Despos duns golpada de canja quente na perigue de psú bique, Nha Bolena pedi sês amigue colcença, ela entrá pa casa descansá quel corpim bem estortegode de tonte dançá.
Quel note de Carnaval lá fui NOTE DE NHA BOLENA...

E durante tcheu tempe, quel bestimenta bnite de " OK " que CAIA tinha el fete, que fazeba ela dá show e ganhá té preme, nunca más fui usode e fecá lá na parede pregode pa lembrança de más um CARNAVAL D'INTINTAÇON DANÇODE BEM DANÇODE LA NA EDEN-PARK DE SONCENTE, CAB-VERD.


Zizim Figuera (José Figueira,júnior)

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------

V O L T A R

Comentário:

Carissimo, Para despertar o dia de domingo,tal como já nos habituaste,nada melhor que uma boa STORIA da nossa terra recordando e vivendo tudo o que temos de melhor e que graças a ti mais o Liberal, e na esperança que um dia ponhas tudo isso num Livro para que as novas gerações caboverdianas fiquem sabendo serão meus votos.

A tua estória está extraordináriamente bem escrita e muito bem elaborada num Criol que embora Sãovicentino pode ser lido por toda a população de Cabo Verde tanto na terra como na diáspora.Adorei a estória e estou vendo nha Bolena no seu vestido de setim amarelo brilhante de OK dando show aí no Eden-Park que tenho muita pena de o ver fechado inerte sem acção.

Um Monumento histórico que fez parte integrante da nossa educação. Bravo amigão e um foret abraço com votos de boa saúde e força sempre para continuares a nos deleitar com estas lindas crónicas.

Pois diz o povo e tem razão Recordar é Viver.Nhas mantenha Natália

Natália Lima da Luz               natalialimaluz@cvtelecom.cv

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Comentário:

Zizim meu amigo,Me lembro o ano passado escreveste a magnífica estória carnavalesca sobre o Dódidó Dódiquá mais a nossa legendária Rosa Crucundinha Rainha de Um dia que tenho cá em casa sagradamente guardada.

Hoje porém vim como é hábito ler tua estória no Liberal e tive a agradável surpresa graças a tua memória prodigiosa de ler este tema rico sobre o nosso carnaval saõvicentino mais a Nha Bolena que bem conheci.

Certo por quem viveu na nossa época se lembra do célebre show dela vestida de OK que ela deu naquela noite memorável do Eden-Park. Nunca posso esquecer aquela espontaneidade popular que fazia a riqueza (na pobreza) deste nosso carnaval. Hoje tudo é diferente.

Pois há quem diga que é evolução. Mas quanto a mim tudo não passa senão a ser que imposição pelo dinheiro e exibicionismo onde o mercantilismo impôs a sua lei como "Hiena da Arte".

É pena.Pois o nosso povo mesmo assim lá vai lutando para manter a sua rica espontaneidade apesar da adversidade deste mundo.

Mais uma vez Zizim muito obrigado por manteres vivo toda esta chama Mindelense-Sãovicentina e Cabo-Verdiana de porta aberta a toda nossa nova geração.Bem hajas pela tua estória e pelo teu criol magnificamente bem escrito e defendido. Fraterno abraço Carlos

Carlos S.Lima             carlos.slima77@hotmail.it

--------------------------------------------------------------

V O L T A R

Comentário:

Bolas, nha Broda, que me deliciei à brava a ler esta estória!

Acredita que ela conseguiu insuflar-me sangue carnavalesco nas veias mais do que as imagens televisivas que reportam o evento por esse mundo fora.

Assim reconduzido momentaneamente ao lugar e ao tempo em que vi o Carnaval na sua pureza única, na sua mais genuína manifestação popular, não preciso de mais nada para o festejar este ano. Agora, só preciso de afogar o rescaldo da emoção numa boa canja de galinha ou peixe com malagueta.

O curioso é que já escreveste outras crónicas carnavalescas e esta é mais uma diferente com que completas o manancial das nossas memórias colectivas.

Continuo a afirmar que é espantosa a tua memória individual, diria mesmo que ela tem faculdades quase sobrenaturais. E a escrita crioula está um primor, não me referindo a particularidades gráficas mas a expressões e sentimentos populares que consegues reproduzir de forma magistral. Adorei.

Adriano Miranda Lima

----------------------------------------------------------------------------------------------------------

Comentário:

Caro irmô Zézinho ; O teu artigo desta semana ,cai precisamente ,na boa hora ,pois o dia de INTRUDE !. é jà na proxima terça-feira . CARNAVAL D'INTINTACON !.. CARNAVAL ( DE MINDELO ) ; A mais velha manifestaçao cultural , que se festeja em Cabo Verde ,particularmente , em Sao Vicente . Hoje jà se festeja o carnaval em outras ilhas , o que é de bom sinal ; quer dizer que o povo de Cabo Verde , no que diz respeito à sua tradiçao , no entendimento ,hà uma boa harmonia .

Eu sempre disse que , o povo de Cabo Verde , a sua força de viver , a sua coragem de seportar os maus tempos , provocados pelos poderes politicos , complicando cada vez mais a sua existência , é a sua tradiçao , a sua mùsica , os seus costumes tradicionais , os seus artistas , é que lhe dao coragem e paciência , para aturar e encaixar as consequências , que os autores politicos , da sua governaçao provocam !..

Nos tempos idos , o carnaval no nosso pais , era festa popular , cuja organizaçao , vinha e vem de là dos suburbios , da classe pobre , mas com uma alegria de festejar , bem transparente ; hoje o nosso carnaval é , infelizmente , motivo para propaganda politica . Tude argumente é bom!.. pâ (comprà um vote) !..

Um criol na Frânça !..Morgadinho !..


Joaquim ALMEIDA
                    soalmeida@free.fr

--------------------------------------------------------------------------------------------------------

Comentário:

Grande estória amigo Zizim, Vocé tem uma memória incrível e conseguiu transportar-me para esssas festas de Carnaval no Eden-Park, onde só tinhamos direito de ver de camarote, para nossa tristeza e desilusão, porque o corpo puxava era para dança, "sima tude quês mascrinha na cinema.

Era tempe que mamã tava fazé sandwich pa ser vindide na Eden-Park nês dia de boie de carnaval. Bem hajas, caro amigo,teres partilhado esta estória comigo. Segui a orquestra na direcção de Praça Nova...

Um pô impê na Olte de Solarine ta tmá fé de riola de nha Bolena e té um oial ta recebé quel primer preme. Recordo com saudades o conjunto do meu pai e irmãos.

Mais tarde quer a bateria quer no piano foram lá para casa onde o meu pai passava as noites tocando e, ás vezes, as pessoas passavam, batiam á porta e entravam para o ouvir.

Continue escrevendo estas suas/nossas belas estórias, no nosso crioulo de soncente que se entende lindamente. Um abraço Belinha

Isabel Maria Marques           belinhamarques@gmail.com

V O L T A R