PESCADOR NOFRAGODE D’ILHA DE MONTE CARA

Bandirinha prete manchê más um dia ta gorgoloteá na vente, lá derriba na tope d’olte daquel mostre de Captania de Porte Grande de Mindelo, pa desuspere de populaçon e sobretude de nôs pove pescador. Má moda lei de mar ta mandá, era pa alertá pove cuntinuaçon daquel mau tempe “d’iquinoce de Setembre” que já tinha más de dôs semana instalode c’força sem amdjorá, na tude nôs Ilha de Cab Verd.

Basta,era um monzada de bote ma naviu e tê alguns vapor fundiode, marrode, gatchode daquel temporal de matá, dentre de nôs Baía de Porte Grande, ta esperá mau tempe passá, sem podê sei na lorgue, pamode quel bandirinha prete qu’era não sô sinal de mau tempe pa navigaçon cma também proibiçon de saída de Porte, lei e orda de Captania.

Pescador, tude desconsolode t’oiá dia t’entrá, dia ta sei, ta espiá pa mar c’mon na quexada, chei de raiba, lá na esquina de Bar Tubarão de nôs grande amigue Ti Faustino que Deus dal céu. Home de bem e cumprindido de situaçon de miséria de sê pove pescador quel tava conchê moda palma de sê mon e sabia que n’era gente malondre.

 

Pamode sempre que tempe dexás, tude dia que Deus tinha na cruz, ês tava betá sês bote na mar log cidin, pas bá pescá pexe pa pô pove na mesa. E assim c’aquel gonhe, podia dexal um truqin na sê Bar pa ijdal também bai ta ganhá sê vida.

Assim, quonde ta tinha crise desse natureza na terra, Ti Faustino sempre tava cuntinuá ta vançá sê pove pescador, ta dás fiode de tude o quês ta tinha falta ô mestê. Porque el sabia cma log que cosa tava pô na camin, sês fraguês pescador, tude home de palavra quês era, tava bem pagal depôs.

Situaçon tava prop dure, ês sem podê betá bote na mar pa basse ganhá quel pon nosse de cada dia, cada vez más ta tmá fiode, c’aquel continha lá na Tiu sempre t’aumentá. Cosa que n’era vida d’home. Tude ês cuns cara triste, moda chocalhe, sempre puste na tchon chei de vergonha.

Ti Boda, chatiode daquel situaçon, já tava estode pra lá tê ta falá cuntinua el sô, moda gente dode, ta dzê cma na vida dvera um home sem denher na bolse n’era nada, cosa já ca tava ta dá e quês tinha era que resolvê quel problema dum manera ô d’ote.

 

Enton cosa bá t’infetá, ês tude quebrode nem “Djosa”, cum raiba de gaita daquel mau tempe e quel mar, sem podê dá um pardal um lonche quontamá podê pagá cumpanher um grogue.

Assim, na mei daquel afronta Maria, Ti Boda ma Cunha, pescador valente daquês banda, prop vassalode, sei log ta espiá cumpanher pês basse betá bote na mar e venturá um pesca, nem que fosse só n’orela de tchon de mar de nôs Baía. Ma prublema, ê que tude cumpanher quês tava ta dá fala ca tava ta sinti coraja de linhá ma ês, quê dvera quel tempe tava prop desaforode, sempre c’vente e um mar revulteode c’ viraçon de Norte.

Enton, lá pa da tardinha, bem parcê mas dôs lançode, home de sês mar, tude ês de escola de vela de Jon d’Alcanja de Calhau, sô valente, home de sês soc de julbera que ca tinha mede de mar, decidide a linhá naquel ventura. Um verdader grupe de valente c’Ti Boda, Cunha, Djondjon subrim de brumedje, ma Zac de San Anton la de Tarrafal de Montrigue.

 

Na dia siguinte, sexta-fera de madrugada, gatchode de Captania, na mei daquel temporal, ês betá sês bote a vela na mar, pra boxe um csinha de Plurim de Pexe c’ vente de popa, ês sei ta buliná, tud rojadin n’orela de tchon, ês ba tê passá tude quês ponta de Cais de: - Shell, Caizim, Corê, Wilson, Cova d’Inglêsa, Galê, tê tchegá deboxe de ponta de Morre Brónc.

Lá deboxe de Morre Brónc era cada castel de mar, quês tive de marcá um tempe de espera, tê dexá marê vrá e manhã cabá de manchê, pês podia navegasse, tentá dobrá Ponta de Morre Brónc e entraba na Baía de Flamengue (camin de S. Pedre lode de mar) ondê que mar era sempre calme e ta tinha bons pexe de cabeça moda (garopa, badeje, beneteia etc...). Ma, quel mar sempre brobe, inda más c’aquel viraçon d’ága de Norte, pô Zac qu’era rapaz más nove de grupe ta reclamá e log el riagi ta dzê:

- Ó mnis, ó que’s questel de mar?! Dês tê hoje mi n’ooá!!! Ês cosa ta prop fei, nô n’ti ta bá podê passá Ponta de Morre Brónc. Amdjor ê nô vrá pa traz! Djondjon, sê tiu, reagi e mandal log quel calá boca ei, quê home de mar n’ta reclamá.

Log que dia manchê, na mei daquel Sol ma vente trapaiode, ês rancá naquel butin a vela na mei daquel temporal, moda um casquinha de mancarra, além ta bai, ta navegá, ês só ma Deus, ta bai... ta bai, manobra derriba de manobra c’ Deus sempre ta cumpanhá criston na mei daquês castel de mar.

Enton Djondjon, c’mon na leme, oiá um rajada de vente ta bem, mandá largá vela ma fui já tarde, foi log um grande trapaiaçon, siguide dum monzada de vaga ta bem uns derriba d’otes. Nos amigue, c’ bote e tude ca pude guentá quel estocada de mar, dá bote ruvrá lá naquel lorgue perigoso de Ponta de Morre Brónc, cunchide na terra pa sumeter de tcheu pescador.

Zac, na mei daquel chatice, primer pessoa quel pensá, moda el contá, foi na sê Ti Jon d’Alcanja e el bá log ta dzês: - Ahhhh, se Ti Jon tava ei, nô n’tava revrá nem flaça... á quêlê!!!

Ma lá ca tive resposta, quê Djondjon patron de bote, na mei daquel situaçon, tava más era ta pensá na juntá sês cumpanher pa dás quel voz de capton e dzês:

- Calma, cumpenher! Ucis n’largá bote! No fecá ei tude junte derriba de bote e sem mexê mute.

Basta Ti Boda, de nutinha, quonde el tava estode carrosque c’sês dôs gruguinha na butche, lá na balcon de Bar Tubarão, tava cumeçá ta contá sês storia, c’aquel calma de pescador bedje, vivide bem vivide, mil e um vintura pês mar aboxe. E, tude gente lá na Bar tava pará p’uvil. Enton, sempre na cuntinuaçon de storia, el tava repetí cma naquel hora, quonde bote ruvrá, tude espece d’ideia bês na cabeça: - quês mnine ma amdjer quês tinha dexode na casa, tubarão, morré fogode de cansera, etc, etc, malagueta.

 

Tude ês, derriba daquel butin, ta esperá quel hora. Ma, moda Ti Boda tava repetí sempre na sê stora, bodzê pa quebrentá quel ironia de sês destine de pescador: - sô ta morrê quem Deus dexá pa morrê, isto ê, quonde sê hora tchegá.

Na mei de tude aquel afronta, um porta bem abris, c’ajuda de Deus, quê bem parcês na linha de navigaçon, mesme pa sorte, ta sei de Baía de Porte Grande de Mindelo, um vapor de cumpainha Loyd Brasileiro, daquês que tava parcê sô cuns fer d’ingomá. Tude pintode por dentre de brónc, sem chaminê e de cósc prete. Era daquês vapor na época que tava carregá mineral de Brasil p’Europa. Nome del era Loyd Aruba.

Enton, vigia da lá derriba, na bretche (poste de comande) ma marinher de leme, oiá nôs amigue na mei daquel tormente. Ês gritá: - Hooomem ao mar!

Enton, ês rufenás corda cum boia, tê cunsigui panhás e pôs na sêc. Um sorte de lacacai, dzê Ti Boda ta benzê sê nome de Pai, Fidje, Espirte Sonte... Amen!

Log quês sebi na borde tude moiode nem uns ptin, Capton de Loyd Aruba, chei de pena e admiraçon, dzês:

- Seus Chapas, puxa que vocês são valente pra chuchu, nem jangadeiro do Ceará. Sair com um temporal desse com a concepção da praia embadeirada di preto?! Caramba! Não vou voltar, não! Eu vou levá vocês pró Brasiu. Vamos estar lá três semanas e depois trago vocês pra terra di volta. Tá?

Tude moiadim ta tingui de friu, ês ca tinha ote soluçon senon dzê cma sim. Uli nôs amigue imbarcode pa Brasil, num viaja quês ca tava nem ta esperá.

Ês fui mude bem tratode na borde, ma na Brasil. Ês cmê vatapá, fejon pritim, farofa amarela c’azete di dendê. Sô que pra lá ca tinha quel bom grogue de Bar Tubarão de Ti Faustino, ma tinha otes cosa moda quês coque, tchmode pitú, caipirinha, cachaça, quês bibê bem bibide. E ês otchá quês dia passá mute rapte que tê ês ca nem dá fê.

Assim, ês tive ses três semana na Santos. Lá ês vivê quês dia moda sês tivesse na sês terra Soncente, ma sempre c’aquel sodade prop que tude criol ta sinti de sê terra ondê quel tiver, o qu’era normal.

Três semana depôs, uli nôs quate amigue de volta pa sês terra de Soncente de Cab Verd num descontra, desimbarcode, prop desimbaraçode, tude bnitim, prop scantchim de fote brónc ( terno branco moda Cunha bem ta tchemal ), tchapizim de paia brónc c’fita prete, sapatim brónc e um truquim na bolse, prop sabim.

 

Moda ca podia dexá de ser, tive gente na terra que pensá cma ês tinha murride, quê Loyd Aruba, na pressa, nunca tchegá de cumenicá pa terra sês tinha ês panhode ô não. Otes, chei de ligria e contente d’incontrá ses amigue e cumpanher. Basta, na casa de Cunha, tê jas tinha levantode um Altar de Sete Dia. Ma, assim cma nuvidade tchegá na casa, ês desfazê log quel Altar da lá pa ca dá azar.

Tude ês tava bnite, bem bestide, cum data de gente pa traz dês. Log quês desimbarcá, respeite pa tradiçon, ês bai log rudiá Igreja, cumpanhode sempre pa quel trupida de gente curiose e tcheu de sês cumpanher pescador, quê mama tava prop grosse, mode quel truquin quês tinha na bolse. Depôs de rudiá Igreja, fui rumo Bar Tubarão de nôs Ti Faustino, ba trá quel ága de mar.

Na mei de tude ês quate cumpanher de ventura, sô nôs amigue Cunha ê que, naquês poc dia quel passaba lá pa Santos na Brasil, já tinha esquecide de falá sê CRIOL.

Basta gente tava dal fala, log el tava respondê, num linga trapaiode, inventode pa el e sô d’seu, ta crê convencê pove cma era brasiler quel tava ta falá. Pa depressa, jal tinha esquecide tê sê linga que Deus dal.

Quonde el tchegá na casa de sê mãe, vezin ma tude gente de sê aldeia tava prop contente d’oial c’vida. Enton, sê mãe, tude feliz, vrá dzel: - Ah, Cunha, nha fidje, Onje de bô Guarda Sonte de bô Nome. Sentá, na paz de Deus, bô bem cmê esse catchupinha c’ pexe cum gordobe e que diasá bô n’cmê.

Cunha, tude chei de bajofaria, proveitá log d’ocasion pa manifestá sê stile brasiler diante de sê mãe ma tude quês gente de casa que tava lá. El vrá, el perguntá Ti Boda, sê cumpanher de viaja de Brasil, naquel LINGA quel jal tinha ranjode, inventode: - Qui istá dijendo a mãe ???... Qui istá dijendo???

Ti Boda, qu’era um home que ca tava gordá ninguém sigunda, chatiode, pará, fecá ta espial dentre de cara, depôs na mei de tude quês gente dal sê bom resposta lá bem dode e ba ta dzel:

- Adèche Cunha, dexá de bôs desparate. Bô mãe, c’tude sê mizade ja benzebe corpe, agora jal pobe ês bom prote de CATCHUPA C’PEXE que diasá bô ca cmê, li na mesa. Amdjor ê bô cmel e bô dá Deus santas graça, pa nunca el faltobe derriba de mesa, quê ca tem mute tempe que nô escapá de morrê na mar de canal ok?!

Cunha, teimose nem um cabeça de mula, ca queris uvi c’Ti Boda nem ninguém. Enton, el torná repeti quês palavara na sê stile inventode más um vez, sem mede de passá pa parve, ta tentá convencê sê mãe, ma tude sês gente de casa que tava lá ta cumpanhás, el torná abri boca el bazá más um de sês brasilerada inventode seguide dum:

- AAAHHH MAMÃE!... ISSO É CARRUPA MAMÃE?!… CARRUPA, MAMÃE?!… MA COM PERREQUE?! (Ah Nha Mãe! Ês cosa ê catchupa nha Mãe?! Catchupa nha Mãe?! Ma c’ pexe?! - era o que CUNHA queria dzê sôs pa dá stile).

Basta sê Mãe, ma tude quês gente tava lá tude morte de rise, quê Ti Boda vrá torná dzel:

- Om, Cunha, já ta na tempe ma ê de bô cabá quês desparate, bô falá CRIOL, quê bô linga que Deus dobe. Bô ca tita oiá cma mi Ti Boda dês li, ma tude nôs cumpanher, moda bô, nô tive lá pa Brasil sô quês dia, ma nô ca esquecê de falá nôs linga. Dexá ma ê de dá show, quê ês cosa de bossa ca tita pegá e já bô tita mas ê ta cumeçá d’infeto’n.

Basta, quês palavra de Ti Boda, inda más na mei de tude quel pove, fazê bom efeite, quê dá bodzê ês despertá Cunha de sê sonhe. E, log el largá quel bajofaria da mon, el pô ta falá sê CRIOL dritim, moda tude gente, sem gaguejá. E bodzê quel esponte abril apetite, quê depôs el dá sê CATCHUPA C’PEXE na corpe bem dode, tê quel cmê três vez.

Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V O L T A R


Comentário:

Zizim de novo ao nosso convívio. Bem-haja, fazia muita falta. Grande Abraço de Fajã e Saninclau, por onde andou... Vi pela foto que lugares como Pico Agudo, espaços de minha infância lhe são familiares. Um rijo abrço patchê

Cabral                jjcabral2000@yahoo.com.br


Comentário:

Caro Z.Fig's, Obrigada por mais este momento! Independentemente das storias com as quais nos deliciamos sempre, a partir do momento em que me libertei das tralhas do fim do ano lectivo, tenho tentado entrar em contacto contigo, para uma conversinha amiga, mas nao tive feed back. Liguei duas vezes e enviei-te mensagens a querer saber como te sentes. Deixo patente a minha amizade de sempre. Um abraco. Du

Deolinda Camões                 ducamoes@hotmail.com


Comentário:

Impressionante.Tinham dito que tinhas piorado,mas cá estás outra vez nos deleitando dessas magnificas estórias Força! Um abraço Gaby

Gabriela Mariano                       gabrielamariano.cv@gmail.com


Comentário:

Zizim bem haja! Estava á espera esta semana da tua crónica meu irmão força e saúde que te desejo para continuares a alimentar esta tua coluna semana a semana! Obrigado até próximo domingo. Um abraço Henrique

Henrique De Pina Cardoso              hpcardoso@mail.telepac.pt


Comentário:

Dear Zizim de Ti Djô Figuera, Pensamos muito em ti cá no nosso grupo e nos alegramos do teu come back em força com esta sublime estória de Nofragode. Bem hajas! Saúde e força sempre para que fiques sempre conosco. Aquele fraterno abraço de todos Terencio

Terencio Lopes               terencio.lopes@yahoo.com.au


Comentário:

Sr Zizim, Me alegro do seu regresso. Pois já nos habituou com as suas crónicas domingueiras bastante originais e tipicamente bem nossas em todos os aspectos. Vi no texto que há a presença do crioulo de Santo Antão o que é louvavel e muito bom. Essas estórias continuam preenchendo todo aquele vazio que tinha bem dentro da minha alma pelo que muito lhe agradeço. Força e um forte abraço Gilda

Gilda B.Leite                   gildableite17@gmail.com


Comentário:

Nh'Irmunzim, Nõs tude ta feliz d'oiobe de volta e c'força. Um braça dali d'Orlando - USA. Yo

Yolanda Dias                        yoldias@aol.com


Comentário:

Djô, Como sempre gostei da estória que me preenche os domingos como a muitos de nós espalhados por este mundo. Mas para mim o principal é a tua saude e estou feliz de tever aí. Abraço Lili

Larry de Pina                     LPINA1@tampabay.rr.com


Comentário:

Um abração de amizade sincera e boa continuação! Ainda não acabei de ler, mas queria já me regozijar com a tua presença com mais este conto.

manuel delgado                  manuel.delgado@sapo.pt


Comentário:

Fico contente com o seu regresso ao nosso convívio de todos os domingos . Continuação de boa saúde . Como sempre adorei a crónica . Um abraço, Gaby

Gabriela Amado Silva                  gabybamado@hotmail.com


Comentário:

Caro Zè, ja fazias muita falta com estas cronicas lindssima, que tenhas muita saude, força e coragen, estamos contigo e que tude do melhor, que as Forças Superiores sempre contigo. Daqui vaie aquelo abraço Januário sempre amigo.

Januário Matias Soares              jmsoares@kpnmail.nl


Comentário:

Ola, Zizim Lemos no Liberal que estavas doente. Nao quizemos perturbar-te e hoje tivemos a alegria de ler mais um conto teu, o que significa que ja estas bem. Força e continua a presentear-nos com as tuas belas historias. Fica bem. Um abraço Fernando e Haydée

Fernando Frusoni             nando40ster@gmail.com


Comentário:

Meu caro Sr Zizim, Estamos felizes de o ver de volta com as suas estórias cá no Liberal. Pois sentimos muito a sua ausência a semana passada e minha mãe e eu rezamos por si. Como sempre adorei mais esta estória e hoje bati o recorde de passaja no "print" fazendo copias para todos aqueles cá da vezinhança e do bairro que não possuem internet. São numerosos os que leem as suas estórias que nem imaginava. Como diz a mãe Teresa haja vida saúde e muita força para continuar. Um beijinho carinhoso nosso Suelly

Suelly Fonseca              suelly.fonseca@gmail.com


Comentário:

Zizim, Saúde e coragem sempre. Olha essa é daquelas estórias bem nossas em que indo buscar no mais recondito da nossa vida Mindelense-São Vicentina pois em relevo e enalteces como sempre aquele punhado de gente pertencentes á nossa sociedade que apesar dos pesares sempre tiveram um papel preponderante na nossa vida social que é o de como bem aí o dizes de "pô gente quel pexe na mesa" em perigo das suas vidas dado aos caprichos do mar. O sumatório de nomes é excelente pois me lembro de todos, uma vez que o meu pai Ti Toi era pescador também. Obrigado amigo por mais esta belissima estória. Bem hajas! Um forte abraço Toi

Antonio Teodorico Estevão              anteodoriestevao@hotmail.com


Comentário:

Zizim de Ti Djô Figuera, Malta de Rebera Bote ta mandá mantenha e nô ta tude contente d'oiobe de saúde e de volta c'nôs sturinha sabim de dia dmingue. M tchegá de conchê esse storia e tude ês gente que bô ta falá na el. Bar Tubarão inda ta existi ma ja n'ê mesma cosa cma na tempe de Sr Faustino, bom home moda bô dzê e era dvera. Nô gostá tcheu desse storia. Um braça de malta Guey

Miguel M.Monteiro                 mucimdereberabote@gmail.com


Comentário:

. Irmão Zizim, fico muito contente pelo "regresso"! Parabéns e muito obrigado por tudo quanto nos tens passado sobre vivências e convivências! Peço a Deus para que continue a privilegiar a tua saúde e assim, todos nós que te admiramos e adoramos, continuarmos a "beber", da tua fonte de sabedoria e conhecimento! Abraço fraterno. Didinho

Didinho                 didinhocasimiro@gmail.com


Comentário:

Como sempre adoramos as tuas crónicas pois elas nos trazem para além de muitas recordações aquele calor tipico que nos enche o coração. Melhoras e boa continuação. Grande abraço Vasco

Vasco Nobre da Cruz             vnobredacruz@yahoo.com.br


Comentário:

Meu amigo de raiz, Muita paz e saúde para ti também. Mais uma história dos pescadores da nossa terra que me encantou, fazendo-me voltar no tempo e sentir-me como se lá estivesse, escutando as suas lorotas engraçadas e típicas do nosso tempo de outrora. Hoje, os dias são outros e a nova geração nem imagina o que se passava. Portanto, deves pensar em compilar as tuas histórias para deixares, não só para nos deliciarmos, mas para que a nova geração tome conhecimento do que acontecia antes dela. Um rijo abraço da amiga de sempre e para sempre que pede a Deus pela tua saúde e continuar nos agraciando com as nossas histórias prazerosas, Io

Iolanda Antunes                 iolantunes@yahoo.com.br

V o l t a r