NA ESTERA DE SOPRE DE BALEIA... BLOW! BLOW!...

Blow!... Blow!... Era assim (moda tive de contá quês dôs irmon gema morador na lugar, por nome de Nhô Alfritim ma Fidriquim) que Nhô Totone goitador de sopre de baleia, na mar daquel costa, tava custumá gritá la d'olte de sê poste de vigia na Selada (somada) de Baleia (cosa que motivá nome desse lugar cunchide de pove) na Soncente, pa ote vigia na funde de Baleia que tava bá ta passá palavra, gritode duns pa otes, té tchegá na pescador de baleia de Norte ma Baía das Gatas...

Pa indicás "baleia", traíde pa sê sopre (blow) na hora de respirá, de passája na costa de nôs Ilha de Soncente, SanAnton e SanNinclau, cosa que dantes também já tava contecé, p'uvi dzé, na DjaBraba má Dja de Moie (ága tropical de Cabo Verde), ondé quês animal tava bem tem sês "cria", mode otchá tcheu que cmé, tem força pa mamantás drete e gatchás d'Orca Épaulard que tava siguis p'atacá sês fidje as vez menes protigide, pa despôs dexi, na sês migração de tude one pa Pol Sul.

Sempre tive dôs espece de baleia na ága de Cab Verd, "Baleia Nã e Baleia Bossa", que diminui tcheu pamode sês caça que cumeçaba entre fim de sécle XVII e principe de sécle XVIII, principalmente na Brava e Fogo pa despôs descambá pa Moie, Sal, SanNinclau ma Soncente.

História de Cab Verd ta mute bem ligode que expansão d'Europa na descoberta de Novo Mundo. Pa mode sê situação estratégica, na linha de navegação entre Europa, África e Américas. Cab Verd, situode a 450km de costa d'África, fui um importante rota desde tempe de exploração de comerce triangular (séc. XV e principe de séc. XVI) na tempe d'aguáda, quonde naviu carregode de escrove, cmida ma otes cosa de vida pa vendé ma trocá, tava fazé escala n'alguns porte de Cab Verd, pa refrescá antes de sigui viája.

Vasco da Gama, na sê passaja pa India (1497), assim cma Cristovão Colombo, Pedro Alves Cabral e más otes navegador de nome passá pa Cab Verd, quê na Cab Verd ês tava abastecê, repará sês naviu e té recuperá alguns home pa reforçá tripulaçon.

Anton, mercone que entre fim de sécle XVII e principe de sécle XVIII, binde de Rhode Island, também tive de passá na Cab Verd na ritme desse tal comerce, sobretude na Moie, Sal e Bubista, pa carregá de sal que n'altura era matéria prima mute importante e usode pa tcheu cosa que nô sabê!... E despôs d'analisá situaçon, na principe de sécle XVIII, ês lançá na pesca de Baleia na nôs ága.

Ês tava largá na sês naviu, de Nova Inglaterra (USA) pa Cab Verd c'poque tripulante na borde, na certeza já de podê contratá pescador de Baleia na nôs ága, ondé que pa ês, mon d'obra não só era más barote, cma ês tava incontrá na pescador verdiano que era valente e bons arpoador na caça de baleia, um manera d'enriquecimente.

Herman Melville, quel que escrevê Storia de "Moby Dick" Baleia Branca, persiguide paquel terrivel e sanguinare capton Hachaab, ta honrá na sê livre quês dôs bons arpoador de baleia (harpooners) cabverdiane, por nome de Daggoo e Da Silva.

Nhô Alfritim ma sê irmon gema Fidriquim, sempre quês pudia tava contá pove ês storia daquês goitador de baleia na Selada, só pa marcá quel prisença e fazé pove fecá ta sabé origem daquel nome de Selada de Baleia... Cosa daquês tempe antigue que mute gente ca sabia e quel ma sê irmon, nascide e criode, viveba dês d'infância, inda na ragoce de sês pai Sulveste.

Nuns féria na SanNinclau, despôs de tonte tempe, é de lembrá d'uvi Tchubai (home de 2, 04 m) ma gente de sês familia só d'homona, ta contá quês façanha de gente de terra que fui caçador de baleia, lá na butequim de Nha Gusta, mãe de nôs amigue Auguste Nolasco, Deus dás céu, na Porte de Priguiça.

Quês bote (escaler) era compride e tinha oite ma dez reme, de proa fine, pas pudia deslisá e corré más n'ága na hora de ferrá baleia, ês tinha também um pau fincode por dente na funde de bote, perte de proa, tude rolode de corda, ondé que na fim ta tinha quel arpon de barba, pa quonde el entraba na corpe de baleia, pal ca saiba...

Más quês dôs ratcha de madera cuberte de bronze (metal forte) na proa de bote, pa quel corda pudia desinrolá drete e sobretude, moda Tchubai tava firmá que força sempre quel tava contá stora dês pesca, era prisença daquel "facon" sempre pronte pa cortaba corda na case necessidade se corda cabasse, ô anton se baleia, q'um vez feride tava dexi pa funde, resolveba bem de funde diretamente pa deboche de bote...

Jorge Pé di Cravo, natural de Dja de Moie, sempre lembrá de sê bisavó inda bidjim ma chei d'energia, ta contá quês matança de baleia na nôs mar e presença daquês data de naviu que tava bem comprás sês pesca, pum bacatela.

O qu'era um verdader exploraçon, quê naviu na épca já tinha tude disposição na borde, pa cortá, salgá ma derrété baleia pa fazé olie, pô na barril pa despos ba vendé pum bom prece n' Europa ma n'Merca.

Assim, pove de Cab Verd que tava prestá ês estranger grande sirvice na tempe dês façanha, ca tava trá nium proveite de produte de sês pesca... E n'era baleia que tava faltá na nôs mar na épca.

E, quonte cuitode, dês nôs famose pescador chefe de familia, ca perdê sês vida na nôs mar, nês pesca de baleia ta bescá manera de sustentá amdjer ma fidje, mode bote quebrode pa baleia que bem de funde derapente, ô anton pum roldana de corda que cabá, quonde baleia dexi pa funde e ca dás nem tempe de cortá corda de proa c'aquel "facon"...

Um verdader panique na borde e na mei daquel mar, trançode cum desgraça d'infer... Flizmente que de vez inquande, tcheu dês tava ser sucurride, más pa sês cumpanher que tava estode ta bem pa trás, do que pa quês naviu de controte que nunca tá tinha tempe!!!

"Velbote ô Whale Boat", vapor de pesca más modernizode, de canhão c'arpão já armode na proa, cumpanhode pa quês grande vapor fábrica que tava tratá baleia na olta mar, e que tava passá na Soncente na mês de Dezembre (Verão na hemisfere Sul), ta bem de Noruega, ta bai pa Saint- Georgia (perte de Pol Sul), bá pescá baleia que tava dexi má sês cria, já bastante forte, naquel migração de tude one, bá cmé " krill " um espece de camarão que ta existi involta d'antartique... (E que por causa de aquecimente de Planeta ti ta fecá cada vez mas poque pa desgraça de tcheu animal).

Cosa que hoje india, mi ma tcheu gente de bon sense na Munde é contra, má japonês ta cuntinuá ta massacrás, moda otes que ti ta cuntinuá ta massacrá golfim, atum e otes espece té dia que na mar ca tiver más... Pa sês estupidez!!!

Também quês pesca de baleia na tempe antigue, abri cabverdiane um porta pa emigrá pa Merca, sobretude a partir de DjaBraba, que despôs, na ligaçon c'otes Ilha, isdá tcheu gente bai paquel terra, o que salvada tcheu gente na tempe das seca de morré de fome...

Nôs presença é tão forte na Merca que nô tem tonte gente senon más do que nô tem na nôs terra... Tude começode desde diazá pa tcheu cosa de vida, que sês parte de bom e de mau pa tude "Ser desse Planeta", tonte na comerce triangular, cma na sopre de pesca de baleia ma sês BLOW!.... BLOW!... Na costa de nôs Ilha.

Pena é que tem mute poque elemente sobre história de pesca de "Baleia" na Cab Verd daquel tempe de fimde sécle XVII, principe de XVIII, pa relatátude ês peripécia, porque cosa bá ta evolui e mi sem livre um ca pudia contá esse Storia, quê é de tempe de "Velbote ô Whale Boat"!

Ês Stora é inspirode daquês uvi contá de gente antigue de nôs terra que de consciença ô não, tive priocupação de passá mensaja pa más nove, moda quês goitador de baleia na Selada de Baleia, pa sês cumpanher.

Ma também el tem um poque de base na História e Geografia, trode dum livre (publicode pa Waltraud Berger COLI & Richard A. LOBBAN - THE CAPE VERDEANS IN RHODE ISLAND na Providence,1990) que nha amiga Traudi Coli tive honra de mandame de Merca e q'um ta agradecé.

Predador: - Esse é quel Storia d'aonte!... Qu'inflizmente ti ta existi inda hoje!...
E ti ta cuntinuá manhã!... P'afronta de nôs tude, ma nôs fidje!!!...


Zizim Figuera ( José Figueira, junior )

V O L T A R

....................................................................................................................................

Comentário:

Bom dia brother, Coincidência?! Ainda ontem deu á costa algarvia um cachalote morto, levando-nos á reflexão sobre esses animais,

E quando li a tua estória a primeira coisa que me veio á cabeça, e creio que a muitos de nós, foi Roberto Carlos e "as baleias"."seus netos vão lhe perguntar em poucos anos..." Mas quando terminei de ler dei-me conta de quão dinâmica são as tuas estórias e num devir Histórico.

Nunca as posso comentar da mesma forma, quando as repetes, porque, algo no devir me obriga a outras reflexões. Sabemos da tua preocupação didática e dei-me conta que tinhas passado de estória para a História.

Os nossos alicerces e pontos de partida, o nosso crescimento, evolução e inserção no momento que vivemos. As estórias são por vezes cristais de eternidade mas que em qualquer momento podem adornar uma coroa, um anel ou uma adaga. E mais não digo por hoje, porque tenho a resposta para os meus netos. Um abraço MAG

Margarida S.Mascarenhas
magui.salomao@netcabo.pt

.............................................................................................................................................................

Comentário:

Hi Zizim, Bom dia e bom domingo para ti e famíla! Cá em casa os meus filhos que já sabem das tuas/nossas estórias no Liberal, levantam-se cedo aos domingos e logo que a veem aparecer veem-me chamar para juntos a lermos o que faço com grande prazer e depois copio para levá-la para a nossa pequena colectividade de reunião dos domingos.

E podes querer que todos apreciam e te agradecem. Mais queria dizer-te que este texto, diferente das outras storias, muitas divertidas, outras comoventes, deliciosamente brejeiras, é pleno de ensinamentos e nos ajuda a conhecermos mais uma faceta da nossa História honrosa e heroica luta pela sobrevivência.

Gostei de conhecer os homens valentes da nossa terra. Bravo Zizim, muito aprendemos hoje e que venham mais dessas.Continua te sentindo livre para dizer a todo o mundo que as tuas storias são essenciais do ponto vista humano e cultural do nosso povo. Um fraternal abraço da amiga Lena

Helena Sousa              helena.sousa@live.nl

................................................................

V O L T A R

Comentário:

Boa, Boa, nha broda. Mais uma crónica tua que eu li com imenso prazer e interesse.

Esta é inédita, como se vê, mas extraordinariamente curiosa, além de muito bem escrita, em que nos dás uma breve lição de história, geografia e ecologia na nossa língua materna, fazendo de forma competente e naturalíssima o que se tentou fazer de forma impositiva e polémica.

Para um cabo-verdiano, é importante saber que a pesca à baleia se fez nos séculos passados nas nossas ilhas e que a memória oral ainda foi possível recolher no século XX, como nos mostra José Pé Di Cravo. Parabéns, Zizim!

Adriano Miranda Lima

V O L T A R