Jon Monque Caçador de Pardal

Jon Monque, fidje de Felismina ma Nhô Teodore, antigue lavrador naquês cabece lá pa banda de Poi de Padre, pa riba de Compe de Cõ - SanAnton, tinha binde, ma sê pai, mãe e oite irmon vivé na Soncente, na fins d'ones trinta, pamode crise de fome e seca nas Ilha.

Na principe, log quonde ês tchegá, Nhô Teodore, bom chefe de familia, home honeste e trabaiador, tava sempre bá trá um dia de traboie na stiva de vapor na baía de Porto Grande.

Assim, lá na casa, Felismina ijdode pa sê filha Carmina ma Punhuque, sê codé, tava cunsigui manté quel cicle de catchupa (colde d'note, cuns ingron p'inganá fome, plumanhã, catchupa guizode cum padoce d'atum ô cavala, quonde el tava parcê, pa bá ta betá dia e esperá note torná tchegá) pa gente de casa.

Sobede ma dmingue, quonde ca ta tinha traboie na stiva, pai Teodore tava cambá quês costa de Soncente ma sês rapaz, cum monzada de cana, cafotche, linha ma inzol, um farnel de camoca calcode na lata e ága num grande bli quel tinha trazide de SanAnton, ba bescá que pescá e as vez quonde tava calhá, ês tava custumá trazé pesca grosse pa casa, que tava tchgás pas usá, escalá pa pô na sal pas gordá e tê vendê .

Nhô Teodore, instalode ma sê familia, primer lá pa Cruz de Jon d'Evra, despôs Farnande Pau, ca tava ta podê custumá mute c'aquel nova vida quê el era home de compe. Lavrá terra é que corpe tava estode ta pedil e quel cosa ca tava ta pará de trabaial dia e note na cabeça.

Anton, despôs de ter cunquide num data de porta de gente que tinha horta lá pa quês compe de Soncente, contecé quel bem conché Nhô Raimunde que tinha uns terra la pa Rebera de Vinha, que meroce (marcação) ma Nhô José de Canda, ma uns bitchim (cabra, carner, burre) largode lá pa compe de Perna de Selora, na camin de Tope ma Rebera de Caxa.

C'aquel falta diazá que Nhô Raimunde tava dum pessoa tmal conta daquel lugar ma quês bitche, cosa bem fecá drete pa tud'es dôs.

Assim, Nhô Teodore pude instalá ma sê amdjer e fidje naquel casinha de pedra e borre quel ma sês fidje cubri de paia, imbuçá e caiá de brónc por dente liger pas basse ta escativá (desinrascá). Despôs, fui vez de pô quel deserte lá ondê quês bá morá na ponte dum horta, quê lugar tava prope desuride e quem q'oiaba el dantes, ca tava dá um toston pa el e nunca tava pensá cma um dia lá tava sirvi pa fazé plantação.

Apôs, Nhô Teodore home de sê enchada, ijdode pa sês fidje mas bedje e Jon catchorre de gema (quel fidje que ta nascé despôs de gema) qu'inda n'era monque, djunte, ês regaçá manga de camisa, ês betá mon na traboie e na menes de dôs mês lugar cumeçá ta parcé.

E c'ajuda de Nhô Raimunde que cumeçá ta creditá naquel obra de Nhô Teodore, fui sebide parede de meroce n'altura de peite d'home, puste violinha (taba de madera chei de pregue) mode ladron, pôdode tude quês amendoera, tambarinera, tamarera, pulguera e fui trode um poce de trinta metre, puste um bomba pa trá ága que força de vente, de poce pa tanque.

Log Nhô Teodore ma familia, nimode, cuntinuá ta trabaiá terra, el fazé uns rincon de regadiu e c'ága daquel poce el vrá ta sumenhá alface, coive, tomate, bringela, batata inglesa ma batata doce e más tude o que lá pudia dá pa cmé, menes mandioca, quê moda Jon Monque contá ca tava pegá drete naquel tchon, quê ês tava criá ma tava fecá sempre sangrode! Porquê?! Nunca ês sube!...

Lá pa compe mitide que tude quel traboie quês tinha, ês esquecé de mar, quê tempe já ca tava ta dás nem pa bá pescá.

Anton, bem contecé cma Nha Beata d'Eugene, amdjer de denher e cmade de Nhô Raimunde que também tinha uns terra bandonode lá pa Tope ma Rebera de Caxa, bem sube de traboi desse bom lavrador e bem tentá log negocial na Nhô Raimunde... Ma Nhô Teodore, reconhecedor e home de palavra daquel tempe que n'era mistide nem siná papel, ca bai na conversa, quê el n'tava de venda!...

Anton, Nhô Raimunde é que bem pedil s'el pudia ijdá sê cmade Beata?! E cma ês tinha que bá rudiá tude quês bitche de Nhô Raimunde, que tava pra lá diazá bandonode lá pa quês banda de Nha Beata d'Eugene, pa marcás, el proveitá de mandá quês dôs gema (Martin ma Dminguim) pa bai fecá ta tmá conta daquel horta ma quês bitche de Nha Beata.

E assim fui, cma jas era rapaz grande e dôs moce de força, ês sigui log naquel ritme que sês pai tinha ês ensinode, ês betá mon na traboi chei de vontade, dá quel lugar também cumeçá ta fecá prop bnite e que más razon, quê tinha dode uns ingron de tchuva e prá lá cumeçá ta fecá tude virdim.

Nha Beata contente de sês iniciativa, log dás chave daquel barraquinha q'ela tinha pra lá, ma só q'aquês coquere de sê horta tava chei de coque e tonte ês cma tude quês ote planta tava ta mesté de ser podode... Pai Teodore, ca pude resisti, el trá um dia el bai lá ijdá sês fidje e pô tude cosa na lugar, pa satisfaçon de cmade Beata e sê cumpade Raimunde.

Na Tope de Caxa, lá naquel horta de Nha Beata, já tinha um poce bem funde ma que tava tude intupide diasá, chei de terra. Nhô Teodore ma sês fidje desintupile e pol ta trabaiá.

Quel poce lá era bastante funde, talvez más q'aquel de Rebera de Vinha, e que tcheu ága. Sô que lá naquel lugar já linhode pa Rebera de Caxa, ês ca tinha manera de pôl um bomba pa trá ága, anton el fui limpode té na funde ma el fecá la aberte, um perigue pa gente ma animal, despôs ês ba pol dôs pau cruzode cum polia, passode um corda cum balde pa trá ága pa fecá ta dá bitche.

Quês moce, cumpanhode paquel mufine de sês irmon Jon é que fecá ta bá tmá conta de lugar, basta ês sumenhá um quarta de midje, partida culheta na mei ma nha Beata, assim cosa devagarim bá ta pô na camin, inquonte que pai Teodore tava lá pa Rebera de Vinha ta cuidá de sês horta.

Tope ma Rebera de Caxa tinha tcheu pardal ma caturniz naquel tempe e ês bem aumentá q' abertura de poce ma tchuva e ês tava estode pra lá ta dás cobe de sementera, ta cmé quês ponta verde de midje sumenhode e cma Jon é quês pô ta gordás pas ca cmêsse midje na horta, anton el bem vrá um grande caçador de pardal ma caturniz.


Basta el tava conchês tude pal podia escuis e panhás, quê tinha uns que ca tava estragá midje na horta e ca tava sirvi nem pa cmé ô pô na gaiola, moda "pardal biclac ma rujenô (rouxinol)"assim, sês tava quei na aramadilha el tava soltás e dexás bai.

Caturniz, pardal de terra ma pardal coquere, ês sim! Ês é que tava fazê tcheu estroge na plantação, as vez té más que cavanhote, quê lá pa quês banda de Tarafe, Tope e Rebera de Caxa, ma n'Asmancãs é que tinha más tcheu que tê tava fazé sombra, quonde ês tava voá e ês é que tava cmé quel cabiçinha de planta de midje log quel tava somá na terra, o que tava matá planta!

Anton Jon, na cuntinuidade de sê stora tava firmá sempre cma era bom pra lá ter tcheu pardal ma caturniz em vez de lagartixa, quê cma jás ca tava estode ta bá pescá, anton deboxe de sês pobreza quês bitchim de pena tava estode ta sirvis de cmida na lugar de pexe.

Jon, grande fazedor de violinha (armadilha fete de taba de madera chei de pregue pontode pa riba) pa pô na horta mode ladron ca dexi, era tanbém home de sê fazé armadilha pa caçá pardal, caturniz ma lagartixa e el tava inventá e usá tcheu espece d'armadilha moda "boião de vidre", ondé quel tava betá farel de midje lá dente, pardal tava entrá ca tava podê sei, ô anton mesma cosa cum "baloie de tenté", puste quel pau marrode um linha cumpride e fecá gatchode ta esperá pardal ma caturniz intchi deboxe del ta cmê, pal pudia dá quel salha (puxão)...

Ma sê especialidade d'armadilha era "sorça", fete daquês boca de lata cortode naquês lata de cinqe libra de jam (strawberry mode pove de Soncente tava tchmás) ondé quel tava fazé um rede de linha de barbante, depôs el tava colocá um monzada de loce fete de crina de cavole, quel tava pô na tchon betá farel de midje, quês pardal ma caturniz tava bem cmé, ês tava fecá uns data prese ilhode pé naquês loce e despôs el tava trás metês na bolsa e levás pa casa pas cmê assode...

Quel horta compe e erme de Rebera de Vinha, que tinha vrode um beleza na mon de Nhô Teodore ma sê familia, vrá lugar de "picnic" de gente que sabia respeitá tude quel traboie, na sombra daquês tambarinera quaz tude fim de semana.

Bem contecé que pardal ma caturniz cumeçá ta escaséa, mode falta de tchuva, na horta de Rebera de Vinha, ma sem prejudicá rega de plantação, quê poce inda tinha ága pa tcheu tempe.

Anton, Jon que tava custumode na ranjá uns toston na pardal ma caturniz, quel tava panhá pas cmê ma vendê, quê tcheu gente tava comprás pa pô na gaiola, bem cumeçá ta sinti falta daquel truquim e um dia el rancá el só pa Tope de Caxa, ondé q'inda tinha tcheu pardal, lá na horta de Nha Beata...

Log quel hora quel tchegá lá na horta, el cumeçá ta pô sês "sorça" (armadilha) que farel de midje espaiode derriba pa tude banda, moda de custume. Ma quel tarde lassim, pardal ca tava ta querê quei naquês arçapé (armadilha) de Jon, e cma jal tinha custume de dexá d'note fexá pal dexiba na parede de poce ondé que sê ridinha, el tava bá ta catás na broque na mei d'escure, na descansode.

Assim el fazé e jal tinha sê bolsa quaz chei de pardal, quonde moda el dzê, demone infadá pamode se ganância na falta em vez del contentá c'aquel poque que jal tinha!

Anton el meté broce más um vez num broque funde, já ta trazé mon ote vez chei de pardal, quonde el puxá broce que força e na embalaja el debangá da lá derriba de metade de poce, quaz quinze metre d'altura e de costa pa funde....

El ca morré quê sê hora ca tinha tchegode e, na sê inflicidade, sorte quel tive é quel ca dá que cabeça na pedra, só el espancá broce ma perna na parede de poce e cma poce tinha tcheu ága, imparal sê queda. Basta, inda chei de dor, el somá de funde d'ága el cunsigui que dficuldade sebi na armaçon de funde de poce, quês tinha estode ta desimtupi... E lá el fecá té ote dia deboxe de sofrimente que só el ma Deus sabé!

Cma el faltá na oie de gente de casa, ês bai ês otchal lá na funde de poce, tude rabentode ma inda vive, ês leval pa Spital na padiola, ondê quês cortal um broce e diminuil um perna, quê ca tinha ote remisson.

Quel home de força que fui obrigode a adaptá um ote mode vida, mode sê inflicidade, más tarde fecá ta ser cunchide na tude quel costa leste de Soncente, Sinagoga e Deserta pa quel gigante pescador remador, dum mon só por nome de JON MONQUE..


Zizim Figuera ( José Figueira, júnior)

V O L T A R

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Oi Mano, Obrigada por todo esta apoio através estórias e cá vamos tentando viver a vida que nos é possível. Agora vou te dar de manteiga não só pela estória que é de grande sensiblidade humana, mas também pela pessoa que eu admiro, já que sofrendo do mesmo mal que tu, não consigo ter a tua força anímica.

Vê lá agora se não deixas de me retribuir com a próxima estória! Saltaste do meio urbano para esses retalhos de ruralidade implantados no deserto mindelense que nos vai matando saudades das, hortas, da enxada e das "xicaras" para apanhar os pobres pardais, bic-de lacre, codornizes e galinha de mato."pois se há no meu sangue, avós navegadores, também os há humilde lavradores,de quem trago as veias requeimadas".

Versos de António Sardinha(monárquico) obrigada a decorar pela drª Marai de Jesus.Do you remember?

Um abraço MAG

Margarida S.Mascarenhas
magui.salomao@netcabo.pt

 

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

V O L T A R

Comentário:

Oi Zizim Nh'Irmon, Um bom dia pa bô sempre c'aquel bom Astral que bô ta trazene pa casa tude dia dmingue que bôs "storia" sem riola nem rabica e de coraçon limpe pa ligria de casa ma tude pove que quizer comprendé essência de vida de nôs pove caboverdeano.

Um conchêba diazá antes dum sei pa stranger um Jon Monque na rebera de Calhau cumpanher de Bastion ma Jon d'Alcanja tude ês pescador de Deserta que ta condizé q'esse stora! Será?!

De tude mode stora ta mute bem escrite num criol suave e mute bem linhode.Um gostá e tcheu. Continuá nha broda. Grinhassim li na Sydney-Auatrália já é dez pa oite da note.

Obrigado e nhas mantenha Terêncio

Terencio Lopes              terencio.lopes@yahoo.com.au

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Dear Zizim, Uma "Storia" diferente que condiz á vida rural da minha terra Santo-Antão e como noventa por cento de gente de São Vicente é oriunda da minha Ilha não me estranha esta transferência de costumes.

Muito bem contada e elaborada está a tua estória tanto na escrita como naquele sentimento que de uso dedicas sempre para nos fazer viver com todo o realismo os nossos próprios problemas. Coitado do Jon Monque! Bem hajas!

Um beijo da Yo

Yolanda Dias             yoldias@aol.com

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

V O L T A R

Comentário:

Sr.José Figueira,júnior vulgo Zizim, Raras vezes aponto o meu nariz por aí fazendo comentários, mas porém não me tenho privado de usufruir deste pequeno algo que é nosso e bem nosso que vocé tem tido desde longa data a gentileza de nos apresentar todos os domingos o que eu pessoalmente muito lhe agradeço.

O seu trabalho incansável há muito que começou a produzir seus frutos.Pois você tem feito um progresso considerável na escrita da nossa língua procurando sempre facilitar o leitor. Esta estória por exemplo está forte apreciável no conjunto pelo que o parabenizo.

Continue com esta força anímica nas suas estórias porque todos nós que nos identificamos nelas só temos a gannhar e a muito aprender.

Sou da nova geração e via daí um grande abraço com todo o respeito. Vává

Osvaldo Tavares              osvtavares77@hotmail.com

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Bom Dia Zé Fig. jam caba d'alé bô stora um gosta imenso, e el criom aga na oi, paquê é dvera na quez ones 30 tchéu daquéz homes de sintanton bemba pa sãocente te procura nova vida, uns pa sustenta familia otes pa começa de constitui ses familia; lembrom mut na nha pai que bem també naquel ocasião, tchega forma familia que da ocasião a nha nascimento, embora que longos anos de tchéu dificuldade; as vez ta parcem quel ma nha mãe incontra na ponta de cais um te bem de sintanton ote ta bem de sanicolau e ez forma um familia.

Ma é dvera ca quez home de sintanton era bons home de traboi, e bons lavrador, nes stôra de bossa jente te oia , cond um cosa ca ta dà ez te spià pa ote, moda nha Teodore, e ez tava cria ses fidje que mesmo exemplo home de traboi, nes stora jente te spià cmanera quez pô mom naquez tchon, pô da cmida, cuida daquez bitche, quez rapaz que ja catinha forma de pa mar ez volta na aves, pardal e catorniz, e um podé dzé cma catorniz é bom paquê em poc vez c'um tive ocasião de ba pa sintantom conde mim era menin, um cmé catorniz:

O c'um otchà que tchéu pena é cuitod de Jon ca tive sorte el ba cai e fcà invalido, ainda bem quel tinha tchéu força um cosa te recompensa ote: Sinsenhor ess stora é pa da exemplo, daquéz home daquel tempo trabaidor honeste e honrrod, vivé pa força de ses pulsse, e ca tinha traição, nem mesmo corrupção, quel tempo ca devia muda Boa stora e come sempre bem contod mais um bravo continuação de boa e melhor saùde e muita força e coragem.

De bô sempre amigo François Lima ( Chico)

Lima françois               limfranc@wanadoo.fr

V O L T A R