INTERRE DE CLAUDINA MANCA

Quel one lassim, Soncente tinha dode tchuva drete, que rebera ta corrê pa mar e tude quês chatice d'inxurada que pove já ta custumode na recebê, quonde esse milagre ta contecê. Ma, moda ta dzide na terra, p'um catchorre ingordá um burre há morrê e, cma quês dique que Mota Carmo (admistrador) mandaba fazê na sê tempe, e que tê inda ês t'ixisti lá pa quês banda de Pedra Rolada, guentá!...

Anton, cma tude quel ága intranhaba deboxe de tchon, bem parcê esse lugar na Soncente que pove butzaba por nome de Rebera de Paúl. Um stora ingraçode que tcheu gente d'hoje india é capaz de nem crê creditá, quê hoje pra lá já ca tem rebera, mode casa que fui fete na extensão de tude aquel lugar, sem rei nem lei, o que ligá "one time" Rebera Bote, Fonte Francês, Monte Sussegue, dá estragá tude quel beleza natural, godzide pamode progresse, nhas gente!

Anton pove, cma ága tava ta revê deboxe de tchon, cosa que durá tcheu tempe, ês proveitá logue cada um de fazê sês hurtinha pra lá, cercode de pau de bombadera ma charutera (planta) e arame farpode, pamode cabra ma burre ca entrasse de note pa ba cmês sês prantaçon.

Tude espece de planta fui prantode lá na Rebera de Paúl, nome que pove dal, mode quel tonte virdura que parcê de rapente lá na rebera, té que gente tava oial de longe... Basta moda voz de pove dzeba, cma bodzê natureza diasá tava estode ta goitá quel tchuva, pal podia exprimi tude sê beleza naquel virdura e fecaba ta contrastá c'aquel sicura de custume de nôs terra!

Pa flecidade de pove, quel cosa durá tcheu tempe, basta era piquenique derriba de piquenique, tude dia dmingue que Rebera de Paúl sempre chei de gente, quê tinha midje verde pa fazê midje ingron, bobra ma mandioca e batata pa colde de pexe, ma batata doce. Tive quem tê prantaba uns dôs bananera que tchegá de dá banana. E, pove marabidjode de tonte marabijda, ca pude resisti, ês tral log um cantiga:

Oi vamos imbora pa Rebera di Paúl

Pa nô ba oiá

quês gente que mon na tchon

quês gente que mon na tchon

ta fazê midje ma fejon

Rebera di Paúl ê um paraíso

Sala di visita di Mindelo

Di branco ma preto... ( B.LEZA )

Cantiga esse que fecá pa sempre na storia de nôs terra! Rebera tava stode nimode, assim ta tinha sempre uns fenhenga, ora lá na Didida, ora lá na Claudina Manca.

Más certe lá na Claudina, cunchide pa sê bom mon de panela, tude sobde de note tê madrugada, que tava cuntinuá dmingue c'aquês piquenique lá na hurtinha de sê cumpade Delfim, ondê que nunca tava faltá nada pela graça de Deus!... Sô qu'às vez da tarde, quonde tinha jogue de futebol na Compe de Jogue, ela tinha que ba abri ága pa ijgador tmasse bonhe e pal pudia ganhá um truquim. O que já n'era prublema, quê Hirondina, sê subrinha, já tava podê tmal conta de casa.

Naquel one de bonança e santas graça, tude gente morode pa quês banda tava estode prop fliz de vivê na mei de natureza, quê cmida tinha à vontade e Hirondina, Zabel ma otes de sês culiguinha tava tude ta esperá tem mnine, ma na respeite.

Um dia plumanhã, tinha manchide que mute vente e pescador ca tinha pudide betá bote na mar, mode bandirinha preta que tava la tope daquel mostre de Captania, ta gorgoloteá na vente, pa sinalá mau tempe....

Anton, c'aquel falta de pexe que tinha na terra, bem parcê um vendedera ambulante binde de morada lá pa Rebera Bote, perte de casa de Tite de Nhô Posse ta vendê uns "fambil", pexe que tem pele dure ma, despôs de pelode, sê carre é fine e mute bom pa cmê... Tite, pa curiusidade, perguntá quel mnina de dondê qu'aquês pexe tava ta bem. Vendedera dzel cma ês tinha side panhode na costode daquel naviu por nome de Mar Novo, que tava fundeode diante de cais de Taqueilas (cais de Mota Carmo) na Puntinha.

Tite bem ta tchegá, el espiá quês pexe na guelra ma na oie, dvera dvera ês tava ta parcê prop frisquim. Cma era um sobde, el na sê boa fé comprá quês pexe pa Claudina Manca, que despôs tava dal sê denher. Log el manda Bei de Xangai, sê nitinha, pa basse ta corrê longá Claudina tude quês pexe, p'aquel fenhenga de sobde de note, de Maria Santíssema.

Fui um verdader ligria pa tude quel pove, que tava prop inrascode que stora daquel tchuquim que Chala de Bite tinha matode pa festa, lá pa Farnande Pau, ma qu'inflizmente quonde ês abril, el tava buze (doença de chaveira).

Log Hirondina ma Zabel pô quês pexe na tamper moda de custume e quonde Claudina tchegá de sê traboie de bomba d'ága, tude contente cum risim na conte de boca ela dzês, bunzim dmunde nhas mnininha, ês pexe sirvine dente d'hora, ês é p'um calderada e assim fui, quê bodzê sês subrinha tava ta duvenhá, quê jás tinha cortode tude quês pon de caldera (mandioca, nhame, batata, banana verde) lavode, puste na ága.

Tchon de borre de casa de Claudina tava bem trabaiode, barride, betode ága, calcode, secode e betode vela raspode na tchon, moda pa tude boie de tcherê-cadera, prop pa criston ma sê dama podia deslizá amdjor na hora dança.

Naquel muvimente de gente sempre t'entrá ta sei lá na casa de Claudina, moda s'ela fosse "Godfather", e despôs c'aquês cuvedode de boie ta bem ta tchegá, lugar intchi fullup!... Boie rancá pa dez hora da note, na ritme prope sabim daquel coladera que tava na moda:

Manhã cede no ta bai…

Passá dia na Baía

Pta rede no ta bai

Panhá pexe pa escabeche...

Oh mnininha de morada

Hoje é dia d'exibi

Besti bô saia travada

Moda Bia de Bibi!...

Tude normal, num imbiente sem vaidade, naquel ritme de múseca "pumping sweet" e tude quel pove formode um sô corpe alem ta bai, ta diverti sem ranjá stora!...

Volta de meia note, fui fazide um break, quê tchon secá, pas pudia torná preparal mode quel poera ca sebi na sala. Anton, Claudina proveitá e mandá sirvi log quel calderada de pexe, quê canja pa madrugada já tava na lume. Primer prote bem pa dona de casa, siguide de cada um sê vez, quê lá etiqueta, moda quel buzode de Tchucé tava custumá dzê, ca fui cuvdode na sês festa...

Três hora de madrugada, ô que abole lá naquel lorgue de Fonte Francês, cum data de gente ta sei de sala de boie ta corrê pa tchada que tcherrica... Cuitada de Claudina Manca nofragode sem podê mexê... Flizmente que cumpade Delfim, más otes gente que ca tinha cmide daquel calderada de pexe pude levá Claudina, despôs de lavode, num cadera pa Spital.

Dzide, cma tude quel chatice fui culpa daquel calderada de fambil, um pexe que ta custumá estode na costode de naviu e ta gostá de cmê quês buzim ma lapa que ta criá derriba daquês forre de "cobre", o que provocá quel intoxicação geral, pa quem que cmel. Esmoregal também é um pexe de lorgue que gente ta devê fazê atenção na cmê mode sê figuede envenenode, mode um espece de plancton quel ta cmê na olte mar...

Claudina ba pa Spital, ês dal sulfatiozol ma ela cuntinuá ta desidratá sem pará, trançode cuns prublema de coraçon qu'ela tava custumá sinti, ela cumeçá ta fecá fraca sem sustente...

Quês otes gente tive más sorte, quê Antone Catoque, que tava lá na festa que sê bicicleta, largá pa casa de Djandjan ba dal fala, que dexi log pa drogaria na morada junte ma Matoche, bá bescá ramede e despôs cambá Fonte Francês ba socorrê tude quel Pove que "Limonada Lactea"... De graça, sem recebê nium toston e fui o que ijdá tude quês gente safá rascada.

Dôs dia despôs, nôs Claudina Manca morrê na Spital, que cumpade Delfim, Tite, Djô Ía, Cuque e tude quel pove de Rebera remorsode, t'otchaba cma ês divia ma era ter ela dexode lá na sê casa, quê talvez ela tivesse safode s'ela tivesse tmode também quel ramede de Djandjan!... Ma cma morte nunca é culpode?!... Paciença!

Na storia de vida de pove daquel Rebera, nunca tive interre de pobreza ma grande e tão bnite, na tude sê força de solidaridade que ta fazê parte de nôs CULTURA e que nôs pove sabê mostral nês momente que tude quel MORABEZA, AMOR E CARINHO...

Antonin Martina de Monte Sussegue, Nhô Queitone de Lombe, Nhô Faustino de Bela Vista, quês grande artista fazedor de caxon, dexi tude pa Fonte Francês quel dia, cumpanhode pa sês ajudante ma tude quel pove pronte pa ijdá... Ês fazê Claudina Manca um grande caxon prete forrode por dente, que fita doirode na parte de fora... Caxon fui puste lá na mei de casa, pa um ultme adeus c'aquel altar sebide moda de custume. Ela ca fui levode pa Igreja, quê ela era Racionalista Cristâo, de casa de Sr. João Miranda.

Na dia siguinte, pa três hora da tarde, tude quel Pove desabá de tude quês Rebera (Rebera Bote, Fonte d'Inês, Fonte Francês, Farnande Pau, Monte Sussegue, Passaron), gente de Morada e d'otes parte de Soncente que sês lincim brónc, pa bem cumpanhá quel interre de nôs grande Claudina Manca, que sirviba tonte gente na sê vida, e leval tê sê ultma morada.

Interre fui que múseca, guentada quel "Djosa quem mandobe morrê", pa Lorence Pilinha, Marcel, Franque e más figurante... Na borda de cova, fui quel "Hora di Bai", pa fetchá interre, que tude quel pove rinquiode que sês lincim brónc ta saná pa despedi de Claudina e ta tchoral que sentimente...

Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V O L T A R

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Zizim, Irmão verdiano companheiro e amigo de infância. Como sabes porque és Geógrafo, a diferença horária entre Sidney-Austrália e Cabo Verde neste momento é de 11(onze) horas.

Pois para Leste é sempre mais tarde e, por cá neste momento são 18 h 20 ou sejam 6h20 pm como dizem. Por isso todos os domingos como fico em "standby" sobre as edições do Liberal que muito agradeço.

Me considero um previlégiado pelo facto de ser dos primeiros na diáspora a ler as tuas emotivantes estórias e noticias da nossa Terra.

Esta última crónica como todas as outras está lindamente bem escrita reforçada daqueles acepipes linguísticos que sempre enriqueceram o nosso idioma, tais como: fenhenga, boie de tcherê-cadera, música pumping-sweet e outras expressões mais, que logo me vieram ao espirito.

Só quem não conhece ou não quizer aceitar é que não pode compreender este estado da alma de coisas vividas por nós.

Me lembro bem da Claudina Manca mais a Didida e aqueles célebres super bailes de terra batida atrás de Compe de Jogue que apesar de todas as precauções da parte delas as organizadoras que tão bem relataste aqui na estória, não nos impedia de sairmos de lá dentro no dia seguinte todos salpicados daquela terra "bromedja" de Rebera de Fonte Francês.

Obrigado Zizim por continuares todos estes anos a assegurar valorosamente esta rica mensagem de coisas da terra para as nossas novas gerações.

Olha até os meus filhos graças a ti e tuas estórias já dominam com aprumo o nosso Criol e lá vão passando a mensagem aos seus colegas e amigos caboverdianos aquei vivendo.

Em conclusão e numa só palavra adorei mais esta com aquele nó no peito de SODADE.

Grande abraço e bom domingo Terencio

Terencio Lopes         terencio.lopes@yahoo.com.au

V O L T A R

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº                           

Comentário:

Bom dia Zizim, Acabei de ler a tua estória e melhoraste considerávemente em estilo em relacção a outra versão que já conhecia o que é admirável. A estória encorpora um aspecto muito bonito da nossa vida e podes crer que apreciei muitissimo a tua descrição do velório e funeral que fazem parate integrante da nossa cultura( o culto dos mortos).

Acho ali muito importante a maneira como sabes transnitir aos novos o que eram funerais de outrora Gostei também da descrçõa dos pratos, do pitoresco dos nossos personagens, de tudo, como sempre gosto nas tuas estórias.

Beijinho da tau amiga e sempre admiradora NAT

Natália Lima da Luz         natalialima luz@cvtelecom.cv

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Zizim, Ess stora ta más forte du qi um soque na stome. Pove lá na Associação tita bá gostá. 'M ca pude nem resisti uns lágrima teimose que dexime pa cara boxe de tonte sodade.

Pra lá era nha zona ondê cum morá e 'm conchê tude esse pessoal e más alguns que fazê parte de nha infância que tude afecto de mnine de pobreza que nô fui.

Felizmente pa tcheu de nôs cosa mudá, ma nunca nô esquecê de dondê que nô bem e nô ta cuntinuá da dá nôs help sempre que nô ta podê.

Bem hajas Zizim de tonte lembrança ma recordação.Bom dmingue e um bijim YO

Yolanda Dias           yoldias@aol.fr

V O L T A R