CANDIRIM DE PITROL

Delfim fliner, artista ferrer fazedor de frisdera, caneca de pote (recipiente de pô ága de bibê, fête de borre que tava bem de Bubista, pa fazê ága fresque), ferradura p’almara, caniquinha, bule ma quês “candirim de pitrol”, salvação de pove, tinha tchegode quel fim de dia cansode de tonte trabiá na forja, cum quebra de gaita, quê quinzena inda tava longe de fexá, pa Cumpainha pudesse pagá sês gente que tava segurá muvimente de dnher na terra e quel três por dia na casa criston.

E cma pa tabela, tude quês dona de casa também tava estode que poque denher, enton, bem Delfim n’ideia pa recuperá uns “scrotcha”, de baxa prece e fazê um leilão, pa esleviá stock de ferraria daquês tareque ma bugiganga, produte de sê traboie q’era tude fete de lata baziu, de conserva que tava bem de borde de vapor.

Caniquinha qu’era dez toston, passá ta ser três pa dez toston, candirim de pitrol qu’era dôs e quinhente, passá ta ser três pa dôs e quinhente etc... Na tempe q’um pon de midje era dôs toston.

Assim, cma alvicera corrê expediente pa rapte na lugar e pa tude banda, mute gente bem log proveitá daquel leilão de ferraria, pas intchi sês casa daquês servintia, obra d’arte que na mei de tude sê pobreza era fête q’amor, pa nôs cumpade e amigue Delfim.

Era gente ta bai pa casa, que broce rinquiode de tude espece de caneca ma caniquinha e sobretude, daquês candirim de pitrol, que pove tava custumá mantê cindide, pa lume ca cabasse na csinha ma cusenhola...

Delfim, home sêrie ma sempre rafilon e rabiquente, tava lá ta recebê dnher de venda de sê traboie, quonde derapente, el dá fê na mei daquel trupida de gente na leilão, de sê fedjada Firmina fidja fema de sê cmade Lorença Teixera, irmã de Puldina de Catoque da lá de Monte, que junte má sê irmunzim Tomás, nunca tava sei de casa pa rua pa brincá, moda tude mnine...

Quês mnine q’era estronhe, um csinha brobe, ca tava sei de casa e tinha um razon bem forte, quê dzide sês Mã Lorença tava pari só ”Mnine Butiode”! E, ela já tinha tide três, Firmina ma Tomás que fecá “taná” mode ela que gritá, assim ês ca pude feji e, um que dzide tinha cunsiguide feji na tempe, antes de mãe gritá, garanhode na parede e que assim fecá “butiode”, por nome Rubirtim, que nunca gente tava oial, ma que tava custumá parcê as vez inquante la pa casa, sô de note bem dás fala, quê el era especial e tava vivê moda um mnine incantode la pa funde de mar, na mei de sirena ma gole museque...

Cuitodes, basta ês tava andá que cara mei tapode dum pone e sempre ta corrê, quonde tava contecê, quês tava sei pa rua, ba fazê sês mãe mandode, mode quel inflecidade de nascença que Deus dás. Firmina, tinha boca torte (: -ratchode pa lode esquerde e Tomás o contrare, boca torte - :) ratchode pas dreita.

Já sês tia Puldina, na épca, tinha tide um fidje por nome de Ricorde, pescador de boca torte, ratchode pa banda esquerde (:- moda um urse q’era bem cunchide ma mei de sê pove pescador e de tchon de Soncente.

Voz de pove tchegá dzê, cma quonde Puldina tava ta esperá tem quel mnine (Ricorde), ela tinha estode durante uns dia ta sigui, pa tude banda, gente dum cirque que passaba na Soncente na Mala Real ta bai pa Sul, e cma lá tinha um grande urse na mei daquel grupe que tava fazê tcheu pirueta, ela Paulina fecaba bodzê encantode daquel bitche o que fazê Ricorde, nascê que boca torte ratchode pa banda moda quel urse...Superstição?... Ô ôte cosa ?!... Quem que sabê?!...

Ma, situação d’amdjer daquel casa, ma daquel familia, vraba tão triste que já nium dês queria ter fidje, que mede dês sei tude torte ô “butiode”, moda sês tivesse betode ês oiada...

Delfim enton, dirigi devagarim pa sê fedjada Firmina que tava lá diasá que sê panim, mei tapode na cara pa gatchá de gente, c’oie fixode naquês candirim de pitrol que sê mãe sem mute ricurse, tinha ela mandode ba comprá, sem ela podê tchegá na ês mode pove. Sem dzel nada, pa c’arriscal, Delfim espiá Firmina dente d’oie e que dede el pontal pa quês candirim.

Dá Firmina, que também ca tava podê falá mode sê defeite na boca, sempre que sê pone ta cubril boca, fecá tude contente t’arri pa sês carambola d’oie bnite, trás daquel panim e despôs de ter soltode uns dôs buuuu, enton ela pontá Delfim que dede pa dôs candirim de pitrol, pa indical cma ela queria compral dôs... E assim fui, té que sê padrim, home de bom coração, nem ca recebê...

Tude na mei daquel confusão de barulhe de gente na leilão, bem parcê Mã Lorença, ma Tomajim também que sê pone na cara, pegode pa mon, pas bem bescasse Firmina que já tinha demorode de bai pa casa.

Enton Delfim, pedi sê cumpade Soguel, que Deus dal céu, de betal um oie la naquel venda, quê el mistia tem um conversa serie ma sê cmade Lorença Teixera...

Da lá, cumpade Delfim fazel sinal, p’ela ma sês dôs onje de Criste entraba la pa dente de sê Ferraria, que na épca tava fecá situode naquel quintal de Nha Gadjome na rua de Coque, sô pal ba perguntal, mode quem q’ela tinha mandode era Firmina pa basse comprá quês candirim la na el, em vez de mandal recode, quê assim el tava té ba longás el mez...

Cmade Lorença, regaçada na tude sê brutlindade, mei chatiada, enton pô ta explicá cumpade Delfim, cma jal tava forte daquel situação e que já era tempe daquês dôs mnine saíba na lorgue e ca tivesse mede d’infrentá realidade de munde smeme assim que sês infermidade que n’era culpda de ninguém...

Cumpade Delfim, vrá dzel cma pas prendeba cosa de munde, gente é que tinha d’insenás, e ela pa ser mãe, tinha más que ninguém ter mute paciença e dá sês mnine tude amor desse munde, já quês n’era culpode, quê Deus é que dexá.

Na tude sê vassalamente, cmade cuntinuá ta querê convencê cumpade cma la na casa, ela ca tava cansá de explicás e fazês aver pas comprendeba tcheu cosa. Ma, prublema é q’aquês mnine a força de vivê sempre fechode, ca tinha custume d’oiá, nem brincá c’otes mnine, e já na sês dezoite ma dezassete one d’idade, ês tava ta fecá mute trazode... Basta, ês tinha mede de tude cosa, ma tude gente e ondê quês basse, ês tava fecá sempre pegode na barra de saia de sês mâe.

Mã Lorença, perguntá sê cumpade cmanera q’ela pudia fazê pal saiba daquel afronta, quê sel queria sabê, té compra daquês dôs candirim tinha um razão, pamode lá na casa, dantes ês tava usá más era vela d’igreja ô anton vela fete de semente de pulguera...

E cma quês mnine, que sês boca torte vrode um pa esquerda ote pa direita, ca tava nem podê soprá quês vela de note, pa pagás antes de durmi o q’era um grande chatice, quê tude vez ês tinha que ba desinquetá quel mnine “butiode” de Rubirtim lá na sê lugar dessêgode, pa bess pagás quel vela, pa tude gente pudia durmi.

Enton, cumpade Delfim, despôs de fechá loja que naquel dia rendel um truquim valente c’aquel ideia de leilão, cambá Monte má sê cmade Lorença ma quês dôs mnine de Deus, tud’es dôs sempre que sês panim ta gatchás cara mode sês imperfeição, pa ba cumeçá pa primer vez ta dás lição de cosa de vida e manera de reagi, quê era primer vez que sê cmade chei de corája tinha dirigide pa el, pa contal sês mágua.

Primer cosa, nas calmas, quel cumeçá t’insenás quonde ês tchegá na casa, fui manera quês divia usá quel Candirim de Pitrol de más ô menes uns 10 centimetre d’altura, fete de lata trabaiode cum recipiente pa pô pitrol, más quel cabiçinha que turcida d’encaixá naquel recipiente de pitrol, pa ser cindide que foche “jokopins”, e pa despôs na hora de pagá lume de candirim, já n’ era mistide sopral moda ês tava custumá fazê que vela, basta, era sô puxál quel turcida pra boxe um csinha el jal tava pagá el sô...

Mâ Lorença, pará de resmungá sô d’oiá quel serenidade de sê cumpade Delfim ma quês mnine d’seu que tava ta sigui q’intligência tude du que padrim Delfim tava ta ba ta dzês... Na fim cmade ca pude resisti, ága ta dexil pa cara boxe, ela perguntá cumpade Delfim que voz baxim, ondê quel tinha prindide lidá que mnine tão bem assim?!

Enton, sê cumpade q’era home viajode e d’experiença, dzel cma na vida gente tem que gordá sê serenidade e contentá que tude du que Deus done! Assim p’ela tivesse calma e dá quês fidje d’seu tude carinhe e amor desse munde q’ela pudia dás!... Ela vrá, ela dzel cma, el tava ta dzel assim ma n’era el que tava estode ma ês tude dia?!...

Cumpade Delfim, lá sentode na sê mutchinha (bonc) pô impé, panhá sê boina espiá sê cmade de bique de pé na cabeça, dum ar bem triste baná que cabeça e dzel: - Já bocê esquecê de nha fidje Januar que nascê paralitque que ta lá na casa té data d’ahoje e que nunca pude andá?!....

Cmade dá um grite maguode d’rependimente ta pedi cumpade desculpa...Ma cumpade Delfim fecá serene, torná comodá sê boina na cabeça e dzel: - bocê ma exe mnine fecá que Deus nha cmade Lorença, quê mi jam ba nha camin, quê hoje precisamente, nha fidje Januar fazê sês vinte e quate one d’idade!...

Zizim Figuera ( José Figueira,junior)

V O L T A R