SONCENTE - NA TEMPE DE CHARLESTON (ONES 1920/1960)

Na tempe de “Caniquinha”, log despôs de primer grande-guerra mundial de quatorze/dezoite, moda pove ta contá, quonde cosa calmá e que traboie ca tava ta faltá derriba de planeta, p’aquês gente que fazê guerra pudia ba te comodá tude o q’ês tinha estragode.

Dzide, cma tude ês pove que escapá de guerra, ma tude quel nova geração que segui, bem rancá, moda num ressaca, cum vontade de vivê sês vida sem limite, num espece de “vida nova-nova vida”, ta tentá recuperá num “spend a good time”, tude quel tempe pirdide, passode na mei de tonte desgraça, daquel triste guerra.

Enton, la pa ones 1900 bem parcê na parte Sul de Merca (USA), um múseca de dança d’orija “Black” ô amdjor afro-americana, tchmode “JUBA” que bem firmá despôs na Primavera de 1923, c’aquel canção “Charleston”cantode pa Elisabeth Welch... E, dali “Charleston” despôs invadi Europa e cuntinuá sê grande sucesse atrvaés de munde, dês d’ones vinte té nôs dia...

Na linha desse múseca de dança na épca, bem parcê um data de derivode moda,“Black bottom; Swing; Jazz Roots; Lindy Hop ô Jitterbug sapatiada; Quickstep e más e más cosa dês li, que passá ta duminá munde de dança.

Ês dança, era caraterizode pa sês improvisação de posse, na manera de dançal e tinha um posse importante que fecá na storia q’era quel tal “Jay Bird”.

N’é pa esquecê, cma ês dança era considerode imoral e provocante! Basta té hoje india, ta custumá tem tcheu concurse dês dança e, um más importante na mei dês que fecá na storia daquês acontecimente de 2005 e 2006 fui quel tal ULTIMATE LINDY HOP SHOWDOWN...

Francês, naquês “Années Foles” também mas cunchide pa “La Belle Époque” que cobriba ones 1920/1929, adoptaba bem “Charleston” esse múseca de dança afro-americana, num nove muvimente cultural e artistique Montmartre-Montparnasse (tempe de grandes artista moda, Picasso, Matisse, Braque etc...) encarnode na beleza daquel “big-black-beautiful-girl”por nome de Josefine Baker.

Ela é que cabá de justal e firmal c’aquel coloride maravilhose, na sê manera de dançá e besti, que fazê tcheu daquês dama de cumpanhia, sobretude de Paris, grande capital de luxe, moda, cultura e centre de dispersão d’ideia de Munde inter, sempre na sê muvimente perpétue d’evolução, passá t’imital.

Esse tema sobre “Charleston” e tude sês derivode d’orija daquel munde black afro-ammericano de Carolina de Sul-USA, é vaste e tem tcheu cosa pa dzê, falá e debatê...

Ma hoje nesse sturinha, nha intenção é de mostrá bsote cmanera que Soncente, mode sê Porto Grande que sempre fui um porta aberta pa contacte ma estranger e na sê “melting pot”, cunsigui sempre sofré influença de tude espece de pove de Munde, embora deboxe daquel regime fascista que ca tava dexá pove exprimi ô expandi mute sês ideia , nem revelá sês don natural de verdione, moda tude pove, que Deus dal.

Já num épca más atrás tinha tide “Mazurka” um dança de salão d’ones 1600, d’orija polonês, adoptode na cortes de reis d’Europa, múseca bastante ritmode que fui introduzide pa francês na Cab Verd... E, sê forte influença sempre fui más sintide na SanAnton, ondê que pove na execução de “contradança e valsa churriada”,tava custumá usá tcheu expressão que té hoje vrá ta fazê parte de nôs vocabulare, tude comandode na francês, moda: -“en avant coté... changement de cavalière...” etc.

Despôs d’independência, certe que abertura e contacto torná maior e mas diverse na ritme e na forma e, na nha ponte de vista pessoal, de tendência, o que era natural, más “Afro-Cubana”. Ma esse passaja ´m ta dexal pa ser explicode pa músecos e gente que sabê mas, certe, ma não pa gente que sabê mute!

Soncente, naquel tempe de “Charleston” que fui introduzide más pamode quel contacte ma inglês, instalode na nôs terra mode quel controte de noventa one ma português, pa exploração de sês “Bunkering” de carvon ma sês “Télégraphe Wire”, também tinha moda tude pove, direite de diverti, pa esparajá vida despôs dum semana de traboie.

Enton tude sobde, moda Henriquim de Mã Lorença que trabiaba tcheu tempe na Télégrafe contame, ês tava custumá dá uns bons boie, lá na “Scotland Bar” de nha Bia Gacha, na rua de Senador Vera-Cruz pegode ma Canalim de Fogá-Macoque, ondê quês tava custumá cuvedá sô dama escuide e que já tava bai log bestide na moda de “Charleston” também tchmode “Hop Girl”...

Desse imbiente, tive uns dançarina que subsaí e fecá bastante cunchide na nôs mei, naquel moda de “Charlestone hop girl”, na Soncente , moda Bia de Nha Zidora, Nha Tudinha de Nhoff que também tava tocá violão e que fazeba quel morna “Três Laranjinha... Oh maman bocê dam nha boina...”, Maria Augusta de Nhô Loy Tavares (grande fan de Club Mindelense)também cunchide pa Lailai...etc etc...

Ês dama marcá na tchon de Soncente, pa sês beleza e virtuosidade, naquel tempe de, Soncente um vez era sabe que té gote de Mané Jon tava ingordá na gemáda, moda nôs grande Sérgio Frusoni na sê linguaja poética ta dzê...

Inda rapazim, ‘m tchegá de conchê e p’uvi falá, pelo menes ês três dama, grande dançadera de “Cahreleston”, já avançode n’idade, q’um mentá li.

Ma sô cum diferença, é que Nha Tudinha ma Bia de Nha Zidora, inda gordaba ma ês quel tradição e manera de besti “charleston hop girl”, té dia quês morré, que sês buininha rudonde mitide na cabeça, quaz ta cubri oreia, quel bestide na moda antigue de linha soque colode na corpe, c’aquês sapatim róse na pé que tava facilitá quel dança individual de “foreign John a good fellow ô Lambiway”, quês tava ba ta cantá e dançá ta betá pé p’atrás, rapte dmunde num ritme bem cadençode.

Maria Augusta Lailai, entraba num ritme diferente de vida, quê ela trocaba sês ropa de ropa “Hop Girl” p’um bestimenta normal e sê boina, p’um capacete style colonial que também ela gordá té fim de sê vida...

Dzide cma ês dama de “charleston” d’épca na Soncente, era tude virtuosa, mode quel dança q’era individual e não “cheek to cheek” o que tava evitás d’incostá na sês parcer e ser imoral...

Tive té um stora na nôs rua de SanBandera, de Bia de Nha Zidora (dama famosa de charlestone) que morreba (virgem), cosa que sê mãe Nha Zidora confirmá e que infelizmente moda fui vontade de Deus, ela Bia sê filha fema é que morrê primer...

E, cma ela ca pudia ser inerrode assim, quê Virgem Maria é um sô, ês ba tchemá Djão Cumê Batata, de SaNinclau que sabia rezá devina e fazê quel traboie, pal basse esperá quel caxon de Bia, despôs de response de padre que sô tava levá corpe, d´igreja té Cruzer na Rua de Côque, quê da la pa sumeter, nhô padre já ca tava bai más...

Enton, Djão cumbinode ma familia na tude discreção, tava fecá lá na ponta de esquina de Padaria de Matos, ta esperás c’aquel caxon...

Lá enton, caxon era aberte e, Djão que sê varinha tava ba ta rezá, ta lombá quel corpe de vara (mode sê virgindade), e despôs tava mandá fetchal, quê godzide, despôs daquel reza de devina de Djão e quel dar de vara, caxon logo tava fecá más leve, moda voz de pove sempre dzê, pas pudia prossigui quel enterre de conciença livre sem pecode, livrode de seberba!!! Na SanAnton, dzide cma sô bruxa é que ta fazide assim...Ma?!

Cada terra que sê use e sê custume na tradição, que nô ca ta podê mudá e tude gente tem que aceitá e respeitá, porque é prop assim.

Soncente, despôs desse épca de Charlestone, cuntinuá sempre na sê evolução ta recebê e conchê más nuvidade musical, levode e trazide naquês porão de Mala Real, Blue Star-Line, Serpa Pinto, chei de ritme de “Samba, Baião, Tchátchá, Merengue, Patchanga e más otes modalidade musical” que passá ta intchi nôs rua de Lisboa, daquês múseca melodiose que tava saí da la de Café Royale, dia de paquete na terra, daquel pione de nôs grande “Tututa cumpanhode pa tude quês músecos de igual valor, moda Lela Preciosa, Tchufe, Morgadim ma Ude baterista”...


Zizim Figuera (José Figueira,junior)

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Dear Zizim, Não calculas a alegria que sinto aos domingos de ser dos primeiros a ler tuas estórias por causa da diferença horária. Pois cá em Sidney-Austrália já são quatro horas da tarde e já me enchi o papinho desta "sturinha prop sabim" e bastante interessante em todos os pontos de vista quer seja escrito, social ou culturalmente falando, porque fiquei a saber de muita coisa que desconhecia sobre o famoso Charleston em relação á nossa terra. Claro que me lembro bem de Nha Tudinha de Nhoff e sua maneira clássica de vestir, pois era minha madrinha e sempre me falou desta época. Mas tu dado á tua memória que admiro conseguiste me sintonizar e fazer relacionar tudo com todos. Também conheci Bia de Nha Zidora custureira la de rua de Sá da Bandeira que realmente se vestia igual á minha madrinha Tudinha. Um muito obrigado ao Liberal pela rapidez da publicação. Sei que somos muitos que são ávidos destas tuas/nossas sturinhas da nossa terra São Vicente. Que a força seja contigo amigo Zizim. Nhas mantenha Terencio

Terencio Lopes                

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Oi Brother, Pronto! Está aí a prova provada da potencialidade,maleablidade da língua cabo-verdiana.Neste texto que exigiu estudo, pesquisa e leitura noutra língua não se consegue encontrar o minimo deslise e subservência do intelecto, que não seja o puro crioulo sãovicentino e com toda a fluidez que chega parecer fácil.Para além do folclore social e local não temos a minima dúvida que a globalização já reina há mais de um século naquela Baía que soube bem assimilar e sintetizar o que lhe era oferecido de bandeja. População mais ventilada do que dos meios rurais e urbanos do Império. Ai esta terra ainda vai cumprir seu ideal... Viva o seu intérprete Zizim Figueira. MAG

Margarida S.Mascarenhas
magui.salomao@netcabo.pt

 

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Caro Primo, Mas um sturinha sabim nem pápa c'lête... Nos tempos de hoje há pouca arte na dança popular.Agora ê siridja cu duro e tarrachinha. O sexo superou a cultura.Nem Jon Tolentino nem Jsê d'Canda nem Toi Bintim nem mulheres a morrerem com três vintens. Contudo, esta geração é fruto da nossa cultura e passamos o testemunho possível.Há que fazer um esforço para a entender, sem darmas nem paternalismos. Caro primo, ao trazeres até nós estas passagens importantes da nossa história e cultura, estás a contribuir garndemente para manter vivo este grande partrimónio universal da cultura cabo-verdiana e mestiça que está no encintro de várias civilizações. Essa é a nossa grande virtude.Continua e não deixa o samba morrer. Aquele abraço e Astral sempre lá em cima.Um abração primesco do Manuel


Manuel Silva                      silvamj@hotmail.com

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Zizim, Deixa falar quem quizer, mesmo aqueles que dizem não gostar, mas cá veem com seus narizes de "Pinoccio" espreitar escrutando qualquer falha tua. Coisa que até hoje nada conseguiram dado a veracidade de factos que quasi todos vivemos e podemos testemunhar, numa época revoluta daquel Soncente um vez era sabe... Ma té inda, el é sabe e sabe pa C...Bravo Zizim por este magnifico "bouillon de culture Universel et Cape-Verdienne". Rijo abraço Anniette



Anniette Dodon                      aniette.dodon@free.fr

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Bom dia Sr.Zizim! Li a sua estória e gostei muitíssimo mesmo. Um estória em que você tem tempo para tudo! Ensinar um pouco, mostrar as raízes africanas do Charleston ( que eu desconhecia, só o conhecia da fase francesa! ) homenagear pessoas da nossa sociedade de pobreza finaceira mas de grande riqueza espiritual, puxar um bocadinho ao cosmopolitismo da nossa Ilha ( o que acho bem natural para esclarecimento de muitos que não conheceram ) e ainda falar de uma tradição que eu conhecia já de alguns países africanos e do nordeste brasileiro mas não sabia ser também de Cabo-Verde. Pois consigo, a gente não acaba de aprender e admiro-o muito pela sua memória. Raras vezes comento aí mas digo-lhe sinceramente que não só gosto das suas estórias na sua genunina tradição como também muito venho apreciando o seu trabalho de longa data. Um abraço meu para si e pelo o seu talento. Gilson

Gilson Morais                   gilson.morais@yahoo.com.br

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Meu caro Z.Figueira, Muito obrigado por este alento de todos os domingos que me vens dando através das tuas vibrantes e mangníficas estórias aqui no Liberal, que o meu marido faz-me o prazer de as ler assentado ali na beira da minha cama sofredora do hospital para me consolar e fazer viver estes raros momentos de alegria da nossa terrinha bem amada São Vicente. Conheci nuito bem a Bia de nha Zidora e sua estória e me lembro bem das rezas do Djão Cumê Bata rei de rezar devina para desvirtuar gentes como a Bia.Lembro-me também de nha Tudinha e sua boina de ruge pintado na cara. Defacto eram duas mulheres caracteristicas da época. Lá vou suportando o meu cancer e seu tratamento com coragem e mais uma vez muito te agradeço pelo teu apoio moral que me tens dado com estas Storias Mindlenses de Soncente- Cabo Verde. Abraços Lutchinha

Maria da Luz Cosmo            marialuzcosmo@hotmail.com

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Na passada quarta-feira, o primeiro-ministro Cabo-Verdiano, num acto público a propósito da entrega do certificado de património mundial à Cidade Velha, disse que o documento ir ser traduzido em português e em língua cabo-verdiana. E aqui é que a porca torce o rabo. Se o documento for traduzido em língua de Santiago, terei imensas dificuldades em lê-lo, assim como os muitos milhares de cabo-verdianos que vivem nas outras ilhas e por esse mundo fora. Mas este intróito vem a propósito por eu ter acabado de ler esta crónica do Zizim de uma forma tão célere e escorreita que mais parecia estar a ler o português. Com isto quero apenas dizer que os textos em crioulo de S. Vicente (que é quase o mesmo que os das ilhas do barlavento) que o Zizim vem escrevendo continuamente desde há alguns anos têm exercido um papel importante na divulgação da escrita de uma versão do crioulo. É assim que se caminha para a afirmação de uma língua. Com a sua utilização literária e com a habituação e prática da sua leitura. Só por isso, felicito o Zizim. Esta crónica traz-nos também algo de novo. O autor, como base na memória oral, descerra a cortina do tempo e regressa a muitas décadas atrás para nos falar de uma dança – “charleston” – que fez moda a seguir à I Guerra Mundial. Ficamos a conhecer que afinal o cosmopolitismo da nossa pequenina cidade não tinha limites, mercê da grande porta de entrada do mundo que era o seu porto. Nada escapava ao povo do Mindelo. Iria pensar que o Éden Park também terá ajudado a divulgar esse tipo de dança, mas provavelmente não naquele tempo em que a sétima arte estava ainda a dar os primeiros passos. Ainda há 2 meses, revi o filme americano de Martin Scorcese, de 1984, “Era Uma Vez na América” e, como não podia deixar de ser, o “charleston” é dançado em várias passagens. A crónica fala-nos também do cerimonial rocambolesco a que obrigava o funeral de uma mulher que morria virgem, neste caso o da Bia de Zidora, que fora precisamente uma exímia dançadora de “charleston” no seu tempo de menina e moça. Dá para pensar que a Bia seria uma menininha saída da casca e no entanto morreu virgem. E esta?!

Adriano Miranda Lima


ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Caro primo, continuas a surpreender-me com as tuas tão fecundas estorinhas e, por elas, aquele abraço. Esta última,para alem daquilo que me fez vir à memória, e da vulnerabilade dos nosso costumes, por Cv estar na rota do mundo, deste-me um elemento que vem fazendo parte das minhas preocupações.Trata-se da importação da "mazurka". Ando à procura de vestígios deixados pelos antigos colonos de origem judaica. Não sob a forma matrial, visível, mas a nível espeiritual. Sem conseguir prova-lo, a minha hipotese é que o violino e determinadas músicas e cantos têm essa origem. Neste sentido, agradecia-te se me fornecesses informação, se a tiveres, qual a origem dese frances que introduziu tal dança. Faço votos que continues com a força, energia e talento com que tens vindo a presentear nos a todos os que vivem a cultura da nossa terra. Aquele abraço

Aguinaldo Wahnon           guiwahnon@apo.pt

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

<<Desse imbiente, tive uns dançarina que subsaí e fecá bastante cunchide na nôs mei (…) Ês dama marcá na tchon de Soncente, pa sês beleza e virtuosidade, naquel tempe de Soncente um vez era sabe, que té gote de Mané Jon tava ingordá na gemáda (…) Inda rapazim, ‘m tchegá de conchê e p’uvi falá, pelo menes ês três dama, grande dançadera de “Chareleston”, já avançode n’idade, q’um mentá li». Eis mais um grande contributo para os nossos cineastas lançarem na tela, com tudo aquilo que se consegue sentir, com todos os sentidos, nas «storias mindelenses>>. Côr, som, música, movimento, ritmo, contrastes, usos e costumes, contradições, carácter, herança, personalidade de um povo, «pove daquele país». Quero ver na tela estes enredos e imagens, luzes e persianas, acácias rubras e fachadas pastel, missas e procissões, quero ver filmes e documentários sobre a Praça e o Monte Cara, o Eden-Park e Baía, Colá Sonjon, Chareleston e todas as danças «dançode na nôs terra», quero ouvir os apitos de navios e foguetes de São Vicente. «Tude virtuosas», ou não, ´n crê oiá nôs criola n´«quel dança individual de “foreign John a good fellow ô Lambiway” (…) ta cantá e dançá ta betá pé p’atrás, rapte dmunde num ritme bem cadençode». Sorry, Zizim, por fazer-te herança nossa, mas para além das tuas storias, em livro, a tua voz jovial, a tua energia positiva temperada na educação, ciência e cultura, como no desporto, o teu timbre e sotaque revitalizador deve ficar registado para sempre. Ah, Zizim, «dzide cma ês dama de “charleston” d’épca na Soncente, era tude virtuosa, mode quel dança q’era individual e não “cheek to cheek” o que tava evitás d’incostá na sês parcer e ser imoral...». És, pois, uma espécie de monumento, se me perdoas o palavrão. Se é que alguém não teve a ideia antes, certamente que sim, eu próprio, de uma forma ou outra venho falando nisso, aqui fica uma ideia para os nossos cineastas e também para (a ministra da educação, ciência e cultura) Fernanda Marques, desde que, claro, o Estado de Cabo Verde e o seu Governo não atrapalhe mais do que colabora, em matéria de cultura, turismo, património, riqueza, futuro…

NFM            ferromarques@gmail.com

v o l ta r