QUÊS REBOLICE DE SEGUNDA-FERA NA SOMBRA DAQUEL ESPINHERA DE PRAÇA-ESTRELA

Djô, quel Segunda, tchegá na Praça Estrela, que sê bique intchode ta perguntá tude gente pa Curuca, ta explicá pove, cma tude foi tão rapte, quel ca tive nem tempe de riagi pa sê defesa e, quel ca tava lá pa mute conversa, quê sô o quel tava pedi pove, era pa dzel ondé que Sr.Curuca tava gatchode pal podia ba descontá sê soc

Fudjinha somá ta bem que sê cara serie lá longe, descolce moda de custume, na ponta de sês dôs pê que Deus dal, de pra lá daquês banda de Tchã de Sumeter, rume Praça-Estrela, sempre chei de dôr na sola de pê, mode uns crove que diasá tava custumá maltratal!... E, Deus defendeba el d’incostá toque de pê, num daquês pidrinha malvode que tava custumá estode pontode na mei daquês tirrinha brumedje daquel tchon dure de pra lá, quê senon era log um chatisse e sê dia tava fecál log estragode de tonte dôr.

Smeme assim que tude sê medonha e cuidode, nada tava impedil de bem sempre ligirim e que gitim, só pal podia tchegaba inda na hora de más um daquês “Segunda-Fera” plumanhã, instalá, pal podia ba uvisse e participá n’alvicera de tude cosa de vespera (dia dmingue), moda era custume, que ta tinha passôde na tchon de Soncente, deboxe daquel Espinhera de Praça Estrela perte de Club Mindlense, lugar ondê que tude pove tava bá juntá e, que pa nada desse Munde el tava fecá sem marcá sê prisença.

Cunchide más pa “Folha” em vez de Fudjinha talvez sô pamode el qu’era magrim ô também pamode el que foi um grande admirador, daquel tal “folha seca” grande ponta pé Didi (Selecção de Brasil), que parceba na Copa de Munde de Futebol na Suécia, one de 1958!... “Folha”, grande amigue e figura lendárie bem cunchîde na terra, irmon de Jack de Beta e Maica Barronque, deboxe de sê poque escola, tinha um mimória feliz pa fixaba e prendê d’uvide, tcheu cosa Cultural Verdione e Brasiler que tava cumeçá da lá de casa de nôs “B.Leza na rua de Matador, passá pa Sertão de Nordeste Brasiler, cambá té Rio de Janer”...

El tava conchê Jorge Amado escritor, ma Luiz Gonzaga múseque de sês baião, quel tava passá vida ta cantá e compará, mode semelhança c’alguns cantiga de nôs terra que naquel tempe tava na moda sima “Bô Cabel Já Da-me Na Cara...” e más ôtes que ca ti ta beme na ideia grinhassim!... Um verdader enciclopédia de tude ês cosa que na época tava incantá gente, quonde el tava pô ta cantás.

Fudjinha, n’era nium “boémio”, ma el tava conchê Mangueira que sê Escola di Samba na Brasil e também Botafogo, Flamengo/Fluminense (Fla/Flu ), quês dôs equipa sagrode e más rival de Rio, moda Mindlense/Académica na Soncente que tude sês estória, ma sês samba, sem nunca el ter puste pé na Brasil...

Pirracente pafronta moda el, na tchon de Soncente ca tinha dôs, na sê gete sô d’seu, sempre serie, de conta partida capaz de pô pove t’arri, té chichi na calça, sem nunca arri, moda quel comique Mercone que nunca tava mostrá sês dente por nome de Pamplinas aliás Buster Keaton.

Quel plumanhã lá, “Espinhera” tava tude fluride de marel ta tcheré sabe, Sol já tava olte e prop quente, ma cum tempe bronde quonde Fudjinha tchegá cumpanhode ma sê cumpade, Putche de Nha Sabina,também um personaja bem cunchide na praça pa ser um boys medente pafronta, que té sum folha de mote caíba de note perte del, cabel tava intchal na cabeça e el era capaz log de trá um pé de carrera…

Ma naquel momente, pa Fudjinha ma Putche que bem ta tchegá tude feliz, sês preocupaçon e assunte de conversa, pa camin, tinha side de lembrá cumpanher naquel bom arroz c’atum, c’azeitona ma tomate fresque, quês tinha cmide de vespera, lá na Bar de Gêgê d’Alberte manquim, perte de Quintalona…

Enton, quel segunda-fera lassim, povo já tava tude juntode lá deboxe daquel “Espinhera de Praça Estrela”, pa basse uvi alvicera, quonde derapente, moda era custume e era cosa que quaz nunca tava faltá, parcê quel primer arreloce de dia...

Quonde Djô de Jon du Chique somá ta bem, que tude um pove alvaroçode, pa traz del, que na época era guarda-rêdes de Club Sportive Mindlense, chei de raiba, cum bique intchode, grosse dum quile e mei, pamode um soc que Curuca (Deus dás céu) tinha el dode de vespera naquel jogue de Mindlense x Amarante, dia Dmingue lá na Compe de Jogue.

Rivalidade daquês dôs criatura, já tinha durode tcheu e tinha que cabá era assim, quê tude ês tava passá vida ta chatiá cumpanher que stora de quem qu’era, mas bom keeper (guarda-redes). Anton quel dia Dmingue lassim, num jogue de Campionate, Mindlense x Amarante log na cinque minute de jogue, Mindlense meteba Curuca d’Amarante um senhora gole na baliza deboxe.

Djô du Chique, proveitá log e pô ta grital da la de baliza derriba , cma el era um azelha e ta fazel bioque, menhoce ma palhaçada ta mexê que broce, ta pô tude quel pove desuride t’arri lá na Compe de Jogue.

Enton, Curuca vassalá, ca pude guentá quel goze, proveitá um jogada, bem da lá de baliza deboxe ta corrê na mei de sês ijgador té tchegá na Djô e, na mei de confuson daquel jogada el proveitá log de bá ta bazá Djô um bom soc na boca, pa despôs bandoná Compe de Jogue ta corré, sem ninguém dzel nada, ondê que despôs el fui castigode e suspense pa Federaçon Desportiva de Barlavento, um one sem direite d’ijgá futebol.

Djô, quel Segunda, tchegá na Praça Estrela, que sê bique intchode ta perguntá tude gente pa Curuca, ta explicá pove, cma tude foi tão rapte, quel ca tive nem tempe de riagi pa sê defesa e, quel ca tava lá pa mute conversa, quê sô o quel tava pedi pove, era pa dzel ondé que Sr.Curuca tava gatchode pal podia ba descontá sê soc.

Afonso Coronel, quel grande buzode de sempre e rote de Praça Estrela que sabia de tude cosa, proveitá log de situaçon, el vrá pa Djô t’arri, el dzel:

- Quont’é que bô ta da-me s’um dzebe ondé quel está? Djô dzel, vinte escude!... Enton, po-me el li na mon de favor, primer, ok ?! Dzê Afonso!... Djô pol sê nota de vinte escude na mon, Afonso tude contente largá t’arri, el dzel cma el tinha ôiode Curuca quel hora mez, ta bai pa Caizim (antigue W. C. Publique de Soncente) bá cagá.

Djô, log largá ta corré pa Caizim quel hora mez que tude um trupida de gente pa traz del, el tchegá lá, tava Girolde “pliça escocá-cáca” cobrador d’use de W.C. e guarda de Caizim, el perguntal chatiode dmunde :

- Ondê Curuca? Girolde que ca sabia de nada, vrá dzel log cma Curuca, tava lá na gabinete numbre 2 (dôs)!... Djô bai, cunquil na porta, Curuca inocente e em paz que sê munde, lá ta dá de corpe, longe de pensá quel hora na Djô, vrá dzê:

- Ô pessoa, quem bô?... Djô, chei de raiba, gigante, forton que sê voz grosse, vrá dzel: - Mi é Djô de Jon du Chique e ba t’abri esse porta de favor, quê ‘m bem sô descontá nha soc que bô dame a traiçon aonte dia Dmingue lá na Compe de Jogue, já bô esquecê??!!

Basta, nôs Curuca que já sabia cma Djô que sé bique intchode tinha estode ta espial pa tude banda de tchon de Soncente, dês daquel dia Dmingue. Panhode de surpreza e, sem sabê cmanera que Djô du Chique sube cma el tava lá na Caizim, boca quel hora mez vral margose, ta dal goste de sabon trançode que tcherrica que bel dum vez, na mei de tude sê trublaçon.

Da lá dente, el vrá pa Djô, el dzel log cma el ca tava t’abril porta nem flaça! Enton Djô, respondel cma el também ca tinha pressa de basse da lá, quê já agora qu’el tinha el otchode el ca tava ta bá largal... Despôs duns hora de conversa, nôs Curuca resolvé dzé Djô OK, quê da lá jal ca tinha más pa dondê bai, ma smeme assim, el ba log ta pô Djô sês condiçon, qu’el dába el, um sôquim ma devagarim ?!...

Djô, esperte quel era ca pensá dôs vez, nem esperá pa más e dzel log Ok!!!

Já bsote pensá na suspense de tude quel pove traz de Djô ta esperá quel hora daquel soc tchegá?!... Bsote ca ta nem imaginá!... Basta Girolde, que bem sube, pa boca de pove du que tava ta passá, cma el era Pliça Scocá-Cáca, guarda de Caizim pa recebesse denher d’use daquês ratrête, bá log ta escoá da lá, pa ca dasse tistmunha, cosa qu’era de custume na terra, na época, quonde ta tinha quês rixa leal de guerra marcode que nem pliça se tava metê...

Enton, foi um verdader cena de teatre, Curuca abride porta já preparode, marrode dente na quexada pa recebé quel soc daquel gigante de Djô de Jon du Chique, inda que calça na mon ta cabá de besti que Djô ta bazal quel tapona num grande soc guentôde…Nhas gente?!.. Fui um cosa sô !

E, nôs Curuca levode sé bom soc, debangá da lá derriba dá escuá na sê broque de CAIZIM, ondê quel tinha estode ta púpú, dritim pa mar!...Foi um verdader espetacle d’oiá nôs Curuca ta nadá, ta sei na praia tude borrode e quel pove morte de rise que nôs Djô du Chique além ta bai tude bajofe, pamode el que tinha descontode sé soc.

E, sorte de Curuca é que maré tava cheia, assim el quei foi dente de mar que ta lavá tude, quê se maré tava seca era log um chatisse!...

Enton, el ta sei de mar, Djô dexi, bá bescal ta dzel cma agora sim, ês tinha fecode “all square”(impôte)!...

Ês dá quel “chick hands”(monzada) e despôs, moda de custume, tude quel stora bá cabá nofragode, na butequim de madrinha Laura de Gaspar lá na Praça Estrêla, deboxe de Mindlense c’uns grogue e bafa de escabeche d’ôie lorgue, especialidade de casa, conta tude pagode pa nôs Djô de Jon du Chique “big man” que na funde tinha “big heart” bom coraçon… E, c’aquel Espinhera tude fluride ta tcherê sabe que Chica ma Laura tava custumá regá, também pa tistemunha...

Assim, vida pude cuntinuá na tude sê serenidade daquel Segunda-Fera de más um alvicera que dá tude quel pove fiel de Praça Estrela tcheu que falá...

 

Zizim Figuera ( José Figueira, júnior )

V O L T A R

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Bravo moce! Inda 'm ti ta arri desse excelente discriçon tonte de Fudjinha que sês "telhadura" e tude ês gente q'um conchê, cma também pa conteude desse crónica que ta revelá quês cusinha particular á parte que sô tava contecê na nôs terra Soncente. Nha dmingue cumeçá moda de custume feliz e chei dess apoie moral que bô ta done tude dmingue de coraçon aberte. Nhas mantenha de Sidney-Autrália Terencio

Terencio Lopes                      terencio.lopes@yahoo.com.au

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Zizim, Li e gostei. E como diz até hoje o nosso amigo comum Bitim Sarompe, paulatinamente cá virei todos os domingos dar-te aquele abraço e fazer um comentário imparcial desta tua obra de mérito muito apreciada de todos nós e mesmo por aqueles que por inveja dizem não gostar ma cá veem meter o nariz."But never mind! Costa é lorgue peite é forte" Um abração Adilson

Adilson Morais Lima                    adilima@cvtelecom.cv

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Amigo Zizim, Venho cá para te parabenizar pelo excelente trabalho escrito que tens desenvolvido e também pelas tuas histórias de coisas vividas que todos nós filhos de Praça Estrela e rua de Sanbandera conhecemos. Fartei de rir e ainda estou a rir com vontade de chorar de "sodade". Longa vida a ti e ao nosso Soncente eterno.Grande abraço John

Joao A.Freitas Martins             joao.fmartins@cvtelecom.cv

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Irmão, Que maravilha neste verdadeiro delírio escatológico do corpo e da alma. Quem é quem é que não tem algo anedótico do tempo das latrinas públicas e privadas?? Naquela cidade aparentemente tão democrática mas com vários níveis de classes sociais balizadas por aquela Pracinha Estrela e seus "bancos de sono" num extremo e pela Praça Nova e o seu Grémio.

E o Rádio Clube Mindelo no Meio. Lembre-me agora do Capitão de Mar e Terra do Teixeira de Sousa. Só o Liceu nos nivela.Mas todos com mais ou menos privacidade tinhamos os nossos espaços de depuração física e psíquica. Se não teriamos teias de aranha no... Bom domingo, muita força e saúde para continuares. MAG

Margarida S.Mascarenhas
magui.salomao@netcabo.pt

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Sr Zizim, A minha mãe e eu já torcemos de tanto rir.Pois ela como conheceu bem o personagem Curuca como o Djô de Jon do Chique mais o Fudjinha, me ajudou a compreender melhor a situação e garnto-lhe que mesmo neste momento em que estou escrevendo este comentário ainda sou obrigada a parar para rir só de imaginar o Curuca a descer no tal buraco do Ciazim após o soco do Djô.A esrita também está otima.Obrigado Sr Zizim e ai vai um beijo da mãe e meu.

Suelly Fonseca                    suellyfonseca17@gmail.com

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Oi Broda Zizim, Culcincinha de favor quê jam tchegá! Bsote ranjam nha lugar de favor li deboxe desse "Espinhera" de nôs afectu dali de nôs Praça Estrela. Rapaz hoje já bô pô tude nôs c'aquel barulhe(bruá bruá) n'uvide daquês segunda de Praça Estrela que dzide és vral nove ma ês assassinal ês cabá quel na sê forma ma na sê romantisme de nôs tempe que sê Estrela lá na mei c'aquel monumente de marme prete que ninguém ca sabê ondè quel bai; sê Corete de museca que Gril ma Djudjinha ta espertá na sês bonque de renca trás de corete, despôs de ter curtide um note daquel bom grogue da la´de butequim de Bente Lima. Moce bem dzem quem ca ta sinti sodade de nôs Mindelo daquel tempe. Dzide cma naquel terra té gente mudá mode uns que tchegá que sês cara estronhe mda "rabonhe". Ma Deus tem. Malta gostá tcheu e bô pô tude esse pove sabe moda de custume.Um binjin Yo

Yolanda Dias                     yoldias@aol.com

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Zizim, Li e gostei. Personagens como Djô, Curuca, Girolde (pliça de Caizim) e outros episódios como o "banho de pupu", apesar-de de ter corrido mais de meio mundo, só em S.Vicente - Cabo Verde - gente desta poderia existir. Obrigado por nos lembrares que eles aqui viveram e os conhecemos a todos. Um abraço, Elias

Elias Silva                       elias.silva69@gmail.com

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Caro Zizim de Ti Djô Figueira, Parabens por mais esta estória muito bem contada e escrita.Procedemso cá na Rebera Bote á leitura habitual com muito risos e apupos da malta incrédula sobre a "storia" do Djô e Curuca. Mas sabemos que ela foi mesmo assim e a rizarada continuou.

Olha hoje estivemos escutando de novo na RCV a tua maravilhosa estória culturalmente forte do nosso folclore sobre as festas de COLÁ SAN JON em Santo Antão e S.Vicente. O amigo Dix fez uma belissima apresentação em todos os angulos tanto sobre o conteudo da estória como sobre a tua escrita na nossa lingua. Numa só palavra, tanto TU como SANTANTON e SONCENTE estão de parabens pela tua excelente narrativa na STORIA de COLÁ SAN JON...

Felizmente que ainda há gente como tu que nesta passagem de mensagem vão evitando que a nossa CULTURA morra. Bem hajas Zizim de Ti Djô Figueira. Pois o orgulho é todo nosso e nunca marcharás sózinho. Forte e fraterno abraço do teu amigo de infancia Guey

Miguel M.Monteiro                        mucimdereberabote@cvtelecom.cv

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Adorei esta sensibilidade tua no modo e geito de contar coisas da nossa Ilha. Conheci muito bem todos os personagens aí presentes ou eu não fosse um mindelense de gema. A tua prosa está forte apreciável e na verdade digo, que mais pede o leitor senão uma facilidades de leitura e acho que aí atingis-te bem o ponto nevralgico. Pois todos os que conheço conseguem ler com desembaraço as tuas crónicas. Muita força para continuares. Boa semana e um abração Silvia

Silvia Lopes                           silvia.lopes@live.com

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Zizim, Embora esta é a 3ª vez que estou tentando enviar meu comentário espero que ele passe. Pois é só para te agradecer do fundo do coração pelas continuidade das tuas ricas estórias dos domingos que só nos glorifia.Hoje na RCV pela internet ouvi mais uma vez uma boa disseratção sobre a Storia de Sant Anton ma Soncente na Tempe de Colá San Jon feita pelo amigo Dix Santos. O impacto das tuas estórias na nossa malta tanto velha com nova tem sido muito bom. Porque a história da nossa terra Soncente de Cabo Verde se mantem e lá vai se reconstituindo. Um beijo

Aurora Matias                         aurora.matias@live.be

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Zizim, de entre toda a prosa, sobressai a introdução do personagem Fudjinha, que está soberba. A descrição comtém-se em menos de 100 palavras que, mais do que realçar os traços psicológicos da pessoa, conseguem fornecer-nos um retrato humano fidedigno e típico das fraldas do Mindelo de outrora. Seja na descrição do meio, dos tipos humanos ou dos modos de ser e estar, ao longo das tuas crónicas, baseando-te na oralidade típica do mindelense, lavras uma linguagem literária que não pode ser mais acertada como testemunho de uma singularidade e expressão genuína de uma idiossincrasia.

Diria que apreendeste bem a alma do povo da tua Ilha assim como as várias escalas em que se tece o seu quotidiano, nos bons como nos maus momentos. Poder-se-ia dizer: pudera, se ele viveu e conviveu à larga com toda a gente! Mas isso não é suficiente se não houver aquela fina sensibilidade, que tu tens, para captar não só a amnifestação explícita do carácter e do comportamento como, sobretudo, o seu lado mais recôndito, isto é, onde se esconde o recalcamento e onde se induz a intencionalidade e o propósito. Deduz-se então que a tua escrita é de um realismo puro, se é que importará sobremaneira classificar literáriamente textos que não têm outra pretensão senão a de simples crónicas, ou, utilizando a tua própria expressão, "estórias" sobre o teu povo que divulgas conforme as presenciaste ou te foram contadas.

Mas estamos numa altura em que temos de abordar mais específicos da coisa literária, trabalho que deverá ser cometido aos especialistas. É natural admitir-se que nem sempre sejam reais os personagens e os factos qu dão conteúdo às "estórias", tal a sua quantidade e variedade, mas a tua portentosa capacidade de memória e retenção permite que a dúvida se coloque. Mas não importaria fossem eles imaginários, uma vez respeitada fielmente, como é o caso, a verosimilhança das figuras e dos factos. E menos ainda importaria se considerarmos que até será bem-vinda a exploração ficcional nos teus escritos, já que isso te poderia alcandorar a um grau mais elevadoe mais ambicioso na tua arte.

De resto, veja-se que a tua escrita apresesnta laivos inconfundíveis de boa técnica ficcional, bastando apreciar a apresentação feita ao Fudjinha, logo à entrada. O Fudjinha é personagem real mas o ambiente social ou circunstancial que o rodeia merece-te retoques inventivos que são já do domínio da ficção e do tratamento literário. Outro exemplo, dizes que o "povo" seguiu atrás de Djô quando este foi em direcção ao "Caizim" no encalço de Curuca "pa descontá sê soc".

Que povo é esse? De repente, se formou uma multidão de anónimos só para assistir à desforra do Djô? Mas sabemos que esse "povo" reveste o sentido de uma metáfora, embora corresponda, na realidade, àquela mole humana mais ou menos expressiva que se formava invariávelmente sempre que havia o rumor de uma qualquer cena sórdida ou prosaica. Eram as carregadeiras de cais, eram as vendedeiras ambulantes, eram os estivadores de folga, eram os meninos de rua, eram os "poli calçada". E é o povo, presença humana indispensável para dar tom e sentido amplificador ao "espectáculo", em que ela intervem aplaudindo, censurando ou tomando partido.

Outra cosntante da tua narrativa é o humor explícito ou insinuado com que pintas as cenas, como esta: " Fudjinha somá ta bem que sê cara serie lá longe, descolce moda de custume, na ponta de sês dôs pé que Deus dal, de pra lá daquês banda de Tchã de Sumeter, rume Praça Estrela, sempre chei de dôr na sla de pê, mode uns crove que diasá tava custumá maltratal!..." Aliás, o humor tinha de constituir um condimento indispensável na tua escrita, ou não fosse ele um dos traços mais marcantes das gentes da nossa querida Ilha. E o corolário positivo que acabei de enaltecer mais relevo ganha se tivermos em conta que estás a escrever em crioulo, sendo já assinalável e incomparável o teu contributo experiencial e ensaístico no domínio da escrita da nossa língua materna. Continua em frente, Zizim.

Grande abraço Adriano

Adriano Miranda Lima

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Um sturinha sabim, só de gente sabim, num ambiente prop sabim daquel Praça Strela dum vez.Ah Zizim,ah sodade na Munde! Má um tem fé q'um dia um ta voltá pa fecá e ca bem nunca más pra vida ma saúde.Ubrigada Zizim pa bá ta isdam ptá exe dia pa trás q'eche sturinha nice pafronta.Quel braça Zuca

Zuca                          zuca@cvtelecom.cv

ºººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Pena essas ricas estórias do amigo Zizim não fiquem mais do que 2 dias na fachada principal do Liberal on-line para que muitos as possam vê-las e lê-las. Aqui onde moro todos os domingos ponho o meu impressor a trabalhar e faço cerca de 50 impressões das estórias que distribuo ás pessoas amigas que não possuem internet e assim muitos lá vão aproveitando e passando a mensagem.

Esta "sturinha"está uma delícia sob todos os pontos de vista seja de ordem da escrita ou socio-cultural na repersentação daquele velho e verdadeiro Mindelo de gente pobre mas honesta e solidária. E de uma maneira geral graças as tuas/nossas estórias lá vamos fazendo "história" do nosso "Soncente" que sempre foi o berço da Socio-Económico-Cultural de Cabo Verde.

Mas hoje completamente devoto ao abandono, esquecido ver mesmo intencionalmente pelos mandões.Porém não vamos deixá-lo morrer e graças a ti o nosso CORAÇÂO continuará a pulsar normalmente á espera de sermos salvos por milagre.Pelo menos como vivemos em Democracia é o que ressinto. Grande abraço do teu amigo que te estima e admira Jon

Jon Cabáfume           joncabfume@cvtelecom.cv

VOV O L T A R
vvV