MINDELO - NA CICLE DE SÊS VENDEDERA DE POVE

Era de ver quel tcher sabe quonde Nha Lorença tava estampá quel binde de cuscús quente, que tava estode bem cubride e protigide pa quel panim bronque prope limpim… Tude gente nove chei de força, c’apetite, era bem capaz de cmê um bindim de cuscús daquês de Nha Lorença inter, el só! Tão sabe quel era! Ma, cma na casa era cada um sê ratchinha que mantega, quê boca era tcheu, mãe tava estical pel tchegaba pa tude gente de casa! Nha Lorença tava sebi às vez cinque ma seis binde de cuscús por dia lá na nôs rua e ês tava cabá sempre, quel hora mez

Pa cabá d’animá e colori quel quadre de “Morabeza” de pove de Mindelo na Soncente de Cab Verd, Tutchim de Nh’Antonha Guimar que sê gargantona, pa galantaria tava custumá dzê cma: - gente de Soncente ca tem mede de ninguém, quê quem bem bescal na sê terra t’otchal, quê nô ta dá na tude cosa de munde, na Scola, na Boxe, na Cricket, na Football etc...etc... malagueta!

Ma, no entante, nôs é um pove sem vaidade, quê também nô sabê recebê gente binde de tude parte de Munde, sem nium frustraçon, nem distinçon de raça ma côr, quê tude nôs é pove e tude pove é dode nô num tripa de barriga dum sô mãe sagrode... Dali, nôs Morabeza!

Comportamente que diasá ta mereceba fazê objete dum estude social bem especial de nôs terra.

Um vez um amigue brasiler, por nome d’Elias, cum cara triste e bem serie naquel hora di bai, despôs de ter passode uns dia valente na Soncente, dzeme:

- Puxa seu Chapa! Eu não entendo, não! O pove brasileiro assimila todos os povos do mundo, mas o diabo é que o cabo-verdiano assimila o brasileiro! Eu, quando chego cá na terra, mi sinto verdiano, m’esvaio todo, meu!

Enton,mi na goze um dzel cma era bem naturla sê sentimente, quê té “cavaquim”, prova de nôs amizade verdione/brasiler, nôs é qu’imprestás el, quê, antes del tchegá na Brasil, el passá na Cab Verd primer... Cosa que tava fazel sô arri!

Morabeza de nôs gente, fui cosa cultivode durante tcheu tempe e desde diasá, mode quel abertura e contacte ma estranger fete lá na nôs Baía de Porto Grande, sala de vesita de Mindelo.

E, Elias (brasiler) tinha razon, quê um vez, na nôs Baía tive fundeode durante tcheu tempe, pa mode guerra, dôs tanker italione por nome d’Arcola ma Tayguete e um carguer por nome de Gerarquia q’um vez levaba um data de criole p’Argentina fegide pa bá bescá vida, o que salvás situaçon, quê tcheu dês fecá e rancá qu’um nova vida pra lá, ondê que té hoje, inda tem criole tcheu.

Moda ta contode, tude ês cosa contecê, quê quel malta ê qu’inshenaba italione fazê catchupa, quês vrá ta cmê na borde sem merrinha (fenomene d’assimilaçon cultural na manera de cmê). Enton, pove poba quês Tanker nome de Tanker de catchupa!... E italione, pa recompensa levá tcheu dês p’Argentina, moda Bintim de Tudinha de Pol Táta, Cizenone de Nha Chica mari Chica etc...

Assim, dexá falá quem querê, ma nôs Pove de Soncente fazê sê prope educaçon, que leval rapte a comprendê, té hoje, cma na vida é espece humana é que ta contá, por riba de tude arreloce e cosa desse munde. Pelo menes, assim que nô fui criode na nôs rua de tchon de Soncente e tude gente, mnine que gente grande, tava siguí naquel ritme de vida d’isdá ma defendê cumpanher, de sabê partilhá ma vezim quel troca d’amizade firme, trançode c’aquel Morabeza, que seja ma gente de terra o ma estranger.

Um ta lembrá naquel tempe, quonde um vezim ta estode doente, quês tava ba guentá cabeça de cumpanher, fazê quel colde de borrache ô canja de galinha, deboxe de pobreza ma cum coraçon grande tamonhe de munde. Quonde um vezim tava matá tchuque na sê quintal, quaz tude gente daquel rua tava tmá sê parte, pa mode quel tchuquim era ingordode que reste de cmida de quaz tude casa de gente daquel rua. Basta mnine que gente grande, quonde ês tava cmê um banana, ês tava té custumá gordá quel casquinha, pa levá quel tchuquim.

Despôs de tude ês consideraçon, tinha também quel priocupaçon de ganhá vida, o quê cosa mas natural na tude sociedade. Enton, na terra cada um tava fazê moda el tava podê. Era home pa estiva de vapor na Baía; amdjer, tcheu dês pa carregadera de Cais, e, na mei de tude ês também nô tinha nôs VENDEDERA.

Cinq hora de plumanhã, na cantar de Gole, já bô tava uvi quel melodia ta sei de funde de sês garganta, ta presentá pove tude espece de cmida na rua de nôs cidade de Mindelo, cosa que tude gente tava apreciá que prazer, mode quel grande facilidade de compra na porta de casa e quel contacte ma vendedera, que também vraba ta fazê parte de conjunte daquel Morabeza popular.

Tude gente sabia e tava respeitá sês traboi quê, quonde ês tava somá na rua que sês venda, já ês ta tinha arguide desde cidim, inda que escure, e trabaiode bem trabaiode na preparaçon de sês venda. Pa ês, que más razon, não só era quel despertar de dia que tava interessá, cma também tava fazê parte de sês luta pa sobrevivência na mei daquel pobreza, o qu’era mute importante, só pês pudesse garantiba sês fîdje quel panela na lume de tude dia!

Assim, quel barulhe de plon ta cutchi midje ma baloi de tentê lá na nôs rua de madrugada, tava fazê parte de nôs folclore, era sempre alerta pa tude vezim que tinha tchuque e que tava ba comprás quel farel trode daquel mîdje batchide e tintide quês tava trançá ma casquinha de banana, casca de manga, colde de borrega de pexe e tude o que fosse possível pa dá quel tchuquim pel pudia rancá que força, quê el era cofre de casa ma vezim.

Despôs daquel trar de farel, tava bem quel midje plode, ô muíde na muidor de pedra pa fazeba quel farinha de cuscús, ô papa, ô preparaçon daquel cicle de catchupa. Tude tinha que fecaba pronte antes de cantar de gole, quê despôs era quel muvimente de venda, cada um que sê cantiga…

Tude dia plumanhã, quel tchirim sabe de cuscús quente tava intchí nôs rua e, um vez pronte, quês vendedera tava rancá cidim, porta a porta, quê ês sabia cma tude gente tava gostá de compral inda quintim e na hora de café, antes de mnines basse pa escola e pai pa traboi.

Té inda um tem na mimória e na uvide ta znime, quês melodia chei de marabidja de cantar de vendedera, que tava intchí rua de cidade de Mindelo daquel ligria múseca e cor, t’anunciá sês venda, frisquim ta tcherê sabe e fete chei d’amor. Sempre na mei dês tinha quês que tude gente já tava conchê pa sês venda mute limpim, moda Nha Lorença, Nha Júlia, Nha Jona MariNhaMãe, Tudinha, Tchitcha, etc…

Log cidim, nô tava gostá d’uvi Nha Lorença, que pa mim fui sempre quel amdjor cantadera de venda de rua, na mei de tude quês otes, quonde el tava rancá c’aquel:

- ULI LEIIITE, ULI CUSCÚS QUENTE…

Log quês porta de casa tava abri, inda luz de cander cindide, na tude quês rua, ondê que no tivesse, quê tude gente tava fecá ta goital passá e esperal pa comprá quel ratchinha de cuscús. Pa mode, nhas gente, na dvera, quel primer binde de cuscús de plumanhã, moda nha mãe, que Deus haja, tava dzê, é qu’era más petitose! Dvera, el era tão bem fete qu’às vez el ca tava tchegá pa tude gente, moda tude cosa sabe!

Era de ver quel tcher sabe quonde Nha Lorença tava estampá quel binde de cuscús quente, que tava estode bem cubride e protigide pa quel panim bronque prope limpim… Tude gente nove chei de força, c’apetite, era bem capaz de cmê um bindim de cuscús daquês de Nha Lorença inter, el só! Tão sabe quel era! Ma, cma na casa era cada um sê ratchinha que mantega, quê boca era tcheu, mãe tava estical pel tchegaba pa tude gente de casa! Nha Lorença tava sebi às vez cinque ma seis binde de cuscús por dia lá na nôs rua e ês tava cabá sempre, quel hora mez.

Na continuaçon de despertá de dia, tinha também quês otes vendedera que tava bem ta tchegá. Era Nha Júlia, que sê baloie de mote de tude espece, binde de SanAnton, que tava sirvi pa curaba gente tude espece de doença. El tava fecaba lá na entrada de porta de Maderal, ondê quês tava vendê ága, té dez hora de plumanhã.

Ela também era um grande cantadera, de funde de garganta, na venda de sês mote já cunchide na tchon de Soncente pa sês efeite de cura de tcheu doença. Nha Julia, tava cantá sês mote naquel refron prope sabim de:

- ULI CIDRIRINHA MA VELGATA, MA PAIA TECHERA, MA MALVA PA FAZÊ CHÁ DE MOTE… E PIURIM PA LAVÁ CABEÇA PROP PA MATÁ PIOIE…

Tude gente tava comprá, quê quês chá de mote era devera prope sabe e bom pa saúde, cuns goste sem igual, moda velgata ô paia techera. Anton, dia já más vançode, tava parcê quês otes vendedera, de bolacha, bole de mel ma sucrinha, tchorresque, trucide, tchurice de sangue e más e más...

Tude vendedera de dia, que sês banador, tinha que tem sês venda bafode, quê mosca era cosa que ca tava faltá, inda más cosa doce e daquel hora. Assim, quês vendedera, ilegal na maioria, divia traba um licença de venda na Fazenda ô na Cambra. Ma tcheu dês ca tava trá quel licença mode gonhe pa sustentá sês família era tão puquim num dia, que ca tava tchegá nem pa dá um pardal um lonche.

Anton, pliça tava bem d’esquadra pa rua, c’orda de panhaba tude quês vendedera ilegal. Quel cosa era sempre um espetacle! Quê pliça tava tacá, ma vendedera também log tava contratacá, pa sês intligência e organizaçon, pa fejí de mon daquês pliça. Ês tava pô sês fîdje ma amigue ta guitaba longe, na ponta d’esquina, pa evitaba que pliça tchegaba de rapente derriba dês, sem ninguém esperá.

Assim, log que pliça tava parcê lá longe ta bem, bô tava uvi quês gritim de “LOOK OUT” ta sei d’esquina a esquina… Dá bô tava oiá quel trapaiaçon de tude quês vendedera espaiode ta corrê, pa basse gatchá moda ês pudesse. Quê tinha pliça de respeite, que tava mejá na nheme, moda Emídio Barrete, Raspa, Semente Armode, Dantas, etc…

Enton, um vez Pistola em Punhe, quê pove de Soncente, pirracente moda ês é, é que butzal qu’esse nome, moda ês butzaba tcheu otes, só porque um dia, quonde el tinha entrode na pliça de nove, inda green, na sê primer sirvice de rua, pa tude lugar quel passaba el tava t’uvi mnines sempre ta gritá LOOK OUT… El tchegá na Squadra, el perguntá sês cumpanher qsê que queira dzeba LUTCH OUT e ês explical cma era CUIDODE n’inglês.

Assim, quel cosa fecal na mimória! Enton, na dia seguinte, novamente de sirvice na rua, log quel uvi quel primer grite de LOOK OUT, sem más explicaçon quês divia ter el dode na Squadra, el trá pistola… Dá pô tude gente, que mede, desuride ta corrê. Desde aquel dia, pove cascal nome de Pistola em Punhe que fecá pa sempre.

Vendedera de tchon de Mindelo, fui sempre alma de nôs pove consolode, que lutá que dignidade, pa sê sobrevivência na mei de sê pobreza, ma sempre na respeite. Porque sê unique falta quel sempre cometê, fui de procurá sirvi sê pove, pal pol cmida na prote d’amdjor manera quel pudesse, pa tudes dôs pudesse cuntinuá ta criá sês fidje n’HORA DE DEU...

Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)     

V O L T A R


Comentário:

Caro Zizim, É mesmo com muito prazer e alegria que cá em casa junto á minha compaheira lemos os teus fantásticos contos domingueiros que me levam a minha Ilha de S.Vicente. Há vinte e tantos anos que lá não vou! O tempo passou tão depressa que quando penso nisso fico a pensar-"como é que isso aconteceu!"Entra ano sai ano- problemas pararesolver de saúde,etc,(malagueta...)e o tempo vai escorregando e, eu, fui ficando perdido nesta terra imensa! Por isso as tuas "Sturinhas de Soncente"são a maior e melhor lembrança que podemos ter. Deus te dê saúde e longa vida para alimentares os nossos espiritos semanalmente. Tu és uma pessoa de muito valor para nós caboverdeanos. Que Deus te acompanhe sempre e te dê forças para continuares a missão que ELE te incumbiu. Nós te agradecemos a revivência do nosso Mindelo querido... Saudações amigas e que tenhas um bom fim de semana agora e sempre. Teu " good friend" de longa data Tony ( Antonim ) Marques

Antonim Marques                tonimarques29@gmail.com


Comentário:

Dear Zizim, Oh,tantas saudades de nha terra Soncente depois da leitura deste conto de hoje! Esta história das "Vendedera" levou-me rápidamente ao tempo da minha infância. Oh que sabe na munde... oh rapaz! Como já te disse Deus te dará longa vida pela tua boa vontade em nos fazer regressar ao nosso Mindelo de outrora.Um "brassona" para ti da tua amiga Ruth

Ruth Carvalho                 ruth.carvalho@kive.com


Comentário:

Caro Mano, Há dias vi o nosso sisudíssimo Presidente Cavaco dar pulos de entusiasmo na cadeira com elogios aos Cabo-Verdianos quando estava a ser entrevistado o que não passou sem um comentário do interlocutor. E a tal morabeza de que falas. Por outro lado fico por vezes siderada com a capacidade que tens de transferir uma rua, uma cidade, uma época inteirinha para outros espaços e outras épocas. Naturalmente que terás certos apoios nas recordações tanto mais que contas estórias do tempo da minha Mãe mas a capacidade de comunicação é toda tua.Mais uma porta que abres com os odores,nomes o que é uma particularidade de homenagem tua,mas que tem os seus perigos. Mas como não és ensaista, nem historiador deixa-me divertir com a fuga das vendedoras. Bom domingo. MAG

Margarida Salomão Mascarenhas
magui.salomao@netcabo.pt

Comentário:

Meu Amigo Z.Figuera, Do primor da tua escrita na nossa língua cabo-verdiana ás tuas ricas crónicas que nos transportam áquele S.Vicente de outrora, mais tenho a dizer-te que tu continuas sendo um poço de novidades e pirraças que nos agrada a todos daquela época que conjuntamente vivemos e nos vens revivendo a memória. Lá vamos passando a mensagem aos da nova geração que aceitam sempre com espanto e admiração, interrogando-nos com aquele "é devera?" Bem hajas! Forte abraço Sergio

Sergio Lima Barros               sergiolbarros17@gmail.com

V O L T A R


Comentário:

Oh Nh'Irmunzim, oh que tcher sabe de cuscus quente!... Força e boa continuação nesse traboi e moda Elias escrevê na (carta aberta ao cidadão j.f.jr.)" Cria-me muitas vezes a doce ilusão de estar num banco da Praça Nova, na Praia de Bote, nos cafés Estrela,Portugal ou Royal, ouvindo pirraças, anedotas, contos, estórias, ditos e mexericos dum Auguste Cavirinha, dum Jon Gatim, dum Rui d'Tuda, dum Tiguins..."Portanto, aquele forte abraço e até proximo domingo.Bom fim de semana Batcha

BATCHA                          nelsonbatcha@yahoo.com.de
Comentário:

Como sempre fiel ao posto com tuas "Sturinhas de gente ma tcher prop sabim de cosa de nôs terra". Sentimo-nos todos transporatdos nas ondas daquele cheiro de cúscús quente e daquela cantadeira matinal no despertar de galo, da nossa saudosa Nha Lorença e todas as outras. Obrigado e vai daí um beijo meu YO

Yolanda Dias                       yoldias@aol.com
Comentário:

Meu caro, Adorei! Embora não tenha conhecido esta época de que tanto falas e que são autenticadas com orgulho pela gente cabo-verdiana que conheço e frequento em toda boa amizade. Graças a tia lá vou conhecendo a história de São Vicente de Cabo Verde. Obrigado e umforte abraço Noel

Noel Pacheco                       noel.pacheco@clix.pt
Comentário:

Estimode Irmon, Grinhassim é onze e vinte da note e um tita cabá de lê bô artigue que foi um ratrote daqu~es tempe que Soncente era sabe e tinha sô abuse ma troça sem maldade e tude gente tava arri e naquele tempe na nôs pobreza chei de honradez ninguém tava morrê de coraçon, pamode nô tava estode sô que boca escancarode t'arri mufeneza de cada um e era nôs ramede pa coraçon. Quem tava morrê de coraçon era sô gente rique. Deus dobe um sone da vida feliz. Bô irmon de sempre RUITUDA SUCRINHA p.s. AGORA EM VEZ DE GONGON NÔ TEM É CACIBODY QUE TA ROBONE NÔS VIDA

Rui Fonseca                        ruituda@hotmail.com
Comentário:

Sr.Zizim, A minha mãezinha e eu adoramos tanto esta estória que ela hoja resolveu subiu um bom cúscus. Mas não sabemos se é tão bom como o da Nha Lorença que ela bem conheceu. Um xi-coração bem apertado nosso Suelly

Suelly Fonseca                   suellyfonseca17@gmail.com

Comentário:

Na realidade, só quem não as viveu, não pode falar nem recordar-se de todo este manancial que o meu amigo Zizim de Ti Djô Figueira nos vem apresentando todos os domingos no Liberal sobre o nosso Mindelo na nossa bem amada Ilha de Monte-Cara e de Sulibana por nome de S.Vicente de Cabo Verde. Eu Miguel Monteiro posso justificar e autentificar tudo o que tem dito esse nosso compatriota, pois somos amigos de infância e muitas dessas peripécias foram vividas por nós juntos na nossa área de recriação. No entanto digo que como toda gente neste mundo o Zizim, pode cometer um ou outro erro de datação ou apreciação. Mas sei que com ele as portas estão sempre abertas ao diálogo para rectificar. Um muito obrigado da nossa malta fixe de Rebera Bote que soube apreciar e cá estamos á tua espera brevemente. Saúde sempre "nha broda" GUEY

Miguel M.Monteiro                 mucimdereberabote@cvtelecom.cv


Comentário:

Bravo Irmão! Esta daria perfeitamente para fazer um filme adaptado á maneira de Charlie Chaplin, mas com son. Está mesmo muito bom e bem escrito. A tua escrita do crioulo lá vai pegando e fará objeto de um estudo prévio mais do possas imaginar. Pois já há muita gente interessada. Continua. Abraço Gil

Gil Semedo                           gil.semedo@cvtelecom.cv
Comentário:

Zizim, Um abração de parabens por mais esta.

Elias Silva                            elias.silva69@gmail.com
Comentário:

Muitos parabéns por mais esta crónica , que Deus lhe dê força e saúde para continuar. Um abraço e até á próxima semana .

Gabriela Amado Silva           gabybamado@hotmail.com

Comentário:

Desde aqui de Sidney, Aì vai um bom dia e obrigado pela satisfação que nos dás todos os domingos. As tuas Sturinhas são um regalo e cada vez cá vai havendo mais adeptos. Quem não se lembra da Mã Lorença e seus gritos de Uli leite, uli cúscus quente nas nossas ruas e Nha Joana Teixeira vendedora de chá de Santo Antão. Olha Zizim saudade é tão grande que até aquele cheirinho de cúscus chegou-me cá ao nariz. Que Deus continue te dando saúde e esta boa memória.Grande abraço Terencio Me lembro também de todas estas pirraças e do nosso Pistola em Punho

Terencio Lopes                      terencio.lopes@yahoo.com.au

V O L T A R


Comentário:

Amigo Z.Figuera, Muito aprecio as tuas estórias que vais buscar no mais recôndito da tua memória fotográfica repleta de lembranças que até já-me tinha esquecido. A tua escrita está muito boa e pode ser lida e apreciada por um qualquer cabo-verdiano. Sou teu leitor atento desde há muito e nem sempre venho cá testemunhar. Mas como falaste da minha madrinha Lorença só te posso agradecer e felicitar-te por todo este trablho que tens tido em nos trazer gentes que sempre farão parte dos nossos afectos porque os registas-te nas folhas do teu livro. V~e lá se por este ano editarás o teu livro. Boa semana e um abraço Caluca

Carlos F. Vieira                      carlos.fvieira@live.com


Comentário:

Zizim, Gostei como sempre de mais este quadro pitoresco que já tens a habilidade de nos apresentar no Liberal. Que a Força seja sempre contigo. Forte abraço Chico

Francisco Sales                     chico.sales@cvtelecom.cv
Comentário:

O Olisantu, deve aprender a escrever o crioulo com o fantástico "SR" Zizim Figuera.

SemSantu d'Oliva                     SantuOliva@hotmail.com

Comentário:

Mano Zizim, Como sempre adorei a tua história e sempre que leio cada uma sinto-me verdadeiramente na minha terra dos tempos antigos porque nós já atingimos a terceira idade "qu'certeza" e com muito orgulho por ter vivido até aqui, já que a vida é bela e ela é para ser vivida e com saúde.

Esta história remeteu-me às outras mulheres que carregavam as sacas de milho, feijão e outras tantas mercadorias da alfândega até às casas comerciais, como Benoliel de Carvalho, Carvalhim, Serradas, Casa Miranda entre outras e as zorras que eram puxadas com graxa embaixo para deslizar nas calçadas com a mesma finalidade.

É pena que não me lembre tão bem de quem se tratava, mas escutava através das empregadas lá de casa o seguinte episódio que também não sei se seria verdadeiro porquanto eram coisas contadas de boca a boca que, uma carregadeira levando uma saca, não se sabe se furada ou ela teria furada com uma lâmina para através do buraco aparar com as mãos o que ía caindo da saca e enfiava no bolso do avental para dar o que comer aos filhos quando chegasse em casa, ao chegar no seu destino, o dono da casa comercial reclamou o ocorrido com ela acusando-a e ameçando-a levá-la à polícia porter feito o buraco na saca, como este era de uma estatura baixa e ela ao contrário era uma baita de uma mulher, disse-lhe: "s'bocê trevê leva'm na pliça 'm ta pô bocê d'boxhe d'nha saia e 'm ta labardá bocê d'bufe". Desculpa contar esta história, mas nós sabemos que o nosso pessoal gosta de pregar essas peças.

Saúde sempre e um forte abraço da sempre amiga, Io

Iolanda Antunes                          iolanda.antunes@yahoo.com.br


Comentário:

Ê sô bô devera ê que tem esse curaçon tão grande ê que tava lembrá de homenageá nôs Vendedera, Mãe de tcheu fidje ta rabidá vida moda ta dezide na Praia. Bô sabê um cosa que desde de menin impressioná-me ê aquel pregão que ês ta largá que ta parcê-me um mistura museca ma guiza... Uli cavala freeeeeesque... Boa Zizim, obrigada pa más esse esturinha!

Humberto                                    bitucalopes@cvtelecom.cv


Comentário:

Criol é nôs Linga que Deus done e bô tel mantide c'aquel força de escrita, de nôs antigue Claridoso que já nôs tude ta conchê, dum manera clore pa tude gente podê comprendel. Bôs storia que é storia de nôs Soncente um dia há sirvi pa studá e melhorá cada vez más nôs Linga sempre d'acorde que tude nôs Ilha de Cabo Verde. Ubrigada Zizim pa esse testemunhe que diasá bô tita trabaial pa dexone el.Nhas mantenha Manuel

Manuel Almeida Rodrigues         malmeidarodrigues90@gmail.com

V O L T A R