VELBOTE (WHALE BOAT) - ONES 1950/1960

Nha guenti, dês bês djan bendê nhas pirú tudo fépo, negoci di quel li, hoxi sta prope fixi, ti hoxi un ca odja igual... Basta, no dia siguinte, Rex que sê Capton Jesuíno na barra, cambá Tarrafal de Santiago trubês, bá buscá más pirú, quê sinon guentis di Son Bicenti que ta tinha pirú pa cumê pa Natal

Dês de tempe que Continente d’Atlântida (Hespéridas) desaparecê, Djeu de sê nome, pa boca de pove e, Ilhéu dos Pássaros pa quem que descubril primer, ta lá na mei daquel canal de Soncente/SanAnton moda um vapor sempre ta dá na paieta ta crê entrá pa bá fundeá na Baía d’Ilha de Monte Cara...

Ma destine pol, na linha de Cruzer d’Atlantique, pal fecaba lá sempre de vegia, que sê Farol ta cendê ta pagá, ta fazê relé de Norte pa Sul ma Farol de Boi (Fontes Pereira de Melo-grande e bnite monumente histórico, hoje pra lá bandonode) na SanAnton e de Sul pa Norte ma Farol de SanPedre na Soncente, pa segurá tude quel movimente de navegaçon d’entrada ma saída de naviu ma vapor, na Baía de Porto Grande de Mindelo.

Vapor inda longe n’horizonte, marinher sinaler de vegia na Djeu, que sê bandirinha de dôs cor, tava comunicá log pa quel marinher sinaler vegia de Captania dos Portos na Soncente, que tava estode também de stand-by. Pa mei de sinal, ês tava recebê mensagem de cumpanher, cada um sê vez, c’aquês canaluneta de espiá pa longe.

Assim, se vapor era de Norte ô de Sul, marinher de Captania tava içá log na tope daquel mostre, lá derriba na Torre, um ô dôs daquês balon prete.

Enton, Nhô Momoque, guarda de Nacional, antigue cumpainha de carvon Nhocáss, ô seja, carvon inglês binde de New Castle, que tava estode também de stan-by e tava conchê bem quês sinal de Captania, tava sebí naquel escadinha de ferre, el tava repicá quel sine, pa alertaba tude Soncente d’entrada de vapor na Baía, que tonte força que bô tava uvil bem longe, c’aquel:

- Diun Diun… Tlão… Tálálálálão…Tálálálálão », na fim “um lão” era vapor de norte e “dôs lão” era vapor de sul!

Quel Pove alertode tava bem juntá tude na esquina de Sociedade Lopes ou na porta de Figuera ta espiá pa mar, ta esperá resultode daquel somada na Djeu, s’era vapor de Norte ô de lode de Morro Bronque s’era vapor de Sul, pas podia oiá colé vapor que tava estode ta bá entrá, pas podia decidi se valia a pena ba pa borde ô não!... Assim foi quel rotina de sempre durante um data d’one. Ma, quel dia lassim, foi um dia mute especial, quê tude quel pove tava lá de stand-by...

Quonde, derapente, ês oiá somá na Norte, ta bem dode brasa, ta ratchá ága, tude quês Velbote (Whale Boat) de Cumpainha Nord-Sand, vaporim liger de pesca de baleia, ta bem de Noruega ta dexi pa Sul (Saint Georgia), na mês de Dezembre (tempe de calor na hemisfere sul, portante de pesca de baleia), uns dia antes de Natal, cumpanhode pa quel Vapor Ofecina grandon, prope pa tratá produte de sês pesca, qu’era cortá baleia, derreté quel tucim e gordá quel carre na sês tanque ma frigurife.

Quel Vaporona, pa diante moda um mãe, que tude aquês Velbote pa traz, linhode uns traz d’otes, num velocidade tão grande que ca dá pove nem tempe d’esfregá um oie, jás tava estode entrode, fundeode, um cosa só, sem esperá pilote de barra, o que tava valês quás sempre um multa.

Nhô Pedro Tina, bom pilote de barra, é que bába moda de custume fundeá quel Vapor Ofecina lá fora, na mei de Baía, quê quês ote oito vapurim bem fecá fundeode quaz la perte d’antigue Cais d’Alfândega.

Enton, quês Velbot fundeode, tude quel movimente chei de força, daquel pove de negoce pa bá espiá vida na mei de Baía, podia cumeçá. Era uns ta carregá reme ma forqueta, otes ta esmarrá bote, betá bote na mar, desfundeá bote más rapte possível pa pudesse tchegá mas depressa na borde e ter chance de fazê um bom negoce, quê ês tava dexá sempe um troquim grosse na terra.

Quel movimente de tude dia, na Praia de Bote, era pa mnines um contecimente feliz, que tava pô tude malta excitode, ta trá liza na mei daquel barulhe, de Cais N°1 pa mar, t’imitá quês moce más bedje, nôs ídole o sport de rotcha, moda no tava tchemás lá pa nôs banda. Era Manel de Chica, Bintim de Tudinha, Firmino de Paula, Zaza, Cá, Franck de Dina, Cuque de Brinquim, Terêncio, quês campeão de trá liza pa mar, na borde de paquete, etc…

Tude shipchandler (fornecedor de vapor) tava bá corrê sorte pás pudesse fornecê quês Velbote, que ês tava pedí sempe tcheu cosa fresque, pa mode quel longa viája quês ta tinha pa fazê. Es tava custumá dexá tcheu daquel carre de cavole que pove tava tchmá “Carre de Norte”, binde de Noruega, que tude gente na terra tava dal na corpe, sem merrinha.

Quês Velbote tava esvaziá sês frigorife, pas podia tem lugar pa poba carre de vaca daquês bons boi binde de Dja de Moie, pirú binde de Tarrafal de Santiago e más cmida fresque binde de SanAnton, quês ca ta tinha, pas levaba pa quel viaja demorode, lá pa lode de Pole Sul.

Pa sorte, quel dia lassim, quem panhaba Velbote pa fornecê foi shipchandler Joaquim Silva, más cunchide na terra pa Nhô Quim Chavinha. Sê patron ô patroa, moda bsote quiser, de bote era Nh’Antonha Tota, um amdjerona de quaz sês dôs metre d’altura, inda nova, família de gigante criode brobe la pa Tchã de Licrim, na mei de sês irmon bem cunchide na terra moda Tota, Cassarola ma Tchubai, tude ês natural de San Ninclau.

Basta Tanha é que tava remá na voga, pa dasse quel ritme de remá na bote, que nem qualquer motche, quê el é qu’era chefe daquel pessoal de bote de Quim Chavinha. Tanha, ca tava mejá na nhame e era poque home que tava brincá qu’el.

Um vez na Praça Strela, el que sês dôs grogue na butche, uns mangala (tropa mandrongue) pensá cma nhame era bife, ês bá busá dela, ela incostá costa num coquer, el lombá sete dês bem lombode, que fecá na storia. Era soque ta bai, soque ta bem, Tanha só que sês braçon betá tude ês na tchon.

Inda quês mangala tchegá na cortel ês levá sete dia de tenson, sem sei pa rua, pa mode um amdjer que lombás. Cma Antonha Tota, tinha tcheu amdjer assim, naquel área de Praia de Bote, ês era pai, ês era mãe, ês ca tava levá abuse d’home e ês ta tinha sempe mil e um stora de sês vida pas contá.


Gustim Choclate, que tava lugá bicicleta na rua de Sá Bandera, tinha seduzide Vitoria, fidja d’Antonha Tota… Nhas gente, o q’abole naquel rua. Tanha, pô Gustim pa pô de joei diante de tude quel pove que bem ta juntá lá e, pedil perdon, pa mode quel tire quel dá Vitoria, deboxe de cais, despôs laval pulpinha n’ága de mar pa curti, pa ca dexá marca.

Ma Vitoria q’era muda, lá sube explicá sê mãe Tanha dritim o que tinha passode e cma quel cosa ca podia fecaba Gustim sóssim. Tanha, mãe, chei de nerve, ba ter de Gustim, ela vrá pa el, na mei de tude gente, el dzel:

- Gustim, Gustim… Djoa. Agora, bô sta ta bem tmá conta de mnha filia, patché mi jam fui mãe, jam fui pai de mnha Vitoria. Viste que já bô estramontal, agora bô é que sta ta bem tmá conta dela!... Quê senon, já bô sabê Gustim!… Quê mi Tanha desse li, faltome é só quel cosa na mei de perna pam ser um home! Já bô uvi?!..

Gustim, tude resignode e que vergonha na mei de gente, ca tive ote cosa pa dzê, senon sende cma um “Sim, Senhora Tanha!!!” E, prometé log de tmá conta de Vitoria.

Conte vai atrás…

Anton, quês Velbote, quem que tinha ês panhode pa fornecê de mantimente fui Quim Chavinha e ês tava ta pedí tcheu cosa de cmê pas levaba pa quel Sul aboxe.

Quel dia, era dia de Velbote, tude o que tinha, o podia tem, na plurim di virdura o na tchon de Soncente, binde de SanAnton, moda ortaliça de tude espece e más algum. Quê Sintanton era praça forte que tava mantê Soncente na época, de tude ês artigue. Velbote pedí tchuque, vaca(binde de Dja de Moie), galinha ma ove(binde de SanNinclau) e cma ca podia dexá de ser, porque era quadra de Natal, Velbote pedí, pa completá quel lôte, duzentes pirú...

Mez pa sorte, Rex, naviu de nôs estimode e saudose Capton Jesuíno (grande amigue de nôs famose equipe de Mindlense), natural de Dja de Moie, tinha tchegode quel dia de Tarrafal de Santiago, carregode de pirú pa festa de Natal e San Sulvestre, na Soncente.

Quim Chavinha, proveitá log e ba ter de nôs Jesuíno, que ca tava ta esperá, moda el dzê pa tude gente uvi:

- Nha guenti, dês bês djan bendê nhas pirú tudo fépo, negoci di quel li, hoxi sta prope fixi, ti hoxi un ca odja igual... Basta, no dia siguinte, Rex que sê Capton Jesuíno na barra, cambá Tarrafal de Santiago trubês, bá buscá más pirú, quê sinon guentis di Son Bicenti que ta tinha pirú pa cumê pa Natal.

Antonha Tota, patroa de bote, amdjer d’expdiente e de confiança de Quim Chavinha, cumpanhode pa otes amdjer e home, é que tava ta comandá tude quel moviment e situaçon de fornecê quês Velbote. Quim Chavinha, quel dia lassim bastante especial, oiá cosa d’ote manera, quê carga era demás pa Tanha, anton el tchmal à parte, el dzel:

- Oh Tanha, hoje bô traboi é sô bem matame e preparame tude ês pirú pa bord, okay?!

Tanha, strong, c’aquel força de boi que Deus dal, ca inrascá, el bá la na quintal, ondê que já tava quês pirú, el contás torná contá, contá, dá dritim!…Duzentes pirú!... Ela, Já ba ta dzê Quim Chavinha, na sê linga roste mei Soncente, mei SaNinclau:

- Djoa, Zuaquinhe, dexá pa nha conta! Passome quel denher eiacinha, dexome bá comprá tchel grogue, patché ca ta matode pirú sim grogue!

Log Nhô Quim Chavinha dal denher, ela dexí lá na butequim de Hilas Miranda, ela comprá um garrafunzim de cinque litre de grogue!... Pitrolera sem igual moda ela que ca tinha dôs na tchon de Soncente.

Enton, jal bem pa camin ta exprimentá quel grogue... Lá, ela temá fé cma quel grogue qu’Hilas pol na mon era cosa bon demás, anton ela fecá pra lá t’inglile que sê buquinha caladim!... Enton, ela tava betá um na guela de pirú, cum raibona de gaita de do qu’ela tava ta perdê, e três ô quate na dseu. Na fim, tude ês tava contente, num ambiente prop de delire, que pirú pum banda fusque e que Tanha pa ote banda, inda más fusque q’aquês pirú.

Hora ba ta passá, Hilas Miranda (bom home Deus dal céu) no acte continue de controle de sês garrafon de grogue n’armazém dá fé dum grande erre, quel tinha fete!... Porque, quel grogue qu’Antonha Tota tinha levode era um garrafon mute especial de “GROGUE VELHA”, super bom, binde de SanAnton, de reserva de casa de família d’Hilas....

Enton, jal cambá ta corrê ter de Quim Chavinha pa basse explical sê erre e tentá inda recuperá parte de sê bom grogue velha. Quim, qu’era amigue de casa, chei de boa intençon, dzel log:

- Oh, Hilas, ca tem problema, se for, um ta pagá prece que bô t’otchá quel podê valê.

Hilas, mei triste, respondel cum certe margura na voz:

- Oh, home de Deus, n’é queston de pagá ô mari pagá, quel cosa lá ca ta brilhá ma el ta valê OR!... El ca tem prece!

Quim Chavinha, que comprendê quel situaçon, vrá pa Hilas cum ar de duvda, el dzel:

- Bom, é só que nô ba espiá Tanha, que tita matame quês pirú pa borde, lá na nha quintal, oiá s’inda nô ta podê salvá algum cosa…

Quonde ês abri porta de quintal, basta Hilas ca pude conté, el dá um grite, el dzê:

- Oh nhas gente, ó que desgraça! Agora é matá pirú cum grogue desse?! Oh que chatisse!!!

Drama inda fui pior, quê quês pirú, que divia estode já tude matode e depenode pa basse pa borde, inda tava tude vive, qu’Antonha Tota, moque, cum nhanha de matá, caíde lá pa tchon na mei daquês pirú, sem podê dá corpe de si.

Enton lá é que fui pior, quê cada um dês, Quim ma Hilas, dá cada um sês grite de raiva que razon. Hilas pa mode quel GROGUE VELHA que já ca tinha nada pra lá e Quim Chavinha pa mode quel inrrascadura que Tanha dal c‘aquês pirú sem matá, em perigue del perdê pa sempre, fornecimente de sês Velbote, que já tinha só cinque hora pa estode na Porte, pa rancá viaja.

Quim Chavinha, infrintode, tive que ba tchemá Rosa de Conhe, que tava comprendê quel traboie dritim, pa socorrel na matança de tude quês pirú!...Rosa, amdjer d’expediente, ma sês cumpanher, inda cunsigui matá tude quês pirú que foi vindide pa borde, felizmente!... Quim Chavinha, chateode, chei de raiba, vrá pa Tanha ta descompol e dzel:

- Oh rapariga, bô ti t’oiá um inrrascadura desse que já bô dame?! Era log um desgraça se Rosa ma sês gente, ca tava bem socorreme! Bem dzem porquê que bô fazem um cosa desse Tanha?!...Porquê hum?!...Porquê hum?!... Tem tonte one que bô ta trabaiá ma mi, sempe na dritura! Mode quem qu’ahoje especialmente é que bo otchá de juste de fazem um cosa desse, hum... hum…?!

Tanha, prop carrosque inda na calor de sê moque, vrá ela torná repicá na sê bom SaNinclau, bem funde e sem gaguejá, ta dzê:

- Djoa, Zuaquinhe, um staba mnha sabe, mnha contente, patché grogue desse li, ca fui fete pa boca de burre e n’é tude dia q’um fidje de pobreza moda Tanha Tota ta podê otchal ô quei na el... Assim, dexá Tanha proveitá, quê despôs de sabe morrê ca nada!!!

Ela levantá mon, ta pontá que dede pa Ilha de SanAnton, lugar dondê q’aquel grogue velha tinha binde, bodzê ta crê dzê mas algum cosa, ma gata ca dexal e cma ela ca pude, el continuá que sê sonim nofragode na mei de sês vapor de grogue velha....

Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V O L T A R

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Bom dia nha broda Zizim, A estória chegou hoje tardíssima mas chegou. Pois aqui em Sidney-Austrália são 22 h 30 e até já pensava que ia dormir sem nada. Mas rapaz já me fizeste rir com tanto gosto que digo valeu a pena eu ter esperado. "Ô que sturinha sabim pafronta" rica de presença como sempre de pessoas que tão bem conheci naquele tempo que Soncente era sabe de vapor na Baía. A variedade de criol aí empregada na tua escrita está uma verdadeira delícia.Boa lição para todos os que o querem estragá-lo. Obrigado Zizim por todos estes bons momentos proporcionados nestas estórias de domingo e um obrigado também ao Liberal.Fraterno abraço Terêncio

Terêcio Lopes       terencio.lopes@yahoo.com.br

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Pois é Zizim, Chegou ainda a tempo e á volta desta cachupada está alguém procedendo á leitura. O pessoal está rindo ás bandeiras despregads porque da maneira genial como escreveste a estória cada um de cada Ilha está encontrando as suas referências e isso é porreiro. Tornas-te mestre na arte de escrever a nossa língua e só os maldosos e ciumentos que dirão o contrário. Espero que no dia em que vieres cá a Lisboa far-no-ás a honra da tua presença. Unânimamente te saudamos. TOI

Antonio B.de Pina             toipina@netcabo.pt

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Zizim de Ti Djô Figuera, Hoje pa esse lissim um ta dobe quel 20 valor quê ca tem más. Um sturinha sabim bem inquadrode de gente sabim de nôs terra moda el era. Quel tempe de Caniquinha q té gote de Mané Jon tava ingordá na gemada. Moce inda malta ta prei t'arri façanha de Tanha Tota.Força sempre nh'irmunzim de sodade. Nô ta li ta sperobe. Nôs mantenha Guey

Miguel M.Monteiro            mucimdereberabote@cvtelecom.cv

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

V O L T A R

Comentário:

Olá, Que rica estória! Boca de burre ahahahah. Gostei desta expressão. Não conhecia esta estória, mas gostei muito, como sempre. Fiquei com a ideia da estória sobre baleias "BLOW" que também foi interessantíssima. Os personagens são impagáveis! E do bom grogue de Santo Antão também gosto, não é só a Tanha.Zizim, como sempre continuas a narrar a estória de um tempo, de um povo e de uma cultura de forma única. Abraço

Maria Armanda Ferreira                marmandaferreira@gmail.com

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Dear Zizim, Há muito que não apareci mas cá estou junto com os nossos que fiélmente todos os domingos cá veem para passarmos um bom momento contigo e nossa terra S.Vicente que tanto gostamos O Ti Manel, velho da época fausta se lembra de todos estas coisas e vai nos fazendo rir duplamente. A est+o está uma maravilha e o nosso povo feliz cá vai rindo e aproveitando. Fixe abraço Stella

Stella Lopes                  stella.Lopes@verizin.com

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Fig's nh'amigue, Oh que storia sabim na munde. Coitado do meu padrinho Hilas que ficou lezado do seu grogue velha e a Tanha Tota que aproveitou. De verdade isso dava até para fazer um filme tragi-cómico. Toda gente aqui na Associação adorou tanto que até ainda estão rindo com gosto destas peripécias todas que se encontram só "na Soncente". Saúde sempre e forte abraço Yo

Yolanda Dias                yoldias@aol.com

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Meu caro Ti Figas, Nhas mantenha daqui de Londres, onde graças a si estou passando um domingo divertido e morto de riso. Parabens e obrigado! Um abração Afonso

Afonso Estrela                afonsoestrela@aol.com

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Caro Zizim, Estas tuas estórias graças a sua fidelidade narrativa enchem de alegria todos os domingos corações de muitos mas mesmo muitos de nós tanto em Cabo Verde como espalhados por este mundo fora. Bem hajas! Rijo abraço Aristides

Aristides                     aristides@live.com

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Queria que o senhor visse a minha mãe a rir, quasi que se ía afogando com arroz numa das maravilhosas passagem desta rica obra. Ela e eu dizemos que você tornou-se um artista na maneira de escrever e contar coisas da terra que nos fazem tanto rir mas também chorar de saudades das nossas ruas cheias de gente boa da época que hoje já nem existem. Pena.Muito obrigado ao Liberal e a si pelo enriquecimento cultural que nos vem proporcionando todos os domingos. Saudades Suelly

Suelly Fonseca               suellyfonseca17@gmail.com

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Como alguns de né fomos imensamente felis, embebidos nesta paisagem de remos, barcos, contrabandistas, pela noite, rocega de carvão e cata de sucata. Vivia cinco metros... Certa vez perguntei-te quando começarias o ciclo do cabo-verdiano na emigração. Mas essa não é a tua onda. Falta uma comunidade e uma cultura definida e limitada pela paisagem e ppela lingua. Diluimos a nossa identidade , solidariedade, etc. Sauda amigo Mag

Margarida Salomão Mascarenhas
magui.salomao@netcabo.pt

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Dear Zizim, Continuas nos matando de saudades da nossa terra Soncente com tuas maravilhosas crónicas. Esta então "ta sabim"nem papa qu'lete" Deus te dê forças sempre para continuares. Até próximo domingo se Deus quizer. Um beijo Ruth

Ruth Carvalho                       ruth.carvalho@live.com

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Esta está simplesmente uma MARAVILHA. Leio e releio todos os dmingos com imenso prazer as tuas "storias" e posso dizer-te que "Tu es un trésor caché qui me sidère a chaque sortie avec la richesse de tes cróniques". Espero te encotrar brevemente. Bisou Anniette

Anniette Dodon                    anniette.dodon@free.com


ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

No teu estilo inconfundível consegues me fazer pensar por vezes em Jorge Amado ou Hernest heminguway. A cróncia está uma maravilha. Quanto ao resto NO COMMENTS. Parabens. Alfedro

V O L T A R