SHIPCHANDLER MA NEGOCIANTE DE BAÍA DE PORTE GRANDE

Stora dês, na mei de Baia naquel tempe, era quaz tude dia e ninguém tava cunsigui feji a sê prop destine! Basta, log que vapor tava largá de nôs porte ta bai pa Terra-Longe e que tude quês bote tava voltá pa terra, bem rastá na Praia de Bote, pove já tava fecá de standby, ta esperá nuvidade daquês pirraça de mei de Baía, que despôs era assunte de conversa na tude quês Bar ma Botequim perte de Porte

Quel ideia luminosa de ter mandode dá uns pincelada pa lavá cara de tude aquês casa de Rua de Praia de Bote, hoje tchmode Avenida Marginal, foi suficiente pa fazen revivé e recordá, c’aquel chama na coraçon, tude um passode histórico de nôs Baía de Porte Grande na Mindelo de Soncente-Cab Verd, área vital e importante que durante uns cetena d’one, alimentá vida de pove de tude nôs Arquipelgue de Cab Verd...

Moda nô fui informode, esse traboi fui obra de Cambra Municipal de Soncente que nô ca podê dexá de felicitá. E voz de pove, voz de Deus, quê dzide cma gente na maioria sube apreciá esse decison e manifestá em grande tude sê ligria!

Gente sabê também cma Munde é fete de revoluçon e contra-revoluçon, assim cma tem gente ta gostá, tem também quem ca ta gostá!... Ma nôs pove, quê um pove inteligente, comprendê log importança dês pincelada, geste tão simples ma dum grande força, na revelaçon de querê protegê mas um Patrimonio Histórico-Nacional.

Moda um amigue de peite dzeme num conversa que nô tive sobre esse actuaçon positive, pena é que tcheu dês monumente tita bai ta desaparcê, moda num espece dum ronha contra Soncente um Ilha que sempre foi boa madarsata pa tude fidje de Cab Verd.

Rua de Praia de Bote (Av.Marginal) ca podê ser lembrode nesse storia sem sês “à coté”daquel tempe que tude shipchandler tinha sês grande catraz (Casa Lopes & Cª, Casa Figueira & Cª, Casa Silva, Casa Karantonis etc.), ma quês ote rua e casa que tava sigui quel muvimente moda rua de Matijim ô Canecadinha, Vascónia, Staçon de Pliça, Plurim de Pexe e, “last but not least”, Captania!…

Tude ês cosa fazê parte de decor de Baía de Porte Grande e de Soncente Cab Verd, assim cma tcheu otes, moda Praça dos Aviadores qu’inda ta lá, Casa Millers, antigue Alfândega, Praça Nova (Praça Serpa Pinto), Praça Strela, etc... Dexá falá quem querê, ma desprezá ô esquecê passode “Histórico” de bô terra é negá tude bô esxistença, bô prop identidade e também bô presente e bô future...

Assim, desde que Soncente é Soncente, Baía de Porte Grande ô Baía d’Ilha de Monte Cara, moda poeta butzal que fui artéria principal de sobrevivênça de tude nôs pove cabeverdione, sempre tive e ta cuntinuá ta tem mil e um Stora pa contá tude sê pove na cuntinuidade de sês geraçon que nô devè cuntinuá ta passá mensaja.

Desde daquês tempe de carvoer que tava passá tcheu dia fundiode na Baia ta descarregá carvon, qu’era pa forneceba foguera daquês grande vapor de passager moda Mala-Real, Blue-Star, Liberty Ship e otes vapor carregode de passager ma business, que tava passá de Norte / Sul /Norte e era ubrigode de fazê escala na Baía de nôs Porte Grande de Mindelo...

Pamode esse situaçon, tude Ilha de Cab Verd sobrevivê um monzada d’one, graças a esse nôs bom Porto de Mar, de condiçon dvera, dvera, bem especial, que sê Baía natural quaz sem igual nem rival na Munde inter... Ma mute mal proveitode na épca colonial, moda tude nôs sabê!...

Só basta recorrê n’arquive d’Alfândega, que flizmente ca fui quemode, moda era ideia d’alguns irresponsável despôs d’Independência, pa fazide um super estude histórico sobre vida de nôs Porte, e em parte de Cab Verd, cena de teatre não sô de vida local cma de vida internacional. Quê, smeme assim, el oiá passá tude espece de pavilhon (bandera) ta gorgoloteá na vente, desde de tempe de pirata, ma de tempe de guerra de Mundial de 1914/18 - 1939/45 e otes acontecimente, tê data dahoje!...

De tude esse grande muvimente de nôs Porte que tava dexá um troque grosse, quente e valente na terra e que tava sirvi pa limentá tcheu boca, Porto Grande também, o qu’era de más natural, fui palque de tcheu cena de teatre naquel busca de vida (struggle for life) pa ganhá quel pon nosse de cada dia, em que ator principal de mil cena daquel teatre fui sempre sê prop pove, cada um na sê pussiblidade e na sê tonte moda Deus dexál destinode.

Não sem esquecê pescador, personaja importante que tava fazè parte daquel decor e sempre pô gente pexe na mesa. Sês espace tava cumeçá da lá de Galê tê Praia de Bote, ondê quês tava rastá sês bote e betá rede pa rudiá pexe, qu’era sês ganha pão.

Assim, tinha quel ote banda de Praia de Bote que tava sigui (Cais Numbre Um, Cais Nacional de Carvon, Cais d’Alfândega, Cais de Descarga de Cabotaja ma Cais de Miller, além ta bai pa Puntinha...), lode ocupode pa comerciante de Baía.

Tinha dôs categoria de Comerciante, ma cum só finalidade, qu’era de ganhá denher. Uns era negociante que sês licença pa negoce normal de comprá ma vendê na borde pa despôs bem revendê na terra, tude o que tava ô pudia dexá denher, moda madera, tinta, corda, cigorre, bibida e más e más cosa!

Otes tinha sês licença de Shipchandler, também que direite de compra e venda, ma más orientode na sintide de forneceba vapor de cmida fresque pas levasse viaja e pudesse guentá quel tempe tude ta travessá quês mar sem chatice, quê naquel tempe ca tinha inda quês grande frigurife, moda tem hoje em dia.

Na mei de tude esse grande familia, tinha um sistema de polarizaçon de tude um Munde importante que tava trabaiá sempre unide, mon na mon, quê uns ca pudia vivê sem otes!...

Esse pessoal era tude quel pove de remador, estivador, merguiador ma quel pessoal femnine, formode daquês amdjer valente de Ponta de Praia, qu’era quaz tude pai e mãe de sês fidje ês sô!... Ês, enton, tinha um grande importância naquel verdader escola de vida de nôs sociedade quê, sem ês, nem comerce tava andá, nem vapor tava ser furnicide na mei de Baía, num épca que ca tinha transporte e tude cosa era fete na cabeça d’amdjer... E podê querê cma sem ês nada era fete!

Assim que tava tem vapor pa fornecê, era oiás t’organizá tude quel traboi ma sês familia e colega que Shipcandler tava dás pa fazê! Era ba bescá hortaliça a pê na Rebera De Julion, Almeirão ô na Rebera de Vinha, matá, depená, limpá galinha ô pirú, pa Schipchandler levaba pa borde, tude bem limpin comparode, ranjode e preparode na caxa ma caxote, moda ta sei de fábrica... Tinha quês magarefe que tava matá tchuque, boi, carner ma cabrite, etc... E, quonde ta tinha contrabonde pa passá, era amdjer é que tava fazel que más jete! Quê ês era más lançada, ca tinha mede e sabia manera de levá cosa tê na fim!

Naquel tempe, ta tinha sempre traboi pafronta, té que mon d’obra tava sei de poque, e alguns patron era ubrigode a betá mon na pau e trabaiá no dure, só pa pudia despatchaba traboi! O que, na funde, era um bom exemple...

Smeme assim, na mei de tude esse muvimente de grande importância dum pove trabaiador, honrode e honeste de Baía de Porte Grande, ta tinha quês monzada de pirraça ma storia que sempre caraterizá e cumpanhá quel espirte d’humor de pove de Soncente, na vida daquel de mei de Baía, que nem sempre era fácil e que pudia às vez ser de morrê d’arri, ô tchorá, sempre naquel jogue de “Cara ô Xis”, moda é custume na tude cosa de vida desse Munde!

Num daquês dia, daquel tempe que gote de “Manê Jon tava ingordá na gemada”... E, moda pove contá, Baía tinha más de 30 (trinta) vapor ta esperá carvon... Basta, era trá um, pô ote, num verdader traboi de forçode, que lingada de carvon na “winch” ta sebí de lantcha na costode pa porão de vapor... Que nem trabaiador tinha tempe de dexá esfriá.

Mode tude quês vapor tava estode sempre que pressa pas pudia sigui sês viaja! Enton, nôs Dji de DjiSal na Soncente, bom trabaiador ma cansode pa betá tchuque, tinha cabode sê traboi d’equipe e cambode casa!... Ma, cma gente bem sei de poque. Senhor Harris, infrontode c’aquel falta de mon d’obra, mandá Dji recode pa bess rapte trabaiá pa desinrascal quê, moda el tava dzê, Dji era sê “best man”!

Ma nôs Dji, que já tinha trabaiode p’afronta más de dezassês hora, tava prop down, que dor na costela, infrontode de sone, trapaiode e cansode que nem um tchuque… Vrá pa recador, na mei daquel cansera de gaita, el dzel pa dzê Senhor Harris cma sim, ok! Cma el tava d’acorde pa trabaiá... Ma, desse vez sê condiçon era del mandá TRACAL QUEL VAPOR LÁ NA BORDA DE SÊ CAMA, ONDÊ QUEL TAVA DETODE!...

Naquel ote dia, log cidim, quonde el tchegá na porta de Nacional pa traboi, cum mede de gaita de reaçon de Sr. Harris, cosa fui tude ote, quê Sr. Harris recebel más fui t’arri e ba ta dzel cma, além del ser sê “best man” na traboi, el tava otchal bastante inteligente e chei d’humor, quê desde quel, Harris, tava na Soncente, nunca na sê vida um pessoa tinha el fazide arri que tonte goste assim, inda más cum resposta daquel lá!...

Assim era vida de Baía d’Ilha de Monte Cara, que sês ligria ma sês tristeza, naquel “struggle for life” ondê que nem tude cosa era fácil, c’aquel pove sempre exposte a quês perigue de mei de Baía, na hora de corrê vapor na lorgue, inda ta entrá na Porte!..

Quonte bote é que ca ruvrá, quonte gente é que ca morrê fogode na mar ô panhode pa tubaron de note, sem ter sistença ô um mon de salvaçon estindide pa salvás?!

Basta ta tinha cosa que tava passá na mei de Baía, que té tava parcê impossivel! Moda Djindjinha de Nh’Antonha Tota, num dia de mar olte, que tude quês shipchandler ma negociante ta esperá vapor fundiá na mei de Baía, naquel gritaria de custume de “I SAY... I SAY...I SAY”..., log ta prupô sês negoce pa podia tchemá atençon de Capton de Vapor da lá de bretche pa sês bote, pás pudia ganhasse quel negoce…

Vapor fundiode pa plote de barra (Jon d’Ana, Pedro Tina, Toi Lulu ô Grigol de Captania), log tude bote tava rumá pa incostaba na vapor, marrá corda e fecá lá ta esperá quel negoce parcê ô fazê troca de tude cosa que pudia dá um denherim na terra.

Enton, nôs Djindjinha, imbalode na mei daquel barulhe, esquecê cma mar tava olte, el betá croque na linha de soldadura de chapa daquel vapor Liberty Ship pa guentá bote, bem um onda, sebi quel bote olte, despôs mar baxá, bote dexí e nôs Djindjinha cuitode, prop á rasca, fecá espundrode naquel croque sem ter ote soluçon que debangá na mar!... E, más sustode q’ ote cosa, felizmente quel sabia nadá e el cunsigui safá. Ma, quel malta busode de mei de Baía, que ca tava perdoá nem dexá nada passá, fecá log t’arri na goze!

Stora dês, na mei de Baia naquel tempe, era quaz tude dia e ninguém tava cunsigui feji a sê prop destine! Basta, log que vapor tava largá de nôs porte ta bai pa Terra-Longe e que tude quês bote tava voltá pa terra, bem rastá na Praia de Bote, pove já tava fecá de standby, ta esperá nuvidade daquês pirraça de mei de Baía, que despôs era assunte de conversa na tude quês Bar ma Botequim perte de Porte.

Nonô ma Morna era daquês raça de valente de Ponta de Praia, home de sês tapona que mon cru, que tava custumá cmê inglês de pancada sem cmida de camin, quê mute daquês ingles era um bocode insurra!...

Enton, quonde inglês tava quei na sês sorça, era log um afronta e cosa tava cabá sempre na Staçon de Pliça, qu’inglês bem lombode... Basta jás era cunchide na pliça, quê tude ês dôs tava morá na Cracra, lugar sô de gente más vassalode na daquel tempe!

Um vez, ês dôs cumpade fazeba un grande negoce de salsitcha na borde, ma dvera tão grande que jás ca tinha nem lugar dondê pô más salsitcha na bote... Vapor quaz ta sei, quês malta de borde de vapor, na pressa de esleviá carga, panhà quel reste dum monzada de salsitcha, ês bá ta betás na mar. Enton, Nonô tchemá Flipe Púpú ma Grole, que tava num ote bote lá perte, pa basse dás um help, quê despôs ês tava dás sês parte... E era salsitcha pa tude banda, tê na mar c’aquel ote bote ta dás help, cumeçode ta panhás sem prublema...

Moda Grole ma Púpú, contá e o que fui devera, parcê cma Nono, que raiba dum tubarunzim na mar que metês boca na sês salsitcha ta cmê, el dá um peitada na áqga, dá el ba trá quel tubaron quel monzada de salsitcha de dentre boca, em perigue de sê vida... Cumpade Morna ca fecá Nanô nada contente, dal um grite e ba ta dzel qu’era pa el dexaba de chatice! Ma Nonô ca resigná, el parcê na bóia que sês salsitcha na mon. Log despôs, bem parcê más dos tubaron, ma jal tinha saíde d’ága e sebide na bote.

Um dia, moda tude quês otes, pa cinque hora de plumanhã, tude aquês Shipchandler saíde na lorgue daquel canal de Soncente, ta ba esperá vapor pás pudia panhal e fornecel... E, moda era de custume, tude ês tinha sês cartunzin ondê que tava stode escrite, em inglês, “Shipchandler” na capa e, por dente daquel cartunzim, tinha um “price list”que tude aquês artigue q’era possivel fornecê de terra pa borde de vapor (cabbage, lettuce, frozen beef, etc, etc...).

Tinha Shipchandler cunchide e confirmode na terra, moda Lopes e Madeira, Figueira & Cumpainha, Silva, Karantonis. Ês tude, na maior parte, tinha que ser segurode na Loyd, Cumpainha de Segure Inglês, ubrigode e imposte pa inglês pás pudia sirvi frota de “His or Her Majesty The King Georges V e despôs Queen Elisabeth”.

Naquel lorgue de canal, quel muvimente era un verdader espetacle.... De porta voz na mon, levode pa boca tude minute, ês tava gritá cada um sê vez, mas olte possível:

- Captain, I’m Silva... I’m Figueira... I’m Lopes & Madeira... e assim tava sigui quel batucada...

Despôs bem parcê quel astúcia de Damatinha, qu’era rufná quel cartunzim dente dum buze pa convês de vapor, pal pudia tchegaba más depressa na mon ô de Capton ô de Dispenser... Vapor um vez panhode, era na terra que cosa tava ba ser tratode naquel expediente pa rapte, na limite d’hora antes de vapor saí

Na mei de Shipchandler tinha também sês personaja lendário na Stora d’arri. Um vez Tuquim chaufer, que tinha dêde de mon moda um martel de bola, também cunchide pa nome de Bob, resolvê largá vida de chaufer da mon, e pô ta trabaiá na Baía de Shipchandler, pa conta de Silva.

Enton nesse dia, pa cinque hora de madrugada, era sê primer misson naquel nova vida, el tinha saíde na lorgue pa panhaba um vapor noruega, mute bom vapor pa fornecê e concurrência era forte e grande... Tinha tude quês ote Shipchandler na lorgue também, sempre que sês porta-voz ta dá Capton fala...

Assim, log que tchegá sê vez, el betá mon na sê porta-voz decidide a gritá más forte que tude gente... Ma, quonde el leval pa boca quel cumeçá ta falá pa presentá Silva, fui um azar de gaita, quê dal um ataque de tosse, el fecá ta gritá ta tosse, assim:

- CAPTAIN, I AM... CAPTAIN, I AM… EH… RE... EH... RE… EH… RE…

ENTON, FUI TOSSE, TOSSE E MÁS TOSSE, QUE CA QUERIA CABÁ DE PARÁ...

Vapor fundiode, panhode e furnicide pa Damatinha ma Figuera, nôs Tuquim, aliás Bob pa sês grande amigue, inda tude ta tossê!

Log quel pove busode de Baía de Porte Grande de Mindelo, na Soncente Cab Verd, butzal c’aquel numinha de “CAPTAIN I AM EH RE… EH RE... Cosa que tava chatial e log era mutive pa guerra.

E, assim fui durante tcheu one saga de nôs pove verdione, num ora sabe, ora margoze de vida daquel mei de Baía d’Ilha de Monte Cara na Soncente Cab Verd que ijdás criá nôs tude... Ma despôs “ cabá carvon, carvon ca tem”...

Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V O L T A R