QUONDE AMOR É MÁS FORTE

Junzim, natural de Figueral de Rebera Grande, fidje de Tomázia irmã de Ti Dalujinha, ma Meguilim lavrador honeste, trabaiador corajose que criaba e iducaba el, deboxe de sês fanoque, broce quel perdeba ta ganhá vida, na tempe das seca, na pedrera, ta pô dinamite, lá pa quês cabece de SanAnton.

Bem sinti vida ta crê corrês pa trás, quê sé pai Meguilim, pa mode situaçon de pobreza na tempe das seca, fui obrigode a hipotecá sês casinha ma quel pedaçim de tchon de sêquer, ondé quês tava plantá sês mindioca, nhame, midje, fejon e otes pon de caldera qu’era sustente de casa.

Cma quel one lassim fui tempe de crise, quê tchuva demorá de tchegá nas Ilha, tcheu dês lavrador perdê sês terra, as vez té p’um quarta de midje, pal ca faltasse fidje na mesa pa cmê, mode praze d’hipoteca que tava fetchá sem ês podê pagal.

C’aquês grande chefona pra lá chei de dnher e tambaque chei de midje ta estragá, ta dexá pove morré de fome, sem nada perdoá, de coraçon dure nem pedra.

Pa stora de Megulim, quel chefona tava bem contente de recuperá sê terra, quê el tava fecál justim na mei a mei de sês terra e, assim era moda naquel jogue que nôs tude ta conchê de “musquinha mejá”que sês terra, ta bá ta fecá cada vez más grande.

Pai Meguilim, desgotose daquel situaçon bem morré e assim Mã Tomázia fui obrigode de bai trabaiá ora na estrada, ora na na cais de Ponta de Sol, quonde trabói tava parcê, pal pudia garantiba sê fidje Junzim, quel panela na lume de tude dia.

Junzim que sempre trabaiá bem na escola sem perdê um one, durante vida de sê pai Megulim, tinha cunsiguide sempre bai estudá na Liceu Gil Eanes (Soncente), ondé que deboxe de tude quel sacrifice de pai, nunca perdeba um one e cunsigui fazê sê exame de quintone, quel passaba que nota olte sem merrinha.

Rapaz tinode, sê vontade era de cuntinuá, ma que morte de sê pai, lavrador Meguilim e mode pobreza de sê mãe Tomázia, cosa bem vral prop reverse.

Enton, moda el tchegá de contá, el tive de passá note e más note em bronc sem podê drumi, detode lá naquel cuzenhola de fortuna de tete coberte de paia, chei de bróc, ta contá estrela na cêu. Um casinha, quel ma sê mãe tive de fazê pa safá rascada lá p’um tchon de governe na bera de estrada e, que vrá nim de tude sês sonhe.

Margura pa el, naquês dia lassim era bem grande, d’oiá dia ta bá ta passá, sem el na pussiblidade de podê bá cuntinuá sê escola tonte desejode na Liceu de Soncente, inda más que fome na barriga, quê du que Mã Tomázia tava ganhá era bem puquim, conta dês cmê, num verdader catá assá, moda criol ta dzé...

Sorte quel tive é que quonde fome tava pertal demás na barriga, el tava rancá a pé lá pa Mar de Francês via Cova, na bordera de Val de Paúl, ondé quel tinha um tchutcha que nunca esquecê del, nem bandonal, por nom de Juaninha, um amiguinha d’infância fidja de gente que tinha com quem e quês namoraba gatchode na Soncente, tude quel tempe quês tinha estode lá na Liceu.

Junzim sempre tive um grande paixon pa sê Juaninha, ma lá na SanAton naquel situaçon de rique ma pobre, el fidje de pobreza ca tava nem pensá tentá tchegá perte de Juaninha pa manisfetal sê amor, pamode familia e também quel monzada d’irmon que tava gordal, pas ca basse cail derriba.

Ma Juaninha, sê amiga, sê paixon, sê confidente, ês era tude pa cumpanher. Basta Junzim, tinode na escola moda el era, naquel tempe de Liceu sempre ijdaba Juaninha que tude sê amor a vencê na escola, só pas pudesse cuntinuá sempre djunte e, assim fui té ela cunsigui fazé quintone.

Sês incontre era tude gatchadim de boca de pove, sobretude longe de pai, mãe ô daquel trupida d’irmon sempre descunfiode que tava passá vida ta dá Juaninha consei, pa ca tivesse chatice...

Log que Junzim tava tchegá daquel caminhada de Ponta de Sol, via Cova que fome na barriga, na Paúl. Juaninha, já ta tinha el preparode um bli de lete, cuns fongue de banana qu’ela mez tinha fete que tude sê amor. Enton, Junzim na sê fome, tava cumeçá ta bibé e cmê rapte, ma ela tava calmal e pedil pal cmesse devagar, quê tinha más...

Juaninha mute feliz, proveitá daquel hora pa dzel cma quel one lassim, s’ela tinha passode na quintone, fui graças a sê ajuda e que sês pai já tinha ela promitide, cma ela tava ta bai cuntinuá scola, na Liceu de Soncente.

Pa Junzim, quel noticia fui más um tristeza bem grande que cabá d’invadil sê coraçon, só de pensá d’oiá sê cretcheu ta bai cuntinuá escola, o qu’era normal, ma que pa el chei de possiblidae e tude pa vencê, nada era possivel fazê, pamode quel situaçon de familia d’seu, que bem traval tude, num verdader desgraça sem ricurse.

Assim, bem tchegá tempe de escola e Juaninha imbarcá na faluche pa Soncente junte ma sês quate irmon que tude one tinha responsablidade dela e tava guardal d’horas minguádas. Smeme assim, ês tava ta sigui um csinha esleviode de chatice, quê ês sube cma Junzim, tava ta fecá... E, da lá de longe na cais, el tive de sisti tude quel partida de Juaninha ma otes colega, triste c’oie chei d’ága, sem podê se quer dá um grite...

Ma, pa consolança smeme assim um bilhitim de Juaninha inda tchegá na sê mon em qu’ela tava dzel, pal fecasse descansode, quê ela ca tava ta bá trocal pa nium daquês buzode de Soncente.

Junzim, na força de desuspere já tinha escrite más de cem carta, pa quel tiu de seu, irmon de sê pai, lá pa Merca ta explical situaçon e bescá ricurse pal pudia ijdal cuntinuá escola, ma sem nium resultode.

De esperança pirdide e situaçon ta bá piorá pamode quel bada de sê cretcheu, que tava matal sê fome c’aquel CANECA DE LETE, pa terra longe de gente gintiu, Junzim tchegá midi uns dôs vez na debangá de rotcha lá pa Tatchinha, quê bodzê tude cosa de vida tava ta bandonal.

Ma, moda ta dzide na terra: - Quem quê bom fidje nunca t’infrontá, sobretude quonde sê destine ta traçode, quê Deus ca ta drumi... E, na mei daquel afliçon Deus uvi Junzim!!!

Assim, fui mandode um estafeta pa depressa pa Figueral de Rebera Grande, bá bescasse Junzim pa bem cdisse n’Admistraçon de Pont de Sol.

Basta mede trancal na corpe, log quonde estafeta tchegá ta dal recode de basse cdi na poste. Ma despôs el destimi, quê el era um bocode fulash (ca tinha mede de nada) e cabá na sê consciença el sabia quel ca tinha fete nada de mal, ês largá ta bai.

Quonde el tchegá na Ponta de Sol, Nhô Jon Serra, senhor admistrador na época, dzel cum cara séria:

- Ó rapaz, bá pa depressa prepará bô mala, quê dnher pa bô bá cuntinuá Liceu na Soncente já parcê!... Junzim, espantode que dôs lágrima teimose ta dexil pa cara boxe, ca queria nem creditá e log bel na ideia, um data de cosa sobre pruvidência devina etc... etc... E, inda um csinha descunfiode, el vrá pa senhor admistrador ta perguntal, cmanera ?

Enton, fui lá que senhor admistrador explical, cma finalmente tinha valide a pena el ter insistide ta escrevé tude quês carta pa Merca, ta pedi sê Tiu Zac help, quê finalmente, el tinha respondide ta dzê cma, d’ago pa diante, já que bô é um rapaz estudiose, el ta fecá ta pagobe bô escola ma tude o que bô mesté na Soncente, porque el também querê, pa bô ser um home de bem!

E, pa Mã Tomázia, também problema tava ta bá cabá, quê Tiu Zac, na carta, também prometê fecá ta mandal sê santdzole tude mês, p’assim Junzim pudesse sigui viaja tranquile pa Soncente concentrode na sê escola, sem remorse de dexá sê mãe pa trás el só.

Junzim, despôs de ter ranjode sê maleta e ter bá tmode quel bençon sagrode na sê Mã Ti Dalujinha, sê Mã Tomázia e ter despedide de tude quês gente de sê aldeia. El embarcá na naviu Carvalho, pa Mindelo-Soncente bá estudá, cum força de matá.

Moda era custume tude one na Soncente, malta chei de ligria, tava bá pa Cais d’Alfândege incontrá quês cumpanher de más um one de vida escolar, ta bem de SanAnton e otes Ilha, pa bem estudá na Liceu Gil Eanes.

É d’imaginá quel esponte má ligria infrontode de Juaninha, que tinha pirdide quaz tude esperança d’oiá Junzim, quonde ela oiál ta desimbarcá na Cais de Soncente.

Ela ca pude resisti, sei log um braça siguide dum beje na boca de Junzim, lá diante de tude gente e pa desesper de sês dôs irmon, Tomaz e Alfritim que ca fecá nada contente e vrá brute dmunde que Juaninha, ta perguntal sel tava doida e log ta meaçá Junzim...

Ma Manel Eduine, um amigue d’infância de Junzim que tava lá, bá log ta dás fala pas tmasse bem cuidode, quê na Junzim n’tava el só e n’el ês n’tava pô mon, quê ô senon... Enton, Nhô Bertole guarda d’alfandega bem ta tchegá que sê chicutim deboxe de broce e, que sê voz roque el cunsigui pô cosa na lugar.

Assim, vida de Escola de Junzim na Liceu Gil Eanes pude cuntinuá, el sempre que bons resultode, estudante prumode, serie e trabaiador. Da lá, fui pedide sê Tiu Zac pa cuntinuá ta ijdal, e Tiu Zac enton mandal pa Lisboa-Portugal estudá Medecina, cosa quel ceitá log e ta dzê AMEN!

Pa Junzim, tava ta bá ser vida nova, nova vida... Má cma jal tava ta sinti sê corpe, ideia na sê tchutcha, amor de tude sê vida, amiguinha d’infância, confidente, cumpanhera que sempre sube, naquês momente de margura e tristeza de sê vida, não só consolal que boas palavra, cma também limental corpe c’aquês CANECA DE LETE na sês hora de fome, o que impedil té de morré de doença fraca.

Nhô Quim Ramos, preparal sê mala pa depressa pa Lisboa, quê jal tinha só vinte e um dia pa estode na Soncente. Tude já tava pronte pal cambasse Potugal pa sês estude na Unversidade de Medicina.

Cosa ta correl tude depressa que tempe ta sail de curte, smeme assim el ranjá manera, el cambá SanAnton, bá despedi sobretude de sê Mãe, familia, amigues ma cumpanher de pobreza, pa ca dzide de miséria.

Assim quel tchegá, alvicera já tinha curride na terra, enton um amigue dal sê mula imprestode, log el cambá moda de custume pa Paúl via Cova, ma só que desse vez, el bá cumpanhode de sê Tiu Cai, de padrim, home serie de barba respeitode, directe pa casa de Juaninha, pas basse falá ma pais dela e orientá p’amdjor sês relaçon de noive, moda tradiçon sempre mandá.

Fui um verdader desgraça, quê pais de Juaninha, otchá Junzim poque p’aquel relaçon ma sês filha! Enton, ês dzê Ti Cai ma Junzim, crú na sês barba cara, cma lá ca tinha hipotse de pensá naquel union, quê sês Juaninha já tava diazá promitida a um grande ”Senhor de Terra” (casamente ranjode p’interesse) que ca mistia nem metá sê nome...

Juaninha, tude nocente na mei daquel confuson, sem sabê czé quel tava dzê, já tinha side trode de Liceu, ela ta bai tude drete na sexte one, obrigode a casá pa salvaba situaçon de familia que tava sês quebradon.

Pa ela, situaçon vrá um verdader drama, dês daquel decison de sês pai, sem se quer consultal ô pedil sê opinion. Ela tava passá sê vida ta tchorá, quê ela ca queria sabê nada daquel casamente.

Junzim ma sê Ti Cai, rancá ta bem cum tristeza bem grande na coraçon, injuriode pa tude quês irmon ma pais de mnina, quaz té ta feji de pancada deboxe de sês pobreza.

Juaninha, bem rabentode por dente, lá cunsigui feji de casa na mei daquel trapaiaçon, sebi lá pa quês cabece de Vale de Paúl ta gritá, pa gente pudia uvil e, tude dezinbutchada ela gritá pa Junzim:

- Ôá, bô sebe cma dês que mi ma bô ta cuntcê, nunca ninguém tmobe mi, nem ta tmobe bô lugar na nha coraçon!... Bô ti t’oá esse enel que stei, bô tita leval ma bô, pa nunca bô esquecê de mi, té dia que Deus quizer, quê bô é quê amor de nha vida e mi um t’amobe, té dia q’um merrê!!!

Enton, diante de Junzim ma Ti Cai, ela rufená quel anel daquel Senhor qu’ela nem sabia quem era e que familia tinha el puste, lá pra boxe de ladera ta tchorá num mistura de dôr, desespere, raiba e trisreza.

Ti Cai, ba t’andá pa diante que dôs gron d’aga teimose ta rolal pa cara boxe, só pal pudia dexasse quês dôs criatura de Deus, ês dôs só pas pudia falá na sês vontade.

Junzim, rapaz serie respeitador, dexi de mula e dá Juaninha só um beje na boca de despedida, log el rancá ta bai cum saluce na guela e guiza ta pertal peite, té tchegá na Ponta de Sol, el só ma sê Ti Cai, pa consolal.

Despôs de tude ês drama e dês triste stora de separaçon a força, dexe dôs criston, vida cuntinuá e, Juaninha tive que casá a força, pa salvá terra de sês gente, e Junzim sigui sê carrera de Medecina, formode na Coimbra, despôs colocode de Sub-Director, num Hospital na Lisboa.

Juaninha ma Junzim sempre sem podê esquecê cumpanher, inda manteba contacte pa carta escrite durante tcheu tempe... Ma, cosa devagarim, bá ta calmá.

Uns one despôs, Juaninha bem quei bastante doente, prop mal a ponte qu’ela fui mandode pa Lisboa d’urgença, bá tratá. E, pa ironia de destine ela fui internode precisamente lá naquel Hospital que Junzim era Sub-Director e dator já de nome.

Tratamente de doença de Juaninha era prop core e, té aquel Senhor da Terra sê maride, pa força de cisrcunstança, otchá tratamente core e dzé cma el ca tava ta bá podé pagá tude quel tratamente de sê amdjer.

Junzim, bem sube d’entrada de Juaninha n’Hospital, pa nome de sê maride quel oiá na registe. E na segrede ma respeite pa sê profisson, el bá ter de sês colega ma pessoal que tava trabaiá ma el, el pedis pa cuntinuaba tratamente daquel Senhora Dona, come se nada fosse. Quê quonde ela Juaninha tchegá n’Hospital inda ela tava um poque muribunde e ca tava nem ta conchê ninguém.

E, graça a quel bom tratamente, tmode ainda a tempe, Juaninha cunsigui safá e cumeçá t’arribá, té que saúde pô na camin e ela torná incontrá sê ligria de vivê, ma sempre sem sabê de Junzim, que manté sempre sê distância, embora quel chama nunca tivesse pagode na funde de sês coraçon.

Juaninha, sempre qu’el tava podé, el tava procurá sabê pa gente d’Hospital sês tava conchê um tal Sr.Dr.Junzim de Cab Verd, ma lá ninguém ca sabia quem era esse Dator Junzim, quê lá el era cunchide pa Senhor Dr.João Livramento Fortes.

E, Junzim que tava estode ta sigui quel tratamente de perte, ca queria torná vivê quel drama que fazel tonte sofré naquel época, e dexaba sê coraçon bem gravode de cicatriz.

Basta, na sê cordon d’or quel ta tinha sempre espundrode na pescoce, tava inda quel anel que Juaninha tinha el dode naquel triste dia de despedida, ma um coraçunzim que dôs ratrote del ma Juaninha Forever...

Bem tchegá hora de Juaninha saí d’Hospital pa basse pa SanAnton. Enton, ela bá pa caixa, sabé quontê qu’ela tinha pa pagá daquel tratamente?!... Nhas gente, quaz q’ela desmaiá, quonde el oiá quel contona. Ela dá um grite e dzês:

- Usis oá quê mi n’tita bem podê pagá esse conta q’stei, nem q’um vendé tude nhas terra la pa SanAnton!!!...

Enton, quel senhora na Caixa cum surrise, dzel cma ela ca tinha nada pa pagá, quê Sr.Doutor João Livramento Fortes (Junzim) já tinha tude pogue e tinha dexode uns palavrinha num carta pa ela...

Juaninha, na sê curiusidade, abri quel carta ta corrê e quaz que coraçon tava ta bá paral de tonte emoçon... Na leitura daquel carta, ela pude sigui tude quel desfilar de sê vida ma vida de Junzim e sês grande amor de tude tempe, ma sês saparaçon naquêl dor em que ferida nunca más ta cicatrizá... Inda más pa prova, Junzim metél quel anel de recordaçon de sês separaçon, quel dia lá na Passaja, na carta e dzel:

- Tratamente ta tude pogue, assim bô ca tem nada que priocupá nem dzé niguém, quê esse é um problema, só de mi ma bô... Pa tude nôs amor que nô vivé e que té inda t’ixisti, também nunca ‘m esquecé de tude aquês one que bô e só bô mata-me nha fome c’aquês CANECA DE LETE que bô tava gorda-me junta ma quês fongue de banana, que tude bô amor, num tempe q’um ca tinha nada!...

Quonte a nôs amor, nunca mi a de esquecé de bô, té dia q’um morré, pa prova basta, que té hoje um ca casá e um ta cuntinuá ta vivé na nha casa ma nha Mã Tomazia, q’um mandá bescá pa Lisboa... E, sum ca morré um dia um ta voltá?!...

Juaninha, muque, imbutchode sem podê dzê um só palavra, ága ta dexil pa cara boxe, bá ta corré pedi quel infermera de favor, pal entregasse Sr. Doutor João Livramento Fortes, quel anel de volta!

E, naquel mesma carta, el pol um palavrinha de volta, ta dzel simplesmente, cma lá ca tinha perdão e só ela tava pedil pal lembrá, cma ela, descontra sê vontade, fui sacrificode de tude sê familia, cosa quel sabia dritim, ma que nunca té data de hoje, ela tinha dexode D ‘ AMAL DE VERDADE...


Zizim Figuera (José Figueira, Junior)

V O L T A R