NEWTON DJERÊ - UM BOXER DE LEGENDA

João Augusto Newton (Djerê) de sê nome de nascença e baptisme, nascê na Soncente dia 20 (vinte) de Junhe de 1908, de pai Newton, natural de Serra Leoa (Freetown) costa ocidental d’Africa, binde pa Soncente trazide p’inglês na tempe de carvon, e de mãe verdiana natural de nôs Ilha de Monte Cara ô de Georges Washinghton Head (moda inglês tava usá tchemal)...

Newton Djerê, um boxer de legenda mode sê “peak boo style”, que n’era cunchide d’otes boxer de terra e que tava fazê tude sê charme e segrede, estile que despôs tcheu boxer na terra vrá t’usá. E, era assim quel tava cunsigui fintá tude aquel que tchegá d’infretal na boxe na época!... Um boxer de legenda sim, mode sê estile sô d’seu!


Na categoria de mei pesode come boxer Djerê tchegaba d’infrentá tcheu boxer de pese más pesode quel, moda nôs grande Lady, Jon Cabral, Bans, Djindjin ma Dindin de escola de boxe de Nh’Antunin Mercone, Mamadou que beba de Sénegal na grupe de grande Clovis etc...

Newton Djerê home de forte moral e exemplar, ca tava femá nem bibé, só pal pudia mantê na cuntinuidade quel exemple que jal tinha recibide de escola daquel malta más antigue de desporte, tchmode geraçon de Salina.

Assim na sê qualidade mute especial de bom boxer, el era cuvedode e tchegá de pertencê quaz tude quês escola de boxe Soncente (Nh’Antunin Mercone; Quim Chavinha q’um pertencê; Bans; e despôs ja na sê idade el tava custumá de vez inquante ijdá Artur Boxe ma sês pupile) pa isená malta praticá nobre arte.

Djerê fui sê nome de guerra na “ring” que pove de Soncente butzal pa sempre e que fecá registode na livrona de “história” de desporte de nôs terra.

Inda rapazim, nha pai levaba mi pam basse oial ijgá na Verbena de tempe de Mota Carmo, lá na Corte de Tenis de Castilho, cosa q’era um beleza d’oial, sô mode sês esquiva de cabeça que ca tinha nium ote boxer na Soncente que tava igualal.

Aliás, fui lá q’uns dia antes el tinha ijgode ma Jon Cabral quel jogue em quel Djerê ingataba na corda e Jon Cabral proveitá log pa dal más de 30 (trinta) sóc que graças a sês esquiva de cabeça Jon ca tchegá de certal nium e pove chei d’admiraçon rabatal de “ring” e dal vitória sem jogue cabá...

E, el tava fintá adversare que sê mon esquerde sempre esticode pa diante naquel estile de “peak” e depôs “boo” quonde el tava resolvé fazê quel ataque rapte nem relompe que ca tava dexá adversare nium hipotse, nem tempe de pensá ô respirá, o que tava fazê tude sê força naquel manera intligente d’ijgá.

Pa falá um csinha del, Djerê tinha sê um metre e oitenta (1,80 m) e era um home bem cunstiuide de sês oitenta quile (80 kg) de muscle, sem gaguejá. El tava morá na Canalim de Nh’Antone Djudjim ma Mari Antonha sê cumpanhera e, mãe de sês sete fidjes em que na mei dês tinha um mnininha qu’m conhecê bem por nome d’Hirondina que tava ijgá boxe que nem tude rapazim motche, prindide ma sê pai.

Djerê, tude sê vida, desde principe de tempe de carvon e despôs de passaja pa diesel sempre trabaiá na Cumpainha Inglês de Millers & Corys.

Quaz tude mnine, tinha grande admiraçon pa el e despôs cma el era amigue de malta e em especial amigue ma nha pai Djô Figuera, quonde m’cumeçá ta treiná boxe, el tava sebi sempre la na salon de sociadade Figuera, pal ba oiá nôs malta jovem de grupe de Pá Quim Xavinha ta treiná, ma nunca el tava dzê nada...

Té q’um dia, mi que nhas 21 (vinte e um) one cma diasá m’tava estode ta treiná boxe, malta de nha rua, ma malta de Liceu e tude quês gente de Club Spotiv Mindlense que sempre fui nha equipe, otchá cma já’m tava pronte pa entrá na “ring” pa’m basse fazê um “challenge”.

Cosa q’assim fui! Ma lá enton, Djerê sende nh’amigue resolvê bem atuá e, pô luva ma mi pa insena’m e trame um mozada daquês defeite por falta de experiença, cosa que mute m´fecá ta devel e pa sempre.

Pa quel “challenge” de mi ma Titine Boxer (Celestino Pires) que na época era Campion de pese médio de Cab Verd, em que pamode nha pese, m’tava entrá na sê categoria, nô ijgal na mês de Junhe de 1960 lá na Éden Park, bilhete esgotode (foto anexe) m´ganhal (modestia á parte).

Djerê, tava fazê sparmat ma mi e tava bai ta explicome quês esquiva de cabeça, sóc “hook ô crochet”, “straigth” ô direte, uper-cut e manera de ijgá ta trocá pé etc etc... Jimy, um inglês que tava bai treiná ma nôs el tava da’m era preparaçon fisica (corrê, remá, saltá corda, etc..)

Na realidade e moda tude gente tava dzê Newton Djerê era sem duveda daquês boxer más técnique de Cab Verd mode sê facilidade de trocá jogue na ringue, ora el tava usá sê tateca de “peak boo” cma derrapente el tava mudal e vral na “counter punch”( jogue d’espera) sobretude naquel trocar de pé, cosa que poque boxer té hoje sabê fazê...

Moda el tava dze’m sempre, um gaje podê tem más pese que bô, ma se bô “use the brain”(usá cabeça) bô ta betal na tchon one time... Enton, el tava bai ta mostra’m quês ponte froque de tude gente: - chin (ponta de quexada), plexus solar (boca estome), lever (figuede) e basse...

El ijgaba, ma tcheu boxer binde na carvoere ma na tanker estranger daquês que passaba na Porte Grande de Soncente Cab Verd, sempre naquel bom ritme e ta sigui linha daquês grande boxer que honrá terra e cubri’n de glória, moda Chete de Nh’Antone D’Ana, Lady e mute otes home de sês pancada...

Djerê, moda tude home de força, ca tava falá mute e tinha um presença que tava inspirá respeite na tude sê serenidade, ma sem ser mau. Assim el tinha tcheu amigue. Tude fim-de-semana especialmente dia dmingue plumanhã moda era sê custume, el tava besti tude de brónc de bic de pê té cabeça que sê tchapeu de Panamá (brónc) e el tava bá pa Praçinha d’Igreja dá sê amigue André Ingraxador fala e descuti boxe ma quel bedje mercone reformode de nome Nhô Capute, tiu de Tuchin de Nh’Antonha Guimar.

Despôs el tava cuntinuá, era passá pa Praça Estrela moda tude criston, ba dá Nhô Pitra, grande contador de storia de cosa de terra, quel fala... E, quonde Nhô Pitra tava pô ta falá, era “mnine tchequer fagon”, quê nô ca tinha direite de dá um piu. Quê riqueza de storia que tava seí de boca de Nhô Pitra, mnine de Soncente nascide e criode na Salina ma Rua de Morguine, era tão forte que silence tinha que tem pa tude gente uvi...

É de lembrá Newton Djerê, já c’um certe idade ma pese, quonde el fazê brilhante demonstraçon de técnica de boxe na Éden Park, ma Armando, irmon de Jotamon, e que tude pove gostá.

Naquel note de nha combate ma Titine, fui daquês ultme vez q’nô tive junte, quê despôs m’bai pa Sal, nô fecá desapartode ma nô tava mandá cumpanher mantenha pa nha pai Djô Figuera e nha tiu Pidrim Silva.

Uns one despôs, já na França, m’recebeba quel triste notícia num carta de nha pai, ta dzeme cma Soncente, dia 31 d’Agoste de 1975 tinha pirdide Djerê, sê amdjor boxer tecnique de tude tempe, home pa quem passá pa mon tcheu geraçon de jovem verdione na escola de nobre arte que sempre fui boxe, na respeite de “man to man” e regra de marquês de Cantherbury, trazide pa inglês tê Soncente de Cab Verd.E assim desaparcê nôs Djerê ô João Augusto Newton, mas um daquês grande personaja de vida desportiva Mindlense de Soncente Cab Verd que come home exemplar e de bem ta merecê e devê ser registode pa sempre na Livrona de História de Valor de Gente de nôs terra...


Zizim Figuera

(José Figueira, junior)


V O L T A R


Comentário:

Zizim, Hoje enches-te o meu dia bem como o de toda a nossa comunidade caboverdeana cá em Sidney-Austrália com essa linda e maravilhosa estória sobre o nosso grande boxer, amigo e homem de bem que foi o nosso e bem nosso NEWTON DJERÊ. Rapaz a malta de cá te diz mil vezes obrigado por todas essas lembranças e recordações. Pois como se diz na vida "RECORDAR É VIVER" e com toda a razão. Olha nem mais palavras se tenho para te dizer. Excelente esta estória que vai enriquecer a parte histórica de Soncente Cabo Verde de tudo o que tens feito de importante pela tua/nossa terra. Mantenhas Terencio

Terencio Lopes             terencio.lopes@yahoo.com.au


Comentário:

Amigo Zizim, Gostei da forma muito humana e sensível com que falaste do teu amigo. É bom ter um amigo assim. Abraços Tony

Tony Silva                  tonysilva@gmail.com


Comentário:

Olá Zé, RECORDAR É VIVER! Muito e muito obrigada por essas "Storias" que são história da nossa terra. Que tenhas uma boa semana e até á próxima. A amiga de sempre. Paulistana

M.P.Silva Martins Pereira          paulipereira@hotmail.com


Comentário:

Caro amigo Zizim, Li a tua storia que, não gostando eu de boxe, me valeu pelo retrato do ponto de vista humano do homenageado. Gostei do teu "modestia a parte" ao falares do combate em que foste vencedor! Falando sério: retratas (mais) um personagem riquissimo da tua juventude, aproveitando a deixa para homenageares muitos mais e mostrares um pouco mais do teu viver na terra, da tua forma de ser e estar e dos valores que em ti campeiam. Gostei muitissimo e fico a espera de mais!!! Beijinhos Lena

Maria Helena Sosusa               mlenasousa@gmail.com94468


Comentário:

Zizim, Esta boa estória trouxe-me á memória e certamente como a muitos, a minha adolescência. Claro e com muitas saudades. Conheci muito bem o Djerê e tens toda a razão de dizer que foi dos boxeurs mais técnicos de Cabo Verde no seu estilo único de boxear. O "peak boo style" conhecia e era defacto o seu modo de actuar. Pintaste o homem o verdadeiro em toda a sua extensão devidamente. Obrigado por todas essas riquezas. Um grnnde abraço e até próximo domingo. Zacarias

Zacarias Nobre de Melo            zacnobremelo17@hotmail.com


Comentário:

Ubrigada p'esse storia ingraçode. Embora min'sebe mute sobre boxe, mez mute poque,m'pudia "oiá" graças a bô quês muvimente de bróce e pé que usis jogador ta fazé. Storia movimentada cheia de acção graças ao teu estilo vivo! Bom fim de semana e até á próxima storia. Abraços Manuela

Manuela Chantre Barros              m3barros@aol.com


Comentário:

Zizim My Dear, Hoje bateste todos os recordes porque aqui toda gente adorou esta estória. Pois Djerê era muito amigo lá de casa e personagem Mindelense-São Vicentino senão Cabo-Verdiano bem conhecido de todos da nossa geração .E acho bem que tenhas eleborado esta homenagem para que os nossos jovens fiquem saben dos nosso valores. Bem hajas irmão e vai daí um beijão bem grande meu. Yo

Yolanda Dias                yoldias@aol.com


Comentário:

Djô, My big brother you made may day, com essa magnifica estória sobre o nosso Djerê que todos queriamos ser quando eramos memninos lá na nossa rua lembrsa-te? Gostei do "peak boo style" que vim connehcer quando cheguei por cá nos USA. Abarços e longa voida para ti meu irmão. Lili

Larry de Pina              LPINA1@tampabay.rr.com


Comentário:

Caro (irmao das comunidades). E simplesmente extraordinàrio esta tua estoria , deste domingo ,homenagendo os grandes atletas de Cabo Verde, desta modalidade.daquele tempo. Pondo em evidência esta figura , que é Newton Djerê -que eu tive a oportunidade de o ver no ring , contra Lady, precisamente na verbena, do espaço de Castilho . Digo-te que tivestes mais uma feliz ideia e ainda mais acompanhado de fotos , que vêm testemunhar esta estoria . Antes de terminar , confesso que gostei do teu estilo, nesta foto, no combate contra o nosso malogrado " Titin ", Aquele abraço , (D'um irmao das comunidades). Um criol na Frânça . Morgadinho !..

Joaquim ALMEIDA        soalmeida@free.fr


Comentário:

Um storia prop bunzim dum homenaja bem merecide a nôs Djerê. Quel grande boxer de nha tempe que sempre vivê na tude simplicidade sem bajofaria nem mania de ser forte. Quê dvera el tava podê c'aquel cosa. M'ta lembrá daquel demnostraçon del ma Armande irmon de Jorge curnitim (Jotamon)lá na Éden Park, assim cma bô grande combate ma Titine que dexá tude gente espantode mode bô ganhá. Clare merecide também. Ubrigada Zizim p'esse grande homenaja que ta mute mute bem escrite e m'gostá tcheu. Inda bem que nô tebe pa falá de nôs ma nôs heroi pa ca dexa nôs Atleta nem nôs Cultura de Soncente Cabe Verde morrê. Um braçona Guey

Miguel M.Monteiro          mucimdereberabote@gmail.com


Comentário:

Boa "storia" e boas lembranças.Adorei porque como sempre me deixei embalar ao son dos teus maravilhos contos escritos sobre o Djerê muito bom boxer que bem conheci e também por teres falado ao de leve do teu combate contra o Titino que todos la foms assistir no Eden Park. Uma noite inesquecível meu caro. Obrigado como sempre por todo este manancial. Forte abraço Manuel

Manuel Almeida           malmeida12@orange.fr

V O L T A R


Comentário:

Felicito o Zizim Figueira por mais este inédito. Aliás, e como já lhe tenho dito pessoalmente, bem podia publicar mais alguns inéditos em detrimento da reedição do que já aqui saiu uma e mais vezes. Julgo que memória e conhecimento não lhe faltam, nem mesmo talento inventivo. Este será para rechear o contexto em que pode evocar algumas cenas do Mindelo de outrora. As figuras humanas que o Zizim nos tem evocado são sempre reais, é verdade. Mas o conto cabe também aqui e no seu futuro livro, desde que estabeleça o traço de união entre a realidade e a ficção, esclarecendo onde a primeira termina e a segunda começa. O mundo do nosso pugilismo antigo apreendi-o pelas narrativas que o meu pai, um amante desse desporto, fazia em casa depois de assistir a um combate. Portanto, os nomes do Djerê, Ladi e Cabral foram-me sempre familiares desde pequenino, tanto que nas nossas brincadeiras e simulacros de boxe procurávamos imitá-los. Acho que foi uma belíssima ideia evocar o nosso Djerê. Ademais, através destas crónicas, temos vindo a receber informações que de outro modo estou seguro que não alcançaríamos. Por exemplo, eu desconhecia que o Djerê era filho de um natural de Serra Leoa, daí o apelido Newton. Não podia terminar sem enaltecer o desportista que foi o Zizim Figueira, aqui relembrado, em sugestiva imagem, na modalidade pugilismo que ele também praticou e com muito mérito, a ponto de vencer o campeão Titino. Bem-hajas, nha broda.

Adriano Miranda Lima


Comentário:

Ola Zè, falando do Djere, foi bastante bem conhecido no nosso meio desportivo,deixou o nome dele gravado para muitos que lhe conheceu de perto, eu tive a oportunidade, ele foi meu vezinho em tempos que morou na Ribeira Bote rua 10, depoies mudou-se para calazinho de nho Anton djogin, era bastante educado respeitava toda gente, grande e pequeno. Tambem ele gostava de encinar a tecnica que so ele sabia, com aquel jogo de cabeça, era sò ele, Zè a historia dele era fantastigo. Zè tu cada Domingo, aprsentas uma sorpresa dos nossos HIDULS, parbens Zè, daqui vaie aquelo abraço amigo Januàrio

Januàrio Matias Soares               jmsoares@casema.nl


Comentário:

Zizim Figueira, Não acabas de siderar a tua gente caboverdiana com estórias desta natureza. Hoje após a leitura cá em casa com amigos o tumulto foi enorme porque havia muita gente da velha guarda convidada na nossa "catchupada" que conheceram muito bem o Newton Djerê confirmando o teu texto sobre o strong e modesto boxer que ele foi. Obrigado de exortares todos os nossos valores heróis esquecidos de certa maneira mas que graças a ti ficarão para eternidade como aquela Bandeira gorgoloteando no vento da nossa Ilha de Monte Cara.bem hajas! Um abraço de todos Toi

Antonio B.de Pina         toipina@netacbo.pt

V O L T A R