DJÔ ÍA – UM CATRAER DE MEI DE BAÍA D’ILHA DE MONTE CARA

Na Fonte-Francês, quel note, Claudina Manca tava cum pressa infrontode, ta soprá um bustinha de burre que sê subrinha tinha el trazide cindidide ta corrê, da lá de fagon de sê vezim e cumpade Delfim, quê note já tava olte, p’ês pudia cendeda quel lume de lenha na sês fagon de três pedra e poba quel catchupa ta cuzenhá, nimode cum barriga d’atum que Djô Ía tinha ês trazide de Plurim de Pexe pa jantar.

Pamode pobreza, lá na casa de Claudina também tava siguide quel “Cicle de Catchupa” sima tude gente de Rebera naquel tempe!... Bibida colde cuns ingruzim de midje de note, pa ca drumisse em jijum. E, n’ote dia plumanhã pa onziora di dia enton, tava cmide quel catchupa guisode cum cavala frite ô otes igridiente que parceba e que tava dás pa betá tê de note.

Cuzenhola tava fecá um bocadim fastode de casa mode lume, el era fete de pedra e borre ma coipe de carrapate trazide da lá de Monte Verde, coberte de paia de grama seque também trazide de compe!... El fui obra de Cuque, Delfim ma Djô Ía, fete de construçon forte e p’amizade de sês amiga Claudina que sempre socorrês naquês momente ma´s deficil de vida.

Tude dia de note despôs de traboi, quonde Dona tava estode ta fazê jantar, ês tava custumá ba sentá lá fora ta proveitá daquel frisquim ma quel luar, ta contá cosa de vida que ta tinha ês passode naquel dia, ijgá uril ô carta ô enton contá alguns sturinha de sês passode a’era cosa que ca tava faltá.

Assim, pa esparajá, Claudina tava ba ta femá sê canhote, Cuque ma Djô sês cigorre e cumpade Delfim sê bom tchope de taboque rolode (monfechode) puste na conte de boca, qu’el tava custumá comprá pa polme lá na rua de Matijim na Dminga, ta trá cada femaça, prá lá t’intchi lugar de fume ma tcher, sem ninguém reclamá.

Lá ca tinha prublema, quê jás era custumode que cosa de cumpanher, e pa ês tude era “djese same”(igual) na sês ritme de vida. Sende ês tude cunchide de gente, ês tava representá na pove daquês personaja importante de terra que nô ca podê esquecê e que sempre ixisti lá, ta fazê parte de nôs decor, cosa que tude gente sabia ma mute ca tava ligá.

Cada um na sê tonte e que sê utilidade na sociadade que mil vida vivide e tcheu storia pa contá...

Delfim ferrer, na funde de rebera, sê especialdade era fazê frisdera pa fritá pexe, torradera pa torrá cafê ma fazê midje iliode, sem contá quês monsada de caniquinha ma candirim de pitrol fete de latinha de lete condensode binde de borde, trazide pa Djô Ía pa sirvintia de casa o que tava fazê ligria de tude quel pove de rebera!

Pamode sê calma, quê nada ca tava incomodal e home de consei, Delfim era sempre tchmode pa cabá c’aquês confuson, ma pé-di-boi que tava parcê de vez inquande na lugar, moda espece dum juiz de paz.

Também, só el ê que tava guentá Cuque ma Djô Ía, quonde ês tava bem pa casa tmode sês pitrol... Ês n’era mau, ma ês era chote pafronta e guentás n’era brincadera de mnine d’escola... Ma Delfim, que tava conchê cada um sê ponte fróc, tava estode lá já ta esperás pa pôs respeite, pês ca baba cansá Claudina cabeça.

Cuque era bom carpinter, especialista na fazê caxunzim de tude quês anjim que tava morrê pra lá. Também el tinha um hurtinha lá pa Passaron ondê qu’el tava criá galinha, caturniz, cabra ma tchuque.... Assim, de vez inquande, quonde cabra tava pari el tava trazê Claudina lete pa fazê riquês, cosa que sô ela ma sê subrinha é que tava gostá, e inda bem mode el era poque! E, cabá quês ote cumpade, home de sês gruguinha, falás na lete ma riquês era abernúncio satanaz! Quê, basta corpe log tava rupiás.

Claudina Manca era moda um espece de “Godfather” da lá de rebera, ela ê que tava cuidá daquel poce ma bomba d’ága, trás de Compe de Jogue, assim cma de quaz tude fidje de parida, grande que piqnim de rebera!... Pove era sempre t’entrá ta sei, ta ba espiá que cmê na cuzenhola, e ela ca tava chatiá nem dzê nada quê sês devisa na lugar era:

- Quonde Deus dá, dá pra todos!... Assim, mez na mei de tude sês pobreza, pla graça de Deus sempre q’um tivesse um cosa, ês tava ba log longal el lá, pal ca faltaba nunca na lugar, quê ês sabia cma lá na Claudina, criston tava parti quaz tude cosa ma sês cumpanher de miséria...

Basta prop la na sê casa grande, de tchon de borre, que sê subrinha tava barrê dôs vez por dia pa despôs burrifal d’ága, tava custumá drumi gente dmunde naquês dôs cultchon de flurzinha e assim ca tinha tempe de ninguém fecá esfrensode o drumi na rua... Quê quonde pove ca tinha ondê drumi, ês tava camba Fonte-Francês, dritim lá pa casa de Claudina, quê ês sabia cma um csinha daquel colde de catchupa pa matass jijum, ma direite de drumida era cosa que lá ca tava faltá. Assim, Pove era pa Claudina, moda Claudina era pa Pove!!!

Nôs Djô Ía, grande catraer de Baía de Porte Grande, figura carismática Mindlense na Soncente, que ca tava morrê de fome pa sê desmazel, mode el era um bom trabaiador. Quonde el tava estode sem tmá coque, era um paz d’alma! Basta ondê qu’el tivesse, el tava fecá lá sentode na sê cantim dessegadim, sem dá um piu nem fazê barulhe....

Inflizmente, na vida el ca tive mute sorte que natureza, quê quonde el era piqnim, el escapaba de morrê, moda el tava dzê “de smallpox”(variula), assim el tinha cara ma corpe tude fradim... E pa azar, despôs el tive siflis, que cmeba el nariz e estragal sê cara, moda s’el ca tinha nariz ma sê corpe d’home, o que tava pol um prublema grande pa xixi e el era ubrigode a fazel na calça, que também tava cuntribui pa fazel estode ta tcherê sô urina.

Assim, na sê parcença, ninguém tava dá nada pa el, ma el era bem aceitode na sê sociadade e na sê mei de traboi. Ninguém nunca pol nome, cosa que gente de Soncente sempre gostá! El n’era mute forte, ma era um home de garra e mute intligente, capaz de reagi sem gente estode ta esperá e dexá tude gente que boca aberte (por isse nunca fiá na parcença de gente) e já bsote tita bem oiá porquê.

Também nôs Djô Ía, quonde el tava pô lume na banca (tmá sê grogue), el tava intchi Cidade de Mindelo que sê voz roque e carrosque na garganta, sempre ta cantá quel cantiguinha qu’el tava gostá:

Papagaio louro de bico doirado

entra nesta casa para ver o namorado...

//

Ó preta. ó prêta... Ó Dona Iria

Aqui na casa do senhor... etc.


E durante tude quel note el era capaz d’andá tude quês rua de Mindelo sempre ta cantá esse cantiguinha, antes del infiá pa casa de Claudina. Nôs Djô, ca sabia lê mute, ma el sabia siná sê nome e ninguém tava ganhal na calcul mental, el era prop bom na conta de cabeça...

Quonde ta tinha paquete, ma vapor de passager, el tava bai pa borde sempre na bote de Nhô Jack Cunqlicoque.

Enton, um vez paquete Serpa Pinto passaba na Soncente, ta ba pa Brasil carregode de passager e nôs Djô que tava dente de bote, tracode na costode de vapor, quente já c’uns dôs gruguinha na butche, sempre ta falá el sô, moda de custume que sê voz roque carrosque que ninguém tava intendê nada du quel tava estode ta dzê.?!

Enton, um portuguesa da lá derriba que tava mute intrigode, ta sigui Djô diasá lá deboxe dentre de bote na sê conversa , vrá ela grital cheia de curiusidade:

- Ó senhor... ó senhor?!?!

Djô fazê um break, espiá parriba, quel senhora cuntinuá:

- Olhe ó senhor, diga-me lá que língua é que vocês falam nesta terra?!...

Nôs Djô ca desarmá, el vrá pa ela, el dzel que sê voz roque carrosque da la de más funde de sê garganta:

- Ó minha senhora, aqui falamos até japonês!!!!

Quel tia dá um gritim d’esponte, jal ca dzê Djô más nada, ma quel malta de borde bem log c’aquel alvícera de Djô pa terra, que fazê log volta inter d’Ilha pa motive de conversa!!!

Num daquês mute dia que Deus tem na cruz, Djô Ía, despôs dum dia de traboi bem trabaiode, comprá uns cosa pa levaba Claudina lá na sês républica, quê mama tava prop grosse pa Djô, ma lá na casa ês divia estode que falta quê já tinha uns dia qu’el ca tinha sebide pra lá...

Enton, el levá um soque de midje, mei soque de fejon e metade dum djêu seque, c’ajuda de Cuque ma Vicença de Gustim, pa casa lá na Fonte-Francês. Claudina ma tude sês amigue fecá prop contente d’oiá Djô!... Quel djêu fui lanhode, desalgode na ága, espundrode na parede de rua ta escorrê que cara vrode pa sol, pal pudia revê e guentá sem estragá tê ote dia.

Quê quel dia era papa que fringenote, dum tchuquim q’uns amigue tinha matode lá parriba, perte de Pedra Rolada. Mute cuidode, quê quel papa tava ta parcê friu mode quel olie de fringenote coiode purriba. E, log que Djô levá um cdjerada pa boca, Delfim dal fala e dzel, cuidode moce! Enton, cma Djô Ía ma tude quês gente compredenê situaçon, ês pô ta cmê quel cmida que cuidode, ta panhá cdjerada na borda devagarim, la na sês república bem dirigide pa “God Father” Claudina Manca.

Despôs daquel jantar, moda de custume, despôs de lavá prote e tude cusinha já bem armadim, tude ês ba trá sês femaça lá na cuzenhola, num ambiente prop sabim, de pessaol tude forte daquel papa que fringenote e, nôs Djô Ía ta nimá lugar, ta contá gente quel ventura de sê guerra, del ma Tchope boxer que fecaba na storia e fazeba el sê nome...

Moda Djô contá e pove firmá, Tchope queris dal pancada, quê Tchope era más forte... Ma Djô, magrim ma escritim que nem macoque, ca dá Tchope nem tempe de betal el, quê el Djô, rapte de munde, lajá na tchon, el puxá Tchope sês dôs boca de calça dá betal na tchon,el bafal, pa esponte de tude gente! Dá tude gente pô ta tocal palma ta grital quel: - Boa, Djô!!!

Lugar tava tude nimode naquel note, quonde derrapente, por causa dum gatinha que tava lá pa cuzenhola ta manhentá, el ruvrá quel candirim de pitrol dente de fagon de três pedra qu’inda tava cindide pa gordá lume! Enton, sebi um lumenara bem grande, dá pegá lume na paia de tete de cuzenhola...

Fui log um abole naquel mei, Mintinha, subrinha de Claudina, trá log quel panela que reste de cmida de lume, Djô ma Cuque sebi derriba de cuzenhola pa fazeba quês coipe cedê e caíba dente de cuzenhola pa tenta bafá quel lume. Delfim que sê pá, já tava já ta betá uns pazada de terra lá dentre de cuzenhola também e tude quel pove vezim lá perte pô ta bem ta tchegá pa ijdá pagá quel lume!...

E tude cosa tava corrê dritim, quonde quês coipe cedê! Cuque inda tive tempe de saltá da lá derriba pa tchon, ma nôs Djô Ía, q’em vez de ter quebrode coipe e fecá que pé derriba de parede de cuzenhola, fazê tude na contrare, el cortá coipe por fora e fecá que pé derriba de coipe... Pum... pummm, dá nôs Djô Ía fundá na mei de lume, pa dentre de cuzenhola que coipe e tude e el ta bai nu ar, ês uvil gritá: - JA-ME CAGÁ NHA MERDA!... Ma flizmente que fui más de mede du que perigue e ês cunsigui inda tral da lá dente, sem fri nem quemá, cum sorte de lacacai...

Ma na dia siguinte, log cidim, parcê um data de gente pa traboi lá na Claudina Manca e, CUZENHOLA fui fete tude de nove, cuberte de folha de lata em vez de paia. Ma smeme assim, ês gordá quel fagon de três pedra d’estimaçon que tava custumá fazê quel catchupa cuzenhode na lume de lenha fecá prop brandim!

E da tardinha, Claudina pa festejá sês cuzenhola nove, resolvê dá um cmida d’Onje e despôs que tude gente cmê, bem cmide, ela ma sês amigue Delfim, Cuque e Djô Ía pude cuntinuá sês vida normal naquês note de lua, ta trá sês longue femaça, cada um na sê goste, lá na terrer perte de porta de sês nove Cuzenhola, sirvintia de POVE!


Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V O L T A R


Comentário:

Carissimo Z.Figueira, Só agora e com muito gosto acabei de ler esta tua "storia".
Fabulosa! Palavra que a achei fabulosa mesmo! E estará o Jorge Amado do outro lado da Vida a gostar também de ver desfilar esta galeria de personagens,que não devem absolutamente nada aos que desfilaram nas obras dele. Os desta "storia", emparceiro com os que moram nos "Pastores da Noite", uma das menos celebradas obras de "Seu" Jorge e mais rica do ponto de vista humano, cheia de anti-heróis, feios, porcos e maus, como no filme de Ettore Scola. Os teus heróis de hoje, não seriam belos, jovens nem ricos, mas tinham um coração do tamanho do Mundo e a benção da partilha e da generosidade. E tinham defeitos, fraquezas - como todos os humanos - e isso faz com que eles estejam aqui mesmo pertinho de todos nós. Bem haja pela tua sensibilidade, traduzida numa escrita sem par. Beijinhos em nome de todos nós, teus admiradores. Gilda

Gilda Barbosa Leite            gilda.bleite77@gmail.com


Comentário:

Caro Zizim: Continua a registar estas “estórias” do antigamente, que são muito interessantes. O teu crioulo é castiço, não é adulterado como o que hoje se fala e se tenta escrever em S. Vicente. A tua escrita, sendo de natureza etimológica, lá vai preservando a autonomia fonética e fonológica da língua cabo-verdiana. Mas isso é uma conversa que daria pano para muita manga... Se quiseres conversar, estou aberta. Um abração e até próximo domingo. Leandra

Leandra Maria do Nascimento               lendra.mdnascimento@yahoo.com.br


Comentário:

Zizim nha broda, Mais um fim de semana com uma estória deveras fabulosa e sensacional onde todos os nossos heróis os verdadeiros são personagens muito bem conhecidos da nossa pobreza mas de "BIG HEART" capazes de partilharem até a camisa com seu irmão "Homem". Digo-te sinceramente que gostei, pois esta é das tuas estórias onde melhor me situo porque também lá ia de quando em vez em visita ver Claudina e toda aquela tropa de quem também fiz parte. Quem não se lembra do Djô Ía?! O teu descritivo está excelente num crioulo deveras tal com deve ser. Que tenhas um bom domingo "with God blesses". Um abraço tamanho do Mundo deste teu amigo de sempre Terencio

Terencio Lopes          terencio.lopes@yahoo.com.au


Comentário:

Sr.Zizim, A mãe e eu levantamo-nos cedinho e á volta de um chá d'hortelã bem quente para cotraiar este frio europeu, cá estamos lendo esta sua magnífica estória que lá nos vai enchendo o coração daquele calor caboverdiano que você sempre tem sabido trazer até nós, ainda mais na nossa língua. Estou certa que estas estórias contadas em quaisquer outras línguas perderiam metade daquele tempero bem nosso com sale e cheiro da maresia das praias de nossa ilha. A mãe conheceu todos os personagens aí citados, pois ela também habitava em Fonte-Francês na Soncente e se lembra da solidariedade existente da gente de casa de Claudina Manca que apesar da sua pobreza nada nunca faltava ali. Você soube traduzir tudo isto num descritivo fantástico e bem nosso. Já passei a estória no "print" para leitura logo com nossos vizinhos e amigos. Parabens! Bem hajas! Um abração nosso bem caloroso Suelly

Suelly Fonseca              suellyfonseca17@gmail.com


Comentário:

Obrigado grande Liberal e amigo Zizim pela publicação bem matinal das"Storias Mindlenses de Soncente Cab Verd".Pois assim consigo preparar para logo e nas calmas o trecho de leitura para o nosso numeroso pessoal da Associação Cabo-Verdiana cá em Orlando-USA. Tirando isto á parte a "Storia" está riquíssima de personagens que tamnbém conheci e em especial do nosso célebre Djô Ía e seu comportamento bem caracterizado por ti amigo Z.Figuera. Como sempre continuo leitora assidua e fan das tuas estórias que desde há anos venho compilando e seguindo sua evolução sempre ascendente e em boas vias. Força irmão e muita saúde.Bom domingo e rijo abraço Yo

Yoalnda Dias                 yoldias@aol.com


Comentário:

Boa Djô Figuera! Gostei imenso desta estória que como sempre me trouxe montanhas de souvenirs. Teu amigo Jorge

Jorge Almeida            jorgealmeida@hotmail.com


Comentário:

Dear Zizim, Gostei imenso e posso dizer-te "you made my day" com esta fabulosa estória que não me canso de ler. Big hug Lili

Larry de Pina              LPINA1@tampabay.rr.com


Comentário:

Amigão, Continuo encontrando nas tuas lindas estórias de gíria bem popular escritas neste soberbo "CRIOL" e num estilo mui sui generis, todo aquele calor humano típicamente da gente da nossa terra Soncente d'outrora. Parece que as coisas mudaram muito e para pior porque em vez de se conciliar as gentes para que se viva em paz, foi introduzido o ódio, a ganância e outros produtos da negatividade que veem minando todos os valores mais elevados da nossa boa moralidade. Enfim, continua por esta via nos tentando ressuscitar através dos teus escitos para não parecermos e poder por as coisas no lugar. Obrigado por todo este sumatório de valores. Um abração Tiago

Tiago L. Duarte              tiago.lduarte36@hotmail.it

V O L T A R