FOTO-MELO E SÊ QUADRE DE CALOTER

Moda más bedje tchegá de contá, já naquês tempe antigue tava falode naquel respeite dexode na terra pa quês home de bigode de cidade de Mindelo, mode sês atitude, quê pas selaba um controte entre ês ca mistia tistemunha nem conde de siná papel!

Na stora d’imprestá cumpanher denher ô otes cosa, só quel mon de palavra tava tchegá. Assim, ês tava bazá quel cuspi na palma de mon, espiá cumpanher na cara e selá quel controte c’um bom monzada, da fecá!


Smeme assim, na base de sês antigue iducaçon, inda ês cunsigui ba ta passá quel mensaja de seriedade, cosa que alguns de sês fidje inda guardá, ma que bá ta desaparcê poque a poque na espace e na tempe! Dali, bem parcê enton quel nescidade inflizmente de recorrê pa justiça.


Na nha tempe de mnine, inda m’ tchegá de conchê alguns d’exe home, já prop bidjim ma sempre ta gozá daquel grande regalia de seriedade e respeite na mei de nôs sociedade mindlense dum vez. Ês era uns figura antigue que tchegá de marcá sês prisença, não só pa sês manera d’agi, cma também pa sês manera de besti que já pa nôs, na nôs época, tava parce’n completamente fora de moda!


Basta é de lembrá, aquel imaja de nha tiu-avô, home daquel tempe qu’inda vivê na nha época e que marca’m na sê manera de besti, cosa quel ca mudá, tê dia qu’el morrê!


Assim, tude dia que Deus tem na cruz, el tava pô sê tchapezon de feltre cinzente, rudiode daquel lorgue fita prete na parte de fora, bestide sê camisa bronc alvim bem ingomode, que colarim olte esticadim puste na goma, colete prete deboxe de sê casoque chei de julbirinha, ondê quel tava exibi chei de bajofaria quês fiu prateode ô dorode que tava terminá na ponta pa um arloje prateode ô dorode na forma dum concha, marca “Omega”, que sês prazer era abril, pol n’uvide, dal corda diante de gente e pol na hora de Greenwich Meridian Time.


Ma tempe ba ta passá, vida ma gente ba ta mudá, mute valor fui perdide, ôtes fui ganhode tude na lei de palavra moda desenvolvimente... evoluçon...etc. Dexá cada um tchemal moda el querê, ma quês valor dum vez fui bons valor q’inda cunsigui tchegá na nôs, quê inda nô otchá um csinha dês, ma despôs ês fecá pirdide pa tude tempe, num posiçon que já nô ca ta podê torná recuperás moda tcheu cosa.


Inda tude na quês recordaçon d’infancia, ta lembrome quel tempe, quonde um pon de midje era dôs toston e que tude quarta-fera despôs de escola da tarde era dia de cinema de mnine lá na Olte de Miramar, na Foto Melo, entrada cinque toston o que tava fazê ligria de tude mninada que tava passá cumpanher mensaja, pa nô podia basse tude djunte pa Cinema.


Lá na funde de Studio, ondê que Djessa ma Papim tava custumá tra pove ratrote, tava quel grande écran brónc tude esticadim, ma quel maqueninha de betá filme d’oite milímetre, já tude preparode.


Despôs era quês filme mude que Papim tava betá gente e bá ta explico’n na cada passaja o que naquel tempe na tude nôs inocência, sem nô sabê, já tava estode ta intchine cabicinha daquel cultura de cinema mude e só daquês bom moda:


- Charlie Chaplin, Max Linder, Buster Keaton ma Harold Loyd (comic más cunchide na malta pa filme de Charlote) e Bela Lugosi ma Boris Karloff (ta representá quês filme de mede d’Edgar Allan Poe) moda “A Mão da Mumia” ô “O Homem da Sombra”etc.


Era assim que nôs mnine, na nôs manera d’oiá cosa, nô fecá pa sempre marcode pa quês filme da lá de Cinema de Papim. Daquês cosa na vida que só despôs de grande, quonde gente ta cumeçá ta prendê destrinçá orija de cosa, é que gente ta bem sabê dás quel valor ma importância que nô divia ter ês dode na época. Ma czê q’nô podia fazê?!...


E dzê cma uns one despôs nô tchegá d’oiá tude ês filme na grande écran lá na Éden Park (d’irmons Marques) e Park Miramar(Tuta Melo). Cinema, nobre arte, cosa que hoje em dia já ca tem na Soncente, nem na Cabo Verde p’uvi dzê, e cosa que sempre fazeba parte integrante de nôs CULTURA!... Ma, cmanera que nô cunsigui tchegá na tal ponte?!...


Sem ser cinema, também lá na Foto Melo tava trode ratrote de tude espece pa bilhete d’identidade, pa pô na quadre pa recordaçon, quês ratrote antigue daquês home de bigode ês só, bestide daquel manera, que tava puste na parede de casa pa galantaria, ô enton quês ratrote de família que mãe na mei, rudiode de tude sês fidje, de más bedje tê más nove, uns pintiode c’cabel ratchode na mei, moda um livre pa rapazim, e quês mnininha c’cabel fete trança ô trucide.


E dzê cma tude quês foto era fete na papel “sépia color”que despôs Djessa Melo, grande artista, num verdader operaçon d’obra d’arte, tava bá pintás que sê mon, quê naquel tempe inda ca tinha storia de película a cores!

Cosa que tava levá uns dia, quê tinha q’esperode papel sépia secá pa despôs Djessa, pudesse cumeçá ta pintás que pincel e aguarela! Tão bem fete a ponte que té despôs d’obra fete ninguém tava dzê ô crê creditá cma era foto pintode pa mon de gente, artista! Um verdader maravilha!


Moda m’ta lembrá, Papim era bom na sê quadraja na hora de fazê de foto, el tinha mute paciença que gente, sobretude naquel tempe que gente ca podia nem divia mexê na hora de trá ratrote, quê prova tava sei log lá mez na pelicula e el tava notá log se pessoa ta tinha mixide ô não, quê pelicula tava sei já tude trimide e el era ubrigode a torná começá.


Também, tinha quês foto fete que flash de magneze... Pufff!.. Ma pove ca tava gostá mute daquê flash, quê ês tava sei ô c’oi grilide ô c’oi fetchode... Cosa nada fácil, mez quonde Papim tava explicás antes de fazês foto.


Foto era incomendode e fete pa lote de seis ô dez e despôs cada um tava bem bescá sê incomenda, despôs de ter pagode Papim ma Djessa sês traboi, o qu’era normal. Papim ma Djessa, na sês boa fê, tava fazê tude gente cunfiança, assim ês ta tinha tcheu fraguez fixe e ês era bastante popular, mnine de Soncente bem cunchide de pove, pa quês fidje de Djidjon de Melo ma Dona Natália.


Ma também, deboxe de tude quel amizade e cunfiança, tinha quem que tava fazê ratrote e, pa razon que só ês só é que sabia, tava esquecê de ba bescás lá na Foto Melo n’Olte de Miramar!


Basta, ta tinha foto que tava fecá lá um data d’one sem sês done ba bescás. Enton Papim, pal oiá s’el tava recuperá sê denher, criá quel tal “QUADRE DE CALOTER” ondê q’el tava pô tude gente que, despôs de três one, tava esquecê de ba bescá sês ratrote!


Na olte de cabeça de quadre era bem marcode c’ letra grande pintode de prete “QUADRE DE CALOTER” , ma Papim inda pa queston de respeite pa quês gente que ta tinha puste el calote, el tava pôs na quadre que cabeça pra boxe...

Assim, quem queria oiá quês ratrote podia pegá naquel quadre, que tava estode sempre na disposiçon de tude gente derriba de balcon, dexode lá pa de vontade, pa Papim, pa despôs recode podia ser levode té quês caloter, pa boca de pove.


Moda Papim tchegá de contá, um vez el tive vesita dum home de respeite, ma inda c’aquel mentalidade daquel tempe antigue, por nome de Nhô Ijzê Pardalim, q’era professor na SanAnton.

Despôs de mute conversa, Nhô Ijzê, que tinha oiode quel quadre, vrá pa Papim el dzel:


- Deixa estar q’ucis tem cada ideia nesta terra! Agora, até um “quadro dos caloteiros”?!


Ma Papim notá cma, despôs de Nhô Ijzê Pardalim ter oiode quês ratrote naquel quadre, sê cara perdê log quel surrise e ba ta fecá mute indignode d’oiá, na mei daquês ratrote, um senhora por nome de Dona Luzia na “Quadre de Caloter”.


Ma Nhô Ijzê ca dzê más nada! Enton, pa salvá situaçon, Nhô Ijzê vrá pa Papim, el dzel na sê bom português:


- A Dona Luzia naquele retrato está mais bonita do que parece!... Quanto é que ela está devendo?!


Papim dá prece, Nhô Ijzê puxá uns nota de bolse devagarim, el pagá Papim e tmá quel ratrote, pa salvá honra de Dona Luzia de “Quadre de Caloter”!


Dona Luzia, quel enigma, salvode honra pa quel cavaler andante descunhicide ma de nobre geste!... O certe é que nem Papim nem ninguém nunca sube quem era quel tal Dona Luzia!?... Talvez um daquês amor platónico qu’às vez ta parcê na MUNDE?!... Quem sabê?!


Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V O L T A R


Comentário:

Que de boas recordações nas tuas crónicas hebdomadárias amigo Zizim, ainda por cima escritas numa linguagem linear fina e bem nossa onde todos encontramos as referências das nossas origens. Os teus contos há anos que veem sendo de uma riqueza extraordinária para todos nós Cabo-Verdianos em geral e do Norte em especial por estares no verdadeiro caminho da nossa lingua escrita que tanto teem tentado estragar criando situações em que até os meus/nossos filhos hoje em dia já nem sabem redigir um texto ou defender um tema na sicronia escrita como nós aprendemos nas boas escolas da nossa época. Muita força sempre para coninuares porque estamo juntos. Me lembro bem do tal "qudro de caloter" lá no Papim-Foto Melo. Obrigado por mais esta e vai daí um farterno abraço Sergio

Sergio Lima Barros       sergio.lbarros@live.nl


Comentário:

Brother Obrigado! Este crioulo está perfeito ... Acho que encontraste um padrão da escrita ... Parabéns e muita com ajuda de Deus Nosso Senhor... Um abraço irmão...! Mantenha desde cá do exílio Henrique De Pina Cardoso

Henrique De Pina Cardoso         hpcardoso@mail.telepac.pt


Comentário:

Dear Zizim, Antes de mais os meus sinceros parabens pelas tuas 72 duas primaveras ontem dia 8 de Janeiro com votos que Deus te dê vida e saúde para que possas continuar a marcar o nosso mundo da tua presença com tuas sublimes Storias muito apreciadas de todos.Esta de hoje está sublime.Pois me lembro muito bem do Quadro de Caloter lá no amigo Papim Melo e da saga do Nhô Ijzê Pardalim.Bem hajas! Foret abraço Terencio

Terencio Lopes          terencio.lopes@yahoo.com.au


Comentário:

A tua ideia foi genial ao escreveres este conto onde tu nos abranges e reunes no mais recôndito da nossa bela infância do tempos do Cinema mudo no Tuta e Papim Melo onde vimos realmente todos estes filmes de que falas e que mais tarde tornaram-se verdadeiro "Chef-D'Oeurvre" reconhecidos internacionalmente.Eram os bons tempos de"Pon de trança c'mel,chupeta, rubeçode de mancarra, ma sucrinha" que já não voltam mais.Os tempos de "mnine buzode, traquina ma não malcriode".A storia está mesmo muito bem elaborada como sempre.Obrigado e força para continuares.Abraços Gilda

Gilda B.Leite         gildableite77@gmail.com


Comentário:


Boa Zizim de Ti Djô Figuera,Bõ cumeçá one drete c'um sturinha sabim de gente sabim e chei de recordaçon daquel bom tempe de nôs terra Soncente ondê que ca tinha maldade.Bô escrita ta mesme porreiro.Força pa cuntinhuá quê nô ta djunte.Um braçona tamonhe de MUNDE de nôs tude li de Rebera Bote. Guey

Miguel M.Monteiro        mucimdereberabote@gmail.com


Comentário:

Fan como somos das suas crónicas Sr.Zizim, cá estamos a mãe e eu para darmos o nosso parecer sobre a leitura domingueira dos seus magnificos contos sobre a nossa terra S.Vicente.Eles são de uma riqueza no que consiste as boas recordações daquele S.Vicente de outrora onde com a ajuda da mãe lá vou aprendendo coisas que realmente não conheci mas que graças a si e ao Liberal fico sabendo.Força e saúde para si amigo e Sr.Zizim.Um forte abraço nosso Suelly

Suelly Fonseca          suellyfonseca17@gmail.com


Comentário:

Boa Ti Figas! Gostei imenso como sempre Continuação de um bom ano 2011.Rijo abraço Afonso

Afonso Estrela          afonso.estrela@aol.com


Comentário:

Caro Z.Figueira, Muito obrigado pelas tuas magnificas crónicas que continuam sendo sempre bem-vindas e teem sido de um grande apoio moral cabo-verdiano a todos nós nesta Diáspora. Felicidades e boa continuação. Abraços Pedro

Pedro Almeida Soares         pedro.alsoares@live.net


Comentário:

Bravo Djô! Gostei e vai daí aquele abraço do amigo de infância. Lili

Larry de Pina            LPINA1@tampabay.rr.com


Comentário:

Zizim, meu amigo do peito e de senmpre, antes de mais os meus parabens e feliz aniversário que foi no dia 8 de janeiro. Tambem te felicito por mais esta rica Storia que ja passei no "print" para a leituira logo ne reunião na nossa Associação Cab-Verdiana cá em Orlando USA. Sentidos pesames pelo falecimento da nossa amiga comum Magui Salomão Mascarenhas. Abraços Yo

Yolanda Dias           yoldias@aol.com


Comentário:

Ho!.. ( Irmao das comunidades ) FOTO MELO ,qu'el quadro de clientes ,CALOTER !...Lembro-me perfeitamente,daquele famoso quadro ;a curiosidade das pessoas ,para ver se as suas caras ,ou caras das pessoas amigas ,se encontravam ,fixadas naquele quadro ,pendurado na parede ,exposta loga na entrada . Ainda hoje ,o letreiro ,FOTO MELO ,nao foi limpado ,testemunhando ,nao so uma das recordaçoes,como vitrina do Mindêlo e também esta grande familia , MELO ; lembro-me também ,que o cinema Eden Park ,de inicio ,a ideia veio deste senhor ,que é "Djim-Djon" MELO ,cujos os filhos ,foram todos fetògrafos e um dêles ,propretàrio do cinema Park-Miramar , "Tuta Melo ". Boa lembrânça,(irmao das comunidades) Um criol na Frânça ; Morgadinho !...


Joaquim ALMEIDA         soalmeida@free.fr


Comentário:

Linda Storia bem regada de todos aqueles acepipes e condimentos próprios da nossa sociedade Mindelens-São Vicentina de outrora com todo o realismo e uma otima expressão escrita. Parabens ao autor Zizim Figeuira.Forte abraço Jorge

Jorge Cleofas Martins             jocleofasmartins@gmail.com

V O L T A R