ZIDOR MA YADA - VINTE ONE DESPÔS

Plumanhãzinha log cidim, lá na Farnande Pau, Armanda pô frisdera na lume ta quentá c’um pinguim d’óleo de mancarra, sabola ma uns puntinha de tucim bedje quel tinha comprode de vespra lá na loja de Nhô Sarofe, vezim ma Nhô Jon de Guida, perte de butequim de Bente, na rua de Praça Estrela já ta cambá pa rua de Coque.

Log que frisdera quentá e c’aquel sabola ma tucim lorá, pa depressa, el ruvral quel catchupa quel tinha dexode tude quel note ta esquá colde na esquador pal podia guizal expediente pa rapte, quê Clemente, sê cumpanher, tava c’pressa pa ba trá quel dia de traboie lá na Rebera de Vinha.

Clemente, na sê primer buquenhada, fazê um carinha margose, assim cma ses dôs fidje, Zidor ma Yada, pa mode Armanda, sês boa madrasta, tinha esquecide de trá quel padoce de coive de note daquel catchupa, antes de gordal na cefre.

Armanda fecá um qzinha chatiode e antes de comprendê situaçon, el cumeçá log ta desculpá, ta dzê cma tempe tinha estode fresque quel note e cma quel cifrim de seu, que sê purtinha de dôs rede, vrode cara pa vente lá na janela d’czinha, ca tava custmá falal mentira.

Problema é que aquel catchupa tava inzede mode quel coive que fecá na el e forteal. Ma lá ca tinha tempe de pensá dôs vez, ês tinha era que dal na corpe smeme assim e sei ta bai, cada um pa sê banda, ba espiá que catá, pa trazê pa casa.

Cma tinha dode tchuva já tinha uns dia, Clemente cambá Rebera de Vinha pa ba mondá e coroá mîdje que já tava espindide ta betá flôr. Zidor ma Yada, inda menine, ês cambà Passaron ba gordá corve ma pardal na horta de Tia Chala ma Nho Jack, quê pra lá mîdje inda tava só ta cumeçá de somá na tchon, pa ligria de pardal ma corve!

Armanda, mode de custume, cambá morada ba ganhá sê vida, ta carregá na Cais, ô enton ta carregá ága pa casa de gente, pal pudia também garantisse quel panela na lume de tude dia. Boa madrasta, el ma Clemente ca tinha fîdje, ma sempre el cuidá dritim tonte de Clemente cma de sês dôs mucim, que sês mãe, que Deus haja, dexal.

Moda Dorre ( Zidore ) ma Yada contá, lá na sês casa, deboxe de sês pobreza, sempre ês vivê na paz e harmonia, que tude sês vezim e c’aquel morabeza de sês madrasta Armanda, que pa ês fui moda um mãe desde sês três ma quate one té sês nove ma dez one d’idade, que fui tempe de sês separaçon, mode cosa de vida.

Clemente, venenode p’amigue, naquel influência de bai pa S. Tomé, resolvê ba dá nome sem dzê Armanda nada. El tmá sé dez conte n’Agença pa ba armasse mala de viaja, el metê na bolse pensonde cma jal tava ric, el cambá casa pa ba convencê Armanda p’ela também ba dasse nome, pês pudia bá djunte.

Ma Armanda ca qris sabê nem flaça daquel bada pa S.Tomé. Bastá quel hora que Clemente tchegá lá na casa, panhode ela de surpresa, ta contal tude do que jal tinha fete, ta mostral quel denher. Armanda vassalá, sanhá na el, nem um cadela parida, ba ta dzel p’el lembrá ma ês é qu’era cumpanher dum data d’one de vida, ma smeme assim el ca tive nium considraçon pa ela. Que lá pa rua, diasá tude gente já sabia daquel viaja menes ela que chei de vergonha fecá fora mitida.

Dorre ma Yada, na descontra, ca sabia daquel drama que tava ta esperás, basta ês tinha tchegode diasá de Passaron, que barriga forte quê Tia Chala ma Nhô Jack tinha ês tratode, bem tratode. Assim, moda tude menine, ês tava lá pa rua ta brincá, ta corrê orc, ta fazê bulinha de sabon de tcheu cor, soprode num tubim de carrim de linha moiode na ága de prute prute sabon, quês tinha fete dentre dum latinha de sardinha baziu, ta mandás pu ar pa ligria dês ma sês culiguinha de brincadera.

Armanda tchorá bem tchorode pamode quel surpresa de Clemente, despôs el marrá dente na boca ta dá pa forte, somá na porta e tchemá quês menine pa casa pês bem jantá e falá ma ês, pa explicás do que tava ta passá... E assim, fui grande tristeza pa tude quel família mode quel separaçon, sem esperá, de Clemente, q’um semana despôs tava t’imbarcá na mei daquel trupida de gente ta bai pa S. Tomé.

Zidor ma Yada fui recomendode na sês Tiu direite Bastion (Sebastion), que tava cuidá d’horta de Ti Manel de Matos e que também tava vivê de pesca lá pa Calhau. Armanda preparás sês sarron que pena, quê ela só já ca tava ta ba podê guentá que tude ês, quê já na tempe de Clemente vida tava estode bastante dificil, té que diasá jás tava estode ta vivê moda tcheu na terra, naquel cicle de catchupa (cuzenhá de note, trá quel colde pa bibé, gordá quel catchupa gron pa cmê guizode c’cavala quonde el tava parcê, p’onziora de plumanhã daquel ote dia).

Tiu Bastion bem de Calhau de véspra d’imbarque, bem bescá sês subrim. Enton, despôs del despedi e temá quel truquim na sê irmon Clemente, el agradecê Armanda pa tude quês one q’ela criá quês mnine e, c’pena dela, que tava ta ba fecá el só lá naquel casa de Fernande Pau, dzel que se num qualquer momente ela mestê dês, era só mandás recode, quês tava bem log.

Pé na mama de cadera, Tiu Bastion rancá a pé pa Calhau ma sês subrim e pa camin el ba ta explicás cma vida pra lá ca tava ta ba ser moda na morada, quê pra lá tinha q’arguide cidim, e liger, ta espiá que catá. Ma ca era pês tivesse mede, quê el tava lá pa insenás betá inzol na mar e trabaiá terra. E ba ta dzês:

- Ca bsote boda, nhas menine, quê furminga ta criá deboxe de pedra, quontamá gente!

Dvera, uns dia despôs de ter tchegode pra lá, ês cumeçá ta comprendê situaçon, quê quel papa n’era tude dia. Assim, ês tinha q’argui cidim, ba ma sês tiu, cada um que sês caninha de pesca, ba panhá borbe n’orela de praia, entrode na ága tude nu pa ca estragá ropa, quês tava dexá n’areia deboxe de pedra lá na Ponta de Viana. Conforme maré ma lua, às vez borbe tava cmé ô non, enton ês dôs piqnim, t’infrentá vida, sempre deboxe de cuidode de sês tiu, ês tava metê lá p’aquês pedra e lagoa, ondê que tude ês prendê nadá, ta catá lapa ma esgrovetá um polvim q’espitcha naquês broque pês cmesse o vendeba pa podia ter um truquim na bolse.

Na tempe de note escure (lua nova), ês tava cambá Praia Grande ba panhá plarde, quel carangueje bronque, bom isca de panhá sputa, morre, barber ma ruta motche, quês tava escalá, salgá pa secá e gordasse pa reserva, quê ca tinha tempe de ba vendês, quê morada tava fecás prope longe e ca tinha corre pa levás.

Quês viaja pa Praia Grande é que fecàs más gravode na memória d’infância, quê tiu Bastion tava bai sempre pa morada, lá pa Ti Manel de Matos, que tude quarta-fera na padaria tava pô quel tabler de pon ma bolacha pa pobreza, assim el tava trazê raçon rindide, quês tava levá ma ês quonde ês tava bai pescá na Praia Grande. Basta té farinha de pau el tava moiás c’açúcra pal pudia intchá e rendê pês cmê.

Assim, ês tava passá quês três dia pra lá, naquês pesquer olte de Panilinha, na mei de perigue daquês bufador, ondê que sês tiu tava dexí na maré seca, marrode corda, ba trá purtchave, q’era um dinhirim rindide, quente na mon, que já tava dá uns quarta de midje a más pa casa.

Vida dure, contode pa Dorre ma Yada uns vinte one despôs, lá na sapataria e relojaria de Nhô Didon, cobe chef de Monte, ma Hirmine manquim, más cunchîde pa Sporing, que pove vrá Boring ô Buring.

Stora bem n’ocasion dum incontre que, moda nha Mãe que Deus dal céu tava dzeme sempre: - fazê gente bem sem espiás na cara e nunca cmê diante dum menine pa bô ca dás, quê um dia ês ta lembrá na bô.

Fui lá que Yada, enton pliça, que fazeba sê quarta classe já home grande, quê Dorre (Zidore) nunca queris sabê de prendê a lê, rancá ta conto’n, na mei de tude stora de sês vida, quel passaja interessante de nôs incontre, que nem mim, dvera dvera se jam tava ta lembrá.


El ruvrá one time na guela, sê cupim daquel bom grogue que Buring longal, el suquedi cope log el ba ta passal pa sê irmon Dorre pal pudia temasse também, despôs el vrá pa mim, que sê cara séria, el cuntinuá:

- Ôh, Izizim, bo ta lembrá quel dia na Calhau que bsote tinha bode p’um pique-nique, lá na nôs horta, ô amdjor, horta de Ti Manel de Matos, qu’inda era em vida?

M’dzel cma não! Pal contasse?! E el sigui:

- Quel dia tinha um csinha de vente, ma tempe tava ruglar. Enton, Dona Cujinha, amdjer de Ti Manel, bom mon de panela quel era, tinha bsote fete um calderada de matá.

Nôs lá t’oiá bsote ta cmê, cum fome da gaita, sem podê dzê nada mode vergonha. Enton, bô bai, bo intchi um travessa de pirex c’tude cmida de Deus que tinha la derriba daquel mesa, que três codjer, bô bem traze’n c’tude bô amizade, sem conche’n, pa nô cmesse.

Bo ta lembrá daquês três mucim piqnim, incocra, tude nu na mei daquel vente, perte daquel tanque d’ága, junte daquel bomba de poce lá na horta? Apôs, um daquês mucim era mi! E quel dia nô marcobe, pa tude tempe de nôs vida, quê sô bô sô, sem bo sabê, mato’n prope nôs fome, quê quel dia lá na casa ca tinha nada de cmê, nem pa dasse um pardal um lonche!

Ma, cma Deus ca ta drumí, bo parcê! Hoje, nôs tude já é home grande e cma nô t’incontrá sempe li na Buring, ulim li ta contobe esse stora de passaja de nha infância que já nem bô ca tava ta lembrá e que marco’m e tcheu pa nha vida.

E podê creditá se bô querê, quê té data d’ahoje, m’procurá sempre siguí bô bom ixemple de nunca cmê diante dum Onje de Criste (menine) pa’m ca dás sês parte, quê dvera nh’irmon, fome ca sabe na gente grande, quontamá na mnine.

Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V O L T A R


Comentário:

Caro compatriota, Sinceramente com toda estima e admiração que tenho por si e suas estórias extraordinárias que vão fazendo a história da nossa Ilha de São Vicente, queria parabeniza-lo por mais esta que está muito bem escrita num crioulo linear e acessivel a todos. Adorei a estória! Bem haja!Um abraço do Victor

Victor Almeida                victor.almeida@yahoo.com.br


Comentário:

Dear Zizim, Como sempre adoro os teus textos que para além de serem escritos num crioulo castiço tipicamente sãovicentino também revelam o mais recondito do modus vivendi da nossa sociedade de outrora onde apesar de pobreza havia respeito na solidariedade humana de "mnines buzode mas não malcriode" Grande abraço Gilda

Gilda Barbosa Leite               gildableite@gmail.com


Comentário:

Uma storia forte apreciável globalmente em todo o seu conteudo.Você revela nela toda aquela maneira de viver de outrora onde havia muita solidariedade e respeito pelo próximo.Hoje infelizmente muita coisa mudou mas ainda há gente boa.Sou grande apreciador das suas ricas crónicas.Parabens por mais essa.Rijo abraço Orlando

Orlando Ferro                orlandoferro22@hotamil.com


Comentário:

Ca ta comprendê nôs terra só quem q'nunca tive nel.Bôs stora é sempre bom pa nôs tude prei ta vivê na diáspora e tude sóbede ma dmingue ês ta caí de céu moda um ága benta pa traqnquilidade de nôs espirte.Ubrigada irmon.Um braçona Tchenta

Vicente Lima            tchentalima@gmail.com

V O L T A R