C A P O T E – UM FIGURA DE CARNAVAL MINDLENSE

Carnaval t’aí, vamos vadiá, vamos vadiá pra policia não pegá!...Era assim naquel tempe baseode naquel similitude e transferença de cultura de nôs má Brasil tava cumeçode qu’esse giria popular ta festejá e cantá Carnaval na nôs terra moda num espece de mensaja espontaneo pa ba ta cordá pove de Soncente dvagarin, cma Carnaval tava ta tchegá.

Ês similitude de cultura ê tão grande que Professor Gilberto Freyre (Recife, 15 de março de 1900 – Recife, 18 de julhe de 1987 – dados de Wikipedia) nordestine, natural de Recife Brasil, grande sociolgue, antropolgue, escritor e grande nome de Historia de Brasil, na sê passaja pa Cab Verd (na tempe colonial) tchegá de dzê cma el sabia cma jal tava na terra de Portugal, má que tê quel momemnte na terra de Cab Verd inda el tava ta sinti na Brasil.

Ma ês stora dahoje ca ti ta bem feco’n li sô sim, quê Carnaval ês one é terça-fera dia 8 de Morce e cma tude cosa ta cabá na quarta-fera dia 9, m’ tem que contá bsote el rapte, pa nô podê vivel djunte na linha direta dum de nôs grande magic de Carnaval de tude tempe tchmode Capote.

Assim, hoje m’ti ta bem fala bsote más ê dês grande figura Mindlense por nome de Capote, Rei e Pai de Dinastia Mandinga d’Ilha de Monte Cara. Capote era daquês figura popular frador de vida que nô tava cruzá tude dia na área de Cais d’Alfandega, Praia de Bote, Bar Tubarão na camin de Casa Nova-Rebera Bote e tava passá despercibide ma sempre ta fazê parte de nôs afectos.

Casa Nova, fui lugar de quaz tude sê vida ondê quel vivê, na mei tude sê pobreza, ma sempre ta escativá moda tude gente naquel cicle de catchupa c’cavala o que pla graça de Deus evital sempre de passá fome, quê home de traboie moda el era, el ca tava morrê pa sê desmazel, nem nunca tava dexá priguiça nem tempe panhal.

Depôs e moda tude gente, cma el também tinha direite, el bem juntá ma Nha Teresa de Monte Sussegue, lugar ondê quel bem passá ta vivê. E cool moda el era, quaz que ca tava uvide el falá, la enton bem parcel um monzada d’amigue moda Bete ma Djê cumpanher de fundaçon de grupe mandinga, juntode já m’aquês ôte de Casa Nova.

El ê daquês figura popular de Soncente, fidje de pobreza que tava levá quel vida de tude dia na terra, na tude sê simplicidade na mei de pove. Um home de mil actividade, “buldonhe” moda ta dzide na terra, quê quonde traboi de estiva tava escassiá, tava otchode el lá pa lode Coré ta catá pregue ma parafuse caide de soldadura de lantcha, pa bass vendê lá Nhô José Semede ô Nhô Liz Cone flinner que tinha quel tal capoera ondê que tava otchode tude espece peça ma bugiganga que sempre desinrascá gente de Soncente na sês problema de mecâneca.

Durante tcheu one el fui também home de forre ô forrer na Padaria de Matos, t’assá pon ma bolacha, lugar ondê que fui sê ultme lugar de traboie qu’um dexal.

Deboxe de tude quel serenidade, sempre que ta tinha qualquer festa o açon popular, lá tava otchode el, ma já completamente diferente daquel Capote de tude dia.

Lá jal era quel Grande Capote, inteligente, criador, inovador, ta vivê tude na mei de sê pove na tude sê simplicidade de sempre sem bajofaria, ta preferi dexá os otes aprecial ô elogial, o que tava, na nhas oie e manera de pensar de mnine que mi era na época, dal ainda más valor.

Gente moda Capote, devê tem tcheu na Munde sempre ta esperá opurtunidade pa exprimi sês “Inteligência” que dvera é Universal e nada tem a ver c’instruçon, inflizmente pa desgraça de mutes que ta vivê inganode.

Já pa festa de Sr.San Jon, tava incontrode nôs Capote de bonê de pala, pite na boca, não de tocador de tambor, ma sim de Capton Farwell ta impô sê comande dentre dum daquês bnite navizim de vela brónc esfraldode na vente que tava cumpanhá tambor na ritme de colá quel Sr San Jon revulteode.

Pa San Miguel Alcanja, lá tava nôs Capote na rua de Coque ta lançá desafiu que sê pion de goiavera, junte ma Nh’Anton de Sena e Nhô Fula quês dôs grande Campion de Jogue de Pion de Soncente... Ratchada pion na, um dôs três pique quemada San Miguel Alcanja.

Ma lá ondê que Capote dvera tava dá sê best, era na tude quês Carnaval d’Intintaçon que nô conchê e vivê na Soncente em quel bestide de “Mandinga” tava desafiá tude crónica deboxe de sê silencie, ratchode pa quês grite d’ardááá...ardááá... que tava fazê tude gente recuá, t’abri quel circle chei grite naquel folia de Carnaval, pa depôs fetchal e cuntinuá ta segui El ma Bete e Djê, cumpanhode p’aquel cavaquim de Marcel de canalim de Nh’Antone Djudjim, Antone Violão e mas...e mas otes pa metê imbeinte.

Bestide sês sainha de tanga, fete de corda de piaçaba desfiode pa Nai, fazedor de corda pa rede de pesca na Praia de Bote, retocode na casa pa Capote ma sês cumpanher Mandinga, Bête e Djê.

Que sê caroa de pena de galinha ma passaron, na cabeça, Capote ê que tava presentá de Rei de Mandinga, ma tude ês ta tinha sês espada na mon e, ês ca mestia tisnába corpe nem d’olie, nem de tisna de carvon porque jas era prete de natureza.

Grupe, Capote ê que fundal ma na tude sê simplicidade silenciose, moda bodzê na espece dum recue na tempe e n’espace na busca de sês orija africana já bastante longe, cortode umbigue pa colonalisme portugês, cosa que ninguém ca podê negá. Ma capote sim, el na tude sê serenidade, conciente ô insconcientmente sempre cunsigui negal.

Tude geste e açon de Mandiga na tempde de Capote era executode, sem raiba nem violença ma que seriedade moda n’execuçon dum peça de teatre sempre na ritme de nôs musequinha tradicional sabim de:


- Pas Pomba... Pas Pomba...

Pas Pomba... ca tem batata

Mi jam ba nha camin Pas Pomba

Quê Pas Pomba... ca tem ôrroz


Ô mascrinha... Ô mascrinha...

Mascrinha de cú pelode...elode...elode...elode


E pove ta sigui, quel abertura de Carnaval de tude one sempre fete pa Capote naquel ritme infernal daquel bacanal qu’era nôs Carnaval d’Intintaçon dum Soncente de pobreza, ma inteligente, espontaneo e chei de vida ma criatividade, sem ódie nem violença, fete pa gente moda CAPOTE REI DE MANDINGA...

E dnher que n’era talvez cosa más importante pa Capote e tude sês cumpanher naquel momente de folia de Carnaval, ca tava faltá naquel bolsa de Mari da Cruz cumpahera fiel recebedera, pa tude quês banda quês tava passá, ta bem de Monte Sussegue, Praça Estrela, Rua de Coque, Rua de Paloce, Rua de Lisboa, tê rudiada Praça Nova, ma sempre naquel ritme sabim de mascrinha... E, pove sempre ta cumpanhá.

Paz a alma de nôs grande Capote, home serene ma dum força espiritual sem igual, que desafiá tude professia de Munde Colonial, ta trabaiá, ta festejá e ta bibê sê bom grogue... bom grogue dum época sem merrinha, ma pa quarte de litre, quê nunca el tava ceitá cinque toston de grogue, lá naquel cantin de Bar Tubarão de Ti Faustine na Ponta de Praia de Bote...

AMEN !!!

Zizim Figuera ( José Figueira,junior)jfigueira@wanadoo.fr

V O L T A R


Comentário:

Meu Caro Zizim de Ti Djô Figuera, Só tu serias capaz, pelos teus vividos no seio do teu povo, nos trazer à história de São Vicente Cabo-Verde o retrato tão fiel e bem elaborado de um pé-descalço, como se dizia na época na classe mais abastada da Ilha, tal como o Capote dos nossos afectos.Claro que me lembro dele em todos esses aspectos particulares que tu aí tão bem mencionas, pois foi meu vizinho quando moravamos na Casa Nova em Ribeira Bota. Certo um "fidje de pobreza" mas honesto e digno de si mesmo que nos faz até um certo orgulho de nos sentirmos São-Vicentinos. Muito obrigado por esta lembrança merecida do nosso Capote figura popular do Carnaval Mindelense São-Vicentino. Bem hajas! Que a Força seja contigo. Um abração bem nosso daqui de Rebera Bote. Guey

Miguel M.Monteiro              mucimdereberabote@gmail.com


Comentário:

Caro amigo Z.Figueira, Nesta estória, para além da habitual descrição única e impar do personagem, nas suas caracteristas genuínas de gente do povo, dos seus hábitos e viveres autênticos, que tão arredados parecem da vida de hoje (ah vida de gossi ê vida mariado, como dizia o teu finado patricio, o genial Ildo Lobo!), hà não só o aspecto carnavalesco como a lição a aprender de um filho da pobreza figura popular Mindelense que apesar dos pesares sempre viveu do suor do seu fronte e do seu próprio esforço condignamente toda a sua vida. Parabens pela maneira como soubeste sublimar o personagem através dessa estória escrita na nossa lingua de forma forte apreciával e ao alcance de todos. Recebe um forte abraço de uma compatriota amiga de velha data Arlida Moreno

Arlinda Moreno               arlinda.moreno@hotmail.com


Comentário:

Amigo Zizim, Agradeço-te por teres partilhado mais este lindo conto conosco. De facto é mais uma referência da nossa Ilha / País. Ja tens data certa para lancamento do teu livro? Onde sera? Quantos capitulos ou paginas? Qual o nome? Pensaste sobre a sugestão que eu te avancei, em vires fazer o lançamento nos EUA? Como eu te disse posso te ajudar a realizar um evento relacionado com o lançamento do teu trabalho. Há muita malta aqui que se identificam com os teus/nossos contos. Sera que podemos falar por telefone ou via "skype" para trocar algumas impressões? Quando? Fico a aguardando tua resposta. Cumprimentos Perdo

Pedro B.Chantre               pedrochantre@yahoo.com.br


Comentário:

Esse sturinha de Capote ta prop sabim nem um pápa c'lete. Ubrigada nha broda Zizim de trazê pa história de nôs Soncente tude exe fidje de pobreza exemplar de comportamente moda Capote, Djô Ía, Fanha etc... Mas um vez ubrigada e uli quel braça Liz

Liz Cabe               l lizcabel@yahoo.com.br


Comentário:

Mon Cher Zizim, Continuas dominando a nossa lingua com emstria. Essa estória está sublime em todos os aspectos. Obrigado pelo personagem Capote de quem ouvi falar mas não conheci. Grande abraço Rui

Rui Fortes                 ruifortes@aol.com


Comentário:

Dear brother Zizim, Aí vai o meu bom dia junto do da malta daqui de Sidney Austrália e também para te dizer um obrigado por continuares a nos deleitar das tuas estórias onde todos nos referenciamos encontrando um bocadinho de nós mesmos na nossa terra S.Vicente assim tão longe de nós. Ah nôs Carnaval dum vez?! Ondê que bô bai?! Mias uma vez obrigado Zizim e um abraço de todos nós Terencio

Terencio Lopes              terencio.lopes@yahoo.com.au


Comentário:

Caro irmao das comunidades, o teu artigo , desta semana , vem mesmo a preposito,em boa altura. Na verdade , a cultura de Cabo Verde , particularmente a sua mùsica , o seu carnaval , assemelha-se muito com o carnaval do Brasil e isto vem desde os anos 20 30 ; nao é por acaso , que nao temos nenhuma deficuldade em interpretar e mesmo compôr no mesmo estilo brasileiro. Até os anos 60 , para o carnaval de Sao Vicente , compunha-se , com letras em português , hoje as marchas carnavalescas , sao feitas em criolo , o lhe dà um (tempero) tipicamente nacional . MANDINGA & CAPOTE , eram figuras emblemàticas, do carnaval de Sao Vicente , que lutaram muito , através dos tempos e geraçoes , mas que acabaram por desaparecer , cuja a forma tipica , deixou de impôr e de -FAZER MEDO AS CRIANCAS , -mas sem maldade nenhum . Lembro-me quando passava a mascrinha (de -cù-pelode ), com o seu violao,o corpo todo pintado de preto e os olhos com as orbitas pintadas de branco , as criânças escondiam a cara , nas saias das mâes , mas sempre com a curiosidade , de a ver passar . Velhos tempos ,que jà nao voltam mais , mas que vale a pena contar , pois faz parte da nossa cultura , que é um valôr tradicional . Um criol na Frânça ; Morgadinho !..

ALMEIDA                    Joaquimsoalmeida@free.fr


Comentário:

Caro Z.Figueira, Mais uma que adorei pela sua originalidade e que vem nos ajudar a preencher mais um fim de semana com certo prazer e alegria. Parabens pela escrita bem elaborada e também por todos os aspectos sensíveis da nossa sociedade São Vicentina e nossa gente que a compõe.Admirável! Um forte abraço Gilda

Gilda Barbosa Leite             gildableite@gmail.com


Comentário:

Nh'Irmunzin de criaçon Zizim, Hoja já bô faze'm sabe quês storia de Capote que nôs tude conchê ta bai tmá quel quarte de litre pa quentá corpe lá na bar Tubarão e também Rei de Mandinga dia de Carnaval que sê espada e sês ardááá... Recorda dvera é vivê. Thanks broda Djo. Quel braça Lili

Larry de Pina                LPINA1@tampabay.rr.com


Comentário:

Zé, Cá estou para te desejar as melhoras e que o teu tratamento esteja te decorrendo bem. Nunca me esqueço de ti e por isso cá estou para te parabenizar por mais esta que logo vai ser lida pleos meninos da nossa Associação. Um beijinho da sempre fixe Yo

Yolanda Dias                   yoldias@aol.com


Comentário:

Capote, Um personagem dos nossos afectos que nunca podemos esquecer sobretudo neste periodo carnavalesco. Pois ele merece estar aí porque fez página de história não só do Carnaval como dizes, como também do quotidiano da nossa Ilha de Monte Cara. Parabens em tudo e por tudo! Um fortissimo abraço Valdemiro

Valdemiro Ferreira               vferreira22@gmail.com


Comentário:

Muitos parabéns pela crónica , votos de felicidades e saúde para continuar . Um abraço e até breve .

Gabriela Amado Silva               gabybamado@hotmail.com


Comentário:

Não costume dar muita atenção a textos em crioulo porque causa-me ainda alguma confusão na interpretaçaõ, mas este texto foi tão profundo bateu-me bem fundo que voltei à minha infancia lá na casa nova, o capote foi tudo aquilo que foi dito e muito mais , que quem viveu com ele pode explicar melhor, lá na casa nova toda a criançada tratava-o de titio capote, ele nos contava as suas histórias gostávamos mais das histórias do seu passado em s.tomé visto ter trabalhado tb em s.tomé. Saudades daquele tempo que os vizinhos eram considerados pessoas de família. Obrigado por levar-me a fazer esta viagem a minha infância.

aonteirolbertina gomes            m bitin.monteiro@hotmail.com


Comentário:

Caro Zizim, A tua estória está um primor e lá foste buscar no mais recôndito do nosso maravilhoso e espontâneo carnaval d'intintaçon de outrora um personagem como o Capote que bem merece o seu nome gravado nas linhas das páginas da nossa história de figuras Mindelenses. Uma estória como essa que vale a pena ser contada, estou certo o que muitas que não sabiam agora ficaram aí a saber muito sobre uma época em que se fazia um carnaval cheio de boa vontade e muito pouco dinheiro. O que fazia a sua piada. Hoje tudo é dinheiro e exibicionismo deixando-se por resolver centenas de problemas sociais da ilha. Enfim esta é a minha opinião. Obrigado Zizim. Abs Antero

Antero Ramos                  antramos@live.nl


Comentário:

Sr.Zizim, Com as explicações da minha mãe lá consegui compreender melhor a imagem popular na pessoa de Capote. Pois a mãe lembar-se bem dele desde miúda e gostava muito da actuação daquel grupo Mandinga com Capote, Bete, Djê, acumpanhados pelo Marcel no cavaquinho, António Violão e mais figurantes que faziam tudo com amor e sem quaisquer violências. Pois era um medo inocente que depois passava e deixava cada um deitar na bolsa da tal maria da Cruz o que bem se quissesse dar. Achei como sempre excelente a sua prosa na nossa lingua que já vou dominando cada vez melhor graças a si. Todos cá vos saudamos e lhe dizemos até á próxima. Um beijinho Suelly

Suelly Fonseca          suelly.fonseca@gmail.com


Comentário:

Oi grandi Zim, figura des homi dexa klaru ma, pobre sim mas n' ta ta umilia... Mensagem fika agora mundu tem volta... Afinal tudu kes ki ta fika na storia lembradu des manenera é porki é foi um GRANDI HOMEM... Melhoras y kel braça di sempre.

Creolinha                   creolinhaCv@hotmail.com


Comentário:

Caro Zè, esta istoria desta semana caiu na ora certa, presisamento na data maies aprecida na sancet, bastante enteressante esta cronica desta semana, nestes dias onde que fulia esta em brasa, Zè parabens, que continuas sempre trazendo estas lindas recordações. daqui vaie aquelo abraço sempre amigo Januàrio.

Januàrio M. Soares              jmsoares@casema.nl


Comentário:

O Figueira Bo ca sabe k'satisfaçao k'un tive t'ale esse storia t'Cpote porque nos era vezin, e conte ele ta dmora tchega na casa de Mantonha d Luis k'era ce Mae nos é k'tava sei te pchecal. Enton ja bo imagina qual foi nha emoçao te ale esse storia bem contote pa bo. Figuera Bo é mais uma vez noj memorial t' Saocente um forte abraço do amigo sempre Eça Monteiro mnine t'Casa Nova

Eça M.Monteiro                    monteiro.eca@hotmail.fr


Comentário:

Irmão Zizim, mas um vez nhes parabéns pe mas esse cuzinha sabe d'nôs Soncente, escrite moda sô bô sabé fazé. Aquele abraço

Humberto Duarte            humbertoduarte1@gmail.com


Comentário:

Um sturinha sabim e tchegode dente d'hora nesse Carnaval nh'amigue Zizim.Capote ta merecê. Bô é sempre na TOP. Continuá quê bô ta boa via. Quel braça d'irmon Adão

Adão Costa              adaocosta@hotmail.com

V O L T A R