M’ TEM NHA PLIÇA FAZE’M JUSTIÇA

Quitéria, naquel sóbede de primer tarde de Carnaval tava c’um ligria trançode dum esparate, bestide aquel bestidin brónc d’organdi fluride, comprode lá na Loja de Tchitcha, sainha larga fazê balão, pa sê primer boie de Cavalinha Branca lá na Tubarão.

Basta, quel dia ninguém ca tava ta podê quel, quê pa ela era um dia mute especial, pamode era dia de sês dezoite one, dia de sê liberdade. E, pa primer vez de sê vida qu’um grupe tava ta cuvedal boie de Carnaval, ela, de nium manera, sô se Deus ca quizesse, ca pudia falhá nem faltá um tal contecimente.

Na época, pê de cabel ê que tava na moda p’amdjer firmode e confirmode daquel tempe e, cma tê quel dia lassim que Deus dal, ela tinha side sempre mnininha obidienta, a partir daquel data de sês dezoite one, moda tive de contecê ma tude sês culiguinha, cosa tinha que mudá também pa ela, na tude sê extenson e dimenson de sê vida.

Enton, ela cambá Barbaria de Ti Place lá na rua de San Jon, fazê sê pê de cabel, pal podia depôs saí t’exibil pal firmaba assim sê maior idade d’amdjer e senhora de sê nariz que também jal era. Sô que tê lá, diferença que tinha entre ela ma alguns de sês amiga ê qu’ela inda era mnina nova, deboxe de saia de sê mãe, tê que namorode, tê hoje s’ela tinha cunchide.

Tude quês one na Escola d’ Custura lá na Dona Maria Amélia na rua de Sant’Antone (rua de Matijim) sirvil tcheu, pal trabiá pa sê vida, ijdá casa e fazê sês icnumia qu’ela gordá tude quel tempe, pa quel dia bem especial de sê existença, qu’ela tinha passode ta senhá tude quês one de vida.

Na casa, sê mãe moda tude mãe, ca tinha brincadera qu’ela, ma sê pai era um home de rigor, criode na rigor, assim el tava exagerá na educaçon de fidje. E, quel cosa ê que ta tinha Quitéria ta vivê ingustiode, quê ela ca tinha direite nem de espiá rapazim na cara, quontamá de falá ma ês.

Portante, ela era um escurinha bnitinha traçode a canivete, ma que ca tava dá ninguém tempe de tchegá perte dela, quê ela tava andá sempre ta corré. Era saí de traboie de custura lá d’alfaiate Nhô Lilim, na rua Senador Vera Cruz, cambá casa pa depressa ta corrê, quê sê mãe Yuque c’mede de Pá Lela, já tava estode na janela diazá ta goital somá lá longe pal pudia siguil, tê tchegá na casa.

Mucim de sê rua, ca tava oial nem na janela de sê casa, nem na rua e quonde tava ba fazide mandode na sês casa, pai é que tava bem sempre abri porta.De manera que pa ela, quel cosa fui um data d’one dum vida socornode nem freira num convente, sende ela assim um mnininha que fui sempre mute drete, sem storia nem prublema.

Quite (numinha d’mizade), também tinha direite de sonhá moda tude mnininha, inda más ta sinti idade ta bem t’entral na corpe, ela vrá log resolvida, tive té de fazê um promessa n’alguém de tmá sê liberdade c’sê mon, na dia de sês dezoite one.

Assim fui, quê bem contecê que sês culiguinha de traboie, mute dês já mnina calcode, que sabia de sê aniversárie, sem dzel nada, proveitá log pa metel na sês tcholda de grupe de Carnaval, ondê que sei log sê cunvite e, pa cuincidença naquel dia bem especial.

De note bem ta fetchá e moda jal tinha dzide sê mãe, cma era dia de sês dezoite one, ela sende maior, jás tinha el cuvdode pa primer vez, um boie de Carnaval lá na Tubarão (na camin de Djidsal e Wilson), inda más naquel dia de sês one e que jal tava tude pronte pa el.

Mãe, cunvincide inda dal uns consei, ma Pá Lela zarode mau dmunde, ca queris sabê nem uvi falá. Enton, sê tiu Djunguinha mas cumprindide ê que bá cumpanhal tê sala de boie e dexál bem recomendode na Candin sês vezim, pa tmasse bem conta dela e de volta, pa trazel pa casa ora que boie cabasse.

Ma, cosa de Munde é moda el é e, ninguém ta cunsigui mudá face de cosa que ta pa ser, quê as vez bodzê jal ta estode tude escrite e bem escrite, na nôs grande livre de VIDA.

Enton, era naquel tempe, quonde Esquadra de Pliça era na rua de San Jon, lá ondê qu’um vez fui Obras Publicas e hoje Centre de Viaçon pa trá carta de chauffer, em que chefe era Nhô José Mendes, segundode pa Nhô Manê Gêjar siguide pa Nhô Manê Sumenhon, Antone Grigola, Lela de Monte corneter, Biurim (mauzim, home de sê chicote), 14 (quatorze) ma 18 (dezoite), dôs pliça que nunca ninguém sube sês nome ma tude gente tava conchês pa ser lixode. Ês tude, home que tava fazê sês traboie de pliça dritim e era bem respeitode pa tude gente d’Ilha de Monte Cara.

Ma, pa trás dês Pliça de Velha Guarda, já tava ta bem ote Scola de Pliça ta formá, também mute respeitode pa sês comportamente, prindide ma quês más bedje de tempe de Nhô Mané Gêjar que na sês momente de raiba tava custumá dzê:

- SE VOSSOS PAIS NÂO VOS EDOCA? EU VOS EDOCA A MANDOCA!

Ês moce Pliça, também já tava fazê sês bom traboie na via pública, ronda a pé de note, sempre pronte pa intervi quonde tava tchmode ês, na lugar de espetacle, sala de boie e más más cosa. Era ês: Jardim, Emidio Barreto, Dantas, Rite, Lantcha, Grama, Raspa, Nhô Bernolde, Bubista, Bente, Fêl’s, Adalberte etc…etc.

Enton bem contecê, que naquel note de boie popular, fui mandode Rite pliça ma Dantas (dôs cumpade) de service, pa quel entrada de porta de sala de boie la na Tubarão, perte de Djidsal.

Quel sala era lugar de respeite, quê Lulu Barbinha ca tava imprestá tude gente el, senon sende gente quel tava conchê, pa ca ranjaba stora e evitá pliça de mandá fetchal el..

Assim quel one, pa Carnaval, el imprestaba sê sala de boie naquel grupim de mnininha ma mucim na flor d’idade, que saíba sô quel one lassim, por nome de Grupe de Cavalinha Branca, nome que fecá na stora de Soncente e que depôs fui mudode. Ma quel nome fecá pa sempre gravode na voz de pove, quê tude vez que tava tem boie lá, log tava dzide cma: - hoje tem Boie de Cavalinha Branca lá na Tubarão! Porquê? Ninguém ca sabé?!

Grupim bem ta tchegá pa sês festa de Grupe, naquel sóbede de Carnaval, ês armá um mesa bem forte, quê cada um tinha dode sê tonte. Mnininha tinha dode bole, ma pastel, carre assode, e rapazim tinha levode coca-cola ma limonada. Mesa foi tão forte, que dia dmingue datarde ês fazé tê Sambrás, pa bá cabasse de cmê tude du que tinha fecode.

Boie cumeçá c’museca repicode um trás d’ote p’orquesta de Bitú, Ude, Marcel, Ti Goy, Ti Fefa ma Jack Estrilinha c’aquel coladera que tava na moda de:

- Oh Tota fazem parte… Pa nha sainha fazê balão… M’ ta dobe pa dreita um ta dobe pa esquerda pa nha calçinha podê parcê.

Basta, era um prazer oiá Quite, na sê bestidim brónc d’organdi ta dançá. Ela ê que era rainha de boie, quê tude quês moce cada um sê vez, tava ta trá um pernada ma ela e, assim ela ca tava c’tempe de sebi cuscus.

Sr.Rite pliça, que ca tinha tmode fê dela mode service quel tava ta fazé na porta de sala de boie, de vez inquante tava fecá ta pensá ondê quel tinha oiode quel mnininha?! Ma, el ca tinha hipotse de conchel quê quel lá era sê primer boie. Quite, por uns dôs vez, lança Rite um rabada que sês oie prete d’uva madure, quaz que Rite vrá dode, quonde el tmá fê.

Enton, el bá ter de Dantas sê colega, el dzel cma jal tava quaz na fim de sê hora de traboie, pal facilital, pal podia trá um perna de boie ma quel deuzinha caide de céu. Dantas pliça más bedje, dzel pal tmasse cuidode quê inda el tinha quinze minute e quês pudia pesá tcheu na balança de sê vida future se ronda passaba, moda era custume.

Prublema é que Rite tinha ote piquena que tava lá naquel boie, quês tava conchê diazá. Ma Rite, sê boca ca tava lá, el trá sê terçado el fincal na porta e lá el pundrá sê boné de pliça. Quitéria tava ta bem ta passá, el fecthá sê cumpanher oie, el riscá. Enton, el ma Quite sei ta bai num dançar remexide, colode bem colode na son de más um coladera, siguide depôs duns dôs murninha, quê já era quaz madrugada.

Ambiente tava prop sabim e Rite já ca largal pa quel ristin, quê Quite também tava ta dal um bola de matá. Ma, quel situaçon ca pudia durá e criá log um ambiente de ciúmes na corpe de Mari Puldina, quel antiga amiga de Rite, qu’el ca tava nem custumá ligá.

Enton Mari Puldina, estalode nem catchorre na guerra pa Candin que tanbém tava chei de ciúmes, bem da la de sê conte sanhada, vassalada, betá Quite mon na sê bestidin d’organdi olve de brónc a flôr, el ratchal el pa diante, derriba pra boche. Quite, mnininha nova na dia de sês dezoite one, pa bá contecel um cosa daquel?! Senhor Deus oh que vergonha! Basta ela que ca tava nem cunchê quel tal Mari Puldina, espantode sem experiença de vida, ca sube nem reagi.

Na mei daquel confuson ma grite, bem log Lulu, done de sala de boie que ca tava gostá de storia, ma Dantas pliça e Rite que bem log ta corré, recuperá quel terçado ma sê bonê e ta procurá calma jogue. Tude gente ta procurá sabê du que tinha passode qu’orquesta parode, quê Lulu mandá log pará c’museca.

Sô Mari Puldina, na sê delire de ciúmes é que tava pra lá ta desbaratá ta pô quel cuitadinha de Quitéria, du que Juda ca pô Criste. Lulu, log mandal pa calá boca quê ela ca tinha razon.

Enton Rite pliça, fazê du qu’el ca divia ter fete, el bem ta tchegá perte de Quitéria, que tinha el blide na cabeça quel note, diante de Mari Puldina. Mari Puldina ote vez num crise de raiba torná saltá pa bá agredi Quite, ma Rite metê na mei e ca dexá Mari Puldina nem tchegá na Quitéria. Enton, Quite vrá dzê pa Mari Puldina:

- Oh mnina quaz bô ta doida! Apôs, mi ma esse moce n’ê nada!

Mari Puldina, sempre vassalada e cega de ciúmes, quê ela na sê sentimente d’amdjer tinha cumprindide dritim du que tinha passode entre a quês dôs criatura la naquel sala de boie naquel note.

Enton, um bocode desconsolada, chei de dúveda, ela vrá pa Quitéria, el dzel:

- Ah, bsote n’é nada?!. Enton tmá cuidode quê Rite é quê NHA PLIÇA FAZE’M JUSTIÇA! E, Quite, pa ca fecá por boche na sê orgui d’amdjer, vrá dal sê resposta diante de tude gente:

- Ah, BÔ TEM BÔ PLIÇA FAZE’B JUSTIÇA?!... AIAI JA’M TEM TAMBÉM!!! Enton, Rite sem gaguejá, betá Quite mon, el sei ta bai tude bajofe que sê grande cunquista daquel note.

Sr.Bitú (unha de piriquite) tocador, que tava lá ta sisti tude quel stora, betá mon na sê bantche, cumpanhode pa Marcel de Canalim na cavaquim e tude sês cumpanher, log quel hora mesme ês vrá quel stora um museca que durante tcheu tempe fazê felicidade de tude sala de boie de MINDELO, na ritme daquel coladera:

M’ TEM NHA PLIÇA... FAZE’M JUSTIÇA... AIAI M’ TEM TAMBÉM!!!

Zizim Figuera ( José Figueira,junior)

V O L T A R


Comentário:

Carissimo Amigo Zizim, Mais uma linda e interessante estória da vida mindelense, saída da tua pena sábia. Estamos contigo nesa luta contra a doença. Animo, força e fé em Deus até ela ser vencida. Abraços Manuela

Manuela Barros            m3barros@aol.com


Comentário:

Zizim, Muito bom dia! Que vais recuperando o melhor e mais rápido possível são sempre os meus votos sinceros e sentidos. Desta vez, e realmente esta é a minha sturinha preferida. E tambem quero um policia só para mim ahahahah  PA FAZE'M JUSTIÇA! Beijinhos Bitina

Albertina Lima Ramos          mnininhadesoncente@verizon.com


Comentário:

Dear Zizim, Nada melhor para um despertar de dia que uma boa estória de narrativa bem Mindelense-São Vicentina como esta, onde o descriptivo está uma maravilha relembrando minuciosamente os bons tempos da Loja de Serra do saudoso Sr.Tchitcha amigo dos nossos também falecidos pais. Espectacular o primeiro baile de Cavalinha Branca lá na Tubarão e a Qutéria no seu vestidinho branco florido d'organdi, que linda lembrança, uma maravilha que até me senti dentro deste ambiente durante todo o desenrolar da estória. Bravo Zizim e a nossa malta cá de Sidney fez um ao Zizim: Hiphiphip Hurráaa! Merecido claro está. Porque graças a ti não nos sentimos nunca sós nesta diáspora longínqua. Um forte abraço de todos. Terencio

Terencio Lopes         terencio.lopes@yahoo.com.au


Comentário:

OLÀ BRUDINHA,QUE ESTEJAS RECUPERANDO BEM,SÃO DESEJOS SINCEROS MEUS. ACABO AGORA MESMO DE LER ESSAA ESTÓRIA QUE ESTÁ UMA MARAVILHA BEM MINDELENSES E JÁ ESTÁ ENDEREÇADA AO RITE, QUE VIVE NA AMÉRICA. VAI SER UMA SURPRESA AGRADÁVEL PARA O AMIGO RITE. UM BOM FIM DE SEMANA. UM ABRAÇÃO DO BRODA RUITUDA SUCRINHA

Rui Pereira Vaz Fonseca           ruituda@hotmail.com


Comentário:

Oi Mano, Não cheguei a saber da tua recaída mas faço votos que tudo continue a correr pelo melhor e que a moral esteja sempre para cima. Obrigada pelas sturinhas que leio sempre embora por vezes não faça comentários. Gostei muito pois como sempre fazem-nos recuar no tempo e lembrar de personagens que fizeram parte da nossa vida. Bom Domingo e muita força. Um abração Annie

Annie Mascarenhas               ancal@netcabo.pt


Comentário:

Querido Zizim, M'ta na Florida ma tcheu cab-verdianos que ta conchebe desde de Soncente e pamode bôs storia que ta dás mute ligria de viver prei na fim de semana."Tó" Faria (*1956) criá um site di genealogia sobre familias di Djabraba que ti ta bai saí na internet brevemente. Faria, Azevedo, Martins, Balla etc. Também m lê um livre de Pedro Martins tchmode: The Testimony of a Freedom Fighter. Esse livre foi publicode ena 2009 em tercera ediçon. Tude gente ti ta esperá c'impaciença bô Livre prei. Já ê tempo! Graças a bô storia sobre ERNESTNA na nôs site nô pol titulo " ERNESTINA ta camba na sul" Beijinhos Traudi

Traudi Coli                      tcoli@yahoo.com


Comentário:

Zizim, meu velho um abraço, Só agora soube do teu caso. Em tempos fiz-te a pergunta sobre o tua saúde, mas sem resposta. Ponha a amizade em primeiro lugar e mesmo que a nossa saúde fosse de 100% há sempre o cuidado de saber dos que se considera "amigo". O tempo, as circunstancias e os designios da vida nos afastam, mas como dos velhos tempos, já somos tão poucos não nos podemos afastar. Espero que estejas bem recuperado e sei que não desanimas, luta meu velho. A vida em si já é uma luta... Eu continuo na luta das 73 primaveras, pressão, glicose alta, toco inchado, pulmões um pouco afetados, tudo por causa do "Cirilo" que nos bons tempos ia vendendo em frente à porta do "Eden Park" aquele velho cigarrinho. Deixei de fumar - 13 anos e os pulmões resolveram dar o grito. Sai uma bombada e a coisa melhora mais uns comprimidecos. Hoje sou capaz de me afogar num copo de água. Não tenho chamado ninguém pelo skype pois não há resposta. Gostei imenso ecomo sempre desta maravilhosa estória. Um velho e forte abraço para ti e teus famíliares, mantenha pâ genti di nôs térra. Tony

Tony Avelino                   aavelino@yahoo.com.br


Comentário:

Nha Broda Zizim de Ti Djô Figuera, Esse é quê daquês Sturinha de bossa cum ta tchmás ê "um pápa c'lete". Um sturinha sabim sô de gente sabim num sala de boie que ja'm ca tava nem ta lembrá. Bô ê sempre TOP e bô ca ta cabá de espata'm que bô repertórie.Melhoras. E c'mute amizae uli um braçona tamonhe de Munde ta bai de nôs tude. Liz Cabel

Liz Cabel                    lizcabel@yahoo.com.br


Comentário:

Eu e mãe gostamos tanto dessa Storia que ja lemos hoje varias vezes cá entre nós e logo vai ser com toda a nossa malta amiga ali na casa da nossa amiga Tchutcha onde vai haver uma "Catchupada" e muita união entre nós cabo-verdianos de todas as nossas Ilhas num espirito de muita solidariedade. Obrigado Sr Zizim por nos manter unido nesta diáspora. Abs Suelly

Suelly Fonseca                suellyfonseca@gmail.com


Comentário:

Dear brother Zizim, Como sempre siderante com tuas magnificas crónicas repleta de lembranças que foste buscar no mais recondito daquele Soncente de outrora. A leitura foi um regalo e todos gostaram. Melhoras e um forta abraço nosso Yo

Yolanda Dias                    yoldias@aol.com


Comentário:

Zizim, Não vou procurar uma linguagem bastante académica para coroar de um excelente comentário essa tua estória. Pois ela em si na sua total simplicidade de linguagem já é académica dado á maneira como tens te dirigido ao teu/nosso povo. Sinceramente me senti transportado naquele mundo são-vicentino de outrora que não tive o privilégio de conhecer. Mas graças a ti e ao meu sangue de crioula tenho-me compenetrado pouco a pouca neste mundo bem nosso. Esta crónica está uma maravilha das maravilhas bem elaborada num estilo verdadeiramente Jorge Amado. Parabens e força para contuares. Até para a semana. Um beijinho carinhos da Gilda

Gilda Barbosa Leite                  gildabarbosleite@gmail.com


Comentário:

Amigo Z.Figueira, Sou natural de Coqueli Santo Antão mas vivo em Luxemburgo. Todos os fins de semana leio com grande empenho e admiração as tuas magníficas crónicas já bastante conhecidas de todos os caboverdianos tanto no país como na Diáspora. Fiz Liceu em S.Vicente nossa Ilha irmã de onde guardo boas recordações. As tuas estórias em geral e essa em especial me fez fundir com um prazer enorme naquela vida "sabim de Soncente" de outrora. Ela está muito bem relatada no teu habitual estilo inconfundível onde fazes reviver não só aquela sociedade como todos aqueles personagens que sempre fizeram e farão parte da nossa existência. O teu crioulo está deveras muit castiço e sinceramente acho que podes e deves continuar para o bem da nossa língua. Pois o teu contributo na variante de Soncente tem sido bastante consequente e fortemente apreciável. Já ê tempo te quebrarmos todos os taboos e passarmos a uma outra velocidade onde que em cada Ilha já deve ter uma figura representativa da sua própria escrita como tens feito. Guardo esperanças. Obrigado por mais esta crónica que nos encheu a todos aí reunidos. Bem hajas! Um fraterno abraço Leonel

Leonel Oliveira                        leoliveira@hotmail.com

V O L T A R