PRAÇA ESTRELA – UM PREDRADA NA CORAÇON DE POVE DE SONCENTE

Praça Estrela, lugar de passaja de festa, naquês tarde de glória, ora de Club Mindlense, ora de Club Derby, quês dôs Club más popular de Soncente na época, ta bem cumpanhode de Compe de Jogue c’sês “Taça” e tude quel pove d’seus ta bem ta corrê ta gritá ta rumá ô pa Sociedade Figuera ba festejá quel vitória ma ijgador que tava bai tmá quel bonhe de chuver depôs de jogue

Já moda quel grande filósefe chinês por nome de Confúcio ô Konfuzi (d’ones 551- 479 antes de Jesus Criste) tchegá de dzê: - Se bô querê prevê bô futur, estudá primer bô passode.

Assim, ulim li ta trazê bsote más um vez, presença dum daquês “Praça” que sê importância na mei de tonte otes na Soncente, ê sem rival nem igual, por el ter side palc de mil e um façanha sportive (football, cricket naquês tempe de bombrei (boundary) de Nhô Fula, etc.), dês de tempe que tava tchmode el Salina tê el vrá Praça Estrela, quel escola de vida de quaz nôs tude d’Ilha de Monte Cara.

E cma recordá ê vivê, pa lembrança de quem qu’inda otchás e otes que ca sabê, uli nome d’alguns praça de nôs terra pa recordaçon: - Praça Estrela, Praça Dator Regala, Pracinha de Liceu, Pracinha d’Igreja, Praça D.Luiz, Pracinha de Quiosque ô Siminhas, Esplanada ô Praça dos Aviadores, Praça Datora Maria Francisca e Praça Nova.

Ma hoje li ti ta bem falode ê sô de Praça Estrela um “praça” mute particular, mode tonte cosa qu’através d’ones sempre el vivê e tem sofride dês depôs de nôs independência, tê dia d’hoje, moda na espece dum vingança bem forte que ta custá gente comprendê o porquê, e que ta doê nem um pedrada na más profunde de coraçon de pove de Soncente.

PRAÇA ESTRELA,

Situode na parte Sul de Mindelo, era quel ponte d’incontre d’alvicera de terra e de passája de tude quel pove trabaidor (estivador, remador, pescador, merguiador, barber, pader, ingraxador, ijgador de cricket ma football etc.) dia e note ta bai ta bem, ta fazê quel break deboxe daquel espinhera perte de antigue Club Sportiv Mindlense pa descontraí um bocode antes de bai pa casa, depôs dum dia cansode de traboi naquel linha directa de Cais d’Alfândega e mei de Baía de Porte Grande.

Rudiode na Norte pa tude quês buetquim ma loja, ta cumeçá la naquel ponta que ta dá pa rua de Côque, butequim de Bente, Loja de Nhô Sarofe, Nhô Binisse, Nhô Jon de Guida, Sr.Belmire, Nhô Morgode, butequim de Nha Chica de Manel, ma madrinha Laura de Gaspar, Loja de Nhô Toi Ferreira ma Nhô Palmirin e Ti José Semede.

Na Leste era quel paredon de Corte de Tennis de Mindelo, Oeste quel antigue Pavilhon de Mindlense (oferecide pa John Miller ma que depôs foi tmode pa ser Estaçon de Pliça) e na Sul era quel butequim de cmade Gêgê, Quintalona e tude quês moradia linhode, ta passá pa rua de de Muralha ô Escadinha, Craca, rua de Morguin, tê passá rojode naquel parede de Milers & Corys ta dexi pa mar.

Praça Estrela era dum beleza que ca mistia maquilhagem, porque el era moda um mnininha de Soncente que tude sês predicode e sujeite que Deus dal, bem amode de tude sê pove e sem manha. Que sês dôs canter de más ô menes 100 (cem) metre quadrode cada um, separode na mei p’um passaja ondê que corre ca tinha direite de passá.

Na banda Leste, era quel primer canter c’sê corete de múseca rudiode de sês cantirim de flor, ta dominá metade de Praça c’tude quel renca de bonque de cemente lode de Corte de Tenis Mindelo, qu’era refuge de tude quês fidje de pobreza, mobilia de lugar, moda nôs Grile (Vicência), Djudjinha de Craca, Mnine Pirú, Femá bô Dexam, Lira Pê Grande Pê Piquene, Ti Fei, Nhô Pon, Nha Carolina Doida e tontes otes que ca tinha dondê bai durmi.

Daquel ote banda Oeste, era quel sigunde canter c’sê Grande Obelisque de Granite Prete (que desaparcê, foi quebrode e ninguém tê hoje ca sabê p’ondê quel bai) que d’olte de sê bleza e postura tava dominá Praça Estrela na tude sê extenson.

 

Foto Team de Cricketman's de Mindelo na Soncente CAB VERD (ones 30 / 50)
Grande Obelisque que moda num espece d’arloje solar tava bai ta girá, ta sirvi de sombra pa tude criston (menes pa mei-dia, hora de zénite ô minguadas) que tava bai bescá um csinha de friscura deboxe del.

C’tude sês cantirim na forma d’estrela, plantode daquês flor marel, incarnode moda uns patinha e quês bónc tude polide cor da rosa vive ondê c’aquês “bónc de Nhô Pitra ma bónc de sone”de mil e um reunion de pove e de mil e um storia pa contá, tava distingui na mei de tude quês ote, um, la perte daquel “espinhera” deboxe de Mindlense, ote, la perte de Sindicate Maritme dum vez.

C’sê calcetamente, um verdader obra d’arte, fete pa pedrer de terra c’aquês pidrinha de mar, prete tude rudundin e pedra clore, c’tchon tude decorode na forma d’estrela. Praça Estrela tinha sê guarda que tava cuidá del, ma pove também sempre ninal e consciente ô inconscientemente tava cuidá del ma sês planta, cada um sê bocadim.

Basta madrinha Laura ma Nha Chica três em três dia tava regá quel “espinhera” perte de Club Mindlense e tava muntá guarda pa ninguém ca xixiba na el nem betá porcaria dentre de sê canter que pudia estragal. Mi, quonde m’intendê nha nome quel espinhera já tava dode arve bem olte diasá que sês folha sempre verde chei de espin de vez inquante que sês flurzinha marel rudundim que tude gente tava otchá benite.

Era naquel tempe de coexistença pacifica de tmá bençon, em que tinha mnine busode ma não malcriode. Naquel tempe de paz e solidariedade, em que pove de Soncente deboxe de tude sê pobreza ma sempre chei de “Morabeza”, era capaz de partilhá ma vezin, amigues e tê ma gente quês ca tava conchê, tude o quês tinha, de coraçon limpe.

Praça Estrela, lugar de passaja de festa, naquês tarde de glória, ora de Club Mindlense, ora de Club Derby, quês dôs Club más popular de Soncente na época, ta bem cumpanhode de Compe de Jogue c’sês “Taça” e tude quel pove d’seus ta bem ta corrê ta gritá ta rumá ô pa Sociedade Figuera ba festejá quel vitória ma ijgador que tava bai tmá quel bonhe de chuver depôs de jogue. Mesma cosa ta contecê na direçon de Sede de Club Sportiv Derby de Tiu Afonse de Pedre Antonha ma Quirine quonde tava tchegás sês vez de ganhá.

Benzide também, na tempe de Carnaval assim cma pa festa de San Jon, pa Capote, Dô-di-dô e otes grupe popular, na abertura de cada festa de tude quês one qu’um tem na mimória, que tava bem fazê quel passaja moda pa marcá ponte junte de pove.

Na tempe de capitão Mota Carme (ones 40) admistrador de tempe colonial, Salina vrá Praça Estrela e bem parcê Compe de Jogue (Stadium da Fontinha) lá pa lode d’antigue Fontinha e Tchã de Cricket la pa lode de Tchã d’Licrim, o que descentralizá em grande tude quel grande movimente d’antigue Salina. Cosa que pove de Soncente levá tcheu tempe pa custumá.

Moda ta dzide, depôs de temporal ta bem bonança, enton, lá pove ba ta custumá tê Praça Estrela incontrá sê ritme de tude dia sempre chei de gente dia e note non stop ta bai ta bem, c’aquês reunion bem especial daquês segunda-fera plumanhã, pa ba uvi ma grande falá daquês façanha de jogue de dia dmingue na Compe de Jogue, d’estreia de filme de fim-de-semana na Éden Park ô otes contecimente que tivesse passode de vespera na tude nôs Ilha de Soncente Cab Verd.

Era um praça sabe, ondê que ca tava cabá storia ma partida e tude pobreza tava incontrá quel bocadim de felicidade que sorte tava permitis d’otchá na mei daquês gargalhada de marfim, quonde plumanhã log cede um Lira Pê du Tchumbe tava bem ta tchegá que sê espece de gaita (raivose antes de tmá quel primer gruguinha de dia) pesadom que sês pê intchode de lifantiase, ta bescá tude gente guerra ta dzê gente: - Choose... choose... What you want? Left or Right?!

Ma sempre tava parcê um criston que tava ba pagal sê gruguinha, pal trá quel espece, log el tava calmá. E assim era quel vida de tude dia, d’alvicera, glória, ligria, margura ma sabura prop de vida de tude dia de nôs pove moda na espece dum teatre colective ondê que tude gente era actor ma actriz.

Tempe bai ta passá, depôs araja fresc bem ta sopra na vente tê tchegá na nôs Arquipelgue de Cab Verd cosa qu’era natural na mei de tude quês Movimente de Libertaçon d’África. Tê que bem nôs Independência na 5 de Julhe de 1975 cosa d’orgulhe de tude bom patriota Cab-Verdiane.

Moda pa tude banda desse Munde que nô ta vivê, tive quem que fecá contente e otes não, otes ceital ma fecá desiludide c’manera d’agi de governe que bodzê esquecê qu’otes Ilha também ê Cab Verd. E nô ti ta bem dexal tê li quê tude gente sabê.

Enton, quel vingança moda um pedrada na coraçon de pove de Soncente, bem caí justamente derriba de Praça Estrela, alma e coraçon de pove de Mindelo o que dexá pove de Soncente, já naquel tempe, convincide cma foi dode orda pa cabá quel.

Basta primer atitude negative que foi fete contra Praça Estrela foi sob orda dum delegado de governe por nome de Aquiles Fontes que mandá cercal, mural e fecthal. Um acte de prepotença que revoltá pove de Soncente e fazês juntá tê quês betal fora de CMSV.

Ma cuitada de nôs Praça Estrela, certe quel foi resgatode e saide daquel marasme, c’ajuda de nôs tude ta fazê festa na estranger pa recolhê denher que foi mandode pa ijdá CMSV (recibe gordode).

Ma, dá Cesar o quê de Cesar e Deus o quê de Deus! E quem de direite, tem que dá mon a palmatória quonde ta fete cosa mariode, quê sô assim ê que gente podê evolui. Certe que Praça Estrela foi resgatode de mon de quem queris matal, quê assim era maior vingança que podia ter side fete contra pove de Soncente, porquê?! Nem ninguém sabê! Ma el ta n’ar de tempe pamode quês razon que sô razon podê explicá.

Simplesmente, bastava dexá Praça Estrela c’tude sê bleza que jal tinha e somente restaural bem restaurode pal fecaba cum cara más bnite do c’aquel quel tem agora, quê daquel manera quel ta lá já bô ca t’oiá quel pove de Soncente derriba del moda um vez, ta expressá c’tude sê ligria sês alvicera ma problema de tude dia moda um vez.

Tristesse, tristesse.... Quonde m’ta tchegá na nha terra ê sempre nha primer pergrinaçon qu’um ta fazê pa ba matá sodade, ma finalmente pa primer vez qu’um oiá Praça Estrela assim tude massacrode na sê arquitetura, sem quel Grande Obelisque prete simbole de força de pove, m’ca tive senon sende que nhas lágrima pam tchorá e depôs fectchá oie uns segunde, pam senti quel bruá... bruá... bem longe na tempe e na espace moda espece dum ligria trançode dum lamúria de tude quês Alma de Deus que dexá nome e tchegá conchê quel Praça Estrela de nôs tude.

Inquante nô tiver vida, nô ta gordá sempre quel esperança, d’um dia parcê um criston de Deus amigue de sê terra Soncente que ta propô de fazê quel Praça Estrela dum vez, renascê moda “Phoenix” tude bnite de sês cinza.

Zizim Figuera (José Figueira,junior)

V O L T A R


Comentário:

Caro primo, conheci Praça Estrela no tempo de Socol e daqueles bons jogos de cricket. Recordo com muitas saudades, aqueles bombreis (boudary) de Nhô Fula, a calma de Ti Djô Figuera ta guenta time, e o bolar certeiro de Jonas e Tchutche de Noba. A Salina funcionou como escola de desportistas de todo o género. Podiam tê-la dotado de algumas melhoria sem prejudicar a sua vocação. Tenho um fotografia muito antiga de um jogo na Salina. Quando o meu pai, equipado a preceito, saia de casa com o seu taque, eu, com uns nove anos era encarregado de o levar. Era o meu orgulho. Lembro-me bem do refrees, senhor Filhito e senhor Martins, pai de Albertino. Com que respeito,os jogadores acatavam a sentença quando os wiquetes saltavam, ou os caps catchiam as bolas. A tua estorinha veio trazer-me um rol de lembranças. Aquele abraço Gui

Aguinaldo Wahnon            guiwahnon@gmail.com


Comentário:

Excelnte estória de uma época revoluta.Vejam lá, meus caros, quem é que reconhecem. Ainda me lembro de ir a Chã de Cricket ver o Damatinha e o Lela de Raúl. Nesta foto consigo identificar o prof. Antero Barros e Djô Figuera. Parabens e obrigado Zizim. Abraçoo AS

Arsenio de Pina             arseniopina@hotmail.com


Comentário:

Zizim, belissima foto !! reconheci muita gente. Pena que meu pai, um campeão de cricket não estar lá. E deves ter notado, meu pai não está em nenhuma foto antiga. ele não gostava de ser fotografado. Pena, porque ele contribui muito para Cabo Verde, e foi um pioneiro em falar da Independência do nosso país. Não sei como ele nunca foi parar á cadeia, não tinha papas na lingua para dizer o que pensava. Mas ganhou respeito até dos politicos portugueses que trabalhavam em Cabo Verde. Nha amigue de coraçoon,,,, m ta cansode, e que sone. Boa noite, bijim bem GRANDE Ju

Judith Wahnon                 juwahnon@aol.com


Comentário:

Caro Primo, De uma leitura rápida, a tua crónica está bem boa e na esteira daquilo que sempre nos tens habituado. Força e continuação do bom trabalho em prol da história do nosso querido Soncente. Aquele abraço e mantenha pa tud quem perguntá pa mim. Teu primo, Manuel Silva

Manuel Silva               silvamanuel@hotmail.com


Comentário:

Meu bom amigo. Obrigada por mais estes momentos agradáveis, pois, de contrário, a memória colectiva ficaria comprometida. Muita saúde e boa disposição sempre. Aquele abraço meu e do Mário DU

Deolinda Camões            ducamoes@hotmail.com


Comentário:

Z.Figueira aquele abraço, e votos de bem estar com saúde. É sempre um grande prazer ler as estórias de São Vicente e relembrar um pouco a nossa terra. É mesmo maravilhoso todo esse trabalho que tens feito escrevendo a história da nossa terra. Um grande abraço do amigo Álvaro Benrós

Alvaro Benrós               albenros@hotmail.com


Comentário:

Amigo Z.Figueira. Li paultinamente esta tua crónica saboreando passo a passo todos os recantos do sentimento o mais recôndito e profundo de revolta que nela pudeste exprimir sobre a Praça Estrela e sua tranformação, coisa que concordo e partilho plenamente. Aquela bem-dita Praça Estrela que conheci e frequentei quando fui de Santiago (Pedra Badejo) para estudar em S.Vicente onde vivi suficientemente para poder testemunhar junto a ti de todas essas estórias que tens sabido gerir com maestria. Certo que já não conheci Salina, mas ouvia falar sempre em grande pelos mais velhos como Nhô Pitra das façanhas majestosas elaboradas pelos os nossos atletas conterraneos em todas as modalidades desportivas, sobretudo futebol e cricket Gostei imenso do texto e também da excelente foto acompanhadora. Que venham mais dessas para enriqucer o meu arquivo onde tenho colhido todas a tuas estórias com grande satisfação e um cert orgulho por ti, por teres sabido retratar lindamente o teu povo da Ilha de São Vicente. Rijo abraço e parabens. Gil que bem conheci.

Gil Semedo             gilsemedo17@gmail.com


Comentário:

Esta stória cala-me fundo porque tenho um grande apreço pela Praça Estrela. Não por aquilo em que ela se transformou, mas por aquilo que foi: uma linda e exótica praça. É, portanto, louvável que se faça o historial da Praça Estrela. obrigado, Zizim

Adriano Miranda Lima 

Comentário:

Z.Figueira, Na qualidade de boa cabo-verdiana que estimo ser. Não podia ficar insensível e indiferente perante este "chez d'oeuvre" de estória escrita num excelente crioulo que merece ser tomado como base e estudado para uma "mise en forme" da nossa língua escrita por gente competente na matéria linguistica. Acho que esta crónica que está muito bem elaborada e cujo o conteúdo acabo de me aperceber, muito me sensiblizou, eu que não vivi nesta área de S.Vicente. Pois pelos vistos a Praça Estrela proletária e popular era a contraditória da Praça Nova. Sabia pelo meu tio Simão que Praça Estrela também fora anteriormente Salina de onde nasceram grande parte dos melhores atletas da nossa Ilha. Meu caro posso dizer-te que também sou contra a destruição de tudo o que é património nacional que pode-se e deve-se melhorar mas sempre conservando as suas caracteristicas iniciais. Parabens e um abração Gilda

Gilda Barbosa Leite                gildableite@gmail.com


Comentário:

Bravo Zizim! Por teres trazido este tema á superficie.Também eu fiquei desiludida da forma como a nossa Praça Estrela foi massacrada. Aquilo já nem é Praça Estrela. Procedemos á habitual leitura associativa com muita emoção e montanhas de perguntas que como sempre explicadas pelos mais velhos. Esperemso que um dia a Praça Estrela encontre de novo a sua linda cara de outrora. Saúde e muita força sempre estamos juntos. Um abraço da Yo

Yolanda Dias               yoldias@aol.com


Comentário:

My big brother Zizim de Ti Djô Figuera, M'gostá tcheu de más esse storia que ta fazê parte de tude nôs vida desde de mnine. Quel foto ta prop nice e m reconhecê quaz tude quel pessoal. Saude e boa semana pa bô ma familia. Quel braça Lili

Larry de Pina               LPINA1@tampabay.rr.com


Comentário:

Zizim, Enviei um primeiro comentário mas não passou, agora aí vai este segundo que espero passe. Só para te dizer que hoje foi um dia de muita emoção durante a leitura da tua/nossa crónica domingueira que nos tocou a todos no mais profundo do nosso coração. Eramos uns trinta á volta de um arroz com atum (atum de lata de Cabo Verde-o melhor do mund). Pois somos da geração Praça Estrela onde todos nos sentiamos felizes apesar da nossa pobreza. Era no tempo da boa solidariedade em que nunca se morria de fome porque sabiamos partilhar o pouco que tinhamos.Tambem fiquei decepcionado há dois anos atrás quando vi a maneira como arrebentaram com a nossa Praça Estrela. Na foto de cricket que está sublime, reconheci a maioria dos nossos bons jogadores de cricket.Todos soubemos apreciar a storia e fizemos um brinde á tua honra, tu Zizim homem de cultura da nossa terra São Vicente a quem a pobreza de outrora te deve toda honra. Bem hajas. Fraterno abraço de todos Terencio

Terencio Lopes             terenciolopes@gmail.com


Comentário:

Zé, A tua crónica está sublime pelo que venho cá te parabenizar. Ao mesmo tempo te digo que partilho integralmente do mesmo sentimento como todo o bom Mindelense-São Viventino. Linda a foto de cricket onde reconheci muita gente e me veio á memoria montanhas de recordações dos tempos de Tchã de Cricket. Realmente foi opena terem dado cabo da Praça Estrela dos nossos afectos. Parabens por tudo e em especial pelo conteudo da estória e pela escrita. Abs Carlos


Carlos Dario Almeida              cdarioalmeida@hotmail.it


Comentário:

Um texto sentide e magoôde dum mindelense que perdé sé Praça, ma sempre na esperança de sé renascimente. BRAÇA, Zizim!

Maria Margarida Fragoso               maguyalfama@gmail.com


Comentário:

Caro irmao das comunidades; esta fotografia, traduz por ela mesma, toda esta estoria. Velhos e ricos tempos, Na verdade, como dizes, foi uma pedrada, no coraçao ,do povo de Sao Vicente. A salina foi o campo de grandes partidas de kricket e, de futebol. Lembro-me perfeitamente, da Sede do Club Castilho, mesmo na esquina da entrada da rua de Morguino o Pavilhao, Sede do (nosso) Mindelense, mesmo ao lado nao esquecendo também, das grandes paradas de Socol. Na verdade, podemos dizer que a Salina, foi o nosso espaço Olympico dos anos 30/ 40 e que se nao me engano foi nesse tempo, é que Cabo Verde, deu o seu primeiro futebolista, para um club português, na pessoa do Adérito Sena, para Boavista do Porto. Espero que ainda se encontra nas paredes da sede do Club a sua legendària fotografia. Aquele especial obrigado, para mais uma bela estoria. Um Criol na Frânça !.Morgadinho !...

Joaquim ALMEIDA           soalmeida@free.fr

V O L T A R