DESILUSON DE TUTCHIM DE NH’ANTONHA GUIMAR

Naquel madrugada de cinque de Junhe de mil novecentes e troca o passo, moda Tutchim tava usá dzê, nô tinha side cuvedode p’um matança de tchuque, tude na seguimente daquel ritual de custume de coçada el na barriga pal podia detá, mitida el quel grunzin d’oie na polpa pal ca gritá na hora de dal quel rabencada de pau na cabeça pa depôs ês podia sangral, lá naquel olte de Toi de Forre na Rebera Bote, na casa de Tite de Nhô Poce, irmon de Brumedje.

Num ambiente prop sabim, nimode p’um juguinha de bisca, perdida tchurice de sangue c’vin ô enton, grogue c’bafa de tchoresque fete quel hora mesme pa nôs famosa amiga Rosara de Nhô Estudante (Deus dal céu). E, assim quel bisca que tive prop rinhide, pude durá tê dia dmingue plumanhãzinha, hora que nôs tude resolvê saí da lá pa basse pa nôs casa.

Ma, cma segunda-fera era feriode e ninguém ca tava c’sone, Tutchim de Nh’Antonha Guimar (vulgue Totche) amigue e vezim de Tite de Nhô Poce, que tinha estode ta cumpanhá quel muvimente de nossa de longe, da lá de sê casa, resolvê cuvedo’n pa nô basse cuntinuá quel festa lá na el.

Enton, sei log um direta e assim nôs tude desabá lá pa Totche, ondê que também tava custumá tem quês jogue de bisca ma uri, nunca pirdida denher, ma sim ganhada costeleta de tchuque passode na farinha de pon, especialidade de Liza sê amdjer, ma sê prima Deana, irmã de Jon Batata Cru, grande ijgador de footeball daquel boa época de Clube Spotiv Derby.

Pa cumpanhaba tude ês cmidinha sabe na boca de manhente, tinha sempre quel bocal de malagueta de pardal preparode pa Dona de Casa, que tava fazê ligria de tude gente, ma também psú bic de criston na hora d’usal c’tude quês ingrediente prop sabe que gente tava bá ta cmê sem piá na mei dum sabura infrontode.

Totche, mnine cunchide de pove, home de força, estivador lá fora na mei de Baía de Porto Grande, de borde de paquete ô qualquer ote vapor de carga que parceba pa descarregá, sempre escativá sê vida d’amdjor manera possivel, pel ma sê santa amdjer Liza pudesse ba ta criá quel monzada de fidje que Deus dás, deboxe de sês pobreza ma sempre c’dignidade e respeite.

Recode já tinha tchegode na nôs, enton nôs ta passá na pê de sê porta quel hora de madrugada. Jal tava cordode diasá, ta goito’n saí da lá de Tite, log el bá ta done fala, mando’n entrá e bá ta longo’n quel bom gruguim pa nô basse ta trá espece e ba ta lamentá ca ter pudide estode ma nôs lá na Tite, mode bescá vida. Totche, cumpanher finote, tava sei na paródia, tmá sê cóc valente, ma nunca tava ranjá stora, assim na respeite, tude gente era amigue del ma sê família.

Enton lá ê que loreta bem sentá pele, quê pa camin, nô incontrá sê cumpade Muchim de Monte c’sê rabeca, cumpanhode pa quel bom violão de Lilinha de Nha Marê Remis, bantche de Marcel de canalim de Nh’Anton Djudjim ma quel cavaquin de Bitú (Unha de Piriquite) e tude sês cumpanher que tava ta sei dum boie lá perte, enton, Totche proveitá log de cuvedás pa nimá lugar.

Basta, foi mm surpresa tão sabim tê que sone feji’n log d’oie, dá no fecá! Tite cumeçá c’sês ciúme, ta dze’n cma sel sabia festa podia ter cuntinuode lá na el. Ma Totche, bom diplomata, pa calmá jogue log dal fala pel besse ter de nôs e assim foi, quê ês dôs era grande amigue e bons vezim e, pa nada desse munde, nem um nem ote, tava na disposiçon de perdê quel mizade dum data d’one de convivença.

Pa nôs malta, cma era sóbede ta manchê pa dia demingue, inda más que segunda era feriode, ca tinha razon pa nô ca fecaba naquel ambiente, que tava ta parcê’n bá vrá prope sabim. E cabá, demingue manchê cum Sol quente, tempe paradim sem vente, cum calor de ratchá, basta tê quês ropa de traboi de Totche, que Liza tinha lavode de note, betode na corda, já tava séc.

C’aquel quintura, era malta espaiode pa tude banda, uns sentode na estera, na rua, naquel sombra d’eiton de casa, otes dentre de casa, tude cool, tude nice, c’ocupaçon que ca tava ta falto’n naquel jogue d’uri ma bisca, na mei daquel tocatina guentode baxim, sabim, pa Muchim de Monte e sê malta.

Basta pove, na son daquel melodia “bôs ôdju di uva maduro... estrela di céu na bo rosto”, morna TANHA, escrite p’Armande Leite de captania na múseca de nôs grande B.Leza, espnicadim na rabeca naquel raiar de Sol, cumeçá ta bem ta juntá, c’Totche ma Liza tude feliz somode na sês porta de casa.

Pa completá imbiente, quel one lassim tinha dode tchuva drete, tê c’aquel Rebera que tava separá Rebera Bote de Monte Sussegue tava tude virdim, tê pove butzal c’nome de Rebera de Paúl.

Enton, tcheu mnine na lugar ma quês fîdje de Liza ma Tutchim tinha estode, já uns dia lorgue, lá pa Rebera ta panhá quês caranguejona brónc de terra (Cicle de Carangueje), cmedor de petim de galinha, que tava custumá parcê sempre lá pa trás de Compe de Jogue, na tempe das’água. Quês carangueje ca tinha tempe de descansá, quê quaz tude gente vrá ta bá catás na Rebera, pa depôs pôs num baloie de carrice c’tampa (uns vinte) ondê quês tava fecá uns dia. Passode quês dia, cma carangueje mas forte, c’fome, tava cabá pa cmê tude quês ote, enton na baloie tava fecá um sô caranguejona, que pove tava cmê pa bafa, passode na brasa.

Dia cumeçá ta fecá olte, enton cada um dá sê truquim, log Totche mandá Liza ba fazê compra na Rebera de Paúl lá perte que, pela graça de Deus, já tinha midje verde de tchuva que dá quel one, pa ela pudesse ba prepará quel bom midje ingron, quê Liza dvera era amdjer de sê bom mon de panela.

Tempe que Liza tava prepará quel bom cmida, tude malta já dexí pa Rebera, ondê que sei logue quês juguinha de custume:

- Rudiada pau, gole a gole betada bola pa diante ma balizinha, pa home, jogue de ringue p’amdjer, etc, etc. Num ambiente prop nimode que tê gente que n’era de malta que parceba pra lá, tava ta temá parte naquel divertimente prop calorente, de gente de bom coraçon, plu menes naquel tempe coexistença pacifica, ondê que tava cmê um tava cmê dez.

Depôs dum bom bocode de tempe passode na Rebera ta ijgá, suode e cansode, na mei daquel calor, Liza ma sê prima Deana somá na porta, ês dá gente quel bom grite de:

- Ó, nhas subrin, bsote bem quê quel CHÁ já ta pronte!

Nôs tude sabia cma n’era CHÁ ma sim quel bom midje ingron que tava lá ta esperone. Ês tava custumá dzê assim sô p’evitaba mute boca naquel cmida, quê senon el tava sei de póc! Ma, smeme assim, sempre nô tava parti nôs parte de cmida ma tude aquel que tchegasse de perte.

Naquel muvimente, gente ca tinha tempe d’infadá quê era cada um c’sê prote, que Liza de cumpade Tutchim de Nh’Antonha Guimar tava ba ta longo’n, tê qu’as vez n’era cmida que tava sei de póc, ma sim gente ê qu’era tcheu. Ma, quel malta, fixe moda era, ca tava dexá ninguém, sobretude mnine c’gente bedje, esfrençode.

Quonde nôs tude já tava bem instalode ta preciá quel mon de panela de patroa, cdjerada ta bai, cdjerada ta bem, tchegá Mone de Nha Rosa de SaNinclau, grande merguiador de Shell na época e amigue de casa, qu’otchá sô quel barulhada de cdjer na prote, pove deboxe dum silence, quê ninguém tava ta falá, enton el rancá c’aquel vojona, na sê bom criol de SaNinclau:

- Nha mãe, iau, quase esse cmida sta prop sabe, hum?! Quê nem mosca nem musquite sta t’uvide ta papia prei?!

Dona de casa ba log ta longal sê prote e ba ta dzel:

- Tmá esse li que Deus dobe e bô dexá de pô lume, quê li ninguém ca tita dzê nada.

Enton, Lau de Briza, na brincadera, log repicá cma Mone tava mas era que sê manha daquel cmidinha sabe, de casa de Liza que jal tinha ferode de longe. Ma Ti Mone ca desarmá e confirmá cma el, da lá de sê casa, já tava ta tcherel esse tchere de cmida sabe, c’certeza ca pudia ser d’ote lugar senon sende de casa de sê cmade Liza. Assim, guiode pa quel fume ma quel tchirim, el pô ta bem, ta bem, té certá c’porta. Foi um risarada geral e tude gente, torná merguiá cada um na sê prote ta cmê.

Da tardinha, malta c’barriga já bem chei daquel bom midje ingron, sentode esparajode e espaiode na sombra daquel pracinha de casa de cmade Liza, tava tude muque, talvez ta pensá na dia de manhã, sem dzê um sô palavra ma na funde de certeza ta preciá quel bnite por de sol t’incendiá, lá longe, pa más um vez Monte de Cara (Washington Head), na mei de luz e cor, lá bem na funde de nôs Baía de Porto Grande de Mindelo, cosa que na Munde ca tem igual.

Enton Totche, cabá por ratchá quel silence e pô ta contone tcheu stora de sê vida na estiva, na mei de Baía, quel ranjar de vida pa pudia pô quês mnine quel panela na lume de tude dia, não sem risque pamode quês fiscal de borde, qu’ás vez era prope lixode, etc, etc, malagueta…

Assim, na mei de tude sês stora ma vintura e peripécia de vida d’home, Totche pô ta conto’n, c’magua na roste ma na coraçon, stora de sê grande desiluson dum dia quel ba espiá traboi na estiva, ma quel dia ca tocal sê vez.

Enton, el ta bem pa casa, cum quebra da merda, já prop desconsolode. Quem quel t’oiá ta desimbarcá, c’grande esponte, bodzê pa sorte, na portaló de borde de paquete ta bem de Lisboa?! Sê tiu Capute, ta bem de Merca via Lisboa, c’sê tchapezon moda de Texas Rangers, chei d’anel na dede ma boca rinquiode de dente d’or, bem bestide. Basta, calor sebi nôs Totche na corpe, el esfregá mon de ligria, pô log t’arri e ta rogá Deus boas praga, mode quel sorte que parcel, nem um onje ta bem de céu.

Tude contente, prop sabim, Totche já dá sê tiu fala. Tiu Capute também já fecá mute contente, quê Totche home de bom coraçon, chei de boa vontade, ba log ta dzel cma jal sabia cma el ca tinha más nium lugar pa dondê bai, senon sende lá pa sê casa, na Rebera Bote.

Sê tiu ba log ta metel $10 US dollars na mon. Agora é que fui senhá e cuntinuá t’arri por dentre, eheheh! Enton el, naquel mei tempe quel tava ta ocupá de sê tiu ma sês bagaja, mandá Liza log recode pa casa, pal mataba quel gole más gorde quês tinha lá na capoera de sês quintal, pas pudia basse festejaba quel dia de sorte, na paz de Deus e Virgem Maria, de sê tiu Capute que tinha tchegode de Merca.

Assim foi fete, tiu Capute fui bem recibide pa sê subrim Tutchim ma tude sê família, tude contintim, c’ Totche lá pa rua tude bajofe ta mostrá tude quel pove sê tiu, que tinha binde de Merca, c’certeza chei de dollars?! De manera que mama tava ta ba fecá grosse pa tude gente, tude bnitim e prop escantchim.

Ma afinal, o quel panhá más fui um lau de gaita quê, afinal, um semana depôs Totche ma Liza ca tava t’oiá nada ta bem que sês Tiu Capute, bem cmide, bem bestide, lavode, lizode, sempre muque sem dzê nada, sem procurá sabê de deficuldade daquel chef de familia. Enton, ês resolvê dal fala, perguntal cmanera e explical sês situaçon de vida, que n’era de gente ric ma sim de pobreza. Basta, sês vida era catá, assá pa garanti quês mnine d’seus quel panela na lume de tude dia.

Cuitode de Tiu Capute, já bedje, quebrode que nem Djosa, tive que explicás cma el ma Antonin Piu, Ti Fei e Pole Ginguinha e más otes tinha side expulse e deportode de Merca pa Cab Verde, mode quel contrabonde de “Moon Shine” (Brandy fabricode gatchode). Cma Pliça Mercone tinha ês betode mon, ês mandá tude ês pa sês terra, sem cmida de camin, sô c’ $10 US dollar na bolse qu’era aquês dez quel tinha el longode la na Cais d’Alfandega.

Basta, foi log um afronta pa Totche ma Liza, c’aquês monzada de mnine pa dá cmida, inda por cima obrigode de gordá sê tiu Capute ma ês tê dia quel morrê, quê el ca tinha más pa dondê bai. Totche pô mon na cabeça desusperode, ma depôs num reflexon d’home de bom coraçon, Deus dal glória na céu, ca hesitá dôs vez e Tiu Capute lá vrá ta fazê parte de más um boca naquel catchupa, quê de tude manera el era sê tiu direite e, depôs sangue ca ta lavá.

Enton, Tutchim de Nh’Antonha Guimar, sem remorse, quê el ma Liza fazê sês tiu Capute tude o quês pude tê dia quel morrê, sempre qu’ambiente tava estode quente e sabim na mei de malta, el tava bem qu’esse Stora, dum passaja dure de sê vida, quel tava terminá sempre p’esse expresson popular de:

- Ó MNIS, QUEL DIA LASSIM, C’AQUEL QUEBRA DA MERDA QU’UM TAVA, Ô QUE DESILUSON NA NHA VIDA D’HOME!!! MA, PA CONSOLANÇA, CMA BSOTE SABÊ, NESSE MUNDE, POBREZA O QUE TA CUVEDAL Ê MISÉRIA!!!

Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V O L T A R


Comentário:

Um bom domingo para ti e familia Zizim, Mais uma vez cá estás nos deleitando desta rica estória do Tutchim de Nh'Antonha Guimar meu vizinho e amigo de Rebera Bote daqueles bons tempos de coexistência pacífica lá no nosso S.Vicente. Ele era um excelente rapaz e toda gemte era amigo dele ali na nossa área. Obrigado por o teres trazido ao quadro das nossas boas recordações São Vicentinas.Todos aqui juntamente comigo adoraram esta crónicae te enviamos aquele fraterno abraço com votos de muita saude e força para continuares. Terencio

Terencio Lopes                terenciolopes@yahoo.com.au


Comentário:

Amigo Zizim, O teu poder descritivo na nossa lingua cabo-verdiana actualmente é sem dúvida o melhor que tenho lido até agora com toda aquela facilidade de que se devia aproveitar como padrão tal a dos Claridosos e a partir dali trabalhar a escrita da nossa lingua. Muito tens obrado por isso aperfeiçoando-te dia a dia. Não tenho quaisquer dificuldades em ler as tuas estórias e podes crer que é a opinião geral cá de todos das nossas Ilhas confundidas que deliberam a teu favor pela mesma razão. Não é aquela escrita inventada que nos teem querido impor estupidamente e ou também de certos vendidos cabo-verdianos que se deixam levar pelo dinheiro e lá vão lançando confusão escrevendo cada um da sua maneira. Pois que se lembrem que não podemso chamar de CÂO a um GATO. Como sempre gostei imenso e as tuas estorias muito nos ajudam a passar os fins de semana nessa terra longe cheios de saudades daquela inesquecida época. Muito obrigado e um beijinho carinhoso Titina

Albertina Monteiro                 albertinamonteiro@gmail.com


Comentário:

Dear Zizim, Podes estar descansado, embora não tenho aparecido muitas vezes cá nos comentarios, continuo obrando na nossa Associação com as leituras educativas para os meninos que hoje ja leem a nossa lingua cabo-verdiana sem gaguejar graças a ti. A estoria do Tutchim teve bom impacto e muitos dos amigos dele estavam presentes e falarma dele e da sua companheira Liza.Força sempre "nha broda" estamos juntos. Um beijo Yo

Yolanda Dias                yoldias@aol.com


Comentário:

Zizim, Que mais dizer perante uma estória de giria tão bem popular que todos saberão apareciar. A escrita está impecável e muito bem elaborada como sempre e cada vez mais. Li e reli a estória que tanto adorei graças a todo esse quadro pitoresco tipicamente nosso de multifacetas culturais, dseportivas e culinárias entre outras. Parabens e muita saude. Um rijo abraço Gilda


Gilda Barbosa Leite           gildableite@gmail.com


Comentário:

Maravilha de Sturinha só de gente sabim naquel Munde dum vez, dvera prop sabim que nôs tude conchê e que já ca ta bem más. Thanks nha broda Zizim de Ti Djô Figuera. Braçona Guey

Miguel M.Monteiro               mucimdereberabote@yahoo.com.br


Comentário:

Dear brother Djô Figuera moda nô ta dzê prei na Merca "you made my day". Um sturinha dvera sabim daquel ambiente sô de nossa na nôs Soncente. Hugs Lili

Larry de Pina                   LPINA1@tampabay.rr.com


Comentário:

Zizim, As tuas estórias são mais do que ricas e extraordinárias. Pois elas lá vão reconstituindo o histórico do nosso pove de São Vicente e de Cabo Verde dentro de uma certa medida. No entanto espero que tudo isto seja registado num livro de estórias que publicarás afim de servir a todas as gerações. Este conto que entra na categoria de popular está muito bem elaborado e os personagens são todos dos nossos afectos. Pois descobri aí muito nome de gente que foram das minhas relações. Rijo abraço amigo Zizim Roberto

Roberto Morais              robertomorais@yahoo.com.br


Comentário:

Caro Zizim, Como sempre gostei e mais nada digo senão que o teu trabalho tem sido deveras eloquente. Abraços Silvia

Silvia Lopes da Silva               silvialopesilva@hotmail.com


Comentário:

Zizim, grande conforto para o espírito essas vivências tão sãs, que tiveste o privilégio de desfrutar. De realçar a solidariedade na pobreza. Nosso patrício Tutchim teve uma normal desilução, mas pobreza, não lhe trouxe só miséria, mas também grande riqueza espiritual. Mais uma lição para educar a juventude para interiorizarem valores que valem a pena praticar e ajudam na labuta da VIDA.BRAÇA

MaguyAlfama                 maguyalfama@gmail.com


Comentário:

Oh Irmao das comunidades, Esse "Tutchim de Nh'antonha Guimar, sinceramente, um câ ti tâ lembrâ d'êl. De tude manera s'bô homenageal hoje na liberal online ê porquê, êl tâ merecê !... So quém tem amôr a sê terra, so quém vivêl, qu'tude sê sacrifice, ê qu'podê arquivà na sê memoria, a vida tradicional, sem problema, sem politica, sem intriga, pâ trazêl desse manera, na internet, como se fôsse ontem !.. Bravo irmao das comunidades !. Aquele abraço. D'um irmao, d'um criol na Frânça !. Morgadinho !..

Joaquim ALMEIDA              soalmeida@free.fr


Comentário:

Uma maravilha de Storia que como todas as outras nos enchem o coração de saudades todos os fins de semana cá na terra longe, daquela boa convivência do nosso povo de Soncente de outrora. Certo que me lembro do grande amigo Totche, sua fanmilia e de toda essa malta aí proferida por ti nessa Storia. Continua Zizim para que a nossa Cultura não morra. Força e saúde sempre. Abraço do amigo de sempre fixe Eugénio

Eugénio dos Reis            genadosreis @yahoo.com.br

V O L T A R