CHIQUINHA DE SPÁ – ONES 50/60

Naquês dia lassim, era alvicera na boca de pove um “mascarode” que tava estode ta parcê de vez inquande e tinha quel pove de Soncente espossentode, lá pa quês banda de Monte Sussegue, perte de sumeter talione ma inglês, ta persigui e tacá tude quês mnininha que tava ba trabaiá na morada, sobretude na hora de bem bescá pon na Padaria de Jonas ô de Matos.

Enton, “mascarode” tava pôs na parede e bá ta gritás: - “Ô PIC Ô PON”?! Basta, quês cuitadinha chei de mede na corpe, tava dzel log cma pon n’era d’seus!!! Enton...

Ma, naquel dia plumanhã, bem especial, pamode era dia de San Jon, Praça Estrela lugar de tude alvicera de Mindelo na Soncente, cordá más um vez deboxe dum grande arreloce, completamente suquedide p’um problema que n’era cosa de custume na terra e que dexá tude gente revoltode.

Vítema desse vez era Chiquinha de Spá, que tinha bode cabeça já tinha uns tempe e parceba pra lá log cidim, naquel dia de festa de Senhor San Jon revulteode dia “24 de Junhe”, c’cabel tude esfluride e sês ropa tude ratchode ta tchorá soluçode, bloquiode, sem podê dá um piu ô explicá do quês tinha el fete. Bode cabeça moda ela tava, inda más vrode fidje de pobreza pa circunstança de vida, pa ela quaz que ca tinha justiça na terra pa puniba quês bandide.

Foi um revolta bem grande, siguide dum tristeza geral, pa quem que concheba Chiquinha de Spá, tude fininha, bnitinha, sempre triqui-traque, bem ranjadinha, marrode quel lence de tcheu cor ta compará c’sê bestidim de vichy, fluride, comprode la na Loja de Tchitcha. Na tempe qu’ela tava trabaiá de continua na Escola Camões, depôs Escola Nova.

Agora, c’cabeça mariode, ta drumi na rua, naquês bonc de Praça Estrela, caíde na situaçon de miséria, sem podê conchê ninguém e c’sê mimória num “black out”, completamente cortode de Munde.

Smeme assim, Chiquinha de Spá na tude sê nocença, tava ta espendê barra de saia de sê bestidim fluride diante de tude gente, ta mostrá pove sê sainha deboxe bronc, tude suje de sangue, pa prová do quês tinha el fete, ma sempre sem podê explicá.

Enton, Nha Chica de Manel, que tava custumá longal sempre um cosa de cmê quonde ela caí na sê inflecidade, sei da lá de sê butequim, deboxe d’antigue Club Sportiv Mindlense, tude chatiada daquel situaçon e bem da lá ta fastá pove pal podia tchegá perte de Chiquinha e prestal algum assistença. E, da lá Nha Chica pegal e leval log pa Esquadra de Pliça, pas podia oiaba situaçon daquel cuitada e tmasse provedença.

Enton, contecê cma naquel dia plumanhã log cidim,“mascarode” que tinha tmode sê moque bem tmode, esqueceba de trá sê mascra e foi panhode pa pliça ta drumi naquel bonc de sone, perte d’antigue Sindicate Maritme.

Chefe Manê Jejar, mandá log Emidio Barreto (pliça de respeite) pa tmasse conta de “mascarode” pa interogal sobre quel assunte quel era suspeite e, assim foi. Mascarode levá bem levode de palmatora na sola de pê, sempre ta jurá cma n’era el.

Enton, Chefe Manê Jejar, mandá Emidio Barreto pará c’pancada e depôs pedi “mascarode”pa despi calça. E, lá foi provode cma n’era el, quê ês tinha el incontrode era fusc ta drumi, detode na bonc e inda más el ca tinha nium risc de sangue ma el, na nium d’sês ropa. Assim el fecaba inocentode, ma pove queria sô cutchil. Enton, Chefe Manê Jejar tive que bem pa porta de Esquadra da pove um satisfaçon e cabaz c’aquel revulçon.

La dentre na Esquadra, na prisença de Chef Manê Jejar ma Nha Chica, primer pergunta qu’ês pô Chiquinha de Spá sobre sê problema, fazel bodzê efeite dum choque elétric, quê cuitada, basta ela bem um csinha na sê mimória e torná pô log ta soluçá, ta desbaratá tude do que tinha passode ma ela naquel note, lá naquês bonc de Praça Estrela trás de Corete de Múseca.

E, tude o qu’ela pude dzê Nha Chica ma Chef Manê Jejar, ê qu’era dôs moce forte que pegal, pol na tchon e fazel asnera na sê caxinha, tê sê caxinha fecá ta doel!

Chiquinha vrá doente mental dum momente pa ote, sem ninguém sabê porquê ô cmanera. Ma era daquês doente mental que ca tava incomodá ninguém, sempre fetchode na sê silence t’andá parriba pra boxe sempre na mesme lugar la na Praça Estrela.

Ela sô tava fecá um csinha más excitada era naquel tempe de festa de tambor pa Sant’Antone ma San Jon, cosa que tava fazel vibrá e sei deboxe daquel sombra ondê qu’era sê casa, la na mei daquês bonc de cemente ma quês acácia qu’era cosa que ca tava faltá na lugar.

Tive quem que tchegá de dzê cma ela era sobrinha de gente ric (Dona Eugénia Serradas?! Tê prova de contrare.) cosa que tava levá gente a creditá, quê de vez inquande ela tava parcê tude bem ranjadinha, marrode sê bnite lence na cabeça, trocode de ropa e quonde ela tava dá sê pancada de doente mental, ela tava sei c’sê bnite lence de cor ta cená, ta gritá, ta dá viva Cab Verd.

O contrare de Bissau (Sr.João Faustino), um ote dode qu’era mau de munde quonde el tava dá sê pancada na cabeça, el tava falá sô português e tava dá viva Portugal, ta rufená pedra pa tude quem passaba perte del, o que tava pô tude gente c’mede.

Chiquinha, moda otes mariode de cabeça, tava estode pra lá t’andá á toa, ma ninguém tava falá na internás ô mandás pa Praia-Santiago, pa Hospital de gente doente de cabeça na Trindade. Tinha tê que pa maldade tava dzê, cma ela tava estode más era ta fingi, pal podia fecá sem trabaiá. Cosa maldose d’alguns gente de terra, ma qu’era prop mintira.

Quê basta, tude quem concheba Chiquinha de Spá que tinha bode cabeça na dvera, fecá prop admirode e revoltode na dia que contecel quel desgraça, ta perguntá qu’home ê quel que tinha tide coraja d’incostá num amdjer daquel, num estode igual daquel qu’ela tava.

Tive otes que dzeba cma quel o quês dôs ô três malandre divia estode fusc pa fazeba um cosa daquel. Chiça, dzê Afonse Coronel, dvera só pudia ser assim, quê d’ote manera não! Enton, Canhota bem pa trás na goze e dzê Afonse baxim n’uvide cma qual stora, ela na momente té divia ter gostode?! Afonse largá t’arri ma el reagí log na seriedade, ta dzê cma hora era grave, pa Canhota dexaba daquês brincadera, porque, e se fosse sê irmã?! Dá Canhota dexá d’arri, fazê um carinha margose e, ba embora.

Durante uns dia lorgue, quel desgraça de Chiquinha de Spá tive espaiode na boca de pove de Soncente, moda um dia de lute nacional. Basta quel cosa pô tude gente de terra indignode ta perguntá:

- Ma que raie de terra ê esse, ondê que jás vrá ta sirvi tê d’amdjer mariode de cabeça?! Senhor Deus, ondê que nô tita bai? Desse jete li, amdjor ê nô vrá ta fazê más cuidode na nôs fidja fema, porquê cosa ti ta vrá prop mariode.

Otes tava dzê cma falta era d’administraçon local ma governe, que ca tava ta tmá conta daquês pobre doente mental de nossa. Assim tarde ô cede, cosa daquel tinha que contecê n’alguns lugar moda Praça Estrela, ondê que já tinha tcheu espace escure, mal luminode ô sem luz.

Despôs de tude ês cosa que passá na nôs sociadade Mindlense, em que pove ca dexá de fazê sês críteca ma reprimenda social. Tude gente cuntinuá sês vida normal moda se nada fosse e sem priocupá más de Chiquinha de Spá! E Nha Chica e sô Nha Chica ê que cuntinuá ta longal sê bocode de cmida moda de custume, pal ca morreba de fome.

Barriga de Chiquinha cumeçá de bem ta parcê. Ma, de vez inquande, ta tinha sempre um criston, sem gente sabê quem é que tava tratal, dal bonhe etc. Cosa que sô tava contecê quonde ela tava cumeçá ta escorrê quel ága marel pa mei de perna aboxe, cum tchere que nem gente tava podê tchegá perte dela.

Flizmente Nha Chica, que tinha calculode más ô menes quês nove mês de Chiquinha de Spá, pa data de contecimente daquel desgraça que tinha passode c’aquel cuitada na Praça Estrela ê que tava sempre c’cuidode nela.

Assim, ela Nha Chica, de sê prop iniciativa ba ter de Marê Roque na Spital e dia que Chiquinha dá dor, jas tava tude preparode ta esperal. E, moda num espece dum seleçon natural, ela tive quel fidje motche que nascê dritim, bem forte e sem problema.

Ma inflizmente, ela mãe Chiquinha de Spá, morrê daquel porte, mode mau trote e sê estode de fraqueza. Nha Chica tmá conta daquel mnine, que fui puste nome d’Ilídio e que criá dritin (quê furminga ta criá deboxe de pedra quontamá gente) ta tchmá sê Mã Chica ma Pá Manel que leval pa cente de baptisme, lá na nôs Igreja de Nossa Senhora da Luz.

Zizim Figuera (Josè Figueira, Júnior )

V O L T A R


Comentário:

Zizim, Um muito bom dia para ti e familia. Gostei muito da Storia, que me comoveu especialmente. Gostei mesmo muito. Deus é bom e misericordioso e levou aquela pobre criatura e deixou seu filho direitinho como prova de boas almas. Retratas magnificamente a problemática da saúde mental nesta Storia, uma desgraça a de todas as sociedades, das mais pobres ás mais civilizadas. Porque, da ignorância de uns e da maldade de outros, sai da boca para fora muita asneira... E aqui tu o dizes... havia quem dissesse que a Chiquinha nao queria trabalhar, quem dissesse que até gostou, quando um animal a tomou. Porque só um animal e nem todos os animais mesmo, para tomar a pobre criatura. A doença mental é até hoje um mistério e até hoje um castigo imenso de quem a porta e de quem a vê de perto, pois é mais incompreendida que qualquer outra. Não se vê, só se sente e se sofre. Parabens uma vez mais e um beijo especial pela sensibilidade que uma vez mais também demonstras nesta triste mas bem delineada Storia. Verás que irá tocar o coração de muitos! Beijinho da amiga Mariana

Mariana Nobre de Melo                 marainanobremelo@gmail.com


Comentário:

Amigo Zizim, Esta tua rica estória tocou profundamente toda a minha sensibilidade, pois durante anos também sofremos muito com a minha irmã Maria Paula que desde dos dessasete anos ficou esquizofrénica sem nenhum de nós em casa sabermos ou compreendermos o porquê. Mas felizmente ocupamos sempre muito bem dela até ao fim embora nem tudo foram rosas na vida com ela. Bravo e te felicito por teres trazido ao Jornal Liberal o problema da demência que é coisa séria e deve ser tomada com muita paciência compreensão e sobretudo seriedade. Hoje cá em São Vicente já há uma Casa de Doentes Mentais lá para os lados de Casa Nova-Bela Vista onde se ocupam muito bem deles a todos os níveis. Obra da Camara Municipal de S.Vicente acho eu sob a égide da Srª Drª Isaura. Mais uma vez obrigado pela tua sensiblidade sobre o tema que em nome de todos os que sofrem te felicito. Saúde e grande abraço Humberto

Humberto da Cruz                  humbertocruz@gmail.com


Comentário:

Bravo Zizim! Um tema delicadíssimo que pode despertar sensiblidades perdidas pela gente da nossa terra. Certo que aqueles tipos que tomaram a Chiquinha deviam ser presos e expostos na Praça Estrela para que todos ficassem a conhecê-los. Me lembro muito bem da Chiquinha moça linda contínua da Escola Camões e depois Escola Nova. O retrato na tua estória está perfeito em toda linha. A tua escrita então está maravilhosa e todos as lemos com aquela paixão de que nos habituaste de todos os fins de semana. Queremos mais. Saúde e forte abraço. Dany

Daniel dos Santos                 danysantos@yahoo.com.br


Comentário:

Dear Zizim, Ai vai um bom dia daqui de Sidney-Austrália como todos os domingos com votos de melhor saúde sempre. Olha essa estória de hoje é bem triste e não fez rir ninguém dado a sensiblidade do tema. Antes pelo contrário achamo-la bem triste mas bem realista.Te felicitamos todos por este tema tão delicado que muitas vezes as pessoas na nossa terra tinham a mania ainda de achar graça ao comportamento "de gente dode" o que sempre foi uma atitude errada da parte da nossa sociedade. Ainda bem que evoluimos para ver que a demência não é brincadeira e deve ser tomada muito a sério para que a sociedade e as gentes não sofram. Parabens amigo Zizim e que tenhas um bom fim de semana. Abraço de todos Terencio

Terencio Lopes                   terenciolopes@yahoo.com.au

V O L T A R


Comentário:

Uma Storia bem triste mas muito interesante para sensiblizar corações daqueles que ainda vivem num obscurantismo absoluto sobre a situação de doentes mentais. Hoje em S.Vicente já há um progresso enorma com a criação da Casa de Protecção de Doentes Mentais na Casa Nova muito bem gerido pela Camara Municipal de São Vicente. Se puderem façam os vossos dons com denreiros (arroz leite etc) o que será uma atitude posistiva e fará comer todos aqueles dementes ali internados em pensão livre para os esquizofrénicos. Os meus sinceros parabens amigo Zizim pela tua estória muito bem elaborada e escrita. Abraços Toi

Antonio B Araujo                  toiaraujo77@hotmail.com


Comentário:

Uma estória excelentemente bem escrita como sempre e completamente diferente das que habitualmente e com grande prazer nos envias todos os fins de semana amio Zizim. As passagens são deveras de um realismo desde o "mascarode do ô pico ô pon?!" que não conhecia mas que a minha mãe acabou de me explicar. Ao acto dos sem vergonha que tomaram a Chiquinha que a minha mãe bem conheceu e coitada, não sobreviveu ao parto tenho deixado o filho que com morabeza e grande coração foi criado pela nobre Nha Chica de Manel. Esperemos que a nossa sociedade tenha mudado e proteja todos os doentes mentais seja de que natureza forem. Sinceros parabens por este texto e um rijo abraço da Gilda de grande valor. Com muita estima vai daí um grande abraço

Gilad Barbosa Leite              gildableite@gmail.com


Comentário:

Oh (Irmao das comunidades) antes de mais, aquele bom dia de hoje desse domingo, acompanhado como de costumo de as tuas estorias tradicionais, do " nosso Mindêlo " -daqueles tempos que jà là vao - e nao voltam mais . Na verdade lembro-me perfeitamente da ( Chiquinha de Spà ), continua bem conhecida, das escolas primàrias do Mindêlo e que na verdade, ela fazia parte dos personagens tipicas saovicentina, mesmo com a sua estatura, que nao passava de 1 metro e 50 de altura, mas com a sua personalidade, bem proprio dela. Aquele abraço, d'um irmao das comunidades. Um criol na Frânça. Morgadinho !..

Joaquim ALMEIDA                  soalmeida@free.fr


Comentário:

Dear Brother Djô Figuera, Mi também m ta lembrá de Chiquinha de Spá e quel abole que tiva na Praça Estrela dia de San Jon, mode quês bandide que violal. Ilidio hoje ta vivê prei na Merca ma lá na New Bedford. M' ti ta bem oiá ma Tony se nô ta podê contactal e mandal esse Storia. Saúde e bom dmingue. Bô brother de sempre Lili

Larry de Pina                 LPINA1@tampabay.rr.com


Comentário:

Sr Zizim Figueira, Adorei a estória pela originalidade do tema que é de uma sensiblidade bem profunda. Parabens da sua admiradora de longa data Regina

Regina Andrade Oliveira              ginandradeoliveira@live.nl


Comentário:

Zizim, Mais uma rica estória que me trouxe uma reflexão diferente sobre esta problemática de doentes mentais na maneira de ver as coisas diferentemente de quando era "mnininha de Soncente" e não descernia a origem das coisas. Naquele tempo até o nosso povo mal formado encontrava um prazer louco em "metê que gente dôde". Hoje porém até verti uma lágrimas ao pensar nesta maneira sensivel com apresentaste as coisas. Obrigado nh'irmunzim que admiro Um beijão. Tina

Albertina Ramos Borges             tinaramosborges@yahoo.com


Comentário:

Zizim, You are always the best of the best on Sunday in this online Liberal Newspaper. I enjoy a lot the Storia side by side with my father Lorenço because " mi também ê fidje de crio". Good Luck and big hug Tony

Tony Lopes                       tonylopes@aol.com


Comentário:

Ainda bem que hoje em dia os doentes mentais não andam á toa nas ruas e já há hospital apenas para tratar esses doentes com dignidade, mais conforto e muitos se recuperam. É das doenças terríveis e que qualquer um está sujeito Muitos parabéns por mais esta crónica, desejo-lhe saúde para continuar por muitos anos. Até domingo, um abraço .

Gabriela Amado Silva             gabybamado@hotmail.com


Comentário:

Num tema tão profundo como este que é sempre de actualidade, há os que reagem por se sentirem concernidos e os que nem se quer dão importância porque preferem ignorá-lo. Mas que saibam que ninguém está ao abrigo de tal hecatombe. Digo isso numa espécie de alerta para que unamos os nossos esforços no sentido de obrar para melhorar o nivel de vida dessa pobre gente atacada por doença mental. Se falamos das coisas é que não temos complexos. Obrigado Zizim Figueira. Abraço Beatriz

Beatriz Lima                bealima20@hotmail.com

V O L T A R