BIDJIÇA Ê UMA MOSTRA CERTA – UM DITODE NA TRADIÇON DE TERRA

Sem nô sabê porquê, naquel dia calorente de mês de Junhe, log cidim na Barbaria de Ti Place na rua de San Jon, perte de Sindicate Maritme de Nhô Quirine, já tinha um trupida de gente rinquiode na porta, formode uns grupim, num falatória sem fim e sem gente podê comprendê nada du quês tava pra lá ta dzê.

Ma depôs duns minute de ter bode ta tchegá pa perte dês, nô bem comprendê cma quel dia lassim, era um daquês dia mute especial, que tava contecê um vez sô pa one na vida de Soncente, e n’era queston de ninguém perdês.

Enton, novi hora de plumanhã Nhô Muchin de Gestin Perera na Tarrafal de Monte Trigo ( San Anton ), prime e amigue de Ti Place, ma Jack Camila de S.Pedro (Soncente), pescador de lorgue, tude’s dôs inda rapaz nove de força cabode de criá, cmide sem merrinha e sem mama lête rum, rancá c’aquel tradicional “BROCE DE FER” de tude one, quês tava custumá bem desputá pa midi força, lá na Barbaria de rua de San Jon.

Um vez quel desputa rancode pa quês dôs home de força, dode quel bom crotcha “HAND TO HAND”, cosa tava bai ta sigui deboxe dum silence, c’tude gente caladin tê na fim, basta nem mosca, nem musquite se tava uvide ta voá. Posta era postode lá mesme, uns pa Jack Camila de S.Pedro, ôtes pa Nhô Muchin de Tarrafal de Monte Trigo, quês dôs bezana e home d’excepçon que quaz tê hoje em dia, já nô ca tem más moda ês na tchon nôs terra.

Quel one antes, Nhô Muchin ma Jack Camila, tude’s dôs home dum cone sô, tinha fecode impote, dôs a dôs, naquel jogue de força. Enton, quel one lassim, era dzimpote val dôs. Tude ês, home de mar respeitode, na sês aldeia, pamode sês experiença de vida e também, pa sês prova de home valente, que ca tinha mede de mar, nem de nada.

Djô Ía, personaja Mindlense cunchide de tude gente, c’sê cara tude frode d’bexiga (smallpox) mode el tava dzê, de nariz colode na cara, sô c’sês dôs braquim pal podia respirá, grande marinher e estivador de mei de Baía de Porte Grande, era também cunchide, p’aquel voz rôc na garganta sô d’seu que tava intchi rua de cidade de Mindelo d’note, quonde el tava estode tmode sê cóc pa esparajá, depôs dum dia de traboie.

Ma, nesse dia de grande responsablidade, el tava prop serie ta dirigi tude quel orquesta, nem um menine bem mandode, silenciose, sô ta bai, ta bem, de rua de Matijin pa quel passája de Nha Joana Coronel que tava ligá Barbaria de Ti Place ma rua de Matijin, sempre c’um garrafunzim de cinqe litre de grogue, na mon, pa vendê quem tivesse c’sêde na mei de sistênça.

Pa Jack Camila ma Nhô Muchim, grogue era de graça, quê sistênça é que tava ta pagá. Cada um, c’um de sês mon marrode pa traz moda lei de jogue tava mandá e, quel ote mon puste derriba de mesa, dode quel bom garotche, ta tentá vrá cumpanher broce, tê incostal el num daquês facona, bem fiode de pescador, fincode derriba de mesa de duel.

Basta, era tude’s dôs num esforce silenciose de matá, c’aquês muscle bem vesível saíde, pontode dum lode e d’ote, de corpe daquês dôs criston. C’aquel calor infrontode, era sô uns data de gota d’ága de suor, ta dexis pa testa, cara e corpe aboxe.

Djô Ía c’um toaia moiode na mon, é que tava ta cuidá de limpá Nhô Muchim, sês gota de suor, na testa ma naquel peite di ace, chei d’muscle. De vez inquante, Djô, tava bai ta esqual um cupim daquel bom grogue de Botequim de Dalberte de rua de Matijin na guela, pa matal sêde e moda Djô tava bai ta dzel n’uvide pa podia dal mas power (força ).

Daquel ote banda de mesa, moda Djô Ía, tava Ferrera ta cuidá de sê cumpade Jack Camila, pa limpal suor drante quel esforce. Aliás, era sô ês dôs, mode conchê regra de jogue, ê que tava sisti pessoal, quonde ta tinha quês Broce De Fer especial. Sistiba quês home naquel luta, era normal quê ês ca pudia mexê, tal era regra de jogue pa depôs ca dzide cma tive rabica. Era sô guentá broce, quem pudesse a más, tê um daquês home reiá.

Jás tinha quebrobe um misinha de madera plumanhã, mode tonte esforce quês tinha fete derriba del, enton ês ba bescá um mesa de fer, la mesme na casa Nha Joana Coronel, mandode pa Ti Place. Assim, broce de fer pude cuntinuá, tê tarde, na mei daquel suor mode quel calor de ratchá.

Ma, desse vez lissim, Nhô Muchim ê que ganhaba, quel BROCE DE FER na fim, depôs d’quaz um hora e meia, d’esforce poste na luta, deboxe de ligria, palma, suor e tcheu grogue, sobretude pa quem que postá e ganhá. E, tristeza prop cunvincide, pa quem tinha postode pa Jack Camila e perdide.

Moda de custume, Nho Muchim de Gestin Perera, de Tarrafal Monte Trigo, tive direite de ser puste n’andor e rudiode rua de cidade de Mindelo, moda tradiçon sempre mandaba naquel Soncente dum vez, quonde valente que fazeba marabidja na terra, seja el quem fosse e dondê quel bêsse, era sempre honrode desse manera.

Ê de lembrá dum ijgador de football, binde de Bathurst hoje Bandjul, capital de Gâmbia, por nome de Samba, que pove de Soncente também poba n’andor, mode el que tinha side amdjor do campo, num grande jogue de Campionate de Costa d’África contra Selecção de Cab Verd. Ma, hoje nesse Stora lissim, nôs heroi foi,Nhô Muchim de Gestim Perera, lá de Tarrafal d’Monte Trigo (San Anton).

Depôs daquel bom mumente passode, cada um pagá sê posta e poc á poc, tude quês gente bai ta desaparcê, da la de rua de San Jon, de perte de Barbaria de Ti Place e, ês ba cuntinual, naquês Bar de rua de Canecadinha, também cunchide pa rua de Matijin, sempre ta falá daquês Broce de Fer, entre pescador valente que tava custumá marcá Soncente.

One derriba done bai ta passá e, tonte Nhô Muchim cma Jack d’Camila, tude’s dôs home rije e valente, cunchide tonte na San Anton cma na Soncente, idade ba ta entraz na corpe, moda tude gente.

Nhô Muchim, tive que cambá Tarrafal quê sê familia mandal recode, cma tude ês, tava ta ba sentá banca, na Praia Formosa (Sudeste de San Anton) ondê qu’aquel Liberty Ship Mercone, por nome de John Smestler, tinha incaiode, carregode de midje brumêdje, mas cunchide na pove, pa midje pantchêra.

O que pa ês, era um verdader gloria de céu que Deus mandás p’aquel terra, pa ba cabás c’aquel fome que tava ta já t’instalá devagarin na tude Ilha de San Anton. E, moda Nhô Muchim mandá dzê Jack Camila sê grande rival ma não inimgue e cumpade na carta quel screvêl cma:

- Quel MOIA, que caí denter d’hora, tava ta ba ser salvaçon de tude quel pove de San Anton pa tcheu tempe e assim foi.

Jack Camila, bem morrê, ta dexá mute sodade na mei de sê pove. Basta foi um grande interre e Nhô Muchim, bem dmitode de Tarrafal de Monte Trigo cumpanhá interre de sê rival, ma sempre amigue e cumpade Jack Camila. Funeral, foi mute triste, e assim c’morte de Jack, bem feca sô Nhô Muchim de Gestin Perera na Tarrafal de Monte Trigo, ta pertencê quel espece de gigante, home valente dum cone sô. Que tê depôs na sê idade smeme assim, ca tinha mute que tava tentá midi força ma el.

Na Praia Formosa ( San Anton ), nova vida vida nova. El, ma tude sê familia e alguns cumpanher de sês aldeia, era betá rede na mar pa rudiá melon (pexe) , pa depôs pô ta secá e basse vendê na Porto Novo ma Soncente, sempre ta bescá vida. Midje, tinha pafronta e sem merrinha, assim tive gente quem que sentá banca tcheu one pra la.

Cma era um área que nunca gente tava bai pescá, pexe tinha pa panhá c’tude facilidade. Ma depôs, cam pexe bem escassiá, ês vrá ta dá fogue na melon c’banana de dinamite (cosa que foi sempre pruibide) quê pesca de rede, já tava ta saís de poc mode gente qu’era tcheu. Assim, pamode ês que limpá quel lugar de pexe, quel pesca já ca tava ta tchega nem pa gente cmê, quontamá pa secá e mandá vendêl, na Porto-Novo ma Soncente.

Nhô Muchim, idade ba ta entral na corpe, enton pra la já tinha uns rapaz nove fanfarron que tinha cumeçode ta coval n’idade. Sempre ta dzel, cma jal tava vêi (bêdje), quê ês, ês tava da fogue na melon, depôs caí na mar, c’chlavar (ridinha de mon sirvintia pa panhá pexe na boia ô na currida), na mei de sarda (tubarão) ta panhá sês melon, la pa quês banda de Baía de Poce Pau, ta dá pa valente, sem nunca ter cunchide, quem q’era, quel Vêi (bêdje) Lobe de Mar, home que podia ser sês avô, insenaba tonte geraçon arte e proeza de pesca de lorgue e, que foi um daquês pescador valente de sê tempe campion de luta de Broce de Fer.

Ma Nhô Muchim, sempre c’sê calma d’home valente e cunfiança nel mesme, nunca desanimá. Sentode derriba daquel pedrona, n’orela de praia t’oiá onda esquebrá, el tava estode tude dia ta sismá, ta pensá na insulte daquês mucim e um manera de mostraz cma inda el era um home , qu’stei!!!

Tê qu’um dia, naquel espirte de competiçon e home de mar destimide, moda el foi criode, resolvê lançá quês mucim um ultme desafiu. Enton, el dzês cma el tava ta ba pescá c’rabada (linha preparode pa panhá pexe grosse em qu’isca normalment é metade d’um pexe d’cabeça ) na tude quel costa, da la de Ponta De Tum na Tarrafal de San Anton, tê Praia Formosa, pês pudesse oiá du quel tava ta bem trazês, pês podia fecasse ta sabê, ma quem quês tava ta brincá.

Basta, quês boys feca log trapaiode quê pescá de rabada naquel tempe, n’era tude pescador que sabia fazel, porquê se tava bem cosa grosse na linha, um home camada, tinha que tem força na broce, pa guentá estocada daquel pexona. O que pa Ti Muchim d’Gestin Perera de Tarrafal de Monte Trigo San Enton, mesme na sê idade, inda ca tinha nium pexe que tava pol costa na tchon.

Enton, el vrá, el perguntá quês moce que tava passá vida ta xatial, e sô ta dá pa forte, sempre ta coval na sê idade, moda s’ês um dia também, ca tava vrá bedje, quem queria basse ma el, pa quel pesca? Ma, la já ca tive nem gente nem resposta, quê nium dês abri boca, nem tive corája.

Sô sê subrim, qu’era sê aprindiz de pesca e vida de mar e que tinha quinze one ê que queris bai ma el. Ti Muchim, ca dzê quês moce mas nada, sô el espiás t’arri, e fecá mute contnte, de manera que sê subrim reagi. E, sô el dzêl:

- Bô nha subrim! Bô ta dá Home !!! Quês ote moce, cma ês ca tinha mas nada pa dzê, ês procura foi camuflá sês vergonha, naquel izame que Nhô Muchim cabá de passás, tude na troça.

Na dia siguinte, madrugadinha, Nhô Muchim ma sê subrim proveitá quel briza de plumanhã, ês largá de Praia Formosa pa Tarrafal de Monte Trigo, na sês bote á vela, ba bescá alguns cosa quês tinha falta e que certamente Vapurim d’Aga de Capton Julion, tinha trazide de Soncente, pa lujinha de Ti Toi.

Nhô Muchim, sempre c’aquel ideia de pesca de rabada n’ideia, moda na espece dum desafiu quel mese, ba pa camin ta xplicá sê subrim, manera que cosa tava ta bai ser ô pudia passá. Assim, foi tchegá na Tarrafal, Nhô Muchim sirvi du quês tinha falta, el pô na bote quê pa sorte el otchá Vapurim d’Ága que tinha tchegode de note, já fundeode ta bomba ága doce pa levaba pa Soncente. E, lujinha de Ti Toi, também já c’tude inquante quel tava custumá vendê sê pove pescador.

Depôs dum vesita rapte, na sê aldeia d’Gestim Perera, ondê quel ba levá cmida ma uns cumprimide de “sulfona pa lepra” na casa de familia que ca pude bai pa Praia Formosa mode sês doença de lepra.

Despos, el ba ter de sê subrim Zac, pa sabê se nada ca tinha ês faltode pra la. E, el ba ta proveitá de contal stora daquel richa del, ma quês moce fonforron, quel dexá la paquel ote banda d’Ilha de San Aton.

Zac, fecá prop zarode c’tude quel falta de respeite, pa sê tiu que sempre el conchê pa ser um home valente e de bem que nunca busá de sê força na ninguém mas froc quel. Na mei daquel conversa, pa nimá sê tiu el ba ta dzêl:

- Ó Ti Muchim, ocê ta prop c’sorte quê onte, um panhá um chêreu (pexe d’lorgue tipe carangidio) e m’tita ba da ocê metade p’ocê podê fazê quel rabada. Ti Muchim, prepará sê linha c’arame prop pa guentá estocada de força, quaz tê dum baleia.

El dexá sê subrim na Tarrafal, na casa de Zac, e enton el imbarcá inda quel dia mesme, datarde, el sô na sê butim, pa Praia Formosa, cosa que pa el, ca era prublema.

Mar de Baía de Tarrafal, sempre naquel calma de custume prop de mar de Sul de San Anton, tava ta parcê bodzê dode d’azete. Nhô Muchim, ba ta zingá c’sê reme pa traz, puste la naquel bróc de zinga na popa de bote, tê betal fora de Baia d’Tarrafal.

Log quel somá na Ponta d’Tum, quel briza de Nordeste intchil vela de sê bote, e assim el pude sigui viája tranquile. El proveitá log, de bai ta reiá sê linha de pesca na mar, já c’aquel rabada, preparode daquel metade pexe (chêreu) que sê subrim Zac tinha el dode. Depôs duns hora de viája, quonde el somá na ponta de Baía de Poce Pau, já t’oiá quês luz de cidade d’Mindelo na Soncente, e alguns luz de cafotche, de gente ta mariscá caranguês pa pesca naquês praia la perte .

Derapente, sê bote fui sacudide pum força violente ta bem demar. Basta tê el dzê: - Senhor Deus? Ma qzi’isse ?! Enton cma inda tava luzc’fusque, el cunsigui oiá quel bitchona que tinha murdide e bem na rabada de sê inzole, saltá fora d’ága, esticá linha, infiá pa funde dode força ta corrê, corrê, corrê, torná corrê, bem pa boia, torná salta, torná dexi, tude naquel currida.

Ti Muchim reiá vela, largá tude, e bem betá mon na linha, pa bem pôsse tude sê xperiênça de bedje lobe de mar confirmode, naquel luta sem igual, del ma quel bitche. El dexal corrê, dal linha, depôs guental, moda el dzê, pa cansal boca, naquel luta de morte del ma quel Espadarte de quaz centicinquenta pa duzentes kile. Força daquel bitche na mar, era tão grande que tava ta fazel lembra sô quês Broce de Fer, del ma sê cumpade Jack Camila que Deus haja.

Assim foi, durante uns hora valente, tê que Ti Muchim corajoze tê na fim, cunsigui dominá quel Pexe Vela, de quaz três metre de cumpride e duns 150 pa 200 kile. Depôs de bcansal, el trazel pa borda de bote, moda quonde el tava panhá atum na lorgue, el dal uns rebencada de pau na cabeça tê el feca quitin.

Quel pexe já morte, el marral na popa de bote, e dexal dentre de mar quê el era mute grande e ca tava quebê na bote. Depôs, el içá vela de sê bote, e pude sigui quel viaja pa Praia Formosa, smeme assim pirdide tcheu tempe, ma chei dum grande satisfaçon de ter vincide quel pexe na sê idade e sobretude pal podia mostrá quês “coioba fonforron” cma inda el era um home qu’ STEI!!!

Viaja cuntinuá, ma pa camin, uns tubaron proveitador, otchá quel pexe pescode, marrode naquel bote (presa facil), enton ês cumeçá ta estraçaial. Cada um sê vez, tava bem, tava trá sê grande boquenhada, pa angustia de Ti Muchim que agora, tive d’entrá num luta de matá, ta dá quês tubaron c’reme, sem podê fazê nada ma ês.

Basta, ês tava bá, torná bem. E, assim foi tude quel viaja tê tchegá, na Praia Formosa. Ondê quel tchegaba já tarde, rastaba sê bote, três quarte na praia, el sô,denutinha. El largá pa sê casa, ba espiá familia e levás, du quel tinha ês trazide, de Tarrafal de Monte Trigo, pês cmê, e modeste moda el era, el ca dzê um sô palavra sobre o que tinha passode ma el durante tude quel viaja.

Enton, na dia siguinte plumanhã log cidim, Ti Muchim inda detode c’corpe tude estortegode daquel luta de vespra, del ma quel Pexe Vela, quê cma tude gente sabê cma idade ca ta perdoá e BIDJIÇA Ê UM MOSTRA CERTA. El, lá detode, el uvi tude quel alvaroce ma grite de gente ta bem de praia espantode, del ter fête quel presa.

Era tude quel pove pescador, nove c’bedje juntode, lá t’oiá c’admiraçon, e esponte do que tinha sobrode daquel Espadarte, que sô paquel cabeça ma espegon que tubaron inda dexá, tava la pa sirvi de prova e mostrá sê tamonhe pal podia honrá quel vêi home de mar, de força, dum cone sô que fecá pa sempre na storia e respeitode na sê munde pescador, por nome de Muchim d’Gestim Perera, d’Tarrafal Monte Trigo na San Anton.

Enton, um daquês ote vei lobe de mar pescador que concheba bem Muchim vrá dzel na tude simplicidade:

- Ô Muchim, deixa estar qu’inda bô ê um Home qu’STEI!!!

Zizim Figuera (José Figuera, jùnior)

V O L T A R


Comentário:

Carissimo Zizim, Storia muito bem escrita num crioulo castiço acessível a todos. A estória em si é muito linda num estilo bastante Hemingwayiano que fez dobrar a minha paixão de a ler até ao fim com grande entusisamo, mesmo paixonante. Admirável! Te felicito por todas esssas delicias da nossa terra que nos serves todos os domingos cá no nosso grande Liberal. Espero que um dia tudo isso será posto num Livro para fazer parate das nossas Bibliotecas Literárias. Bom domingo e um grande abraço Gilda

Gilda Barbosa Leite                     gildableite@gmail.com


Comentário:

Zizim nha brudinha, Segundo a nossa ultima convesra telefónica tive receio que não houvesse Storia hoje. Mas a Pascoa minha vizinha veio logo me dizer se ainda não tinha lido a Storia de domingo e então la fomos ao computador e juntos lemos com grande satisfação esse texto. Essa é daquelas coisas que só aconteciam naquele S.Vicente de outrora.Indiscutívelmente a barbaria do Tio Placido homem muito nosso amigo que nos viu crescer e quantos cabelos não nos cortou assentados em cima da tal tábua ou banco d'ouril quando não se jogava. Que de boas recordações do Jack Camila e de Nhô Muchim de Tarrafal mais o Djô Ía distribuindo aquele bom grogue e dirigindo a orquestra junto ao Ferreira que bem me lembro. Este quadro final da pesca do Ti Muchim de Tarrafal está excelentemente rematado. Haja vida e saude sempre meu caro irmão para poderes continuar. A nossa malta de cá te felicita e muito te agradece. Ela até ja estebeleceu outros contactos com a nossa malta de Camberra e Darwin cá na Austrália. Ambos te parabenizamos e te enviamos um forte abraço. Terencio

Terencio Lopes                    terencio.lopes@yahoo.com.au


Comentário:

Apenas siderante esta tua estória caracteristica do povo das Ilhas.Adorei e achei-a marivilhosa en todos os angulos. Que força seja contigo meu amigão.Abraços Nelson

Nelson Fortes                       nelson.fortes@hotmail.com


Comentário:

Oh!.. (irmao das comunidades), na verdade naquêle tempe a palavra respeito era utilisôde com muito respeito, era posto em pràtica e todas as geraçoes, tinha que segui. E quando se ouvia falar em pessoas bem constituidas, de homens com uma formaçao fisica fora do normal, as pessoas admiravam-lhes e com um respeito à parte. Mas como tu dizes na tua coluna, (Bidjiça ê uma mostra certa) e acrescento,q uando ela chega, nao perdoa ninguém !. Bom fim de semana, com aquele abraço do teu irmao, Um criol na Frânça. Morgadinho !..

Joaquim ALMEIDA                soalmeida@free.fr


Comentário:

Dear Zizim, Lá fomos a leitura colectiva na Associação e todos gostaram dela na sua originalidade. Uma daquelas estórias tipicas da nossa terra de outrora. Ainda bem que te temos para nos relembrar como eram os homens das Ilhas no tempo do tal "Mon de Palavra" e toda seriedade e respeito uns para com os outros. Bela época que penso já nunca mais voltará. Um beijinho Yo

Yolanda Dias               yoldias@gmail.com


Comentário:

Amigo Z.Figueira, Cá vim dar a minha vista de olhos domingueiro como é hábito e posso dizer-te em primeiro de tudo que soubeste apresentar a estória de forma muito original pelo que te felicito. A escrita está perfeita e abordável por todo o cabo-verdiano. Quanto ao conteudo do texto é tão bom que me senti transportado por etápas em todos recantos os mais reconditos do texto. Força e saude para ontinuares a nos deleitar e tias maravilhas. Fraterno abraço Artur

Artur Vieira                artur.vieira@hotmail.com

V O L T A R